• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Tcc_acidentes com perfurocortantes 2013
 

Tcc_acidentes com perfurocortantes 2013

on

  • 7,858 views

 

Statistics

Views

Total Views
7,858
Views on SlideShare
7,858
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
125
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Tcc_acidentes com perfurocortantes 2013 Tcc_acidentes com perfurocortantes 2013 Document Transcript

    • UNIVERSIDADE NILTON LINS CURSO SUPERIOR TECNOLOGO EM SEGURANÇA DO TRABALHO ACIDENTES COM PERFUROCORTANTES E MEDIDAS PREVENTIVAS Manaus/AM 2013
    • Anibal da Silva Cajado Marta Lobato Lima Silvânia Souza de Araújo Trabalho de Conclusão de Curso apresentado parcial como para exigência obtenção da Graduação a Universidade Nilton Lins, sob a orientação do Prof. Eng. Civil Trabalho: e Luís Magalhães Botelho. Manaus/AM 2013 Segurança Coelho do de
    • C139a Cajado, Anibal da Silva Acidentes com perfurocortantes e medidas preventivas / Anibal da Silva Cajado, Marta Lobato Lima, Silvânia Souza de Araújo. – 2013. 55 f.; 30cm. Orientador: Prof. Luís Coelho de Magalhães Botelho. Trabalho de conclusão de Curso (graduação) – Universidade Nilton Lins, Curso Superior Tecnólogo em Segurança do Trabalho, 2013. 1. Acidentes com agulhas. 2. Perfurocortantes. 3. Prevenção. CDU 616-001.44 CDU 616-001.44
    • ACIDENTES COM PERFUROCORTANTES E MEDIDAS PREVENTIVAS Este TCC foi julgado para obtenção da Graduação e Aprovado em sua forma final pelo Curso de Tecnólogo em Segurança do Trabalho Manaus, 27 de junho de 2013. ____________________________________ Prof. Luís Coelho de Magalhães Botelho ____________________________________ Prof.ª MsC Ida Paula da Silva Moura ____________________________________ Prof.ª Carolina de Jesus Candido Neves
    • Dedicatória Eu, Aníbal da Silva Cajado, dedico este TCC primeiramente ao nosso Senhor Jesus Cristo que me iluminou todos estes anos e que me fez não desistir do meu sonho, e a minha querida mãe Maria Francisca que me apoio nesta jornada, se não fosse ela eu não conseguiria concluir este curso, pois, muitas vezes eu pensei em desistir, mas ela permaneceu sempre do meu lado me dando todo o apoio. Hoje eu estou aqui prestes a concluir o curso de graduação, eu agradeço muito a ela, e as minhas irmãs, e aos meus amigos, familiares e aos professores desta instituição. Eu, Marta Lobato Lima, dedico este TCC, em primeiro lugar a Deus, pela força e coragem durante toda esta longa caminhada, ao meu amado esposo Fábio pela paciência pelo incentivo, pela força e principalmente pelo carinho. Dedico em especial aos meus filhos Fábio Matheus, (Joaquim) Paula Joaquina que sofreram com minha ausência a Brenda Vitoria que desde o nascimento de seu irmão me deu forças pra continuar a estudar, a minha querida e amada irmã Madalena que por muitas vezes renunciou à sua própria vida pra que eu pudesse chegar até aqui, ao meu pai Lázaro Lima que prometeu viver pra me vir vencer na vida e a minha cunhada e amiga Fabíola pelo apoio. Obrigada à todos. Eu, Silvânia Souza de Araújo, dedico este TCC, a todos da minha família, ao meu esposo Dinelson e a meu filho Marcus Victor que ao longo desses três anos sempre estiveram ao meu lado me dando força para continuar estudando e por ter compreendido minha ausência por conta dos estudos. Aos meus irmãos Douglas, Dercley, Silvia e Silviane que me deram força nos momentos difíceis e participaram das minhas alegrias. A minha avó Hilda que admiro tanto, pela sua experiência de vida. Dedico em especial a minha querida mãe Osilete, que nunca deixou desistir dos meus sonhos e preenche minha vida de alegria, amor, carinho, proteção e atenção. Grata pelo carinho de todos.
    • Agradecimentos Agradecemos a DEUS por ter iluminado nosso caminho, dando-nos força, saúde e coragem. Agradecemos as nossas famílias e amigos, que por todo esse tempo que nos deram apoio e incentivaram nossa luta. Aos colegas de curso, que estiveram ao nosso lado nos momentos alegres e difíceis e, por nos proporcionar momentos de descontração em sala de aula. Aos queridos professores de todos os períodos do curso, que sempre nos encorajaram a continuar e nunca desistir. Ao nosso orientador Professor Luís Coelho, que acreditou em nosso potencial, que esteve presente em todos os momentos deste trabalho de conclusão de curso e durante todo o desenvolvimento teórico-prático desta publicação, sempre nos apoiando, incentivando e orientando.
    • ... Muitas vezes estamos em dificuldades, mas não somos derrotados. Algumas vezes ficamos em dúvida, mas nunca desesperados. Temos muitos inimigos, mas nunca nos falta um amigo. Às vezes somos feridos, mas não destruídos. 2 Coríntios 4, 8-10
    • RESUMO Este trabalho possui como tema principal os acidentes com perfurocortantes e medidas preventivas, que ao longo das pesquisas realizadas apontam os acidentes com agulha como um sério problema nas instituições hospitalares, uma vez que as exposições percutâneas são as maiores responsáveis pela transmissão ocupacional de infecções sanguíneas para os profissionais de saúde. Historicamente estudos comprovam que a preocupação com os riscos biológicos surgiu, somente, a partir da epidemia do HIV/AIDS nos anos 80, onde foram estabelecidas normas para as questões de segurança no ambiente do trabalho hospitalar. O ato de reencapar agulhas, a desconexão da agulha da seringa, o transporte ou manipulação de agulhas desprotegidas, o descarte inadequado dos objetos perfurocortantes em recipientes impróprios ou em recipientes superlotados são as principais causas de acidentes. Os hospitais são locais complexos, onde se realizam cuidados de saúde a um grande número de pessoas, tendo como resultado a existência de riscos potenciais aos quais os trabalhadores podem estar expostos. Dados de vigilância agregados do National Suryeillance System for Health Care Workers (NaSH), são usados para fornecer uma descrição geral da epidemiologia das exposições percutâneas, onde, mostram que a equipe de enfermagem é que sofre o maior número de acidentes com perfurocortantes. Entretanto, outros trabalhadores que prestam assistência aos pacientes (como médicos e técnicos), pessoal de laboratórios e trabalhadores de equipes de suporte (por exemplo, trabalhadores de serviços de higienização/limpeza) também estão sujeitos a este risco. Entre as doenças ocasionadas pelo acidente com perfurocortantes o vírus da hepatite B (HBV), o vírus da hepatite C (HBC) e o vírus da AIDS (HIV) são os patógenos mais comumente transmitido durante as atividades de assistência ao paciente. Estudos realizados comprovam que são grandes os efeitos na vida de quem sofre o acidente, gerando medo e angustia mesmo que não haja contaminação de doenças graves. As instituições de saúde necessitam de diretrizes claras para a elaboração de uma eficiente ferramenta de gestão dos riscos, envolvendo a prevenção de acidentes dos profissionais com materiais perfurocortantes, e foi por isso, que o MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) criou a Portaria nº 1.748, de agosto de 2011, que trata do Plano para Implantação de Materiais Perfurocortantes com Dispositivo de Segurança que foi determinante para que essa exigência fosse atendida. Um efetivo programa de prevenção de acidentes inclui diversos componentes que devem atuar em conjunto para prevenir que os trabalhadores da saúde sofram acidentes de trabalho com agulhas e outros materiais perfurocortantes. Esse programa de prevenção deve se integrar aos programas já existentes, como os de gestão da qualidade, de controle de infecção e de segurança e saúde ocupacionais. Apesar da complexidade deste trabalho sobre o tema abordado, concluí-se que, com treinamentos específicos, conscientização dos profissionais de saúde e fiscalizações realizadas pelos setores e órgãos competentes ocorrerá a prevenção. Palavras-Chave: acidentes com agulhas; perfurocortantes; prevenção.
    • ABSTRACT This work has as main theme needlestick accidents with cutting and preventive measures, which over the point of the research conducted needlestick injuries as a serious problem in hospitals since the percutaneous exposures are the most responsible for occupational transmission of blood-borne infections for health professionals. Historically, studies show that concern about biological risks arose only from the epidemic of HIV / AIDS in the '80s, where standards have been established for the safety issues in the workplace hospital. The act of recapping needles, disconnecting the syringe needle, shipping or handling needles unprotected, the improper disposal of sharp objects pierce in containers unfit or overcrowded containers are the main causes of accidents. Hospitals are complex sites, where they perform health care to a large number of people, resulting in the existence of potential risks to which workers may be exposed. Surveillance data aggregated Suryeillance National System for Health Care Workers (NaSH), are used to provide an overview of the epidemiology of percutaneous exposures, which show that the nursing staff is suffering the highest number of accidents with sharp pierce. However, other workers who provide patient care (such as medical and technical) staff, laboratories and support teams of workers (eg, service workers cleaning / cleaning) are also subject to this risk. Among the diseases caused by accident with sharp pierce the hepatitis B virus (HBV), hepatitis C (HBC) and the AIDS virus (HIV) are the most commonly transmitted pathogens during patient care activities. Studies show that the effects are large in the lives of those who suffer the accident, causing fear and anguish even if there is contamination of serious diseases. Health institutions need clear guidelines for the development of an efficient tool for risk management, involving the prevention of accidents with professional materials pierce cutting, and was therefore the MTE (Ministry of Labour and Employment) Ordinance created No. 1748, August 2011, which deals with the Implementation Plan for Materials perforating knives with safety device that was crucial to those requirements were met. An effective accident prevention program includes several components that must work together to prevent health workers suffer work-related injuries from needles and other sharp materials pierce. This prevention program must integrate with existing programs such as quality management, infection control and occupational health and safety. Despite the complexity of this work about the subject, I concluded that, with specific training, awareness of health and inspections conducted by the industry and relevant bodies occur prevention. Keywords: needlestick injuries, needlestick sharps; prevention.
    • LISTA DE FIGURAS Figura 1 Grupos de trabalhadores da saúde expostos a sangue ou outros materiais biológicos.................................................................................................................................22 Figura 2 Locais de ocorrência dos acidentes com sangue ou outros materiais biológicos.................................................................................................................................24 Figura 3 Circunstâncias de ocorrência de acidentes percutâneos envolvendo agulhas com lúmen........................................................................................................................................25 Figura 4 Tipos de perfurocortantes envolvidos nos acidentes percutâneos............................26
    • LISTA DE TABELA Tabela 1 Comparação das proporções e taxas de acidentes percutâneos entre ocupações selecionadas em diferentes estudos..........................................................................................23 Tabela 2 Infecções transmitidas através de acidentes percutâneos durante atividades de assistência ao paciente (PC) e/ou no Laboratório/Autópsia (LA)...........................................27
    • LISTAS DE ABREVIATURAS E SIGLAS AIDS - Acquired Immunodeficiency Syndrome CCIH – Comissão de Controle de Infecção hospitalar CDC - Centers for Diseases Control and Prevention CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidente CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente DORT - Doenças Orteomusculares Relacionadas ao Trabalho EPC - Equipamento de Proteção Coletiva EPI - Equipamentos de Proteção Individual HBV - Vírus da Hepatite B HCV - Vírus da Hepatite C HIV - Vírus da Imunodeficiência Humana INSS - Instituto Nacional de Seguridade Social MTE - Ministério do Trabalho e Emprego NaSH - National Suryeillance System for Health Care Workers NR - Norma Regulamentadora OMS - Organização Mundial de Saúde SESMT – Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho SMS – Saúde, Meio Ambiente e Segurança UAB – Universidade Aberta do Brasil WHO – World Health Organization
    • SUMÁRIO Resumo Abstract Lista de Figuras Lista de Tabelas Lista de Abreviaturas e Siglas 1.0 Introdução..........................................................................................................................15 2.0 Revisão da Literatura.........................................................................................................17 2.1 Histórico de Acidentes com Profissionais da Saúde......................................................17 2.2 As Principais Causas de Acidentes.................................................................................19 2.3 Riscos para os Trabalhadores em Ambiente Hospitalar ..............................................21 2.4 Grupo de Risco para Acidentes com Perfurocortantes.................................................22 2.4.1 Epidemiologia dos Acidentes com Perfurocortantes...............................................22 2.4.2 Quem Corre Risco de Sofrer Acidentes com Perfurocortante.................................22 2.4.3 Onde, Quando e Como Ocorrem os Acidentes.........................................................23 2.4.4 Quais Perfurocortantes estão Envolvidos nos Acidentes Percutâneo......................25 2.5 Doenças como Consequência do Acidente.....................................................................27 2.5.1 Patógenos de Transmissão Sanguínea.......................................................................27 2.5.2 Vírus da Hepatite B.....................................................................................................27 2.5.3 Vírus da Hepatite C.....................................................................................................28 2.5.4 Vírus do HIV (Vírus Da Imunodeficiência Humana) ..............................................29
    • 2.6 Efeitos na vida de Quem Sofre o Acidente........................................................................29 2.7 Prevenções de Acidentes com Perfurocortantes em Assistência À Saúde.......................32 2.7.1 Estratégias para a Prevenção de Acidentes................................................................36 3.0 Metodologia.......................................................................................................................38 3.1 Característica da Investigação.......................................................................................38 3.2 Período da Investigação.................................................................................................38 3.3 Apresentação e Análise da Pesquisa..............................................................................38 4.0 Resultados e Discussões....................................................................................................39 5.0 Conclusão...........................................................................................................................42 Referências Bibliográficas Anexos Anexo I- Programas de Prevenções de Acidentes em Ambiente Hospitalar Anexo II - Ministério do Trabalho e Emprego Gabinete do Ministro (Portaria nº 1.748, de 30 de agosto de 2011) Glossário
    • 15 1.0 INTRODUÇÃO Segundo o Manual de Prevenção de Acidente de Perfurocortantes da FUNDACENTRO os serviços de saúde são compostos por ambientes de trabalho complexos, apresentando, por isso mesmo, riscos variados à saúde dos trabalhadores e também das pessoas que estejam recebendo assistência médica nesses locais. Dentre esses riscos, um que é bastante peculiar ao serviço de saúde é o risco de sofrer um acidente de trabalho com material biológico envolvendo um perfurocortante. Além de incluir o ferimento em si, a grande preocupação em um acidente desta natureza é a possibilidade de vir a se infectar com um patógeno de transmissão sanguínea, especialmente os vírus das hepatites B e C e da AIDS. Essas são doenças que trazem grandes perdas não só ao trabalhador acidentado, mas também a toda a sociedade. Mesmo que não haja soro conversão, um acidente com um perfurocortante envolve o sofrimento do trabalhador acidentado e de sua família e muitas vezes grandes custos financeiros. A prevenção de acidentes de trabalho com material biológico é uma importante etapa na prevenção da contaminação de trabalhadores da saúde por patógenos de transmissão sanguínea. Dados epidemiológicos sobre os acidentes, incluindo as circunstâncias associadas com a transmissão ocupacional por estes patógenos, são essenciais para o direcionamento e a avaliação das intervenções nos níveis local, regional e nacional. Os CDC’s estimam que, a cada ano, ocorram 385.000 acidentes com perfurocortantes entre os trabalhadores da saúde que atuam em hospitais; uma média de 1.000 exposições por dia. A verdadeira magnitude do problema é difícil de ser avaliada, já que não existem informações sobre a ocorrência destes acidentes entre os trabalhadores que atuam em outros serviços, como, por exemplo, instituições de longa permanência para idosos, clínicas de atendimento ambulatorial, serviços de atendimento domiciliar (home care), serviços de atendimento de emergência e consultórios particulares. Além disso, embora estas estimativas dos CDC’s tenham sido ajustadas em relação à subnotificação, a importância deste fator não pode ser subestimada. Diferentes estudos indicam que mais de 50% dos trabalhadores da saúde não notificam a ocorrência de exposições percutâneas envolvendo material biológico.
    • 16 Baseados nessas pesquisas, desenvolvemos o nosso tema que aborda acidentes com instrumentos perfurocortantes ocorridos com trabalhadores de serviço de saúde, delimitando para acidentes com agulhas em ambiente hospitalar e, suas medidas preventivas. É relatado um problema real, que acontece diariamente no ambiente de trabalho hospitalar. Ao questionarmos o problema, realizamos estudo que identificam as causas, os efeitos e as consequências, bem como, as medidas preventivas necessárias para enfrentá-lo. Este estudo contribuirá para reforçar a atenção quanto à segurança do trabalho em ambiente hospitalar, tendo como consequência, obtenção de melhoria técnica para todos os trabalhadores de serviço de saúde envolvidos com o tema, acarretando importante contribuição social, cujo benefício será preservar a saúde e segurança de todos os trabalhadores que prestam serviço em ambiente hospitalar.
    • 17 2.0 REVISÃO DA LITERATURA 2.1 HISTÓRICO DE ACIDENTES COM OS PROFISSIONAIS DA SAÚDE Historicamente as primeiras pessoas que cuidavam dos doentes eram freiras e religiosos. Atualmente, a enfermagem presta esse cuidado, contando também com técnicas de precaução e transmissão de doenças, bem como promoção da saúde do indivíduo. Essas técnicas passaram a ser desenvolvidas com Florence Nightdale, a precursora da enfermagem, que desenvolveu as primeiras formas de organização e técnicas de limpeza, principalmente de locais mais simples, como chão e até a lavagem de materiais utilizados, o que na época fez com que ocorresse a diminuição do índice de mortalidade, principiando os cuidados com a transmissão de micro-organismos e organizando o ambiente laboral. (Revista PROTEÇÃO, 2013) Em outras épocas, os trabalhadores da área da saúde não eram considerados como categoria profissional de alto risco para acidentes do trabalho. A preocupação com os riscos biológicos surgiu, somente, a partir da epidemia do HIV/AIDS nos anos 80, onde foram estabelecidas normas para as questões de segurança no ambiente do trabalho. (Nishide e cols, 2004) Em 1981 representantes da Organização Mundial de Saúde - OMS, reunidos em Haya, reconheceram não dispor de estatísticas nacionais e internacionais sobre acidentes e lesões que afetam os profissionais de saúde e dentre eles os trabalhadores de enfermagem. (Zurita,1993) Em 1981, McCormick e Maki foram os primeiros a descrever as características de acidentes com perfuro cortantes entre trabalhadores da saúde e a recomendar uma série de estratégias de prevenção, incluindo programas educacionais, evitar de reencape e melhores sistemas para descarte de agulhas. Em 1987, as recomendações do Centers for Diseases Control and Prevention CDC para prevenções universais incluíram um guia sobre a prevenção de acidente com perfurocortante com foco nos cuidados durante o manuseio e o descarte. Diversos estudos sobre a prevenção de acidente com agulhas, publicados entre 1987 e 1992, focalizaram o desenvolvimento e a colocação de coletores de descarte de perfurocortantes resistentes à punctura em locais adequados e a capacitação dos trabalhadores sobre os riscos
    • 18 do reencape, do encurvamento e da quebra de agulhas usadas. Muitos desses estudos documentaram o sucesso limitado desses intervenções específicas, tanto em prevenir acidentes relacionados ao descarte quanto ao reencape. Os resultados foram melhores, porém, quando a intervenção incluiu uma ênfase na comunicação e no feedback para os trabalhadores das situações de riscos encontradas e dos acidentes notificados. (FUNDACENTRO, 2010) No Brasil, os estudos que enfocam a relação saúde-trabalho de enfermagem nas instituições hospitalares, começaram a ser realizados na década de 70 e foram incrementados a partir da década de 80. Estes estudos demonstram que a saúde do trabalhador de enfermagem é comprometida, em parte, pode ser detectado através da elevada incidência de acidentes de trabalho e doenças profissionais. (Marziale e cols,1990) Dados do Ministério da Previdência Social apontam que o setor de saúde é o quinto no ranking de acidentes do trabalho, superando áreas consideradas de alto risco como a da construção civil, de eletricidade e as indústrias extrativas. A saúde só perde para setores como indústria de transformação, agricultura e transportes. (Revista Infectologia Hoje, 2006). Os acidentes de trabalho ocasionados por material perfurocortante entre os trabalhadores de enfermagem são frequentes, devido ao número elevado de manipulação, principalmente de agulhas, e representam prejuízos aos trabalhadores e às instituições. Tais acidentes podem oferecer riscos à saúde física e mental dos trabalhadores. (Marziale e cols, 2004) A prevenção de acidentes de trabalho com material biológico é uma importante etapa na prevenção da contaminação de trabalhadores da saúde por patógeno de transmissão sanguínea. Dados epidemiológicos sobre os acidentes, incluindo as circunstancias associadas com a transmissão ocupacional por estes patógenos, são essenciais para o direcionamento e a avaliação das intervenções dos níveis local, regional e nacional. Os Centers for Diseases Control and Prevention (CDC) nos EUA estimam que, a cada ano, ocorram 385.000 acidentes com perfurocortantes entre os trabalhadores da saúde que atuam em hospitais, uma média de 1000 exposições por dia. (FUNDACENTRO, 2010) A verdadeira magnitude do problema é difícil de ser avaliada, já que não existem informações sobre ocorrência destes acidentes entre os trabalhadores que trabalham em outros serviços, como por exemplo, instituições de longa permanência para idosos, clínicas de atendimento ambulatorial, serviços de atendimento domiciliar, serviços de atendimento de emergência e consultórios particulares. Além disso, embora essas estimativas dos CDC’S tenham sido
    • 19 ajustadas em relação a subnotificação, a importância desse fator não pode ser subestimada. Diferentes estudos indicam que mais de 50% dos trabalhadores da saúde não notificam a ocorrência de exposição percutânea envolvendo materiais biológicos. (FUNDACENTRO, 2010) Segundo a Resolução n. 5/93 do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente), os materiais perfurocortantes são seringas, agulhas, escalpes, ampolas, vidros em geral ou qualquer material pontiagudo ou que contenha fios de corte capazes de causar perfurações ou cortes (Moreira, 2007). E do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) são aqueles utilizados na assistência à saúde e que contenham ponta ou gume ou que possam perfurar ou cortar (item 1.3 do Anexo da Portaria nº 1748/2011). (UNIFESP, 2011) 2.2. AS PRINCIPAIS CAUSAS DE ACIDENTES Apesar de os acidentes com material infectante acometerem todos os trabalhadores da área da saúde, a equipe de enfermagem está em constante risco de adquirir os patógenos veiculados pelo sangue, uma vez que suas atividades envolvem contato direto com sangue e outros fluidos corpóreos, além de manipulação rotineira de materiais perfuro cortantes. (Moura e cols, 2006) Os acidentes com agulhas constituem sério problema nas instituições hospitalares, uma vez que as exposições percutâneas são as maiores responsáveis pela transmissão ocupacional de infecções sanguíneas para os profissionais de saúde. (Bravidelli e cols, 2002) O ato de reencapar agulhas, a desconexão da agulha da seringa, o transporte ou manipulação de agulhas desprotegidas, o descarte inadequado dos objetos perfurocortantes em recipientes impróprios ou em recipientes superlotados são as principais causas de acidentes envolvendo perfurações acidentais. (Brevidelli e cols, 2002) A adoção de práticas seguras no exercício de atividades de enfermagem precisa ser uma temática a ser bastante discutida pela equipe responsável pelas ações de educação continuada, como também se necessita descobrir a razão do não seguimento das recomendações-padrão
    • 20 pelos profissionais que as conhecem e, no entanto, não as praticam corretamente. (Brevidelli e cols, 2002) A análise do conteúdo das abordagens educativas e da influência das percepções dos profissionais de saúde sobre a prática ou não das medidas preventivas deve ser uma preocupação apresentada pelo conjunto de pessoas responsáveis pelos treinamentos institucionais. (Brevidelli e cols, 2002) Com relação ao ambiente hospitalar, este é reconhecido como insalubre, penoso e também perigoso para aqueles que ali trabalham. É um local favorável para o adoecimento devido aos riscos ocupacionais, biológicos, químicos, físicos e psicossociais. Estas condições determinam um ambiente propício ao desenvolvimento de transtornos mentais, como ansiedade, depressão e estresse. Além do ambiente de trabalho em que Enfermagem está inserida, tal profissão é considerada estressante devido à vivência direta e ininterrupta do processo de dor, morte, sofrimento e pelas muitas situações imprevisíveis, por vezes repulsivas e angustiantes que executa. (WHO, 2002) Segundo (Oliveira e cols, 2009), permitiu, ainda, a identificação de que os principais fatores potenciais de risco a ocorrência de acidentes de trabalho, com perfurocortantes, estão relacionados com as condições do local de trabalho, destacam-se: a insalubridade e o perigo; o descarte do material em locais superlotados ou inadequados, tais como: saco de lixo comum, cama, mesa de cabeceira do paciente, campos cirúrgicos e bandejas, por exemplo; o piso, muitas vezes, molhado em corredor; a má qualidade de materiais; e a não oferta de matérias e equipamentos de segurança. Soma-se a essas, o comportamento dos funcionários em que foram mencionados, tarefas repetitivas, o manuseio frequente de agulhas, muitas vezes desprotegida; reencape de agulhas; a desconexão da agulha da seringa; a pressa decorrente do plantão; ao estresse, a tensão, a fadiga e o cansaço por sobrecarga de trabalho (como duplicidade de emprego, por exemplo); a desconsideração das precauções padrão; o desconhecimento dos riscos de infecção; e o próprio aspecto cultural de cada personagem. Relaciona-se, ainda, ao comportamento dos pacientes muitas vezes agressivos. Os acidentes de trabalho ocasionados por material perfurocortante entre trabalhadores de enfermagem são frequentes, devido ao número elevado de manipulação, principalmente de agulhas, e representam prejuízos aos trabalhadores e às instituições. Tais acidentes podem oferecer riscos à saúde física e mental dos trabalhadores. (Cardoso e cols, 2009)
    • 21 2.3 RISCOS PARA OS TRABALHADORES EM AMBIENTE HOSPITALAR Os hospitais são locais complexos, onde se realizam cuidados de saúde a um grande número de pessoas, tendo como resultado a existência de riscos potenciais aos quais os trabalhadores podem estar expostos (Nishide e cols, 2004). São considerados locais insalubres, pois reúnem pacientes portadores de diferentes enfermidades infecto-contagiosas e realizam muitos procedimentos que oferecem riscos de exposição a material biológico para seus trabalhadores (Nishide e cols, 2004). Marziale (2002) citam que no contexto hospitalar, a equipe de enfermagem está mais exposta aos riscos ocupacionais e a lesões decorrentes do acidente de trabalho, pelo fato de permanecerem 24 horas junto ao paciente. Desse modo, o cuidado com o ambiente tem papel fundamental na prevenção de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho, porém, pouca importância tem sido dada ao profissional, o que reflete na sua maior exposição aos riscos. Damasceno et al. (2006, p.86) afirmam que “a convivência cotidiana com o ambiente insalubre ou de riscos pode diminuir a percepção das pessoas sobre a necessidade de adotar medidas preventivas para a sua própria segurança”. Neste sentido, é imprescindível a formação de uma consciência sobre a existência dos riscos ocupacionais pela equipe de enfermagem, de acordo com a realidade apresentada nos respectivos ambientes de trabalho (Farias e cols, 2005). Nas instituições de saúde, pode-se verificar a presença de alguns riscos no ambiente de trabalho. O risco físico está associado às condições inadequadas de iluminação, temperatura, ruídos e radiações; o risco químico está presente na manipulação de desinfetantes, esterilizantes, gases anestésicos e medicamentos, quimioterápicos; o risco biológico se manifesta pelo contato direto com microrganismos, sangue e fluidos. Alguns estudos referem ainda o risco psicossocial, que ocorre pela necessidade de atenção constante, pressão da chefia, estresse, fadiga, ritmo acelerado, horários e turnos alternados; e também os riscos ergonômicos aparecem nas atividades de levantamento e transporte excessivo de 20 pesos e no trabalho em posições incômodas (Zaparoli, 2009; Magnago et al., 2010).
    • 22 2.4 GRUPO DE RISCO PARA ACIDENTES COM PERFUROCORTANTES 2.4.1 Epidemiologia dos acidentes de trabalho com perfurocortantes Dados sobre acidentes com agulhas e outros perfuro cortantes são usados para caracterizar o trabalhador, o local, o objeto, a circunstância e o modo dessas exposições. Dados de vigilância agregados do National Suryeillance System for Health Care Workers (NaSH), são usados para fornecer uma descrição geral da epidemiologia das exposições percutâneas. (FUNDACENTRO, 2010) 2.4.2 Quem corre risco de sofrer acidentes com perfurocortantes? Dados do NaSH mostram que a equipe de enfermagem é que sofre o maior número de acidentes com perfurocortantes. Entretanto, outros trabalhadores que prestam assistência aos pacientes (como médicos e técnicos), pessoal de laboratórios e trabalhadores de equipes de suporte (por exemplo, trabalhadores de serviços de higienização/limpeza) também estão sujeitos a este risco. (FUNDACENTRO, 2010) Figura 1 Grupos de trabalhadores da saúde expostos a sangue ou outros materiais biológicos. (N = 23.197), excluindo as notificações com dados incompletos. Médicos 28% Técnicos 15% Higienização/ Limpeza/ Manutenção 3% Estudantes 4% Setores administrativos 3% Odontologia 1% Pesquisa 1% Enfermagem 43% Fonte: NaSH – junho/1995 a dezembro/2003) Outros 4%
    • 23 A equipe de enfermagem é o grupo ocupacional predominante em parte porque é o maior segmento da força de trabalho em muitos hospitais. Quando as taxas de acidentes são calculadas com base no número de trabalhadores naquela ocupação ou número de horas trabalhadas, outras ocupações podem apresentar taxas mais elevadas de acidentes. (FUNDACENTRO, 2010) Tabela 1 Comparação das proporções e taxas de acidentes percutâneos entre ocupações selecionadas em diferentes estudos. Autor/Período de Estudo Enfermeiras Laboratório Médicos McMromick & Maki / 1975-1979 45% 9 15% 10 ND 17% 13/100 trabalhadores Ruben et al./19771980 66% 23 10% 12 4% 5 16% 18/100 trabalhadores Monsour / 19841988 62% 10 21% 20 7% 2 10% 6/100 trabalhadores Whitby et 1987-1988 al./ 79% 15 2% 4 11% 3 5% 3/100 trabalhadores Mccormick & Maki / 1987-1988 58% 20 9% 17 23% 15 11% 31/100 trabalhadores Higienização/Limpeza Denota apenas o pessoal interno. A relação empregador/empregado do serviço de saúde afeta as taxas de acidentes entre os médicos. ND – não disponível: Fonte: NaSH – junho/1995 a dezembro/2003 2.4.3 Onde, quando e como ocorrem os acidentes? Embora os perfurocortantes possam causar acidentes em qualquer lugar do serviço de saúde, os dados do NaSH mostram que a maioria (39%) dos acidentes ocorrem em unidades de internação, particularmente nas enfermarias e/ou quartos, em unidades de terapia intensiva e no centro cirúrgico. (FUNDACENTRO, 2010)
    • 24 Figura 2 Locais de ocorrência dos acidentes com sangue ou outros materiais biológicos (N = 23.140), excluindo as notificações com dados incompletos. Centro Cirúrgico 25% Sala de Procedimentos 9% Enfermarias clínicas e cirúrgicas…20% Pronto Socorro 8% Unidade de Terapia Intensiva.........13% Obstetrícia/Genecologia...................2% Outros 5% Enfermaria pediátrica.......................2% Enfermaria psiquiátrica....................1% Laboratórios 5% Lixo/Lavanderia/C ME 1% Berçário............................................1% Internação 39% Ala prisional...................................<1% Ambulatório 8% Fonte: NaSH – junho/1995 a dezembro/2003) Os acidentes ocorrem mais frequentemente após o uso e antes do descarte de um perfurocortante (40%), durante seu uso em um paciente (41%) e durante ou após o descarte (15%) (CDC, dados não publicados). Há muitas variações nas circunstâncias envolvendo os acidentes em cada um desses momentos, conforme mostrado nos dados do NaSH sobre acidentes envolvendo agulhas com lúmen. (FUNDACENTRO, 2010)
    • 25 Figura 3 Circunstâncias de ocorrência de acidentes percutâneos envolvendo agulhas com lúmen (N = 10.239), sendo 150 notificações sem informar sobre como o acidente ocorreu. Manuseio/passagem de instrumentos 6% Em trânsito para o descarte 4% Manipulação de agulha no paciente 27% Descarte Inadequado 9% Ativação do dispositivo de segurança 3% Durante Limpeza 9% Transferência/processamento de amostras 5% Acesso intravascular 5% Durante descarte de perfurocortante 13% Colisão com outro trabalhador ou com o perfurocortante 10% Reencapar agulha 5% Outros 4% Fonte: NaSH – junho/1995 a dezembro/2003) 2.4.4 Quais perfurocortantes estão envolvidos nos acidentes percutâneos? Embora muitos tipos de perfurocortantes possam estar envolvidos, dados agregados do NaSH indicam que seis dispositivos são responsáveis por aproximadamente oitenta por cento de todos os acidentes. (FUNDACENTRO, 2010)
    • 26 Figura 4 Tipos de perfurocortantes envolvidos nos acidentes percutâneos (N = 18.708) Outros/desconhecido 4% Perfurocortantes sem lúmen: 38% Vidraria 2% Agulhas de sutura 20% Lâmina de bisturi 8% Outros/ desconhecidos 10% Agulhas com lúmen 56% Agulhas hipodérmicas.................................................30% Escalpes.......................................................................12% Estiletes de cateteres IV................................................5% Agulhas para coleta de sangue (vácuo)........................3% Outras agulhas com lúmen............................................6% Fonte: NaSH – junho/1995 a dezembro/2003 Esses dispositivos são:       Seringas descartáveis/agulhas hipodérmicas (30%) Agulhas de sutura (20%) Escalpes (12%) Lâminas de bisturi (8%) Estiletes de cateteres intravenosos (IV) (5%) Agulhas para coleta de sangue (vácuo) (3%) No geral, as agulhas com lúmen são responsáveis por 56% de todos os acidentes com perfurocortantes no NaSH. (FUNDACENTRO, 2010)
    • 27 2.5 DOENÇAS COMO CONSEQUÊNCIA DO ACIDENTE 2.5.1 Patógenos de Transmissão Sanguínea Acidentes com agulhas e outros perfurocortantes usados nas atividades laboratoriais e assistência à saúde estão associados à ocupacional de mais de 20 diferentes patógenos. O vírus da hepatite B (HBV), o vírus da hepatite C (HCV) e o vírus da Acquired Immunodeficiency Syndrome (AIDS) / Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) são os patógenos mais comumente transmitido durante as atividades de assistência ao paciente. (FUNDACENTRO, 2010) Tabela 2 Infecções transmitidas através de acidentes percutâneos durante atividades de assistência ao paciente (PC) e/ou no Laboratório/Autópsia (LA)1. PL1 INFECÇÃO PC Blastomicose  Herpes  Criptococose  Leptospirose Difteria  Malária  Ebola  Tuberculose  Gonorreia  Febre Maculosa  INFECÇÃO PC1 PL   Hepatite B   S.pyogenes  Hepatite C   Sífilis  HIV   Fonte: NaSH – junho/1995 a dezembro/2003 2.5.2 Vírus da hepatite B Nos EUA, a vigilância nacional dos casos de hepatite fornece estimativas anuais de infecções por HBV em trabalhadores da saúde. Essas estimativas são baseadas na proporção de pessoas com novas infecções que relatam um contato ocupacional frequente com o sangue. Os CDC’S estimaram a ocorrência de 12.000 infecções por trabalhadores da saúde em 1985. Desde então, este número tem diminuído progressivamente, com uma estimativa de 500 casos em 1997. O declínio nos casos de hepatite B ocupacional, mais de 95%, ocorreu principalmente devido à ampola imunização dos trabalhadores da saúde. Embora as precauções universais
    • 28 ajudem a reduzir as exposições a sangue ou outros materiais biológicos e as infecções por HBV, a extensão da contribuição dessas medidas não podem ser precisamente quantificada. Atualmente, muitos trabalhadores da saúde são imunes à hepatite B como resultado da vacinação pré-exposição. Entretanto, trabalhadores suscetíveis ainda correm risco de exposição envolvendo perfurocortantes e pacientes-fontes com infecção pelo HBV. Sem a instituição da profilaxia pós-exposição, a um risco de 6% a 30% de um trabalhador suscetível tornar-se infectado após exposição ao HBV. O riscos é mais elevado se o paciente-fonte HBeAg positivo, um marcador de infectividade elevada. (FUNDACENTRO, 2010) 2.5.3 Vírus da hepatite C Antes das implementações das precauções universais e da descoberta do HCV em 1990, uma associação foi observada entre trabalhar na área da saúde e a aquisição de hepatite aguda não A, não B. Um estudo mostrou uma associação entre a positividade para o ante HCV e a história de exposições ocupacionais percutânea. (FUNDACENTRO, 2010) O número exato de trabalhadores da saúde que adquirem HCV ocupacional não é conhecido. Os trabalhadores da saúde expostos a sangue no local de trabalho representam de 2% a4% do total de novas infecções por HCV que ocorrem anualmente nos Estados Unidos, um total que declinou de 112.000 em 1991 para 38.000 em 1997 (CDC dados não publicados). Entretanto, não há uma maneira de confirmar se estas infecções são casos de transmissão ocupacional. Estudos prospectivos mostram que o risco médio de transmissão do HCV após exposição percutânea a um paciente-fonte sabidamente infectado pelo HCV é de 1,8%, com um estudo indicando que a transmissão ocorreu apenas em acidentes envolvendo agulhas de lúmen quando comparados com outros perfurocortantes. (FUNDACENTRO, 2010) Diversos relatos de casos também a transmissão ocupacional do HCV a trabalhadores da saúde. Todos, com exceção de dois, envolveram exposições percutâneas: um caso de transmissão de HCV e outro de transmissão de HCV + HIV ocorreram após exposição de mucosa ocular a sangue. Há a suspeita da ocorrência de um caso de transmissão de HIV e HCV após uma exposição de pele não-íntegra envolvendo um trabalhador da saúde que prestava atendimento a um paciente internado em uma instituição de longa permanência a idosos. (FUNDACENTRO, 2010)
    • 29 2.5.4 Vírus HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) Nos EUA, o primeiro caso de transmissão de HIV de um paciente para um trabalhador da saúde foi relatado em 1986. Do início da epidemia até o final de dezembro de 2001, os CDC’s receberam notificações (relatos voluntários) de 57 casos documentados e 140 casos prováveis de transmissão ocupacional do HIV. (FUNDACENTRO, 2010) Em estudos prospectivos, o risco médio de transmissão do HIV após exposição percutânea envolvendo sangue é estimado como sendo aproximadamente 0,3%. (FUNDACENTRO, 2010) Em um estudo retrospectivo do tipo caso-controle com trabalhadores da saúde que sofreram exposição percutânea, o risco de transmissão de HIV foi considerado como elevado em exposições que envolveram uma grande quantidade de sangue indicado por: a) um dispositivo visualmente contaminado com o sangue do paciente-fonte; b) um procedimentos que envolveu agulhas previamente utilizadas na veia ou artéria do paciente-fonte ou c) uma lesão profunda. Dos 57 casos comprovados de transmissão ocupacional do HIV dos trabalhadores da saúde nos EUA, a grande maioria envolveu exposição a sangue através de um acidente percutâneo, geralmente com uma agulha com lúmen que estava em vaso sanguíneo (veia ou artéria), (CDC dados não publicados). (FUNDACENTRO, 2010) O risco médio de transmissão ocupacional do HIV após exposição de membrana mucosa é estimado como sendo de 0,09%. Embora episódio de transmissão ocupacional do HIV após exposições cutânea tenham sido documentados, o risco médio de transmissão não foi precisamente quantificado, mas é estimado como sendo menos do que o risco de exposição de mucosas. (FUNDACENTRO, 2010) 2.6 EFEITOS NA VIDA DE QUEM SOFRE O ACIDENTE De acordo com um estudo de (Lima e cols, 2007), o desempenho da assistência de enfermagem envolvendo o uso de materiais perfurocortantes confere, sem dúvida, riscos à saúde do profissional, principalmente se este profissional encontra-se com seus sentimentos e emoções alterados.
    • 30 O acidente de trabalho com agulhas e instrumentos cortantes origina alterações na estrutura física do profissional em virtude das perfurações e/ou cortes ocasionados por materiais desta natureza. Com efeito, pode ocasionar modificações biológicas em razão de uma possível infecção pelo vírus da hepatite B, C e da AIDS. Propicia, também, mudanças psicossociais em decorrência da necessidade de acompanhamento sorológico e, consequentemente, da espera de um provável resultado indicativo de soro conversão, da ingestão de medicamentos antirretrovirais, quando indicados, da vacinação e do uso de imunoglobulinas, conforme a prescrição. (Lima e cols, 2007) Por conseguinte, o acidente acarretado pela inoculação percutânea acidental de sangue poderá originar repercussões negativas à vida profissional e pessoal, em função do estresse psicológico vivenciado, na medida em que eles se submetem a mudanças nas práticas sexuais e no relacionamento social e familiar durante o período de espera do resultado dos exames realizados, por poderem evidenciar uma possível soro conversão. (Brevidelli, 2002) Todas as modificações originadas de um acidente de trabalho desta natureza precisam ser adaptadas à rotina habitual do profissional, ou esta deve ser modificada a fim de que todas as medidas a serem praticadas pós-acidente sejam concretizadas. Por exemplo, a abstinência sexual ou a prática sexual segura e a suspensão de aleitamento materno até a confirmação da ausência de soro conversão detectada após a realização dos testes sorológicos são práticas rotineiras que passam a ser vistas como algo proibido, ensejando conflitos para si e para seus componentes familiares. (Lima e cols, 2007) Assim, a alteração no estilo de vida e a reflexão acerca do fato de estar infectado ou não provoca o afloramento ou a introspecção dos sentimentos e emoções pelos integrantes da equipe de enfermagem que participaram do estudo, uma vez que os sentimentos são oriundos de um conjunto de eventos vivenciados, em que as reações irão depender do tipo de evento que fez parte da experiência de vida de cada um, pois acontecimentos dolorosos ou não irão repercutir na nossa reação presente. (Crochik, 1996) De acordo com (Lima e cols, 2007), a experiência proporcionada pelo acidente de trabalho com materiais perfurocortantes promoveu a manifestação de sentimentos como medo, angústia, desespero, ansiedade e tensão. É o que refletem os depoimentos advindos do questionamento acerca dos sentimentos e emoções exteriorizados ou interiorizados após o acidente:
    • 31 “Eu senti que a minha vida tinha acabado (...) eu fiquei muito triste, fiquei muito perturbada (E1). Desespero (...) eu fiquei com a sensação de morte aparente porque eu me vi futuramente como um paciente portador (E4). Medo (...) sentimento de angústia, choro, um desespero total (E5). Fiquei com medo (E10). Medo de contrair HIV e o vírus da hepatite B (E11)”. Segundo (Lima e cols, 2007), além da apreensão pela possibilidade de estarem contaminados, percebeu-se a preocupação dos entrevistados em compartilharem com o seu próximo a situação experiência pelo acidente de trabalho com material perfurocortante, desencadeado pelo preconceito existente em relação aos doentes de AIDS, de acordo com o relato a seguir: “Não contei de início, não falei para a família, nem para os amigos, também, arrumei uma briga com a namorada para não ter que falar com ela durante esses quinze dias (...) na verdade, eu me "auto-preconceituei", eu imaginava que a minha família, os meus amigos iam ter preconceito em relação a isso (E5).” Ainda com (Lima e cols, 2007), em contrapartida, alguns profissionais de enfermagem mantiveram-se indiferentes ao acidente de trabalho envolvendo agulhas e instrumentos cortantes, de acordo com as falas a seguir: Olhei o diagnóstico do paciente que apresentava neurocisticercose. Tuberculose, hepatite, teste anti-HIV negativo, eu não tomei nada, nem pensei e nem senti nada (E9). Eu fiquei tranquila pela conscientização que a gente tem do ferimento ser mínimo (E2). Eu fiquei bastante tranquila porque foi em outro hospital, porque se tivesse sido aqui eu não teria ficado assim (E7). Conforme resultados de (Lima e cols, 2007), no primeiro depoimento, destaca-se a sensação de tranquilidade ou de alívio após a verificação do prontuário, cujo registro sinalizava a presença de um teste de anti-HIV com resultado negativo. No segundo relato, percebeu-se que o profissional se excluiu, displicentemente, do risco médio de adquirir o HIV, que é, para todos os tipos de exposição percutânea, de 0,3%. No último depoimento, notou-se a associação, pelo entrevistado, de paciente portador de HIV ao atendimento recebido apenas no hospital de referência ao tratamento de indivíduos que apresentam doenças infecciosas, de maneira errônea. Verificou-se, também, a percepção pelo profissional da ideia de que portadores de HIV são facilmente identificados, esquecendo-se,
    • 32 porém, de que, na fase assintomática da doença, o indivíduo pode parecer tão saudável como qualquer outra pessoa não infectada pelo HIV. Considerando as conclusões de (Lima e cols, 2007), Viu-se que a possibilidade de contaminação pelos vírus das hepatites B e C e da AIDS por meio do exercício profissional propicia aos componentes da equipe de enfermagem aqui estudados a manifestação de sentimentos negativos, como o medo diante da alteração permanente que ocorrerá em seu estilo de vida, da proximidade da morte e do preconceito de que poderão ser alvo em seu ambiente familiar, social e de trabalho. Em razão disso, tanto as instituições quanto os profissionais podem realizar ações visando à prevenção de acidentes de trabalho com materiais perfurocortantes, já que o acidente envolvendo este tipo de material proporciona momentos de intenso estresse físico e psíquico, produzindo alterações nos seus relacionamentos, seja de caráter social ou familiar, e no desempenho de suas atividades laborais. 2.7 PREVENÇÕES DE ACIDENTES COM PERRFUROCORTANTES EM ASSISTENCIA À SAÚDE A saúde dos trabalhadores é um campo da saúde pública que atua através de procedimentos próprios, visando a promover e proteger a saúde de pessoas no exercício do trabalho. Para tanto é necessária atuação multidisciplinar e interdisciplinar, junto a profissionais especializados, buscando preservação e promoção de saúde através de medidas de alcance coletivo. Os trabalhadores da saúde estão expostos a um processo gerador de doenças profissionais, as quais englobam variados riscos e fatores predisponentes ao desequilíbrio biopsicossocial. É importante salientar que esses riscos e fatores muitas vezes não são encarados com a seriedade que deveriam, gerando agravos à saúde. (Cardoso, 2009) A segurança do trabalhador se alicerça em seu conhecimento e capacitação para se prevenirem de acidentes, conhecimento e uso adequado de equipamentos de proteção individual (EPI) e equipamento de proteção coletiva (EPC), cuidados específicos no manuseio e descarte de materiais perfurocortantes, conhecimento das doenças adquiridas no ambiente de trabalho hospitalar e suas consequências, medidas de precaução universais, como a
    • 33 vacinação, a legislação referente aos acidentes de trabalho, bem como as responsabilidades do empregador, do trabalhador e a forma e importância de registro do acidente de trabalho (Brasil, 2010). Segundo Lima e Cunha (2003), como o próprio nome diz, EPI é todo o dispositivo ou produto de uso individual utilizado pelo trabalhador, com a finalidade de proteção a riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde do trabalhador. O uso do EPI é regulamentado por lei Norma Regulamentadora - NR 6 do Ministério do Trabalho, sendo uma forma de proteção tanto para os trabalhadores como para os empregadores. Acidente do trabalho propriamente dito, segundo a legislação previdenciária, é um evento casual danoso, capaz de provocar lesão corporal ou perturbação funcional, perda ou redução da capacidade para o trabalho ou morte da vítima. Geralmente é previsível e evitável, oriundo de alguma ação inapta ou descuidada por parte do indivíduo (vítima ou agressor), seja por descumprir as normas de segurança e higiene do trabalho, ou seja, por não estar integrado em uma planificação preventiva de acidentes oferecida pela empresa. (LIMA, 2009) E raramente decorre de algum fato inevitável como de caso fortuito, de força maior ou fato de terceiro. Classifica-se em acidente típico – aquele que ocorre a serviço da empresa (dentro ou fora da sede), e acidente de trajeto, quando a ocorrência se dá durante o deslocamento do trabalhador para o local de trabalho ou vice-versa ou nos horários das refeições. (Lima, 2009) As instituições de saúde necessitam de diretrizes claras para a elaboração de uma eficiente ferramenta de gestão dos riscos, envolvendo a prevenção de acidentes dos profissionais com materiais perfurocortantes. A Portaria nº 1.748, de agosto de 2011, do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que trata do Plano para Implantação de Materiais Perfurocortantes com Dispositivo de Segurança foi determinante para que essa exigência fosse atendida. (Brasil, 2011). Com base no plano de prevenção, pela Comissão Gestora Multidisciplinar nos estabelecimentos de saúde, a fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego poderá determinar as hipóteses onde se faz necessária a imediata substituição, observando: a) situações de risco e acidentes com materiais perfurocortantes que possuem maior probabilidade de transmissão de agentes biológicos veiculados pelo sangue; b) frequência de ocorrência de acidentes em procedimentos com utilização de um material perfurocortante específico; c) procedimentos de limpeza, descontaminação ou descarte que contribuem para
    • 34 uma elevada ocorrência de acidentes; e d) número de trabalhadores expostos às situações de risco de acidentes com materiais perfurocortantes. (SINDHRIO, S/D). A primeira etapa fundamental para prevenção é o reconhecimento por parte dos trabalhadores dos riscos a que estão expostos nas suas diferentes atividades. O trabalhador deve ser capaz de saber as medidas de controle que podem minimizar a exposição aos agentes, a utilização de EPIs e as medidas para a prevenção e aquelas a serem adotadas em caso de acidentes e incidentes (Infectologia hoje, 2006). Apesar da adesão às precauções padrão serem medida prioritária na prevenção da exposição ocupacional a infecções transmitidas por via sanguínea, é preciso reconhecer que o gerenciamento dos riscos ocupacionais ligados à manipulação de objetos perfurocortantes depende, em primeira instância, da existência de um plano de controle com o objetivo de minimizar as fontes de risco. Para alcançar resultados efetivos, esse plano pressupõe a análise seriada dos acidentes com agulhas, determinando taxas e situações de ocorrência, além de tendências ao longo dos anos (Brevidelli, 2002). Um efetivo programa de prevenção de acidentes inclui diversos componentes que devem atuar em conjunto para prevenir que os trabalhadores da saúde sofram acidentes de trabalho com agulhas e outros materiais perfurocortantes. Esse programa de prevenção deve se integrar aos programas já existentes, como os de gestão da qualidade, de controle de infecção e de segurança e saúde ocupacionais, que para melhor compreensão desses programas veremos em anexos. É baseado em um modelo de melhoria contínua da qualidade, uma abordagem que serviços de saúde bem sucedidos têm adotado de forma crescente. Pode-se descrever esse modelo através de diferentes termos, mas o conceito subjacente é aquele que envolve uma abordagem sistemática, ampla, organizacional, de melhoria contínua do desempenho de todos os processos empregados para prover produtos e serviços de qualidade. O programa de prevenção também traz conceitos da área de higiene do trabalho, na qual as intervenções de prevenção são priorizadas com base em uma hierarquia de estratégias de controle (Rapparini, 2010). O reconhecimento dos riscos ambientais é uma etapa fundamental do processo que servirá de base para decisões quanto às ações de prevenção, eliminação ou controle desses riscos. Reconhecer o risco significa identificar, no ambiente de trabalho, fatores ou situações com potencial de danos à saúde do trabalhador ou, em outras palavras, se existe a possibilidade
    • 35 deste dano. Para se obter o conhecimento dos riscos potenciais que ocorrem nas diferentes situações de trabalho é necessária a observação criteriosa e in loco das condições de exposição dos trabalhadores. (MTE, 2008) As estratégias para minimização dos riscos englobam: capacitação para o trabalho; planejamento/organização do serviço; uso de equipamento de segurança; realização de atividade de lazer/vida saudável; negação/mecanismos de defesa. (Nunes, 2009) Assim, se faz necessário investimento pessoal e institucional que valorize a experiência dos trabalhadores e fortaleça a atuação desses, a fim de proporcionar práticas cotidianas efetivas, diante dos inúmeros e potenciais riscos ocupacionais no manejo inadequado de perfurocortantes, provocando ampla adesão às medidas de biossegurança. (Moura e cols, 2009) As doenças ocupacionais são doenças que ocorrem pela exposição cotidiana do trabalhador a agentes nocivos de qualquer natureza, presentes no ambiente de trabalho. São espécies dessas doenças: as doenças do trabalho e as doenças profissionais. As primeiras estão associadas a fatores relacionados ao trabalho, porém, não estão ligadas ao exercício de determinada profissão. À guisa de exemplo cita-se a aquisição de Doenças Orteomusculares Relacionadas ao Trabalho - DORT (exposição continuada ou não de movimentos repetitivos). As doenças associadas à profissão são aquelas cuja atividade, por sua natureza, atua na incapacitação para o trabalho, doença ou morte, como é o caso dos mineradores em lavra subterrânea, propensos à silicose doença profissional. (Lima, 2009) A importância dessa classificação é de interesse do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), que reconhece automaticamente a existência da relação de causa e efeito quando o cidadão que busca sua assistência é portador de doença profissional. Contudo, para os casos de doenças do trabalho o nexo causal deverá ser comprovado por meio de laudo técnico competente emitido pelo engenheiro de segurança ou médico do trabalho. (Lima, 2009) Todas as modificações originadas de um acidente de trabalho desta natureza precisam ser adaptadas à rotina habitual do profissional, ou esta deve ser modificada a fim de que todas as medidas a serem praticadas pós-acidente sejam concretizadas. Por exemplo, a abstinência sexual ou a prática sexual segura e a suspensão de aleitamento materno até a confirmação da ausência de soro conversão detectada após a realização dos testes sorológicos são práticas
    • 36 rotineiras que passam a ser vistas como algo proibido, ensejando conflitos para si e para seus componentes familiares. (Lima e cols, 2007) 2.7.1 Estratégias Para Prevenção De Acidentes As características de acidentes com perfurocortantes nos trabalhadores da saúde e as estratégias recomendadas para prevenção, foram primeiramente descrita na década de 80 e envolviam programas educacionais, evitando o reencapamento de agulhas e melhorias no sistema de descarte das mesmas, porem com sucesso limitado. Os resultados eram melhores quando a intervenção incluía ênfase na comunicação aos trabalhadores das situações de riscos. (SBPC/ML, S/D) Mas recentemente, os serviços de saúde adotaram a hierarquia de controles, para priorizar as intervenções de prevenção, que incluem:  Eliminar e reduzir o uso de perfurocortantes quando possível;  Isolar o perigo, através do controle do ambiente ou do material;  Mudanças nas práticas de trabalho e uso de EPIs. Na medicina laboratorial, a redução do uso de agulhas é feita através da revisão de rotina de coleta de amostras, eliminando punções desnecessárias, planejando e colhendo todos os exames de um paciente de uma única só vez. (SBPC/ML, S/D) Para o controle do ambiente e do material, utiliza-se a engenharia, através de coletores de descartes e dispositivos de segurança, que isolam completamente o material perfurocortante. Para isso, foram desenvolvidos vários tipos de dispositivos de segurança, com os seguintes critérios:  Ser parte integrante do perfurocortante, simples, de fácil operação, confiável, automático e custo-efetivo;  Fornecer proteção que permita que as mãos permaneçam atrás do elemento de risco;  Funcionar antes e depois da desmontagem e descarte;  Minimizar o risco de infecção aos pacientes;  Não criar problemas ao controle de infecções adicionais ou àqueles dos dispositivos convencionais;  Produzir aumento mínimo no volume de resíduos.
    • 37 Vários estudos foram realizados para avaliar a eficácia dos dispositivos de segurança na redução dos acidentes com perfurocortantes. Estes sugerem que há grande variação de seus resultados nos diferentes serviços de saúde, que não existe um critério padrão para as avaliações e, portanto, os trabalhadores devem utilizar seus próprios critérios para avaliar a tecnologia mais adequada e a eficácia dos dispositivos em seus próprios ambientes de trabalho. (SBPC/ML, S/D) Os estudos são unânimes em apontar que reduções significativas de tais acidentes acontecem quando, além da implantação de dispositivos de segurança e mudanças no processo de trabalho, se utilizam ações educativas, adequações nas relações entre trabalhador e paciente, e a implantação de um programa de prevenção. (SBPC/ML, S/D) Dentre os fatores organizacionais que influenciam este tópico, a cultura de segurança é fortemente correlacionada à produtividade, custo, qualidade e satisfação dos trabalhadores. Instituições com esta cultura registram menor número de acidentes, principalmente pela demonstração de comprometimento da gestão com a segurança de seus trabalhadores. (SBPC/ML, S/D) A adesão dos trabalhadores é primordial para o sucesso dos programas de segurança, porém bastante difícil de ser atingido. Fatores que retardam essas práticas, incluem:     Minimização do risco; Baixo clima de segurança no ambiente de trabalho; Percepção de conflito entre a prestação de melhor atendimento e proteção; Aumento de demandas, com aumento no ritmo de trabalho. Por outro lado, a alteração de comportamento é mais rapidamente atingida quando os trabalhadores acreditam que estão correndo um risco significativo, que a alteração do comportamento fará diferença na minimização do risco e que a mudança valerá o esforço. Programas com sucesso na prevenção de acidentes incluem a notificação abrangente de acidentes, acompanhamento detalhado dos eventos, com definição da raiz do problema, capacitações no uso de perfurocortantes, avaliação dos dispositivos de segurança e da efetividade do programa. (SBPC/ML, S/D)
    • 38 3.0 METODOLOGIA 3.1 Características da Investigação O presente estudo foi desenvolvido com base em pesquisas bibliográficas, com o objetivo de identificar possíveis causas de acidentes com perfurocortantes e suas medidas de prevenções em ambiente hospitalar. Através pesquisas literárias de autores que anteriormente abordaram o assunto, tais como: pesquisas na internet, publicações de abras literárias, artigos e revistas que tratam do tema em questão. Segundo estudos feitos pela Universidade Aberta do Brasil – UAB (2009), autores conceituam pesquisa bibliográfica como: “A pesquisa bibliográfica é feita a partir do levantamento de referências teóricas já analisadas, e publicadas por meios escritos e eletrônicos, como livros, artigos científicos, páginas de web sites. Qualquer trabalho científico inicia-se com uma pesquisa bibliográfica, que permite ao pesquisador conhecer o que já se estudou sobre o assunto. Existem porém pesquisas científicas que se baseiam unicamente na pesquisa bibliográfica, procurando referências teóricas publicadas com o objetivo de recolher informações ou conhecimentos prévios sobre o problema a respeito do qual se procura a resposta (Fonseca, 2002, p. 32).”. E Para Gil (2007, p. 44), os exemplos mais característicos desse tipo de pesquisa são sobre investigações sobre ideologias ou aquelas que se propõem à análise das diversas posições acerca de um problema. 3.2 Período de Investigação As pesquisas bibliográficas ocorreram no primeiro semestre de 2013, nos meses de abril, maio e junho. 3.3 Apresentação e Análise da Pesquisa A apresentação e análise da pesquisa ocorreu através de busca de autores que abordaram assuntos relacionados a perfurocortantes, envolvendo acidentes com agulhas e as medidas preventivas, dos quais foram extraídos os que mais se adequassem ao nosso tema, o que nos permitiu o desenvolvimento deste trabalho.
    • 39 4.0 RESULTADOS E DISCUSSÕES Após leituras e reflexões das pesquisas realizadas, foram desenvolvidas algumas etapas para elaboração desta obra, afim de identificar os acidentes com instrumentos perfurocortantes que envolvem trabalhadores da área hospitalar. Os dados coletados e analisados se encontram na seguinte apresentação:        Histórico De Acidentes Com Os Profissionais De Enfermagem; As Principais Causas De Acidentes; Riscos Para Os Trabalhadores Em Ambiente Hospitalar; Grupo De Risco Para Acidentes Com Perfurocortantes; Doenças Como Consequência Do Acidente; Efeitos Na Vida De Quem Sofre O Acidente; Prevenções De Acidentes Com Perfurocortantes Em Assistência À Saúde. Em 1981, McCormick e Maki foram os primeiros a descrever as características de acidentes com perfurocortantes entre trabalhadores da saúde e a recomendar uma série de estratégias, que hoje são capazes de salvar vidas ao contrário do que acontecia antigamente quando não havia essa preocupação. Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre os profissionais de saúde devido aos inúmeros riscos ocupacionais a que esses trabalhadores estão expostos. Diante disso, o objetivo aumenta a compreensão e o conhecimento sobre o tema, Com o presente estudo constatou-se que pelo elevado índice de acidentes de trabalho com materiais biológicos e/ou perfurocortantes podese diminuir essas ocorrências pela adoção de medidas de biossegurança, mudanças no comportamento e organização no ambiente de trabalho. Praticamente todas as causas dos acidentes estão relacionadas ao homem, as máquinas e o ambiente. Com relação ao ambiente hospitalar, este é reconhecido como insalubre, penoso e também perigoso para aqueles que ali trabalham. É um local favorável para o adoecimento devido aos riscos ocupacionais, estas condições determinam um ambiente propício ao desenvolvimento de transtornos mentais, como ansiedade, depressão e estresse. Além do ambiente de trabalho em que Enfermagem está inserida, tal profissão é considerada estressante devido à vivência direta e ininterrupta do processo de dor, morte e sofrimento.
    • 40 Os profissionais da saúde correm riscos de acidentes constante, pois há situações em que fatores gerais como stress, sobrecarga de trabalho, agitação psicomotora do paciente e a transgressão das normas de prevenção podem ter sua participação na ocorrência de acidentes com exposição a contaminação com material perfurocortantes. A equipe de enfermagem e outros trabalhadores que prestam assistência aos pacientes (como médicos e técnicos), pessoal de laboratórios e trabalhadores de equipes de suporte (por exemplo, trabalhadores de serviços de higienização/limpeza) também estão sujeitos a este risco de acidentes, a garantia da qualidade desses profissionais estabelece o parâmetro das decisões que devem ser tomadas no âmbito da prevenção, avaliar os riscos e danos que possam interferir na saúde, buscando a eficácia das ações e metodologia de inspeção para um conceito de qualidade total. Estudos comprovam que existem mais de 20 diferentes patógenos associados a acidentes com agulhas e outros perfurocortantes. Sendo os vírus da hepatite B, o vírus da hepatite C e o vírus da AIDS como os principais patógenos envolvidos. Observou-se que uma importante medida preventiva que foi desenvolvida a vacina pré-exposição para reduzir os riscos de infecção por hepatite B aos trabalhadores da saúde, o que fez diminuir as chances de riscos de 6% a 30% de um trabalhador torna-se suscetível após a exposição ao HBV. Quantos ao vírus da hepatite C e a AIDS as pesquisas apontam que os casos de contaminação ocorreram através de exposição a sangue, em acidentes percutâneos provocados. Isso significa que esses acidentes ocorreram na maioria das vezes pôr o não cumprimentos de procedimentos padrões desenvolvidos nas unidades de saúde. Além das doenças transmitidas pela exposições a perfurocortantes entre agulhas e outros, existe também uma grande transformação na vida de quem sofre o acidente, são as mudanças psicossociais, que na maioria das vezes acarretam repercussões negativas a vida profissional e pessoal do trabalhador acidentado, e que, promove vários sentimentos como o medo, angustia, desespero, ansiedade e tensão, mesmo com o resultado dos testes negativos a doenças, alterando seu estilo de vida completamente.
    • 41 Para evitar acidentes com agulhas, as medidas preventivas vão muito além do uso de equipamentos de proteção individual, é preciso que haja a implantação de uma gestão de risco, onde é importante o desenvolvimento de um plano de prevenção de acidente a perfurocortante na instituição hospitalar. E foi pensando nisso que o MTE criou a Portaria nº 1.748 de agosto de 2011, que trata do Plano para Materiais Perfurocortantes com Dispositivo de Segurança que abrange as seguintes etapas: situações de risco, frequência de ocorrência de acidentes, procedimentos padrões e o número de trabalhadores expostos. E somando esse plano de prevenção a outros programas como SMS, CCIH, o SESMT e a CIPA tende a desenvolver uma melhoria continua da qualidade do serviço que traz grandes benefícios para os trabalhadores e clientes da saúde.
    • 42 5.0 CONCLUSÃO A relação entre doença e trabalho é fato descrito há décadas. Entretanto, a sistematização da etiologia ocupacional surgiu com o questionamento sobre a atividade profissional do paciente na anamnese médica. Durante a evolução da abordagem da relação entre saúde e trabalho, modificou-se paulatinamente a noção de causalidade; até mesmo a relação entre a doença e um risco foi substituída pela compreensão da multiplicidade das causas. O surgimento da AIDS, no início da década de 80, levou os profissionais da área da saúde a experimentarem intensa preocupação com a possibilidade de adquirirem o vírus HIV, em decorrência de suas atividades profissionais, e esta época foi um marco importante para o estabelecimento e revisão dos conceitos de precauções universais. Em 1991, a Ocupational Safety and Administration (OSHA) estabeleceu padrões onde o sangue, derivados e outros materiais foram definidos como potencialmente infecciosos com o objetivo de reduzir os riscos ocupacionais. Esta padronização determina uma combinação desde área de trabalho controlada até boas práticas no trabalho, incluindo equipamento de proteção individual, vacinação contra hepatite B, e treinamento pela equipe de vigilância com sinais, cartazes e outros recursos para minimizar o risco de transmissão de doenças, devendo cada instituição, por si, desenvolver um plano próprio de controle de exposição baseados nas normas estabelecidas. A exposição ocupacionais a materiais biológicos potencialmente contaminados continuam representando um sério risco aos profissionais da área da saúde no seu local de trabalho, e os acidentes envolvendo sangue e outros fluidos orgânicos corresponde as exposições mais frequentemente relatadas. Acredita-se que o estudo sobre o acidente de trabalho com perfurocortantes são medidas indispensáveis para a prevenção de infecção hospitalar em unidade de saúde, seja pública ou particular, pois possíveis acidentes com agulhas poderão ser evitados e minimizando danos psicossociais na vida do acidentado. Deve-se considerar que por meio da Norma Regulamentar 32 e o Manual da FUNDACENTRO e, fiscalizada pela Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA e pelo Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho – SESMT ocorrerá a mitigação dos acidentes com perfurocortantes junto aos profissionais do setor de saúde.
    • 43 Observamos que, para isso, se faz imprescindível à inserção do profissional em segurança do trabalho nas unidades hospitalares que, além de atuar diretamente no controle e prevenção de outros fatores de risco à saúde do trabalhador, reduzirá o índice de acidentes ocupacionais que envolvem os profissionais de saúde. Apesar da complexidade, neste trabalho, sobre o tema abordado, conclui-se que, com treinamentos específicos, conscientização dos profissionais de saúde, fiscalização veemente realizada pelos setores competentes ocorrerá a prevenção, com novos conceitos e métodos de trabalho ocasionarão redução dos riscos e complicações causadas com instrumento perfurocortantes. Com isso, os profissionais da saúde que atuam nas unidades hospitalares serão beneficiados, pois a prevenção também beneficiará os pacientes de possíveis erros médicos.
    • REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANVISA, (S/D). Segurança no Ambiente Hospitalar. [http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/manuais/segurança_hosp.pdf] 06/06/2013. Disponível Acesso em: em: BRASIL, (2011). Portaria n° 1.748, de 30/08/2011, NR 32 – Plano De Prevenção De Riscos De Acidentes Com Materiais Perfurocortantes (DOU 31/08/2011) BRASIL, Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Guia de procedimentos em acidentes envolvendo profissionais de saúde. Disponível em:[<http://www.inbravisa.com.br/roteiros.html>.] Acesso em: 20/04/ 2013. BREVIDELLI, M. Maria; Cianciarullo I. Tamara. Análise dos acidentes com agulhas em um hospital universitário: situações de ocorrência e tendências. Rev. Latino-Am. Enferm 2002;10(6): 780-786. Disponível em: [http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010411692002000600005&script=sci_arttext] Acesso em: 06/05/2013. CARDOSO, S. M.; Farias, A. B. L.; Pereira, M. R. M. G. Acidentes com perfurocortantes: prevalência e medidas profiláticas em alunos de odontologia. Rev. bras. Saúde ocup. São Paulo, 34 (119): 06-14, 2009. CCIH – Wikipédia, a enciclopédia livre. Disponível em: [https://pt.wikipedia.org/wiki/CCIH] Acesso: 06/06/2013. COMISSÃO DE RESÍDUOS DA UNIFESP, (Universidade Federal de São Paulo) Grupo E Resíduos Perfurocortantes — Disponível em:[http://www.unifesp.br › Página Inicial › Orientação Geral] Acesso em: 03/04/2013. CROCHIK JL. Preconceito, indivíduo e sociedade. Temas em psicologia. 1996; 3: 47-70. Disponível em: [http://www.ufsj.edu.br/incluir/bibliografia_indicada.php.] Acesso em: 27/05/2013. DE CICCO, Francesco. Sistemas Integrados de Gestão: Agregando Valor aos Sistemas ISSO 9000, QSP, São Paulo. 2004. Disponível em: [http://www.qsp.com.br], Acesso em. 06/06/2013. FARIAS, S. N. P. de; MAURO, M. Y. C.; ZEITOUNE, R. C. G. Risco no trabalho e agravos à saúde do trabalhador de enfermagem de Saúde Pública. Rio de Janeiro: EEAA/UFRJ, 2005. FROSINI, L. H., CARVALHO, A. B. M. Segurança e Saúde na Qualidade e no Meio Ambiente, in: CQ Qualidade, nº 38, p. 40-45, São Paulo, 1995. FUNDACENTRO, 2010. Manual de Implementação. Programa de Prevenção de Acidentes com Materiais Perfurocortantes em Serviços de Saúde. Disponível em: [http://www.unifesp.br/reitoria/residuos/orientacao.../mte_perfurocortantes.pdf] Acesso em: 20/04/2013.
    • GARCIA, M. P. Francisco; CAVALCANTI, H. Karenine; e SILVA,C. Lizziane. 2013. Prática inadequada expõe equipe de enfermagem a riscos. Fonte: Revista Proteção. Disponível em: [http://www.protecao.com.br/noticias/leia_na_edicao_do_mes/pratica_inadequada_expoe_equ ipe_de_enfermagem_a_riscos/A5jaAnja] Acesso em: 15/04/2013. GERHARDT, E. Tatiana; SILVEIRA, T. Denise. Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFGRS. Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. GUIMARÃES, Thaís; 2006. Riscos biológicos em segurança dos profissionais de saúde. Fonte: Revista Infectologia Hoje. Ano 1, nº. 02, p.07, jan/fev/mar. 2006. Disponível em: [http://www.infectologia.org.br/anexos/Infecto%20Hoje%2002.pdf] Acesso em: 18/04/2013. LIMA, A. Fernanda; Pinheiro, C. Patrícia Neyva; Vieira, N. C. Francenely. Acidentes com material perfurocortante: conhecendo os sentimentos e as emoções dos profissionais de enfermagem. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, jun. 2007 . Disponível em: [http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141481452007000200004&lng=pt &nrm=iso]. Acesso em: 02/06/2013. LIMA, C. CUNHA, I.C.K.O. Acidente com material perfurocortante. Rev.enf. UNISA São Paulo: v.3, n.24, p.36-43, out, 2003. LIMA, R. M. Maria Marta. Acidentes do trabalho. Responsabilidades relativas ao meio ambiente laboral. Jus Navigandi, Teresina, ano 9, n. 472, 22 out. 2004. Disponível em: [<http://jus.com.br/revista/texto/5815>]. Acesso em: 23/04/2013. MAGNANO, T. S. B. de S. et al. Aspectos psicossociais do trabalho e distúrbio musculoesquelético em trabalhadores de enfermagem. Rev Latino-Am Enfermagem, v.18, n.3, maio/jun. 2010. Disponível em: [<http://www.scielo.br/pdf/rlae/v18n3/pt_19.pdf >.] Acesso em: 20/04/2013. MARZIALE, M. H. P.; RODRIGUES, C. M. A produção científica sobre os acidentes de trabalho com material perfurocortante entre trabalhadores de Enfermagem. Revista Latino Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v.10, n.4, jul./ago.2002. MARZIALE, P. Maria Helena; Nishimura Y. N. Karina; Ferreira M. Mônica; Riscos de contaminação ocasionados por acidentes de trabalho com material pérfuro-cortante entre trabalhadores de enfermagem. Fonte: Rev. Latino-Am. Enferm 2004; 12(1): 36-42. Disponível em: [http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010411692004000100006&script=sci_arttext] Acesso em: 22/04/2013. MARZIALE, P. Maria Helena; Rozestraten, A. Reinier Johanes. Turnos alternantes: fadiga mental de enfermagem. [dissertação] Ribeirão Preto (SP):Faculdade de Filosofia de Ciências e Letras da USP; 1990. Fonte: Rev. Latino-Am. Enferm. Disponível em: [www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11691995000100006] Acesso em: 22/04/2013. MOREIRA, Berenice. Acidentes de trabalho entre profissionais de enfermagem: uma análise do processo de trabalho. 2007. 73 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) Universidade de Brasília, Brasília, 2007. Disponível em:
    • [http://repositorio.unb.br/handle/10482/3246] Acesso em: 01/05/2103. MOURA, E. C.; Moreira, M. F. S.; Fonseca, S. M. Atuação de auxiliares e técnicos de enfermagem no manejo de perfurocortantes: um estudo necessário, Rev. Latino-Am. Enfermagem vol.17 no.3 Ribeirão Preto May/June 2009. MOURA, P. Josely; Gir Elucir; Canini M. Silvia Rita; Acidentes ocupacionais com material perfurocortante em um hospital regional de Minas Gerais, Brasil. Cienc. Enferm 2006 Jun; 12(1): 29-37. Disponível em: [http://www.scielo.cl/pdf/cienf/v12n1/art04.pdf] Acesso em: 05/05/2013. MTE (Ministério do Trabalho e Emprego, 2008). Guia Técnico de Riscos Biológicos, Brasil. Brasília, pg 09. Disponível em: [http://<www.mte.gov.br/seg_sau/guia_tecnico_cs3.pdf >] Acesso em: 22/04/2013 NISHIDE, M. Vera; Benatti C. Maria Cecília; Alexandre C. Neusa Maria. Ocorrência de acidente do trabalho em uma unidade de terapia intensiva. Fonte: Rev. Latino-Am. Enferm, 2004; 12(2): 204-211. Disponível em: [http://www.scielo.br/pdf/rlae/v12n2/v12n2a09.pdf] Acesso em: 05/05/2013. NISHIDE, V. M.; BENATTI, M. C. C. Riscos ocupacionais entre trabalhadores de enfermagem de uma Unidade de Terapia Intensiva. Rev Esc Enferm USP, São Paulo, v.38, n.4, p.406-414, 2004. NUNES, B. G. Márcia. Riscos Ocupacionais existentes no trabalho dos enfermeiros que atuam na Rede Básica de Atenção à Saúde no Município de Volta Redonda. Ribeira Preto: USP,2009. 169 f. Tese(Doutorado) – Escola de enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. OLIVEIRA, G. Zeffer; Castro, Phaedra; Acidentes de trabalho com perfurocortantes em atividades de enfermagem - Uma revisão bibliográfica. Disponível em: [www.cpgls.ucg.br/ArquivosUpload/1/File/CPGLS/IV MOSTRA/SADE/SAUDE/Acidentes de Trabalho com Pe.] Acesso: 14/06/2013. RAPPARINI, Cristiane. Manual de implementação: programa de prevenção de acidentes com materiais perfurocortantes em serviços de saúde / Cristiane Rapparini; Érica Lui Reinhardt. - São Paulo: Fundacentro, 2010. 161 p.; 30 cm. SBPC/ML - (SOCIEDADE BRASILEIRA DE PATOLOGIA CLÍNICA/MEDICINA LOBORATORIAL) – Prevenção de Acidentes por Material Perfurocortante. Biblioteca Digital. Disponível em: [http:// www.sbpc.org.br/.] Acesso: 05/06/2013. SIDHRIO (Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Casas de Saúde do Município do Rio de Janeiro) Perfurocortante com dispositivo de segurança já está em vigor Disponível em: [http://www.sindhrio.org.br/index.php/noticias-mainmenu/2570-pe...] Acesso: 02/06/2013. World Heath Organization (WHO). Traditional medicine strategy: 2002-2005. Geneva; 2002. ZAPAROLLI, A. dos S. Promoção da saúde do trabalhador de enfermagem: intervenções para o uso de luvas na punção venosa. 112f. Tese (D outorado) - Escola de Enfermagem Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. ZURITA, IEO. Segurança do trabalho em ambientes hospitalares. Fonte: Rev CIPA 1993; (4):20-30.
    • ANEXOS
    • ANEXOS I PROGRAMAS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES EM AMBIENTE HOSPITALAR SMS - SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SAGURANÇA FROSINI & CARVALHO (1995), conceitua um sistema de gestão como o conjunto de pessoal, recursos e procedimentos, dentro de qualquer nível de complexidade, cujos componentes associados interagem de uma maneira organizada para realizar uma tarefa específica e atingem ou mantém um dado resultado. Segundo DE CICCO (2004), a Gestão Integrada apresenta a sistemática e as diretrizes do Sistema de Gestão de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde do local de implantação da Gestão, as quais proveem confiança a todas as partes interessadas em seu desempenho em relação aos requisitos especificados e procurando superar as expectativas do cliente, visando o gerenciamento SMS. Segundo a ANVISA o principal objetivo de um hospital é a prestação de serviços na área da saúde, com qualidade, eficiência e eficácia. Uma breve introdução ao assunto é dada a seguir: Qualidade: Aplicação apropriada do conhecimento disponível, bem como da tecnologia, no cuidado da saúde. Denota um grande espectro de características desejáveis de cuidados, incluindo eficácia, eficiência, efetividade, equidade, aceitabilidade, acessibilidade, adequação e qualidade técnico-científica. Eficácia: A habilidade do cuidado, no seu máximo, para incrementar saúde. Eficiência: A habilidade de obter o máximo de saúde com um mínimo custo. Efetividade: O grau no qual a atenção à saúde é realizado. Isto não pode ser alcançado sem a administração efetiva de um programa de prevenção de acidentes que proporcione condições ambientais seguras para o paciente e para os profissionais que aí desenvolvem suas atividades de trabalho. O Hospital deve desenvolver continuamente essa política, assegurando que gerentes e funcionários estejam cientes de suas responsabilidades na redução de riscos e acidentes. Devem promover e reforçar práticas seguras de trabalho e proporcionar ambientes livres de riscos, em acordo com as obrigatoriedades das legislações municipais, estaduais e federais. (ANVISA, S/D)
    • CCIH – COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR A CCIH é responsável por uma série de medidas como o incentivo da correta higienização das mãos dos profissionais de saúde; o controle do uso de antimicrobianos, a fiscalização da limpeza e desinfecção de artigos e superfícies, etc. (http://pt.wikipedia.org/wiki/CCIH, 2013) Composição da CCIH: - Administração; Corpo clínico; Enfermagem; Educação continuada; Laboratório de microbiologia; Farmácia; Medicina do trabalho. Essa comissão deve: - Desenvolver ações na busca ativa das infecções hospitalares; Avaliar e orientar as técnicas relacionadas com procedimentos invasivos; Participar da equipe de padronização de medicamentos; Prevenir e controlar as infecções hospitalares; Controlar a limpeza da caixa de água; Controlar o uso de antibiótico; Implantar e manter o sistema de vigilância epidemiológica das infecções hospitalares; Elaborar treinamentos periódicos das rotinas do CCIH; Manter pasta atualizada das rotinas nas unidades; Executar busca ativa aos pacientes com infecção; Fazer análise microbiológica da água. A CCIH tem o objetivo não somente de prevenir e combater à infecção hospitalar, beneficiando dessa maneira toda a população assistida, mas também proteger o hospital e o corpo clínico. Deve manter arquivados documentos que comprovem a legalidade de sua existência, rotinas de sua funcionalidade, protocolos que orientem o tratamento mais adequado efetivado ao paciente e, sobretudo dados estatísticos que demonstrem os índices de infecção do hospital, para que, solicitados judicialmente, possam ser comprovados, mantendo estes índices de infecção dentro (http://pt.wikipedia.org/wiki/CCIH, 2013) dos limites aceitáveis, comparativamente.
    • A legislação básica sobre infecção hospitalar, regulamentando a criação das CCIH, permite o estabelecimento de medidas de acordo com as particularidades do hospital. Medidas no combate à infecção para o grande hospital, com enorme corpo clínico e atendimento em todas as áreas médica, evidentemente mais suscetível às infecções, podem ser diferentes das do pequeno hospital, com menor corpo clínico e especializado; entre estes extremos, têm-se as inúmeras variáveis. (http://pt.wikipedia.org/wiki/CCIH, 2013) SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SESMT e CIPA O SESMT e a CIPA são instrumentos que os trabalhadores e as empresas dispõem para tratar da prevenção de acidentes e das condições do ambiente de trabalho. Esses órgãos protegem a integridade física do trabalhador e de todos os aspectos que potencialmente podem afetar sua saúde. São regulamentados legalmente pelos artigos 162 a 165 da CLT e pela Portaria 3214/78 baixada pelo Ministério do trabalho, em suas NR-5 E NR-4, respectivamente. São, portanto, organizações obrigatórias nas empresas (inclusive nos hospitais), desde que o número mínimo de funcionários seja atingido. (ANVISA, S/D) A responsabilidade pelas questões de segurança está necessariamente atrelada aos funcionários. Cada um deles deve seguir as práticas de segurança no trabalho, através do uso de regras e regulamentos anunciados pelo programa de segurança do hospital. É preciso estar constantemente alerta para os riscos de acidentes em qualquer local do hospital, comunicando à sua supervisão qualquer eventualidade, prática ou condição insegura. (ANVISA, S/D)
    • ANEXO II MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º 1.748, DE 30 DE AGOSTO DE 2011 (D.O.U. de 31/08/2011 - Seção 1 - Pág. 143) O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição Federal, e os arts. 155, I e 200 da Consolidação das leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei n.º 5.452, de 1º de maio de 1943, resolve: Art. 1º O subitem 32.2.4.16 da Norma Regulamentadora n.º 32 passa a vigorar com a seguinte redação: “32.2.4.16 O empregador deve elaborar e implementar Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfurocortantes, conforme as diretrizes estabelecidas no Anexo III desta Norma Regulamentadora. 32.2.4.16.1 As empresas que produzem ou comercializam materiais perfurocortantes devem disponibilizar, para os trabalhadores dos serviços de saúde, capacitação sobre a correta utilização do dispositivo de segurança. 32.2.4.16.2 O empregador deve assegurar, aos trabalhadores dos serviços de saúde, a capacitação prevista no subitem 32.2.4.16.1.” Art. 2º Aprovar o Anexo III da Norma Regulamentadora 32 - Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfurocortantes, com redação dada pelo Anexo desta Portaria. Art. 3º O empregador deve elaborar e implantar o Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfurocortantes no prazo de cento e vinte dias, a partir da data de publicação desta Portaria. Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. Art. 5º Revoga-se a Portaria MTE n.º 939, de 18 de novembro de 2008. CARLOS ROBERTO LUPI ANEXO (Anexo III da Norma Regulamentadora n.º 32) ANEXO III PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES 1.Objetivo e Campo de Aplicação: 1.1 Estabelecer diretrizes para a elaboração e implementação de um plano de prevenção de riscos de acidentes com materiais perfurocortantes com probabilidade de exposição a agentes biológicos, visando a proteção, segurança e saúde dos trabalhadores dos serviços de saúde, bem como daqueles que exercem atividades de promoção e assistência à saúde em geral.
    • 1.2 Entende-se por serviço de saúde qualquer edificação destinada à prestação de assistência à saúde da população, e todas as ações de promoção, recuperação, assistência, pesquisa e ensino em saúde em qualquer nível de complexidade. 1.3 Materiais perfurocortantes são aqueles utilizados na assistência à saúde que têm ponta ou gume, ou que possam perfurar ou cortar. 1.4 O dispositivo de segurança é um item integrado a um conjunto do qual faça parte o elemento perfurocortante ou uma tecnologia capaz de reduzir o risco de acidente, seja qual for o mecanismo de ativação do mesmo. 2.Comissão gestora multidisciplinar: 2.1 O empregador deve constituir uma comissão gestora multidisciplinar, que tem como objetivo reduzir os riscos de acidentes com materiais perfurocortantes, com probabilidade de exposição a agentes biológicos, por meio da elaboração, implementação e atualização de plano de prevenção de riscos de acidentes com materiais perfurocortantes. 2.2 A comissão deve ser constituída, sempre que aplicável, pelos seguintes membros: a) o empregador, seu representante legal ou representante da direção do serviço de saúde; b) representante do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho - SESMT, conforme a Norma Regulamentadora n.º 4; c) vice-presidente da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA ou o designado responsável pelo cumprimento dos objetivos da Norma Regulamentadora n.º 5, nos casos em que não é obrigatória a constituição de CIPA; d) representante da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar; e) direção de enfermagem; f) direção clínica; g) responsável pela elaboração e implementação do PGRSS - Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde; h) representante da Central de Material e Esterilização; i) representante do setor de compras; e j) representante do setor de padronização de material. 3.Análise dos acidentes de trabalho ocorridos e das situações de risco com materiais perfurocortantes: 3.1 A Comissão Gestora deve analisar as informações existentes no PPRA e no PCMSO, além das referentes aos acidentes do trabalho ocorridos com materiais perfurocortantes. 3.2 A Comissão Gestora não deve se restringir às informações previamente existentes no serviço de saúde, devendo proceder às suas próprias análises dos acidentes do trabalho ocorridos e situações de risco com materiais perfurocortantes.
    • 3.3 A Comissão Gestora deve elaborar e implantar procedimentos de registro e investigação de acidentes e situações de risco envolvendo materiais perfurocortantes. 4.Estabelecimento de prioridades: 4.1 A partir da análise das situações de risco e dos acidentes de trabalho ocorridos com materiais perfurocortantes, a Comissão Gestora deve estabelecer as prioridades, considerando obrigatoriamente os seguintes aspectos: a) situações de risco e acidentes com materiais perfurocortantes que possuem maior probabilidade de transmissão de agentes biológicos veiculados pelo sangue; b) frequência de ocorrência perfurocortante específico; de acidentes em procedimentos com utilização de um material c) procedimentos de limpeza, descontaminação ou descarte que contribuem para uma elevada ocorrência de acidentes; e d) número de trabalhadores expostos às situações de risco de acidentes com materiais perfurocortantes. 5.Medidas de controle para a prevenção de acidentes com materiais perfurocortantes: 5.1 A adoção das medidas de controle deve obedecer à seguinte hierarquia: a) substituir o uso de agulhas e outros perfurocortantes quando for tecnicamente possível; b) adotar controles de engenharia no ambiente (por exemplo, coletores de descarte); c) adotar o uso de material perfurocortante com dispositivo de segurança, quando existente, disponível e tecnicamente possível; e d) mudanças na organização e nas práticas de trabalho. 6.Seleção dos materiais perfurocortantes com dispositivo de segurança: 6.1 Esta seleção deve ser conduzida pela Comissão Gestora Multidisciplinar, atendendo as seguintes etapas: a) definição dos materiais perfurocortantes prioritários para substituição a partir da análise das situações de risco e dos acidentes de trabalho ocorridos; b) definição de critérios para a seleção dos materiais perfurocortantes com dispositivo de segurança e obtenção de produtos para a avaliação; c) planejamento dos testes para substituição em áreas selecionadas no serviço de saúde, decorrente da análise das situações de risco e dos acidentes de trabalho ocorridos; e d) análise do desempenho da substituição do produto a partir das perspectivas da saúde do trabalhador, dos cuidados ao paciente e da efetividade, para posterior decisão de qual material adotar. 7.Capacitação dos trabalhadores: 7.1 Na implementação do plano, os trabalhadores devem ser capacitados antes da adoção de qualquer medida de controle e de forma continuada para a prevenção de acidentes com materiais perfurocortantes.
    • 7.2 A capacitação deve ser comprovada por meio de documentos que informem a data, o horário, a carga horária, o conteúdo ministrado, o nome e a formação ou capacitação profissional do instrutor e dos trabalhadores envolvidos. 8.Cronograma de implementação: 8.1 O plano deve conter um cronograma para a sua implementação. 8.2 O cronograma deve contemplar as etapas dos itens 3 a 7 acima descritos e respectivos prazos para a sua implantação. 8.3 Este cronograma e a comprovação da implantação devem estar disponíveis para a Fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego e para os trabalhadores ou seus representantes. 9.Monitoramento do plano: 9.1 O plano deve contemplar monitoração sistemática da exposição dos trabalhadores a agentes biológicos na utilização de materiais perfurocortantes, utilizando a análise das situações de risco e acidentes do trabalho ocorridos antes e após a sua implementação, como indicadores de acompanhamento. 10. Avaliação da eficácia do plano: 10.1 O plano deve ser avaliado a cada ano, no mínimo, e sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho e quando a análise das situações de risco e dos acidentes assim o determinar.
    • GLOSSÁRIO Perfurocortantes são seringas, agulhas, escalpes, ampolas, vidros de um modo geral ou, qualquer material pontiagudo ou que contenha fios de corte capazes de causar perfurações ou cortes. Risco de acidente qualquer fator que coloque o trabalhador em situação de perigo e possa afetar sua integridade, bem-estar físico e o moral. Acidente de trabalho é o acidente ocorrido no exercício das atividades laborais a serviço da empresa, que provoque lesão corporal ou perturbação funcional que cause morte, perda ou redução permanente e/ou temporária, da capacidade para o trabalho. Riscos ocupacionais são agentes existentes no ambiente de trabalho, capazes de causar doenças. Patógenos: São microorganismos que podem causar doenças humanas. Contaminação é a presença de agentes potencialmente infecciosos em um dispositivo ou superfície. Plano de controle de exposição é um plano escrito que identifica os dispositivos e processos que oferecem risco aos profissionais envolvidos. Precauções-padrão ou Precauções básicas são medidas de prevenção que devem ser utilizadas na assistência a todos os pacientes, na manipulação do sangue, em laboratórios em solução de continuidade independente de diagnóstico confirmado ou não de doença infecciosa e que na literatura demonstram que apenas 6% das empresas desenvolvem.
    • NOTA O plágio é o ato de assinar ou apresentar uma obra intelectual de qualquer natureza (texto, música, obra pictórica, fotografia, obra audiovisual, etc.) contendo partes de uma obra que pertença a outra pessoa sem colocar os créditos para o autor original. No ato de plágio, o plagiador apropria-se indevidamente da obra intelectual de outra pessoa, assumindo a autoria da mesma. No Brasil o plágio é considerado crime e sua principal referência é a LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998. Contatos ou Duvidas: Anibal da Silva Cajado (acajado@gmail.com) Marta Lobato Lima (martalobatolima@gmail.com) Silvânia Souza de Araújo(silsouzatst@gmail.com)