• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Gerenciamento de Riscos: uma abordagem prática
 

Gerenciamento de Riscos: uma abordagem prática

on

  • 6,004 views

 

Statistics

Views

Total Views
6,004
Views on SlideShare
5,977
Embed Views
27

Actions

Likes
2
Downloads
230
Comments
0

1 Embed 27

http://www.slideshare.net 27

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Gerenciamento de Riscos: uma abordagem prática Gerenciamento de Riscos: uma abordagem prática Presentation Transcript

    • Gerenciamento de Riscos: uma abordagem prática Ricardo N. de Matos PMI-MG Setembro/2005
    • ROTEIRO APRESENTAÇÃO CONCEITOS EVOLUÇÃO (BOK) MEPCP OUTRAS ABORDAGENS TENDÊNCIAS 2
    • ROTEIRO APRESENTAÇÃO CONCEITOS EVOLUÇÃO (BOK) MEPCP OUTRAS ABORDAGENS TENDÊNCIAS 3
    • ROTEIRO APRESENTAÇÃO CONCEITOS EVOLUÇÃO (BOK) MEPCP® OUTRAS ABORDAGENS TENDÊNCIAS 4
    • ROTEIRO APRESENTAÇÃO CONCEITOS EVOLUÇÃO (BOK) MEPCP® OUTRAS ABORDAGENS TENDÊNCIAS 5
    • ROTEIRO APRESENTAÇÃO CONCEITOS EVOLUÇÃO (BOK) MEPCP® OUTRAS ABORDAGENS TENDÊNCIAS 6
    • ROTEIRO APRESENTAÇÃO CONCEITOS EVOLUÇÃO (BOK) MEPCP® OUTRAS ABORDAGENS TENDÊNCIAS 7
    • ROTEIRO APRESENTAÇÃO CONCEITOS EVOLUÇÃO (BOK) MEPCP® OUTRAS ABORDAGENS TENDÊNCIAS 8
    • Modelo de Gestão do INDG 9
    • ROTEIRO APRESENTAÇÃO CONCEITOS EVOLUÇÃO (BOK) MEPCP® OUTRAS ABORDAGENS TENDÊNCIAS 10
    • Sucessos e Fracassos PROJETO BEM SUCEDIDO: ATENDEU ÀS METAS: CLIENTE SATISFEITO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES DO TRABALHO (PRAZO, CUSTO, QUALIDADE) MORAL DA EQUIPE SITUAÇÕES QUE OCORREM NA VIDA REAL: SUCESSO: TOTAL Quais as causas de um fracasso? RAZOÁVEL É possível antecipar-se a elas? FRACO FRACASSO 11
    • Riscos – Efeitos de incertezas nos objetivos Todos os projetos contém riscos, oriundos de interação entre OBJETIVOS (o que deve acontecer) e INCERTEZAS (o que pode acontecer) Tempo Incerteza Incerteza Incerteza Qualidade e Custo Desempenho 12
    • Causas, Riscos e Efeitos Como um resultado de < causa >, uma <incerteza> pode ocorrer, que pode levar a <efeito em um objetivo>. Exemplos: •Como resultado da <utilização de um novo hardware>, podem ocorrer <erros na integração de sistemas>, que implicarão em <atrasos e estouros no orçamento>. •Porque <nossa organização nunca conduziu um projeto semelhante>, podemos <não compreender bem as necessidades do cliente>, e a <solução pode não ter o desempenho esperado>. 13
    • RISCOS “Um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou negativo sobre ao menos um dos objetivos do projeto”. PMBOK “Riscos são caracterizados pela possibilidade de um projeto não se realizar de acordo com os objetivos (especificações, custos, tempo, etc.) e com as condições externas. Os desvios que ocorrem podem ser de difícil aceitação ou até mesmo inaceitáveis”. IPMA 14
    • Processos de Gerenciamento de Riscos PASSOS PLANEJAMENTO IDENTIFICAÇÃO ANÁLISE RESPOSTA MONITORAMENTO 15
    • ROTEIRO APRESENTAÇÃO CONCEITOS EVOLUÇÃO (BOK) MEPCP® OUTRAS ABORDAGENS TENDÊNCIAS 16
    • Áreas de Conhecimento -Evolução 55 60 65 70 75 80 85 90 95 00 PERT -CPM R T T E T E C RH Q $ Q $ Q $ A 17
    • Evolução - PMBOK 80 85 90 95 2000 2005 PMBOK 3rd edition Projeto Primeiro PMBOK PMBOK 2000 Oportunidades ESA BOK C/ Guide Ger. Riscos: & 6 áreas duas novas Capítulo “Abordagem áreas: reescrito contingencial” Riscos e (6 processos) Aquisições 18
    • Área do Conhecimento: Riscos Processos RH relacionadosESCOPO com CUSTOS a identificação, análise e respostas aos AQUISI COMUNI- INTEGRAÇÃO riscos doÇÕES projeto. CAÇÕES TEMPO QUALIDADE RISCOS 19
    • ROTEIRO APRESENTAÇÃO CONCEITOS EVOLUÇÃO (BOK) MEPCP® OUTRAS ABORDAGENS TENDÊNCIAS 20
    • Metodologia MEPCP Baseada nos conceitos do PMI (PMBOK); Inclui o método PDCA Flexibilidade no uso, permitindo adaptabilidade a qualquer tipo de organização e a qualquer tipo de área de aplicação Propicia o aprendizado das lições Busca o aperfeiçoamento constante 21
    • Evitando Fracassos Usando Análise de Riscos PARA AUMENTAR AS CHANCES DE SUCESSO DE UM PROJETO, FAÇA ANTECIPADAMENTE: DESCUBRA OS RISCOS QUALIFIQUE OS RISCOS QUANTIFIQUE OS RISCOS ESCOLHA A ESTRATÉGIA QUE NEUTRALIZE OU MINIMIZE OS RISCOS ELABORE PLANOS DE CONTINGÊNCIA PARA ITENS DE MUITO ALTO RISCO 22
    • Avaliação do Cenário - Stakeholders Cliente Externo Cliente Interno FORNECEDORES FORNECEDORES FORNECEDORES DO EXECUTOR DO CLIENTE ALTA ALTA ADMINISTRAÇÃO ALTA ALTA ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO PMO PMO PROJETO PROJETO EXECUTOR CLIENTE EXECUTOR CLIENTE Gerente do Projeto Gerente do Projeto Fornecedores Fornecedores Internos VIZINHOS Internos VIZINHOS EMPRESA EMPRESA EXECUTORA CLIENTE SETOR A SETOR B QUAIS SÃO AS EXPECTATIVAS DOS PRINCIPAIS STAKEHOLDERS? 23
    • Avaliação dos Riscos QUADRO DE RISCOS CLASSIFICAÇÃO DO RISCO FONTE DO RISCO N/A Nulo Baixo Médio Alto 1 Incerteza quanto ao escopo. 2 Incerteza quanto à tecnologia. 3 Comprometimento da Alta Administração do cliente. 4 Comprometimento da Alta Administração do executor. 5 Comprometimento de interfaces com este projeto. Disponibilidade de recursos internos (materiais, humanos e 6 dinheiro). 7 Qualidade, robustez e adeqüabilidade da solução técnica. 8 Cronograma apertado. Competência do Gerente do Projeto (Conhecimento + 9 Experiência + Atitudes Pessoais) 10 Competência da Equipe Executora (interna). 11 Necessidade de treinamento não disponível. 12 Fornecedores Externos para o executor deste projeto 13 Fornecedores Externos para o cliente deste projeto 14 Pagamento pelo cliente. 15 Fatores externos. 16 Planejamento Incompleto ou Inadequado 17 Segurança de Pessoas e Processos 24
    • Avaliação do Projeto McFarlan - 1981 TAMANHO RELACIONADO COM CUSTO, PRAZO E DEPARTAMENTOS ENVOLVIDOS APLICAÇÃO: RELATIVAMENTE À EXPERIÊNCIA DA EMPRESA INCERTEZA QUANTO AO ESCOPO QUÃO BEM O CLIENTE SABE DEMONSTRAR A SUA SOLICITAÇÃO POSSIBILIDADES DE ALTERAÇÕES NAS SOLICITAÇÕES COM O TEMPO INCERTEZA QUANTO A TECNOLOGIA QUÃO BEM A EQUIPE EXECUTORA DO PROJETO DOMINA A TECNOLOGIA A SER EMPREGADA NO PROJETO 25
    • Avaliando os Riscos: Linhas 1 e 2 MÉDIA OU ALTA ESTRUTURAÇÃO: ESTRUTURAÇÃO: COM RELAÇÃO A ESCOPO MÉDIO RISCO ALTO RISCO INCERTEZA DO CLIENTE TECNOLOGIA: TECNOLOGIA: BAIXO RISCO ALTO RISCO ESTRUTURAÇÃO: ESTRUTURAÇÃO: BAIXO RISCO BAIXO RISCO BAIXA TECNOLOGIA: TECNOLOGIA: BAIXO RISCO MÉDIO RISCO BAIXA MÉDIA OU ALTA INCERTEZA DA EQUIPE - TECNOLOGIA 26
    • Trabalhando com Riscos QUADRO DE RISCOS CLASSIFICAÇÃO DO RISCO FONTE DO RISCO N/A Nulo Baixo Médio Alto 1 Incerteza quanto ao escopo. 2 Incerteza quanto à tecnologia. 3 Comprometimento da Alta Administração do cliente. X 4 Comprometimento da Alta Administração do executor. Comprometimento de interfaces com este projeto.Alto Médio Alto 5 Risco Risco Disponibilidade de recursos internos (materiais, humanos e Baixo 6 Impacto dinheiro). Risco Baixo Médio 7 Médio Qualidade, robustez e adeqüabilidade da solução técnica. Médio Cronograma apertado. Risco Risco 8 Competência do Gerente doRisco (Conhecimento + Projeto 9 Baixo Risco Experiência + Atitudes Pessoais) Nulo 10 Competência da Equipe Executora (interna). Baixa Média Alta 11 Necessidade de treinamento não disponível. Probabilidade 12 Fornecedores Externos para o executor deste projeto 13 Fornecedores Externos para o cliente deste projeto FONTE DE RISCO 14 Pagamento pelo cliente. RISCO CONTRAMEDIDA RESP. DATA LIMITE 15 Fatores externos. 16 Planejamento Incompleto ou Inadequado Fazer 3 reuniões / palestras para a alta administração do cliente, Comprometimento da Primeira mostrando a importância do alta administração do Médio J. W. Silva palestra em projeto para alavancar os negócios cliente Maio 05 e para melhorar sua participação no mercado. 27
    • Contramedidas DEVEM SER ESTABELECIDAS PARA TODOS OS RISCOS ANTERIORMENTE IDENTIFICADOS E QUALIFICADOS COMO MÉDIO OU ALTO FONTE DE RISCO Risco CONTRAMEDIDA RESP. DATA LIMITE • Escolher como Coordenador Geral do Projeto um alto Já realizado funcionário da Financial Incerteza quanto ao Médio J. N. Soares Escopo • Formalizar uma parceria Prosoft + Dez. 02 Financial para a condução do projeto Fazer no mínimo 3 reuniões / palestras, pelo gerente do projeto, Primeira palestra para a alta em Dez.02 Comprometimento da administração da alta administração da Médio J. W. Silva Financial, mostrando a Financial importância do projeto para a Financial e a situação dos concorrentes. 28
    • Estratégias Gerenciais Incerteza na Tecnologia Liderança Técnica Integração PM interna e externa Integração interna Projeto “da empresa” Planejamento e Controle Avaliar: divisão; uso de formais. Cuidado! tecnologia dominada Projetos fáceis Integração externa Procedimentos formais Planejamento e de controle de mudanças Controle Planejamento e Controle Gerentes juniores Incerteza no Escopo 29
    • ROTEIRO APRESENTAÇÃO CONCEITOS EVOLUÇÃO (BOK) MEPCP® OUTRAS ABORDAGENS TENDÊNCIAS 30
    • ICB - IPMA Competence Baseline Riscos de Projetos é uma das 28 áreas de conhecimento e experiência (28 core elements for knowledge and experience) Destaca: A presença de riscos em todos os projetos A ocorrência do Gerenciamento de Riscos em todas as fases do ciclo de vida dos projetos Estrutura de processos semelhante à do PMBOK A relevância do gerenciamento das oportunidades 31
    • P2M – A Guidebook for Project and Program Management for Enterprise Inovation Gerenciamento de Riscos é um dos 11 segmentos (áreas) de gerenciamento de projetos. Estrutura muito semelhante à do PMBOK Considera que: Projetos invariavelmente incluem riscos e incertezas Riscos podem ser gerenciados A implementação de gerenciamento de riscos aumenta consideravelmente as chances de sucesso do projeto 32
    • ROTEIRO APRESENTAÇÃO CONCEITOS EVOLUÇÃO (BOK) MEPCP® OUTRAS ABORDAGENS TENDÊNCIAS 33
    • Integração Integração nos níveis operacional e estratégico Incorporação na cultura organizacional do pensamento orientado a riscos (risk-based thinking) Aceitação do risco como um componente natural (inerente) dos negócios e dos projetos 34
    • Aumento do Escopo Hillson, D. Extending the Risk Process to Manage Opportunities. PMI Europe 2001 35
    • Outras Tendências Aumento da profundidade de análise Métodos e Técnicas TI Maior atenção às questões comportamentais Heurísticas (julgamentos sob condições de incerteza) Atitudes pessoais em relação aos riscos 36
    • “Prediction is very difficult, especially about the future.” Niels Bohr (1885-1962) “The problem with the future is that more things might happen then will happen”. Platão (427-347 AC) 37
    • E-mail: rmatos@uai.com.br INDG: www.indg.com.br Muito Obrigado! 38
    • FIM 39