XE                  Informativo do Laboratório                                                           twitter: lasp_esa...
LASPEX - 12ª edição | Outubro/Novembro 2011 Ponto Discente e Docente                        Por Amanda Konrad             ...
LASPEX - 12ª edição | Outubro/Novembroo 2011É hora de parar e pensar. O jornal LASPEX, em      Demandas Sociais no Itacuru...
LASPEX - 12ª edição | Outubro/Novembroo 2011 Apoio para a manutenção das atividades de         Córrego Grandeinclusão já e...
LASPEX - 12ª edição | Outubro/Novembroo 2011Entre todos bolsistas da "Família Bússola", há   Fins e começos: o poder dasos...
LASPEX - 12ª edição | Outubro/Novembroo 2011A consolidação institucional nas instâncias da      Projeto Multiplicadores do...
LASPEX - 12ª edição | Outubro/Novembroo 2011As oficinas envolveram em torno de 150                                    No B...
LASPEX - 12ª edição | Outubro/Novembro 2011Obviamente que a resposta para todas estas        Mas o curso ia chegando ao fi...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Informativo Laspex outubro/novembro

3,516

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
3,516
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Informativo Laspex outubro/novembro"

  1. 1. XE Informativo do Laboratório twitter: lasp_esag e-mail: lasp.esag@gmail.com de Aprendizagem em Serviços Públicos Edição nº 12 - Outubro/Novembro 2011 Acontece na ESAG A peça se adequou à discussão do dia: cidadania e educação fiscal. O grupo foi muito aplaudidoNo palco: ESAG em Cena estréia com pelos 120 participantes do evento e na avaliaçãoaplausos escrita por vários expectadores só houve elogios, o que os animou muito para a“Foi muito emocionante; quase chorei”. É o que continuidade desta arte. O grupo “ESAG emdeclarou uma das autoridades presentes ao 2° Cena” inclusive foi convidado para seEncontro de Cidadania e Educação fiscal apresentar em outros eventos, que se realizamrealizado na ESAG em 22 de setembro passado na grande Florianópolis, tais como:osao assistir a peça “O Mito da Caverna”, movimentos de combate a corrupção; oapresentada pelo grupo de teatro “ESAG em Consocial e outros nos quais estão envolvidos oCena”. A peça espelhou o surgimento do CGU, a Receita Federal, o Ministério Público,homem e sua trajetória sócio-econômica, os Tribunais de Contas e vários movimentosfazendo uma crítica ao seu comportamento sociais organizados.político atual. Este mesmo homem pode ser O Grupo “ESAG em Cena” está se preparando,criativo e honesto, mas ele também pode fazer inclusive com ampliação e melhoramento do“caixa 2” para patrocinar campanhas eleitorais; “Mito da Caverna” para a “Semana Ousada”,pode remeter lucros ao exterior; pode usar que se realizará aqui em Florianópolis. O grupo“laranjas”; pode comprar sem exigir nota fiscal; fará sua apresentação em 25 de novembro, às 19pode adotar posturas de manipulação; pode horas no CEART.fraudar licitações sem levar em consideração asconseqüências sociais, etc. O “Mito dacaverna” foi apresentado em três esquetes,antes das palestras e o público presente nãosabia da presença do grupo, sendo, por isso,surpreendido com as apresentações.Foi a estréia do “ESAG em Cena”, cujo grupofoi criado através de um projeto de extensão,coordenado pela professora Aline ReginaSantos. O grupo conta com a participação deprofessores, alunos da ESAG, da FAED, doCEART e de pessoas externas à universidadeque trabalham em Secretarias de Estado ou nosetor privado. Vem se reunindo desde marçodeste ano, desenvolvendo a expressão corporalcom auxílio do ator, diretor e dramaturgo GilGuzzo, formado pela USP e PUC (SP)e Atores do projeto ESAG em cena, em uma apresentação no Encontro demestrando da UFSC, e vinha preparando a Cidadania e Educação Fiscal.peça que foi levada a palco em sua estréia no dia22 de setembro.
  2. 2. LASPEX - 12ª edição | Outubro/Novembro 2011 Ponto Discente e Docente Por Amanda Konrad e Profº Enio Spaniol Administração Pública7° Encontro de ExtensãoNa segunda-feira, dia 07 de novembro, com apresença do Reitor da UDESC, aconteceu, noCentro de Artes, em conjunto com a 4ºSemana Ousada de Artes, o 7º Encontro de Equipe da Extensão da ESAG no 7º Encontro de Extensão da ESAG.Extensão. A realização do evento foicoordenada pela Pró-Reitoria de Extensão,com o objetivo de apresentar à comunidade osprojetos de extensão realizados nauniversidade durante 2011. Este 7° Encontro Sem carro é melhorproporcionou a todos os centros a chance de Enio Spaniolmostrar, conhecer e questionar os projetos emandamento na UDESC, além de ser ummomento de integração entre alunos, técnicos Já se vai longe o tempo em que carroe professores da universidade e sua relação representava conforto, comodidade, agilidade,com a comunidade. bem estar, segurança ou até status. Hoje o carroO 7° Encontro de Extensão se caracterizou pode significar confusão, morosidade,pela exposição de banners, que contavam, de nervosismo, stress, insegurança, poluição ouforma resumida, os propósitos e as até atraso. Temos carros demais: 1 carro porrealizações de cada programa e de cada cada 1,5 pessoas. Se nossa frota de veículosprojeto de extensão. A ESAG esteve presente, continuar crescendo no ritmo acelerado dosapresentando, pelos professores e bolsistas, últimos anos, não vai demorar para termos oos 5 Programas de Extensão e os 21 Projetos correspondente a um veículo para cada pessoade Extensão que estão sendo desenvolvidos em Florianópolis. Evidente que estes carrosneste ano de 2011. O Programa de Extensão estão mal distribuídos: alguns poucos temLASP (Laboratório de Aprendizagem em vários veículos e máquinas potentes, enquantoServiço Público), por banners, detalhou as outros muitos não tem veículo automotor. Erealizações dos seus 3 Projetos: Formação vejam esta contradição: faz sentido alguém terCidadã, Bússola Municipal: indicadores de um veículo com motor, 4 x 4, por exemplo, emdesempenho e reflexos no desenvolvimento ruas pavimentadas, onde só é possível transitarsustentável; e Multiplicador do em velocidade reduzida em função dosConhecimento: universidade, gestores engarrafamentos, cujo trajeto poderia sermunicipais e comunidade no fortalecimento coberto com carros menos potentes, menosda formação comunitária. poluentes e menos consumidores? Faz sentido levarmos mais tempo para percorrer determinado trajeto se em menos tempo fizéssemos o mesmo de bicicleta?
  3. 3. LASPEX - 12ª edição | Outubro/Novembroo 2011É hora de parar e pensar. O jornal LASPEX, em Demandas Sociais no Itacurubisua último edição, levantou este problema,referindo-se especificamente à dificuldade de Enio Luiz Spaniolencontrar estacionamento nos pátios daUDESC durante os dias normais de aula. Talvezesta tenha sido uma das senhas para a ESAG Um dos projetos desenvolvidos pelo LASP emaderir mais intensamente neste ano de 2011 ao 2010 foi o “Diagnóstico Social” que objetivavadia mundial sem carro – 22 de setembro. fazer um levantamento das comunidades doResultado: obtivemos relativo êxito. Muitas entorno da ESAG/UDESC, nos bairros dopessoas deixaram seus carros em casa. Itacorubi, Santa Mônica e Córrego Grande.Estudantes, servidores e cidadãos em geral Essas Comunidades, organizadas emutilizaram o transporte coletivo, caminharam, associações, foram contatadas, visando adeslocaram-se de bicicleta, ou aderiram à identificação das demandas sociais e incentivocarona solidária. Foi um dia de diminuição de de oportunidades de ação social. Ascarros e de tomada de consciência em torno de instituições foram cadastradas junto ao LASP eum dos problemas mais sérios da capital e de as informações poderão subsidiar atividades deoutras cidades do mundo: a mobilidade urbana. extensão, de pesquisa e outras ações sociais. OAqui houve entrevistas na rádio UDESC, na projeto teve como uma de suas justificativas aRádio Record, na Bandeirantes, nos programas necessidade de interligação entre ade televisão, TVBV, SBT, TV Câmara de São Universidade e o seu entorno e, para isto seJosé, RBS TV: no Bom Dia Santa Catarina, concretizar, precisava-se conhecer asJornal do Almoço, Patrola, além de jornais da principais demandas do bairro.região. Os professores Daniel, Carolina, Paula, Através da metodologia adotada porEnio, Samantha, Patrícia, Valério e outros, além questionários e entrevistas, chegou-se àde alunos, revezavam-se em explicar, na mídia sistematização das principais demandas, que ae em redes sociais, o significado do evento. seguir são elencadas (as demandas aqui sãoO mais importante é que este movimento deve reproduzidas da forma como foram expressascontinuar. Na ESAG já foi instalado um pelos entrevistados):bicicletário e novas ações continuarão sendodesenvolvidas. Haverá continuidade com ações Itacorubipara diminuição de veículos nas ruas e nopróximo ano esta data deverá ter ampliação Estabilidade Financeira das organizações não-com a participação em rede de outros centros e governamentais; Assistência Social no Morrooutras entidades sociais de Florianópolis. do Quilombo; Saneamento no bairro (aumentoUma das funções é chamar atenção para a da rede coletora de esgoto); Melhoria napopulação e para as autoridades locais sobre o Estrutura Física no bairro (mais Iluminaçãoprecário estado de transporte coletivo (caro, de pública); Melhoria na Infra-Estruturaqualidade questionável e de espaçamento muito (melhores vias de acesso, mais sinalização,grande entre um e outro horário de ônibus), a diminuição do congestionamento); Melhormelhoria e a ampliação das ciclovias e a criação Aproveitamento da Estrutura Física públicaalternativa de meios de transporte coletivo. A existente; Inclusão social;faixa exposta na entrada da ESAG dizia: “Otransporte precisa ser público”.
  4. 4. LASPEX - 12ª edição | Outubro/Novembroo 2011 Apoio para a manutenção das atividades de Córrego Grandeinclusão já existentes nas organizações não-governamentais; Áreas de lazer públicas Captação de Recursos pelas instituições(aumento do número de praças, aumento do (ONGs. etc.) para desenvolver projetos;número de parques, criação de áreas de lazer no Segurança com maior efetivo, melhormorro do Quilombo); Melhoria na Mobilidade equipada e mais capacitada; Melhoria noUrbana (ciclovias, espaços para pedestres, Abastecimento de Água; Melhor Infra-transporte coletivo mais funcional e barato); Estrutura (diminuição dosMais Coleta de Lixo (tornar a coleta mais Congestionamentos e melhoria nas Vias defrequente); Melhoria na Coleta Seletiva (maior acesso).freqüência e mais divulgação em torno da coleta Destaca-se, por fim, que quantitativamente, oseletiva de lixo); Melhor Segurança; Mais bairro do Itacorubi recebeu uma atenção maisinformações e orientações transparentes sobre intensa neste projeto de extensão.administração de recursos sociais para as Como pode ser observado, algumas demandasorganizações não-governamentais; Melhoria na se repetem nos três bairros. As demandasSaúde (necessidade de mais postos de saúde); acima expostas e os dados reunidos no BancoParcerias mais eficazes entre instituições do de dados poderão subsidiar outros projetos abairro e da comunidade; Mais Creches; ser desenvolvidos pela Universidade eMelhoria na Captação de Recursos; Maior poderão também ser objeto de implementaçãodensidade de Espaços Culturais de políticas públicas nestes bairros do entorno(bibliotecas.teatros e cinemas); Melhoria no da ESAG/UDESC.Abastecimento de água; Mais e melhorDivulgação das atividades do bairro; Busca pormelhor Entrosamento entre Empresas Públicase Privadas; Disponibilidade de Serviços Bússola MunicipalFinanceiros (mais bancos e/ouCaixasEletrônicos). Laura TeixeiraSanta Mônica O projeto Bússola Municipal, um dos projetos que compõem o LASP, vemDemanda por Estabilidade Financeira das seguindo com suas atividades a todo o vapor.organizações não-governamentais; Melhoria na Ultimamente estamos trabalhandoEstrutura Física no bairro (falta de abrigos de ativamente na confecção dosônibus, pontos de ônibus mal localizados, boletins com indicadores socioeconômicos edeficiência na iluminação pública); Melhoria no financeiros das cidades que fazem parte daSaneamento do bairro (a limpeza Pública não é Secretaria de Desenvolvimento Regionalbem feita e requer-se ampliação da rede coletora (SDR) de Itajaí. O projeto está criandode esgoto); Melhoria da Mobilidade Urbana forma, e para tanto, vem sendo de(ciclovias, espaços para pedestres); Mais fundamental importância a dedicação deinformações sobre a Captação de recursos todos os bolsistas e da professora Ivonetipúblicos; Melhor Segurança; Mais e melhores Ramos, coordenadora deste projeto, queserviços de Saúde (mais postos de saúde); tanto se esforça para que todas asMelhor Preservação do Meio Ambiente; oportunidades sejam aproveitadas e o projetoInovação nos Modelos de Transporte Urbano. seja cada vez mais divulgado.
  5. 5. LASPEX - 12ª edição | Outubro/Novembroo 2011Entre todos bolsistas da "Família Bússola", há Fins e começos: o poder dasos que iniciaram junto com o projeto, e outrosque recém entraram, é o caso da acadêmica de pessoasAdm. Pública, Bruna Anziliero que afirma: Patrícia Vendramini"Sou bolsista do Projeto há cerca de um mês eele sempre despertou minha atenção, vistoque é de grande valia para uma análise Empreendemos uma nova jornada sem aomunicipal mais profunda, tanto dos aspectos certo sabermos seus meandros, obstáculos oueconômico-financeiros como sociais, na possibilidades. Estar à frente da coordenaçãomedida em que os boletins nos quais do curso de Administração Pública datrabalhamos podem ser utilizados como ESAG/UDESC entre 2009 e 2011 foi estarnorteadores nas decisões dos Administradores diante de um universo de desafios.Públicos". Contudo, o bolsista Adilson O curso completava cinco anos e havia sidocomplementa: "A oportunidade de participar forjado, desde sua criação, com o maisdeste projeto esta sendo muito importante no profundo rigor para que sua implantaçãomeu aprendizado sobre o tema e também com refletisse os propósitos ousados e inovadoresrelação ao curso em si. E por ser um meio de do Projeto Político-pedagógico (PPP). Comoreverter para a sociedade o investimento feito todo PPP é vivo - se não o for, perde a razãopela mesma na universidade e de ser - , arremates e polimentos ajustaram osconseqüentemente aos acadêmicos." Enfim, intentos iniciais à regulamentaçãoque o Bússola continue agregando educacional, e esta, por sua vez, reflete ainteressados e que esse projeto de extensão da dinâmica da formação no país.ESAG, tenha o alcance que é esperado por Os custos do pioneirismo não são fáceis detodos, acadêmicos e sociedade civil. arcar. Alunos e professores foram juntosParticipam do projeto como bolsistas os construindo, nesses primeiros anos, umaseguintes acadêmicos: Laura Linhares, identidade mais clara para o curso. Talvez osbolsista do LASP. Thayline Maria F. Pereira, frutos dos primeiros esforços tenham sidoAdilson da Silva, Felipe Matos e Bruna colhidos com mais abundância nessesAnziliero e Ana Beatriz Senna, bolsistas últimos dois anos, em que compartilhamosvoluntários do Projeto Bússola. mais intensamente os processos de gestão, consolidamos o corpo docente, acompanhamos nossos egressos atuando no mercado de trabalho e conquistamos novos canais de comunicação com a sociedade. Em 2010, fomos provocados a nos debruçar sobre nova reforma curricular. Como docentes e discentes refletimos, propusemos melhorias, discordamos e, por fim, decidimos esperar pela maturidade que só o tempo é capaz de dar, pois foi apenas em 2011.1 que o currículo atual foi plenamente implementado, cujo início se deu com a turma de 2008.1.
  6. 6. LASPEX - 12ª edição | Outubro/Novembroo 2011A consolidação institucional nas instâncias da Projeto Multiplicadores do ConhecimentoESAG e na sociedade pode ser percebida commais ênfase. Internamente, nossos alunos Patrícia Vendraminiconquistaram espaços de representação Em função do crescente controle social no queestudantil junto aos conselhos deliberativos e à tange às ações desenvolvidas pelaentidade representativa estudantil do centro. A administração pública, instituiu-se, porestrutura do Departamento foi fortalecida com a normativa constitucional, os conselhosincorporação de uma técnica administrativa municipais de saúde, compostos porpermitindo à nova gestão um melhor suporte na representantes da comunidade, das entidadesrealização das inúmeras tarefas. de classe e dos profissionais da área, paraExternamente, temos a presença constante e apresentar as suas necessidades aos entesintensa dos docentes e discentes apresentando governamentais e para legitimar as ações eresultados de pesquisas em eventos científicos, orçamentos públicos.sendo convidados a proferir cursos, palestras, a Para municiar os conselheiros de informaçõesmediar debates que envolvam o interesse e melhorar a sua participação nos processospúblico em congressos, a participar de deliberativos dos conselhos, configurou-se oentrevistas em televisão, rádio e jornal em que o Projeto Multiplicadores do Conhecimento.tema seja Administração Pública. A essência do Este projeto propõe-se a capacitar oscurso, que busca o desenvolvimento de líderes conselheiros municipais de saúde depara articular a rede de coprodução de serviços Florianópolis nas principais temáticas quepúblicos de excelência, foi sorvida pelos envolvem a formulação de estratégias,professores de tal forma que vem sendo controle e fiscalização da execução da políticatransmitida além-mar – somos referência. de saúde municipal.Novas parcerias interinstitucionais foram Desde o início do ano, uma equipecriadas. Uma das realizações nesse sentido foi a interdisciplinar e interinstitucional se reúneinstalação do Conselho de Gestores Públicos, quinzenalmente, capitaneada pela Secretariainiciativa da Direção Geral que nos proporciona Municipal de Saúde, composta poro diálogo com gestores de órgãos públicos, suas representantes dos postos de saúde, dosperspectivas e demandas relativas ao perfil conselhos, da UFSC e da nossa UDESC com oprofissional que buscam. Demandas da objetivo de desenvolver a capacitação doscomunidade surgem a todo momento, conselheiros. Como resultados, podemosevidenciando a visibilidade do curso, colher:efetividade nas ações e resultados para o • Formatação da estrutura das oficinas aosfortalecimento da democracia, o que só é conselheiros municipais e locais de saúdepossível com o engajamento de professores e • Realização de quatro oficinas aosalunos. conselheiros municipais de saúde, com asMais do que sustentar falas bem articuladas em temáticas: (1) O SUS e a Participação Social:prol da coletividade, mostramos, com nossas novos e velhos desafios, (2) Planejamento eações, que o bem comum é construído pela Plano Municipal de Saúde: como passar docombinação entre critérios técnicos e políticos, projeto à realidade?, (3) O dinheiro na Saúdepelo engajamento das pessoas, investindo seus Pública e (4) O público e o privado na Saúderecursos, conhecimentos, expectativas e Pública.capacidade de realização. A Chefia do • Realização de cinco oficinas para osDepartamento foi um espaço ímpar de conselheiros locais de saúde de cada regionalaprendizado e crescimento, sobretudo pela da cidade, com a temática “Saúde, controlevisão de mundo que se põe à prova a partir do social e você: qual é a força do conselho localdesvelar da alma humana. de saúde em sua comunidade?”
  7. 7. LASPEX - 12ª edição | Outubro/Novembroo 2011As oficinas envolveram em torno de 150 No Brasil logo após a divulgação dos númerosparticipantes, entre o conselho municipal e os mencionados surgiram “defensores” elocais. É um número modesto, comparado às “críticos” do desempenho brasileiro no rankingpossibilidades, entretanto, diante da cultura da da ONU. Por um lado, governo e o próprioomissão e da delegação da democracia (dita relatório do PNUD destacaram que as políticasrepresentativa), chega a ser surpreendente. O públicas postas em marcha nos últimos anosdestaque pode ser dado ao compromisso dos possibilitaram ao país consolidar sua condiçãogestores municipais que estão patrocinando a de “Desenvolvimento Humano Elevado”,iniciativa, o Secretário Municipal, João permitindo que o IDH brasileiro crescesse noCândido da Silva, o Secretário Adjunto de período 1990-2010 a uma taxa média de 0,86%,Saúde, Clézio Espezim, assim como o Diretor enquanto que a América Latina e o grupo dede Planejamento, Informação e Captação de países de alto desenvolvimento cresceram aRecursos sob a batuta do Diretor Mário José taxas médias de 0,73% e 0,61%,Bastos Júnior e a gerência do projeto com a respectivamente, no período mencionado. Porservidora Brenda T. Porto de Matos, além de outro lado, oposição e alguns setores daenfermeiras, assistentes sociais, médicos, sociedade destacam fatos, igualmentetécnicos administrativos e voluntários da verdadeiros, como o Brasil estar posicionadocomunidade. Todos incansáveis em acreditar atrás de alguns países latino americanos,que a saúde pública é para ser efetivamente de como:Chile (0,805), Argentina(0,797), Cuba(todos. 0,776), Uruguai(0,783), México(0,770),Desenvolvimento: Para além do IDH Peru(0,725) e Equador (0,720), países que nem Parte I de longe apresentam o vigor econômico da economia brasileira. Como se vê, a vantagem André Luiz Campos de Andrade¹ dos números é que eles não falam, bastando tratá-los bem para que fiquem sempre ao nossoNo último dia 2 de novembro, o Programa das lado.Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) No entanto, o que ambos os lados não debatem,divulgou Relatório de Desenvolvimento ou se debatem o fazem de maneira marginal, éHumano 2011, que apresentou o ranking global sobre o que o IDH não indica, ou melhor, o quedo IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). falta incorporar ao IDH ou a outros índicesO IDH foi concebido no final da década de 1980 e semelhantes para que realmente se consigaseu objetivo principal era o de se tornar uma captar as múltiplas facetas que integram oalternativa “mais realista” ao PIB per capita para conceito de desenvolvimento. Como falar deavaliar e mensurar o desenvolvimento. O índice é desenvolvimento humano, ou melhor,calculado pela conjugação de três dimensões: desenvolvimento da sociedade, sem incorporarrenda (PIB per capita); educação (expectativa de a temática ambiental e a pressão que aanos de escolaridade e média de anos de humanidade exerce sobre o meio que a cerca?escolaridade) e saúde (expectativa de vida ao Como é possível afirmar que um país possuinascer), podendo variar de 0 até 1 ( quanto mais alto desenvolvimento humano se a igualdade depróximo de 1, maior será o desenvolvimento gênero e de raça ainda não atingiu a suahumano). plenitude? É possível afirmar que a ausência deNo relatório de 2011, o Brasil apareceu na 84ª direitos políticos é apenas um detalhe e que nãoposição, com um IDH de 0,718. Neste ranking, precisa ser considerado na mensuração docomposto por 187 países, a Noruega aparece no desenvolvimento? E o que falar sobre a mátopo, com um IDH de 0,943, e a República distribuição de renda dentro de uma sociedade?Democrática do Congo foi a última colocada,com um IDH de 0,286.Mestre em Economia e Especialista em Politicas Públicas e GestãoGovernamental do Ministério do Planejamento. É Professor Colaborador daESAG /UDESC nos cursos de Ciências Econômicas e AdministraçãoEmpresarial.
  8. 8. LASPEX - 12ª edição | Outubro/Novembro 2011Obviamente que a resposta para todas estas Mas o curso ia chegando ao fim e era precisoperguntas é “NÃO” e é exatamente por isso “tomar um rumo”, ganhar dinheiro!Pois bem.que acreditar cegamente que aumentos Eis que em um sábado, 23 de julho de 2011, a 8sucessivos do IDH são a garantia para dias da minha formatura e sem saber o que seriaatingirmos uma sociedade livre de problemas da vida depois da faculdade, me liga o Diretorcom os quais hoje convivemos talvez nos daquela tal empresa de pipoca saborizada, comconduza a uma grande decepção, assim como quem eu não tinha contato há mais de dois anos.foi a constatação de que crescimento Contou-me rapidamente de como a empresaeconômico não é sinônimo de tinha crescido e se consolidado e pedindo umadesenvolvimento econômico. reunião para conversarmos melhor. Foi minhaA boa notícia, no entanto, é a de que já primeira proposta de trabalho, que depois deexistem algumas mentes brilhantes, como o alguns dias de reflexão e consulta aos pais –trio formado por Amartya Sen, Joseph sim, veja como não somos tão independentesStiglitz e Jean-Paul Fitoussi pensando em quanto nós mesmos pensamos -- aceitei.formas alternativas de se mensurar o Hoje, três meses depois da formatura, estouverdadeiro desenvolvimento, mas isso é o Gerente de Expansão da Flavored Popcorn. láassunto da continuação deste artigo, que em 2007, na minha primeira fase -- e encaroestará em nosso próximo informativo. isso como um desafio na consolidação do campo de atuação desse profissional. Com a autonomia e o reconhecimento que um recém- Por onde anda formado espera, tenho provado com resultados reais como o Administrador Público tem competência para atuar positivamente na Leonardo Reis iniciativa privada – como já me havia dito oAdministrador público, emprego prof. José Francisco Salm,privado Essa breve experiência serve para deixar claro que a universidade é o momento deQuando se chega lá pela 7ª ou 8ª fase a gente aproveitarmos e construirmos oportunidades,quer morder quem pergunta o que vamos fazer fazendo com dedicação o que se espera de umdepois de formados. É um período de muitas estudante: estudar. Trabalhando, envolvendo-incertezas e expectativas. Posso dizer que o se no movimento estudantil, mas sem perder oesforço vale a pena. foco da sua real missão naquele instante daEm 2009, trabalhei por cerca de 40 dias no vida, temos todas as condições de abrir asDepartamento Financeiro de uma empresa portas de um futuro incrível.especializada em pipoca saborizada (eu nematinava que isso poderia dar dinheiro!), graçasà indicação de uma amiga. Nesse ínterim,surgiu a oportunidade de atuar diretamente naAdministração Pública e fui levado àPrefeitura Municipal de Florianópolis pelo XEentão Secretário Executivo de ControleInterno e Ouvidoria, professor Arlindo Colaboraram para esta edição: Prof Enio Spaniol,Carvalho Rocha; eleito Presidente da Leonardo Reis,Prof. André Luiz Campos deFederação Nacional dos Estudantes de Andrade, Laura Teixeira, Prof. Patrícia VendraminiAdministração Pública (Feneap), pedi para e Amanda Konrad.sair e me dediquei exclusivamente à Envie seu elogio, crítica ou sugestão para adesafiadora tarefa que se descortinava na próxima edição: lasp.esag@gmail.comminha vida.

×