Your SlideShare is downloading. ×
0
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Introdução PHP + Kohana 3
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Introdução PHP + Kohana 3

2,504

Published on

Slides do curso de Introdução PHP + Kohana 3 …

Slides do curso de Introdução PHP + Kohana 3

código dos exercícios e exemplos em: https://github.com/adirkuhn/cursophp

Published in: Technology
2 Comments
1 Like
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
2,504
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
45
Comments
2
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. CURSO INTRODUTÓRIO DE PHP Friday, October 4, 13
  • 2. ADIR KUHN •Desenvolvedor •Certificado Zend (ZCE) •Certificado Scrum Master •Formado em PD •Evangelista PHP e Python Dúvidas @adirkuhn adirkuhn@gmail.com Friday, October 4, 13
  • 3. O QUE É PHP? • Umas das linguagens mais populares para criação de aplicações web • Open-source • Linguagem Interpretada (não é compilada) • Simples de aprender (baixa curva de aprendizado) • Fácil para dar um tiro no pé Friday, October 4, 13
  • 4. O QUE É PHP? fonte: http://www.tiobe.com/index.php/content/paperinfo/tpci/index.html Friday, October 4, 13
  • 5. BREVE HISTÓRICO •1995: Rasmus Lerdorf criou o PHP - criado para deixar dinâmico seu próprio site; - chamado inicialmente de Personal Home Page; •1997: Zeev Zuraski e Andi Gutmans - reescrita do parser do PHP v3 - projeto renomeado para PHP: Hypertext Preprocessor • 1998: Zeev Zuraski e Andi Gutmans - redesign do parser para o PHP v4 (Zend Engine) - fundada a Zend Technologies Friday, October 4, 13
  • 6. PHP O PHP foi construido para ser programado de forma estruturada. O suporte a Objetos foi adicionado na versão 4 O suporte a Objetos foi totalmente remodelado na v5 Friday, October 4, 13
  • 7. QUEM USA PHP PHP é uma das linguagens mais usadas no desenvolvimento web. Algumas empresas que utilizam: Yahoo! Flickr Wikipedia Digg Dailymotion Friday, October 4, 13
  • 8. COMEÇANDO Requisitos mínimos para começar a programar em PHP: Ter instalado o interpretador PHP; Um editor de textos; Ter preferencialmente instalado um servidor web LAMP, WAMP, etc Friday, October 4, 13
  • 9. POR ONDE COMEÇAR O site do PHP conta com uma documentação completa da linguagem. (www.php.net) Friday, October 4, 13
  • 10. PRIMEIRO SCRIPT Criar um documento com extensão PHP no servidor web. <?php echo ‘Ola Mundo.’; ?> Friday, October 4, 13
  • 11. O QUE ACONTECEU? Todos os comandos PHPs devem ficar dentro das tags <?php e ?> O interpretador do PHP analiza os comandos dentro das tags e executa. No caso o comando echo exibe uma mensagem na tela. Cusiosidade: tanto o echo quanto o print exibem uma mensagem na tela mas o echo é um construtor de linguagem e o print é uma função. Friday, October 4, 13
  • 12. SINTAXE BÁSICA O PHP é uma linguagem interpretada e irá executar tudo entre as tags <?php ?> <p>Isto vai ser ignorado.</p> <?php echo 'Enquanto isto vai ser interpretado.'; ?> <p>Isto também vai ser ignorado.</p> Todos os comando PHP devem terminar com ; (ponto e vírgula) Friday, October 4, 13
  • 13. EXERCÍCIO Criar um script em PHP que mostre a mensagem ‘Olá Mundo’. Friday, October 4, 13
  • 14. COMENTÁRIOS O PHP suporta vários tipos de comentários <?php echo 'Isto é um teste';//Comentário de uma linha em c++ /* Este é um comentário de múltiplas linhas        ainda outra linha de comentário */ echo 'Isto é ainda outro teste'; echo 'Um teste final';#Comentário estilo shell 1 linha ?> Friday, October 4, 13
  • 15. VARIÁVEIS Variáveis são formas de representar valores Para definir uma variável basta colocar um simbolo de cifrão ($) seguido de um nome. $idade = 25; Assim esta definido a variável $idade com o valor 25. Friday, October 4, 13
  • 16. VARIÁVEIS No PHP não é necessário setar o tipo da variável, ela é definida pelo interpretador na hora da execução. <?php $var = 'João'; //Tipo string $var = 1; //Tipo integer $var = false; //Tipo boolean ?> As variáveis devem obrigatóriamente começar com uma letra ou sublinhado (_) <?php $nome = 'João'; //Variável válida $2nome = ‘Maria’; //Inválida $_r = false; //Válida ?> Friday, October 4, 13
  • 17. TIPOS DE DADOS Agora que vimos um pouco sobre variáveis, vamos ver que tipos de dados o PHP suporta. O PHP possui oito tipos de dados: 4 básicos: integer, boolean, string, float 2 compostos: array, object 2 tipos especiais: resource, NULL Friday, October 4, 13
  • 18. BOOLEAN O tipo BOOLEAN é o mais simple do PHP representa somente os valores true / false (verdadeiro / falso) <?php $foo = True; // atribui o valor True para $foo $bar = False; // atribui o valor True para $foo ?> O PHP não diferencia maiusculas de minusculas ao atribuir os valores true ou false, sendo que True, TRUE, true são o mesmo valor se tratando de boleanos. Friday, October 4, 13
  • 19. INTEGER O tipo INTEGER representa números inteiros <?php $a = -10; $b = 45; ?> O tamanho máximo de um inteiro depende da plataforma. PHP não suporta inteiros sem sinal (UNSIGNED) O valor máximo de um inteiro pode ser obtido com a constante PHP_INT_MAX Friday, October 4, 13
  • 20. FLOAT O tipo FLOAT serve para armazenar números de ponto flutuante (doubles ou números reais) <?php $a = 1.98; $bar = 1002.25; ?> Para separar os valores é utilizado . ponto (separador decimal) Friday, October 4, 13
  • 21. STRING O tipo STRING é utilizado para representar um conjunto de caracteres. Não existe limite para esse tipo, a limitação é a quantidade de memória no servidor. <?php $a = “Minha String bonita”; $nome = “Meu nome é João”; ?> Friday, October 4, 13
  • 22. ARRAY Um dos tipos de dados mais poderoso do PHP. É um tipo de dado composto. Um array no PHP é um mapa ordenado que relaciona chaves para valores. Estrutura de um array array( chave => valor , ... ) // chave pode ser tanto string ou um integer // valor pode ser qualquer coisa Friday, October 4, 13
  • 23. ARRAY Para definir um array podemos usar o construtor array() <?php $arr = array("foo" => "bar", 12 => true); echo $arr["foo"]; // bar echo $arr[12];    // 1 ?> Friday, October 4, 13
  • 24. ARRAY Também é possivel criar arrays dentro de array <?php $arr = array("chave" => array(6 => 5, 13 => 9, "a" => 42)); echo $arr["chave"][6];    // 5 echo $arr["chave"][13];   // 9 echo $arr["chave"]["a"];  // 42 ?> Friday, October 4, 13
  • 25. ARRAY Se for omitido a chave quando você adiciona um novo item ao array, o maior indice inteiro é obtido e a nova chave será esse maior número + 1 <?php // Esse array é como ... array(5 => 43, 32, 56, "b" => 12); // ... este array array(5 => 43, 6 => 32, 7 => 56, "b" => 12); ?> Friday, October 4, 13
  • 26. OBJECT O tipo OBJECT é usado para representar instâncias de classes. É criado através da expressão new <?php $obj = new Classe(); ?> Mais detalhes serão vistos na aula de orientação a objetos. Friday, October 4, 13
  • 27. VARIÁVEIS E CONSTANTES Recapitulando, variáveis são usadas para armazenar os mais váriados tipo de dados, podendo ser inteiro, float, string, array, etc. Seu valor pode ser alterado a qualquer ponto no programa <?php $a = 1.98; //$a é um float $a = “pato”; //$a agora é uma string ?> Friday, October 4, 13
  • 28. VARIÁVEIS E CONSTANTES Também temos as CONSTANTES. Elas funcionam como variáveis, podendo armazenar qualquer tipo de dado, a única diferença é que os valores das CONTANTES são IMUTÁVEIS, ou seja, não muda no decorrer da aplicação <?php // Nomes de constantes válidos define("FOO",     "alguma coisa"); define("FOO2",    "alguma outra coisa"); define("FOO_BAR", "alguma coisa mais"); // Nomes de constantes inválidas define("2FOO",    "alguma coisa"); // Isto é válido, mas deve ser evitado: // O PHP pode vir a fornercer uma constante mágica // que danificará seu script define("__FOO__", "alguma coisa"); ?> Friday, October 4, 13
  • 29. EXERCÍCIO Criar um novo arquivo para exibir a mensagem “Ola Mundo” mas utilizando uma váriavel e outra utilizando uma constante Friday, October 4, 13
  • 30. OPERADORES ARITMÉTICOS Assim como todas as linguagens de programação o PHP também possui operadores aritméticos. Exemplo Resultado -$a Negação Oposto de $a $a + $b Adição Soma de $a e $b $a - $b Subtração Diferença entre $a e $b $a * $b Multiplicação Produto de $a e $b $a / $b Divisão Quociente de $a e $b $a % $b Friday, October 4, 13 Nome Módulo Resto de $a dividido por $b
  • 31. OPERADORES DE ATRIBUIÇÃO O operador básico de atribuição é o “=”. Não significa igual, mas que que o operador da esquerda recebe o valor da expressão da direita <?php $a = ($b = 4) + 5; /* $a configurado para 9 e $b configurado como 4.*/ ?> Friday, October 4, 13
  • 32. OPERADORES DE ATRIBUIÇÃO O operador básico de atribuição é o “=”. Não significa igual, mas que que o operador da esquerda recebe o valor da expressão da direita <?php $a = ($b = 4) + 5; /* $a configurado para 9 e $b configurado como 4.*/ ?> Friday, October 4, 13
  • 33. OPERADORES DE COMPARAÇÃO Permite a comparação de dois valores o resultado sera verdadeiro ou falso Exemplo Resultado $a == $b Igual Verdadeiro (TRUE) se $a for igual a $b $a === $b Idêntico Verdadeiro (TRUE) se $a for igual a $b e forem do mesmo tipo $a != $b Diferente Verdadeiro (TRUE) se $a for diferente de $b $a <> $b Diferente Verdadeiro (TRUE) se $a for diferente de $b $a !== $b Não idêntico Verdadeiro se $a não for igual e $b ou não forem do mesmo tipo $a < $b Menor que Verdadeiro se $a for menor que $b $a > $b Maior que Verdadeiro se $a for maior que $b $a <= $b Menor ou igual Verdadeiro se $a for menor ou igual a $b $a >= $b Friday, October 4, 13 Nome Maior ou igual Verdadeiro se $a for maior ou igual a $b
  • 34. OPERADORES DE INCREMENTO O PHP suporta operadores de pré e pós-incremento no estilo C/C++ Exemplo Efeito ++$a Pré-incremento Incrementa $a em 1 e retorna $a $a++ Pós-incremento Retorna $a e então incrementa $a em 1 --$a Pré-decremento Decrementa $a em 1 e então retorna $a $a-- Friday, October 4, 13 Nome Pós-decremento Retorna $a e então decrementa $a em 1
  • 35. OPERADORES DE INCREMENTO/DECREMENTO Exemplos <?php echo "<h3>Pós incremento</h3>"; $a = 5; echo "Deve ser 5: " . $a++ . "<br />n"; echo "Deve ser 6: " . $a . "<br />n"; echo "<h3>Pré incremento</h3>"; $a = 5; echo "Deve ser 6: " . ++$a . "<br />n"; echo "Deve ser 6: " . $a . "<br />n"; echo "<h3>Pós decremento</h3>"; $a = 5; echo "Deve ser 5: " . $a-- . "<br />n"; echo "Deve ser 4: " . $a . "<br />n"; echo "<h3>Pré decremento</h3>"; $a = 5; echo "Deve ser 4: " . --$a . "<br />n"; echo "Deve ser 4: " . $a . "<br />n"; ?> Friday, October 4, 13
  • 36. OPERADORES LÓGICOS Permite a comparação de dois valores boleanos, obtendo como resposta verdadeiro ou falso Exemplo Resultado $a and $b E Verdadeiro (TRUE) se $a e $b forem verdadeiros. $a && $b E Verdadeiro (TRUE) se $a e $b forem verdadeiros. $a or $b OU Verdadeiro se $a ou $b forem verdadeiros. $a || $b OU Verdadeiro se $a ou $b forem verdadeiros. ! $a NÃO Verdadeiro se $a for falso $a xor $b Friday, October 4, 13 Nome XOR Verdadeiro se $a ou $b são verdadeiros mas não ambos
  • 37. OPERADORES LÓGICOS Exemplos <?php // $a será false $a = (false && false); // $b será false $b = (true  && false); // $c será verdadeiro $c = (true && true); // $d será verdadeiro $d = (true  and  true); //$e sera true $e = false || true; // $f sera true $f = false or true; ?> Friday, October 4, 13
  • 38. OPERADORES DE STRING Os operadores de string permiter concatenar (juntar) duas strings é utilizado o . (ponto) ou .= <?php $a = "Olá "; $b = $a . "mundo!"; // agora $b contém "Olá mundo!" $a = "Olá "; $a .= "mundo!";// agora $a contém "Olá mundo!" //é igual a $a = $a . “mundo” --> $a = “Olá “ . “mundo!” ?> Friday, October 4, 13
  • 39. OPERADORES DE ARRAY Segue a lista de operadores de arrays Exemplo Nome Resultado $a + $b União de $a e $b $a == $b Igualdade TRUE se $a e $b tiverem os mesmos pares de chave/ valor $a === $b Identico TRUE se $a e $b tem os mesmos pares de chave/valor na mesma ordem e do mesmo tipo. $a != $b Desigualdade TRUE se $a for diferente de $b $a <> $b Desigualdade TRUE se $a for diferente de $b $a !== $b Friday, October 4, 13 União Não Identico TRUE se $a não for identico a $b
  • 40. OPERADORES DE ARRAY Exemplo de união <?php $a = array("a" => "maçã", "b" => "banana"); $b = array("a" =>"pêra", "b" => "framboesa", "c" => "morango"); $c = $a + $b; // Uniao de $a e $b echo "União de $a e $b: n"; var_dump($c); $c = $b + $a; // União de $b e $a echo "União de $b e $a: n"; var_dump($c); ?> Friday, October 4, 13
  • 41. OPERADORES DE ARRAY Exemplo de igualdade <?php $a = array("maçã", "banana"); $b = array(1 => "banana", "0" => "maçã"); var_dump($a == $b); // bool(true) var_dump($a === $b); // bool(false) ?> Friday, October 4, 13
  • 42. EXERCÍCIOS Tendo $x=10; e $y=7; escreva um código que imprima o seguinte resultado. 10 10 10 10 10 + 7 = 17 -7=3 * 7 = 70 / 7 = 1.4285714285714 %7=3 Utilize os operadores aritméticos. Não imprima o texto, use as variáveis $x e $y e uma terceira para o como $resultado. Friday, October 4, 13
  • 43. EXERCÍCIOS Crie uma variável chamada $valor imprima e seguinte texto. (Faça as operações citadas) Valor é 8. Adicione 2. Valor agora é 10. Subtraia 4. Valor agora é 6. Multiplique por 5. Valor agora é 30. Divida por 3. Valor agora é 10. Incremente em 1. Valor agora é 11. Decremente em 1. Valor agora é 10. Friday, October 4, 13
  • 44. EXERCÍCIOS Crie uma variável chamada $valor imprima e seguinte texto. (Faça as operações citadas) Valor é 8. Adicione 2. Valor agora é 10. Subtraia 4. Valor agora é 6. Multiplique por 5. Valor agora é 30. Divida por 3. Valor agora é 10. Incremente em 1. Valor agora é 11. Decremente em 1. Valor agora é 10. Friday, October 4, 13
  • 45. EXERCÍCIOS Crie uma variável chamada de $certo=”certo”; e imprima a seguinte frase usando contatenação de string com a variável $certo. Quando é pra dar certo, vai dar certo! Friday, October 4, 13
  • 46. EXERCÍCIOS Crie uma variável chamada $valor e atribua tipos de dados para imprimir esse resultado. Dica: a função que retorna o tipo de dado é gettype($var) Dica: use concatenação de string $valor $valor $valor $valor $valor Friday, October 4, 13 é é é é é string. double. boolean. integer. NULL.
  • 47. ESTRUTURAS DE CONTROLE IF/ELSE O construtor if é um dos recursos mais importantes em várias linguagens de programação, PHP inclusive. Ele permite a execução condicional de um trecho de código. Estrutura do if if (expressao) codigo a ser executado O código é executado caso a expressão seja verdadeira (true) Friday, October 4, 13
  • 48. ESTRUTURAS DE CONTROLE IF/ELSE A expressao na condicional é avaliada como um valor boleano, executando o código caso o valor da expressão seja verdadeiro. Exemplo <?php if ($a > $b)   echo "a é maior que b"; ?> Friday, October 4, 13
  • 49. ESTRUTURAS DE CONTROLE IF/ELSE Para executar mais de um comando dentro da condicional utilizamos bloco de comandos com {} Exemplo <?php if ($a > $b) {   echo "a é maior b";   $b = $a; } ?> Friday, October 4, 13
  • 50. ESTRUTURAS DE CONTROLE IF/ELSE Geralmente temos a necessidade de executar um trecho de código caso e expressão seja verdadeira e outro caso ela seja falsa, para isso utilizamos o else junto com o operador if. Exemplo <?php if ($a > $b) {   echo "a é maior b";   $b = $a; } else { echo "a não é maior b"; } ?> Friday, October 4, 13
  • 51. ESTRUTURAS DE CONTROLE IF/ELSE Outra necessidade comum é fazer várias comparações em sequência, para tal utilizamos o elseif ou else if Exemplo <?php if ($a > $b) {     echo "a é maior que b"; } elseif ($a == $b) {     echo "a é igual a b"; } else {     echo "a é menor que b"; } ?> Pode-se encadeiar vários elseif Friday, October 4, 13
  • 52. ESTRUTURAS DE CONTROLE SWITCH O switch funciona de forma similar a uma série de if/elseif encadeiados. Útil para comparar vários valores sobre uma mesma expressão. Friday, October 4, 13
  • 53. ESTRUTURAS DE CONTROLE SWITCH Exemplo <?php if ($i == 0) {     echo "i é igual a 0"; } elseif ($i == 1) {     echo "i é igual a 1"; } elseif ($i == 2) {     echo "i é igual a 2"; } switch ($i) {     case 0:         echo "i igual 0";         break;     case 1:         echo "i igual 1";         break;     case 2:         echo "i igual 2";         break; } ?> Friday, October 4, 13
  • 54. ESTRUTURAS DE CONTROLE FOR FOR é utilizado para criar laços de repetição. Que permite que você execute um determinado trecho de código por repetidas vezes. Estrutura básica do for for (expressao; expressao2; expressao3) codigo a ser executado Friday, October 4, 13
  • 55. ESTRUTURAS DE CONTROLE FOR for (expressao; expressao2; expressao3) codigo a ser executado A primeira expressão é executada no começo do laço A segunda expressão é avaliada a cada iteração. Se o resultado for true o laço continua caso contrário é interrompido. A terceira expressão é executada no fim de iteração Friday, October 4, 13
  • 56. ESTRUTURAS DE CONTROLE FOR Exemplos <?php /* exemplo 1 */ for ($i = 1; $i <= 10; $i++) {     echo $i; } /* exemplo 2 */ for ($i = 1; ; $i++) {     if ($i > 10) {         break;     }     echo $i; } /* exemplo 3 */ $i = 1; for (; ; ) {     if ($i > 10) {         break;     }     echo $i;     $i++; } /* exemplo 4 */ for($i = 1, $j = 0; $i <= 10; $j += $i, print $i, $i++); ?> Friday, October 4, 13
  • 57. ESTRUTURAS DE CONTROLE WHILE O while é o tipo de laço mais simples do PHP. Sua estrutura básica é: while (expressao) codigo a ser executado Enquanto a expressão for verdadeira o código do laço será executado. <?php $i = 1; while ($i <= 10) {     echo $i++; } ?> Friday, October 4, 13
  • 58. ESTRUTURAS DE CONTROLE WHILE Uma variação do while é o laço do-while, a única diferença para o while é que a expressão é testada no final de cada iteração ao invés de ser no comeco como é no while <?php $i = 0; do {     echo $i; } while ($i > 0); ?> Friday, October 4, 13
  • 59. ESTRUTURAS DE CONTROLE FOREACH O foreach é uma solução poderosa para iterar sobre arrays ou objetos. Funciona apenas com esses tipos de dados. Sintaxe básica do foreach foreach (array as $valor) codigo foreach (array as $chave => $valor) codigo Na primeira forma a cada iteração o valor atual do array é atribuido a variável valor. Na segunda forma acontece a mesma coisa, apenas atribuindo a chave atual na variável $chave Friday, October 4, 13
  • 60. ESTRUTURAS DE CONTROLE FOREACH <?php /* exemplo 1: imprime apenas valores */ $a = array(1, 2, 3, 17); foreach ($a as $v) {     echo "O valor atual de $v: $v.n"; } /* exemplo 2: imprime o valor e a posição do array */ $a = array(1, 2, 3, 17); $i = 0; /* apenas para fins educativos */ foreach ($a as $v) {     echo "$a[$i] => $v.n";     $i++; } /* exemplo 3: imprime chave e valor */ $a = array(     "um" => 1,     "dois" => 2,     "tres" => 3,     "desessete" => 17 ); foreach ($a as $k => $v) {     echo "$a[$k] => $v.n"; } ?> Friday, October 4, 13
  • 61. EXERCÍCIOS Faça um script PHP que pegue o mês atual e verifique se é setembro if-else e imprima a seguinte mensagem: Dica: a função date(‘F’) retorna o mês (provavelmente em inglês) Estamos em setembro!!! Não estamos em setembro =( Altere o valor do mês para qualquer outro valor e teste se cai na condicional else. Friday, October 4, 13
  • 62. EXERCÍCIOS Escreva um script PHP que através de um laço imprima as seguintes mensagens abc abc abc abc abc abc abc abc abc xyz xyz xyz xyz xyz xyz xyz xyz xyz 123456789 1. 2. 3. 4. 5. 6. Item Item Item Item Item Item A B C D E F Utilize while no primeiro laço, do-while no segundo e for nos dois últimos. Sem utilizar arrays neste exercício. Friday, October 4, 13
  • 63. EXERCÍCIOS Utilize um laço for para imprimir uma lista de números ao quadrado de 1 a 12 1 * 1 = 2 * 2 = 3 * 3 = ... 12 * 12 1 4 9 = 144 Utilize as variáveis do laço para imprimir os números. Friday, October 4, 13
  • 64. EXERCÍCIOS Utilize dois laços for para imprimir uma tabela de multiplicação como esta: Dica utilize um for para as linhas e outro para as colunas. Friday, October 4, 13
  • 65. FUNÇÕES Uma função é um pedaço de código que realiza alguma tarefa específica, podendo ser chamada quantas vezes for necessária. Uma função é definida com a palavra reservada function uma declaração de função segue essa estrutura: <?php function teste ($arg_1, $arg_2, /* ..., */ $arg_n) {     echo "Exemplo de função.n";     return $valor_retornado; } ?> O nome de função segue a mesma regra de nomes de variáveis. Pode ter N argumentos. Não é obrigatório retornar nada (return) Friday, October 4, 13
  • 66. FUNÇÕES <?php //Define a função teste sem argumentos function teste () {     echo "Olá mundo."; } //Executa a função teste(); //Irá imprimir Olá mundo. //Define uma função com argumento function teste ($complemento) {     echo "Olá " . $complemento; } //Executa a função teste("mundo"); //Irá imprimir Olá mundo //Executa a função teste("batata"); //Irá imprimir Olá batata ?> Friday, October 4, 13
  • 67. FUNÇÕES Para retornar valores é utilizado a palavra return. <?php function quadrado ($num) {     return $num * $num; } echo quadrado (4);   // imprime '16'. ?> A palavra return não imprime resultados na tela, apenas retorna o valor para quem chamou a função. Friday, October 4, 13
  • 68. EXERCÍCIOS Escreva e chame uma função que imprima a frase ola mundo! Escreva uma nova função que aceite um parametro e exiba na saudação. ola batata! Friday, October 4, 13
  • 69. EXERCÍCIOS Escreva e chame uma função receba dois argumentos, realize um calculo e devolva a área de um retângulo com a seguinte frase. Para um retângulo de altura $h e largura $l a área é $area Friday, October 4, 13
  • 70. EXERCÍCIOS Faça uma função que receba um argumento diga se o número informado é par O número X é par O número X não é par Friday, October 4, 13
  • 71. EXERCÍCIOS Faça uma função que receba um argumento e calcule seu fatorial. Dica: pode-se utilizar laço for Escreva uma nova função que calcule o fatorial de um número utilizando recursividade. Friday, October 4, 13
  • 72. ORIENTAÇÃO A OBJETOS O suporte a orientação foi adicionado ao PHP na versão 4. Toda a parte de orientação a objetos foi reescrita na versão 5. Orientação a objetos nada mais é do que passar para uma linguagem de computador a compreensão que já temos do mundo real. Friday, October 4, 13
  • 73. ORIENTAÇÃO A OBJETOS Todo objeto do mundo real que queremos representar será transformado numa classe e seus atributos serão propriedades e métodos. Exemplo vamos supor que queremos representar uma árvore, iriamos definir a classe como arvore e seus atributos como tamanho, quantidade de galhos, quantidade de folhas, se é frutifera ou não seria convertidos em propriedades e métodos. Friday, October 4, 13
  • 74. ORIENTAÇÃO A OBJETOS Para definir uma classe utilizamos a palavra class seguido do nome da classe (lembrar da regras de nomes do PHP) Definição básica de uma classe em PHP <?php class arvore {      } ?> Dentro da classe podemos definir suas propriedades e métodos, basicamente as propriedades são variaveis dentro da classe e os métodos funções criadas dentro da classe. Friday, October 4, 13
  • 75. ORIENTAÇÃO A OBJETOS Exemplificando vamos criar uma classe olaMundo com um método ola() <?php //define uma classe class olaMundo { //define um método     function ola() { echo "Olá mundo."; } } //instancia classe A e chama método $instancia_a = new A(); $instancia_a->ola(); ?> Friday, October 4, 13
  • 76. ORIENTAÇÃO A OBJETOS Ao se criar uma classe uma pseudo variável $this fica disponível para chamar propriedades e métodos dentro do contexto da classe. <?php //define uma classe class olaMundo { //define um método     function ola() { echo "Olá "; $this->mundo(); //executa o metodo mundo() } //define um método     function mundo() { echo "mundo."; } } //instancia classe A e chama método $instancia_a = new olaMundo(); $instancia_a->ola(); ?> Friday, October 4, 13
  • 77. ORIENTAÇÃO A OBJETOS VISIBILIDADE Ao se definir uma classe nem sempre queremos deixar os métodos e propriedades visíveis para serem acessados livremente. Para isso podemos definir “níveis” de visibilidade para as propriedades e métodos, são eles: public: Não impõem nenhum restrição de acesso protected: Métodos e propriedades apenas acessíveis dentro da classe ou classes que a herdem private: Métodos e propriedades acessíveis apenas dentro da classe. Friday, October 4, 13
  • 78. ORIENTAÇÃO A OBJETOS VISIBILIDADE <?php /**  * Define MinhaClasse  */ class MinhaClasse {     public $publica = 'Publica';     protected $protegida = 'Protegida';     private $privada = 'Privada';     public function imprimeAlo()     {         echo $this->publica;         echo $this->protegida;         echo $this->privada;     } } $obj = new MinhaClasse(); echo $obj->publica; // Funciona echo $obj->protegida; // Erro Fatal echo $obj->privada; // Erro Fatal $obj->imprimeAlo(); //Mostra Public, Protected e Private Friday, October 4, 13
  • 79. ORIENTAÇÃO A OBJETOS CONSTRUTORES/DESTRUTORES O PHP tem dois métodos mágicos para as classes um é o __contruct() e o outro é o __destruct() Esses métodos são chamados automáticamente em momentos distintos, como o nome sugere o __construct() é chamado quando a instância é criada e o __destruct() quando a instância é destruída. Friday, October 4, 13
  • 80. EXERCÍCIOS Crie uma classe chamada olaMundo e um método digaOi() que imprima a mensagem “olá mundo”. Crie um método na classe olaMundo que receba um parâmetro e exiba na tela uma saudação como “olá Fulano”. Cria uma classe que exiba a mensagem “olá mundo” na inicialização da instância. Friday, October 4, 13
  • 81. EXERCÍCIOS Refaça o exercício para calcular a área de um retângulo separando o método que faz o cálculo do que exibe a mensagem. Faça uma classe que cálcule o fatorial de um número. Receba o número no construtor e verifique se ele é válido. Crie um método chamado resultado para retornar a resposta. Crie uma classe chamada Calculadora que receba dois parametros no construtor. Implemente quatro métodos Adicao(), Subtracao(), Multiplicacao() e Divisao() que retorne os resultados correspondentes Friday, October 4, 13
  • 82. ORIENTAÇÃO A OBJETOS HERANÇA A herança funciona de forma que os métodos e propriedades definidos numa classe ‘pai’ possa ser acessada (herdada) para uma classe ‘filha’. No PHP para declarar que uma classe herda as propriedades de outras usamos a palavra extends. Por exemplo vamos analizar uma moto e um carro. Ambos tem características em comum como rodas, marcha, velocidade, etc. Podemos criar uma classe genérica chamada Veiculo com os atributos de ambos. Friday, October 4, 13
  • 83. ORIENTAÇÃO A OBJETOS HERANÇA <?php class Veiculo { public $marcha; public $quantidadeRodas; public function passarMarcha() { // código } public function andar() { // código } } class Carro extends Veiculo { public function __construct() { $this->quantidadeRodas = 4; } } $carro = new Carro(); $carro->andar(); ?> Friday, October 4, 13
  • 84. ORIENTAÇÃO A OBJETOS CLASSES ABSTRATAS No PHP5 foi introduzido métodos e classes abstratas. De forma bem resumida uma classe e métodos abstratos servem como modelo para uma classe concreta. Quando uma classe herda uma classe abstrata todos os métodos marcados como abstratos devem ser implementados na classe ‘filha’. Outra coisa importânte é que as assinaturas dos métodos devem coincidir, ou seja, ter os mesmos números de argumentos e tipos. Friday, October 4, 13
  • 85. ORIENTAÇÃO A OBJETOS CLASSES ABSTRATAS <?php abstract class ClasseAbstrata { // Força a classe que estende ClasseAbstrata a definir esse método     abstract protected function pegarValor();          // Método comum     public function imprimir() {         print $this->pegarValor();     } } class ClasseConcreta1 extends ClasseAbstrata { // obrigado definir esse método     protected function pegarValor() {         return "ClasseConcreta1";     } } ?> Friday, October 4, 13
  • 86. EXERCÍCIOS Refaça novamente a classe Calculadora criando uma classe abstrata com todos os métodos abstratos para realização dos cálculos, implemente numa classe filha. Friday, October 4, 13
  • 87. EXERCÍCIOS Crie uma classe Equipamento com o atributo ligado (tipo boolean) e com os métodos liga e desliga. O método liga torna o atributo ligado true e o método desliga torna o atributo ligado false Friday, October 4, 13
  • 88. EXERCÍCIOS Uma sub-classe EquipamentoSonoro que herda as características de Equipamento e que possui os atributos volume que varia de 0 a 10 e stereo (do tipo boolean). A classe ainda deve possuir métodos para ler e alterar o volume (getter e setter), além dos métodos mono e stereo. O método mono torna o atributo stereo falso e o método stereo torna o atributo stereo verdadeiro. Ao ligar o EquipamentoSonoro através do método liga, seu volume é automaticamente ajustado para 5 Friday, October 4, 13
  • 89. EXERCÍCIOS Faça um script PHP que instancia 2 objetos da classe Equipamento e 2 objetos da classe EquipamentoSonoro. O script ainda deve inserir esses objetos em um array e, depois, listar todos os elementos do array. Friday, October 4, 13
  • 90. INCLUDE / REQUIRE O PHP fornece alguns comandos para inclusão de arquivos do tipo php em sua aplicação são eles include, require, include_once, require_once Todos fazem a mesma coisa, incluem um arquivo PHP no seu script include emite um “warning” caso o arquivo não seja encontrado. requere emite um “error” caso o arquivo não seja encontrado. Friday, October 4, 13
  • 91. FUNCIONALIDADES WEB SUPERGLOBAIS O PHP existem algumas variáveis pré definidas chamadas de superglobais. São acessíveis em todo escopo do script. As principais delas são $GLOBALS: Um array associativo contendo todas as variáveis no escopo global do arquivo. $_SERVER: Um array contendo informações sobre o servidor. As entradas neste array são criadas pelo servidor web. Friday, October 4, 13
  • 92. FUNCIONALIDADES WEB SUPERGLOBAIS $_GET: Um array associativo de variáveis passadas para o script atual através do método HTTP GET. $_POST: Um array associativo de variáveis passadas para o script atual através do método HTTP POST. $_FILES: Um array associativo de arquivos enviados para o script atual com o método HTTP POST. Friday, October 4, 13
  • 93. FUNCIONALIDADES WEB SUPERGLOBAIS $_COOKIE: Um array associativo com os cookies setados em sua aplicação. $_SESSION: Um array associativo com as variáveis de sessão em sua aplicação $_REQUEST: Um array associativo com os dados de $_GET, $_POST e $_COOKIE $_ENV: Um array associativo com as variáveis de ambiente. Friday, October 4, 13
  • 94. SESSÕES As sessões permitem os dados pré determinados estejam disponíveis em acessos subsequentes. Para iniciar uma sessão usamos o comando session_start() Para registrar uma variável na sessão usamos a superglobal $_SESSION Para destruir uma sessão usamos o session_destroy() Friday, October 4, 13
  • 95. SESSÕES <?php // pagina1.php session_start(); echo 'Bem vindo a pagina #1'; $_SESSION['favcolor'] = 'verde'; $_SESSION['animal']   = 'gato'; $_SESSION['time']     = time(); echo '<br /><a href="pagina2.php">pagina 2</a>'; ?> Friday, October 4, 13
  • 96. SESSÕES <?php // pagina2.php session_start(); echo 'Bem vindo a pagina #2<br />'; echo $_SESSION['favcolor']; // verde echo $_SESSION['animal'];   // gato echo date('Y m d H:i:s', $_SESSION['time']); echo '<br /><a href="pagina1.php">pagina 1</a>'; ?> Friday, October 4, 13
  • 97. EXERCÍCIO Crie um script que inicie uma sessão e que exiba as seguintes informação ID da sessão; Data de criação da sessão; Data de último acesso; Número de visitas anteriores; Dica: id da sessão session_id() Dica: data de criação time() ou date(‘d/m/Y’) Dica: utilize isset() Friday, October 4, 13
  • 98. REQUISIÇÃO GET A superglobal $_GET contém todas as variáveis passas por uma requisição HTTP GET <?php echo 'Olá ' . $_GET["nome"]; // ou print_r para imprimir todas as chaves e valores print_r($_GET); ?> Friday, October 4, 13
  • 99. REQUISIÇÃO POST A superglobal $_POST contém todas as variáveis passas por uma requisição HTTP POST <?php echo 'Olá ' . $_POST["nome"]; // ou print_r para imprimir todas as chaves e valores print_r($_POST); ?> Friday, October 4, 13
  • 100. COOKIES Cookies permiter salvar dados no navegador do usuário permitindo o acompanhamento ou identificação dos usuário quando retornam a página, para setar um cookie utilizamos a função setcookie() bool setcookie ( string $name [, string $value [, int $expire = 0 [, string $path [, string $domain [,bool $secure = false [, bool $httponly = false ]]]]]] ) O cookie deve ser setado antes de ter qualquer saida para tela Friday, October 4, 13
  • 101. COOKIES <?php $value = 'alguma coisa de algum lugar'; setcookie("CookieTeste", $value); /* expira em 1 hora */ setcookie("CookieTeste", $value, time()+3600);   /* Imprimindo valor do cookie */ // Mostra um cookie individual echo $_COOKIE["CookieTeste"]; /* Outra maneira de depurar(debug)/testar é vendo todos os cookies */ print_r($_COOKIE); ?> Friday, October 4, 13
  • 102. EXERCÍCIO Crie um script PHP (funcionario.php) contendo uma classe Funcionario com atributos privados nome e salario. A classe deverá ter um construtor que receba os atributos como parâmetros. Além disso, deve ter métodos para obter e alterar os atributos nome e salário (getNome, setNome, getSalario, setSalario). O salário jamais poderá ser negativo. Crie também um método __toString() para retornar uma string contendo todos os atributos. Friday, October 4, 13
  • 103. EXERCÍCIO Crie um script PHP (processa.php) que recebe dados (nome e salário) de um formulário (formulario.php), instancia um objeto Funcionario (funcionario.php), preenche o objeto com os dados vindos do formulário e, depois, exibe esse objeto em um outro script (mostra.php). Friday, October 4, 13
  • 104. BANCO DE DADOS O PHP suporta diversos banco de dados. Neste curso será abordado como trabalhar com o banco de dados MySQL Para se conectar com o bando de dados podemos utilizar a extensão mysqli ou PDO_MySQL. Friday, October 4, 13
  • 105. BANCO DE DADOS Estrutura do mysqli mysqli(endereco, usuario, senha, banco_de_dado, porta) endereco: Nome ou IP onde está localizado o servidor MySQL; usuario: Usuário para se conectar ao servidor MySQL; senha: Senha para se conectar ao servidor MySQL; banco_de_dados: Nome da base de dados que será utilizada; porta: Porta do serviço MySQL Friday, October 4, 13
  • 106. BANCO DE DADOS Exemplo de conexão com banco de dados: <?php //conecta com servidor e banco de dados $mysqli = new mysqli("localhost", "usuario", "senha", "banco"); //verifica se houve algum erro ao conectar if ($mysqli->connect_errno) {     echo "Erro ao conectar com mysql: " .  $mysqli->connect_error; } ?> Friday, October 4, 13
  • 107. BANCO DE DADOS Com a conexão pronta podemos realizar consultas no banco de dados. <?php //conecta com servidor e banco de dados $mysqli = new mysqli("localhost", "usuario", "senha", "banco"); //verifica se houve algum erro ao conectar if ($mysqli->connect_errno) {     echo "Erro ao conectar com mysql: " .  $mysqli->connect_error; } $consulta = $mysqli->query("SELECT * FROM cidade"); while ($resultado = $consulta->fetch_assoc()) { print_r($resultado); } ?> Friday, October 4, 13
  • 108. EXERCÍCIO Criar uma tabela no banco de dados; Conectar com mysqli; Inserir registro; Consultar; Apagar registro; Atualizar um Registro Friday, October 4, 13
  • 109. STRINGS Assim como os arrays as strings são muito utilizadas nas aplicações, segue uma lista de funções básicas. strlen devolve o tamanho da string. <?php $str = 'abcdef'; echo strlen($str); // 6 $str = ' ab cd '; echo strlen($str); // 7 ?> Friday, October 4, 13
  • 110. STRINGS É possível cada caracter de uma string ou exibir um caracter específico <?php $str = 'abcdef'; echo $str{2}; // c echo $str{0}; // a ?> Imprimir uma string com for Friday, October 4, 13
  • 111. STRINGS Transformar toda uma string em letras minusculas <?php $str = 'ABC'; echo strtolower($str); // abc ?> ou maiusculas <?php $str = 'abc'; echo strtoupper($str); // ABC ?> Friday, October 4, 13
  • 112. STRINGS Para procurar um texto dentro de uma string podemos usar o strpos(string, o_que_quero_procurar) <?php $string = 'abc'; $procurar   = 'a'; $pos = strpos($string, $procurar); if ($pos === false) {     echo "A string '$procurar' não foi encontrada em '$string'"; } else {     echo "A string '$procurar' foi encontrada em '$string'";     echo " na posição $pos"; } ?> Friday, October 4, 13
  • 113. STRINGS strip_tags(string) remove todas as tags HTML de uma string <?php $texto = '<p>Teste de paragrafo.</p> <a href="#link">Ir</a>'; echo strip_tags($texto); Friday, October 4, 13
  • 114. STRINGS str_replace(procurar, substituir, string) para substituir uma string por outra <?php // Retorna: <body text='black'> $body = str_replace("%body%", "black", "<body text='%body%'>"); // Retorna: Você deveria comer pizza, cerveja e sorvete todo dia $f  = "Você deveria comer frutas, vegetais e fibras todo dia."; $saudavel = array("frutas", "vegetais", "fibras"); $yummy   = array("pizza", "cerveja", "sorvete"); $body = str_replace($saudavel, $yummy, $f); ? Friday, October 4, 13
  • 115. STRINGS explode(delimitador, string) para explodir uma string para um array <?php $pizza  = "pedaco1|pedaco2|pedaco3|pedaco4|pedaco5|pedaco6"; $pedacos = explode("|", $pizza); echo $pedacos[0]; // pedaco1 echo $pedacos[1]; // pedaco2 $data  = "20/02/1988”; $dt_arr = explode("/", $p); echo $dt_arr[0]; // 20 echo $dt_arr[1]; // 02 echo $dt_arr[2]; // 1988 Friday, October 4, 13
  • 116. NAMESPACES Em projetos muito grandes pode acontecer de ser definido duas classes com o mesmo nome. Para evitar esse tipo de problema usamos o namespace para atribuir uma organização virtual a cada classe Recomendado utilizar um namespace por arquivo Friday, October 4, 13
  • 117. NAMESPACES Para definir um namespace utilizamos a palavra namespace seguido de seu ‘caminho’ (o namespace funciona como se fosse pastas) <?php // Foo.php namespace CSFerramentas; class OlaMundo { public function digaOi() { } } ?> Friday, October 4, 13
  • 118. NAMESPACES Para definir um namespace utilizamos a palavra namespace seguido de seu ‘caminho’ (o namespace funciona como se fosse pastas) <?php // Foo.php namespace CSFerramentas; class OlaMundo { public function digaOi() { } } ?> Friday, October 4, 13
  • 119. NAMESPACES E para instanciar a classe com namespace fazemos assim: <?php require 'Foo.php'; $ola = new CSFerramentasOlaMundo(); ?> OU <?php require 'Foo.php'; use CSFerramentasOlaMundo; $ola = new OlaMundo(); ?> Friday, October 4, 13
  • 120. PROJETO Criar um Blog em PHP com uma tabela no banco de dados para representar o título da postagem, conteúdo e autor. Criar uma página para exibir todas as postagens Criar uma página para cadastrar nova postagem Criar uma página para editar a postagem Friday, October 4, 13
  • 121. KOHANA O Kohana é um framework em PHP, open source (código aberto), construído sobre o PHP5, orientado a objetos e com o padrão MVC Friday, October 4, 13
  • 122. KOHANA a Friday, October 4, 13
  • 123. KOHANA O Model é responsável pela comunicação com banco de dados, obtenção de dados, validação, etc. A View é responsável pela exibição dos dados para o usuário final, incluindo informações processadas, imagens, css, js. A Controller cuida de toda a parte lógica da aplicação, processar os dados obtidos da Model enviar para a View. Friday, October 4, 13
  • 124. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Cada framework tem sua própria filosofia e melhores práticas de codificação, mas no ano de 2009 foi criado um grupo de desenvolvedores de vários frameworks para definir boas práticas de programação para a linguagem. Não é um grupo oficial do PHP, mas é formado por representantes de vários frameworks atuais, o nome do grupo é PHP-FIG, sendo FIG um acrônimo para (Framework Interoperability Group). Friday, October 4, 13
  • 125. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Até o momento foram criadas quatro PSR, que são as melhores práticas para o desenvolvimento utilizando PHP, sendo elas: PSR-0: Focado em manter uma convenção de arquivo, classe e namespace para o carregamento automático do código (autoloading) (https://github.com/php-fig/fig-standards/blob/master/ accepted/PSR-0.md) PSR-1: Focado em definir os elementos padrões de codificação que são necessários para assegurar um elevado nível de interoperabilidade técnica entre o código PHP compartilhado. (https://github.com/php-fig/fig-standards/blob/master/accepted/ PSR-1-basic-coding-standard.md) Friday, October 4, 13
  • 126. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO PSR-2: Focado no padrão de codificação utilizando PHP para padronização do código (https://github.com/php-fig/fig-standards/ blob/master/accepted/PSR-1-basic-coding-standard.md) PSR-3: Define uma interface padrão para uma interface de log (https://github.com/php-fig/fig-standards/blob/master/accepted/ PSR-3-logger-interface.md) Friday, October 4, 13
  • 127. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Atualmente o Kohana não faz parte do grupo PHP-FIG, mas possui uma documentação bem detalhada do seu padrão de codificação e segue alguns padrões do PSR. Nomes de classes e locais de arquivos As classes no Kohana devem tem a primeira letra maiuscula e utilizar underscore(_) para separar as palavras. Todas as classes devem ficar na pasta classes. Friday, October 4, 13
  • 128. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Nome da classe localização Controller_Template classes/Controller/Template.php Model_User classes/Model/User.php Model_BlogPost classes/Model/BlogPost.php Database classes/Database.php Database_Query classes/Database/Query.php Form classes/Database/Query.php Friday, October 4, 13
  • 129. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Uso de chaves em estruturas de controle As chaves devem ser colocados em suas próprias linhas, indentado com o comando da estrutura de controle. // Forma correta if ($a === $b) { ... } else { ... } // forma errada if ($a === $b) { ... } else { ... } Friday, October 4, 13
  • 130. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Uso de chaves em classes A excessão da regra de como devem ficar as chaves é na declaração da classe onde a chave começa ao lado do nome da classe e não em sua própria linha. // Correto class Abacate { // Incorreto class Abacate { Friday, October 4, 13
  • 131. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Chaves vazias Em caso de utilizar chaves vazias não coloque nenhum caracter entre eles (espaco ou nova linha) // Correto class Abacate {} // Incorreto class Abacate { } Friday, October 4, 13
  • 132. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Arrays Os arrays podem ser definidos tanto em uma linha como em multiplas linhas. array('a' => 'b', 'c' => 'd'); array( 'a' => 'b', 'c' => 'd', ); Friday, October 4, 13
  • 133. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Abrindo parenteses A abertura de parenteses vai na mesma linha, sendo fechado no mesmo nível da declaração. // Correto array( ... ) // Incorreto: array ( ... ) Friday, October 4, 13
  • 134. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Convenção de nomes de classes O Kohana utiliza underscore (_) no nome das classes e não o camelCase. // Controller class, uses Controller_ prefix class Controller_Apple extends Controller { // Model class, uses Model_ prefix class Model_Cheese extends Model { // Regular class class Peanut { Friday, October 4, 13
  • 135. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Quando for instanciar uma nova classe não utilize parenteses se não for passado nenhum parametro para o construtor da classe. // Correto: $db = new Database; // Incorreto: $db = new Database(); Friday, October 4, 13
  • 136. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Funções e métodos Devem ser todas em letras minusculas e utilizar underscore para separar as palavras. function drink_beverage($beverage) { Friday, October 4, 13
  • 137. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Variáveis Mesmo padrão de métodos, deve-se utilizar letras minusculas e underscore. // Correto: $foo = 'bar'; $long_example = 'uses underscores'; // Incorreto: $weDontWantThis = 'understood?'; Friday, October 4, 13
  • 138. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Indentação A indentação deve utilizar tabs e nunca espaços Friday, October 4, 13
  • 139. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Concatenação de string Não utiliza espaços entre o operador de concatenação // Correto: $str = 'one'.$var.'two'; // Incorreto: $str = 'one'. $var .'two'; $str = 'one' . $var . 'two'; Friday, October 4, 13
  • 140. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Operadores de comparação Utilizar OR e AND para comparação // Correto: if (($foo AND $bar) OR ($b AND $c)) // Incorreto: if (($foo && $bar) || ($b && $c)) Friday, October 4, 13
  • 141. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Utilizar elseif ou invés de else if // Correto: elseif ($bar) // Incorreto: else if($bar) Friday, October 4, 13
  • 142. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Constantes Utilizar sempre caracteres maiusculos // Correto: define('MY_CONSTANT', 'my_value'); $a = TRUE; $b = NULL; // Incorreto: define('MyConstant', 'my_value'); $a = True; $b = null; Friday, October 4, 13
  • 143. PADRÃO DE CODIFICAÇÃO Constantes Utilizar sempre caracteres maiusculos // Correto: define('MY_CONSTANT', 'my_value'); $a = TRUE; $b = NULL; // Incorreto: define('MyConstant', 'my_value'); $a = True; $b = null; Friday, October 4, 13
  • 144. KOHANA Instalação do Kohana: Puxar framework no site; Verificar se o ambiente esta ok (install.php) Configurar o Kohana (bootstrap) Mover arquivo de instalação Hello World Friday, October 4, 13
  • 145. CONFIGURAÇÃO A maior parte da configuração de ambiente do Kohana é feita no arquivo bootstrap, localizado em application/bootstrap.php As principais configurações que devem ser feitas são timezone e locale e base_url Friday, October 4, 13
  • 146. CONFIGURAÇÃO Também é possivel habilitar e desabilitar módulos Kohana::modules(array( // 'auth' => MODPATH.'auth', // 'cache' => MODPATH.'cache', // 'codebench' => MODPATH.'codebench', // 'database' => MODPATH.'database', // 'image' => MODPATH.'image', // 'minion' => MODPATH.'minion', // 'orm' => MODPATH.'orm', // 'unittest' => MODPATH.'unittest', // 'userguide' => MODPATH.'userguide', )); Friday, October 4, 13 // // // // // // // // // Basic authentication Caching with multiple backends Benchmarking tool Database access Image manipulation CLI Tasks Object Relationship Mapping Unit testing User guide and API documentation
  • 147. FLUXO DA REQUISIÇÃO O fluxo começa no arquivo index.php, nessa etapa são definidos os caminhos da aplicação, dos modulos e do sistema (APPPATH, MODPATH, SYSPATH) Então entra em ação o bootstrap.php, carregando a classe Kohana, então é chamado o método Kohana:init responsável por iniciar a aplicação, configurar URL padrão (base_url), gerenciador de erros, cache e log. Friday, October 4, 13
  • 148. FLUXO DA REQUISIÇÃO Nesta etapa também são carregados os módulos, o controle de rotas e a classe de request. A classe Request (requisição) inicia, verifica se a rota existe, redireciona para o controller apropriado e devolve a reposta novamente para index, que exibe o resultado. Friday, October 4, 13
  • 149. ROTAS O Kohana fornece um sistema de roteamento poderoso, permitindo fazer uma ligação com qualquer fragmento de URL com uma controller e action. A rota padrão (default) do Kohana fica no arquivo bootstrap.php, cada rota no sistema deve ter um nome unico. Route::set('default', '(<controller>(/<action>(/<id>)))') ->defaults(array( 'controller' => 'Welcome', 'action' => 'index', )); Friday, October 4, 13
  • 150. ROTAS Este trecho de código cria a rota default, ao utilizar o método Route::set o primeiro parametro é o nome da rota, esse nome deve ser unico no sistema, e o segundo paramento é qual o padrão de URL que será casado neste exemplo é (<controller>(/ <action>(/<id>))). Esse padrão vai pegar o valor passado no token <controller> e procurar por um controller no sistema com o mesmo nome, e , fazer o mesmo com <action> e procurar nessa controller esse método. Ainda é utilizado o defaults para setar um valor padrão para a controller e para a action caso não seja passado na URL. Friday, October 4, 13
  • 151. ROTAS Caso o valor da URL seja opcional ou não for presenta na rota, pode-se utilizar o defaults para definir valores padrões. No caso controller e action devem sempre possuir um valor padrão. O Kohana também converte automaticamente o nome do controller para o padrão de nomes, por exemplo: /blog/ver/11 irá procurar pela controller Controller_Blog.php na pasta classes/Controller/Blog.php e executar a ação action_ver() Friday, October 4, 13
  • 152. SESSÕES O Kohana também fornece uma classe para facilitar o uso de sessões. Para acessar a instância da sessão pode ser utilizado o método Session::instance. // Pega a instancia da classe Session $session = Session::instance(); Friday, October 4, 13
  • 153. SESSÕES Todos os dados da sessão podem ser obtidos como array com o método Session::as_array. // pega todos os dados da sessao como array $data = $session->as_array(); Friday, October 4, 13
  • 154. SESSÕES Para setar um novo valor da sessão pode ser usado o método set // armazenar um novo valor $session->set($chave, $valor); // ou Session::instance()->set($chave, $valor); // Exemplo, armazenando id de um usuario $session->set('user_id', 10); Friday, October 4, 13
  • 155. SESSÕES Para pegar um valor já setado usamos o get // Pegar um valor da sessao $data = $session->get($chave, $valor_padrao); // Pegar o id do usuario $user = $session->get('user_id'); Friday, October 4, 13
  • 156. SESSÕES E, para deletar usamos o delete // Deletar um valor da sessao $session->delete($chave); // Deletar o id do usuario (user_id) $session->delete('user_id'); Friday, October 4, 13
  • 157. BANCO DE DADOS O suporte a banco de dados vem desabilitado no Kohana, para habilita-lo é necessário ativar no módulo de database e orm no arquivo bootstrap.php. Após habilitar o módulo de bando de dados e ORM é necessário criar um arquivo de configuração com os dados de acesso ao banco de dados. Um modelo do arquivo pode ser encontrado na pasta modules/ database/config/database.php. Não altere esse arquivo, copie ele para a pasta application/config e então configure seu banco de dados. Friday, October 4, 13
  • 158. BANCO DE DADOS Com o acesso do Kohana ao banco de dados configurado já é possivel fazer as classes da Model (responsável pelas operações com o banco de dados). Para criação dos Models o Kohana estabelece algumas regras: O nome da tabela deve ter o mesmo nome do Model só que no plural. Ex. Model_Blog a tabela deverá ser blogs para Model_Post a tabela devera ser posts. Friday, October 4, 13
  • 159. BANCO DE DADOS O plural das palavras são em inglês, caso você tenha alguma dúvida com o nome escolhido para a tabela pode usar o comando abaixo para verificar qual será o plural ou singular correspondente: echo Inflector::plural('person'); //imprime people echo Inflector::singular('people'); //imprime person Friday, October 4, 13
  • 160. MODEL Umas das vantagens do Kohana é o poder do ORM que permite operações de crud de uma maneira simples, bastando herdar (extends) a classe ORM para sua classe Model, como no exemplo: class Model_Member extends ORM { ... } Friday, October 4, 13
  • 161. MODEL Podemos carregar instancia da Model dessas formas $user = ORM::factory('User'); // Ou $user = new Model_User(); Friday, October 4, 13
  • 162. MODEL Para inserir um valor é bem simples, basta que sua Model herde a classe ORM. Exemplo: // pegando a instancia $usuario = ORM::factory('User'); // definindo dados $usuario->first_name = 'Fulano'; $usuario->last_name = 'de tal'; // salvando $usuario->save(); Friday, October 4, 13
  • 163. MODEL Para procurar um objeto podemos utilizar o método ORM::find, ou passa o ID do objeto diretamente para o construtor da classe ORM. // Procurar usuário com ID 20 $user = ORM::factory('User') ->where('id', '=', 20) ->find(); // Ou no construtor $user = ORM::factory('User', 20); Friday, October 4, 13
  • 164. MODEL Para recuperar todos os objetos da tabela usamos o ORM::find_all. // Retorna todos os usuario no banco $users = ORM::factory('User')->find_all(); Friday, October 4, 13
  • 165. MODEL Para atualizar ou deletar basta recuperar o objeto com uma busca, e em seguida alterar o que for necessario e salva. Ou deletar o objeto. // Procurar usuário com ID 20 $user = ORM::factory('User') ->where('id', '=', 20) ->find(); // Atualiza objeto (altera informações e salva) $user->first_name = "Ciclano"; $user->last_name = "de tal"; $user->save(); // Deletar $user->delete(); Friday, October 4, 13
  • 166. FIM DA PRIMEIRA PARTE Friday, October 4, 13

×