Jornal &Internet

  • 848 views
Uploaded on

Apresentação de trabalho para Feira de Línguas

Apresentação de trabalho para Feira de Línguas

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
848
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
14
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. JORNALLeitura e escrita mediatizada via internet
    Palestrantes
    alunos do 2° período de Letras
  • 2. O processo de comunicação humana
      A necessidade de uma nova forma de comunicação se deu a partir de uma mudança radical no tipo de mensagem a ser transmitida. A tradição oral dava sinais de cansaço e necessitava de um outro tipo de linguagem, para que ficasse registrada à disposição daqueles que necessitassem ler posteriormente o que havia sido dito.
  • 3. A nova técnica deveria ter, pelo menos, três características; durabilidade, profundidade e clareza. Com isso, daria àqueles que a possuíssem a capacidade de ler, reler, meditar e analisar o que fosse produzido e registrado. A partir dessa necessidade, foi criada a escrita.
    No século XV, os indivíduos já se preocupavam em preparar e reproduzir os livros através da técnica de copiar, a mão, os livros já existentes. Com o advento da impressão, no entanto, milhares de livros poderiam ser impressos.
    Modernamente, o homem vive a febre da internet, a rede mundial de computadores que interliga pessoas de todos os continentes. Para tanto, basta que se tenha uma linha telefônica, um computador com fax-modem e um programação de navegação na rede. Vive-se a expectativa da união texto-imagem-som em um aparelho mais sofisticado que o computador, a TV de alta definição (HDTV), que será capaz de inserir o homem moderno na era da telemática através de uma mero aparelho eletrodoméstico.
  • 4. História do Jornal
    A comunicação é uma das maiores necessidades do ser humano. A sabedoria popular do Velho Guerreiro Chacrinha ensina: "Quem não se comunica, se trumbica!". Já sabendo disso, por volta de 4000 a. C., os chineses inventam a escrita. A sua evolução deu origem ao mais antigo veículo de comunicação humana: o jornal impresso. Dessa forma o objetivo do jornal é divulgar notícias e informações para as massas. O mais antigo jornal conhecido é o Acta Diurna que surgiu em Roma cerca de 59 a. C. A invenção da imprensa por Johann Gutenberg em 1447, inaugurou a era do conhecimento moderno o que possibilitou a produção em massa dos jornais. No século XXI diante dos avanços tecnológicos e da popularidade da internet, a informação tornou-se mais instantânea do que nunca e o jornal teve que se adaptar a essa revolução digital.
  • 5. Exemplo das mudanças na elaboração de um jornal na era tecnológica
  • 6. Como usar o jornal na escola?
    Os professores que utilizam os jornais em suas salas de aula buscam tais veículos como recursos didáticos no preparo das suas atividades pedagógicas.
    Com essa didática, o professor seja em qualquer disciplina firma o compromisso de formar leitores, de formar cidadãos. A proposta, então, é a de sempre se PROMOVER A LEITURA do próprio veículo. Caso o professor não o faça, os alunos poderão estar tomando as notícias como verdade absoluta, sem criarem em si próprios a capacidade de análise crítica.
  • 7. Benefícios do jornal em sala de aula
    São inúmeras as possibilidades que se abrem com o uso do Jornal e que podem justificar o seu uso na Escola, seja em suas salas de aula, seja em suas salas de leitura ou bibliotecas:
    * A formação de leitores. O Jornal, dos mais aos menos conservadores, forma opinião de seus leitores. Propiciar aos alunos a realização de uma leitura crítica de seu conteúdo e forma é uma condição para inseri-los numa cidadania consciente.
    * O aprendizado informal da Língua em suas diversas nuances. O Jornal permite o manuseio da língua materna de forma viva e atual.
  • 8. * O inventário da realidade. O Jornal facilita, pelas notícias que expõe em suas páginas, o inventário de questões do cotidiano, indispensáveis para um currículo centrado na vida do aluno e no mundo do trabalho.
    * O estímulo à cidadania. O Jornal, por sua atualidade, é um precioso recurso didático, podendo ser aproveitado pelas diversas disciplinas que integram o currículo para vincular o cotidiano escolar ao cotidiano social.
    * A possibilidade da articulação entre as disciplinas O Jornal, pelo caráter amplo de suas notícias, pode prestar-se, de maneira bastante significativa, para um trabalho multidisciplinar.
    * A abertura a outras leituras. O Jornal pode aproximar os alunos de outras leituras, o que se constitui num enriquecimento que amplia, por certo, os horizontes da cidadania.
    * O contato com a Cultura e a Arte – o acesso às informações sobre os bens culturais que são notícia estampam-se nas páginas dos cadernos culturais dos jornais.
  • 9. O jornal como meio de comunicação de massa
    Meios de comunicação de massa ou mídias são os meios ou canais de comunicação usados na transmissão de mensagens a um grande número de receptores. Nas relações sociais de comunicação (dia a dia ), os meios de comunicação de massa mais comum são os jornais/as revistas, o rádio, a televisão e, o mais recente, a Internet.
    O jornal foi o primeiro meio de comunicação de massa criado pelo homem: originário dos documentos informativos dos navegadores do século XVI, esse meio originalmente impresso tomou a forma que tem hoje em 1836, na França.
  • 10. O jornal, hoje, também tem a forma falada (imprensa falada), no rádio, e a forma televisiva (imprensa televisada). Veracidade, imparcialidade, objetividade e credibilidade são as qualidades que garantes o sucesso de um jornal. A base do jornalismo é a notícia, seu objeto e seu fim (o resto é secundário). A função principal da linguagem nesse meio de comunicação é a referencial ou informativa. Para que o receptor tenha acesso à mensagem veiculada por esse meio, é preciso que ele saiba ler e escrever, ou seja, pertencer a uma parcela privilegiada da sociedade (elite).
  • 11. O JORNALISMO ANUNCIA OU ENUNCIA?
    No processo social da linguagem, a enunciação é, para Bakhtin, “a unidade real da cadeia verbal que está em constante evolução, já que as relações sociais estão também sempre em evolução. A enunciação como um todo se realiza no discurso como atividade de linguagem ininterrupta, que atende aos objetivos sociais de comunicação.”
  • 12. Nesta perspectiva, o jornalismo se apresenta como produtor e reprodutor de enunciados através do discurso noticioso, que utiliza fragmentos da realidade, seja para a transmissão de cultura, seja para influir ideologicamente na formação de opinião pública.
    O jornalismo fala ao mundo, fala do mundo e fala no mundo. E, nesse falar, utiliza-se da teoria da enunciação e da polifonia na tentativa de apagar as marcas de subjetividade presentes em quaisquer discursos.
    No jornal, os enunciados misturam-se em diferentes contextos: violência e acidentes com a moda da estação e a nova estrela da novela; os escândalos da política com os dos astros do futebol; as crises econômicas com o gosto cultural popular; a fome com a vida das socialites.
    Assim, simbolicamente, o jornal é uma arena onde se confrontam os valores sociais, e onde cada leitor tem um entender a partir de seu próprio contexto.
  • 13. A QUESTÃO DO SUJEITO NO ENUNCIADO JORNALÍSTICO
    Como todo discurso, o jornalístico é composto de uma pluralidade de enunciados marcados por diferentes formações. O enunciado jornalístico, como qualquer outro, é constituído pelos aparelhos formais de enunciação descritos por Benveniste. Esses aparelhos, também chamados de categorias da enunciação, são: o sujeito, o tempo e o espaço/lugar.
  • 14. Assim, Benveniste afirma que é “na e pela linguagem que o homem se constitui como sujeito”.
    O discurso jornalístico pode ser tratado através do conceito de enunciação descrito por Benveniste, como uma relação do locutor com a língua, em determinado tempo e lugar. Ele trata a questão do sujeito, construindo um conceito de ordem semântica. Para ele, a enunciação é uma relação do sujeito com a língua, que dela se apropria e a põe em funcionamento.
    O jornal é, assim, um mero transmissor de enunciados. Não que ele não produza os dele, já que o jornal interpreta o discurso de origem, produzindo novos enunciados. Porém, ao interpretar, apaga as marcas da fala de sua fonte para traçar a sua própria fala. Podemos dizer que os enunciados do jornal são justapostos por outros enunciados de diferentes fontes.
  • 15. Conclusão
    Os conceitos de navegabilidade e usabilidade, surgidos no contexto da informática, hoje podem ser empregada em diversas áreas do conhecimento humano, porque o acelerado ritmo de vida
  • 16. e a valorização da informática fazem da sociedade contemporânea, essencialmente, comunicacional e global.
    As mídias tradicionais, como televisão, rádio e jornal impresso, não cruzaram os braços diante de um novo meio como a internet, que alterou até mesmo o modelo de comunicação de massa vigente (informação produzida por um meio para muitos consumidores.
    O público de leitores ou espectadores são ao mesmo tempo receptores e produtores de conteúdo, já que procuram a notícia que lhes interessa e da maneira que lhes é mais adequada.
    Assim, dentro do processo comunicativo, o jornal é encarado como um a mídia que se adaptou e reinterpretou a sociedade contemporânea, e por isso deve ser estudado de forma integrada no processo de ensino-aprendizagem, independente da disciplina.