Desenvolvimento Guiado por Testes

1,429 views
1,343 views

Published on

Published in: Technology, Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,429
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
62
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Desenvolvimento Guiado por Testes

  1. 1. Desenvolvimento Guiado por Testes Test-Driven Development (TDD) Guilherme Chapiewski http://gc.blog.br gc@mandic.com.br
  2. 2. O que é TDD?
  3. 3. Regras fundamentais do TDD:  Escreva o teste da implementação ANTES de escrevê-la  Escreva somente código suficiente para o teste passar e nada além disso  Escreva testes pequenos: teste a menor quantidade possível de código de cada vez  Escreva testes muito rápidos: não devem demorar mais do que alguns segundos para serem executados
  4. 4. Etapas da programação com TDD: 1. Criar um teste 2. Executar todos os testes da aplicação para ver o novo teste falhar 3. Escrever a implementação testada 4. Executar os testes para ver se todos passarão 5. Refactoring 6. Executar os testes novamente para garantir que eles continuam passando
  5. 5. Conceitos
  6. 6. Tipos de testes: • Testes Unitários • Testes de Integração • Testes de Aceitação
  7. 7. 1. Testes Unitários:  Testam apenas um componente do sistema  Todos os outros componentes são simulados (mock objects)  Ex. ferramentas: JUnit, JMock  Fundamental para a prática do TDD!
  8. 8. 2. Testes de Integração:  Testam a integração entre componentes  Envolvem dois ou mais componentes (classes+SGBD, classes+SGBD+webservices, vários layers da aplicação, etc.)  Ex. ferramentas: JUnit, DBUnit, HSQLDB  Normalmente não utilizado em TDD
  9. 9. 3. Testes de Aceitação:  Testam uma história, funcionalidade ou caso de uso  Envolvem vários componentes do sistema  Ex. ferramentas: JUnit, Selenium, Fit/FitNesse  Utilizado em TDD
  10. 10. Demonstração
  11. 11. 1. Definção da interface:
  12. 12. 2. Criação do teste:
  13. 13. 3. Execução do teste: (deve falhar pois sequer há implementação)
  14. 14. 4. Criação da classe de implementação: (somente o esqueleto da classe retornando sempre o mesmo resultado)
  15. 15. 5. Execução do teste: (falhou porque a implementação desenvolvida sempre retorna FALSE)
  16. 16. 6. Programação do método:
  17. 17. 7. Execução do teste: (teste passou: 100% de certeza que o código funciona!!!)
  18. 18. 8. Refactoring:
  19. 19. 9. Execução do teste: (teste falhou por distração do programador: não verificou se cep é nulo!!!)
  20. 20. 10. Corrigindo o refactor:
  21. 21. 11. Execução do teste: (teste passou: temos 100% de certeza que o código CONTINUA funcionando e que nenhum componente que depende deste código quebrou após o refactor)
  22. 22. Exemplos reais
  23. 23. Exemplo 1:
  24. 24. Exemplo 2:
  25. 25. Exemplo 3:
  26. 26. Consequências
  27. 27. Consequências:  Suite de regressão  Testes completos podem ser executados no build: aplicação não sobe para produção se não passar no teste de regressão  Testes também pode ser feitos na IDE  Não há necessidade de deploy da aplicação para execução dos testes  Bugs são encontrados com maior facilidade e corrigidos com maior velocidade  Bugs comprovados por testes unitários
  28. 28. Consequências:  Código mais testável  Estimula um design melhor  Força que os designs antigos que são pouco testáveis sejam refatorados  Facilita o refactoring  Evita “overdesign”  Só se escreve código suficiente para o teste passar  Evita que o desenvolvedor tente adivinhar o futuro  Colabora com a documentação
  29. 29. Consequências:  Integração contínua
  30. 30. Consequências:  Integração contínua
  31. 31. Conclusões
  32. 32. Conclusões:  Colabora para o aumento da qualidade dos sistemas  Desenvolvedores ficam mais corajosos e confiantes ao programar!  Software cresce de forma ordenada e com qualidade de design  Software se adapta com mais facilidade a mudanças
  33. 33. Conclusões:  Demora mais?
  34. 34. Conclusões:  Demora mais?  No início é necessário escrever muitos testes  Depois da inércia a suite de regressão está pronta e escrevem-se menos testes  Certeza de que a implementação está funcionando  Maioria dos bugs encontrados em tempo de desenvolvimento  Bugs de produção são encontrados e corrigidos com muito mais velocidade  Então no fim das contas demora-se muito menos tempo e com muito mais qualidade!
  35. 35. Perguntas?
  36. 36. Leitura complementar:  Introduction to TDD: http://www.agiledata.org/essays/tdd.html  Desenvolvimento Orientado a Testes: http://www.improveit.com.br/xp/praticas/tdd  Screencast TDD em ação: http://dojofloripa.wordpress.com/2007/05/21/screencast-tdd-em- acao/  Improve your unit tests by replacing your collaborators with mock objects: http://www.opensourcetutorials.com/tutorials/Server-Side- Coding/Java/java-unit-testing-with-mock-objects  Behaviour-Driven Development: http://behaviour-driven.org/
  37. 37. Obrigado!

×