• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Apresentacao Tees Final
 

Apresentacao Tees Final

on

  • 1,032 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,032
Views on SlideShare
1,031
Embed Views
1

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 1

http://www.slideshare.net 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Apresentacao Tees Final Apresentacao Tees Final Presentation Transcript

    • OVERVIEW DE METODOLOGIAS PARA COMPUTAÇÃO UBÍQUA RELACIONANDO COM MPS.BR Adolfo Guimarães Daniel Barreto Kharylim Machado Letícia Gindri
    • AGENDA
      • Introdução
      • O que é computação ubíqua?
      • Modelo de Banavar
      • Modelo de Grimm (one.world)
      • Metodologias de Desenvolvimento
      • MPS.BR
      • Aplicação do MPS.BR no POCAp
      • Trabalhos Futuros
      • Referências
    • AGENDA
      • Introdução
      • O que é computação ubíqua?
      • Modelo de Banavar
      • Modelo de Grimm (one.world)
      • Metodologias de Desenvolvimento
      • MPS.BR
      • Aplicação do MPS.BR no POCAp
      • Trabalhos Futuros
      • Referências
    • INTRODUÇÃO " As tecnologias mais profundas e duradouras são aquelas que desaparecem. Elas se mesclam na vida cotidiana até tornarem-se indissociáveis desta “ (Mark Weiser )
    • INTRODUÇÃO
      • O termo Computação Ubíqua, foi definido pela primeira vez por Mark Weiser, no seu artigo “O Computador do Século 21” ( The Computer for the 21st Century ).
      • A computação não seria exclusividade de um computador e sim de diversos dispositivos conectados entre si
    • AGENDA
      • Introdução
      • O que é computação ubíqua?
      • Modelo de Banavar
      • Modelo de Grimm (one.world)
      • Metodologias de Desenvolvimento
      • MPS.BR
      • Aplicação do MPS.BR no POCAp
      • Trabalhos Futuros
      • Referências
      • A Computação Ubíqua torna a interação pessoa-máquina invisível
      • Move-se para fora dos computadores e torna-se pervasiva na nossa vida cotidiana.
      • Requer computadores pequenos e tecnologias de ligação a computadores maiores.
      O QUE É COMPUTAÇÃO UBÍQUA?
    • Domótica
    • AGENDA
      • Introdução
      • O que é computação ubíqua?
      • Modelo de Banavar
      • Modelo de Grimm (one.world)
      • Metodologias de Desenvolvimento
      • MPS.BR
      • Aplicação do MPS.BR no POCAp
      • Trabalhos Futuros
      • Referências
    • MODELO DE BANAVAR
      • Banavar propõe um modelo focado numa mudança de paradigma, desafiando a comunidade a adotar uma nova visão de dispositivos, aplicações e ambientes.
      • Esta reformulação de conceitos pode ser resumida em 3 idéias principais:
    • MODELO DE BANAVAR
      • i. Um dispositivo é um portal, num espaço de aplicação/dados, e não um repositório de software customizado gerenciado pelo usuário;
      • ii. uma aplicação é um meio pelo qual o usuário realiza uma tarefa, e não um trecho de código escrito para explorar as capacidades do dispositivo;
      • iii. o ambiente computacional é uma espaço de informação, estendido para o usuário. E não um espaço virtual que existe para armazenar e rodar softwares.
    • MODELO DE BANAVAR
      • Para que seja possível modelar essas aplicações, Banavar que é necessário que o ciclo de vida de uma aplicação deve ser dividida em três partes:
      • Tempo de projeto (design-time): É quando o desenvolvedor cria, mantém e aprimora a aplicação.
      • Tempo de carga (load-time): O sistema compõe, adapta e carrega os componentes da aplicação em uma instância em um dispositivo de hardware em particular.
      • Tempo de execução (run-time): Quando o usuário final invoca a aplicação e usa suas funcionalidades.
    • MODELO DE BANAVAR
      • Tempo de projeto (design-time):
      • Se o "dispositivo é um portal", então a aplicação não deve ser escrita com um determinado dispositivo em mente.
      • O desenvolvedor fazer suposições sobre tamanho de tela ou capacidades de hardware (e se não houver tela?)
      • A interface com usuário não deve ser definida como uma composição rígida da interação.
      • Não se deve assumir que um determinado serviço está disponível.
      • Podem vir a existir serviços disponíveis que não são conhecidos pelo desenvolvedor no design-time.
    • MODELO DE BANAVAR
      • Tempo de projeto (design-time):
      • Metodologia de desenvolvimento
      • Não há uma metodologia ideal para o desenvolvimento deste modelo, mas é importante que seja qual for a metodologia escolhida, que o desenvolvimento da aplicação seja essencialmente focado na tarefa do usuário, ao invés da interação do mesmo com a interface.
    • MODELO DE BANAVAR
      • Tempo de carga (load-time):
      • Aplicações e serviços "vivem" em um ambiente físico e distribuído. É necessário um mecanismo para identificar e enumerar essas aplicações e serviços (Dynamic discovery).
      • Dispositivos necessitam negociar requisitos e capacidades para rodar os serviços que dispõe.
      • O sistema deve suportar a seleção dinâmica de uma interface apropriada para a aplicação baseada nos recursos do dispositivo.
      • O sistema deve integrar-se com outras aplicações e serviços disponíveis no ambiente.
    • MODELO DE BANAVAR
      • Tempo de execução (run-time):
      • A aplicação deve sempre monitorar os recursos do portal (dispositivo), para adaptar-se a esses recursos.
      • O run-time deve conduzir uma mudança de contexto quando ocorrer uma mudança de ambiente, durante uma tarefa (ex: do escritório para o carro)
      • A aplicação também deve manipular erros não esperados, queda em serviços ou problemas no próprio portal.
    • AGENDA
      • Introdução
      • O que é computação ubíqua?
      • Modelo de Banavar
      • Modelo de Grimm (one.world)
      • Metodologias de Desenvolvimento
      • MPS.BR
      • Aplicação do MPS.BR no POCAp
      • Trabalhos Futuros
      • Referências
    • MODELO DE GRIMM (ONE.WORLD)
      • Robert Grimm apresenta outra proposta de modelo mais específica. Trata-se, de fato, de uma arquitetura para a construção de aplicações pervasivas. Chamada "One.world", ela define serviços básicos do "núcleo" de um sistema ubíquo, que supririam determinadas necessidades fundamentais.
    • MODELO DE GRIMM (ONE.WORLD)
      • As principais necessidades seriam:
    • MODELO DE GRIMM (ONE.WORLD)
      • Os fundamentos principais do one.world são:
      • i. uma máquina virtual, para lidar com a heterogeneidade de dispositivos e sistemas operacionais;
      • ii. tuplas, responsáveis por prover uma forma simplificada de armazenamento;
      • iii. eventos assíncronos, capazes de fornecer a notificação explícita de uma mudança de contexto;
      • iv. e os ambientes, tratando-se de contâiners para cada aplicação e seus respectivos dados.
    • MODELO DE GRIMM (ONE.WORLD)
      • Aplicações de teste para o one.world:
      • Chat : um sistema de mensagens de texto e áudio capaz de gerenciar mudanças de localização do usuário.
      • Labscape : Assistente digital para laboratórios de biologia. “Segue” o pesquisador, descobrindo qual o dispositivo mais próximo dele, permitindo a transferência automática dos dados necessários.
    • AGENDA
      • Introdução
      • O que é computação ubíqua?
      • Modelo de Banavar
      • Modelo de Grimm (one.world)
      • Metodologias de Desenvolvimento
      • MPS.BR
      • Aplicação do MPS.BR no POCAp
      • Trabalhos Futuros
      • Referências
    • CENTERED DESIGN IN USER
    • CENTERED DESIGN IN USER
          • José Miguel Rubio L.
          • Pontificia Universidad Católica de Valparaíso, Chile
          • Design centrado no usuário
          • Importância da intervenção do usuário nas atividades de avaliação (pessoas, trabalho e ambiente delas)
    • CENTERED DESIGN IN USER
        • Ciclo de vida em Cascata
        • A avaliação não é interna, ocupando uma posição estrita no ciclo
        • Mas ela acaba se tornando uma atividade em operação contínua.
        • Permite o feedback do processo de desenvolvimento.
      CENTERED DESIGN IN USER
        • Trabalho Relacionado :
        • UFPE
          • Framework que proporciona o desenvolvimento de artefatos ubíquos educacionais
          • Técnicas: Etnografia Rápida e Cenários
            • Etnografia rápida: observação mais direcionada e estreita para reduzir o tempo gasto no processo
            • Cenários: criação de quatro cenários
      CENTERED DESIGN IN USER
    • O PROCESSO POCAP (Process for Ontological Context-aware Applications)
    • POCAP
        • Desenvolvido em 2006
        • “ Um processo de software e um modelo ontológico para apoio ao desenvolvimento de aplicações sensíveis a contexto” – Renato Bulcão (Doutorado/USP)
        • Empresa INNOLUTIONS (Ribeirão Preto/SP)
    • POCAP
        • Computação Ubíqua
          • Interfaces naturais
          • Captura e acesso automatizado de atividades humanas
          • Computação sensível a contexto
          • Computação no cotidiano
    • POCAP
        • Computação Ubíqua
          • Interfaces naturais
            • têm como objetivo facilitar a capacidade de comunicação entre usuários e computadores ao fornecer suporte a formas naturais de comunicação humana.
          • Captura e Acesso automatizado
            • são aquelas que registram de modo automático informações de experiências do cotidiano humano para acesso posterior.
    • POCAP
        • Computação Ubíqua
          • Computação sensível a contexto
            • são aquelas que utilizam informações de contexto para fornecer serviços e informações relevantes a usuários e a outras aplicações na realização de alguma tarefa.
          • Computação no cotidiano
            • são aquelas que devem fornecer suporte computacional contínuo – 24 horas por dia, 7 dias por semana – a atividades que podem ocorrer de forma concorrente, sem início e término bem definidos, e que podem ser interrompidas repentinamente.
    • POCAP
        • O trabalho estudado apresenta uma metodologia de desenvolvimento para aplicações ubíquas onde a computação sensível ao contexto é levada em consideração.
    • POCAP
        • Computação sensível ao contexto
        • Ontologias
    • POCAP
        • Computação sensível ao Contexto
          • (1994) “seriam informações de localização, de identidade de pessoas e de objetos próximos entre si e das mudanças nesses objetos” [Schilit & Theimer, 2004]
          • (2001) “é qualquer informação que possa ser utilizada para catacterizar uma entidade. Uma entidade é uma pessoa, lugar ou objeto considerado relevante para uma interação entre um usuário e uma aplicação, incluindo o usuário e a aplicação em questão” [Dey et al., 2001]
    • POCAP
        • Computação sensível ao contexto
          • Características
            • Apresentação de informações e serviços para o usuário
            • Execução automática de um serviço
            • União de informações de contexto
    • POCAP
        • Computação sensível ao contexto
          • Informações de Contexto
            • Who ➔ identificação
            • Where ➔ localização
            • When ➔ tempo
            • What ➔ atividade
            • Why ➔ motivação
            • How ➔ modo de captura e acesso
    • POCAP
        • Ontologias
          • “ Ontologia é uma especificação explícita e formal de uma conceitualização compartilhada ”
    • POCAP
        • SeCoM (Semantic Context Model)
          • Ontologia Time
          • Ontologia Temporal Event
          • Ontologia Spatial
          • Ontologia Spatial Event
          • Ontologia Actor
          • Ontologia Device
          • Ontologia Activity
    • POCAP
        • Processo de Desenvolvimento POCAp
          • Análise e especificação
          • Projeto
          • Desenvolvimento
          • Verificação e validação
          • Implantação
          • Operação
          • Manutenção
          • Aposentadoria
    • POCAP
        • Processo de Desenvolvimento POCAp
          • Análise e especificação
          • Projeto
          • Desenvolvimento
          • Verificação e validação
          • Implantação
          • Operação
          • Manutenção
          • Aposentadoria
    • POCAP
    • POCAP
        • Papéis
          • Analista
          • Projetista
          • Desenvolvedor
          • Validador
          • Engenheiro de Ontologias
    • POCAP
        • Análise e especificação
          • É a atividade de estabelecer o que a aplicação sensível ao contexto deve fazer (requisitos funcionais), as restrições na operação e desenvolvimento da aplicação (requisitos não funcionais), e o conjunto de informações de contexto necessário.
    •  
    • POCAP
        • Projeto
          • é a atividade de produzir uma estrutura de software – por exemplo, um projeto arquitetural – que satisfaz a especificação da aplicação sensível a contexto.
    •  
    • POCAP
        • Desenvolvimento
          • é a atividade de traduzir a estrutura de software produzida na atividade de projeto para um programa executável.
    • POCAP
        • Verificação e validação
          • corresponde às atividades de checar, revisar e testar se a aplicação está em conformidade com sua especificação e se atende aos requisitos estabelecidos.
    • MODEL-DRIVEN DEVELOPMENT FOR PERVASIVE INFORMATION SYSTEMS (MDD para Sistemas de Informação Ubíquos)
    • MDD PARA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBÍQUOS
        • Objetivos
          • Prover eficiência e eficácia no desenvolvimento de SW Ubíquo
          • Formular uma metodologia para a construção de Sistemas de Informação Ubíquos
      • Características relevantes ao se desenvolver um SW Ubíquo
        • Elevado número de dispositivos
        • Inovações tecnológicas 
        • A heterogeneidade dos dispositivos
        • A potencial complexidade das interações entre os dispositivos
      MDD PARA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBÍQUOS
      • Considerações sobre funcionalidade
        • Novos dispositivos integrados ao sistema
        • Nova função é adicionada a um dispositivo
        • Troca de um dispositivo por um mais moderno
      •  
      • Considerações sobre desenvolvimento
        • Interação objeto-objeto
        • Manutenção/Evolução do sistema acomodando novas funcionalidades ou tecnologias
        •   O quão baixo deve ser o nível de abstração
      MDD PARA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBÍQUOS
        • O MDD (Model-Driven Development)
          • Abordagem de desenvolvimento baseada em modelos
          • Maior independência dos modelos em relação às características particulares e mudanças de plataforma
          • Automatização da tranformação de modelos e geração de código
      MDD PARA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBÍQUOS
      • O uso dos conceitos do MDD são importantes, mas não suficientes
      •  
      • É necessária uma abordagem que:
        • Aborde conceitos, técnicas e ferramentas modernos e adequados
        • Estabeleça uma estratégia adequada de desenvolvimento considerando as características dos sistemas ubíquos
      MDD PARA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBÍQUOS
      • A metodologia desenvolvida apresenta três divisões de agrupamento dos disposítivos para o desenvolvimento
      •  
      •  
      MDD PARA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBÍQUOS
    • MDD PARA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBÍQUOS
      • Dimensão de Classe
    • MDD PARA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBÍQUOS
      • Dimensão de Função
    • MDD PARA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBÍQUOS
      • Dimensão de Abstração
    • AGENDA
      • Introdução
      • O que é computação ubíqua?
      • Modelo de Banavar
      • Modelo de Grimm (one.world)
      • Metodologias de Desenvolvimento
      • MPS.BR
      • Aplicação do MPS.BR no POCAp
      • Trabalhos Futuros
      • Referências
    • MPS.BR
        • Melhoria de Processo do Software Brasileiro
        • Avaliação
        • Formação de um setor de software competitivo
        • Utiliza padrões de qualidade existentes (internacionais)
        • Foco nas micro, pequenas e médias empresas
    • MPS.BR
        • Dividido em 3 componentes:
    • MR-MPS
        • Define níveis de maturidade que caracterizam estágios de melhoria da implementação de processos na organização.
        • O nível de maturidade em que se encontra uma organização permite prever o seu desempenho futuro ao executar um ou mais processos.
    • MR-MPS
        • São sete os níveis:
    • MR-MPS
        • Cada nível possui um perfil de processos associados, e esses são:
          • Análise de Causas de Problemas e Resolução – ACP
          • Gerência de Projetos – GPR
          • Gerência de Riscos – GRI
          • Desenvolvimento para Reutilização – DRU
          • Análise de Decisão e Resolução – ADR
          • Gerência de Reutilização – GRU (evolução)
          • Verificação – VER
          • Validação – VAL
          • Projeto e Construção do Produto – PCP
          • Integração do Produto – ITP
          • Desenvolvimento de Requisitos – DRE
          • Gerência de Projetos – GPR (evolução)
          • Gerência de Reutilização – GRU
          • Gerência de Recursos Humanos – GRH
          • Definição do Processo Organizacional – DFP
          • Avaliação e Melhoria do Processo Organizacional – AMP
          • Medição – MED
          • Garantia da Qualidade – GQA
          • Gerência de Configuração – GCO
          • Aquisição – AQU
          • Gerência de Requisitos – GRE
          • Gerência de Projetos – GPR
      MR-MPS
    • MR-MPS
        • Cada nível também possui medidas associadas que são os atributos de processos (AP):
          • AP 1.1 - O processo é executado : medida do quanto o processo atinge seu propósito;
          • AP 2.1 - O processo é gerenciado : medida do quanto a execução do processo é gerenciada;
          • AP 2.2 - Os produtos de trabalho do processo são gerenciados ;
          • AP 3.1 - O processo é definido ;
          • AP 3.2 - O processo está implementado ;
          • AP 4.1 - O processo é medido ;
          • AP 4.2 - O processo é controlado ;
          • AP 5.1 - O processo é objeto de inovações ;
          • AP 5.2 - O processo é otimizado continuamente .
    • A – Em otimização B – Gerenciado Quantitativamente C – Definido D – Largamente Definido E – Parcialmente Definido F – Gerenciado G – Parcialmente Gerenciado
        • AP 1.1 - O processo é executado;
        • AP 2.1 - O processo é gerenciado;
        • AP 2.2 - Os produtos de trabalho
        • do processo são gerenciados;
        • AP 3.1 - O processo é definido;
        • AP 3.2 - O processo está
        • implementado;
        • AP 4.1 - O processo é medido;
        • AP 4.2 - O processo é controlado;
        • AP 5.1 - O processo é objeto de
        • inovações;
        • AP 5.2 - O processo é otimizado
        • continuamente.
    • AGENDA
      • Introdução
      • O que é computação ubíqua?
      • Modelo de Banavar
      • Modelo de Grimm (one.world)
      • Metodologias de Desenvolvimento
      • MPS.BR
      • Aplicação do MPS.BR no POCAp
      • Trabalhos Futuros
      • Referências
    • APLICAÇÃO DO MPS.BR NO POCAP
    • AGENDA
      • Introdução
      • O que é computação ubíqua?
      • Modelo de Banavar
      • Modelo de Grimm (one.world)
      • Metodologias de Desenvolvimento
      • MPS.BR
      • Aplicação do MPS.BR no POCAp
      • Trabalhos Futuros
      • Referências
    • TRABALHOS FUTUROS
        • Arquitetura de HW/SW
        • Propor novos métodos X Adequar os já existentes
        • Análise das metodologias existentes
    • AGENDA
      • Introdução
      • O que é computação ubíqua?
      • Modelo de Banavar
      • Modelo de Grimm (one.world)
      • Metodologias de Desenvolvimento
      • MPS.BR
      • Aplicação do MPS.BR no POCAp
      • Trabalhos Futuros
      • Referências
      • WEISER, Mark. The Computer for the 21st Century. Disponível em: <http://www.ubiq.com/hypertext/weiser/SciAmDraft3.html>. Acesso em: 16 nov. 2008.
      • FALCÃO, Taciana Pontual da Rocha; GOMES, Alex Sandro. Modelagem de soluções ubíquas para uso em salas de aula do Ensino Fundamental. Disponível em: <http://www.ime.uerj.br/~raquel/wied/ihc2004/TFalcaoEtAl.pdf>. Acesso em: 17 nov. 2008.
      • SACCOL, Amarolinda Zanela; REINHARD, Nicolau. Tecnologias de informação móveis, sem fio e ubíquas: definições, estado-da-arte e oportunidades de pesquisa. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-65552007000400009&script=sci_arttext>. Acesso em: 17 nov. 2008.
      REFERÊNCIAS
      • Fernandes, J.E.M.; MACHADO, R.J.; CARVALHO,J.A.; Model-Driven Methodologies for Pervasive Information Systems Development. Universidade do Minho, 2004. Disponível em: <http://piano.dsi.uminho.pt/~rmac/privatefiles/papers/2004_MOMPES_FernandesMachadoCarvalho.pdf>. Acesso em: 18 nov. 2008.
      • G. D. Abowd. Software engineering issues for ubiquitous computing. In ICSE '99: Proceedings of the 21st international conference on Software engineering, pages 75-84, Los Alamitos, CA, USA, 1999. IEEE Computer Society Press.
      • BANAVAR, Guruduth et al. Challenges: An Application Model for Pervasive Computing. Disponível em: <http://www.research.ibm.com/PIMA/Documents/Mobicom2000.pdf>. Acesso em: 17 nov. 2008.
      REFERÊNCIAS
    • REFERÊNCIAS
      • R. Grimm. One.world: Experiences with a pervasive computing architecture. Pervasive computing, 2004.
      • RUBIO, José Miguel. Knowledge Management in the Ubiquitous Software Development. Disponível em: <http://delivery.acm.org/10.1145/1370000/1363280/a51rubio.pdf?key1=1363280&key2=2964407221&coll=GUIDE&dl=GUIDE&CFID=8066182&CFTOKEN=21773650>. Acesso em: 17 nov. 2008.
      • LEAL, Kelly; SERRANO, Milene. Framework Intencional para Testes na Computação Ubíqua centrado em Sistemas Multi-Agentes e Requisitos Ubíquos Não-Funcionais. Disponível em: <http://web.teccomm.les.inf.puc-rio.br/uploads/9/9f/KellyPositionPaper2008.2.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2008.
      • SCALET, Danilo et al. MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro: Guia Geral (Versão 1.2). Disponível em: <http://www.softex.br/mpsBr/_guias/MPS.BR_Guia_Geral_V1.2.pdf>. Acesso em: 30 nov. 2008