Your SlideShare is downloading. ×
Geografiaaa
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Geografiaaa

925
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
925
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
50
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Biomassa
    Geografia: Daniel, Dóris, Jhonny, Lucas Eduardo, Suzane e Tauana.
  • 2. Biomassa é a matéria orgânica utilizada na produção de energia. Nem toda a produção primária do planeta passa a incrementar a biomassa vegetal, pois parte dessa energia acumulada é empregada pelo ecossistema na sua própria manutenção. As vantagens do uso da biomassa na produção de energia são o baixo custo, o fato de ser renovável, permitir o reaproveitamento de resíduos e ser bem menos poluente que outras fontes de energia como o petróleo ou o carvão.
  • 3. Materiais
    A lenha é muito utilizada para produção de energia por biomassa, sendo que no Brasil, já representou 40% da produção energética primária. A grande desvantagem é o desmatamento das florestas;
    Cana-de-açúcar: no Brasil, diversas usinas de açúcar e destilarias estão produzindo metano a partir da vinhaça. O gás resultante está sendo utilizado como combustível para o funcionamento de motores estacionários das usinas e de seus caminhões. O equipamento onde se processa a queima ou a digestão da biomassa é chamado de biodigestor. O biogás obtido poderia ser utilizado diretamente nas caldeiras, liberando maior quantidade de bagaço para
    geração de energia elétrica através de
    termoelétricas, ou gerar 2916 KW de energia,
    suficiente para suprir o consumo doméstico
    de 25 000 famílias;
  • 4. Papel já utilizado;
    Serrim ou serradura de madeira;
    Galhos e folhas decorrentes da poda de árvores em cidades ou casas;
    Embalagens de papelão descartadas após a aquisição de diversos eletrodomésticos ou outros produtos;
    Casca de arroz;
    Capim-elefante;
    Lodo de ETE: Especialmente os provenientes do processo de lodos ativados amplamente utilizados na indústria têxtil;
  • 5. Como se produz a biomassa?
    A combustão de qualquer material de origem orgânica produz material particulado, CO2, CO ou outros óxidos dependendo do material combustível.Tem se valorizado a utilização de biomassa proveniente de resíduos urbanos, florestais e industriais com o fim de diminuir a quantidade de resíduos em aterros, além de alguns processos de obtenção de energia a partir da biomassa não produzem os gases causadores do efeito estufa, ou produzem uma quantidade bem menor do que os combustíveis fósseis.Devido à variabilidade de materiais que podem ser considerados biomassa, existem diversos processos onde se transforma a biomassa em energia, eles são divididos em três tipos: os que envolvem combustão direta, os que envolvem processos termoquímicos e os que envolvem processos biológicos;
  • 6. Combustão direta:
    é a queima da biomassa em fornos, caldeiras ou fogões. O problema deste tipo de combustão é a baixa eficiência, por causa da umidade da biomassa (que na lenha pode ser de 20% ou até mais, por exemplo) e da baixa densidade energética dos combustíveis envolvidos neste tipo de geração de energia.
    Sem contar, que neste tipo de combustão é praticamente impossível obter a queima completa, o que pode gerar grandes quantidades de emissões atmosféricas.
  • 7.
  • 8. Gaseificação:
    conversão do combustível sólido em gás por meio de reações termoquímicas e em seguida utilização do gás obtido (que contém basicamente CO, H2, CH4, CO2 e N2) para obtenção de energia. Este método é bem mais eficiente que a combustão direta por utilizar um combustível mais puro, além de produzir emissões atmosféricas mais limpas.
    O gás obtido a partir deste método pode ser usado em turbinas a gás ou mesmo em motores de combustão interna, comprovando sua maior versatilidade.
  • 9.
  • 10. Pirólise:
    é a combustão da biomassa (geralmente lenha) praticamente sem a presença de oxigênio, o que faz com ela se transforme em carvão (que possui duas vezes mais densidade energética que a biomassa original). A pirólise convencional produz alcatrão e ácido pirolenhoso como resíduos que, depois de tratamento prévio, podem ser utilizados como óleo combustível.
    A desvantagem é que são necessárias cerca de 4 t de biomassa para produzir apenas 1 t de carvão. Outro tipo de pirólise, mais avançada, que usa temperaturas mais altas gera como produtos um gás rico em hidrogênio e monóxido de carbono (60%) e apenas 10% de carvão sólido o que a torna comparável à gaseificação.
  • 11.
  • 12. Digestão anaeróbia:
    também ocorre na ausência de ar, porém o processo de decomposição da biomassa é feito por bactérias (biológico) que ao decompor o material (processo que ocorre normalmente com a biomassa, porém nesse caso, é acelerado num biodigestor), produz o biogás composto por metano e dióxido de carbono, que tem um conteúdo energético em torno de 5.500 kcal/m³. É muito usado na conversão de lixo urbano (em aterros) e agrícola em combustível.
  • 13.
  • 14. Fermentação:
    outro processo biológico, mas aqui os micro-organismos conhecidos como leveduras convertem os açúcares de plantas, como a cana de açúcar, em álcool (etanol e metanol).
  • 15. Transesterificação:
    processo químico que transforma óleos vegetais em glicerina e uma mistura de ésteres etílicos ou metílicos, conhecidos como biodiesel.
  • 16. Vantagens:
    Baixo custo de aquisição;
    Não emite dióxido de enxofre;
    As cinzas são menos agressivas ao meio ambiente que as provenientes de combustíveis fósseis;
    Menor corrosão dos equipamentos (caldeiras, fornos);
    Menor risco ambiental;
    Recurso renovável;
    Emissões não contribuem para o efeito estufa.
  • 17. Desvantagens:
    Menor poder calorífico;
    Maior possibilidade de geração de material particulado para a atmosfera. Isto significa maior custo de investimento para a caldeira e os equipamentos para remoção de material particulado;
    Dificuldades no estoque e armazenamento.
    Medidas Indiretas no Controle de Poluição do ar:
    Impedir a geração de poluente;
    Diminuir a quantidade gerada;
    Diluição através de chaminé alta;
    Adequada localização da fonte;
  • 18. Medidas Diretas no Controle de Poluição do ar:
    Ciclones e multiciclones;
    Lavadoras;
    Lavador venturi;
    Filtro de tecido;
    Precipitadoreseletrostáticos;
    Adsorvedores;
    Incineradores de gases;
    Condensadores.