Rh nocoes de adm rh
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
23,410
On Slideshare
23,410
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
571
Comments
0
Likes
6

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Noções de Administração de Recursos Humanos Profª: Andréia Ribas Email: rh_andreiaribas@hotmail.com 1
  • 2. Conceito de Administração de RH • Constitui uma especialização técnica amplamente desenvolvida de forma a enfocar a relação homem/trabalho. • RH - Capital humano das organizações • Não adiantaria uma empresa ter um alto poder de recursos financeiros e materiais se não dispusesse de pessoas capazes de proporcionar ativação e aplicação desses recursos. 2
  • 3. • É uma área interdisciplinar e envolve conceitos de psicologia, sociologia, antropologia, engenharia industrial, direito do trabalho, etc. ARH - Responsabilidade de linha e de Staff INSTITUICIONAL: Diretor DEPARTAMENTAL: Chefe de cada setor • A Administração de Recursos Humanos é uma responsabilidade de linha, isto é, de cada chefe em relação a seus subordinados. 3
  • 4. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE RH 4
  • 5. Planejamento estratégico de RH Missão da Organização ↓ Objetivos Organizacionais ↓ Planejamento de RH Expansão Ajustamento Mudança Enxugamento novas adequação inovação redução admissões ao mercado criatividade de pessoal 5
  • 6. SISTEMA DE RH: Subsitemas • Captação ou provisão (Planejamento de RH recrutamento e seleção) • Aplicação (Programa de integração dos novos membros na organização, Desenho de cargo, descrição e análise de cargos, avaliação de desempenho) • Manutenção: (Remuneração, benefícios, higiene e segurança no trabalho, relações sindicais) • Desenvolvimento (T&D e DO) • Monitoramento (Banco de dados e auditoria) 6
  • 7. CESPE/UNB TST/2008 – Analista Judiciário ( ) Um sistema de recursos humanos compreende os subsistemas de captação, aplicação, recompensa, desenvolvimento, manutenção e monitoramento de pessoas na organização. OBS: Questão anulada. RECOMPENSA, ou seja, compensação (remuneração) e benefícios sociais passam a integrar o Subsistema de Manutenção de pessoas. (Recursos Humanos – O Capital Humano das Organizações – Idalberto Chiavenato, Atlas, 2006) 7
  • 8. Interesses pessoais versus Interesses organizacionais • Quase sempre os interesses organizacionais e os interesses pessoais são antagônicos entre si: • São organizacionais: a redução de custos, maior produtividade, para uma maior participação no mercado, maior dedicação por parte do funcionário, etc. • São objetivos pessoais: melhor remuneração, segurança no emprego, melhores benefícios sociais, melhor qualidade de vida, etc 8
  • 9. Interesses individuais x interesses organizacionais • Uma das formas de minimizar os conflitos (pessoais x organização) é a de motivar os funcionários • Segundo as modernas teorias de motivação, o que satisfaz e motiva os funcionários é a satisfação de suas necessidades internas. 9
  • 10. MOTIVAÇÃO • Motivação é tudo aquilo que impulsiona a pessoa a agir de alguma forma; • O impulso à ação pode ser: estímulo interno (pensar ou sentir) ou estímulo externo (provindo do ambiente) • O comportamento humano: causado (tanto a hereditariedade como o meio ambiente influenciam o comportamento), motivado (existe um desejo, impulso, necessidade) e orientado para objetivos (dirigido para algum objetivo) 10
  • 11. CICLO MOTIVACIONAL • Começa com uma necessidade: É uma força dinâmica e persistente que provoca o comportamento ETAPAS DO CICLO MOTIVACIONAL necessidade → tensão → ação → satisfação → equilíbrio interno A satisfação das necessidades é temporal e passageira, ou seja, a motivação humana é cíclica 11
  • 12. Teorias motivacionais de: Maslow, Skinner, Vromm, Herzberg: A diferença entre necessidade e motivação, Teoria do Reforço Comportamental Teoria da Expectância Teoria dos Dois Fatores 12
  • 13. Os Fatores Motivadores, segundo Maslow Tipos de Necessidades Auto O desejo dos indivíduos de renovar e reciclar Realização seu potencial; tornar-se cada vez mais o que cada um seria capaz de ser. Secundárias O sentimento das pessoas de sentirem-se valorizadas Estima pelos que as rodeiam; sua auto-estima; o desejo de sentir-se importante, competente e valorizado. A necessidade endógena de amar e ser amado, ter Social amizade, vínculos familiares, intimidade etc. A contrapartida da insegurança natural das pessoas; estabilidade, Primárias Segurança proteção, livre do perigo; um abrigo; uma estrutura, uma ordem etc. Fisiológicas São necessidades físicas como; sexo, bebida, comida sono etc. 13
  • 14. Teoria do reforço comportamental de Skinner • O trabalhador que experimenta o sucesso após assumir uma atitude tende a repetir aquela atitude, na espera de um novo sucesso. •Um comportamento recompensado tende a ser repetido 14
  • 15. O Modelo de Expectância de Vromm •Segundo Vromm, o comportamento humano é sempre orientado para resultados: as pessoas fazem coisas esperando sempre outras em troca. Segundo o modelo desses autores, há duas variáveis que determinam a motivação. o valor da recompensa; • o que se espera como recompensa. 15
  • 16. Teoria dos Dois Fatores de Herzberg • O desempenho das pessoas é afetado pelas condições de trabalho e pelo próprio trabalho. • Fatores higiênicos (ambiente físico, remuneração, e políticas, etc) (Refere-se as condições que rodeiam a pessoa que trabalha) • Fatores motivacionais (oportunidade de aprendizagem, possibilidade de realização, promoção, reconhecimento, etc) 16 (Refere-se ao cargo em si)
  • 17. CLIMA ORGANIZACIONAL • O conceito de motivação – no nível individual conduz ao de clima organizacional. • Clima organizacional está intimamente relacionado com o grau de motivação dos membros de uma empresa. • Elevada motivação: satisfação, interesse e colaboração,etc. • Baixa motivação: insatisfação, desinteresse e apatia, inconformidade, etc. (greves) 17
  • 18. CLIMA ORGANIZACIONAL É A QUALIDADE OU PROPRIEDADE DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL QUE: • É percebida ou experimentada pelos membros da organização; e • Influencia o seu comportamento. • Favorável: proporciona satisfação das necessidades pessoais • Desfavorável: proporciona frustração das necessidades pessoais 18
  • 19. CLIMA DESFAVORÁVEL FAVORÁVEL RIGIDEZ MUTABILIDADE SUPERIORIDADE / INFERIORIDADE IGUALDADE SUBJETIVIDADE OBJETIVIDADE SUBTERFÚGIOS ESPONTANEIDADE FRIEZA EMPATIA 19 19
  • 20. Ações que o RH pode adotar para melhor o Clima Organizacional • Negociação entre os subordinados e a direção da organização buscando conciliar as metas organizacionais com os interesses individuais; • Implantar um processo participativo que possibilite aos empregados exporem o que sentem e proporem soluções para melhorar o clima organizacional 20
  • 21. CESPE/UNB – Polícia Federal Com relação a administração de RH, julgue o item abaixo: ( )Pessoas mais motivadas intrinsecamente tendem a estar mais comprometidas com o trabalho e a estabelecer relação mais profunda com a organização e com as pessoas que a compõe. 21
  • 22. COMUNICAÇÃO As pessoas não vivem isoladas nem são auto-suficientes. Elas se relacionam continuamente com outras pessoas ou com seus ambientes por meio da COMUNICAÇÃO 22
  • 23. Conceito “É o processo mediante o qual um emissor transmite uma mensagem por meio de um canal para um receptor”. David K. Berlo 23
  • 24. Elementos da comunicação Emissor – Quem fala Receptor- Que recebe/ouve Canal – Meio pelo qual a mensagem é transmitida Mensagem – Conteúdo específico / código 24
  • 25. 25
  • 26. 26
  • 27. PERCEPÇÃO SELETIVA É um processo que aparece na comunicação, pois os receptores vêem e ouvem seletivamente com base em suas necessidades, experiências, formação, interesses, valores, etc. 27
  • 28. PERCEPÇÃO SOCIAL • É o meio pelo qual a pessoa forma impressões de uma outra na esperança de compreendê-la. • A empatia é o meio pelo qual a pessoa consegue desenvolver impressões acuradas, a respeito dos outros. 28
  • 29. A percepção social é influenciada por: • Estereótipos (distorções na percepção da pessoas) • Generalizações: (halo effect): é o processo pelo qual um a impressão geral (favorável ou não) influencia o julgamento e avaliação de outros traços específicos das pessoas. • Projeção: é um mecanismo de defesa – julgar os outros como a si mesmo. 29
  • 30. Barreiras à Comunicação: Distorcer o que vemos ou ouvimos de acordo com nossas necessidades e experiências; A incapacidade e a falta de habilidade em ouvir. Ouvimos apenas o que queremos; Resistência a mudanças, rejeitamos novas idéias; Julgamentos e preconceitos; clima organizacional; Como se percebe os fatos, dificuldades de percepção social; (problema Semântico- ciência dos Vocabulário significados). 30
  • 31. TEORIAS DE LIDERANÇA TEORIA DOS TRAÇOS: tradicional, liderança inata, herdada, nasce para ser líder TEORIA COMPORTAMENTAL Moderna, pode ser aprendida TEORIA SITUACIONAL (contingencial) TEORIA LÍDER CAMINHO-META – orientada para tarefa, concentra atenção no desempenho do funcionário, cobrança, avaliação de desempenho, definição clara das responsabilidades, comportamento diretivo TEORIA DO LÍDER TRANSFORMACIONAL: visionário, muda o cpto do liderado através da sua visão, é empreendedor, carismático, atenção personalizada ao funcionário TEORIA DO LÍDER TRANSACIONAL voltado mais para o resultado, voltado para a tarefa, utiliza a recompensa para motivar pessoas. 31
  • 32. CESPE –TRE Analista Judiciário Rio Grande Sul • ( ) De acordo com as teorias contingenciais, não existe um modo ideal de se liderar em todas as situações, ou seja, o melhor estilo de se liderar depende da situação encontrada. • ( )O líder transacional difere do líder transformacional por fornecer, entre outras coisas, visão e sentido de missão, além de expressar propósitos importantes e dar atenção pessoal aos empregados. 32
  • 33. ( )Não existe um modo ideal de se liderar em todas as situações, ou seja, o melhor estilo de se liderar depende da situação encontrada. ( )O estilo de liderança autocrático é caracterizado pela tomada de decisão pelo grupo, com participação mínima do líder e liberdade aos indivíduos. 33
  • 34. ( )Um estilo de decisão conceituado como laissez-faire caracteriza-se pelas atitudes mais positivas em relação aos integrantes, ou seja, solicita dos funcionários as suas opiniões acerca de uma tomada de decisão. ( )A percepção seletiva é um processo que aparece na comunicação, pois os receptores vêem e ouvem seletivamente com base em suas necessidades, experiências, formação e outras características. 34
  • 35. ( )Quando a mensagem é recebida somente em parte, a comunicação existiu, mas ocorre o que se denomina percepção seletiva. ( )A confiança deve fazer parte das relações entre os membros das equipes de trabalho. Para estabelecê-la, cada membro deve agir com lealdade, coerência e integridade, e deve defender radicalmente suas próprias idéias no grupo, como forma de demonstrar competência e autoconfiança. 35
  • 36. Subsistema de Provisão de Recursos Humanos • Planejamento de RH • Recrutamento • Seleção de Pessoal 36
  • 37. Existem fatores que interferem no Planejamento de RH Mercado de RH e Mercado de Trabalho Rotatividade ou Turnover Absenteísmo 37
  • 38. Mercado de Trabalho x Mercado de RH • Mercado de trabalho é constituído pelas ofertas de trabalho oferecidas pelas organizações. • O mercado funciona em termos de oferta e procura. Oferta maior que a procura (Excesso oferta e escassez de candidatos) Oferta equivalente a procura (Equilíbrio entre oferta de emprego e candidatos) Oferta menor que a procura (Escassez de oferta de emprego e excesso de candidatos) 38
  • 39. Rotatividade ou Turnover • É definido pelo número de pessoas que ingressam e saem da organização. • É expressa por meio de uma relação percentual entre as admissões e os desligamentos com relação ao número médio de funcionários da organização, no decorrer de certo período de tempo. • Rotatividade de pessoal: • Entradas maiores que as saídas (↑ as operações) • Saídas maiores que as entradas (↓ as operações) 39
  • 40. ENTREVISTA DE DESLIGAMENTO • A entrevista de desligamento constitui um dos meios de controlar e medir os resultados da política de RH desenvolvida pela organização. Em linha geral a entrevista de desligamento procura verificar os seguintes aspectos: Motivo do desligamento (iniciativa da empresa ou do empregado), opinião do emprego sobre a empresa, cargo que ocupa, chefe direto, horário de trabalho, condições ambientais, remuneração, benefícios, relacionamento interno, oportunidades e progressos dentro da empresa e as oportunidades que encontra no 40 mercado.
  • 41. ÍNDICE DE ROTATIVIDADE DE PESSOAL Índice de rotatividade de pessoal (A+D / 2) X 100 ____________ EM A = ADMISSÕES D = DEMISSÕES EM = EFETIVO MÉDIO NO PERÍODO 41
  • 42. ÍNDICE DE ROTATIVIDADE DE PESSOAL • Quando se trata de analisar as perdas de pessoal e suas causas não se considera as admissões (entradas) • Índice de rotatividade = D x 100 EM (efetivo médio) 42
  • 43. Absenteísmo • Expressão utilizada para designar as faltas ou ausências dos empregados ao trabalho. (seja falta ou atraso) justificadas ou não. • Doença efetivamente comprovada • Doença não comprovada • Razões diversas de caráter familiar • Atrasos involuntários (força maior) • Faltas voluntárias (motivos pessoais) • Dificuldades financeiras • Problemas de transporte • Baixa motivação do trabalhador • Supervisão precária da chefia 43
  • 44. Índice de absenteísmo • Para o planejamento de recursos humanos acusa a percentagem da força de trabalho que apesar de existente deixou de ser aplicada. Índice de absenteísmo = Horas perdidas x 100 = Horas planejadas 44
  • 45. Unb/CESPE - TJDF Técnico Judiciário /2008 ( ) Compromissos particulares, doenças, acidentes e transporte público precário são fatores que interferem no índice de absenteísmo. 45
  • 46. Unb/CESPE - TJDF Técnico Judiciário/2008 ( ) A movimentação de funcionários entre as unidades organizacionais é denominada rotatividade de pessoal 46
  • 47. Questões de Prova do CESPE 47
  • 48. RECRUTAMENTO Atividade Convidativa Mercado de trabalho x Mercado de RH Vagas oferecidas Candidatos 48
  • 49. TIPOS DE RECRUTAMENTO Recrutamento interno; Recrutamento externo; Recrutamento misto; 49
  • 50. Vantagens do Recrutamento INTERNO EXTERNO Vantagens Vantagens • Economia para a empresa • Trás “sangue novo” (anúncio e treinamento) • Aproveita investimento em • Maior índice de validade e treinamento e desenvolvimento de confiança pessoal feitos por outras empresas • Rapidez ou pelos próprios candidatos • Ótima fonte de motivação, • Renova e enriquecem os RH. • Competição sadia Desvantagem Desvantagens • Processo demorado Cria atitude negativa dos • É mais caro, envolve gastos. empregados que não • É menos seguro e pode gerar demonstram condições e não problemas com o pessoal interno. estão aptos. 50
  • 51. FONTES DE RECRUTAMENTO Anúncios em jornais e revistas especializadas; Agências de recrutamento; Contatos com escolas, universidades ; Cartazes ou anúncios em locais visíveis; Apresentação de candidatos por indicação de funcionários; Recrutamento em outras localidades; Consulta aos arquivos de candidatos; Internet. Programas de Trainees: Jovens saídos de Universidades para ocupar posições gerenciais ou altamente técnicas em seu quadro após período de estágio programado e supervisionado. 51
  • 52. • ( )O recrutamento externo é um fator motivador para os funcionários da empresa, pois os estimula a realizar atividades de capacitação e melhorar o desempenho. • ( ) O recrutamento interno tem execução mais ágil e menos custosa que o recrutamento externo. • ( ) Recrutamento é o conjunto de atividades responsável pela comparação entre requisitos exigidos por um cargo e as características dos candidatos a esse cargo. 52
  • 53. SELEÇÃO DE PESSOAS Processo obstativo (Obstáculo, oposição, rejeição a candidatos em relação a escolha) Processo de Comparação (o que o cargo requer e o que o candidato oferece) Cargos – descrição do cargo – Atividades Candidatos – Análise – Requisitos R>A – Não selecionar R<A – Não selecionar R=A - Selecionar 53
  • 54. PROCESSO DE COMPARAÇÃO Especificações Características do Cargo do Candidato O que o cargo requer O que o candidato oferece Análise e descrição do cargo Técnicas de seleção para para saber quais os requisitos e atividades saber quais as condições pessoais que o cargo exige do ocupante. para ocupar o cargo desejado. 54
  • 55. DESCRIÇÃO X ANÁLISE CARGO DESCRIÇÃO DO ANÁLISE DO CARGO AGENTE CARGO ao público •Atender •Diploma de nível médio ADMINISTRATIVO DA •Emissão de passaporte •Mínimo 18 anos PF •Expedição de ofícios •Conhecimento de informática AGENTE DE PF •Investigação •Diploma de nível superior •Efetuar prisões •Mínimo 18 anos •Transporte de presos •Aptidão física •Aptidão psicológica 55
  • 56. PROCESSO DE COMPARAÇÃO E DECISÃO • Modelo de Colocação ( Não há rejeição) C V • Modelo de seleção (aprovação ou rejeição) C C V C • Modelo de Classificação (ampla e situacional) C V C V C V 56
  • 57. TÉCNICAS DE SELEÇÃO • Entrevistas • Provas ou testes de conhecimento ou de capacidade (gerais ou específicos) • Testes psicométricos (aptidões) • Testes de personalidade (expressivos, projetivos ou inventários) • Dinâmicas de grupo (simulações, dramatizações) 57
  • 58. ENTREVISTA • É o processo de comunicação entre duas ou mais pessoas que interagem. Dentro dessa abordagem de sistemas, o entrevistado se assemelha a uma caixa preta a ser desvendada: aplica-se a ela determinados estímulos (entradas) para verificar suas reações (saídas) e, com isso, estabelecer as possíveis relações de causa e efeito ou verificar seu comportamento diante de determinadas situações 58
  • 59. ENTREVISTAS Preparação Processamento Encerramento Avaliação do candidato Entrevista de triagem: rápida, superficial, serve para verificar se o candidato dispõem dos requisitos e qualificações anunciados pelas técnicas de recrutamento. Entrevista de seleção: demorada, detalhada. 59
  • 60. TIPOS DE ENTREVISTAS • ENTREVISTA TOTALMENTE PADRONIZADA: Estruturada, fechada ou direta, com roteiro pré- estabelecido, na qual o candidato é solicitado a responder a questões padronizadas e previamente elaboradas. • ENTREVISTA PADRONIZADA APENAS QUANTO ÀS PERGUNTAS: As perguntas são previamente elaboradas, mais permite respostas abertas, isto é, resposta livre. O entrevistador com uma listagem (check list) de assuntos a questionar e colhe as respostas do candidato. 60
  • 61. TIPOS DE ENTREVISTAS • ENTREVISTA DIRETIVA: Não especifica as questões, mas o tipo de resposta desejada. Aplicada apenas para conhecer certos conceitos espontâneos dos candidatos. • ENTREVISTA NÃO DIRETIVA: Não especifica nem as questões, nem as respostas requeridas. São denominadas entrevistas não diretivas, exploratórias, informais. São entrevistas totalmente livres e cuja seqüência e orientação ficam a cargo de cada entrevistador. 61
  • 62. Subsistema de Aplicação de RH • Socialização Organizacional • Desenho de Cargos • Descrição de Cargos • Análise de Cargos • Avaliação de Desempenho 62
  • 63. SOCIALIZAÇÃO ORGANIZACIONAL • Procura estabelecer junto ao novo participante as bases e premissas através das quais a organização pretende funcionar e como o novo participante poderá colaborar nesse aspecto. • O novo funcionário por sua vez, estará também buscando influenciar a organização. • A adaptação na realidade, é mútua em busca de uma verdadeira simbiose entre as partes. • Bidirecional e recíproca. 63
  • 64. Os métodos mais utilizados: 1. Planejamento do processo seletivo: Durante o processo seletivo o candidato tem a oportunidade de conhecer se futuro ambiente de trabalho, a cultura predominante, os colegas, as atividades, os desafios, o gerente e o estilo de direção existente. 64
  • 65. 2. Conteúdo inicial da tarefa: O gerente pode dar ao novo funcionário tarefas desafiadoras e capazes de proporcionar-lhe sucesso no início de sua carreira na organização para depois entregar tarefas gradativamente mais complicadas e desafiadoras. 65
  • 66. 3.Papel do gerente: Para o novo empregado o gerente representa a imagem da organização. O gerente pode designar um supervisor para acompanhar o funcionário novato. 4. Grupos de trabalho: O grupo de trabalho tem forte influencia sobre crenças e atitudes dos indivíduos a respeito da organização e como eles devem-se se comportar. 66
  • 67. PROGRAMAS DE INTEGRAÇÃO • Programas de integração: Programas intensivos de treinamento inicial destinados aos novos membros da organização, para familiarizá-los com a linguagem usual da organização, com os usos e costumes, valores internos (cultura organizacional), normas e padrões de comportamento, a estrutura de organização (áreas existentes), os principais produtos e serviços, missão e os objetivos organizacionais). 67
  • 68. Unb/CESPE – TCU Analista Administrativo • ( ) Os valores organizacionais devem ser compartilhados entre os empregados desde o momento de seu ingresso na organização, por meio de processos de socialização e acompanhamento do desempenho do empregado, como forma de preservar o seu comprometimento com a cultura da instituição. 68
  • 69. CARGOS Posição que a pessoa ocupa FUNÇÕES Conjunto de atividades e responsabilidades ATIVIDADES Tarefas Atribuições É toda atividade individualizada e executada por um ocupante de cargo 69
  • 70. DESENHO DO CARGO Conteúdo do cargo (tarefas e atribuições) Método e processos de trabalho (Como deverá ser desempenhado as atividades) Responsabilidade ( A quem reportar-se) Relação com a chefia Autoridade (Quem o ocupante deverá supervisionar ou dirigir) Relação com os subordinados 70
  • 71. DESCRIÇÃO DE CARGOS É uma definição escrita do que o ocupante do cargo faz, como ele faz e porque ele faz. 71
  • 72. ANÁLISE DE CARGOS É o procedimento que determina os requisitos e as especificações de um cargo e o tipo de pessoa que deverá ocupá- lo. 72
  • 73. Unb/CESPE – TJDF – Técnico Judiciário / 2008 •( ) Na elaboração do plano de cargos a atividade de especificação de cargos objetiva descrever conhecimentos e habilidades necessárias ao desempenho de cargos. 73
  • 74. Questões de Prova do CESPE 74
  • 75. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FINALIDADE Buscar avaliar o grau de ALINHAMENTO do funcionário com os objetivos da organização. Identificar dificuldades de adequação da pessoa ao cargo. Carências de treinamento. Responsabilidade Chefe imediato Próprio funcionário Subordinados e colegas Comissão 75
  • 76. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO QUEM DEVE AVALIAR O DESEMPENHO? Chefia Comissão imediata de A. D Auto- avaliação Colegas Clientes Clientes internos Subordinados externos 76
  • 77. DISFUNÇÕES DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EFEITO HALO Única característica observável em detrimento de outras (+/-) EFEITO RECENTIDADE Fatos recentes da vida do avaliado (+/-) ERRO DE TENDÊNCIA CENTRAL Média conceitual AVALIAÇÃO CONGELADA Mesmo conceito 77
  • 78. MÉTODOS • ESCALA GRÁFICA • ESCOLHA FORÇADA • INCIDENTES CRÍTICOS • PESQUISA DE CAMPO • COMPARAÇÃO AOS PARES • 360° • AVALIAÇÃO PARTICIPATIVA POR OBJETIVOS (APPO) 78
  • 79. ESCALA GRÁFICA • Utiliza um formulário de dupla entrada e avalia o desempenho das pessoas através de fatores de avaliação previamente definidos e graduados. • Vantagem: simples e fácil aplicação • Desvantagem: favorece o efeito halo 79
  • 80. Método de Escala Gráfica Ótimo(5) Bom (4) Regular(3) Sofrível(2) Fraco (1) Produção Muito Ultrapassa as Satisfaz as Abaixo das Muito lento rápido exigências exigências exigências Qualidade Sempre Às vezes Sempre Parcialmente Nunca superior superior satisfatório satisfatório satisfatório Conhecimento Conhece Conhece o Conhecimen Conhece Tem pouco do trabalho todo o necessário to suficiente parte do conhecimento trabalho do trabalho trabalho do trabalho 80
  • 81. ESCOLHA FORÇADA • Utiliza blocos de frases organizados em grupos, devendo o avaliador escolher uma frase que mais se aplica ao desempenho do avaliado. + / -. • Cada bloco apresenta duas, quatro ou mais frases. A natureza das frases varia bastante. • Padrões objetivos de comparação entre os indivíduos de uma organização. • Vantagem: minimiza o efeito halo, aplicação simples, não exige preparo préviodo avaliador • Desvantagem: falta de flexibilidade e elaboração complexa. 81
  • 82. ESCOLHA FORÇADA A frase que melhor define o desempenho (+) A frase que menos define o desempenho (-) •Frases de desempenho N + - Faz apenas o que mandam 01 Comportamento irrepreensível 02 Não produz quando está sob pressão 03 Cortês com terceiros 04 Hesita ao tomar decisões 05 Merece toda a confiança 06 Tem pouca iniciativa 07 Capricha no serviço 08 82
  • 83. INCIDENTES CRÍTICOS • Baseado na observação e registro dos aspectos, comportamentos considerados extremos + ou – • Vantagem: minimiza o efeito halo • Desvantagem: método demorado 83
  • 84. INCIDENTES CRÍTICOS Item (-) Item (+) A – Trabalhou lentamente A – Trabalhou rapidamente B- Perdeu tempo no período de trabalho B – Economizou tempo no expediente C – Não iniciou sua tarefa prontamente C – Iniciou imediatamente a nova tarefa Fator de avaliação: Produtividade Data Item Incidente crítico Data Item Incidente crítico negativo positivo 84
  • 85. PESQUISA DE CAMPO • Baseado em entrevista no setor com o supervisor imediato, onde levanta as causas, motivos do desempenho do subordinado. • Vantagem: mais completo • Desvantagem: demorado • É feito pelo chefe, com assessoria de um especialista (staff) em Avaliação de Desempenho. O especialista vai a cada sessão para entrevistar a chefia sobre o desempenho de seus respectivos subordinados. 85
  • 86. COMPARAÇÃO AOS PARES • Método de Comparação aos Pares: consiste em comparar dois a dois empregados de cada vez, e se anota na coluna da direita, aquele que é considerado melhor, quanto ao desempenho. • Vantagem: Método Simples • Desvantagem: Pouco eficiente, deve ser aplicado somente quando os avaliadores não tem condições de usar outros métodos mais apurados 86
  • 87. Comparação aos pares Comparação dos empregados A B C D quanto à PRODUTIVIDADE AeB X AeD X CeD X AeC X BeC X BeD X Pontuação 2 3 1 0 87
  • 88. 360º • Todos avaliam e são avaliados. • Vantagem: Reduz o efeito Halo, moderno, confiável, maturidade dos funcionários. • Desvantagem: Apresenta problemas de autoridade e exige investimento em tecnologia. 88
  • 89. AVALIAÇÃO PARTICIPATIVA POR OBJETIVOS Um método moderno de avaliação de desempenho que considera o estabelecimento consensual de objetivos entre gerentes e subordinados, o compromisso do subordinado para o alcance dos objetivos, a alocação adequada de recursos e meios necessários para a realização das tarefas e a monitoração constante dos resultados alcançados em comparação com os resultados esperados. 89
  • 90. Avaliação de Desempenho • Princípio importante da avaliação de desempenho é o FEEDBACK • LITERALMENTE RETROALIMENTAÇÃO • Visa mudar o comportamento ou reforçá-lo. • Visa reforçar as relações entre superiores e subordinados. • Visa que o próprio funcionário busque soluções para um desempenho insatisfatório resultante de sua avaliação. 90
  • 91. Feedback Eficaz Ajuda o indivíduo a melhorar o seu desempenho •Específico e não Genérico •Descrever a situação •Aplicável •Oportuno •Objetivo 91
  • 92. Subsistema de Manutenção de RH • Compensação (Remuneração) • Benefícios Sociais • Higiene e Segurança do Trabalho • Relações Sindicais 92
  • 93. Avaliação de Cargos e Salários • É o meio para determinar o valor relativo de cada cargo dentro da estrutura organizacional. (equilíbrio interno). • Relaciona-se ao preço de cada cargo. • Distribuição equitativa dos salários dentro da empresa. • A implantação de um sistema de remuneração tem a finalidade de regular e reduzir a subjetividade das chefias na administração salarial. 93
  • 94. Avaliação de Cargos e Salários EQUIDADE INTERNA EQUIDADE EXTERNA AVALIAÇÃO DE CARGOS POLÍTICA SALARIAL CLASSIFICAÇÃO DE CARGOS PESQUISA DE SALÁRIOS 94
  • 95. Métodos de avaliação de cargos • Método do escalonamento • Método das categorias pré-determinadas • Método da comparação de fatores • Método de avaliação por pontos 95
  • 96. FATORES DE AVALIAÇÃO • INSTRUÇÃO • CONHECIMENTO • EXPERIÊNCIA • RESPONSABILIDADE POR SUPERVISÃO • RESPONSABILIDADE POR MÁQUINA • RESPONSABILIDADE POR NUMERÁRIO • RESPONSABILIDADE POR SEGURANÇA DE TERCEIROS • Observação: alguns dos fatores utilizados para discriminar e atribuir valores diferenciados ao universo de cargos. 96
  • 97. CLASSIFICAÇÃO • Por pontos: (os cargos são agrupados em classes de acordo com intervalos de pontos) Classes de cargos Amplitude de pontos 1 Até 100 pontos 2 101 A 200 pontos 3 201 a 300 pontos • Por cargos de carreira Escriturário I Escriturário II Escriturário III 97
  • 98. CLASSIFICAÇÃO • Por grupo ocupacional Engenheiro Civil, Eletricista, Químico • Por área de serviço Gerente Financeiro, tesoureiro, contador, caixa • Por categoria Secretária Júnior, sênior, Bilíngüe, Trilíngue, executiva 98
  • 99. BENEFÍCIOS SOCIAIS OBJETIVOS Aumentar a produtividade Melhorar o clima organizacional (aumenta o moral, o relacionamento social, sentimento de segurança, lealdade e melhora a relação com a empresa, reduzindo queixas) Facilitar o recrutamento Conseguir reter os empregados competentes (reduz turnover e absenteísmo) Melhorar da qualidade de vida dos empregados 99
  • 100. PLANO DE BENEFÍCIOS SOCIAIS CLASSIFICAÇÃO Legais: Exigidos pela legislação trabalhista, previdenciária ou convenção coletiva entre sindicatos (13º salário, férias, aposentadoria, seguro de acidentes do trabalho, auxílio doença = "repouso remunerado", salário família, salário maternidade, horas extras, adicional noturno, etc) Espontâneos: Concedidos por liberdade das empresas (gratificações, seguro de vida em grupo, refeições, transporte, empréstimos, convênio de assistência médico- hospitalar, complementação de aposentadoria, etc) 100
  • 101. COMPENSAÇÃO FINANCEIRA REMUNERAÇÃO DIRETA REMUNERAÇÃO INDIRETA • SALÁRIO • LEGAL • PRÊMIO • PLANOS DE INCENTIVO • COMISSÃO • (PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS ) • GRATIFICAÇÕES • BÔNUS • HORAS EXTRAS • ADICIONAL DE PERICULOSIDADE/INSALUBRIDADE • 13 SALÁRIO • FÉRIAS • VOLUNTÁRIO • Tempo não trabalhado • Complementação de aposentadoria, Seguro de vida 101 • Benefícios
  • 102. Unb/CESPE – DFTRANS/2008 • ( ) O salário é classificado como remuneração direta: prêmios, comissões e participação nos lucros integram a remuneração indireta. 102
  • 103. • ( ) A política de benefícios faz parte da estratégia de manutenção dos recursos humanos da empresa. • ( ) Na elaboração do planejamento de remuneração e benefícios, deve-se considerar sua adequação às metas e aos objetivos gerais da organização. 103
  • 104. Subsistema de Desenvolvimento de RH • Treinamento • Desenvolvimento • Desenvolvimento Organizacional 104
  • 105. TREINAMENTO Processo educacional que tem por objetivo: Transmitir conhecimento; Modificar atitudes; Desenvolver habilidades; Transmitir informações; Reduzir distância entre objetivos organizacionais esperados e os alcançados. 105
  • 106. CARACTERÍSTICAS DO TREINAMENTO Focar no negócio da empresa Educação corporativa – tem por objetivo treinar funcionários, fornecedores e clientes. Intencional Proativa cíclico 106
  • 107. PROCESSO DE TREINAMENTO Diagnóstico (Utiliza-se a descrição e a análise de cargos , avaliação de desempenho) – Avaliação das necessidades e objetivos do treinamento/desenvolvimento . Desenho (planejamento) - Estabelecimento de princípios de aprendizagem (orientações referentes à maneira das pessoas aprenderem mais eficazmente) e elaboração do conteúdo do programa. 107
  • 108. Implementação/execução: Depende dos seguintes fatores: (1) Adequação do programa de treinamento às necessidades da organização, (2) a qualidade do material de treinamento, (3) a cooperação dos gerentes e dirigentes, (4) a qualidade e a preparação dos instrutores e aprendizes. Avaliação: Os objetivos de aprendizagem devem ser definidos a partir da análise criteriosa da deficiência de desempenho a ser superada e precisa está descrita em termos de comportamentos esperados para ser ACOMPANHADOS E AVALIADOS. 108
  • 109. PROCESSO DE TREINAMENTO Levantamento Planejamento Execução Avaliação das necessidades de do dos de treinamento treinamento treinamento Resultados do treinamento Resultados Satisfatórios Resultados insatisfatórios 109
  • 110. DESENVOLVIMENTO • Está mais relacionado com a educação e com a orientação para o futuro, o foco é no crescimento pessoal do empregado e visa à carreira futura e não apenas o cargo atual. 110
  • 111. TREINAMENTO X DESENVOLVIMENTO Curto prazo Médio e longo prazo Operacional Estratégico Imediatista Carreira 111
  • 112. TÉCNICAS DE T&D • INTERNAMENTE (no contexto do trabalho) Rodízio de cargos Enriquecimento de cargos (horizontal/ vertical) Treinamento por instrução no próprio cargo • EXTERNAMENTE Vídeos, Palestras, conferências Seminários e workshops Aulas expositivas Jogos empresarias Role playing (dramatizações) 112
  • 113. DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Enquanto o treinamento e o desenvolvimento lidam com a mudança das pessoas, isto é, com a aprendizagem no nível individual, o DO é uma mudança no nível organizacional no qual os próprios funcionários formulam a mudança necessária e a implementam. 113
  • 114. • ( ) Desenvolvimento é o conjunto de atividades de curto prazo que buscam melhorar o desempenho de funcionários nos seus cargos. • ( ) O processo de treinamento de RH inicia-se com o diagnóstico das necessidades da organização com relação ao desempenho de seus funcionários. 114
  • 115. CONCEITOS IMPORTANTES • COACHING – no cargo • MENTORING – fora do cargo • EMPOWERMENT – empoderamento • DOWNSIZING – enxugamento 115
  • 116. ( ) O dirigente que responde pelo papel de coaching deve, entre outras atribuições, orientar e guiar pessoas na sua carreira profissional. 116
  • 117. Subsistema de Monitoramento de RH Sistema de informação de Recursos Humanos • É o conjunto de elementos interdependentes (subsistemas) logicamente associados, para que de sua interação sejam geradas informações necessárias à tomada de decisões. • Como a ARH é uma responsabilidade de linha e função de staff, o órgão de ARH deve municiar e abastecer os órgãos de linha das informações relevantes sobre o pessoal para que os gerentes possam administrar seus subordinados. 117
  • 118. • O ponto de partida para um sistema de informações de RH é o Banco de dados • O sistema de informações de RH utiliza como fonte de dados os elementos fornecidos por: Recrutamento e seleção Treinamento e desenvolvimento de pessoal Movimentação de pessoal Avaliação de desempenho Administração de salários Registro e controle de pessoal (faltas, atrasos,disciplina) 118
  • 119. AUDITORIA DE RECURSOS HUMANOS • A auditoria de recursos humanos pode ser definida “como a análise das políticas e práticas de pessoal de uma organização, e a avaliação do seu funcionamento atual, seguida de sugestões para melhoria.” 119
  • 120. Questões de Prova do CESPE 120