Your SlideShare is downloading. ×
Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001

1,202
views

Published on

Published in: Technology

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,202
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
59
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001 Apresentador: Rodrigo Duran [email_address]
  • 2. Antes de iniciarmos:
    • Escopo da palestra.
    • Preenchimento da ficha de avaliação da palestra.
    • Tempo estimado: 50 minutos.
    • Perguntas ao final, por favor.
  • 3. Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
    • Agenda:
    • Conceitos básicos
    • Onde estávamos
    • Os problemas encontrados
    • As soluções adotadas
    • O trabalho de melhoria
    • Onde chegamos
    • Onde queremos chegar
  • 4. Conceitos básicos: RUP
  • 5. Conceitos básicos: CMM
    • Modelo de maturidade para processos de software (SW-CMM).
    • Desenvolvido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade de Carnegie Mellon.
    • Patrocinado pelo Departamento de Defesa dos EUA.
    • Define 5 níveis de maturidade:
      • Inicial: processos caóticos.
      • Repetível: processo disciplinado / gerência de projeto.
      • Definido: processo padrão para a empresa.
      • Gerenciado: controle quantitativo do processo (métricas).
      • Otimizado: melhoria contínua do processo.
  • 6. Conceitos básicos: CMM nível 2
    • Os métodos de gerenciamento de software são documentados e acompanhados.
    • Práticas bem sucedidas podem ser repetidas em novos projetos.
    • Garantia de cumprimento de custos e prazos em projetos similares.
    • Áreas-chave de processo (KPAs):
      • Gestão de Requisitos;
      • Planejamento de Projeto;
      • Supervisão e Acompanhamento;
      • Gestão de Subcontratação;
      • Garantia da Qualidade;
      • Gestão de Configuração.
  • 7. Conceitos básicos: ISO 9001
    • Norma internacional para gestão da qualidade.
    • Bastante utilizada no Brasil.
    • Foca a gestão da qualidade de processos relacionados a:
      • Projeto;
      • Desenvolvimento;
      • Produção;
      • Instalação;
      • Serviços Associados.
  • 8. Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
    • Agenda:
    • Conceitos básicos
    • Onde estávamos
    • Os problemas encontrados
    • As soluções adotadas
    • O trabalho de melhoria
    • Onde chegamos
    • Onde queremos chegar
  • 9. Onde estávamos:
    • Utilização de metodologia desde 1984.
    • Certificação ISO 9001 desde março de 2000.
    • Processo de Desenvolvimento de Software dentro do escopo da certificação e em pleno uso.
    • RUP ( Rational Unified Process ) sendo aplicado em alguns projetos OO.
  • 10. Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
    • Agenda:
    • Conceitos básicos
    • Onde estávamos
    • Os problemas encontrados
    • As soluções adotadas
    • O trabalho de melhoria
    • Onde chegamos
    • Onde queremos chegar
  • 11. Os problemas encontrados:
    • Clientes com processos de negócio não definidos ou em implantação.
    • Mudanças constantes nos requisitos do software.
    • Estimativas de tamanho, esforço, prazo e custo “estourando” em alguns projetos.
    • Inexistência de uma base de métricas para referência nas estimativas e acompanhamento dos projetos.
  • 12. Os problemas encontrados:
    • Pouco controle dos riscos relacionados aos projetos.
    • Pouco envolvimento do cliente durante o projeto.
    • Necessidade de um maior controle da qualidade.
    • Necessidade de se definir um Processo Corporativo.
  • 13. Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
    • Agenda:
    • Conceitos básicos
    • Onde estávamos
    • Os problemas encontrados
    • As soluções adotadas
    • O trabalho de melhoria
    • Onde chegamos
    • Onde queremos chegar
  • 14. As soluções adotadas:
    • Definição e implantação de um Processo Corporativo para Desenvolvimento de Software (nível organizacional).
    • Implantação de todas as KPAs do CMM nível 2.
    • Definição de diretrizes para uso do Processo Corporativo em projetos com características específicas.
    • Implantação de um banco de métricas de projetos.
    • (Re-) Treinamento de toda a equipe técnica e gerencial.
  • 15. Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
    • Agenda:
    • Conceitos básicos
    • Onde estávamos
    • Os problemas encontrados
    • As soluções adotadas
    • O trabalho de melhoria
    • Onde chegamos
    • Onde queremos chegar
  • 16. O trabalho de melhoria:
    • Avaliação da situação da MSA.
    • Planejamento da implantação do Processo Corporativo:
      • Adaptação do RUP às necessidades da MSA;
      • Implantação das KPAs do CMM nível 2 (idem);
      • Treinamento da equipe técnica e gerencial;
      • Implantação do Processo Corporativo em um projeto piloto.
      • Acompanhamento e avaliação dos resultados.
      • Implantação do Processo Corporativo nos demais projetos.
    • Criação de uma área na MSA para:
      • Garantia da Qualidade de Software;
      • Engenharia de Processos de Software.
  • 17. KPA – Gestão de Requisitos:
    • Objetivo: estabelecer uma visão comum entre o cliente e a equipe com relação aos requisitos cobertos pelo projeto.
    • Metas:
      • Atividades técnicas e gerenciais são baseadas em requisitos documentados e mantidos em baselines .
      • Manter planos, artefatos e atividades consistentes com os requisitos.
    • Baselines: conjunto de artefatos documentados, revisados e aprovados:
      • Base para o desenvolvimento.
      • Só podem ser mudados através de um processo formal.
  • 18. KPA – Gestão de Requisitos:
    • O Modelo de Casos de Uso é o documento base para o processo.
    • A documentação dos requisitos evolui incrementalmente.
    Planos, Atividades, Artefatos. Processo iterativo
  • 19. KPA – Gestão de Requisitos:
    • O controle de requisitos é realizado ao final das iterações e das fases.
    • Os planos e atividades são revisados para acomodar as mudanças.
    Grandes marcos de revisão.
  • 20. KPA – Planejamento de Projeto:
    • Objetivo: estabelecer planos razoáveis para gerenciar o projeto e usar um processo bem definido.
    • Metas:
      • Documentar as estimativas de software a serem usadas no planejamento e acompanhamento.
      • Planejar e documentar as atividades e os compromissos do projeto.
      • Obter um acordo das pessoas envolvidas quanto aos compromissos.
  • 21. KPA – Planejamento de Projeto:
    • Plano do Projeto (fases e atividades) e Plano da Iteração ( + detalhado).
    • Definição das métricas a serem usadas nas estimativas e no acompanhamento
    • Plano da Qualidade, Controle de Riscos e Controle Financeiro (SIAP).
    FPA Pontos de Função
  • 22. KPA – Planejamento de Projeto:
    • Acordo dos envolvidos através das propostas e critérios de aceitação dos produtos.
    • Definição de um fluxo de comunicação para os envolvidos no projeto.
    FPA Pontos de Função
  • 23. KPA – Supervisão e Acompanhamento:
    • Objetivo: fornecer uma visibilidade adequada do progresso do projeto e agir sobre os desvios.
    • Metas:
      • Acompanhar os resultados e desempenhos reais confrontando com o planejado.
      • Tomar ações corretivas e gerenciá-las quando houver desvios no planejado.
      • Assegurar que as alterações nos compromissos sejam acordadas entre todos os envolvidos.
  • 24. KPA – Supervisão e Acompanhamento:
    • Ao final das iterações e fases os resultados são comparados com o realizado e alterações nos compromissos são acordadas.
    • Os desvios são identificados, documentados e corrigidos..
  • 25. KPA – Supervisão e Acompanhamento:
    • Grandes marcos de revisão ao final das fases.
    • Marcos menores de revisão ao final das iterações.
    • Acompanhamento contínuo durante a iteração.
    Marcos de revisão Processo iterativo
  • 26. KPA – Garantia da Qualidade:
    • Objetivo: fornecer uma visibilidade da eficácia do processo e da qualidade dos artefatos.
    • Metas:
      • Planejar as atividades de Garantia da Qualidade do Software.
      • Verificar a conformidade dos artefatos em relação aos padrões e procedimentos aplicáveis.
      • Informar grupos e pessoas envolvidas quanto aos resultados.
      • Encaminhar à gerência sênior as questões de NC não resolvidas.
  • 27. KPA – Garantia da Qualidade:
    • Definição do Plano da Qualidade do Software.
    • Modelos ( templates ) para todos os documentos a serem gerados no projeto.
    • Verificações ao final das fases (obrigatória) e das iterações.
    Marcos de revisão Processo iterativo
  • 28. KPA – Gestão de Subcontratação:
    • Meta 1: A contratante seleciona contratadas qualificadas.
    • Meta 2: A contratante e a contratada concordam com os seus compromissos.
    • Meta 3: A contratante e a contratada mantêm comunicação.
    • Meta 4: A contratante acompanha o desempenho e resultados da contratada.
    Responsabilidade da Organização Norma “Seleção, Contratação e Avaliação de Subcontratados” do Sistema da Qualidade da MSA.
  • 29. KPA – Gestão de Configuração:
    • Objetivo: estabelecer e manter a integridade dos produtos do projeto.
    • Metas:
      • Planejar as atividades de gestão de configuração de software.
      • Identificar, controlar e tornar disponível os artefatos controlados.
      • Controlar as alterações nos artefatos controlados.
      • Informar as pessoas e grupos envolvidos sobre as baselines .
  • 30. KPA – Gestão de Configuração:
    • Controle da integridade, das versões e das alterações nos artefatos.
    • Pontos de controle bem definidos ao final das fases e iterações.
    • Processo de alteração bem definido e documentado.
    • Ferramentas para controle de versão dos artefatos.
  • 31. Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
    • Agenda:
    • Conceitos básicos
    • Onde estávamos
    • Os problemas encontrados
    • As soluções adotadas
    • O trabalho de melhoria
    • Onde chegamos
    • Onde queremos chegar
  • 32. Onde chegamos (resultados alcançados):
    • Processo Corporativo para Desenvolvimento de Software definido, implantado e conforme a ISO 9001 versão 2000.
    • Novas disciplinas no Processo:
      • Modelagem de Negócio;
      • Gestão de Configuração e Mudança.
    • Grande melhoria da disciplina de Requisitos.
    • Maior controle de riscos dos projetos.
  • 33. Onde chegamos (resultados alcançados):
    • Grande melhoria na disciplina de Testes.
    • Controle da qualidade bem definido.
    • Planejamento do projeto mais detalhado e realista.
    • Definição dos pontos de envolvimento do cliente.
    • Banco de Métricas de Projetos implantado.
  • 34. Estrutura do Processo Corporativo:
  • 35. Utilização do Processo Corporativo: Processo Corporativo Específico do Projeto Organizacional Projeto 1 ... Projeto n
  • 36. Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
    • Agenda:
    • Conceitos básicos
    • Onde estávamos
    • Os problemas encontrados
    • As soluções adotadas
    • O trabalho de melhoria
    • Onde chegamos
    • Onde queremos chegar
  • 37. Onde queremos chegar:
    • Aumento quantitativo e qualitativo do Banco de Métricas.
    • Alinhamento das atividades de Planejamento, Supervisão e Acompanhamento também com o PMI ( Project Management Institute ).
    • Avaliação oficial em relação ao CMM - Nível 2.
  • 38. Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
    • Agenda:
    • Conceitos básicos
    • Onde estávamos
    • Os problemas encontrados
    • As soluções adotadas
    • O trabalho de melhoria
    • Onde chegamos
    • Onde queremos chegar
  • 39. Considerações finais:
    • Relembrando: avaliação da palestra.
    • Para download da palestra:
    • www.msainfor.com.br
    • Contato:
    • [email_address]
    • Visitem o stand da MSA-BKM na FENASOFT.