• Save
Indicadores de Qualidade, a Segurança do Doente na UCI
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Indicadores de Qualidade, a Segurança do Doente na UCI

on

  • 3,028 views

XIV Congresso Nacional de Medicina Intensiva - SPCI, Lagos, 22 de Maio de 2011

XIV Congresso Nacional de Medicina Intensiva - SPCI, Lagos, 22 de Maio de 2011

Statistics

Views

Total Views
3,028
Views on SlideShare
3,026
Embed Views
2

Actions

Likes
4
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 2

http://www.linkedin.com 2

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment
  • subjetividade
  • subjetividade

Indicadores de Qualidade, a Segurança do Doente na UCI Indicadores de Qualidade, a Segurança do Doente na UCI Presentation Transcript

  • monitorização do risco Abílio Cardoso Teixeira | Mestrando Ciências Enfermagem: ICBAS – UP (www.ic bas.up.pt)| Enfermeiro: SCI1 (www.sci.com.pt), CHP – HSA (www.hgsa.pt) [email_address] | facebook.com/abilio.cardosoteixeira | pt.linkedin.com/in/abiliocardosoteixeira | slideshare: abiliocardosoteixeira XIV congresso da spci | lagos | 22 maio 2011
  •  
    • objetividade… subjetiva.
    Abílio Cardoso Teixeira | Mestrando Ciências Enfermagem: ICBAS – UP (www.ic bas.up.pt)| Enfermeiro: SCI1 (www.sci.com.pt), CHP – HSA (www.hgsa.pt) [email_address] | facebook.com/abilio.cardosoteixeira | http://pt.linkedin.com/in/abiliocardosoteixeira | slideshare: abiliocardosoteixeira
    • propriedade ou condição natural de uma pessoa ou coisa que a distingue das outras; atributo; característica; predicado
    • (Infopédia – Enciclopédia e Dicionários da Porto Editora)
    • A philosophy of continuous improvement of the processes associated with providing a good or service that meets or exceeds customer expectations . This is accomplished by involving a broad array of organizational members , who are trained in basic statistical techniques and tools and are empowered to make decisions based on their analysis of the data . QI differs from traditional quality assurance methods primarily in its emphasis on understanding and improving the underlying work processes and systems in order to add value rather than on correction of individuals’ mistakes after the fact.
    • (Shortell et al., 1998 cit. Alexander et al., 2006: 1003)
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    • Qualquer empresa para ser bem sucedida tem que primar pela qualidade …
    • Deverá ser orientada para a razão da sua existência: o Cliente e para a satisfação das suas necessidades.
    • Um pobre alfaiate na Babilónia compra o livro, que descobre ser o “Segredo do Tesouro de Bresa”.
    • Para decifrar as primeiras páginas, teve que aprender as línguas de vários povos… Passa a ser o intérprete do rei.
    • Por encontrar vários calculos, números e figuras, estudou matemática. Construindo assim uma ponte sobre o Rio Eufrates, foi promovido.
    • Estudou as leis e princípios religiosos de seu país, sendo nomeado primeiro-ministro do mesmo. Graças ao seu trabalho o reino progrediu.
    • Certa vez, teve a oportunidade de questionar um venerando sacerdote a respeito daquele mistério, que sorrindo esclareceu:
    • "O tesouro de Bresa já está em vosso poder, pois graças ao livro você adquiriu grande saber, que lhe proporcionou os invejáveis bens que possui. Afinal, Bresa significa saber e Harbatol quer dizer trabalho."
    • Com estudo e trabalho pode o homem conquistar tesouros maiores do que os que se ocultam no seio da terra.
    • Senso comum: avaliar para melhorar!
    • Assim, torna-se importante medir a qualidade dos cuidados de saúde…
    • Tratamentos/ Cuidados de saúde: troca!
    • Se não se medir a qualidade, como podemos estar confiantes de que nossos serviços têm, na verdade, um nível aceitável de qualidade?
    • Sem uma base de medida, como podemos ter a certeza que os esforços para melhorar os cuidados, realmente tiveram efeito?
    • E como os clientes podem ter a certeza de que irão receber o melhor cuidado possível?
        • (Hensher & Keogh, 2009)
    • In the future patients and referring physicians will, more and more, choose the most suitable hospital for treatment, on the basis of quality indicator benchmarks . Changing values in society have led to a decline in public confidence in the reliability of medical care. In the year 2004 political decisions put responsibility for external quality assurance in the hands of the German National Institute for Quality Control in Health Care (Bundesgeschaftsstelle Qualitatssicherung (BQS)). A current proposal by the scientific working group Intensive Care Medicine (WAKIM) of the DGAI would lead, via benchmarking of intensive care medicine, to a certification of intensive care units, and thus further expand quality assurance in intensive care medicine. (Bause et al., 2007)
  •  
    • As many as one-fourth of hospital deaths might be preventable ; nearly 180,000 people die each year partly as a result of iatrogenic conditions. Moreover, as much as one-third of some hospital procedures expose patients to risks without improving their health ; one-third of drugs prescribed are not indicated ; and one-third of laboratory tests showing abnormal results do not get followed up by clinicians (Dubois and Brook 1988; Brook et al. 1990; Leape 1994; Institute of Medicine 2000).
    • (Weiner et al., 2006: 307-8)
    • As many as one-fourth of hospital deaths might be preventable; nearly 180,000 people die each year partly as a result of iatrogenic conditions. Moreover, as much as one-third of some hospital procedures expose patients to risks without improving their health; one-third of drugs prescribed are not indicated; and one-third of laboratory tests showing abnormal results do not get followed up by clinicians (Dubois and Brook 1988; Brook et al. 1990; Leape 1994; Institute of Medicine 2000).
    • (Weiner et al., 2006: 307-8)
    • Com a implentação da Melhoria da Qualidade: os hospitais melhoram o seu desempenho financeiro e custos.
    • (Alexander et al., 2006: 1022)
    • Se as organizações de saúde pretende oferecer cuidados oportunos, eficazes, centrados no cliente, eficiente, equitativo e seguro, é essencial que meçam a qualidade do atendimento oferecido, com ferramentas confiáveis ​​e válidas.
    • (Stelfox, 2011: 853)
    • A Qualidade é um assunto de assumida importância no setor da saúde.
    • (Chiu et al., 2007)
    • healthcare is a complex system , and that professional knowledge alone is not enough to change the system when needed. Improvement knowledge is based on the theory that both the different elements (units, microsystems and individuals) in a system and their interactions constitute the system. To improve a system, we need to understand the context and pattern of the interactions (Brandud et al., 2011)
    • Internal quality management is an important task for the entire interdisciplinary and interprofessional team in the intensive care unit. (Martin et al., 2007)
  • (Weiner et al., 2006)
  • Qualidade pode ser avaliada com base em: (Brook et al., 1996) Só considerado válido se for possível demonstrar resultado positivo
  •  
    • Indicadores de qualidade são sistemas de controlo no contexto da gestão da qualidade médica, servindo para melhorar a qualidade e são uma ferramenta para mapeamento ou para avaliar ações diárias. Eles não são um fim em si. Os indicadores devem ter aceites por todos os membros da equipa da UCI e a sua medição deve ser objetiva.
    • (Braun et al., 2010: 2)
    • Indicadores de qualidade são sistemas de controlo no contexto da gestão da qualidade médica, servindo para melhorar a qualidade e são uma ferramenta para mapeamento ou para avaliar ações diárias . Eles não são um fim em si . Os indicadores devem ter aceites por todos os membros da equipa da UCI e a sua medição deve ser objetiva.
    • (Braun et al., 2010: 2)
    • (Braun et al., 2010: 2)
    • ( Deming & Shewart cit. Braun et al., 2010)
    • IQ’s em UCI têm-se desenvolvido em vários países de uma forma estruturada, com base na melhor evidência e com o objetivo de melhorar o prognóstico dos clientes em UCI.
    • O número de indicadores deve ser flexível e prático.
    • (Braun et al., 2010: 7)
  •  
  • o que medir? que dados? porquê medir? como medir? que dados obteremos? registar? extensão?
  • índice de carga de trabalho Justificação: ferramenta de gestão e administração Avaliação: auditoria; documentação
  • modificações positivas no estado dos diagnósticos de enfermagem (reais) Justificação: ganhos em saúde Avaliação: documentação
  • satisfação do cliente com os cuidados Justificação: ganhos em saúde Avaliação: escala validada
  • cabeceira a cama a 30º Justificação: redução da PAV Avaliação: auditoria; documentação
  • monitorizar sedação, analgesia e delírio Justificação: s edação e analgesia inapropriadas, assim como delírio não tratado poderão resultar no aumento do tempo de VM Avaliação: documentação
  • desmame ventilatório Justificação: promover períodos de ventilação espontânea mostra-se importante na redução do tempo de VM Avaliação: documentação
  • re-entubação traqueal Justificação: a necessidade de re-entubação prolonga o tempo de internamento, aumentando custos. Avaliação: documentação
  • inicio precoce do suporte nutricional (NE) Justificação: redução de complicações infecciosas e mortalidade, quando iniciada nas primeiras 48 horas. Avaliação: documentação
  • aspiração bronquica Justificação: o aparecimento de infeções aumenta os custos, tempo de internamento, morbilidade e mortalidade. Avaliação: documentação
  • ulceras de pressão Justificação: diminuição da qualidade de vida do cliente; aumento dos custos Avaliação: documentação !
  • infeção associada a dispositivos Justificação: aumento dos custos, aumento do tempo de internamento e aumento da morbilidade e mortalidade Avaliação: infeção por dispositivo (PAV, CVC, SV, …); auditoria/ CCI/ documentação
  • hipotermia terapêutica após pcr Justificação: após PCR por fibrilação ventricular ou taquicardia ventricular, é demonstrado melhor prognóstico neurológico, reduzindo a mortalidade. Avaliação: documentação; temp. 32-34ºC; auditoria
  • sono Justificação: distúrbios do sono (quantidade e qualidade) afetam negativamente o cliente: atraso na cicatrização, aumento da susceptibilidade à infeção; delírio, agitação e fadiga; aumento do tempo de VM. Avaliação: uso de escalas validadas para monitorizar o sono; documentação
  •  
    • Os enfermeiros desempenham um papel central na assistência direta ao cliente e vigilância da segurança (Page, 2004 cit. Savitz, Jones & Bernard. 2005)
    • Para apoiar a adopção e institucionalização de um conjunto de indicadores de segurança do cliente, o foco é na necessidade da pesquisa que analisa a sensibilidade dos indicadores disponíveis e baseados em evidência (resultados) influenciados pelo Enfermeiro ( Needlman et al., 2002 cit. Savitz, Jones & Bernard. 2005 )
    • Pesquisa na MEDLINE, com recurso aos descritores: Nurse sensitive AND indicators (n=30); Indicators AND American Nursing Association (n=39); Nurse staffing AND adverse events OR medical errors (n=11).
    • Entende-se por resumo mínimo de dados de enfermagem “(...) o conjunto mínimo de itens de informação referente a dimensões específicas da enfermagem , com categorias e definições uniformes , que vai ao encontro das necessidades de informação dos múltiplos utilizadores dos dados no sistema de saúde ” (Werley et al., 1991 cit. OE, 2007)
    Leitura obrigatória!
  •  
  •  
    • 1) Os resumos mínimos de enfermagem deverão ser alimentados a partir da documentação diária, regular e sistemática dos cuidados de enfermagem; o que obriga à sua incorporação nos conteúdos em uso nos SIE.
    • 2) O painel de indicadores de enfermagem que se propõe corresponde a um produto do RMDE.
    • 3) No caso dos hospitais, os indicadores deverão ser calculados por episódio de internamento . (…) Deverão, além disto, fundamentar-se nas relações entre a primeira e a última opinião clínica (juízo) respeitante ao intervalo estipulado, não traduzindo, por isso, as variações intercalares.
    • 4) Os requisitos básicos de comparabilidade da informação assentam em três elementos: a) partilha da mesma linguagem classificada de enfermagem , utilizada na composição dos elementos clínicos do RMDE; b) partilha dos mesmos enunciados que descrevem os diagnósticos, intervenções e resultados de enfermagem que integram o RMDE; c) partilha do mesmo modelo de leitura do material e fórmulas de cálculo dos indicadores .
    • 5) Para efeitos de protecção dos dados pessoais dos cidadãos, o material que resulta do RMDE deve ser centralizado nos serviços do MS . Este deverá ainda incorporar instrumentos de recodificação dos dados , que não permitam a posterior relação dos dados com a respectiva origem (nominal).
    • 6) Os dados deverão ser agregados dando conta do nível mais atómico (serviços hospitalares, centros de saúde, unidades de saúde familiar, cuidados continuados etc.), até à escala nacional.
    • 7) Além dos indicadores constantes deste documento, poder-se-ão considerar outros de natureza ou de tipologia distintas, para utilização em qualquer ponto do continuum de cuidados ou da escala de agregação (local, regional, nacional ou internacional).
  •  
    • controlar, supervisionar
    • acompanhar e avaliar
    • decisão, ato ou resposta incorreta
    • crença ou opinião que não corresponde à verdade
    • ilusão
    • juízo falso
    • engano
    • falta; culpa
    • doutrina falsa
    • MATEMÁTICA valor absoluto da diferença (desvio) entre o valor exato e o valor calculado ou registado por observação
    • verbo transitivo
    • determinar a valia ou o valor de
    • apreciar o merecimento de
    • reconhecer a grandeza, força ou intensidade de
    • calcular; orçar; computar
    • verbo pronominal
    • julgar-se; apreciar-se
    • reputar-se
    • decisão, ato ou resposta incorreta
    • crença ou opinião que não corresponde à verdade
    • ilusão
    • juízo falso
    • engano
    • falta; culpa
    • doutrina falsa
    • MATEMÁTICA valor absoluto da diferença (desvio) entre o valor exato e o valor calculado ou registado por observação
    • verbo transitivo
    • exercer vigilância sobre
    • espiar; espreitar
    • observar atentamente
    • examinar; fiscalizar; verificar
    • Guardar
    • verbo pronominal
    • acautelar-se; precaver-se
    • decisão, ato ou resposta incorreta
    • crença ou opinião que não corresponde à verdade
    • ilusão
    • juízo falso
    • engano
    • falta; culpa
    • doutrina falsa
    • MATEMÁTICA valor absoluto da diferença (desvio) entre o valor exato e o valor calculado ou registado por observação
    • controlar, supervisionar
    • acompanhar e avaliar
    • decisão, ato ou resposta incorreta
    • crença ou opinião que não corresponde à verdade
    • ilusão
    • juízo falso
    • engano
    • falta; culpa
    • doutrina falsa
    • MATEMÁTICA valor absoluto da diferença (desvio) entre o valor exato e o valor calculado ou registado por observação
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    • at least 44,000 people, and perhaps as many as 98,000 people, die in hospitals each year as a result of medical errors that could have been prevented
    • (Institute of Medicine, 1996)
    • They have been estimated to result in total costs (including the expense of additional care necessitated by the errors, lost income and household productivity, and disability) of between $17 billion and $29 billion per year in hospitals nationwide.
    • Errors also are costly in terms of loss of trust in the health care system by patients and diminished satisfaction by both patients and health professionals.
    • (Institute of Medicine, 1996)
    • The median length of ICU stay by the 1,024 patients was 1.9 days. Of the 777 critical incidents reported 2% were due to technical failure and 67 % to secondary to underlying disease. There were 241 human errors (31%) in 161 patients, evenly distributed among planning (n = 75), execution (n = 88), and surveillance (n = 78). One error was lethal , two led to sequelae , 26 % prolonged ICU stay, and 57 % were minor and 16 % without consequence. Errors with significant consequences were related mainly to planning. Human errors prolonged ICU stay by 425 patient-days , amounting to 15 % of ICU time. (Bracco et al., 2001)
  •  
    • (Leape et al., 1993 cit. Institute of Medicine, 1996)
  •  
    • divisão da equipa por “órgãos de responsabilidade”
    • deteção de lacunas/ erros, arranjando alternativas de os suprir.
    • planos formativos, indo de encontro às necessidades encontradas.
    • formação deverá pressupor: multidisciplinaridade e realização em contexto prático (treino?)
    • departamento de gestão de risco e qualidade
    • notificação de todos os eventos capazes de afetar negativamente o cliente/ profissional e/ou instuição e seus processos.
    • equipa
    • desmistificação do conceito “monitorização do erro”.
    • assumir o erro como fator de crescimento.
    • abertura para falar sobre “O” erro.
    • Mentalidades…
    • Implicação de toda a equipa
    • Comprometimento da instituição
    • Planos de formação adequados
    • Educação; Simulação/ Treino
    • Revisão dos processos de comunicação/ transmissão de informação
    • Utilização de linguagem científica
    • Reuniões (formais/ informais) de troca de experiências
    • Prática baseada na evidencia
  •  
  •  
  •  
  •  
    • Alexander, J. a, Weiner, B. J., & Griffith, J. (2006). Quality improvement and hospital financial performance. Journal of Organizational Behavior , 27 (7), 1003-1029. doi: 10.1002/job.401.
    • Baker, G. R., Norton, P. G., Flintoft, V., Blais, R., Brown, A., Cox, J., et al. (2004). The Canadian Adverse Events Study: the incidence of adverse events among hospital patients in Canada. CMAJ : Canadian Medical Association journal = journal de lʼAssociation medicale canadienne , 170 (11), 1678-86.
    • Bracco, D., Favre, J.-B., Bissonnette, B., Wasserfallen, J.-B., Revelly, J.-P., Ravussin, P., et al. (2001). Human errors in a multidisciplinary intensive care unit: a 1-year prospective study. Intensive Care Medicine , 27 (1), 137-145. doi: 10.1007/s001340000751.
    • Brandrud, A. S., Schreiner, A., Hjortdahl, P., Helljesen, G. S., Nyen, B., & Nelson, E. C. (2011). Three success factors for continual improvement in healthcare: an analysis of the reports of improvement team members. Quality & safety in health care , (January), 1-10. doi: 10.1136/bmjqs.2009.038604.
    • Braun, J.-peter, & Bause, H. (2010). Quality indicators in intensive care medicine : why ? Use or burden for the intensivist Quality indicators in medicine : the. Quality , 8 .
    • Carman, J. M., Shortell, S. M., Foster, R. W., Hughes, E. F. X., Boerstler, H., Oʼ Brien, J. L., et al. (2010). Keys for successful implementation of total quality management in hospitals. Health care management review , 35 (4), 283-93. doi: 10.1097/HMR.0b013e3181f5fc4a.
    • Clarke, E. B., Curtis, J. R., Luce, J. M., Levy, M., Danis, M., Nelson, J., et al. (2003). Quality indicators for end-of-life care in the intensive care unit. Critical care medicine , 31 (9), 2255-62. doi: 10.1097/01.CCM.0000084849.96385.85.
    • Cuschieri, A. (2006). Nature of human error: implications for surgical practice. Annals of surgery , 244 (5), 642-8. doi: 10.1097/01.sla.0000243601.36582.18.
    • Griffin, F. a, & Classen, D. C. (2008). Detection of adverse events in surgical patients using the Trigger Tool approach. Quality & safety in health care , 17 (4), 253-8. doi: 10.1136/qshc.2007.025080.
    • Helmreich, R. L. (2000). On error management: lessons from aviation. BMJ (Clinical research ed.) , 320 (7237), 781-5.
    • Kim, S., Brock, D., Prouty, C. D., Odegard, P. S., Shannon, S. E., Robins, L., et al. (2011). A web-based team-oriented medical error communication assessment tool: development, preliminary reliability, validity, and user ratings. Teaching and learning in medicine , 23 (1), 68-77. doi: 10.1080/10401334.2011.536896
    • Kohlbrenner, J., Whitelaw, G., & Cannaday, D. (2011). Nurses critical to quality, safety, and now financial performance. The Journal of nursing administration , 41 (3), 122-8. doi: 10.1097/NNA.0b013e31820c71f9.
    • Kutschmann, M.; Renner, D.; Fischer, B. (2010). Use of Logistic Regression for Developing Risk-adjusted Quality Indicators in Nursing. Methods of Information in Medicine. (Vol. 49): Issue 6 2010. 608-612
    • Martin, M. (2008). Indicadores de calidad en el enfermo crítico. Medicina Intensiva , 32 (1), 23-32. doi: 10.1016/S0210-5691(08)70899-4.
    • Ordem dos Enfermeiros (2007). Sistema de Informação de Enfermagem (SIE) Resumo Mínimo de Dados e Core de Indicadores de Enfermagem para o Repositório Central de Dados da Saúde.
    • Osmon, S., Harris, C. B., Dunagan, W. C., Prentice, D., Fraser, V. J., & Kollef, M. H. (2004). Reporting of medical errors: An intensive care unit experience. Critical Care Medicine , 32 (3), 727-733. doi: 10.1097/01.CCM.0000114822.36890.7C.
    • Stelfox, H. T., Straus, S. E., Nathens, A., & Bobranska-Artiuch, B. (2011). Evidence for quality indicators to evaluate adult trauma care: A systematic review. Critical care medicine , 39 (4). doi: 10.1097/CCM.0b013e31820a859a.
    • Weiner, B. J., Alexander, J. a, Shortell, S. M., Baker, L. C., Becker, M., & Geppert, J. J. (2006). Quality improvement implementation and hospital performance on quality indicators. Health services research , 41 (2), 307-34. doi: 10.1111/j.1475-6773.2005.00483.x.