Neoclassicismo

41,619 views

Published on

Published in: Education
6 Comments
70 Likes
Statistics
Notes
  • Adorei o material! Sou estudante de arquitetura e gostaria de saber se teria como me enviar esse material para eu ter de referencia para meus estudos. Ou disponibilizar para download aqui no site! Obrigada!
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Maravilhoso Profª Ana. Muito relevante seu posicionamento com esta publicação. Eis conhecimentos que nossos meninos não buscam mais!
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Boa noite, Ana! Sou estudante de arquitetura. Seria possível me enviar este material para eu ter como referência de estudos? Muito obrigada. Um abraço
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • nossa!! muuito bom... tá perfeito!! era isso que eu procurava...poxa está de parabéns.
    Não tinha visto um slide tão bom assim... vai me ajudar muito vlw :D
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • vc poderia liberar para baixar .. otimo material para trabalhar em sala;
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
41,619
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,731
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
6
Likes
70
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Neoclassicismo

  1. 1. A Arte Neoclássica: o regresso à ordem
  2. 2. O aparecimento do Neoclassicismo Movimento que se desenvolveu principalmente na arquitetura e nas artes decorativas Originou-se na França e Inglaterra em 1750 e em 1830 teve seu apogeu em toda a Europa
  3. 3. O aparecimento do Neoclassicismo “Seguir o exemplo considerado intemporal – o da Antiguidade -, pôr em relevo a simplicidade e a monumentalidade, a clareza e a serenidade constituem apenas um dos aspetos desta época profundamente movimentada.” A. Châtelet e B.P. Groslier, História da Arte, Larousse Panteão de Paris Jacques-Louís David, Julgamento dos Horácios, 1784
  4. 4. O aparecimento do Neoclassicismo Iluminismo -Razão - Liberdade - Progresso - Felicidade Nova estética: - estudo e escolha do mais útil e belo na Natureza e nas obras dos Antigos - defesa da simplicidade, nas linhas, formas, cores e temas - reação à superficialidade do Rococó - aprofundamento de ideias e sentimentos
  5. 5. O aparecimento do Neoclassicismo O interesse pelo passado é ainda reforçado:  Pela descoberta das ruinas de Pompeia e Herculano(1719)  Pelas campanhas napoleónicas do Egipto(1798-99), durante as quais recolheu espolio artístico e arqueológico que se encontram atualmente em museus de Paris, Londres e Berlim.  Pelo desenvolvimento das ciências – historia e arqueologia  Artistas, eruditos, colecionadores e viajantes (desde o seculo XVII) Batalha das pirâmides, de François Watteau
  6. 6. O aparecimento do Neoclassicismo O interesse pelo passado é ainda reforçado:  Pela ação de WINCKELMANN, MENGS e PIRANESI, que estudaram in loco as ruinas de Roma entre outras cidades, assim como as coleções do Vaticano.  A partir dos estudos destas coleções, Winckelmann elaborou uma Historia da Arte da Antiguidade (1764), contribuindo para a inauguração da Historia da Arte.  Mengs e Piransei – contribuiram para o estudo das civilizações, ao realizarem gravuras e pinturas dos mais importantes monumentos de Roma.  Estes documentos foram importantes centros de informação e elementos de estudo para o ensino nas Academias. Johann Joachim Winckelmann.
  7. 7. O aparecimento do Neoclassicismo O interesse pelo passado é ainda reforçado:  Pela ação de WINCKELMANN, MENGS e PIRANESI, que estudaram in loco as ruinas de Roma entre outras cidades, assim como as coleções do Vaticano.  A partir dos estudos destas coleções, Winckelmann elaborou uma Historia da Arte da Antiguidade (1764), contribuindo para a inauguração da Historia da Arte.  Mengs e Piransei – contribuiram para o estudo das civilizações, ao realizarem gravuras e pinturas dos mais importantes monumentos de Roma.  Estes documentos foram importantes centros de informação e elementos de estudo para o ensino nas Academias. Johann Joachim Winckelmann.
  8. 8. O aparecimento do Neoclassicismo “O Neoclassicismo é uma reação contra a frivolidade da arte e dos costumes da primeira metade do século XVIII e contra as complicaçoes do estilo rocaille ou rococó, condenado por razões morais ou estéticas. Os filósofos das Luzes, os autores da Enciclopédia, esforçam-se por transformar a sociedade, quer pelo progresso científico e técnico, quer por um regresso à simplicidade; sonha-se com um mundo melhor, com uma espécie de “idade de ouro” governada pela razão natural e pela justiça. Este fervilhar de ideias generosas conduz às revoluções políticas e sociais, americana primeiro, francesa depois, donde emergirá um mundo moderno. Propõe-se à gente nova exemplos de virtude cívica, de dedicação ao bem público e à pátria, de energia e ascese, que na arte se traduzem pela força plástica, pela simplicidade da composição, do desenho e da cor e pelo empobrecimento voluntário da técnica. O regresso ao antigo não passa de um meio de alcançar este ideal: pedem-se assuntos morais à História da Grécia e da República romana e uma linguagem formal à arte greco-romana.” A. Châtelet e B.P. Groslier, História da Arte, Larousse
  9. 9. O aparecimento do Neoclassicismo “A arte deve instruir e dar exemplo; o artista converte-se num educador público ao serviço de todo o povo” Arte neoclássica como expressão do Iluminismo e da Revolução Renascimento Neoclassicismo Caráter humanista Caráter político
  10. 10. O aparecimento do Neoclassicismo Iluminismo -nova ideologia revolucionária - arte mais intelectualizada Nova estética: Regresso à ordem Características-base: - campo técnico-formal - virtuosismo e beleza idealizada dos Antigos (aprendizagem nas academias) - campo conceptual e temático - conteúdos eruditos: - o belo confunde-se com o útil - a Estética aproxima-se da Ética
  11. 11. A arquitetura neoclássica Igreja da Madeleine, Paris (1754-1806)
  12. 12. A arquitetura neoclássica - Pesquisas e experimentações de forma a conciliar a estética estrutural e formal clássica com os novos sistemas de construção (nova maquinaria e materiais) - Maior preparação escolar dos arquitetos (academias e Escolas Politécnicas) Jean-Nicolas Louis Durand: fundador do método moderno, racional e científico para o ensino da arquitetura na Escola Politécnica de Paris Recolha e Comparação dos Edifícios de todos os Géneros Antigos e Modernos, 1800
  13. 13. A arquitetura neoclássica Cânones estruturais, formais e estéticos da arte clássica Adaptação às exigências da época CARACTERÍSTICAS GERAIS - utilização de materiais nobres tradicionais (mármore, granito, madeira) e modernos (ladrilho cerâmico e ferro fundido), de baixo custo e maior funcionalidade Robert Adam, Kedleston House, Marble Hall (átrio de mármore) Edifícios com novas funções e novos materiais)
  14. 14. A arquitetura neoclássica CARACTERÍSTICAS GERAIS - sistemas construtivos simples (trilítico) ou complexos, estruturados a partir do arco redondo de inspiração romana e adaptados aos modernos processos técnicos Porta Janela
  15. 15. A arquitetura neoclássica CARACTERÍSTICAS GERAIS - sistemas construtivos simples (trilítico) ou complexos, estruturados a partir do arco redondo de inspiração romana e adaptados aos modernos processos técnicos Cúpula da Bolsa do Trigo, Paris
  16. 16. A arquitetura neoclássica CARACTERÍSTICAS GERAIS - plantas: retangulares, geométricas e simétricas, com base no quadrado, no círculo e no triângulo Em cruz grega Circulares Quadrangulares
  17. 17. A arquitetura neoclássica CARACTERÍSTICAS GERAIS - cobertura: tetos planos, abóbadas de berço ou de aresta artesoadas e cúpulas nas zonas centrais das construções e assentes em tambores rodeados de colunas com entablamentos circulares François-Joseph Bélanger, cúpula da Bolsa do trigo, Paris, 1806-11 A primeira cúpula em ferro e vidro
  18. 18. A arquitetura neoclássica CARACTERÍSTICAS GERAIS - aplicação da gramática formal clássica: - pórticos colunados - frontões triangulares com tímpanos esculpido - entablamentos direitos, de frisos lisos ou decorados - frontões triangulares com tímpanos esculpidos -obediência formal e estrutural às ordens clássicas mas maior liberdade na utilização dos cânones métricos decoração sóbria e equilibrada Pórtico colunado
  19. 19. A arquitetura neoclássica CARACTERÍSTICAS GERAIS - aplicação da gramática formal clássica: - pórticos colunados - frontões triangulares com tímpanos esculpido - entablamentos direitos, de frisos lisos ou decorados - frontões triangulares com tímpanos esculpidos -obediência formal e estrutural às ordens clássicas mas maior liberdade na utilização dos cânones métricos decoração sóbria e equilibrada John Soane, ombreira de uma casa neoclássica
  20. 20. A arquitetura neoclássica CARACTERÍSTICAS GERAIS Torre Pilastra - aplicação da gramática formal clássica: - pórticos colunados - frontões triangulares com tímpanos esculpido - entablamentos direitos, de frisos lisos ou decorados - frontões triangulares com tímpanos esculpidos -obediência formal e estrutural às ordens clássicas mas maior liberdade na utilização dos cânones métricos decoração sóbria e equilibrada
  21. 21. A arquitetura neoclássica CARACTERÍSTICAS GERAIS - organização geométrica e formal dos espaços interiores, aliada à preocupaçao funcional do espaço: - elementos estruturais com formas clássicas - pintura mural - relevo em estuque Decoração
  22. 22. A arquitetura neoclássica CARACTERÍSTICAS GERAIS - organização geométrica e formal dos espaços interiores, aliada à preocupaçao funcional do espaço: - elementos estruturais com formas clássicas - pintura mural - relevo em estuque
  23. 23. A arquitetura neoclássica CARACTERÍSTICAS GERAIS - organização geométrica e formal dos espaços interiores, aliada à preocupaçao funcional do espaço: - elementos estruturais com formas clássicas - pintura mural - relevo em estuque Decoração Decoração contida e austera, limitada aos suportes estáticos a ela destinados Decoração estrutural Intimidade e conforto numa serena e discreta elegância
  24. 24. A arquitetura neoclássica Robert Adam, Kedleston House
  25. 25. A arquitetura neoclássica CARACTERÍSTICAS GERAIS Objetivos - Robustez - nobreza - sobriedade - monumentalidade Ideário neoclássico Robert Adam, Kedleston House
  26. 26. A arquitetura neoclássica Tipologias de edifícios - inspiração clássica, com base na basílica romana ou paleocristã, no Panteão e no templo grego - novas tipologias, para fazer face às novas necessidades da vida social, política e cultural, sobretudo em espaços urbanos (hospitais, museus, bibliotecas, escolas, cafés, salas de teatro, bancos, etc) Panteão de Paris Igreja da Madeleine
  27. 27. A arquitetura neoclássica Tipologias de edifícios - inspiração clássica, com base na basílica romana ou paleocristã, no Panteão e no templo grego - novas tipologias, para fazer face às novas necessidades da vida social, política e cultural, sobretudo em espaços urbanos (hospitais, museus, bibliotecas, escolas, cafés, salas de teatro, bancos, etc) Capitólio de Washington Teatro La Scala, Milão
  28. 28. A arquitetura neoclássica Encomendadores Encomenda pública Encomenda privada Capitólio de Washington Chiswick House, Londres
  29. 29. A arquitetura neoclássica França Inspiração clássica direta Ideário estético da Roma Imperial - académico - formal - rigoroso Jacques-Ange Gabriel, Petit Trianon
  30. 30. A arquitetura neoclássica França Inspiração clássica direta Ideário estético da Roma Imperial Ensaio sobre a Arquitetura, Marc-Antoine Laugier A origem da arquitetura está na cabana primitiva
  31. 31. A arquitetura neoclássica França Inspiração clássica direta Ideário estético da Roma Imperial A origem da arquitetura está na cabana primitiva A mulher (musa da arquitetura) mostra à criança (o futuro) a construção de troncos de árvores: coluna, entablamento e frontão Ensaio sobre a Arquitetura, Marc-Antoine Laugier, 1753
  32. 32. A arquitetura neoclássica França 1. Torres sineiras 2. Torreão central, com três cúpulas em pedra 3. Tambor períptero, rasgado com janelões 4. Cruzeiro 5. Pórtico Jacques-Germain Soufflot, Igreja de Santa Genoveva ou Panteão, c. 1754-61, Paris
  33. 33. A arquitetura neoclássica França Jacques-Germain Soufflot, Igreja de Santa Genoveva ou Panteão, c. 1754-61, Paris
  34. 34. A arquitetura neoclássica França Jacques-Germain Soufflot, Igreja de Santa Genoveva ou Panteão, c. 1754-61, Paris
  35. 35. A arquitetura neoclássica França - planta de cruz grega - linguagem clássica - pórtico ao estilo dos templos romanos (coríntio) - gigantescas colunas - entablamento contínuo - harmonia - simetria - sobriedade - austeridade Jacques-Germain Soufflot, Igreja de Santa Genoveva ou Panteão, c. 1754-61, Paris Uma visita pelo Panteão
  36. 36. A arquitetura neoclássica França Jean François Chalgrin, Arco do Triunfo, Paris, 1805-1837
  37. 37. A arquitetura neoclássica França - inspiração nos arcos de triunfo romanos - construído para comemorar vitória de Napoleão em Austerlitz (1805) - grupos escultóricos de índole romântica nos pilares (François Rude) Jean François Chalgrin, Arco do Triunfo, Paris, 1805-1837
  38. 38. A arquitetura neoclássica França Pierre Vignon, Igreja da Madeleine, 1806, Paris
  39. 39. A arquitetura neoclássica França - inicialmente, “Templo da Glória” - monumento às vitórias militares de Napoleão - repositório para os seus troféus - modelo: Pártenon, Atenas - em 1842 convertido para Igreja de La Madeleine Pierre Vignon, Igreja da Madeleine, 1806-1842, Paris
  40. 40. A arquitetura neoclássica França Pierre Vignon, Igreja da Madeleine, 1806, Paris
  41. 41. A arquitetura neoclássica França François-Joseph Bélanger, Palácio Bagatelle, Paris
  42. 42. A arquitetura neoclássica França Victor Louis, Teatro de Bordéus, 1777
  43. 43. A arquitetura neoclássica França - inventivo - original Étienne-Loius Boullé, Cenotáfio a Isaac Newton, projeto de c. 1784 Claude-Nicolas Ledoux, Projeto para uma casa para os guardas agrícolas, 1804 Defesa do progresso científico e técnico
  44. 44. A arquitetura neoclássica França “Arquitetos visionários”, numa vertente utópica “Arquitetura de verdade” ou “arquitetura falante”, que transmite -Inspirado no Panteão de Roma a sua função - com 150 m diâmetro - câmara esférica com um sarcófago na base Étienne-Louis Boullé, Cenotáfio a Isaac Newton, projeto de c. 1784
  45. 45. A arquitetura neoclássica França “Arquitetos visionários”, numa vertente utópica Salinas Reais de Chaux, Claude Nicolas Ledoux, Arc-et-Senans, Besançon, 1774-79 - desenho de uma cidade industrial ideal - residências operárias numa anel em torno das salinas - centro: edifícios cívicos - espaços públicos e cintura agrícola em volta
  46. 46. A arquitetura neoclássica Inglaterra Catedral de S. Paulo, Londres, Cristhopher Wren, 1675-1710
  47. 47. A arquitetura neoclássica Tradição gótica + Classicismo francês Inglaterra Barroco encarado como expressão dos regimes absolutistas Contenção e sobriedade Neoclassicismo Catedral de S. Paulo, Londres, Cristhopher Wren, 1675-1710
  48. 48. A arquitetura neoclássica Tradição gótica + Classicismo francês Inglaterra Diletantti Promoção da arte clássica + Defesa da aplicação da arte clássica Expedições à Grécia e ao Médio Oriente Catedral de S. Paulo, Londres, Cristhopher Wren, 1675-1710
  49. 49. A arquitetura neoclássica Inglaterra Inspiração em Andrea Palladio (1508-80) Neopalladismo (inspiração nos cânones renascentistas e maneiristas) Andrea Palladio, Vila Rotonda
  50. 50. A arquitetura neoclássica Inglaterra Neopalladismo (inspiração nos cânones renascentistas e maneiristas) Andrea Palladio, Vila Rotonda Inspiração em Andrea Palladio (1508-80) Os Quatro Livros de Arquitetura, 1570
  51. 51. A arquitetura neoclássica Inglaterra Neopalladismo (inspiração nos cânones renascentistas e maneiristas) Andrea Palladio, Vila Rotonda Inspiração em Andrea Palladio (1508-80) Tradução inglesa em 1715 Os Quatro Livros de Arquitetura, 1570
  52. 52. A arquitetura neoclássica Inglaterra Aplicou elementos da gramática formal clássica como – pórticos colunados, frontões triangulares, cúpulas, entablamentos direitos, frisos lisos ou decorados. Plantas simétricas, sobriedade decorativa.
  53. 53. A arquitetura neoclássica Inglaterra Richard Boyle,Lord Burlington, Chiswick House, 1727
  54. 54. A arquitetura neocláCshsisiwcicak house Inglaterra Richard Boyle,Lord Burlington, Chiswick House, 1727
  55. 55. A arquitetura neoclássica Inglaterra Richard Boyle,Lord Burlington, Chiswick House, 1727 - inspiração na Villa Rotonda - simetria absoluta - ordem racional - proporções rigorosas
  56. 56. A arquitetura neoclássica Inglaterra Robert Smirke, Museu Britânico, c. 1824-47, Londres
  57. 57. A arquitetura neoclássica Inglaterra Robert Smirke, Museu Britânico, c. 1824-47, Londres
  58. 58. A arquitetura neoclássica Inglaterra John Soane, Banco de Inglaterra
  59. 59. A arquitetura neoclássica Robert Adam, Kenwood House, c. 1764, Londres Decoração de interiores: - pinturas murais a frescos - elementos arquitetónicos clássicos - estatuetas Inglaterra
  60. 60. A arquitetura neoclássica Inglaterra William Chambers, Somerset House, 1776-86, Londres
  61. 61. A arquitetura neoclássica Alemanha - rigor científico e formal - influência grega (dórica) Karl Gottfried Langhans, Porta de Brandenburgo, Berlim, 1789- 91
  62. 62. A arquitetura neoclássica Alemanha - 12 colunas dóricas - inspirado nos arcos de triunfo - sobre o arco está a estátua da deusa grega Eirene ou Irene - deusa da paz, numa quadriga puxada por quatro cavalos Karl Gottfried Langhans, Porta de Brandenburgo, Berlim, 1789- 91
  63. 63. A arquitetura neoclássica Alemanha Karl Friedrich Schinkel, Teatro Nacional de Berlim, 1818-21 Karl Friedrich Schinkel, Altes Museum, Berlim, 1830
  64. 64. A arquitetura neoclássica Alemanha Leon von Klenze, Gliptoteca de Munique, 1816-30
  65. 65. A arquitetura neoclássica Alemanha - Mandado construir por Luís II da Baviera para guardar a sua coleção de escultura antiga - a fachada central evoca o pórtico do Erectéion grego - interior assemelha-se a uma basílica romana (jogo de volumes da cobertura) Leon von Klenze, Gliptoteca de Munique, 1816-30
  66. 66. A arquitetura neoclássica Itália Giuseppe Piermaríni, Teatro La Scala, 1776-78, Milão Influência francesa
  67. 67. A arquitetura neoclássica Itália Giuseppe Piermaríni, Teatro La Scala, 1776-78, Milão Influência francesa
  68. 68. A arquitetura neoclássica Espanha Francesco Sabatini, Porta de Alcalá, 1778, Madrid
  69. 69. A arquitetura neoclássica Rússia Jean-Baptiste Vallin de la Mothe, fachada do Pequeno Hermitage junto ao rio Neva, 1764-75, S. Petersburgo Influência francesa e alemã
  70. 70. A arquitetura neoclássica EUA Capitólio – Washington, de William Thornton e Charles Bulfinch
  71. 71. A arquitetura neoclássica EUA - enormes proporções - modelo para os capitólios dos restantes estados Neoclássico identifica-se com as virtudes republicanas Capitólio de Washington, de William Thornton e Charles Bulfinch
  72. 72. A arquitetura neoclássica EUA Thomas Jefferson, Biblioteca da Univ. de Virginia, 1817-36 Thomas Jefferson, Monticello, 1768- 1809
  73. 73. A arquitetura neoclássica FIM

×