81m rebecca e yasmin

  • 1,114 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,114
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Compostos Orgânicos Dupla: Rebecca e Yasmin
  • 2. Carboidratos
    • Os Carboidratos, também são chamados de glicídios.Eles estão divididos em:
    • Monossacarídeos:são açúcares simples e os principais divisões são a Pentose que há a ribose e desoxirribose contidos no DNA e RNA e as hexoses que são frutose,glicose,e galactose.
    • Dissacarídeos:são formados por dois monossacarídeos a sacarose= a glicose+frutose.E a lactose= glicose +galactose.
    • Polissacarídeos:estruturais:celulose e quitina; e energéticos:amido e glicogênio
  • 3. Lipídios
    • Sao substancias fisicamente caracterizadas pela insolubilidade em agua e solubilidade em sorventes organicos.
    • Glicerídeos
    • Constituem os óleos e as gorduras, que diferem entre si quanto ao ponto de fusão. À temperatura ambiente, os óleos são líquidos, pois um ou mais dos ácidos graxos tem cadeia insaturada. E as gorduras são sólidas pelo fato dos ácidos graxos serem todos de cadeia saturada. Os glicerídeos possuem elevados teores energéticos e são os principais componentes lipídicos da dieta humana.
    • Em mamíferos que vivem em regiões polares, como a baleia, a gordura forma uma espessa camada subcutânea ou "colchão adiposo", que envolve o corpo e permite o isolamento térmico do animal em relação ao ambiente frio. As moléculas dos glicerídeos podem ter um, dois ou três ácidos graxos associados ao glicerol, um álcool conhecido como glicerina. Ácidos graxos são compostos de longas cadeias carbónicas, saturadas ou não, que formam os ésteres das gorduras e dos óleos.
    • Cerídios
    • São formados pela união de álcool a uma ou mais moléculas de ácidos graxos. Compreende as ceras animais e vegetais, sendo mais frequente no reino vegetal. Embora tenha valor económico, não têm a mesma importância que as gorduras e óleos. As ceras de carnaúba e de babaçu, por exemplo, constituem bases alternativas para geração de energia. São encontrados também na secreção de alguns insectos, como a cera das abelhas.
    • Carotenóides
    • São pigmentos lipídicos amarelos, vermelhos e laranjas, insolúveis em água e solúveis em óleos e solventes orgânicos. Estão presentes nas células de todas as plantas, nas quais desempenham papel importante no processo de fotossíntese.Os carotenóides são importantes também para os animais. Por exemplo, a molécula de caroteno de um carotenóide alaranjado presente na cenoura e em outros vegetais, é matéria-prima para a produção da vitamina A, essencial a muitos animais. Essa vitamina é importante, por exemplo, para nossa visão, pois é precursora do retinal, uma substância sensível à luz presente na retina dos olhos dos vertebrados.
    • Fosfolipídios
    • Formam a camada dupla da membrana celular. A molécula do fosfolipídio solubiliza-se, ao mesmo tempo, com a água e com os lipídios. Isso é possível porque possui uma porção hidrófila (afeição a água), o fosfato, e uma porção hidrófoba (aversão a água) constituída pelas cadeias lipídicas. Os principais exemplos de fosfolipídios são a lecitina e a cefalina.
    • Esteróides
    • São diferentes dos demais lipídios por apresentarem uma cadeia circular formando anéis. Pertencem a esse grupo as hormanas sexuais testosterona e progesterona. E algumas hormonas supra-renais: aldosterona e cortisol. Todos são semelhantes sob o aspecto constitucional ao colesterol, do qual derivam.
    • O colesterol é sintetizado exclusivamente em células animais; nas plantas é substituído pelo fito esterol. Uma parcela do colesterol precisa ser obtida pela dieta e a outra é fabricada pelo corpo, principalmente no fígado, que o reúne com triglicerídeos e proteínas para formar os corpúsculos de HDL (lipoproteína de alta densidade) e LDL (lipoproteína de baixa densidade). Denominados também de “colesterol bom” e “colesterol ruim” respectivamente.
    • Grande parte do colesterol é transportada no sangue sob o formato de LDL. Uma parte dele é metabolizada no fígado e a outra serve para síntese de membranas celulares. No entanto, quando há excesso, o LDL acumula-se nas paredes das artérias, causando a aterosclerose. Por isso o LDL é chamado de "mau colesterol“.
    • Em contrapartida, o HDL tende a retirar o colesterol das artérias, levando-o ao fígado, onde se converte em bile. Há estudos direccionados na comprovação de que o HDL também remove o colesterol das placas ateroscleróticas já existentes, diminuindo a velocidade de sua formação. Fazendo com que taxas maiores de HDL afastariam os riscos de problemas cardíacos, justificando-se o nome de "bom colesterol".
    • As taxas de colesterol e de triglicerídeos variam com a idade; por isso, é aceitável um suave aumento de ambas quando se envelhece.
  • 4. Proteínas e Enzimas
    •   As Proteínas são compostos orgânicos de estrutura complexa e massa molecular elevada sintetizadas pelos organismos vivos através da condensação de um grande número de moléculas de alfa- aminoácidos , através de ligações denominadas ligações peptídicas . Uma proteína é um conjunto de 80 aminoácidos, sendo os conjuntos menores denominados Polipeptídeos . Em comparação, designa-se Prótido qualquer composto nitrogenado que contém aminoácidos, peptídios e proteínas .Uma grande parte das proteínas são completamente sintetizadas no citosol das células pela tradução do RNA enquanto as proteínas destinadas à membrana citoplasmática, lisossomas e as proteínas de secreção possuem um sinal que é reconhecido pela membrana do retículo endoplasmático onde terminam sua síntese. As proteínas são os componentes químicos mais importantes do ponto de vista estrutural.
    •   As enzimas são proteínas, que catalisam reações biológicas pouco espontâneas e muito lentas. O poder catalítico de uma enzima relaciona a velocidade das reações com a energia despendida para que elas aconteçam. Assim, na presença de uma enzima catalisadora, a velocidade da reação é mais rápida e a energia utilizada é menor. Por esse motivo as enzimas praticamente regem todo o funcionamento celular interno, favorecendo o metabolismo anabólico e catabólico, bem como externo, através de sinalizadores catalíticos estimulantes ou inibitórios atuantes em outras células. Existem no organismo diferentes tipos enzimáticos, reguladores das diversas vias metabólicas, se estendendo por todo o corpo humano, no entanto em pequenas quantidades. A grande especificidade de uma enzima é determinada pelo tamanho e forma tridimensional, formando regiões de afinidade com os reagentes .A essa complementaridade, denominamos combinação chave-fechadura. Alguns fatores influenciam na atividade catalítica das enzimas, tais como: concentração enzimática, concentração do substrato, Potencial Hidrogeniônico (pH) e temperatura. Levando-se em conta a concentração das moléculas de enzimas, quanto maior o seu teor, maior será a velocidade da reação, seguindo proporcionalmente a quantidade suficiente de substratos para reagir com as enzimas. Conforme a demanda no consumo de reagentes vai ocorrendo, a velocidade da reação decai gradativamente. Quando aumentamos a concentração do substrato, a velocidade tende a um limite determinante de acordo com a quantidade de enzimas no sistema. A partir desse ponto nenhuma influência terá o substrato sobre a velocidade, pois todas as enzimas já se encontraram ocupadas. Cada enzima também possui um pH ótimo para desempenhar suas funções, seja no estômago, no caso das pepsinas em pH ácido, ou em qualquer outro órgão ou tecido, na boca ou na corrente sanguínea, cada uma em seu local de atuação requerem de condições favoráveis para potencializar sua atuação. Para otimização das reações biológicas, mediadas por catalisadores, é necessário uma temperatura adequada que varia de acordo com o tipo de enzima. Baixas temperaturas podem causar inativação e altas temperaturas podem causar desnaturação enzimática. Portanto, as enzimas são muito sensíveis, daí entendemos a preocupação materna quando uma criança encontra-se febril. A vida tem seu perfeito funcionamento, condicionado à minuciosa atividade enzimática.
  • 5. Ácidos Nucléicos
    • Ácido nucleico é um tipo de composto químico, de elevada massa molecular , que possui ácido fosfórico , açúcares e bases purínicas e pirimidínicas . São portanto macromoléculas formadas por nucleotídeos .
    • Ocorrem em todas as células vivas e são responsáveis pelo armazenamento e transmissão da informação genética e por sua tradução que é expressa pela síntese precisa das proteínas .
    • Os ácidos nucleicos são as biomoléculas mais importantes do controle celular, pois contêm a informação genética.
    • Existem dois tipos de ácidos nucleicos: ácido desoxirribonucleico - DNA e ácido ribonucleico - RNA .
    • Utilizando técnicas apropriadas, foi possível isolar os ácidos nucleicos e identificar os seus constituintes.
    • Nos ácidos nucleicos podem identificar-se três constituintes fundamentais:
    • Ácido fosfórico - confere aos ácidos nucleicos as suas características ácidas. Faz as ligações entre nucleotídeos de uma mesma cadeia. Está presente no DNA e no RNA.
    • Pentoses - como o próprio nome descreve, é um açúcar formado por cinco carbonos. Ocorrem dois tipos: a desoxirribose e a ribose .
    • Base nitrogenada - há cinco bases azotadas diferentes, divididas em dois grupos:
      • Bases de anel duplo (puricas)- adenina (A) e guanina (G);
      • Bases de anel simples (pirimidicas)- timina (T), citosina (C) e uracila (U).