Agentes que RaciocAgentes que Raciocinam Logicamente

951 views

Published on

Published in: Technology, Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
951
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Agentes que RaciocAgentes que Raciocinam Logicamente

  1. 1. Agentes que Raciocinam Logicamente Prof. Júlio Cesar Nievola PPGIA PUC-PR
  2. 2. Um agente baseado em conhecimento • Componente central: a base de conhecimentos (KB ou BC) • A BC é um conjunto de representações de fatos acerca do “mundo” • Cada representação individual é uma sentença • As sentenças são expressas em uma linguagem de representação do conhecimento
  3. 3. Um agente genérico baseado em conhecimento function KB-AGENT( percept) returns an action static: KB, a knowledge base t, a counter, initially 0, indicating time TELL(KB,MAKE-PERCEPT-SENTENCE( percept, t)) action ¬ ASK(KB,MAKE-ACTION-QUERY(t)) TELL(KB,MAKE-ACTION-SENTENCE(action, t)) t ¬ t +1 return action
  4. 4. Níveis de descrição de um agente baseado em conhecimento • Nível de conhecimento ou epistemológico: nível abstrato. Ex.: A ponte Golden Gate liga São Francisco e Marin County • Nível lógico: conhecimento codificado em sentenças. Ex.: liga(PonteGG,SF,Marin) • Nível de implementação: é o nível executado na arquitetura de agentes. Ex.: lista de strings, tabela indexada etc.
  5. 5. Construção de um agente baseado em conhecimentos • É possível construir um agente baseado em conhecimento “informando-o” do que ele precisa saber. • Abordagem declarativa: o agente recebe o conhecimento na forma de sentenças em uma linguagem de representação • Aprendizagem: constrói-se um mecanismo de aprendizagem sobre as percepções
  6. 6. O mundo do WUMPUS
  7. 7. Situação inicial e após um movimento
  8. 8. Situação após o terceiro e o quinto movimentos
  9. 9. Representação do conhecimento • Permite expressar o conhecimento em uma maneira compreensível pelo computador • É definida por dois aspectos: – Sintaxe: descreve as formas corretas de se construir uma sentença – Semântica: realiza o mapeamento entre as sentenças e os fatos do “mundo” considerado, indicando a “crença” de um agente na sentença
  10. 10. Conexão entre sentenças e fatos
  11. 11. Nomenclatura • A partir de sentenças verdadeiras a vinculação gera somente sentenças verdadeiras • KB vincula a: KB |= a • Um procedimento de inferência que gera somente sentenças vinculadas é chamado de são • a é derivado de KB através de i: KB |- a • Um procedimento de inferência é completo se ele pode gerar uma prova para qualquer sentença que for vinculada
  12. 12. Inferência • Uma sentença é valida (ou tautologia ou uma sentença analítica) sse ela é verdadeira em todas as interpretações em todos os mundos possíveis • Uma sentença é satisfatível sse há pelo menos uma interpretação para a qual ela é verdadeira, caso contrário ela é insatisfatível.
  13. 13. Lógica • Uma lógica consiste dos elementos: – Um sistema formal para descrever condições: • Sintaxe: descreve como criar sentenças corretas • Semântica: estabelece as restrições sistemáticas na forma como as sentenças se relacionam com o mundo – Um sistema de prova: um conjunto de regras para deduzir as vinculações a partir de um conjunto de sentenças
  14. 14. Lógica Proposicional • Na Lógica Proposicional símbolos representam fatos e podem ser ligados por conectivos booleanos • Compromisso ontológica tem a ver com a natureza da realidade • Compromisso epistemológico se refere aos possíveis estados de conhecimento que um agente pode ter
  15. 15. Linguagens Formais Linguagem Compromisso Ontológico Compromisso Epistemológico (o que existe no mundo) (o que um agente acredita) Lógica Proposicional Fatos V/F/desconhecido Lógica de Primeira Ordem Fatos, objetos, relações V/F/desconhecido Lógica Temporal Fatos, objetos, relações, tempo V/F/desconhecido Teoria das Probabilidades Fatos Grau de crença 0…1 Lógica Difusa Grau de verdade Grau de crença 0…1
  16. 16. Sintaxe da Lógica Proposicional • As constantes lógicas verdadeiro e falso são, em si mesmas, sentenças • Um símbolo proposicional, como P é, em si mesmo, uma sentença • Parênteses em torno de uma sentença produzem uma sentença • Uma sentença pode ser formada pela combinação de sentenças mais simples através dos conectivos: Ù (conjunçao) Ú (disjunção) Þ (implicação) Û (equivalência) Ø (negação)
  17. 17. Gramática BNF de Sentenças em Lógica Proposicional Sentença ® SentençaAtômica | SentençaComplexa SentençaAtômica ® Verdadeiro | Falso SentençaComplexa ® (Sentença) |Sentença ConectivoSentença | ØSentença Conectivo ® Ù | Ú | Û | Þ
  18. 18. Semântica na Lógica Proposicional • A sentença verdadeira sempre tem como sua interpretação a forma como o mundo é • A sentença falsa sempre tem como sua interpretação a forma como o mundo não é Tabela-verdade
  19. 19. Entrada de dados x sensores
  20. 20. Modelos
  21. 21. Regras de Inferência para a Lógica Proposicional (1) • Modus Ponens (a Þ b, a) ® b • Eliminação-E (a1 Ù a2 Ù … Ù an) ® ai • Introdução-E (a1, a2, …, an) ® (a1 Ù a2 Ù … Ù an) • Introdução-OU ai ® (a1 Ú a2 Ú … Ú an)
  22. 22. Regras de Inferência para a Lógica Proposicional (2) • Eliminação da dupla negação (Ø Ø a) ® a • Resolução unitária (a Ú b, Øb) ® a • Resolução (a Ú b, Øb Ú g) ® a Ú g ou (Øa Þ b, b Þ g) ® Øa Þ g
  23. 23. Um agente para o mundo do WUMPUS (1)
  24. 24. Um agente para o mundo do WUMPUS (2) • Base de Conhecimentos: – Sentenças: ØS1,1 ØS2,1 S1,2 ØB1,1 B2,1 ØB1,2 – Regras: R1: ØS1,1 Þ ØW1,1 Ù ØW1,2 Ù ØW2,1 R2: ØS2,1 Þ ØW1,1 Ù ØW2,1 Ù ØW2,2 Ù ØW3,1 R3: ØS1,2 Þ ØW1,1 Ù ØW1,2 Ù ØW2,2 Ù ØW1,3 R4: S1,2 Þ W1,3 Ú W1,2 Ú W2,2 Ú W1,1
  25. 25. Um Agente Baseado em Conhecimento em Lóg. Prop.

×