• Like
Ficha cultura do palacio
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Ficha cultura do palacio

  • 4,894 views
Published

 

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • Olá. Ainda bem que ajudam. É para isso que partilho. Faltam os tópicos relativos ao 11º ano, que irei colocar brevemente. Bom estudo!
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • Olá Ana,
    Estou a estudar a gostaria de saber se poderá postar objetivos relativos ao módulo 6 A Cultura do Salão. Os seus tópicos são ótimos e ajudam-me muito para os testes. Obrigada :)
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
4,894
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
384
Comments
2
Likes
4

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA História da Cultura e das Artes – 10ºF – 2011/2012 Ficha formativa 4 _________________________________________________________________________________________ Módulo 5 – A Cultura do Palácio1. Localiza no tempo e no espaço o movimento renascentista.- Localização no tempo: Século XV – Quattrocento; Século XVI - Cinquecento- Localização no espaço: Berço - Itália ; difusão – Flandres, Inglaterra, França, Espanha, Portugal2. Justifica a importância dos Descobrimentos Europeus.Os Descobrimentos permitiram: - Comércio à escala mundial - Intercâmbios culturais entre continentes - Maior conhecimento do Globo terrestre - Experiencialismo (o valor da observação e da experiência, em detrimento do saber livresco) - Novos conceitos sobre o Homem (valorização nas capacidades humanas)3. Qual a importância da obra De Revolutionibus Orbium Coelestium? Pela primeira vez, é exposta de forma matemática e científica, a teoria heliocêntrica, comprovando-se comrigorosas demonstrações matemáticas.4. Como Copérnico atingiu as conclusões que expõe na obra? Copérnico fez medições, utilizando o quadrante (mede o arco diurno percorrido pelo Sol), a esfera armilar (paradeterminar a posição dos astros) e um torqueton (medir a posição dos astros no céu). A partir das observações, fezcomplicadas demonstrações matemáticas.5. Porque razão essa obra foi tão polémica no seu tempo? As conclusões de Copérnico eram contrárias aos ensinamentos dos sentidos e às teorias dos Antigos e negavamafirmações da Bíblia, pondo em causa alguns dogmas da Igreja. A obra permaneceu no Index até 1835.6. Descreve as condições favoráveis existentes em Itália para o aparecimento do Renascimento.- existência de inúmeros vestígios da cultura clássica, que viriam a inspirar numerosos artistas. Por sua vez, asbibliotecas dos mosteiros guardavam cópias de muitas obras da antiguidade, que os intelectuais italianos estudavam,e muitas vezes, reeditavam.- a divisão da Peninsula Itálica em várias repúblicas oligárquicas ou reinos favoreceu a rivalidade económica mastambém cultural.- Muitas cidades italianas tinham-se tornado activos e prósperos centros de comércio e financeiros. Graças a essaprosperidade, os grandes senhores nobres e eclesiásticos e os ricos burgueses praticavam o mecenato cultural,apoiando escritores e artistas.7. Que características definem a personalidade e a atuação política de Lourenço de Médicis? Lourenço era eloquente, curioso e vivo, tinha uma inteligência acima da média e uma grande sensibilidadeartística, era culto, eclético, sensível e sofisticado8. Quais os contributos de Lourenço para a vida da sua cidade, Florença?
  • 2. Lourenço governou com grande sabedoria e tato político, tendo trazido bem-estar e fama a Florença. Instituiu umpoder absoluto mas teve o apoio dos mais pobres. Amante das artes e das letras, desenvolveu uma política culturalnotável, criando em Florença um ambiente de permanente animação cultural. Atraiu e apoiou poetas, pensadores eartistas, criou escolas e bibliotecas, colecionou livros e obras de arte, renovou arquitetonicamente a cidade epromoveu inúmeras festas públicas e privadas.9. De que modo a sua personalidade e a sua atuação política refletem o seu tempo? Lourenço é um homem do seu tempo devido à enorme curiosidade e vontade de saber que sempre demonstrou eao valor dado à criatividade dos artistas que apoiou.10. Explica as características do Renascimento.- antropocentrismo: Atitude filosófica que coloca o Homem no centro do Universo.- mecenato: é a acção de protegera cultura, por parte de um particular,isto é, de um mecenas.- Humanismo: Movimento cultural renascentista – filosófico, literário e artístico – que se interessa pelo Homem, assuas características e potencialidades. Apoiou-se na cultura clássica (grega e romana) que redescobriu e reinventou.- Individualismo: Corrente doutrinal e prática que defende, para cada homem, a concretização das potencialidades ecaracterísticas próprias e sobrevaloriza o papel do indivíduo na evolução das sociedades e da História. Exemplo: osartistas assumem-se como intelectuais, que pelo seu talento técnico, pelo raciocínio e compreensão das coisas,mostram génio, recebendo reconhecimento público, garantindo a sua ascensão social, pelo que são chamados àscortes dos senhores e assinam as suas obras.- Classicismo: Tendência literária e artística baseada na imitação dos clássicos: gregos e romanos.- Defesa do Homem Ideal: Homem completo e perfeito, cultiva a formaçãofísica, intelectual e cívica, ou seja umaformação integral (mente sã,em corpo são).- naturalismo: Doutrina eatitude filosófica e estética quevaloriza a observação eimitação da Natureza.- experiencialismo: espírito de curiosidade e de observação da Natureza para a construção do conhecimento,recusando aceitar a autoridade dos livros, valorizando a experiência de quem vê. O experiencialismo para qual osportugueses com as suas descobertas e estudos tanto contribuíram, consiste num saber da experiência feito deresultados de observações empírica.- racionalismo: Atitude filosófica em que os conhecimentos antigos ou resultantes da observação da Natureza sóseriam válidos se fossem confirmados / interpretado pela Razão.- espírito crítico: : Atitude de umapessoa que não aceita ideias, factos, conceitos, teorias, sem reflectir sobre os seusfundamentos e sobre o seu valor.11. Descreve os reflexos das características do Renascimento sobre a arte:- abandono das práticas góticas- Libertação dos artistas das corporações, reconhecimento do valor da sua autoria e elevação do seu estatuto social;o artista deixa de ser um “artesão” , passando a ser um homem de saber universal que pode individualizar a suaobra, assinando-a e distinguido o seu papel como autor, no processo criativo- Giorgio Vasari aparece como o 1º historiador da arte- rigor conceptual e técnico na descoberta e criação de novas regras, cânones e temas para suplantar a próprianatureza- arte racional e científica, imitação intelectualizada e tecnicista da natureza- arte feita à medida do homem (“homem como a medida de todas as coisas”)
  • 3. 12. Descreve os palácios como construções que servem para exaltar o Homem.Nas cidades, o palácio era a habitação típica das elites (nobres, eclesiásticos e burgueses). De planta quadrangular,com 3 a 4 pisos, ocupava normalmente um quarteirão. Feitos de pedra, tinham um aspeto fechado, compacto emaciço. As janelas estavam alinhadas e rodeadas por colunas ou por pilastras, cujos capitéis apresentam as ordensarquitetónicas sobrepostas. A decoração exterior era sóbria. O interior estava organizado em torno de um pátiocentral aberto (o cortile) e ladeado por 4 arcadas (loggia), de arcos redondos à maneira romana, decoradas commármores, medalhões de cerâmica esmaltada e peças de estatuária. O pátio era o centro orgânico do palácio: asdivisões desenvolvem-se a partir dele, assim como os eixos de circulação interna. Os pisos estavam organizadossegundo critérios funcionais: o rés do chão estava reservado à área de , no 1º andar estavam as dependências nobrese sociais e no 2º andar estavam as zonas privadas. A decoração interior dos palácios era delicada e luxuosa, ondedesde o revestimento das paredes, tectos e chãos, ao mobiliário e outras peças de equipamento como tapeçarias,esculturas, cerâmicas, etc., tudo era tratado com requinte e arte. Os palácios eram o símbolo da forma de vida dosseus proprietários e tornaram-se autênticos centros culturais e artísticos, pequenas cortes onde os prazeres da vida,do corpo e do espírito eram celebrados. Os palácios ativos centros culturais e artísticos pois lá eram organizadosbanquetes, bailes e saraus. Em muitos deles havia ainda bibliotecas e museus privados. Eram também locais detrabalho de pintores e escultores.13. Identifica o Humanismo como a expressão literária dos novos valores intelectuais do renascimento.Interessados por tudo aquilo que dizia respeito ao estudo das línguas e dos homens, os humanistas:- realizaram pesquisa em bibliotecas e nos scriptoria dos mosteiros dos manuscritos antigos- aprenderam grego e do latim- escreveram obras literárias nas línguas nacionais ou obras de crítica social.14. Justifica a importância da imprensa para o movimento humanista.As inovações na imprensa realizadas por Gutenberg permitiram fazer livros em maior quantidade, logo estes livrosimpressos ficavam mais baratos que os seus antecessores todos executados à mão, contribuindo assim para o acessoà cultura de um número maior de pessoas. Por conseguinte, conduziu a grandes progressos na vida cultural:,permitindo a mais rápida divulgação das ideias e dos saberes, generalizando as correntes culturais (filosóficas,literárias ou científicas), facilitando o estudo e o ensino e alargando os horizontes mentais e geográficos dos homens.15. Descreve as consequências das Reformas Protestante e Católica.Como reação à venda de indulgências por parte do Papa para a construção da Basílica de S. Pedro, Martinho Luteroafixa as “95 teses contra as indulgências”, defendendo que o perdão dos pecados se obtém apenas pelo verdadeiroarrependimento. Outras vozes discordantes aparecem, como as de Calvino e de Henrique VIII. Este movimento éconhecido pelo nome de Reforma Protestante, que levou ao aprecimetno de três novas religiões cristãs: oluteranismo, o calvinismo e o anglicanismo. Como reação, a Igreja Católica procede à sua reorganização interna,reafirmando os dogmas católicos e disciplinando a ação dos padres (Reforma Católica). Criou também instrumentosde combate à expansão do protestantismo, como a Inquisição, o Índex e a Companhia de Jesus (Contra-Reforma).Como consequência destes movimentos religiosos, surgiram conflitos entre as igrejas que levaram a perseguições,execuções, massacres. Relativamente aos aspectos culturais, condicionou a produção literária e científica, assimcomo a sua difusão e evolução, com medo de represálias por parte das igrejas.16. Menciona a herança do período clássico presente na arquitetura renascentista.
  • 4. Os artistas renascentista propunham-se igualar os feitos intelectuais e artísticos dos Antigos. No entanto,encontraram na arte clássica as bases sólidas para alcançarem o “mundo real”, concreto e palpável. A redescobertado do tratado de Architectura de Vitrúvio (na biblioteca de Sant-Gall) passa a ser a única referência teórica ,fornecendo matéria substantiva e fundamental para a formulação do Classicismo na arquitectura renascentista. Aobra de Vitrúvio tornou-se na “bíblia” dos arquitectos humanistas, que passaram a aplicar os princípios ondeassentaram as bases do programa arquitectónico renascentista : firmitas (solidez/resistência); utilitas(utilidade/funcionalidade); venustas (beleza/ euritmia); decorum (dignidade/decoro). Ao mesmo tempo queempreenderam uma arquitetura monumental, subordinaram-na ao princípio de que “o homem é a medida de todas ascoisas”.17. Apresenta o contributo de Brunelleschi.Arquiteto e escultor italiano, estudou na sua juventude os monumentos clássicos de Roma. Foi o construtor dacúpula da Catedral de Florença, a sacristia de San Lorenzo (capela funerária dos Médicis), a Capela dos Pazzi e aIgreja do Santo Espírito (reconstrução).A cúpula da Catedral de Santa Maria das Flores (inspirando-se no Pateão de Roma) é a primeira grande obra doRenascimento arquitectónico. Levanta-se sobre um tambor octogonal e é de elegantes proporções. A cúpula exterioré pontiaguda, o que permite ganhar altura e resistir às forças laterais. Os óculos e a lanterna no topo permitiam ailuminação do cruzeiro. A decoração do interior da cúpula criava uma ilusão de óptica no sentido da verticalidade,de ascensão aos céus. A partir desta obra, a cúpula, esquecida durante o Gótico, reaparece na arquitetura europeia.Através da introdução de novas técnicas construtivas, o artista conseguiu dispensar alguns elementos de reforço,fazendo toda a estrutura mais leve. A utilização de dois grandes cascos unidos entre si foi a chave para o sucessodesta obra. Mas mais do que o prodígio técnico alcançado, a obra, com a sua simples estrutura octogonal com onervurado de sustentação, encerrou o programa formal e conceptual da época medieval. O arquitecto conseguiu,aqui, a obra-prima do Quattrocento e o símbolo de um cidade e de uma época, com a maior cúpula construída atéentão.Brunelleschi foi o introdutor da perspectiva espacial (o ponto de fuga, as diferentes linhas convergem para um pontoúnico), demonstrando preocupação pelo equilíbrio geométrico e uma rigorosa simetria na distribuição dos volumes(Deus manifesta-se, agora, nas matemáticas e na geometria). O belo atinge-se através da geometria dos espaçostraçados cuja perfeição é uma questão de harmonia e proporção entre os pontos que compõem o todo. o quadrado e ocirculo são as figuras geométricas perfeitas (reflectem a superior perfeição de Deus)A Capela dos Pazzi foi estruturada segundo formas geométricas puras (quadrados e círculos) e a cúpula foi feitasobre pendentes.A tradicional planta de cruz latina dá lugar à planta central (coberta por cúpulas semiesféricas). Nãohá frescos/retábulos/imagens de santos nas paredes e as janelas deixam entrar luz branca natural do dia. Sãoutilizados elementos de estruturas clássicas: frontão, embasamento, colunas, ordens arquitectónicas, arcos de voltainteira, os entablamentos.Com Brunelleschi o desenho – a “mãe de todas as artes” – passou a constituir um dos momentos fundamentais doprocesso criativo, facultando ao arquitecto o ensaio das melhores soluções para os melhores resultados.18. Apresenta o contributo de AlbertiNo Restauro da Igreja de Santa Maria Novella, Leon Battista Alberti usou traçados geométricos rigorosos. Asvolutas foram utilizadas como forma de disfarçar a verticalidade gótica da fachada da igreja primitiva. Utilizouelementos arquitetónicos clássicos, como o fraontaõ triangular, o arco de volta perfeitas e as pilastras. Na Igreja de
  • 5. Santo André, em Mântua, aplicou uma planta de igreja-salão, com capelas laterais. A fachada tem um frontão,inspirado-se nos arcos de triunfo (entrada nas igrejas como uma entrada triunfal). Foi o introdutor da ordem colossal(a altura das colunas ou pilastras atinge um ou mais andares).19. Apresenta o contributo de Bramante.Arquitecto e pintor italiano, foi considerado uma grande figura da arquitectura no Renascimento. Em 1500transferiu-se de Milão para Roma. Em 1503 projetou a Igreja de S. Pedro in Montorio e a Basílica de S. Pedro doVaticano. O projecto original foi modificado por Miguel Ângelo e Rafael.O Tempieto de S. Pedro é um edifício harmonioso, com planta centrada, semelhante ao templo romano dedicado aVesta. Através da substituição da temática pagã por elementos religiosos católicos, o artista conseguiu conciliar asproporções, a planta, a forma com os princípios cristãos. Foram utilizados como elemetnos arquitetónico as colunasdórico-toscanas, o pórtico contínuo de 3 degraus, a balaustrada, um corpo central cilíndrico com nichos encravados euma cúpula semiesférica.No projeto para aBasílica de S. Pedro, criou uma igreja de uma só nave, de planta centrada, larga, coberta com umacúpula, que através da iluminação criava uma visão do espaço absoluto.20. Presenta as características da arquitetura renascentista.- a ocupação do espaço pelo edifício baseia-se em relações matemáticas: - ideal de simetria absoluta - ponto de fuga - - horizontalidade- inspirou-se nas obras greco-romanas – classismo: - Abóbadas de berço - cúpulas - frontões nas portas e nas janelas - arcos de volta perfeita - Pilastras e colunas encimadas por capitéis clássicos (dóricos, jónicos ou coríntios);- planta: - evoluiu de planta basilical em cruz latina para plantas quadradas ou de cruz centrada - no corpo principal a nave central alonga-se21. Descreve o novo urbanismo:No Renascimento passou a haver uma preocupação com a organização das cidades. Os projectos surgidos organizamas cidades segundo uma malha regular. A Praça Ducal de Vigevano (espaço retangular, rodeado por uma arcada),concebida por Leonardo da Vinci, foi concebida para ser o local nobre da cidade, à volta da qual se organizam osrestantes edifícios. No projecto de Piero della Francesca, as casas aparecem proporcionadas ao espaço, as igrejas sãocirculares e organizadas numa perspectiva linear. A cidade está organizada dentro de um círculo e de uma estrela.22. Apresenta as principais alterações verificadas na escultura renascentista.A escultura renascentista foi fruto de uma longa evolução, gerada na arte gótica e aperfeiçoada pelos contactos queos artistas italianos foram mantendo com a arte clássica.
  • 6. - interessaram-se principalmente pelo Homem, "medida de todas as coisas" e, por isso, representaram-no comfidelidade visual nos aspectos físicos e anatómicos (proporções, músculos, etc.) e nas suas capacidadesexpressivas (gestos, sentimentos, movimentos, etc.).- a escultura deixou de ser um mero elemento decorativo aliado à arquitectura e passou a ter valor e existência por sisó. A estatuária passou a ser de vulto redondo, isto é, podia ser vista de todos os ângulos e, por isso, surgiram novosobjectivos e tipologias para a mesma, que começou a ser utilizada como monumento individual, erguida à memóriade um homem ou de um feito, ou ainda com carácter simbólico ou alegórico. Assim, as esculturas,independentemente do seu significado ou tema, estavam libertas dos espaços arquitectónicos e eram expostaslivremente em praças, jardins ou edifícios públicos e privados.- Os escultores tornaram-se mais livres para criarem e conceberem as suas obras, (apesar de ainda existir um certocondicionamento imposto pela encomenda) atribuindo-lhes um cunho pessoal e individual, que os distinguisse e osfizesse sair do anonimato, contrariamente ao que acontecia com o artista medieval.- A prática do relevo, aplicada à arquitectura, não desapareceu por completo, e ganhou maior verismo pela aplicaçãoda tridimensionalidade na composição.- Renasceu a representação do nu, do retrato e das estátuas equestres (simbolizavam a importância e o poder).- As figuras eram representadas com grande verismo, naturalismo e sensibilidade expressiva e oscorpos possuíam formas trabalhadas com enorme rigor anatómico, perspectiva natural, proporcionalidade eprofundidade, imitando o próprio ser humano. Tal como na arte clássica existiu também um toque de belezaidealizada e a procura da perfeição.- A grande inovação da época foi o facto dos artistas usarem homens e mulheres do Renascimento como modelosvivos para a concepção das suas obras, mesmo nos temas mitológicos e bíblicos ou sagrados (a temática maispraticada), aos quais iam buscar a expressividade emocional e os minuciosos gestos e atitudes, plenos de realismo ehumanidade. Esta inovação foi fruto de uma mentalidade mais racional e objectiva, fundamentalmente virada para arealidade quotidiana.23. Apresenta alguns escultores renascentistas.- Lorenzo Ghiberti (1378-1455), artista de transição do Gótico para o Renascimento, conhecido principalmentepelos seus relevos onde demonstrou preparação intelectual para entender a aplicação prática das ciências queajudavam à representação artificial da realidade: a geometria, a perspectiva e a anatomia.- Donato Donatello (1386-1466), cujas obras possuíam grande sensibilidade expressiva e uma modelação anatómicarealista.- Miguel Ângelo (1475-1564), o maior génio do Renascimento. Foi um homem multifacetado cujo grande talento serevelou também na arquitectura, na pintura e na poesia. Considerou-se essencialmente escultor e foi capaz, comonenhum outro, de esculpir e cinzelar as formas directamente do bloco de pedra, sem passar pela construção demodelos. Na parte final da sua vida (já considerada maneirista) abandonou o realismo racional das suas obras ecomeçou a expressar-se numa técnica mais livre e rude, que se caracterizava pelo aspecto inacabado e pelas formasindefinidas. Esta "perda do realismo" foi compensada pela maior carga emotiva das figuras.