CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS
CURSO TECNÓLOGO SEGURANÇA DO TRABALHO
O RUÍDO E AS SUAS CONSEQUÊNCIAS NO AMBIENTE INDUSTR...
Alunos (a): Anibal Cajado
O RUÍDO E AS SUAS CONSEQUÊNCIAS NO AMBIENTE INDUSTRIAL
Trabalho apresentado como
requisito para ...
SUMÁRIO
1 PROBLEMA...........................................................................................................
1 PROBLEMA
Com o crescimento desordenado das cidades e o surgimento das grandes
indústrias, as pessoas passaram a conviver...
Segundo a Sociedade Brasileira de Acústica, os níveis de ruído industrial nas
empresas brasileiras são absurdamente excess...
Dados obtidos através da análise estratificada e da modelagem logística não-
condicional revelam que a hipótese não foi co...
3 OBJETIVOS GERAIS
Avaliar, analisar e descrever os índices permitidos de ruído nas áreas de um local de
trabalho em uma i...
ao ruído, seja dentro de uma fábrica, de uma oficina, nos diversos segmentos da
construção civil ou qualquer outro tipo de...
amostras por dose, o aparelho é colocado junto ao trabalhador fixo em sua cintura e
o microfone a altura da cabeça fixo na...
Tabela de Limites de Tolerância ao Ruído (NR 15)
Nível de ruído DB (A) Máxima exposição diária permissível
85 8 horas
86 7...
Para avaliar o ruído, devemos levar em consideração o ambiente como mostra o
autor BISTAFA R. Sylvio do Livro Acústica Apl...
7ORÇAMENTO
Material de Consumo
Item Discriminação Unidade
Valor
Unitário
Qtd.
Valor
Total
0
1
Impressão Folha 1,00 15 15,0...
8 CRONOGRAMA
1ª FASE – Período 01/08 à 13/12/2010
ATIVIDADES AGO SET OUT NOV DEZ
Pesquisa bibliográfica
Revisão literária
...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BISTAFA, Sylvio R..Acústica aplicada ao ruído. São Paulo. Edgard Blucher, 2006.
GERGES,Samir Na...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Tcc ruido trabalho_final

4,051 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,051
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
72
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Tcc ruido trabalho_final

  1. 1. CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS CURSO TECNÓLOGO SEGURANÇA DO TRABALHO O RUÍDO E AS SUAS CONSEQUÊNCIAS NO AMBIENTE INDUSTRIAL Manaus 2010
  2. 2. Alunos (a): Anibal Cajado O RUÍDO E AS SUAS CONSEQUÊNCIAS NO AMBIENTE INDUSTRIAL Trabalho apresentado como requisito para obtenção de nota parcial na Disciplina de Metodologia no 1º período, turma SEG011 pelo Profº. Raimundo Nonato. Manaus 2010
  3. 3. SUMÁRIO 1 PROBLEMA............................................................................................................3 2 HIPÓTESES.............................................................................................................4 3 OBJETIVO GERAL..................................................................................................6 3.1 OBJETIVOS ESPECÍFICOS...........................................................................6 4 JUSTIFICATIVA.......................................................................................................6 5 METODOLOGIA.......................................................................................................7 6 REREFENCIAL TEÓRICO.......................................................................................8 7 ORÇAMENTO.........................................................................................................11 8 CRONOGRAMA......................................................................................................12 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  4. 4. 1 PROBLEMA Com o crescimento desordenado das cidades e o surgimento das grandes indústrias, as pessoas passaram a conviver com a poluição de lagos, rios e das próprias metrópoles. Nesse cenário, outro tipo de poluição que não pode ser visto e com o qual as pessoas de certa forma já se acostumaram e, hoje, pode ser considerado como um dos maiores problemas da vida moderna: a poluição sonora. A poluição sonora se dá essencialmente através do ruído, que é o som indesejado, sendo considerada uma das formas mais graves de agressão ao homem e ao meio ambiente. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), o limite tolerável ao ouvido humano é de 65 (sessenta e cinco) decibéis. Acima disso, nosso organismo começa a sofrer estresse e aumentam-se os riscos às doenças. Com ruídos acima de 85 (oitenta e cinco) decibéis aumenta-se a probabilidade de comprometimento auditivo. Dois são os fatores determinantes para mensurar a amplitude da poluição sonora: o tempo de exposição e o nível de ruído a que se expõem as pessoas.A perda da audição, o efeito mais comum associado ao excesso de ruído, pode ser causada por várias atividades da vida diária. Há, por exemplo, perda de 30% (trinta por cento) da audição para os que usam walkman, toca-fitas ou laser disk durante duas horas por dia em um período de dois anos a níveis próximos de oitenta decibéis. Calcula-se que 10% da população do Brasil possuam distúrbios auditivos. Atualmente, cerca de cinco por cento das insônias são causadas por fatores externos, destacando-se entre estes fatores, principalmente, o ruído. O ruído oriundo das indústrias, além da perda orgânica da audição, provoca uma grande variedade de males à saúde do trabalhador, que vão de efeitos psicológicos, distúrbios neurológicos e vegetativos, náuseas e cefaleias, até redução da produtividade, aumento do número de acidentes, de consultas médicas e do absenteísmo.
  5. 5. Segundo a Sociedade Brasileira de Acústica, os níveis de ruído industrial nas empresas brasileiras são absurdamente excessivos. Essa situação pode ser amenizada aplicando-se as tecnologias de controle de ruído existentes, que envolvem o desenvolvimento de produtos específicos e máquinas menos ruidosas, recursos para identificação e análise das fontes de ruído, previsão da redução de ruídos através de programas de simulação e entre outras formas de ações e iniciativas por parte do Poder Público local municipal, estadual e federal e sociedade civil organizada para, ao menos, minimizar a probabilidade de possíveis riscos e impactos negativos à saúde humana e ao meio ambiente É importante que os trabalhadores saibam a que riscos estão expostos?O ruído é o maior vilão na vida dos trabalhadores?O ruído é um risco que atinge empresas de outros ramos de atividade?Sob o ponto de vista das consequências do ruído, as empresas levam em consideração a vida pessoal dos trabalhadores?A exposição continuada a níveis de ruído acima dos permitidos pode acarretar danos à saúde ocupacional do colaborador?As empresas respeitam os níveis de ruído prescritos nas normas?Maquinários antigos contribuem para o aumento do ruído no local de trabalho? 2 HIPÓTESES A hipótese de que a exposição ao ruído ocupacional estava positivamente associada à hipertensão arterial foi avaliada em um estudo transversal, realizado com um grupo de 276 pacientes, admitidos em um ambulatório de saúde do trabalhador do Sistema Único de Saúde, atendidos nos primeiros seis meses de 1992. A exposição ao ruído teve duas medidas: história referida de exposição ocupacional ao ruído e o diagnóstico de disacusia ocupacional. A hipertensão arterial foi definida de acordo com os critérios da OMS, incluindo-se também a referência a tratamento anti-hipertensivo.
  6. 6. Dados obtidos através da análise estratificada e da modelagem logística não- condicional revelam que a hipótese não foi confirmada: não se encontrou diferenças entre a pressão sistólica ou diastólica ou entre as proporções de hipertensão entre indivíduos expostos ou não expostos. Todavia, verificou-se aumento estatisticamente significante (alfa=0,05) da medida de efeito quando o nível de educação era baixo (até o primeiro grau completo), o que parece indicar maior intensidade ou duração da exposição entre os trabalhadores desse grupo. Isto pode ser outra evidência da desigualdade social subjacente à distribuição da exposição entre trabalhadores no ambiente de trabalho, o que deverá ser focalizado, com mais profundidade, em estudos futuros. Outra hipótese relevante submete a exposição repetida dia após dia, aruído excessivo, pode levar o indivíduo a uma surdez permanente.Entretanto, uma avaliação mais aprofundada deverá ocorrer em virtude da possibilidade desta perda de surdez poder ocorrer por fatores congênitos, fatores externos ou acidentes ocorridos fora do ambiente de trabalho. É importante lembrar que um fator de grande importância, em qualquer tipo de perda de audição, é a suscetibilidade individual. Indivíduos que se encontram num mesmo local ruidoso podem se comportar de maneira diferente. Alguns são extremamente sensíveis ao ruído e outros parecem não ser atingidos pelo mesmo. Deve ser considerado, também, há perda natural de audição com a idade (presbiacusia) (SALIBA, 2001).
  7. 7. 3 OBJETIVOS GERAIS Avaliar, analisar e descrever os índices permitidos de ruído nas áreas de um local de trabalho em uma indústria de eletroeletrônicos e os desdobramentos da exposição ocupacional ao ruído excessivo na audição do colaborador, tendo como base pesquisas coletadas, estudose normas técnicas. 3.1 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Abordar o ruído ocupacional e suas consequências na vida do colaborador, dentro e fora do ambiente de trabalho. Mapear, identificar, levantar, diagnosticar os riscos e traçar um perfil desse trabalhador que está exposto ao ruído contínuo durante sua jornada de trabalho e sugerir soluções aos problemas relatados. 4 JUSTIFICATIVA O tema escolhido retrata o risco físico que é um dos principais agentes do risco ambiental. Dentro dele especificamos o ruído que se torna o maior vilão na vida dos trabalhadores das fábricas instaladas em nossa cidade. É importante que estes trabalhadores saibam o quanto é grande o risco para quem está diretamente exposto aníveis excessivos e continuados de ruído, os males que o agente provocaem suas vidas e como eles podem se proteger desse mal. Esse estudo contribui para que estes trabalhadores sejam protegidos, fazendo valer seus direitos, expressos nas Normas Regulamentadoras, normas estas, na maioria das vezes não são respeitadas nas empresas do Distrito Industrial do PIM. Em outros segmentos de diferentes atividades também se observa a ocorrênciado problema em questão, sendo portanto, o estudo aplicávela trabalhadores expostos
  8. 8. ao ruído, seja dentro de uma fábrica, de uma oficina, nos diversos segmentos da construção civil ou qualquer outro tipo de atividade industrial. Espera-se, com os elementos deste poder contribuir para que empresas e funcionários tomem consciência de como é necessário a prevenção ao agente ruído dentro no ambiente de trabalho. Sendo possível a prevenção, bastando que haja a informação para os colaboradores, o bom esclarecimento para os empresários sobre o assunto e o controle das autoridades competentes para que sejam cumpridas as leis. 5 METODOLOGIA O trabalho apresentado em si, fala a respeito do ruído e suas consequências. Na primeira fase foram realizadas pesquisas bibliográficas, revisão literária, e o planejamento do projeto, onde o grupo se reuniu para discutirideias de cada um e como essas ideias serão colocadas em praticas. Todos entraram em comum acordo de que se fazia necessário vivenciarmos um ambiente de trabalho dentro de uma fábrica para melhor entender e sentir o que esses trabalhadores estão sujeitos todos os dias em sua jornada de trabalho. Na segunda fase foi elaborado o organograma de métodos e materiais utilizados, a visita técnica na fábrica, a pesquisa levantada da visita, o encerramento e conclusão do projeto. Para realizar essa pesquisa foi necessário o nosso deslocamento de carro até a fábrica de eletroeletrônicos localizada no Distrito Industrial, realizada no sábado dia 4 de novembro de 2010 no horário comercial das 07:00 às 17:00 horas. No local observamos um elevado nível de ruído produzido por máquinas, equipamentos e exaustores, o ambiente era fechado com iluminação artificial e pouca ventilação, fatores que aumentam ainda mais o ruído. Foram feitas dois tipos de avaliação QUALITATIVA que foi realizada através das observações no local realizada pelo grupo e a avaliação QUANTITATIVA que foi realizada através de aparelhos específicos de medição tais como: o Dosímetro de Ruídos Digital Portátil, marca Termotec, modelo DOS-500, utilizado para coletar
  9. 9. amostras por dose, o aparelho é colocado junto ao trabalhador fixo em sua cintura e o microfone a altura da cabeça fixo na lapela da camisa, onde serão coletados todos os níveis de ruído durante sua jornada de trabalho de oito horas diária. Temos também o Decibelímetro Medidor de Nível de Pressão Sonora, marca Termotec, modelo C-150 que foi utilizado em pontos estratégicos para encontrar focos de maior nível de ruído. Foram consultados os prontuários médicos dos funcionários no ambulatório da empresa, autorizado pelo responsável técnico que nos acompanhou. E constatamos um grande número de colaboradores com queixas como: fadiga, tonturas e dor de cabeça provavelmente provocada pelo ruído. Realizamos entrevistas com um grupo de cinquenta colaboradores que confirmaram os sintomas encontrados nos prontuários. Utilizamos uma câmera digital marca Benq, modelo DC C740i para fotografar e filmar as máquinas e equipamentos geradores de ruído encontrados no local de trabalho. Por fim ao encerrarmos nossa pesquisa coletamos dados que serão parte do projeto de TCC. 6 REFERECIAL TEÓRICO Para embasamento da nossa pesquisa selecionamos algumas obras: Segundo as Normas Regulamentadoras Relativas à Segurança e Medicina do Trabalho, autor HOPPNER G. Marcos (2008, pag. 191). NR-15, assim estabelece: “O tempo de exposição aos níveis de ruído não devem exceder os limites de tolerância fixados no Quadro em anexos desta NR.”.
  10. 10. Tabela de Limites de Tolerância ao Ruído (NR 15) Nível de ruído DB (A) Máxima exposição diária permissível 85 8 horas 86 7 horas 87 6 horas 88 5 horas 89 4 horas e 30 minutos 90 4 horas 91 3 horas e 30 minutos 92 3 horas 93 2 horas e 40 minutos 94 2 horas e 15 minutos 95 2 horas 96 1 hora e 45 minutos 98 1 hora e 15 minutos 100 1 hora 102 45 minutos 104 35 minutos 105 30 minutos 106 25 minutos 108 20 minutos 110 15 minutos 112 10 minutos 114 8 minutos 115 7 minutos Assim como se observa em fábricas, também é possível a ocorrência de ruído como fator de risco em outros estabelecimentos, como mostra um Artigo sobre Dano Irreparável realizado em uma marmoraria, onde existia um alto nível de ruído. Produzido pelos autores Pedro Ferreira Reis – Mestrado em Ergonomia, Maria da Gloria de Lima Mendes – Fonoaudióloga e Antonio Renato Pereira Mora – Dr. Biomecânica. Revista proteção (maio 2009, pag. 80). “O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre as conseqüências do ruído realizado com funcionários de uma marmoraria em Foz de Iguaçu, Paraná”. As principais alterações fisiológicas relatadas pelos trabalhadores foram estresse, dores musculares, dores estomacais, perda auditiva, tonturas, cefaleia e zumbido nos ouvidos.
  11. 11. Para avaliar o ruído, devemos levar em consideração o ambiente como mostra o autor BISTAFA R. Sylvio do Livro Acústica Aplicada ao Controle do Ruído, que trata do Ruído em Recinto (2006, pag.231). “Em campo livre, como o próprio nome indica, a propagação da onda se dá de forma livre, sem interferência de outras ondas. Já em recintos, a partir da fonte sofre interferência das ondas que são refletidas nas superfícies que delimitam o recinto – parede, teto e piso. Quando o som incide sobre uma superfície, uma parte da energia sonora é refletida, enquanto a outra parte, a qual desaparece atrás da superfície, se compõe de duas parcelas: a energia sonora absorvida pela superfície e a energia sonora transmitida pela superfície.” Existem alguns critérios para a Perda de Audição como mostra o Manual de Segurança – Vol.3 (pag.101). Os seguintes fatos são confirmados pela maioria das pesquisas realizadas sobre perda de audição em relação aos níveis de ruído: 1 A função mais importante do ouvido é ouvir e entender a conversa humana. 2 Dificuldade significativa na recepção de som ocorre para perdas de audição maiores que 25 dB (valor médio nas frequências de 500hz, 1 kHz e 2 kHz.) 3 Exposição em níveis de pressão sonora abaixo de 80 dB (A) – para 90% da população – não causa dificuldade na sensação e interpretação do som. 4 “A perda de audição por exposição em níveis de 80 dB(A) depende da distribuição dos níveis como tempo de exposição e susceptibilidade do indivíduo.”
  12. 12. 7ORÇAMENTO Material de Consumo Item Discriminação Unidade Valor Unitário Qtd. Valor Total 0 1 Impressão Folha 1,00 15 15,00 0 2 Cópias (Texto) Unidade 0,15 15 2,25 0 3 Caneta Unidade 1,50 02 3,00 0 4 Borracha Unidade 1,00 01 1,00 0 5 Lápis Unidade 0,50 02 1,00 Subtotal (R$) 22,25 Pesquisa de campo Item Discriminação Unidade Valor Unitário Qtd. Valor Total 0 6 Lan House Hora 1,50 04 6,00 0 7 Alimentação Peso 6,00 05 30,00 0 8 Transporte Carro(Taxi) 30,00 03 90,00 TOTAL GERAL (R$) 126,00
  13. 13. 8 CRONOGRAMA 1ª FASE – Período 01/08 à 13/12/2010 ATIVIDADES AGO SET OUT NOV DEZ Pesquisa bibliográfica Revisão literária Planejamento 2ª FASE – Período 01/08 à 13/12/2010 ATIVIDADES AGO SET OUT NOV DEZ Elaboração, organização dos métodos e material. Visita de campo Pesquisa Encerramento / Conclusão
  14. 14. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BISTAFA, Sylvio R..Acústica aplicada ao ruído. São Paulo. Edgard Blucher, 2006. GERGES,Samir NagiYousri.Fundamentos e Controle do Ruído. Disponível em: <ohttp://www.lari.ufsc.br/publicacoes/paperABHO2.pdf>Acesso em: 05 dez. 2010. HOEPPNER, Marcos Garcia. Norma Regulamentadoras Relativas à Segurança e Medicina do Trabalho. São Paulo. Ícone, 2008. ODA, Leila Ávila. Biosegurança em laboratório de Saúde Publica. Ministério da Saúde, 1998. VIERA, Sebastião Ivone. Manual de Saúde e Segurança do Trabalho, volume 3. LTR, 2005. SALIBA, T. M. Manual Prático de Avaliação e Controle do Ruído, São Paulo: LTR, 2001.

×