Autonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetiva

677 views

Published on

Apresentação no I Congresso Internacional de Cuidados Intensivos e Unidades Intermédias Médicas do Centro Hospitalar do Porto

Published in: Health & Medicine
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
677
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • No entanto mantém-se o baixo status da Enfermagem (como profissão essencialmente feminina)
  • Autonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetiva

    1. 1. AUTONOMIA DO ENFERMEIRO EM UCI: A MINHA PERSPET Abílio Cardoso Teixeira Mestre Ciências da Enfermagem | Vogal de Enfermagem da APNEP | Enfermeiro no Serviço de Cuidados Intensivos 1 do CHP-HSA Coordenador do Grupo de Trabalho de Enfermagem da APNEP | Coordenador do Grupo de Trabalho “Prática Baseada na Evidência” do SCI
    2. 2. Receita de Bacalhau com Natas (com Batata Frita) Ingredientes para 4 pessoas: 4 postas de bacalhau demolhado 1 kg de batata cortada em cubos 2 cebolas médias cortadas em rodelas meia-lua 3 dentes de alho picados 1 folha de louro 125 ml de azeite 40g de manteiga 40g de farinha 250 ml de leite 250 ml de natas Sal q.b. Noz-moscada q.b. Pimenta q.b. Gotas de limão Azeite para pincelar Queijo ralado q.b. Óleo para fritar Preparação: 1. Numa panela com água coza o bacalhau durante 5 minutos. Coloque água suficiente apenas para cobrir o bacalhau. Passado os 5 minutos retire o bacalhau para uma travessa e deixe arrefecer. 2. Reserve 200 ml de água de cozer o bacalhau para fazer o molho béchamel. Depois de frio, limpe o bacalhau de peles e espinhas e desfie-o em lascas. 3. Frite as batatas em óleo quente e depois de fritas coloque-as num tabuleiro com papel absorvente. 4. Num tacho leve ao lume a manteiga e deixe aquecer. Junte a farinha e mexa muito bem. Enquanto mexe, junte aos poucos a água de cozer o bacalhau, o leite e as natas. Quando começar a ferver, tempere com sal, pimenta, noz-moscada e umas gotas de limão. Mexa e apague o lume. 5. Num outro tacho, leve ao lume o azeite, as cebolas, os alhos picados e a folha de louro. Mexa e deixe refogar. Quando a cebola estiver loirinha, junte o bacalhau, mexa e deixe refogar um pouco. Passado alguns minutos, retire a folha de louro, junte a batata frita e envolva bem. Junte 2/3 do molho béchamel, mexa bem e apague o lume. 6. Pincele um tabuleiro com azeite, coloque o bacalhau e espalhe-o bem. Por cima do bacalhau, espalhe bem o restante molho. Por fim, polvilhe com o queijo ralado. 7. Leve a gratinar em forno pré-aquecido nos 220º entre 15 a 20 minutos. Passado os 20 minutos está pronto a tirar do forno. Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    3. 3. Autonomia? Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    4. 4. Autonomia? Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    5. 5. 1. Definição o estado ou condição de ter independência ou liberdade, ou de ser autónomo, de se auto-governar, ou o direito de se auto-governar Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    6. 6. 1. Definição a capacidade de tomar suas próprias decisões sem ser controlado por ninguém Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    7. 7. 1. Definição Liberdade moral ou intelectual Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    8. 8. 1. Definição direito de se governar por leis próprias; autodeterminação possibilidade que uma entidade tem de estabelecer as suas próprias normas poder que os particulares têm de fixar por si próprios a disciplina jurídica dos seus interesses Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    9. 9. 1. Definição A qualidade ou estado de ser independente, especialmente na tomada de decisão, permitindo que os profissionais exercem o seu juízo, durante a sua atividade profissional Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    10. 10. Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    11. 11. 2. Autonomia Profissional “Na década de 1980, recusar dar a um cliente um medicamento contra-indicado foi um ato de heroísmo; na década de 1990, foi um exemplo de autonomia; hoje, é uma prática comum.” (Kramer & Schmalenberg, 2008) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    12. 12. Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    13. 13. 2. Autonomia Profissional A enfermagem registou entre nós, no decurso dos últimos anos, uma evolução, quer ao nível da respectiva formação de base, quer no que diz respeito à complexificação e dignificação do seu exercício profissional, que torna imperioso reconhecer como de significativo valor o papel do enfermeiro no âmbito da comunidade científica de saúde e, bem assim, no que concerne à qualidade e eficácia da prestação de cuidados de saúde. (Ordem dos Enfermeiros, 1998) o estado ou condição de ter independência ou liberdade, ou de ser autónomo, de se auto-governar, ou o direito de se Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    14. 14. 2. Autonomia Profissional Enfermeiro é o profissional habilitado com um curso de enfermagem legalmente reconhecido, a quem foi atribuído um título profissional que lhe reconhece competência científica, técnica e humana para a prestação de cuidados de enfermagem gerais ao indivíduo, família, grupos e comunidade, aos níveis da prevenção primária, secundária e terciária. (Ordem dos Enfermeiros, 1998) A qualidade ou estado de ser independente, especialmente na tomada de decisão, permitindo que os profissionais exercem o seu juízo, durante a sua atividade profissional Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    15. 15. 2. Autonomia Profissional Cuidados de enfermagem interdependentes são as intervenções autónomas ou a realizar pelo enfermeiro no âmbito das suas qualificações profissionais. (Ordem dos Enfermeiros, 1998) A qualidade ou estado de ser independente, especialmente na tomada de decisão, permitindo que os profissionais exercem o seu juízo, durante a sua atividade profissional Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    16. 16. 2. Autonomia Profissional Os cuidados de enfermagem são caracterizados por: 1) Terem por fundamento uma interacção entre enfermeiro e utente, indivíduo, família, grupos e comunidade; 2) Estabelecerem uma relação de ajuda com o utente; 3) Utilizarem metodologia científica (…) (Ordem dos Enfermeiros, 1998) a capacidade de tomar suas próprias decisões sem ser controlado por ninguém Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    17. 17. 2. Autonomia Profissional 2 - Consideram-se autónomas as acções realizadas pelos enfermeiros, sob sua única e exclusiva iniciativa e responsabilidade, de acordo com as respectivas qualificações profissionais, (…) com os contributos na investigação em enfermagem. 3 - Consideram-se interdependentes as acções realizadas pelos enfermeiros de acordo com as respectivas qualificações profissionais, em conjunto com outros técnicos (...). (Ordem dos Enfermeiros, 1998) a capacidade de tomar suas próprias decisões sem ser controlado por ninguém Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    18. 18. 2. Autonomia Profissional 5 - Os enfermeiros concebem, realizam, promovem e participam em de investigação trabalhos que visem o progresso da enfermagem em particular e da saúde em geral. 6 - Os enfermeiros contribuem, no exercício da sua actividade na área de gestão, investigação, docência, formação e assessoria, para a melhoria e evolução da prestação dos cuidados de enfermagem (Ordem dos Enfermeiros, 1998) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    19. 19. 2. Autonomia Profissional A tomada de decisão do enfermeiro que orienta o exercício profissional autónomo implica uma abordagem sistémica e sistemática. (…) No processo da tomada de decisão em enfermagem e na fase de implementação das investigação na sua guias orientadores da boa intervenções, o enfermeiro incorpora os resultados da prática. Reconhece-se que a produção de prática de cuidados de enfermagem baseados na evidência (…). (Ordem dos Enfermeiros, 2001) a capacidade de tomar suas próprias decisões sem ser controlado por ninguém Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    20. 20. 2. Autonomia Profissional Guia Orientador de Boa Prática Estratégias Não Farmacológicas no Controlo da Dor da Criança Guia Orientador de Boas Práticas para a Tuberculose Guia Orientador de Boas Práticas para a Prevenção de Sintomatologia Depressiva e Comportamentos da Esfera Suicidária Guias Orientadores de Boa Prática em Enfermagem de Saúde Infantil e Pediátrica Cuidados Paliativos para uma Morte Digna Estabelecer parcerias com os indivíduos e as famílias para promover a adesão ao tratamento Guia de Boa Prática de Cuidados de Enfermagem à Pessoa com Traumatismo Vértebro-Medular Dor - Guia Orientador de Boa Prática Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    21. 21. Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    22. 22. Licenciatura Cédula Profissional Formação Pósgraduada Especialização Profissional Investigação Formação Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    23. 23. Licenciatura Cédula Profissional Formação Pósgraduada Especialização Profissional Investigação Formação Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    24. 24. 3. Papel da investigação A procura pela autonomia deve ser sustentada pela superação de uma prática empírica por uma prática cientificamente fundamentada. (Santos, Montezeli & Peres, 2012, p. 254) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    25. 25. 4. Visão sócio-antropológica Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    26. 26. 4. Visão sócio-antropológica Enfermeiro comprometimento com os processos de tomada de decisão Processo de empoderamento ou de ganho de Autonomia Benner (2001) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    27. 27. 4. Visão sócio-antropológica Uma das características Autonomia dos profissionais no processo de tomada é a de decisão, juntamente com o julgamento com recurso a um corpo único de conhecimentos. (Carr, Saunders & Wilson, 1933 cit. Traynor, Boland & Buus, 2010) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    28. 28. 4. Visão sócio-antropológica “No hospital ainda se encontram obstáculos à ação autónoma do enfermeiro, vindos da historicidade e da cultura instituída nas relações ali estabelecidas” (Fátima & Said, 2008, p. 420) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    29. 29. 4. Visão sócio-antropológica Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    30. 30. 4. Visão sócio-antropológica Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    31. 31. 4. Visão sócio-antropológica Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    32. 32. 4. Visão sócio-antropológica Enfermeiras: Sentido profissional vs compromisso moral para com o cliente Problemas com a imagem género dominante homem (valor positivo) (Fletcher, 2007) mulher (valor negativo) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    33. 33. 4. Visão sócio-antropológica Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    34. 34. 4. Visão sócio-antropológica Tradicionalmente: Enfermeira (para si e para a Sociedade): auxiliar do médico Teixeira (2012) Relutância em discutir a questão da Autonomia 95% são mulheres Não socializadas para exercer poder. Spraytley et al. cit. Manojlovich (2007) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    35. 35. 4. Visão sócio-antropológica Poder: resultado da masculinidade (tarefas mais técnicas) Cuidar: associado à feminilidade e ao sentido de missão, (Whittock e Leonard, 2003; Simpson, 2004; Manojlovich, 2007) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    36. 36. 4. Visão sócio-antropológica Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    37. 37. 4. Visão sócio-antropológica Ensino superior de saúde: homens: Enfermagem – 1ª opção de carreira (Fanning cit. Whittock & Leonard, 2003) estigma: “profissão de mulheres” (Chodorow cit. Whittock & Leonard, 2003) género minoritário (Simpson, 2004) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    38. 38. 4. Visão sócio-antropológica Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    39. 39. 4. Visão sócio-antropológica Paradigma biomédico Médico: pilar fulcral do sistema de saúde (Adamson, Kenny & Wilson-Barnett, 1995; Carapinheiro, 1998, Schlesinger, 2002) Enfermeira: subordinada do médico (Lee cit. Fletcher, 2007) Visão patriarcal (Fletcher, 2007) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    40. 40. 4. Visão sócio-antropológica Indicações médicas: Enfermeira já não as segue sem questionar (Adamson, Kenny & Wilson-Barnett, 1995) ? Aumento da auto-estima Receio da sanção Enfermagem: dependência da Medicina Desenvolvimento de estratégias profissionalizantes (Amendoeira cit. Lima e Pereira, 2008) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com1 cvdcvdxcdxdcsazsxas
    41. 41. 4. Visão sócio-antropológica Enfermeiros: • Frequência alta de “fornecedores de informação” • Frequência baixa de “tomada de decisão” Médicos não valorizam a sua contribuição! (Stern et al., 1991) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    42. 42. 4. Visão sócio-antropológica Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    43. 43. 4. Visão sócio-antropológica 1952 (primeira reforma no Ensino de Enfermagem): ênfase no modelo biomédico A partir de década de 60 (Séc. XX): ocorre uma intelectualização dos cuidados e construção de instrumentos teóricos 1988: inclusão do curso de Enfermagem no Ensino Superior Politécnico Década de 90 (Mestrados): • 1991 – Enfermagem (UC) • 1993 - Ciências de Enfermagem (ICBAS) 2001: Doutoramento em Ciências de Enfermagem (ICBAS) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    44. 44. 4. Visão sócio-antropológica Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    45. 45. 4. Visão sócio-antropológica “Apesar de existir a expectativa que o enfermeiro adquiriu o conhecimento legítimo para agir junto do doente (…), nem sempre esta competência é reconhecida” (Amendoeira, 2004: 22) Enfermeiro: capaz de o fazer... Enfermeiro: não demonstra que o faz... Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    46. 46. 4. Visão sócio-antropológica Autonomia Reconhecimento • Cliente • Sociedade Satisfação Profissional Ganhos • cliente • profissional • disciplina Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    47. 47. 4. Visão sócio-antropológica Aumento da autonomia Aumento da satisfação profissional (Bucknall & Thomas, 1996) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    48. 48. 4. Visão sócio-antropológica Pessoa competente: • Colabora • Compreende a situação • Age eficazmente e corretamente • Consciente do seu corpo de conhecimentos • Consciente das suas limitações (Lindberg, 2006) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    49. 49. Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    50. 50. 5. A realidade da UCI UCI: • Dinâmica • complexa • por vezes, indutora de stresse • ambiente com complexidade interprofissional. Rose (2011) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    51. 51. 5. A realidade da UCI Colaboração implica: partilha, parceria, interdependência, mas também poder (D’Amour et al., 2005) Barreiras a uma colaboração interprofissional de sucesso: • Problemas nas dinâmicas de poder • Pobres padrões comunicativos • Pobre compreensão dos papeis e responsabilidades Rose (2011) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    52. 52. 5. A realidade da UCI Enfermeiro Médico Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    53. 53. 5. A realidade da UCI Kiekkas, Karga, Poulopoulou et al. (2006) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    54. 54. 5. A realidade da UCI Kramer & Schmalenberg (2008) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    55. 55. 5. A realidade da UCI Enfermeiros mais novos: estatisticamente significativo níveis mais baixos de autonomia (35,9 ± 5,9 anos vs 39,0 ± 7,2 anos); Idade não contribui para a predição de autonomia (OR = 0,97, 95% CI:0,89–1-05, P = 0,438). Níveis altos de autonomia associados a (análise bivariável): • Enfermeiras • Com especialidade • Enfermeiros em órgãos de chefia/ gestão • Enfermeiros com mais de 12 anos de experiência • Enfermeiros que trabalhem em sistema rotativo de turnos • Aqueles que pertencem a organizações/ associações profissionais Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    56. 56. Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    57. 57. 5. A realidade da UCI Comunicação com o cliente e com a família: • De forma a estabelecer uma relação positiva • Fornecer informações • Determinar necessidades • Otimizar o uso dos recursos (Peel, 2003) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    58. 58. 5. A realidade da UCI Comunicação do estado de saúde do paciente: falta de autonomia Subordinação à equipe médica no tocante ao processo comunicativo com a família sobre o estado de saúde do paciente (Schneider et al., 2010) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    59. 59. 5. A realidade da UCI (Papathanassoglou, Tseroni, Karydaki, Vazaiou, Kassikou, Lavdanti, 2005) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    60. 60. 5. A realidade da UCI No que ao género concerne: (Papathanassoglou, Tseroni, Karydaki, Vazaiou, Kassikou, Lavdanti, 2005) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    61. 61. 5. A realidade da UCI (Papathanassoglou et al., 2005) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    62. 62. 5. A realidade da UCI Rose, Nelson, Johnston & Presneill (2007) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    63. 63. 5. A realidade da UCI Rose, Nelson, Johnston & Presneill (2007) Rose, Nelson, Johnston & Presneill (2007) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    64. 64. 5. A realidade da UCI Blackwood et al. (2013) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    65. 65. 5. A realidade da UCI Clavero et al. (2010) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    66. 66. 5. A realidade da UCI Panunto & Guirardello (2013) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    67. 67. 6. Tomada de decisão Tomada de decisão: tema central no conceito de autonomia (Ballou 1998) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    68. 68. 5. A realidade da UCI Tomada de decisão: • Em UCI: mais Subramanian et al. (2012) de metade dos enfermeiros dependem de parecer do perito no controle da dor. • Enfermeiros confiantes sobre a tomada de decisão do médico. • Podem fazer sugestões, mas a tomada de decisão final é do médico. • Os enfermeiros apenas fazem sugestões aos médicos. Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    69. 69. 5. A realidade da UCI Bem-estar Físico Capacidade para comunicar Capacidade para cuidar da higiene corporal Capacidade para deglutir Capacidade para mobilizar-se Capacidade para realizar o autocuidado Choque (anafilático, cardiogénico, hipovolémico, neurogénico, séptico, vasogénico) Cognição, comprometida Comunicação, comprometida Confusão Conhecimento sobre… Desidratação Disatria Disfasia Dor… Edema Eritema… Ferida cirúrgica Ferida neoplásica Ferida por arma de fogo Ferida por punção Ferida traumática Distúrbios hidro-eletrolíticos Memória, comprometida Mobilidade na cama, comprometida Não adesão ao regime Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    70. 70. 5. A realidade da UCI Obstipação Parésia Pé equino Percepção, comprometida Pressão intracraniana aumentada Processo musculoesquelético, comprometido Processo do sistema regulador comprometido Processo do sistema urinário comprometido Processo neurovascular comprometido Queda Resposta à alimentação entérica Resposta à alimentação parentérica Resposta à anestesia Resposta à fluidoterapia Resposta à gestão da dor Resposta à termorregulação Respota ap desmame ventilatório Resposta ao desuso Resposta ao procedimento Resposta ao tratamento Sede Sono comprometido Susceptibilidade à infecção Taquicardia Transferir-se Úlcera de pressão Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    71. 71. 5. A realidade da UCI Bem-estar Físico Capacidade para comunicar Capacidade para cuidar da higiene corporal Capacidade para deglutir Capacidade para mobilizar-se Capacidade para realizar o autocuidado Choque (anafilático, cardiogénico, hipovolémico, neurogénico, séptico, vasogénico) Cognição, comprometida Comunicação, comprometida Confusão Conhecimento sobre… Desidratação Disatria Disfasia Dor… Edema Eritema… Ferida cirúrgica Ferida neoplásica Ferida por arma de fogo Ferida por punção Ferida traumática Distúrbios hidro-eletrolíticos Memória, comprometida Mobilidade na cama, comprometida Não adesão ao regime Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    72. 72. 5. A realidade da UCI Obstipação Parésia Pé equino Percepção, comprometida Pressão intracraniana aumentada Processo musculoesquelético, comprometido Processo do sistema regulador comprometido Processo do sistema urinário comprometido Processo neurovascular comprometido Queda Resposta à alimentação entérica Resposta à alimentação parentérica Resposta à anestesia Resposta à fluidoterapia Resposta à gestão da dor Resposta à termorregulação Respota ao desmame ventilatório Resposta ao desuso Resposta ao procedimento Resposta ao tratamento Sede Sono comprometido Susceptibilidade à infecção Taquicardia Transferir-se Úlcera de pressão Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    73. 73. 5. A realidade da UCI A importância da autonomia, responsabilidade e colaboração na enfermagem em UCI deve ser enfatizada; Expansão da autonomia: o enfermeiro de CI’s deve publicamente comunicar a natureza de sua experiência única e o seu papel na promoção da segurança , prevenção de complicações e contribuição para a saúde dos clientes Papathanassoglou et al. (2012) Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    74. 74. 6. Poder e autonomia Abílio Cardoso Teixeira | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
    75. 75. abilio.cardosoteixeira /abilio.cardosoteixeira /abiliocardosoteixeira /abiliocardosoteixeira

    ×