Your SlideShare is downloading. ×
2 icp brasil sistema nacional de certificação digital acsp - manuel matos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

2 icp brasil sistema nacional de certificação digital acsp - manuel matos

1,132
views

Published on

Published in: Art & Photos, Technology

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,132
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • Objetivos da apresentação Conhecer o papel das entidades que hoje atuam no cenário da ICP-Brasil e os regramentos a que se sujeitam. Conhecer, ainda, outras entidades e estruturas dentro da ICP-Brasil que se integram ao contexto atual, de forma a completar o conjunto de processos a serem executados para garantir a segurança das transações eletrônicas e dos documentos digitais, no longo prazo.
  • Objetivo da ICP-Brasil Assegurar que os documentos assinados digitalmente, no âmbito dessa infraestrutura, possuam as características técnicas necessárias e suficientes para serem úteis, efetivamente, como evidência legal, mesmo por longo prazo.
  • Motivação Solucionar os problemas de autenticação, integridade, sigilo e validade jurídica enfrentados pelos sistemas de informação digital disponibilizados via Internet.
  • Definição A ICP-Brasil é uma infraestrutura composta por técnicas, práticas e procedimentos com o objetivo de estabelecer os fundamentos técnicos e metodológicos de um sistema de certificação digital baseado em chave pública.
  • Marco Legal Medida Provisória 2.200-2/01, principal alicerce legal dessa infraestrutura, como segue: “ Art. 1º Fica instituída a Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil, para garantir a autenticidade, a integridade e a validade jurídica de documentos em forma eletrônica , das aplicações de suporte e das aplicações habilitadas que utilizem certificados digitais, bem como a realização de transações eletrônicas seguras.”
  • Instituída em 2001 – MP 2.200-2/2001 1- AUTENTICIDADE + 2- INTEGRIDADE + 3- NÃO REPÚDIO + 4- SIGILO + = VALIDADE JURÍDICA
  • 8 anos de operações – 2001 a 2009 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS = Identificação Presencial Não tutela da chave privada Auditoria / Fiscalização Padronização Interoperabilidade
  • INTRODUÇÃO Vou agora apresentar as entidades que compõem a ICP-Brasil, descrevendo brevemente as funções de cada uma. Também falarei um pouco sobre o funcionamento da infraestrutura como um todo e os regulamentos sobre os quais se apoia. O objetivo é familiarizar os senhores com os termos mais utilizados e passar uma visão geral do ambiente atual da ICP-Brasil. ENTIDADES INTEGRANTES As principais entidades integrantes da ICP-Brasil estão representadas nessa estrutura hierárquica: Comitê Gestor Composto por membros do Governo e da sociedade civil, tem por principal atribuição coordenar a implantação e o funcionamento da ICP-Brasil, além de estabelecer a política, os critérios e as normas para credenciamento das ACs, ARs e demais entidades que fazem parte da estrutura. AC-Raiz Primeira autoridade da cadeia de certificação, a AC-Raiz executa as políticas de certificados e normas técnicas e operacionais aprovadas pelo Comitê Gestor. Emite seus próprios certificados; emite, expede, distribui, revoga e gerencia os certificados das ACs de nível imediatamente subseqüente ao seu; gerencia sua lista de certificados revogados. Também executa atividades de fiscalização e auditoria das entidades da ICP-Brasil, em conformidade com as diretrizes e normas técnicas estabelecidas pelo Comitê Gestor da ICP-Brasil. Comissão Técnica (COTEC) Presta suporte técnico e assistência ao Comitê Gestor, sendo responsável por manifestar-se previamente sobre as matérias apreciadas e decididas pelo comitê Gestor. É convocada sempre que necessário, sendo que cada um de seus representantes é indicado por um dos membros do Comitê Gestor. Laboratórios de Ensaio e Auditoria (LEA) Os laboratórios de ensaios e auditoria (LEAs) são entidades formalmente vinculadas à AC Raiz, aptas a realizar os ensaios exigidos nas avaliações de conformidade e a emitir os correspondentes laudos de conformidade que embasarão a tomada de decisão, por parte da AC Raiz, quanto à homologação ou não de um dado sistema ou equipamento avaliado pelos LEAs. Autoridades Certificadoras (AC) – 1º Nível As autoridades certificadoras (ACs) são credenciadas para emitir certificados digitais vinculando pares de chaves criptográficas ao respectivo titular. Emitem, expedem, distribuem, revogam e gerenciam os certificados, bem como colocam à disposição dos usuários listas de certificados revogados e outras informações pertinentes e mantêm o registro de suas operações. Autoridades de Carimbo do Tempo (ACT) As autoridades de carimbo do tempo (ACTs) são entidades responsáveis pela operação dos equipamentos que, conectados à Rede de Carimbo do Tempo da ICP-Brasil, geram carimbos e os assinam em nome da ACT. Autoridades Certificadoras (AC) – 2º Nível Na ICP-Brasil, configuram-se dois tipos de Autoridades Certificadoras: aquelas que estão diretamente subordinadas à AC-Raiz, e são conhecidas como ACs de 1º Nível, e aquelas que lhes são subordinadas, conhecidas como AC de 2º Nível. Uma AC de 1º Nível pode emitir certificados ou para titulares finais ou para ACs de 2º Nível. Conforme Figura 2.2, atualmente apenas duas ACs de 1º Nível (Presidência da República e Imprensa Oficial SP) emitem certificados para titulares finais. As demais 6 ACs de 1º Nível emitem certificados para outras ACs. Essa configuração permite que uma AC de 1º Nível defina regras próprias (coerentes com as da ICP-Brasil, mas com algumas peculiaridades a mais) para os certificados que são emitidos na cadeia que lhe está subordinada. Ao mesmo tempo, exime a AC de 1º Nível de emitir, ela própria, os certificados de titulares finais, processo bem mais trabalhoso do que emitir certificados de AC de 2º Nível. Autoridades de Registro (AR) As autoridades de registro (ARs) são entidades operacionalmente vinculadas a determinada AC. Compete-lhes identificar e cadastrar usuários na presença destes , encaminhar solicitações de certificados às ACs e manter registros de suas operações. Prestadores de Serviços de Suporte (PSS) Os Prestadores de Serviços de Suporte (PSSs) são empresas contratadas por uma AC ou AR para realizar atividades de disponibilização de infraestrutura física e lógica e disponibilização de recursos humanos especializados. Empresas de Auditoria Independente (EAI) As empresas de auditoria independentes (EAIs) são entidades que, uma vez cadastradas junto à AC-Raiz, podem ser contratadas pelas autoridades certificadoras para realizar auditorias operacionais nas próprias ACs e nas entidades a elas subordinadas.
  • Titulares Finais (TF) Os titulares finais (TFs) são as entidades, pessoa física ou jurídica, para as quais são emitidos certificados digitais. O titular do certificado é responsável pela chave privada correspondente à chave pública contida no certificado e pode utilizar tanto uma quanto a outra. Terceiras Partes (TP) As terceiras partes (TPs) são quaisquer pessoas físicas ou jurídicas que confiam no teor, validade e aplicabilidade dos certificados digitais, dos carimbos do tempo e demais documentos assinados digitalmente no âmbito da ICP-Brasil.
  • Autoridades Certificadoras da ICP-Brasil até o momento AC CEF AC CERTISIGN AC IMPRENSA OFICIAL SP AC JUS AC PR SERASA ACP AC SERPRO AC RFB
  • Essa intensa utilização, se por um lado mostra a confiança que os agentes da sociedade depositam na ICP-Brasil, por outro lado traz uma enorme responsabilidade para todos os que trabalham em sua evolução e em especial aos entes públicos que criam e mantém os normativos que regem seu funcionamento. Isso porque, existe a necessidade de se reduzir os riscos e controlar eventuais fatores que possam comprometer a confiabilidade dos documentos assinados digitalmente, desde a necessidade de evolução da regulamentação a desafios tecnológicos, passando ainda por falhas humanas, acidentais ou intencionais. As gerações futuras dependerão cada vez mais de transações e documentos eletrônicos confiáveis, que possam reproduzir com mais segurança as características que hoje são encontradas nos documentos em papel. É necessário, portanto, que todos os aspectos que envolvem essa “virtualização” sejam progressivamente previstos e regulamentados.
  • Muito Obrigado! FIM
  • Transcript

    • 1. Sistema Nacional de Certificação Digital ACSP São Paulo, 10 de março de 2010
    • 2. Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil Objetivos da apresentação Conhecer o papel das entidades que hoje atuam no cenário da ICP-Brasil e os regramentos a que se sujeitam. Conhecer, ainda, outras entidades e estruturas dentro da ICP-Brasil que se integram ao contexto atual, de forma a completar o conjunto de processos a serem executados para garantir a segurança das transações eletrônicas e dos documentos digitais, no longo prazo.
    • 3. Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil Objetivos ICP-Brasil Assegurar que os documentos assinados digitalmente, no âmbito dessa infraestrutura, possuam as características técnicas necessárias e suficientes para serem úteis, efetivamente, como evidência legal, mesmo por longo prazo.
    • 4. Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil Motivação Solucionar os problemas de autenticação, integridade, sigilo e validade jurídica enfrentados pelos sistemas de informação digital disponibilizados via Internet.
    • 5. Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil Definição A ICP-Brasil é uma infraestrutura composta por técnicas, práticas e procedimentos com o objetivo de estabelecer os fundamentos técnicos e metodológicos de um sistema de certificação digital baseado em chave pública.
    • 6. Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil Marco Legal Medida Provisória 2.200-2/01, principal alicerce legal dessa infraestrutura, como segue: “ Art. 1º Fica instituída a Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil, para garantir a autenticidade, a integridade e a validade jurídica de documentos em forma eletrônica , das aplicações de suporte e das aplicações habilitadas que utilizem certificados digitais, bem como a realização de transações eletrônicas seguras.”
    • 7. Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil Instituída em 2001 – MP 2.200-2/2001 1- AUTENTICIDADE 2- INTEGRIDADE 3- NÃO REPÚDIO 4- SIGILO VALIDADE JURÍDICA
    • 8. Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil 9 anos de operações – 2001 a 2010 Identificação Presencial Não tutela da chave privada Auditoria / Fiscalização Padronização Interoperabilidade PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS
    • 9. Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil
    • 10. Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil
    • 11. ACs da ICP-Brasil até o momento
    • 12. Elementos essenciais do Documento Eletrônico Certificado Digital ICP-Brasil Carimbo de Tempo Embarcado Assinador e Visualizador Público Preservação de Longo Prazo
    • 13. Para saber mais... www.redeicpbrasil.com.br
    • 14. Muito obrigado! Manuel Matos [email_address] Comitê Gestor da ICP-Brasil Casa Civil da Presidência da República www. redeicpbrasil .com.br

    ×