• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Análise de Riscos em Projetos : Uma Abordagem Qualitativa ou Quantitativa
 

Análise de Riscos em Projetos : Uma Abordagem Qualitativa ou Quantitativa

on

  • 26,818 views

 

Statistics

Views

Total Views
26,818
Views on SlideShare
26,767
Embed Views
51

Actions

Likes
2
Downloads
529
Comments
0

1 Embed 51

http://www.slideshare.net 51

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Análise de Riscos em Projetos : Uma Abordagem Qualitativa ou Quantitativa Análise de Riscos em Projetos : Uma Abordagem Qualitativa ou Quantitativa Presentation Transcript

    • Análise de Riscos em Projetos : UmaAnálise de Riscos em Projetos : Uma Abordagem Qualitativa ouAbordagem Qualitativa ou Quantitativa ?Quantitativa ? Lúcio J. Diniz, PMPLúcio J. Diniz, PMP 31.08.200431.08.2004 –– 3a. Feira3a. Feira PMIPMI--MGMG
    • “ Si“ Si pudierapudiera vivirvivir novamente mi vida,novamente mi vida, enen lala prójimaprójima trataríatrataría de cometer másde cometer más erroreserrores.. No intentaria serNo intentaria ser tantan perfectoperfecto, me, me relajaríarelajaría más.más. ““ Jorge Luis BorgesJorge Luis Borges
    • Palestra sobre Análise de Riscos ?Palestra sobre Análise de Riscos ? ““ RiskRisk AnalysisAnalysis “ + ““ + “ RiskRisk ManagementManagement””
    • Análise de Riscos em Projetos :Análise de Riscos em Projetos : Uma Abordagem Qualitativa ou Quantitativa ?Uma Abordagem Qualitativa ou Quantitativa ? 1. Risco: Obstáculo ou Oportunidade?1. Risco: Obstáculo ou Oportunidade? 2. Componentes de Riscos2. Componentes de Riscos 3. Porque Gestão de Riscos em Projetos ?3. Porque Gestão de Riscos em Projetos ? 4. Riscos e Ciclo de Vida de Projetos4. Riscos e Ciclo de Vida de Projetos 5. Gestão de Riscos em Projetos : O Planejamento em sua Essênc5. Gestão de Riscos em Projetos : O Planejamento em sua Essênciaia 6. Identificação de Riscos em Projetos: A Base para as Análise6. Identificação de Riscos em Projetos: A Base para as Análises Qualitativa es Qualitativa e QuantitativaQuantitativa 7. Análise de Riscos em Projetos ( “7. Análise de Riscos em Projetos ( “ RiskRisk AssessmentAssessment “)“) 8. Gestão de Riscos ( “8. Gestão de Riscos ( “ RiskRisk ManagementManagement “ )“ ) 9. Análise de Riscos: Uma Abordagem Qualitativa ou Quantitativ9. Análise de Riscos: Uma Abordagem Qualitativa ou Quantitativa ?a ? 10. A Razão para a Análise de Riscos em Projetos : Estratégias e10. A Razão para a Análise de Riscos em Projetos : Estratégias e AçõesAções 11. Análise Qualitativa com Ações ou Análise Quantitativa sem Aç11. Análise Qualitativa com Ações ou Análise Quantitativa sem Ações ?ões ? 12. A Maravilha dos Instrumentos para Análise Quantitativa de Ri12. A Maravilha dos Instrumentos para Análise Quantitativa de Riscos: Umascos: Uma Armadilha para os Maravilhados ?Armadilha para os Maravilhados ? 13. Que tal uma Análise de Riscos “ Quantitativo13. Que tal uma Análise de Riscos “ Quantitativo--Simplificada” ?Simplificada” ? 14. Afinal : Análise Qualitativa ou Análise Quantitativa ?14. Afinal : Análise Qualitativa ou Análise Quantitativa ? 15. Em Síntese15. Em Síntese
    • 1. Risco: Obstáculo ou Oportunidade?1. Risco: Obstáculo ou Oportunidade?
    • Riscos em ProjetosRiscos em Projetos RISCO EM PROJETOSRISCO EM PROJETOS corresponde a um Evento oucorresponde a um Evento ou condiçãocondição INCERTAINCERTA que, se efetivamente ocorrer, pode implicarque, se efetivamente ocorrer, pode implicar em efeitoem efeito POSITIVOPOSITIVO ouou NEGATIVONEGATIVO nos Resultados do Projeto.nos Resultados do Projeto. Assim, RISCOS EM PROJETOS incluem tantoAssim, RISCOS EM PROJETOS incluem tanto OPORTUNIDADESOPORTUNIDADES quantoquanto OBSTÁCULOSOBSTÁCULOS para opara o atingimentoatingimento dos Resultados de Projetos.dos Resultados de Projetos.
    • Risco x ProblemaRisco x Problema EVENTO INCERTO x FATO ?EVENTO INCERTO x FATO ?
    • 2. Componentes de Riscos2. Componentes de Riscos
    • 2. Componentes de Riscos2. Componentes de Riscos RISCO POSSUI TRÊS COMPONENTES:RISCO POSSUI TRÊS COMPONENTES: –– UMUM EVENTOEVENTO –– AA PROBABILIDADEPROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DODE OCORRÊNCIA DO EVENTOEVENTO –– OO IMPACTOIMPACTO DECORRENTE DO EVENTODECORRENTE DO EVENTO
    • Valor EsperadoValor Esperado de Um Riscode Um Risco •• É uma função de PROBABILIDADE e IMPACTOÉ uma função de PROBABILIDADE e IMPACTO •• Valor Esperado = Probabilidade x ImpactoValor Esperado = Probabilidade x Impacto •• Ex.: Probabilidade de receber uma multa = 90 %Ex.: Probabilidade de receber uma multa = 90 % •• Valor médio de Multas = R$ 150,00Valor médio de Multas = R$ 150,00 •• Orçamento para o Valor Esperado = 0.9 x R$ 150,00 = R$Orçamento para o Valor Esperado = 0.9 x R$ 150,00 = R$ 135,00135,00
    • 3. Porque Gestão de Riscos em3. Porque Gestão de Riscos em Projetos ?Projetos ?
    • “ RAZÕES ““ RAZÕES “ PARA NÃO FAZER ANÁLISE DE RISCOSPARA NÃO FAZER ANÁLISE DE RISCOS EM PROJETOSEM PROJETOS “ Análise de Riscos“ Análise de Riscos “ consome” tempo precioso“ consome” tempo precioso dos membros dados membros da equipe do Projeto “.equipe do Projeto “. “ Análise de Riscos demonstra“ Análise de Riscos demonstra problemas que “só atrapalham “ !problemas que “só atrapalham “ ! “ Análise de Riscos tem tendência de“ Análise de Riscos tem tendência de trazer “más notícias”.trazer “más notícias”. “ Análise de Riscos pode levar a“ Análise de Riscos pode levar a situações “ embaraçosas “.situações “ embaraçosas “. “ Análise de Riscos“ Análise de Riscos acelera a necessidade de levantar questõesacelera a necessidade de levantar questões que, cedo ou tarde, deveriam ser percebidas pelo Cliente do Projque, cedo ou tarde, deveriam ser percebidas pelo Cliente do Projetoeto “ .“ .
    • Porque Gestão de Riscos emPorque Gestão de Riscos em Projetos ?Projetos ? Riscos são da essência deRiscos são da essência de ProjetosProjetos TemporárioTemporário ee SingularSingular
    • PAPÉIS DO GERENTE DE PROJETOS NA GESTÃO DE RISCOSPAPÉIS DO GERENTE DE PROJETOS NA GESTÃO DE RISCOS •• Identificar e compreender Riscos em ProjetosIdentificar e compreender Riscos em Projetos •• Planejar a condução de Riscos (Desenvolver o Plano)Planejar a condução de Riscos (Desenvolver o Plano) •• Incorporar a Gestão de Riscos ao Processo de Planejamento deIncorporar a Gestão de Riscos ao Processo de Planejamento de ProjetosProjetos •• Empregar ferramentas adequadas às diferentes situaçõesEmpregar ferramentas adequadas às diferentes situações •• Desenvolver a Equipe, Clientes e Alta Gerência em práticasDesenvolver a Equipe, Clientes e Alta Gerência em práticas adequadas de gestão de riscosadequadas de gestão de riscos
    • “ Onde não há nada, alguma coisa é“ Onde não há nada, alguma coisa é muito”muito” Lúcio J. DinizLúcio J. Diniz
    • 4. Riscos e Ciclo de Vida de Projetos4. Riscos e Ciclo de Vida de Projetos
    • TEMPO NÍVEL DE ATIVIDADE CONCEPÇÃO DESENVOLVIMENTO CONCLUSÃO 1 2 3 4 EXECUÇÃO CICLO DE VIDA DE PROJETOSCICLO DE VIDA DE PROJETOS
    • Riscos e Ciclo de Vida de ProjetosRiscos e Ciclo de Vida de Projetos •• Na medida em que um projeto evolui ao longoNa medida em que um projeto evolui ao longo do seu ciclo de vida, os riscosdo seu ciclo de vida, os riscos aumentamaumentam ouou diminuemdiminuem ??
    • 5. Gestão de Riscos em Projetos : O5. Gestão de Riscos em Projetos : O PlanejamentoPlanejamento em sua Essênciaem sua Essência
    • Gestão de Riscos em Projetos :Gestão de Riscos em Projetos : OO PlanejamentoPlanejamento em sua Essênciaem sua Essência •• Planejamento da Gestão de RiscosPlanejamento da Gestão de Riscos •• Identificação de RiscosIdentificação de Riscos •• Análise Qualitativa de RiscosAnálise Qualitativa de Riscos •• Análise Quantitativa de RiscosAnálise Quantitativa de Riscos •• Planejamento de Respostas à RiscosPlanejamento de Respostas à Riscos •• Monitoramento e Controle de RiscosMonitoramento e Controle de Riscos
    • 6. Identificação de Riscos em Projetos : A6. Identificação de Riscos em Projetos : A base para as análisesbase para as análises QUALITATIVAQUALITATIVA ee QUANTITATIVAQUANTITATIVA
    • Técnicas para Identificação de Riscos em ProjetosTécnicas para Identificação de Riscos em Projetos 1. BRAINSTORMING1. BRAINSTORMING 2. TÉCNICA DE DELPHI2. TÉCNICA DE DELPHI 3. CHECKLISTS3. CHECKLISTS 4. ANÁLISE / VALIDAÇÃO DE PREMISSAS4. ANÁLISE / VALIDAÇÃO DE PREMISSAS 5. ENTREVISTAS COM ESPECIALISTAS5. ENTREVISTAS COM ESPECIALISTAS 6. NOMINAL GROUP TECHNIQUE6. NOMINAL GROUP TECHNIQUE
    • IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS EM PROJETOSIDENTIFICAÇÃO DE RISCOS EM PROJETOS CAUSACAUSA –– RISCORISCO –– EFEITOEFEITO A Importância da EspecificidadeA Importância da Especificidade “ Como“ Como consequênciaconsequência de (de ( Causa do RiscoCausa do Risco ),), (( Evento incertoEvento incerto ) poderá ocorrer, o que poderá /) poderá ocorrer, o que poderá / conduzirá / levará ao (conduzirá / levará ao ( EfeitoEfeito ) “) “
    • IDENTIFICAÇÃO DE RISCOSIDENTIFICAÇÃO DE RISCOS EXEMPLOSEXEMPLOS 1.1. ComoComo consequênciaconsequência dada falta de clareza quanto àsfalta de clareza quanto às especificaçõesespecificações para o componente XYZ, poderá haverpara o componente XYZ, poderá haver necessidade denecessidade de retrabalhoretrabalho, implicando em, implicando em atraso de duas aatraso de duas a quatro semanas na conclusão da atividade RSTquatro semanas na conclusão da atividade RST.. 2.2. Como resultado doComo resultado do volume de trabalho que o cliente estávolume de trabalho que o cliente está tentandotentando concluirconcluir em vários projetos durante a conclusãoem vários projetos durante a conclusão deste projeto específico, poderá haver umdeste projeto específico, poderá haver um atraso noatraso no processo de aprovação de nossas requisiçõesprocesso de aprovação de nossas requisições, podendo, podendo implicar em umimplicar em um atraso de duas semanas na conclusão doatraso de duas semanas na conclusão do presente projeto.presente projeto. 3.3. Um concorrenteUm concorrente poderá disponibilizar nova tecnologiapoderá disponibilizar nova tecnologia, que, que eventualmente poderá ser empregada no presente projetoeventualmente poderá ser empregada no presente projeto,, implicando emimplicando em redução no prazo de execuçãoredução no prazo de execução do mesmo.do mesmo.
    • 7. Análise de Riscos em Projetos7. Análise de Riscos em Projetos ( “( “ RiskRisk AssessmentAssessment “ )“ ) AnáliseAnálise QUALITATIVAQUALITATIVA & Análise& Análise QUANTITATIVAQUANTITATIVA
    • Análise QUALITATIVA de RiscosAnálise QUALITATIVA de Riscos
    • ANÁLISE QUALITATIVA DE RISCOSANÁLISE QUALITATIVA DE RISCOS •• A análise QUALITATIVA de RISCOS em Projetos é o processo queA análise QUALITATIVA de RISCOS em Projetos é o processo que consiste em se analisar a PROBABILIDADE e o IMPACTO de cadaconsiste em se analisar a PROBABILIDADE e o IMPACTO de cada um dosum dos riscos identificadosriscos identificados, nos objetivos do Projeto., nos objetivos do Projeto. •• Este processo permite estabelecer umaEste processo permite estabelecer uma priorização dos riscospriorização dos riscos emem função do seu potencial de influenciar os resultados do Projeto.função do seu potencial de influenciar os resultados do Projeto. •• A análise qualitativa de riscos ( Probabilidade x Impacto ) deveA análise qualitativa de riscos ( Probabilidade x Impacto ) deve serser feitafeita para cada risco identificadopara cada risco identificado.. •• OO Valor EsperadoValor Esperado de cada Riscos ( Probabilidade x Impacto ),de cada Riscos ( Probabilidade x Impacto ), permite definirpermite definir--se uma priorização dos Riscos do Projeto.se uma priorização dos Riscos do Projeto.
    • Análise Qualitativa de RiscosAnálise Qualitativa de Riscos Matriz Impacto x ProbabilidadeMatriz Impacto x Probabilidade 1. ANÁLISE QUALITATIVA DE PROBABILIDADES REFERENCIAL PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA Grande chance de ocorrer 0.95 Provavelmente ocorrerá 0.75 Igual chance de ocorrer ou não 0.50 Baixa chance de ocorrer 0.25 Pouca chance de ocorrer 0.10
    • Análise Qualitativa de RiscosAnálise Qualitativa de Riscos Matriz Impacto x ProbabilidadeMatriz Impacto x Probabilidade 2. AVALIAÇÃO DO IMPACTO GRAU DO IMPACTO PESO Muito Grande 5.0 Grande 4.0 Moderado 3.0 Pequeno 2.0 Muito Pequeno 1.0
    • MATRIZ PROBABILIDADE x IMPACTOMATRIZ PROBABILIDADE x IMPACTO PONTUAÇÃO PARA CADA RISCO ESPECÍFICO PROBABILIDADE 0.95 0.95 1.90 2.85 3.80 4.75 0.75 0.75 1.50 2.25 3.00 3.75 0.50 0.50 1.00 1.50 2.00 2.50 0.25 0.25 0.50 0.75 1.00 1.25 0.10 0.10 0.20 0.30 0.40 0.50 1.0 2.0 3.0 4.0 5.0 IMPACTO
    • PRIORIZAÇÃO DE RISCOSPRIORIZAÇÃO DE RISCOS Análise QUALITATIVAAnálise QUALITATIVA Com base na Matriz Probabilidade x Impacto, podeCom base na Matriz Probabilidade x Impacto, pode--sese priorizarpriorizar osos Riscos do Projeto, como abaixo:Riscos do Projeto, como abaixo: •• BAIXO RISCOBAIXO RISCO : 0,10 a 0,75: 0,10 a 0,75 •• MÉDIO RISCOMÉDIO RISCO : 0,95 a 1,90: 0,95 a 1,90 •• ALTO RISCOALTO RISCO : 2,00 a 4,75: 2,00 a 4,75
    • Análise QUANTITATIVA de RiscosAnálise QUANTITATIVA de Riscos
    • Análise QUANTITATIVA deAnálise QUANTITATIVA de RiscosRiscos ReservasReservas como Objetivocomo Objetivo PrincipalPrincipal
    • Análise QUANTITATIVA de RiscosAnálise QUANTITATIVA de Riscos OPERACIONALIZAÇÃOOPERACIONALIZAÇÃO •• Árvores de DecisãoÁrvores de Decisão •• Simulação de Monte CarloSimulação de Monte Carlo
    • AÇÃO EVENTO RESULTADO A1 A2 E4 E3 E2 E1 R4 R3 R2 R1 ÁRVORES DE DECISÃOÁRVORES DE DECISÃO -- FORMATO BÁSICOFORMATO BÁSICO
    • SIMULAÇÃO DE MONTE CARLOSIMULAÇÃO DE MONTE CARLO Perspectiva PROBABILÍSTICAPerspectiva PROBABILÍSTICA
    • SampleCount 29 58 87 116 145 174 203 232 261 290 CumulativeProbability 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7 0.8 0.9 1.0 Completion Date 11/14/01 1/1/02 3/1/02 Date: 6/22/2001 11:51:07 PM Number of Samples: 2500 Unique ID: 1 Name: Projeto ABC Completion Std Deviation: 14.1d 95% Confidence Interval: 0.6d Each bar represents 4d. Caso 1 Projeto com 2 Atividades Dados de Duração específicos Distribuição Triangular Completion Probability Table Prob Date 0.05 12/3/2001 0.10 12/6/2001 0.15 12/11/2001 0.20 12/13/2001 0.25 12/17/2001 0.30 12/19/2001 0.35 12/21/2001 0.40 12/24/2001 0.45 12/26/2001 0.50 12/28/2001 Prob Date 0.55 1/1/2002 0.60 1/3/2002 0.65 1/7/2002 0.70 1/10/2002 0.75 1/14/2002 0.80 1/17/2002 0.85 1/22/2002 0.90 1/29/2002 0.95 2/5/2002 1.00 3/1/2002 HISTOGRAMAHISTOGRAMA EE CURVACURVA “S “ DE PROBABILIDADES“S “ DE PROBABILIDADES
    • PASSOS PARA ANÁLISE DE RISCO ATRAVÉSPASSOS PARA ANÁLISE DE RISCO ATRAVÉS DA SIMULAÇÃO DE MONTE CARLODA SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO •• ELABORAR A PROGRAMAÇÃO “ CPM “ DOELABORAR A PROGRAMAÇÃO “ CPM “ DO PROJETO (PROJETO ( DETERMINÍSTICADETERMINÍSTICA )) •• ESTIMAR AS INCERTEZAS RELACIONADAS ÀESTIMAR AS INCERTEZAS RELACIONADAS À PRAZOS E / OU CUSTOS DAS ATIVIDADESPRAZOS E / OU CUSTOS DAS ATIVIDADES •• FAZER ANÁLISE DE RISCOS EMPREGANDO AFAZER ANÁLISE DE RISCOS EMPREGANDO A SIMULAÇÃO DE MONTE CARLOSIMULAÇÃO DE MONTE CARLO •• DEFINIR ASDEFINIR AS RESERVASRESERVAS A SEREM CONSIDERADASA SEREM CONSIDERADAS EM TERMOS DE PRAZOS E DE CUSTOSEM TERMOS DE PRAZOS E DE CUSTOS
    • QUANTIFICAÇÃO DE RISCOS ATRAVÉSQUANTIFICAÇÃO DE RISCOS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃODE SIMULAÇÃO PRINCÍPIO BÁSICOPRINCÍPIO BÁSICO •• A especificação deA especificação de um intervaloum intervalo para a duração depara a duração de uma atividade é mais realista do que buscaruma atividade é mais realista do que buscar--se precisarse precisar um único valor para a duração da mesma.um único valor para a duração da mesma. •• Simulação de Monte Carlo é uma técnica padrão paraSimulação de Monte Carlo é uma técnica padrão para avaliação de questões complexas em estatística.avaliação de questões complexas em estatística. •• A Simulação disponibilizaA Simulação disponibiliza respostas aproximadasrespostas aproximadas parapara problemas que seriam praticamente insolúveis de formaproblemas que seriam praticamente insolúveis de forma direta.direta.
    • ALGUMAS QUESTÕES RELATIVAS À PROGRAMAÇÃOALGUMAS QUESTÕES RELATIVAS À PROGRAMAÇÃO CPM ( SEM SE CONSIDERAR INCERTEZAS )CPM ( SEM SE CONSIDERAR INCERTEZAS ) 1. A duração de Projetos calculada através de CPM só é confiável1. A duração de Projetos calculada através de CPM só é confiável,, apenas se tudo ocorrer de acordo com o planejado. Isto é raro naapenas se tudo ocorrer de acordo com o planejado. Isto é raro na realidade de Projetos.realidade de Projetos. 2. Em várias ocasiões, as datas para conclusão de Projetos obtid2. Em várias ocasiões, as datas para conclusão de Projetos obtidasas através de CPM, sãoatravés de CPM, são irreaisirreais ee altamente otimistasaltamente otimistas, o que pode, o que pode implicar em que as mesmas sejam superadas / atrasadas.implicar em que as mesmas sejam superadas / atrasadas. 3. A data CPM para conclusão do Projeto, não é3. A data CPM para conclusão do Projeto, não é nem mesmo a datanem mesmo a data mais provávelmais provável de conclusão, na maioria dos casos.de conclusão, na maioria dos casos. 4. O caminho definido como “Caminho Crítico “ , usando técnicas4. O caminho definido como “Caminho Crítico “ , usando técnicas tradicionais de CPM,tradicionais de CPM, pode não ser o caminho com maiorpode não ser o caminho com maior probabilidadeprobabilidade de implicar atrasos no Projeto.de implicar atrasos no Projeto.
    • 8. Gestão de Riscos8. Gestão de Riscos ( “( “ RiskRisk ManagementManagement “ )“ )
    • 8. Gestão de Riscos ( “8. Gestão de Riscos ( “ RiskRisk ManagementManagement “ )“ ) •• Planejamento de Respostas à RiscosPlanejamento de Respostas à Riscos •• Monitoramento e Controle de RiscosMonitoramento e Controle de Riscos
    • 9. Análise de Riscos: Uma Abordagem9. Análise de Riscos: Uma Abordagem Qualitativa ou Quantitativa ?Qualitativa ou Quantitativa ?
    • Mais do queMais do que ANÁLISE DE RISCOSANÁLISE DE RISCOS éé necessário que se concentre nanecessário que se concentre na GESTÃO DE RISCOSGESTÃO DE RISCOS
    • 10. A Razão para a Análise de Riscos em10. A Razão para a Análise de Riscos em Projetos : Estratégias e AçõesProjetos : Estratégias e Ações
    • PLANEJAMENTO DE RESPOSTAS A RISCOSPLANEJAMENTO DE RESPOSTAS A RISCOS
    • PLANEJAMENTO DE RESPOSTAS À RISCOSPLANEJAMENTO DE RESPOSTAS À RISCOS •• Planejamento de Respostas à RiscosPlanejamento de Respostas à Riscos é oé o processo através do qual são desenvolvidasprocesso através do qual são desenvolvidas opções e determinadas asopções e determinadas as AÇÕESAÇÕES, necessárias, necessárias àà maximização das oportunidadesmaximização das oportunidades ee reduçãoredução dos obstáculosdos obstáculos aos objetivos do Projeto.aos objetivos do Projeto. •• Tal processo visa assegurar que os riscosTal processo visa assegurar que os riscos identificados, priorizados e quantificadosidentificados, priorizados e quantificados sejamsejam adequadamente administradosadequadamente administrados (( ““ RiskRisk ManagementManagement ““ ))
    • ESTRATÉGIAS PARA RESPOSTAS À RISCOSESTRATÉGIAS PARA RESPOSTAS À RISCOS 1.1. EVITAREVITAR O RISCOO RISCO 2.2. TRANSFERIRTRANSFERIR O RISCOO RISCO ( Para terceiros )( Para terceiros ) 3.3. MITIGARMITIGAR ( MINIMIZAR) O RISCO( MINIMIZAR) O RISCO ( REDUZINDO O SEU VALOR ESPERADO )( REDUZINDO O SEU VALOR ESPERADO ) -- REDUZINDO A PROBABILIDADEREDUZINDO A PROBABILIDADE -- REDUZINDO O VALOR DO IMPACTOREDUZINDO O VALOR DO IMPACTO 4.4. ACEITARACEITAR O RISCOO RISCO ( Assumindo as suas( Assumindo as suas consequênciasconsequências ))
    • PLANEJAMENTO DE RESPOSTAS À RISCOSPLANEJAMENTO DE RESPOSTAS À RISCOS •• PARA CADA RISCO PRIORIZADOPARA CADA RISCO PRIORIZADO, DEVE, DEVE--SE DEFINIRSE DEFINIR UMAUMA ESTRATÉGIAESTRATÉGIA CONSIDERADA MAISCONSIDERADA MAIS ADEQUADA.ADEQUADA. •• EM FUNÇÃO DA ESTRATÉGIA DEFINIDA,EM FUNÇÃO DA ESTRATÉGIA DEFINIDA, PARAPARA CADA RISCO PRIORIZADOCADA RISCO PRIORIZADO, DEVE, DEVE--SE IDENTIFICARSE IDENTIFICAR O CONJUNTO DEO CONJUNTO DE AÇÕESAÇÕES A SER DESENVOLVIDO,A SER DESENVOLVIDO, DE FORMA A IMPLENTARDE FORMA A IMPLENTAR--SE ADEQUADAMENTE ASE ADEQUADAMENTE A ESTRATÉGIAESTRATÉGIA..
    • 11. Análise Qualitativa11. Análise Qualitativa com Açõescom Ações ouou Análise QuantitativaAnálise Quantitativa sem Açõessem Ações ??
    • Entre a primeira e a segundaEntre a primeira e a segunda alternativa, é preferível ficar comalternativa, é preferível ficar com AÇÕESAÇÕES
    • 12. A Maravilha dos Instrumentos12. A Maravilha dos Instrumentos para Análise Quantitativa depara Análise Quantitativa de Riscos :Riscos : Uma Armadilha para osUma Armadilha para os Maravilhados?Maravilhados?
    • Softwares para Análise Quantitativa deSoftwares para Análise Quantitativa de Riscos em Projetos:Riscos em Projetos: Muita ModelagemMuita Modelagem para pouco conteúdo ?para pouco conteúdo ?
    • SampleCount 29 58 87 116 145 174 203 232 261 290 CumulativeProbability 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7 0.8 0.9 1.0 Completion Date 11/14/01 1/1/02 3/1/02 Date: 6/22/2001 11:51:07 PM Number of Samples: 2500 Unique ID: 1 Name: Projeto ABC Completion Std Deviation: 14.1d 95% Confidence Interval: 0.6d Each bar represents 4d. Caso 1 Projeto com 2 Atividades Dados de Duração específicos Distribuição Triangular Completion Probability Table Prob Date 0.05 12/3/2001 0.10 12/6/2001 0.15 12/11/2001 0.20 12/13/2001 0.25 12/17/2001 0.30 12/19/2001 0.35 12/21/2001 0.40 12/24/2001 0.45 12/26/2001 0.50 12/28/2001 Prob Date 0.55 1/1/2002 0.60 1/3/2002 0.65 1/7/2002 0.70 1/10/2002 0.75 1/14/2002 0.80 1/17/2002 0.85 1/22/2002 0.90 1/29/2002 0.95 2/5/2002 1.00 3/1/2002 HISTOGRAMAHISTOGRAMA EE CURVACURVA “S “ DE PROBABILIDADES“S “ DE PROBABILIDADES
    • “ Tome cuidado com quem conhece“ Tome cuidado com quem conhece demais um determinado instrumento! “demais um determinado instrumento! “ Bennet P. Lientz
    • 13. Que tal uma Análise de Riscos13. Que tal uma Análise de Riscos “ Quantitativo“ Quantitativo--SimplificadaSimplificada ” ?” ?
    • 13. Que tal uma Análise de Riscos13. Que tal uma Análise de Riscos “ Quantitativo“ Quantitativo--SimplificadaSimplificada ” ?” ? Reservas = “Reservas = “ BaselineBaseline “ + /“ + / -- 10 %10 %
    • 14. Afinal : Análise Qualitativa ou14. Afinal : Análise Qualitativa ou Análise Quantitativa de Riscos?Análise Quantitativa de Riscos?
    • Análise Qualitativa ou Quantitativa ? É uma Função daÉ uma Função da TIPOLOGIATIPOLOGIA dodo ProjetoProjeto !!
    • TIPOLOGIA DE PROJETOS Os projetos são classificados como P1, P2, P3 ou P4. Para a classificação dos projetos, são utilizados os seguintes parâmetros: a. INVESTIMENTO MÉDIO ANUAL em R$ b. COMPLEXIDADE do projeto
    • TIPOLOGIA DE PROJETOS P1 – PEQUENA DIMENSÃO P2 – MÉDIA DIMENSÃO P3 – GRANDE DIMENSÃO P4 – MEGA DIMENSÃO
    • Análise de Riscos ( “Análise de Riscos ( “ RiskRisk AssessmentAssessment “ )“ ) x Tipologia de Projetosx Tipologia de Projetos •• Todos os Tipos de ProjetoTodos os Tipos de Projeto –– Análise QUALITATIVA de RiscosAnálise QUALITATIVA de Riscos •• ProjetosProjetos P3P3 ee P4P4 –– Análise QUALITATIVAAnálise QUALITATIVA ee QUANTITATIVAQUANTITATIVA de Riscosde Riscos
    • Em Síntese...Em Síntese...
    • Análise Qualitativa ou AnáliseAnálise Qualitativa ou Análise Quantitativa (Quantitativa ( ““ RiskRisk AssessmentAssessment ““ ))
    • Só faz sentido comSó faz sentido com Estratégias e AÇÕESEstratégias e AÇÕES (( ““ RiskRisk ManagementManagement “ !!“ !! ))
    • Monitoramento e Controle de RiscosMonitoramento e Controle de Riscos
    • MONITORAMENTO EMONITORAMENTO E CONTROLE DE RISCOSCONTROLE DE RISCOS Controle das Respostas à RiscosControle das Respostas à Riscos ( Monitoramento e Controle de( Monitoramento e Controle de Riscos ), envolve:Riscos ), envolve: •• acompanhamento dos Riscos Identificadosacompanhamento dos Riscos Identificados •• monitoramento dos Riscos Residuaismonitoramento dos Riscos Residuais •• identificação de novos Riscosidentificação de novos Riscos •• implantação do Plano para Gestão de Riscosimplantação do Plano para Gestão de Riscos •• avaliação das eficácia das ações executadasavaliação das eficácia das ações executadas Controle de Respostas à RiscosControle de Respostas à Riscos deve ser um processo contínuodeve ser um processo contínuo ao longo do Ciclo de Vida do Projeto, uma vez que a gestão de riao longo do Ciclo de Vida do Projeto, uma vez que a gestão de riscos é,scos é, naturalmente, um processo dinâmico.naturalmente, um processo dinâmico.
    • MONITORAMENTO EMONITORAMENTO E CONTROLE DECONTROLE DE RISCOSRISCOS COMPREENDE A EXECUÇÃO DO PLANO DE GESTÃO DECOMPREENDE A EXECUÇÃO DO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS, DE FORMA A RESPONDER AOS EVENTOS DERISCOS, DE FORMA A RESPONDER AOS EVENTOS DE RISCORISCO DURANTE A EXECUÇÃO DO PROJETODURANTE A EXECUÇÃO DO PROJETO..