Unidade conhecimento gerais
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Unidade conhecimento gerais

on

  • 597 views

 

Statistics

Views

Total Views
597
Views on SlideShare
597
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Unidade conhecimento gerais Unidade conhecimento gerais Document Transcript

  • 22/10/2010 1 Unidade III CONHECIMENTOS GERAIS Prof. Marymar Souza METROLOGIA BASICA Unidade inglesa ou unidade imperial é a denominação dada a qualquer unidade em vários sistemas de unidades de medidas obsoletos baseados em medidas estabelecidas pelos reis ingleses, sendo algumas delas com base em medições no corpo dos reis. A despeito do nome, não se refere necessariamente ao sistema de unidades não-SI ainda em uso disseminado (mas praticamente não-oficial) na Inglaterra e no Reino Unido. O sistema é conhecido como Sistema Inglês (English System) nos Estados Unidos e em outros países como Imperial System. A expressão estadunidense English unit ("unidade inglesa") inclui as unidades imperiais bem como várias outras unidades utilizadas nos Estados Unidos, tais como o galão dos EUA (o "galão de vinho" da rainha Ana) e o alqueire estadunidense(o "alqueire de Winchester"). o Sistema Inglês de Unidades
  • 22/10/2010 2 MEDIDAS o Sistema Internacional de Unidades O Sistema Internacional de Unidades foi adotado globalmente por praticamente todos os países. As três exceções são Myanmar, Libéria e os Estados Unidos.O Reino Unido adotou oficialmente o SI, mas sem a intenção de substituir inteiramente seu próprio sistema usual de medidas. Definiram-se sete grandezas físicas postas como básicas ou fundamentais. Por conseguinte, passaram a existir sete unidades básicas correspondentes as unidades básicas do SI descritas na tabela, na coluna à esquerda. A partir delas, podem-se derivar todas as outras unidades existentes. As unidades básicas do SI posto que dimensionalmente axiomáticas são dimensionalmenteindependentesentre si. Básicas Grandeza Unidade Símbolo Comprimento metro m Massa quilograma kg Tempo segundo s Corrente elétrica ampère A Temperatura termodinâmica kelvin K Quantidade de matéria mol mol[2] Intensidade luminosa candela cd
  • 22/10/2010 3 Derivadas Todas as unidades existentes podem ser derivadas das unidades básicas do SI. Entretanto, consideram-se unidades derivadas do SI apenas aquelas que podem ser expressas através das unidades básicas do SI e sinais de multiplicação e divisão, ou seja, sem qualquer fator multiplicativo ou prefixo com a mesma função. Desse modo, há apenas uma unidade do SI para cada grandeza. Contudo, para cada unidade do SI pode haver várias grandezas. Às vezes, dão-se nomes especiaispara as unidadesderivadas. Grandeza Unidade Símbolo Dimensional analítica Dimensional sintética Ângulo plano radiano rad 1 m/m Ângulo sólido esferorradiano1 sr 1 m²/m² Freqüência hertz Hz 1/s --- Força newton N kg·m/s² --- Pressão pascal Pa kg/(m·s²) N/m² Energia joule J kg·m²/s² N·m Potência watt W kg·m²/s³ J/s Carga elétrica coulomb C A·s --- Tensão elétrica volt V kg·m²/(s³·A) W/A Resistência elétrica ohm kg·m²/(s³·A²) V/A Capacitância farad F A²·s²·s²/(kg·m²) A·s/V Condutância siemens S A²·s³/(kg·m²) A/V Indutância henry H kg·m²/(s²·A²) Wb/A Fluxo magnético weber Wb kg·m²/(s²·A) V·s Densidadede fluxo magnético tesla T kg/(s²·A) Wb/m² Temperatura em Celsius grau Celsius °C --- --- Fluxo luminoso lúmen lm cd cd·sr Luminosidade lux lx cd/m² lm/m² Atividade radioativa becquerel Bq 1/s --- Dose absorvida gray Gy m²/s² J/kg Dose equivalente sievert Sv m²/s² J/kg Atividade catalítica katal kat mol/s --- Unidades aceitas pelo SI O SI aceita várias unidades que não pertencem ao sistema. A primeiras unidadesdeste tipo são unidadesmuitoutilizadasno cotidiano: . Grandeza Unidade Símbolo Relação com o SI Tempo minuto min 1 min = 60 s Tempo hora h 1 h = 60 min = 3600 s Tempo dia d 1 d = 24 h = 86 400 s Ângulo plano grau ° 1° = /180 rad Ângulo plano minuto ' 1' = (1/60)° = /10 800 rad Ângulo plano segundo " 1" = (1/60)' = /648 000 rad Volume litro l ou L 1 l = 0,001 m³ Massa tonelada t 1 t = 1000 kg Argumento logarítmico ou Ângulo hiperbólico neper Np 1 Np = 1 Argumento logarítmico ou Ângulo hiperbólico bel B 1 B = 1
  • 22/10/2010 4 Unidades da grandeza Comprimento Sistema Internacional de Unidades-SI Sistema Inglês Fator de conversão/equivalência milímetro - mm polegada - inch (in) 1 polegada = 25,4mm 1 milímetro = 0,039in milímetro - mm pé - foot (ft) 1 pé = 304,8mm centímetro - cm polegada - inch (in) 1 polegada = 2,54cm centímetro - cm pé - foot (ft) 1 pé = 30,48cm metro - m pé - foot (ft) 1 pé = 0,3048 m metro - m jarda - yard (yd) 1 jarda = 0,9144m = 914,4mm quilômetro - km milha - mile (mi) 1 milha = 1,609 km Unidades da grandeza Área Sistema Internacional de Unidades-SI Sistema Inglês Fator de conversão/equivalência centímetro quadrado - cm² polegada quadrada - 1 inch² (sq.in) 1 polegada quadrada = 6.452cm² = 645,2mm² centímetro quadrado - cm² pé quadrado - 1 foot² (sq.ft) 1 pé quadrado = 929,03cm² metro quadrado - m² pé quadrado - 1 foot² (sq.ft) 1 pé quadrado = 0,092m² metro quadrado - m² milha quadrada - 1 yard² (sq.yd) 1 jarda quadrada = 0,8361m² metro quadrado - m² acre - acre (ac) 1 acre = 4.046,9m² hectare - ha acre - acre (ac) 1 acre = 0,4047ha hectare - ha milha quadrada - 1 mile² (sq.mi) 1 milha quadrada = 259,0 ha( 1ha=10.000m²) quilômetro quadrado - km² milha quadrada - 1 mile² (sq.mi) 1 milha quadrada = 2.590 km² Unidades da grandeza Volume Sistema Internacional de Unidades-SI Sistema Inglês Fator de conversão/equivalência litro - l polegada cúbica - 1 inch³ (cu.in) 1 polegada cúbica = 0,01639 litro mililitro - ml polegada cúbica - 1 inch³ (cu.in) 1 polegada cúbica = 16,39 ml centímetro cúbico - cm³ polegada cúbica - 1 inch³ (cu.in) 1 polegada cúbica = 16,39 cm³ milimetro cúbico - mm³ polegada cúbica - 1 inch³ (cu.in) 1 polegada cúbica = 16.390mm³ decímetro cúbico - dm³ pé cúbico - 1 foot³ (cu.ft) 1 pé cúbico = 28,32 dm³(1l=1dm³) litro - l pé cúbico - 1 foot³ (cu.ft) 1 pé cúbico = 28,32 litros(1.000l=1m³) metro cúbico - m³ pé cúbico - 1 foot³ (cu.ft) 1 pé cúbico = 0,02832 m³ metro cúbico - m³ jarda cúbica - 1 yard³ (cu.yd) 1 jarda cúbica = 0,7646m³ Unidades da grandeza Massa Sistema Internacional de Unidades-SI Sistema Inglês Fator de conversão/equivalência grama - g onça - 1 ounce (oz) 1 onça = 28,35g quilograma - kg libra - 1 pound (lb) 1 libra = 0,4536kg quilograma - kg kip(1000libras)- 1 kip 1 kip = 453,59kg quilograma - kg tonelada - 1 ton 1 tonelada = 1.016,05kg Unidades da grandeza Capacidade Sistema Internacional de Unidades-SI Sistema Inglês Fator de conversão/equivalência centímetro cúbico - cm³ onça fluida - 1 fl.oz 1 onça fluida = 28.413cm³ litro - l pinto - 1 pt 1 pinto = 0,568 l litro - l quarto - 1 qt 1 quarto = 1,137 l Unidades da grandeza Massa por Unidades da grandeza Área Sistema Internacional de Unidades-SI Sistema Inglês Fator de conversão/equivalência grama x metro quadrado - g/m² onça x pé quadrado - 1 oz/ft² 1 onça/pé quadrado = 305,15 g/m² quilograma x metro quadrado - kg/m² libra x polegada quadrada - 1 psi 1 libra/polegada quadrada = 703,07kg/m² quilograma x metro quadrado - kg/m² libra x pé quadrado - 1 psf 1 libra/pé quadrado = 4.882kg/m² Unidades da grandeza Vazão Sistema Internacional de Unidades-SI Sistema Inglês Fator de conversão/equivalência litro x segundo - l/s galão x segundo - 1 gal./sec 1 galão/segundo = 4,5461 l/s litro x segundo - l/s galão x minuto - 1 gal./min. 1 galão/minuto = 0,07577 l/s litro x hora - l/h galão x hora - 1 gl./hr 1 galão/hora = 4,5461 l/h mililitro x segundo - ml/s polegada cúbica x segundo - 1 in³/s 1 polegada cúbica/segundo = 16,39 ml/s metro cúbico x segundo - m³/s pé cúbico x segundo - 1 ft³/s 1 pé cúbico/segundo = 0,02832 m³/s litro x segundo - l/s pé cúbico x minuto - 1 ft³/min 1 pé cúbico/minuto = 0,4791 l/s Unidades da grandeza Comprimento por unidades da grandeza Volume Sistema Internacional de Unidades-SI Sistema Inglês Fator de conversão/equivalência quilometro x litro - km/l milha x galão - 1 mpg 1 mpg = 0,354 km/l litro x quilometro - l/km galão x milha - 1 gpm 1 galão/milha = 2,825 l/km
  • 22/10/2010 5 Unidades da grandeza Velocidade Sistema Internacional de Unidades-SI Sistema Inglês Fator de conversão/equivalência milímetro x segundo - mm/s polegada x segundo - 1 in./sec. 1 polegada/segundo = 25,4 mm/s metro x segundo - m/s pé x segundo - 1 fps 1 pé/segundo = 0,3048 m/s metro x segundo - m/s pé x minuto - 1 fpm 1 pé/minuto = 0,00508 m/s metro x minuto - m/min pé x minuto - 1 fpm 1 pé/minuto = 0,3048 m/min quilometro x hora - km/h milhas x hora - 1 mph 1 milha/hora = 1,609 km/h Unidades da grandeza Temperatura Sistema Internacional de Unidades-SI Sistema Inglês Fator de conversão/equivalência Grau Celsius - ºC Grau Fahrenheit - ºF 1 ºC = 0,5556 (ºF - 32) Unidades da grandeza Energia Sistema Internacional de Unidades-SI Sistema Inglês Fator de conversão/equivalência joule - j Unidade Térmica Britânica - Btu 1 Btu = 1.055j kilojoule - kj Unidade Térmica Britânica - Btu 1 Btu = 1,055kj Unidades da grandeza Potência Sistema Internacional de Unidades-SI Sistema Inglês Fator de conversão/equivalência watt - w Cavalo-vapor (horsepower) - hp 1 hp = 745,7w kilowatt - kw Cavalo-vapor (horsepower) - hp 1 hp = 0,7457kw Unidades da grandeza Iluminação Sistema Internacional de Unidades-SI Sistema Inglês Fator de conversão/equivalência lux- lux footcandle - ft.candle 1 ft.candle = 10,76 lux Conceitos fundamentais sobre medições.. A Física estuda muitos fenómenos que ocorrem na natureza e outros provocados nos laboratórios. Para a melhor compreenção desses fenómenos, faz-se a sua descrição, resultando na medição duma ou de certas grandezas físicas. 2.1. Por Grandeza Física , entende-se tudo que é susceptível de ser medido. 2.2. Medir uma grandeza é determinar o número de vezes que essa grandeza contém outra da mesma espécie, selecciona como padrão, portanto, é um conjunto de operações. Existem dois tipos de medições: medição directa medição indirecta 2.3. Medição direta É aquela em que a grandeza que se pretende medir obtém-se como resultado da aplicação directa do instrumento de medição, compara-se a grandeza a medir com uma unidade da mesma espécie; usam-se aparelhos, instrumentos, máquinas, dispositivos, etc, indicadores que foram graduados previamente por comparação com a unidade da mesma espécie; por exemplo: para medir o comprimento de um livro usando uma regua graduada. 2.4. Medição indireta aplica-se uma fórmula que relacione a grandeza a medir com outras grandezas. Por exemplo: para determinar a intensidade da corrente electrica, para determinar a densidade duma substancia, para determinar a energia cinética de um corpo, etc. Como é obvio, uma vez realizada a medição espera-se um resultado. Por Resultado de uma Medição, entende-se o valor atribuido a um mensurando obtido por medição.
  • 22/10/2010 6 Conceitos fundamentais sobre medições.. Existem dois tipos de resultados: a) Resultado não corrigido b) Resultado corrigido 2.5. Resultado não corrigido é o resultado de uma medição, antes da correção, devida aos erros sistemáticos. 2.6. Resultado corrigido - é o resultado de uma medição, após a correção, devida aos erros sistemáticos. Sempre que se realiza uma medição, ésta, é feita na base de uma comparação com uma unidade da mesma espécie denominada Padrão. 2.7. Padrão é a medida materializada, instrumento de medição, material de referencia ou sistema de medição destinado a definir, realizar, conservar ou reproduzir uma unidade ou um ou mais valores de uma grandeza para servir como referencia. 2.8. Erros nas medições. Ao medir uma grandeza não se pode categoricamente afirmar que o valor encontrado é o valor exacto. Na medição de uma grandeza cometem-se erros e interessa conhecer o erro de que pode vir a ser afectada a medida O conhecimento mais rigoroso da medida ocorre quando ao valor aproximado da grandeza medida acrescentamos a indicação do erro de que vem afectado esse valor. Quanto a origem dos erros, podem ser considerados erros de dois tipos: a) erros sistemáticos b) erros acidentais Conceitos fundamentais sobre medições.. 2.8.1. Erros sistemáticos - Este tipo de erros são impossíveis de eliminar totalmente; o máximo que se pode fazer é minimizá-los. Por sua vez podem ser, de dois tipos: Instrumentais e pessoais. 2.8.1.1-Erros sistemáticos instrumentais. São aqueles inerentes ao instrumento de medição. A introdução de um aparelho de medida tras consigo erros devido á alteração produzida no circuito, neste caso, o valor lido é inferior ao verdadeiro valor da intensidade da correntes, logicamente sempre está presente o erro de escala. 2.8.1.2-Erros sistemáticos pessoais . São os provocados pelo observador que realiza a medição, o qual tende a viciar o processo pela influência de factores dependentes dele. Por exemplo, os erros devido a dilatação térmica dos instrumentos causada pela temperatura do corpo humano. 2.8.2. Erros acidentais. Quando o observador realiza uma série de mediçoes da mesma grandeza com o mesmo aparelho, usando o mesmo processo, obtem-se, em regra, valores diferentes, pouco afastados uns dos outos. Erros deste teor são erros acidentais; como consequência dos erros acidentais, as medidas oscilam para um e outro lado do valor da grandeza.
  • 22/10/2010 7 Tendência; Repetitividade; Reprodutibilidade; Estabilidade; Linearidade. A indústria automotiva, em particular, usa os seguintes parâmetros para a avaliação de um sistema de medição: Tendência; Repetitividade; Reprodutibilidade; Estabilidade; Linearidade. Além destes, deve-se considerar também a Resolução e a Variabilidade da própriapeça. Apesar de poder ser exigido que cada sistema de medição tenha diferentes propriedades estatísticas, existem algumas que todos devem possuir. Elas incluem que, as variações do sistema de medição devem estar associadas somente a causas comuns e não a causas especiais (sob controle estatístico); sua variabilidade deve ser pequena quando comparada a variabilidade do processo de manufatura e com os limites de especificação; os incrementos de medida devem ser pequenos em relação ao que for menor, entre a variabilidade do processo ou os limites de especificação e elas não devem ser estáticas, isto é, podem mudar à medida em que variem os itens que estão sendo medidos. Avaliação Para avaliar um SM é necessário verificar se a variável correta está sendo medida e determinar também quais as propriedades estatísticas que o SM deve ter para ser aceitável. Isto é desenvolvido em duas fases. Na 1ª fase queremos compreender o processo de medição e determinarmos se ele irá satisfazer nossas exigências e na 2ª fase uma vez considerado aceitável, verificamos se o SM continua a apresentar as propriedades estatísticas apropriadas. Tendência (ou desvio): é o "afastamento da média dos valores medidos de um valor de referência". O valor de referência é um valor atribuído a um padrão, com o qual o equipamento foi calibrado. Na Análise do Sistema de Medição (M.S.A), usar uma peça padrão ao invés de um padrão aproxima a medição mais da realidade em termos da geometria a controlar. Uma peça padrão representa melhor a geometria do que por exemplo um bloco padrão retangular. U95% do S.M £ (R&R do instrumento) / 10 é o critério para a seleção do SM para medir a peça padrão.
  • 22/10/2010 8 A avaliação da tendência é feita na seguinte ordem: 1º) selecionar uma peça (com a medida próxima ao valor nominal) ou um padrão; 2º) medir a peça várias vezes utilizando um instrumento mais exato do que o que está sendo estudado, para determinar o valor de referência (VR); 3º) um operador qualificado deve medir a peça pelo menos 10 vezes; 4º) calcular a média das indicações (MI) e a tendência (T) pela seguinte expressão T = MI VR ; e por fim em 5º) calcular a porcentagem consumida (%T) da tolerância (Tol) ou da Variação do Processo (VP) pela tendência através das seguintes expressões: %T = T / VP = T / Tol. Considerar %T £ 10 % = Aprovado ; %T > 10 % e £ 30 % = Aceitável; e %T > 30 % = Reprovado. As possíveis causas para a Tendência alta são: erro no valor de referência adotado; equipamento de medição com folga ou danificado; equipamento sem rastreabilidade; mau uso por parte do operador. Estabilidade: "é a variação total nas medições obtidas com o sistema de medição medindo uma única característica na mesma peça ou padrão ao longo de um extenso período de tempo". A estabilidade é um estágio atingido quando reunimos três condições: 1ª) o fenômeno se comporta com distribuição normal; 2ª) a dispersão do fenômeno é constante ao longo do tempo e 3ª) o fenômeno ocorre constantemente sobre a mesma média. Num estudo para a análise da estabilidade devemos considerar: a) se o processo de medição não é estável qualquer resultado será apenas uma "fotografia momentânea"; b) não é possível tomar decisões confiáveis, mesmo com base em estudos, se o processo não é estável; c) sem estabilidade não há previsibilidade; d) há muitos fatores que causam estabilidade e os processos devem ser robustos a estes fatores, porém algumas vezes não é possível ou não é economicamente viável; e) priorizar os fatores que mais afetam o processo de medição. A estabilidade estatística é determinada através de gráficos de controle. Como diretrizes para o estudo da estabilidade devemos obter uma amostra de peças da produção, em intervalos de tempo pré-estabelecidos medir a amostra de três à cinco vezes (em horários diversos, no local utilizado pata ser o mais real possível), plotar os dados em uma carta de controle (X e R ou s), e verificar a existência de pontos fora dos limites e sinais de instabilidade.
  • 22/10/2010 9 Linearidade: "é a diferença nos valores da tendência ao longo da faixa de operação esperada no dispositivo de medição". Quanto menor a declividade à melhor linearidade do instrumento; Quanto maior a declividade à pior a linearidade do instrumento. Avaliação da Linearidade: 1ª Fase) selecionar 5 peças padrões de maneira a varrer toda a faixa de operação do instrumento; medir as peças utilizando um instrumento superior ao que está sendo estudado e determinar o VR; selecionar um operador que deverá realizar de 10 a 15 medições de cada peça; calcular a média das indicações para cada peça; calcular a tendência para cada peça e elabora um gráfico da reta que expressa a relação entre as tendências x os valores indicados. 2ª Fase) calcular a reta de regressão linear que melhor ajusta os pontos do gráfico; calcular o grau de ajuste da reta (R2); calcular o valor da linearidade L = Indicação x V.Processo ou Tolerância; calcular o valor percentual da linearidade % L = 100 x (L / VP ou Tol). As causas prováveis de má linearidade são: Instrumnto não está calibrado adequadamente; Instrumento desgastado; Revisão nas partes internas e Erros nos valores dos padrões.
  • 22/10/2010 10 Repetitividade: é a variação nas medidas obtidas com um dispositivo de medição quando usado várias vezes por um operador medindo a mesma característica na mesma peça. Caracteriza a variabilidade do sistema de medição, isto é, a capacidade que o processo de medição tem de "repetir" as medidas.Pode ser expressa em termos da dispersão dos resultados. Aponta fontes de erro em decorrência de falhas do equipamento e de erros geométricos da peça. Pode ser representada pela carta de amplitudes (R). Determinação da Repetitividade: Aplicar a metodologia do CE (Controle Estatístico do Processo); Analisar a partir da carta de amplitudes (R); Calcular o desvio padrão (se); Calcular a repetitividade para um nível de confiança de 99% Para distribuição normal (5,15. se) (adotado como referência pelo MSA para um processo em que m = 0 e s = 1 e P = 99%). Reprodutibilidade: " é a variação na média das medidas feitas por diferentes operadores utilizando o mesmo dispositivo de medição medindo característica idêntica nas mesmas peças". São objetivos do estudo da Reprodutibilidade: Detectar a variabilidade entre operadores; Apontar fontes adicionais de erros (desvios causados pelo operador indicado pela diferença das médias). Determinação: Aplicar a metodologia do CEP (Controle Estatístico do Processo); Analisar a partir da carta das médias (x); Calcular o desvio padrão(so); Calcular a reprodutibilidade para um nível de confiança de 99% para distribuição normal (5,5x so) . Através da variação das peças (mediante a troca dos operadores) ela pode ser detectada a partir da carta de médias. A partir dos limites da carta das médias, determinados pela repetitividade, verificar as médias que estão fora destes limites. Se não houver variação entre peças e se representarem o processo, então o sistema de medição é inaceitável para sua análise. Pela variabilidade das peças um sistema de medição é apropriado quando a maioria das médias das peças ficar fora dos limites.
  • 22/10/2010 11 Resolução: "capacidade do sistema de medição detectar e indicar pequenas alterações na característica medida". Para uma boa análise é necessário que: se detecte a variação do processo; quanto mais dígitos significativos ela apresentar é melhor; no gráfico das amplitudes devem haver, no mínimo, 3 valores dentro dos limites, porém 1 / 4 dos valores obtidos não devem ser iguais a zero; no M.S.A (Análise do Sistema de Medição) 5 < n < 15; é determinada a partir da variabilidade da peça, baseado no estudo da reprodutibilidade e o número de categorias é dado por (PV / R&R) x d2 onde PV = variação devida às peças; R & R = variação devida ao equipamento e ao operador e d2 = constante em função do número de repetições, peças e operadores. Vários estudos de resolução mostraram que a resolução desejável deve ser, de no mínimo, 10 % da variaçãodo processo(6s) e não de 10 % da tolerânciado processo. Variabilidade da própria peça: Um Sistema de Medição, mesmo utilizado corretamente, pode não obter um mesmo valor na medição de uma peça. Este desvio sMED é atribuido ao operador e instrumento. A variação observada ocorre devido à variação no Sistema de Medição e a variação do produto a ser medido. Estatisticamente: s2 obs = s2 med + s2 prod onde: s obs = desvio-padrão observado; s med = desvio-padrão de medição; s prod = desvio-padrão do produto. A variação do produto depende do processo produtivo e o desvio padrão de peça-a-peça pode ser determinado através dos dados do estudo do sistema de medição ou de um estudo independente de capabilidade do processo. Enfim, Sistemas de Medição são utilizados, em contato direto ou não com os controles das maquinas, para monitorar, rastrear, comparar e analisar parâmetros da produção. Isso possibilita também que se descubram oportunidades de melhorias, que mantendo a produção dentro dos limites das especificações, garantindo a eficiência da operação de produção industrial. O monitoramento contínuo do sistema de controle feito através dos sistemas de medição pode gerar uma economia significativa. A habilidade de monitorar inúmeros parâmetros do processo aliado a detecção de problemas pode também diminuir o tempo ocioso dos funcionários provocados por paradas imprevisíveis.
  • 22/10/2010 12 NOÇÕESSOBRE CONFIABILIDADE: A operação prolongada e eficaz dos sistemas produtivos de bens e serviços é uma exigência vital em muitos domínios. Nos serviços, como a Produção, Transporte e Distribuição de Energia, ou no serviço de transportes, as falhas súbitas causadas por fatores aleatórios devem ser entendidas e contrabalançadas se pretende evitar os danos não só econômicos, mas especialmentesociais. Também nas Indústrias, hoje caracterizadas por unidade de grande volume de produção e de alta complexidade, dotadas de sistemas sofisticados de automação, impõe-se, com grande acuidade, a necessidade de conhecer e controlar as possibilidades de falhas, parciais ou globais, que possam comprometer, para lá de certos limites, a missão produtiva. As perdas operativas traduzem-se aqui por elevados prejuízos econômicos para a empresa e parao país. Estas exigências impulsionaram a criação e desenvolvimento de uma nova ciência: A TEORIA DA CONFIABILIDADE. Esta disciplina tem por escopo os métodos, os critérios e as estratégias que devem ser usados nas fases de concepção, projeto, desenvolvimento, operação, manutenção e distribuição de modo a se garantir o máximo de eficiência, segurança, economiae duração. NOÇÕES SOBRE CONFIABILIDADE: Fundamentalmente, a teoria da Confiabilidade tem como objetivos principais: · Estabelecer as leis estatísticas da ocorrência de falhas nos dispositivos e nos sistemas. · Estabelecer os métodos que permitem melhorar os dispositivos e sistemas mediante a introdução de estratégias capazes da alteração de índices quantitativos e qualitativos relativos às falhas. A teoria da Confiabilidade (ou, apenas, Confiabilidade) usa como ferramentas principais: · A Estatística Matemática · A Teoria das Probabilidades · O conhecimento experimental das causas das falhas e dos parâmetros que as caracterizam nos diversos tipos de componentes e sistemas. · As regras e estratégias para melhorar o desempenho dos sistemas de várias naturezas e as técnicas para o desenvolvimentos dos sistemas.
  • 22/10/2010 13 NOÇÕES SOBRE CONFIABILIDADE: Uma das finalidades da Confiabilidade é a elaboração de regras que permitam a concepção de sistemas muito complexos (computadores, redes elétricas, usinas químicas, sistemas de geração elétrica, aviões, naves espaciais, sistema de controle e proteção, etc) capazes de funcionar satisfatoriamente mesmo com a ocorrência de falhas em alguns dos seus componentes mais críticos. Os princípios da Teoria da Redundância nasceram deste problema. Um dos primeiros domínios onde, por força da necessidade foram usados computos estatísticos para a determinação da confiabilidade foi o da Produção e Distribuição de Energia Elétrica. Mas foram, especialmente, o advento dos computadores de altíssima complexidade de circuito e com enorme número de componentes, as missões espaciais e as necessidade militares que forçaram à maturação, em termos mais elaborados, da Teoria da Confiabilidade. Rastreabilidade A rastreabilidade é um conceito que surgiu devido à necessidade de saber em que local é que um produto se encontra na cadeia logistica sendo também muito usado em controle de qualidade. Segundo Dyer (1966) quando citado por Juran este conceito representa a capacidade de traçar o caminho da história, aplicação, uso e localização de uma mercadoria individual ou de um conjunto de características de mercadorias, através da impressão de números de identificação. Ou seja a habilidade de se poder saber através de um códigonuméricoqual a identidadede uma mercadoriae as suas origens. A rastreabilidade é a capacidade de rastrear um elemento do projeto a outros elementos correlatos, especialmente aqueles relacionados a requisitos. Os elementos do projeto envolvidos em rastreabilidade são chamados de itens de rastreabilidade. Os itens típicos de rastreabilidade incluem diferentes tipos de requisitos, elementos de modelo de design e de análise, artefatos de testes (conjuntos de testes, casos de teste, etc.) e material de treinamentoe documentaçãode suporteao usuáriofinal.
  • 22/10/2010 14 Rastreabilidade Para Vinholis; Azevedo (2000), um sistema de rastreabilidade, seja ele informatizado ou não, permite seguir e rastrear informações de diferentes tipos (referente ao processo, produto, pessoal e ou serviço), a jusante e/ou montante de um elo de cadeia ou de um departamento interno de uma empresa. A rastreabilidade permite ter um histórico do produto, sendo que a complexidade do conteúdo deste histórico dependerá do objetivo a ser alcançado. Esse objetivo pode ser influenciado pelas estratégias adotadas e pelo ambienteexterno em que a empresa está inserida. Para Machado (2000) a rastreabilidade também assume importância estratégica para a indústria de alimentos e para o segmento de distribuição, por representar: a) um diferencial de competitividade; b) fortalecer a imagem institucional da empresa; c) auxiliar no posicionamento da marca no mercado; d) estimular a concorrência através da diferenciação da qualidade; e) estreitar a relação com os fornecedores e contribuir para a construção de estratégias competitivas da empresa e, com isso, definir a estrutura de coordenaçãovertical. Rastreabilidade Em âmbito institucional, os sistemas de identificação e rastreabilidade auxiliam na minimização de riscos de contaminação, facilita a localização do foco de problemas, tranqüiliza a população e dá credibilidadeao próprioEstado. Contudo, do ponto de vista operacional, os procedimentos para implantação de um sistema de identificação e rastreabilidade são complexos. Segundo Smith; Phillips (2002), a arquitetura do sistema de identificação e rastreabilidade está diretamente relacionada com a estrutura do sistemade produção,armazenamento,distribuiçãoe comercialização;vistoque é demandado Em um programa de rastreabilidade o fator mais valioso é a informação, que deverá ser agregada aos produtos, seja no lote, no individuo ou em alguma unidade física especifica. É fundamental que o processo de rastreabilidade seja transparente e seja uma filosofia da empresa, cuja adoção não seja vista apenas como uma obrigatoriedade, mas principalmente como uma ferramenta de gestão. Como ressaltam Iba et. al. (2003), a rastreabilidade funciona como um complemento no gerenciamento da qualidade e quando aplicado isoladamente não traduzsegurançaao produto,nem ao processo.
  • 22/10/2010 15 Rastreabilidade Neste sentido, Juran; Gryna (1992) apontam diversas finalidades da rastreabilidade, tais como: assegurar que apenas materiais e componentes de qualidade entrem no produto final, identificar clara e explicitamente produtos que são diferentes, mas que se parecem a pontode serem confundidosentre si, permitir o retornode produtosuspeitonuma base precisa e localizarfalhase tomar medidascorretivasa preço mínimo. Outras finalidade da rastreabilidade: Compreendera origem dos requisitos Gerenciaro escopo do projeto Gerenciarmudançasnos requisitos Avaliaro impactono projetoda mudançaem um requisito Avaliar o impacto da falha de um teste nos requisitos (isto é, se o teste falhar, talvez o requisitonão seja atendido) Verificarse todosos requisitosdo sistemasão desempenhadospela implementação Verificarse o aplicativofaz apenas o que era esperadoque ele fizesse. Rastreabilidade Características: A rastreabilidaderepresentaum elementofundamentaldentrodo conceitoda qualidadetotal. A definiçãode rastreabilidadeé objetiva,porém permite que cada um determine e especifiqueseus própriosmétodose objetivos. É necessárioum profundoenvolvimentopara se balancearos custose os benefíciosobtidoscom o sistemade rastreabilidade. ComoEstabelecer? Em uma visão geral, a rastreabilidadese aplicatantoa serviços,como a produtosespecíficos.
  • 22/10/2010 16 Rastreabilidade A cada estágio de sua transformação, o produto deverá receber uma nova identificação para ser rastreável. Dentro do processo de distribuição, entretanto, esta identificação passo-a-passo não é mais necessária, pois o produto pode ser rastreado através de sua identificaçãooriginal,recebidaduranteo processofabril. A rastreabilidade nos permite retroagir a cada estagio que o produto percorreu durante o seu ciclo de vida. Entretanto, cada pessoa envolvida neste processo deve dispor apenas das informações referentes ao estágio com o qual ela está envolvida, ou seja, de seus fornecedorese clientesdiretos. Assim, não é possível saber sempre e imediatamente onde os produtos se localizam ou reconstruirde imediatotodoo percursodo ciclo deste produto. É imprescindíveldisporde todosos dadospara rastreare reconstruir estas informações Rastreabilidade Qual a utilidade? A proteção ao cliente é uma das pedras fundamentais de nosso sistema econômico. Assim, é evidente que a rastreabilidade pode ser considerada como um método eficiente para a comprovação de que estamos trabalhando conforme as normas. Rastreabilidade como fator de segurança: todo produto defeituoso representa um sério risco e como tanto deve ser imediatamente recolhido (através do já bastante conhecidorecall).Assim,é mandatáriohaver uma identificaçãonos produtos. Rastreabilidade como meio de investigação: um produto que está sendo recolhido passou por uma série de controles, que na verdade deveriam ter detectado o defeito. Assim, devemos seguir o problema para determinar qual a causa do produtonão ter sido rejeitadono processo. Rastreabilidade: um elemento de política industrial: saber o que foi feito e como as coisas são feitas pode ser essencial ao dar andamento a um pedido do cliente. A rastreabilidade leva a um conhecimento mais profundo da capacidade da empresa, fazendo com que os pedidos possam ser atendidos em um prazo mais curto e a um custo mais baixo. A rastreabilidade também pode ser o ponto inicial paraa implantaçãodo controleestatísticode processo(CEP).
  • 22/10/2010 17 Rastreabilidade Recebimento Endereçamento Separação Carregamento Assim que o material entra na empresa tem seu número de lote definido e se controlar endereçamento irá aguardar a definição de onde será armazenado. Rastreabilidade
  • 22/10/2010 18 üALVAREZ, Maria Esmeralda da Ballastero. Gestão da Qualidade, Produção e Operações. . São Paulo: Atlas 2010. üCARPINETTI, Luiz César Ribeiro. GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000: Princípios e Requisitos. São Paulo: Atlas. 2007; üCERQUEIRA NETO, Edgard Pedreira. Gerenciando a qualidade metrológica. Rio de Janeiro. Imagem. 1993; üPALADINI, Edson Pacheco. Gestão da qualidade: Teoria e Pratica. 2ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2004; üTOLEDO, Jose Carlos de. Qualidade Industrial: conceitos, sistemas e estratégias. São Paulo. Atlas 1999; üWAENY, Jose Carlos de Castro. Controle Total da Qualidade em metrologia. São Paulo. Makron. 2002; üVocabulário Internacional de Termos Fundamentais e Gerais de Metrologia (VIM), Referências Bibliográficas