Resultados Pesquisa 2013 Gestão da Inovação Brasil - Symnetics + Iae Business School/Universidad Austral (Argentina)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Resultados Pesquisa 2013 Gestão da Inovação Brasil - Symnetics + Iae Business School/Universidad Austral (Argentina)

  • 1,220 views
Uploaded on

pesquisa 2014 gestão da inovação brasil symnetics + iae business school

pesquisa 2014 gestão da inovação brasil symnetics + iae business school

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
1,220
On Slideshare
1,212
From Embeds
8
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
42
Comments
1
Likes
4

Embeds 8

http://patricioguitart.com 6
http://www.linkedin.com 2

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Pesquisa  -­‐  Gestão  da  Inovação  no  Brasil   Apresentação  dos  resultados         São  Paulo,  Brasil     Luis  Dambra  (LDambra@iae.edu.ar)   Patricio  Guitart  (PGuitart@iae.edu.ar)   André  CouHnho  (acouHnho@symneHcs.com.br)     Copyright  –  CIEL  –  2013   Novembro,  2013  
  • 2. Por  que  o  CIEL?   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 3. Por  que  o  CIEL?   •  A  base  para  o  crescimento  sustentável  e  compeHHvidade  dos  países  se  dá  através  da   inovação.   •  Em  geral,  a  América  LaHna  baseia-­‐se  em  um  critério  eficien;sta  para  seu  crescimento   e  desenvolvimento.   •  Não  é  por  acaso  que  países  como  Brasil  e  Chile  provaram  ser  os  países  mais  inovadores   da  América  LaHna  -­‐  de  acordo  com  o  World  Economic  Forum  -­‐  resultado  que  veremos   mais  adiante   •  No   entando   Brasil   e   Chile   estão   muito   distantes   dos   países   mais   compe;;vos   em   termos   de   invesHmento   em   inovação   em   relação   ao   PIB   e   ao   número   de   patentes   formalizadas  por  ano.   •  Por   este   moHvo,   acreditamos   na   importancia   da   criação   de   um   Centro   de   Pesquisa   sobre  Inovação  e  Estratégia  na  América  LaHna,  o  CIEL.   •  Devemos  primeiro  entender  como  as  organizações  estão  inovando  na  América  LaHna,   e,   em   seguida,   estruturar   o   conhecimento,   experiência   e   engajamento   em   nível   regional.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 4. BRASIL   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 5. Brasil  -­‐    um  dos  país  mais  inovadores  da  América  La;na   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 6.                Brasil  -­‐  Razões  para  ser  um  dos  mais  inovadores   Orientação  ao   Cliente   Adoção  de   Tecnologias     Mercado   Financiero   Eficiente      Tamanho  de   seu  Mercado   Interno   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 7. O  que  gostaríamos  de  aprender  com  o  Brasil?     Por  que  o  Brasil  é  um  dos  países  mais   inovadores  da  América  La;na?   O  que  as  empresas  fazem  de  diferente?   Que  ;po  de  inovação  u;lizam?   Como  conseguem  alinhar  a  gestão  para   implementar  a  inovação?     Que  ;po  de    cultura  e  ambiente  de   trabalho  desenvolvem  para  conseguir   promover  a  inovação?   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 8. Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 9. Como  a  pesquisa  foi  realizada   •  A   pesquisa   é   uma   iniciaHva   da   SymneHcs   em   parceria   com   a   IAE   Business   School   (Universidad  Austral)  da  ArgenHna.   •  A  pesquisa  foi  quanHtaiva  e  realizada  pela  web.   •  Convidamos   por   meio   de   e-­‐mail   personalizado   500   execuHvos   envolvidos   com   o   universo  de  gestão  da  inovação  no  Brasil.   •  Não   impusemos   limite   de   tamanho/faturamento   das   empresas   parHcipantes.   Deviam   ser   empresas   brasileiras   preocupadas   com   o   processo   de   inovação   ou   empresas   estrangeiras  que  realizaram  algum  invesHmento  em  inovação  no  Brasil.   •  Recebemos   29   quesHonários   preenchidos.   Com   base   nas   inferências   das   respostas,   em   2014  a  amostra  será  ampliada  e  realizaremos  um  estudo  qualitaHvo.   •  As   empresas   parHcipantes   representam   vários   setores   da   economia   brasileira:   indústria,  bancos,  hospitais,  serviços  de  internet  e  TI,  energia,  agroquímicos,  siderurgia,   educação  e  materiais  de  construção.   •  As  empresas  foram  convidadas  a  classificar  cada  pregunta  em  3  dimensões:  Relevância,   Materialidade  e  Desempenho.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 10. Critérios  para  definir  os  mais  e  menos  inovadores   Critério  de  seleção  para  as  empresas  mais  inovadoras:     1)          O  papel  que  a  inovação  desempenha  na  melhoria  da  compe;;vidade  da  sua    empresa:    a.            Atualmente    b.            Nos  úlHmos  três  anos     2)            Tendência  de  comportamento  nos  úl;mos  3  anos  dos  seguintes  indicadores:    a.          Vendas  de  produtos  e  serviços  com  até  3  anos  de  idade  no  mercado    b.          Contribuição  marginal    c.            Projetos  que  resultaram  em  novos  produtos  e  serviços    d.          Produtos  e  serviços  com  sucesso  comercial     3)          Seu  desempenho  atual  comparado  com  o  do  grupo  de  concorrentes  diretos  da    sua  organização:    a.            Ampliar  a  variedade  de  produtos  e  serviços  oferecidos    b.            Lançar  novos  produtos  e  serviços  com  mais  frequência    c.            Lançar  produtos  e  serviços  mais  inovadores   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 11. Como  a  pesquisa  foi  realizada   •  Foi  uHlizada  uma  escala  de  0  a  4   •  Os  resultados  foram  compilados  de  forma  agregada  /  média  da   amostra  inteira  para  fins  comparaHvos,  mas  foram  separados  em   dois  grupos:  mais  inovador  e  menos  inovador   •  A  separação  foi  feita  a  parHr  de  nove  critérios  de  desempenho.     •  Um  grupo  é  composto  por  12  empresas  inovadoras  e  o  outro   grupo  é  composto  por  17  empresas  menos  inovadoras.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 12. Sumário  Execu;vo   •  A  inovação  é  um  tema  importante  nas  agendas  das  empresas  brasileiras  e  no   grupo  mais  inovador  é  um  tema  estratégica.   •  Existe  um  foco  maior  na  inovação  de  processos  do  que  de  serviços.   •  Há   uma   melhora   em   vários   indicadores   relacionados   com   a   inovação,   tais   como  novas  ofertas  de  produtos  e  projetos  de  novos  produtos.  As  empresas   inovadoras  têm  um  melhor  desempenho.   •  Quanto  ao  Hpo  de  inovação,  em  geral,  há  um  foco  na  melhoria  de  processos,   produto   e   serviços.   Se   observa   menor   foco   em   inovação   em   Supply   Chain,   Redes  e  Canais.   •  Quanto  à  estratégia  da  organização,  o  foco  é  ter  uma  estratégia  formalizada  e   bem  comunicada,  além  de  uma  visão  a  longo  prazo.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 13. Sumário  Execu;vo   •  Em  geral,  a  inovação  acontece  de  maneira  incremental  e  na  minoria  dos   casos  ela  pode  ser  radical.   •  Na  gestão  do  porjolio  de  projetos  de  inovação,  o  mais  importante  é  a   viabilidade  técnica  e  a  vantagem  compe;;va  dos  projetos.   •  Em  relação  às  práHcas  de  inovação,  aparece  curiosamente  uma  alta  adoção   da  prá;ca  de  cocriação.  Outra  práHca  bastante  uHlizada  é  a  gestão  de   projetos  no  modelo  convencional.   •  Em  relação  à  implementação  da  inovação,  em  geral,  o  mais  importante  é  ter   um  sistema  de  gestão  da  inovação.  Para  as  empresas  mais  inovadoras,  o   mais  importante  é  a  experimentação.   •  As  empresas  brasileiras  não  exploram  os  subsídios  que  o  governo  oferece   para  inves;mentos  em  inovação.   •  Observa-­‐se  um  baixo  monitoramento  e  controle  de  projetos  de  inovação.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 14. Sumário  Execu;vo   •  A  tomada  de  decisão  é  centralizada,  com  pouca  interferência  do  Comitê  de   Inovação.  Nas  empresas  mais  inovadoras,  é  o  Comitê  de  Inovação  que  tem   interferência  direta  na  tomada  de  decisão.   •  Observa-­‐se  um  grande  desafio  para  medir  corretamente  o  processo  e  os   resultados  da  inovação.   •  Indicadores  do  processo  de  inovação  não  estão  alinhados  com  a  estratégia   da  organização.   •  Quanto  aos  incenHvos,  este  tem  sido  um  grande  obstáculo  para  a  gestão  da   inovação,  porque  não  se  premia  o  indivíduo  ou  o  grupo  corretamente.   UHliza-­‐se  incenHvos  não  monetários,  mas  isso  nem  sempre  é  suficiente.   •  As  empresas  mais  inovadoras  promovem  uma  cultura  de  confiança  e  diálogo.   Apoiam  novas  ideias  e  não  tem  medo  de  assumir  riscos.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 15. 1.  O  papel  da  inovação  na  melhoria  da  compe;;vidade   Comentários:   •  O  papel  da  inovação  na  melhoria  da  compeHHvidade  das  empresas  é  relevante.   •  O  papel  da  inovação  vem  crescendo  nos  úlHmos  anos.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 16. Grupo  +  Inovador   Comentários:   •  O  papel  da  inovação  na  melhoria  da  compeHHvidade  das  empresas  é  estratégico  e   cresceu  nos  úlHmos  anos.     Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 17. Inferências   •  Papel  da  MEI  (Mobilização  Empresarial  pela  Inovação)  da  CNI  (Confederação   Nacional  da  Indústria)  na  inclusão  da  inovação  na  agenda/planejamento   estratégico  das  empresas.   •  Alta  compe;;vidade  vivida  pela  indústria:   •  concorrência  com  produtos  chineses  em  diversos  segmentos   •  entrada  de  genéricos  e  similares  (ex:  farma,  agroquímico,  entre  outros)   •  empresas  brasileiras  como  global  players     •  Instalação  de  centros  de  P&D  das  mulHnacionais  no  Brasil:   •  Brasil  como  plataforma  global  de  P&D  (ex:  Johnson  &  Johnson,  John  Deere,   Fiat,  SAP)   •  Descentralização  dos  P&Ds,  aproximando  com  mercado  local  (ex:   Firmenich,  Reckit,  Siemens,  Basf)             •  Empresas  brasileiras  globais  invesHndo  em  inovação  e  estruturando  áreas  de   inovação  (ex:  Marcopolo,  Natura,  Gerdau,  Embraco,  Embraer,  entre  outros).   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 18. 2.  Grau  de  complexidade  tecnológica  dos  produtos  e  serviços  produzidos  por     sua  organização   Toda  a  amostra   Grupo  mais  inovador   Comentários:   •  A  amostra  tem  uma  média  de  alta  complexidade  tecnológica  dos  seus  produtos,  mas  no   grupo  mais  inovador,  ela  tende  a  ser  mais  complexa.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 19. Inferências              Duas  faces  para  a  complexidade  nos  produtos  e  serviços:     •  Ainda  que  o  Brasil  seja  marcado  pela  produção  e  comercialização  de   commodi;es,  estão  mais  sofisHcados:   •  os  serviços  e  modelos  de  negócio  agregados  ao  produto    (ex:  logísHca,   modelos  comerciais,  canais  de  acesso  ao  produto)   •  os  acordos  de  transferência  tecnológica  com  universidades  e  centros  de   pesquisa,  ainda  que  presentes  em  poucos  setores/empresas.   •  A  alta  complexidade  pode  ser  reflexo  dos  gargalos  enfrentados  pelas   empresas  no  país:   •  infraestrutura:  modais  de  transporte  e  telecom     •  educação  básica  de  qualidade  inferior  à  média  mundial   •  carga  tributária  incompaqvel   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 20. 3.  Impacto  da  inovação  no  desempenho  operacional   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 21. Grupo  +  inovador   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 22. 4.  Mudança  no  desempenho  organizacional  nos  úl;mos  três  anos   Comentários:   •  A  alteração  no  desempenho  organizacional  das  três  alternaHvas  permaneceu  (=  2).   •  Talvez  os  produtos  e  serviços  inovadores  não  foram  bem  desenvolvidos  ou  não  foram   muito  bem  implementados.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 23. Grupo  +  inovador   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 24. 5.  Desempenho  em  comparação  com  a  concorrência   Comentários:   •   As  três  alternaHvas  mostram  que  não  há  nenhuma  diferença  no  desempenho  em   relação  à  concorrência.   •  Isso  pode  acontecer  devido  a  uma  forte  comodiHzação  de  produtos  e  serviços.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 25. Inferências   •  Ser  o  1o  (Be  the  First)  e  aumentar  o  ciclo  da  inovação   (Move  Fast)  no  Brasil  parece  ser  uma  boa  estratégia.   •  A  mera  diversificação  e  incremento  do  porjolio  de   produtos  e  serviços  sem  inovação  não  parece  ser  uma   boa  estratégia.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 26. 6.  Tipo  de  Inovação   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 27. Grupo  +  Inovador   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 28. Inferências   •  Observa-­‐se  foco  na  inovação  de  processos,  produtos  e  serviços:   •  isto  pode  estar  relacionado  à  grande  influência  que  os  programas  da  qualidade   exerceram  nas  empresas  brasileiras  (sobretudo  nacionais)  nos  úlHmos  20  anos.   •  os  incenHvos  governamentais  para  inovação  (fiscais  ou  subvenção  econômica)   direcionam  os  beneficios  para  inovação  de  processo  ou  produto.   •  Observa-­‐se  pouco  desenvolvimento  em  Supply  Chain,  Rede  e  Novos  Canais.   •  em  parte  explicado  devido  aos  gargalos  de  infraestrutura  no  país;   •  inovação  via  colaboração  no  B2B  ainda  é  uma  barreira  a  ser  superada  em   segmentos  como  varejo  e  farma;   •  novos  canais  (sobretudo  digitais)  estão  sendo  melhor  aproveitados  por  bancos,   seguradoras  e  telecom;   •  inovação  em  rede  ainda  uma  promessa,  salvo  em  poucas  empresas.   •  as  startups  tem  aproveitado  melhor  a  onda  de  inovação  em  rede  e  novos  canais.   •  O  Grupo  mais  inovador  se  concentra  mais  nos  Produtos  e  Serviços,  nas  Soluções  e  na   própria  Organização.  E  em  segundo  plano,  Processos,  Modelo  de  Negócio  e  Plataformas.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 29. 7.  Frequência  em  lançamento  de  produto   Legenda:     •  Incremental:  mudança  introduzida  em  um  produto,  serviço  ou  processo  existente  que  representa  uma  pequena   melhora  no  desempenho  da  empresa  ou  para  o  cliente.   •  Deriva;va:  mudança  introduzida  pela  oferta  de  produtos  ou  serviços  adjacentes,  conectados  à  oferta  principal  de   produtos  e  serviços,  que  representa  uma  pequena  melhora  no  desempenho  da  empresa  ou  para  o  cliente.   •  Plataforma:  oferta  integrada  de  novos  produtos  +  serviços  +  canais  que  combinados  criam  uma  oferta  única  no   mercado.   •  Radical:  novidades  que  mudam  significaHvamente  a  vida  dos  clientes,  criando  um  novidade  e  representando  uma   mudança  de  paradigma  no  mercado.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 30. Grupo  +  inovador   Comentários:   •  Concentra-­‐se  no  desenvolvimento  da  inovação  incremental.  Alinhado  com  o   esHlo  de  gestão  baseado  no  "planejamento“  e  na  “gestão”.   •  Menos  desenvolvimento  de  inovação  radical  ou  disrupHva,  talvez  a  origem  deste   Hpo  de  inovação.  Isso  significa  mais  "exploração"  e  "incertezas”.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 31. 8.  Tendência  de  indicadores  de  inovação  (1)   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 32. Grupo  +  inovador   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 33. Inferências   •  Principal  indicador:  agilidade  no  lançamento  de  novos   produtos  e  serviços.   •  Menor  preocupação  com  o  ciclo  de  vida  dos  produtos  e   serviços:   •  Planejar  o  ciclo  de  vida  dos  produtos  e  serviços  é  mais   comum  em  empresas  na  Europa  e  EUA.   •  Assegurar  invesHmento  do  P&D  como  %  das  vendas  (item   estratégico  do  orçamento)  não  é  uma  práHca  comum  nas   empresas.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 34. 9.  Tendência  de  indicadores  de  inovação  (2)   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 35. Grupo  +  inovador   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 36. Inferências   •  Além  dos  resultados  do  grupo  +  inovadoras  que  são  melhores  do  que  a   média  da  amostra,  este  grupo  apresenta  uma  maior  capacidade  de   realizar  projetos  de  inovação  e  trazê-­‐los  para  o  mercado:  45%  contra   34%  (amostra  total)     •  Projetos  de  inovação  (ex:  número  de  produtos  e  serviços  lançados)   mais  importante  que  resultados  a;ngidos  (ex:  receita  ou  margem).   •  Gestão  do  ciclo  de  vida  de  produtos  e  invesHmento  em  P+D+I  tem   menor  relevância.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 37. 10.  Uso  de  subsídios  para  a  inovação   Inferências:   •  Desconhecimento  da  maioria  das  empresas  sobre  os  programas  federais,  estaduais  e   municipais  de  incenHvo  à  inovação  (ex:  Lei  Federal  do  Bem,  linhas  de  financiamento  do   BNDEs,  entre  outros).   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 38. Uso  de  subsídios  para  a  inovação  -­‐  Grupo  +  inovador   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 39. Lei  Federal  de  Inovação   •  Lei  Federal  de  Inovação:   Art.   2º,   IV   ,   “Inovação:   Introdução   de   novidade   ou   aperfeiçoamento   no   ambiente   produHvo   ou   social   que   resulte   em   novos   produtos,   processos   ou   serviços”   Lei  no.  10.973  de  2  de  dezembro  de  2004     “Dispõe  sobre  incenHvos  à  inovação  e  à  pesquisa  cienqfica  e  tecnológica  no   ambiente  produHvo  e  dá  outras  providências”.   Regulamentada  pelo  decreto  nº  5.563  de  10/2005       •  O  centro  de  atenção  é  a  ICT  –  Ins;tuição  Cienkfica  e  Tecnológica   InsHtuição  Cienqfica  e  Tecnológica  -­‐  ICT:  órgão  ou  enHdade  da  administração   pública  que  tenha  por  missão  insHtucional,  dentre  outras,  executar  aHvidades   de  pesquisa  básica  ou  aplicada  de  caráter  cienqfico  ou  tecnológico;     Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 40. Lei  Federal  de  Inovação   IV  -­‐  DO  ESTÍMULO  À  INOVAÇÃO  NAS  EMPRESAS     Art.  19     INCENTIVOS  DIRETOS    =    SUBVENÇÃO  ECONÔMICA   A  União,  as  ICT  e  as  agências  de  fomento  promoverão  e  incen;varão  o  desenvolvimento  de   produtos  e  processos  inovadores  em  empresas  nacionais  e  nas  enHdades  nacionais  de  direito   privado  sem  fins  lucraHvos  voltadas  para  aHvidades  de  pesquisa,  mediante  a  concessão  de  recursos   financeiros,  humanos,  materiais  ou  de  infraestrutura,  a  serem  ajustados  em  convênios    ou   contratos  específicos,  des;nados  a  apoiar  a;vidades  de  pesquisa  e  desenvolvimento,  para  atender   às  prioridades  da  polí;ca  industrial  e  tecnológica  nacional.      VI  –  DISPOSIÇÕES  FINAIS     INCENTIVOS  INDIRETOS    =  INCENTIVOS  FISCAIS   Art.  28   A  União  fomentará  a  inovação  na  empresa  mediante  a  concessão  de  incen;vos  fiscais  com  vista  na   consecução  dos  objeHvos  estabelecidos  nesta  Lei.     O  Poder  ExecuHvo  encaminhará  ao  Congresso  Nacional,  em  até  120  (cento  e  vinte)  dias,  contados  da   publicação  desta  Lei,  projeto  de  lei  para  atender  o  previsto  no  caput  deste  arHgo.     Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 41. 11.  A  estratégia  de  inovação   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 42. Grupo  +  inovador   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 43. Inferências   •  Encontramos  diferenças  significaHvas  (ao  nível  de  confiança  de  95%)   no  desempenho  da  dimensão  "Estrutura“.  Nas  empresas  +   inovadoras,    o  foco  é  o  desenvolvimento  de  uma  estrutura  que   apoie  o  esforço  de  inovação.   •  Empresas  ainda  em  busca  de  “estruturar”  uma  área,  unidade,  centro,   núcleo  ou  comitê  de  inovação.   •  Dimcil  encontrar  no  mercado  competências/  profissionais  para   operar  estas  estruturas  (pessoas  com  carreira  de  inovação).   •  Papéis:  a  “estrutura”  de  inovação  em  definição  nas  empresas:   consultoria  interna?  gestora?  catalizadora  de  ideias  e  projetos?     •  Estruturas  muitas  vezes  são  áreas  internas/corporaHvas  de  apoio.     Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 44. 12.  Gestão  do  Porpólio  de  Inovação   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 45. Grupo  +  inovador   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 46. Inferências   •  Melhores  práHcas  uHlizadas  são:  Viabilidade  Técnica,  Risco  e   Vantagem  compeHHva.   •  Viabilidade  técnica  é  uma  questão  crí;ca  no  Brasil,  podendo   inviabilizar  os  projetos.   •  Uma  clara  preocupação  com  a  compeHHvidade  das  empresas   brasileiras.   •  As  melhores  prá;cas  menos  u;lizadas  são:  Equilíbrio  de   Porpolio,  Prospecção  e  Scoring.   •  Surpreendentemente  baixo  uso  de  práHcas  Estratégico  Fit  em   ambos  os  grupos.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 47. 13.  Tomada  de  decisão  em  processos  de  inovação   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 48. Grupo  +  inovador   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 49. Inferências   •  Observa-­‐se  a  centralização  na  tomada  de  decisão:                             34%  dos  casos  são  feitas  através  do  CEO  e  21%  dos  casos  o   CEO  com  algum  outro  diretor.   •  Observa-­‐se  pouca  interferência  do  Comitê  de  Inovação  (OU   áreas,  unidades,  núcleos  de  inovação),  em  um  total  de  27%   do  total  da  amostra.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 50. 14.  Implementação  da  estratégia  de  inovação   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 51. Grupo  +  inovador   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 52. Inferências   •  O  grupo  mais  inovador  considera  importante  a  ligação  com  a  área  de   Ciência  e  Tecnologia  .   •  Para  as  empresas  que  estão  começando  a  inovar,  a  existência  de  um   sistema  de  gestão  e  recursos  (humanos,  técnicos,  financeiros)   disponível  é  algo  críHco.   •  Nas  empresas  +  inovadoras,  a  Experimentação  é  o  mais  importante,   porém  são  as  que  apresentam  as  maiores  lacunas  em  termos  de   importância  e  realidade.   •  Se  observa  baixa  importância  para  o  desenvolvimento  de  inovação   aberta:   •  dificuldades  em  estabelecer  acordos  com  universidades  e  centros  de   pesquisa  públicos?   •  medo  de  perder  (know  how,  ideias)  para  o  mercado?   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 53. 15.  Inovação  aberta   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 54. Grupo  +  inovador   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 55. 16.  Prá;cas  de  Inovação   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 56. Grupo  +  inovador   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 57. Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 58. Inferências   •  Gestão  de  projetos  aparece  como  uma  práHca  essencial:   •  Métodos  convcencionais  de  gestão  de  projetos  (PMI)  são   suficientes  ou  é  necessária  uma  gestão  de  projetos  mais  ágil?   •  Importância  dos  projetos  piloto:   •  Experimentação   •  Fail  Fast   •  Concurso  de  ideias  bem  disseminado  dentro  da  empresa  tem  sido   um  primeiro  passo  na  inovação  “estruturada”:   •  Mercado  de  ideias.   •  Plataforma  de  sugestões  dos  funcioários.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 59. 17.  Alinhamento  Organizacional   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 60. Grupo  +  inovador   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 61. Inferências   •  Em  geral,  há  um  forte  desalinhamento  entre  variáveis   organizacionais  e  a  implementação  de  uma  estratégia  de   inovação.   •  Não  há  indicadores  específicos  para  medir  processos  e   resultados  da  inovação.   •  Existe  algum  desenvolvimento  de  dashboards  para  medir   indicadores  de  inovação.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 62. 18.  Monitoramento  e  controle  de  projetos   Comentários:   •  Apenas  31%  dos  casos  faz  acompanhamento  mensal   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 63. Grupo  +  inovador   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 64. 19.  Cultura  de  inovação  (1)   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 65. Grupo  +  inovador   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 66. Inferências     •  As  maiores  diferenças  entre  importância  e  desempenho  em  toda  a   amostra,  bem  como  no  grupo  +  inovador  são  as  dimensões   "assumir  riscos"  e  "tempo  para  gerar  ideias.“   •  pressão  por  resultados  de  curto  prazo  reduzem  tempo  para   exploração  e  descoberta  de  oportunidades,  obrigando  as   equipes  de  inovação  a  fazerem  shortcuts  ao  longo  do  projeto   (por  exemplo,  ir  direto  para  ideação,  sem  pesquisa).   •  assumir  riscos  (em  um  país  com  graves  entraves  de   infraestrutura,  burocracia  e  educação)  é  ainda  uma  barreira  a   ser  enfrentada.   •  No  Grupo  +  inovador  em  termos  de  desempenho,  existe  uma   diferença  significaHva  de  acordo  com  o  valor  T,  nas  dimensões:   liberdade,  ideias  de  apoio,  assumir  riscos  e  tempo  para  pensar.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 67. 20.  Cultura  de  inovação  (2)   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 68. Grupo  +  inovador   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 69. Inferências   •  Há  um  desalinhamento  entre  incen;vo  monetário  e  os   obje;vos  esperados  dos  projetos  de  inovação.     •  IncenHvos  não  financeiros  podem  funcionar  (até  melhor)  que   os  financeiros.   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 70. 21.  Cultura  de  inovação  (3)   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 71. Grupo  +  inovador   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 72. Inferências   •  Do  ponto  de  vista  da  importância  atribuída  aos  dois  grupos,  foram   encontradas  diferenças  estaHsHcamente  significaHvas  nas   dimensões:  "Dinamismo"  e  "Conflitos”     •  Confiança  e  a;tude  aberta  tem  se  mostrado  (em  diversas   pesquisas  dos  úl;mos  10  anos)  o  principal  impulsionador  do   ambiente  para  inovação.     •  Conflito  pode  ser  algo  posi;vo  no  ambiente  para  gerar  tensão   criaHva.     Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 73. Ambiente  para  Inovação   •  Confiança  mútua   •  EmpaHa  aHva   •  Acesso  à  ajuda   •  Suspensão  temporária      do  julgamento   •  Coragem   Fonte:  "The  Knowledge-­‐CreaHng  Company"   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 74. 22.  Cultura  de  inovação  (4)   Nunca   Sempre   Comentários:   •  A  hierarquia  parece  influenciar  o  processo  de  geração  de  ideias   •  A  hierarquia  parece  ser  (moderadamente)  aberta  a  novas  ideias  de  seus  funcionários   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 75. Grupo  +  inovador   Nunca   Sempre   Comentários:   •  A  hierarquia  parece  ter  pouca  influência  no  processo  de  geração  de  ideias   •  A  hierarquia  parece  ser  bastante  aberta  a  novas  ideias  de  seus  funcionários   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 76. Anexo  T  Value   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 77. T  Value   Copyright  –  CIEL  –  2013  
  • 78. Pesquisa  -­‐  Gestão  da  Inovação  no  Brasil   Apresentação  dos  resultados         São  Paulo,  Brasil     Luis  Dambra  (LDambra@iae.edu.ar)   Patricio  Guitart  (PGuitart@iae.edu.ar)   André  CouHnho  (acouHnho@symneHcs.com.br)     Copyright  –  CIEL  –  2013   Novembro,  2013