Your SlideShare is downloading. ×
Relação amorasa D. Maria Ana Josefa e o Infante D. Francisco
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Relação amorasa D. Maria Ana Josefa e o Infante D. Francisco

4,129

Published on

A vivência dos afectos no Memorial do Convento / vivência dos afectos na actualidade …

A vivência dos afectos no Memorial do Convento / vivência dos afectos na actualidade
12º A2
Maio 2010
Português

1 Comment
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
4,129
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
43
Comments
1
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ESCOLA SECUNDÁRIA 3EB DR. JORGE CORREIA - TAVIRA Ricardo Mascarenhas Verónica Rodrigues 12ºA2 PORTUGUÊS Professora: Ana Cristina Matias Trabalho integrado no Projecto de Educação para a Saúde /Projecto Curricular da turma 12º A2 Ano lectivo: 2009/2010
  • 2. de José Saramago Relação amorosa de D. Maria Ana Josefa e do Infante D. Francisco de Bragança
  • 3.  
  • 4. Do seu casamento, nasceram vários filhos, três dos quais chegaram à idade adulta:
  • 5.  
  • 6. José Saramago, ao longo da sua obra, refere, algumas vezes, o encanto de D. Maria Ana pelo seu cunhado, o Infante D. Francisco. Podemos ver isso no primeiro, terceiro e décimo capítulos. “ São meandros do inconsciente real, como aqueles outros sonhos que sempre D. Maria Ana tem, vá lá explicá-los, quando el-rei vem ao seu quarto, que é ver-se atravessando o Terreiro do Paço para o lado dos açougues, levantando a saia à frente e patinhando numa lama aguada e pegajosa que cheira ao que cheiram os homens quando descarregam, enquanto o Infante D. Francisco, seu cunhado, cujo antigo quarto agora ocupa, alguma assombração lhe ficando, dança em redor dela, empoleirado em andas, como uma cegonha negra.”
  • 7. No 3º Capítulo: “ Quando, ainda consciente, D. Maria Ana se vê a si própria inclinando-se para o pano santíssimo, não se chega a saber se o ia beijar devotamente, porque de repente adormece e acha-se dentro do coche, recolhendo-se ao paço noite já escura, com a sua guarda de archeiros, e subitamente um homem a cavalo […] Neste capítulo, é a última vez que se vê alguma aproximação entre os dois. Aqui termina a paixão da rainha pelo seu cunhado: “ Adoeceu tão gravemente el-rei, morreu o sonho de D. Maria Ana, depois el-rei sarará, mas os sonhos da rainha não ressuscitarão.”
  • 8.
    • Ao longo deste trabalho, conseguiu-se localizar melhor as cenas em que se vê a relação imaginária entre a Rainha e o seu cunhado;
    • Durante a pesquisa biográfica, observámos que faziam sempre referência ao aproveitamento do Infante D. Francisco, quando D. João V teve um problema de saúde, o que prova que Saramago respeitou os acontecimentos históricos;
    • Concluímos que a Rainha procurava no seu cunhado o que não encontrava no seu marido, talvez amor, paixão, ou ainda, encantou-se pelo ar misterioso e por ele ser um fruto proibido;
    • Comparação do sucedido no século XVIII com o que sucede no século presente
  • 9. Trabalho realizado por: Ricardo Mascarenhas nº 19 Verónica Rodrigues nº 21 Ano: 12º Turma: A2
  • 10. ESCOLA SECUNDÁRIA 3EB DR. JORGE CORREIA - TAVIRA Ricardo Mascarenhas Verónica Rodrigues PORTUGUÊS Professora: Ana Cristina Matias Trabalho integrado no Projecto de Educação para a Saúde /Projecto Curricular da turma 12º A2 12º A2 Maio de 2010

×