Cultura do mosteiro

31,174 views

Published on

Published in: Education
2 Comments
38 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
31,174
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2,435
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
2
Likes
38
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Cultura do mosteiro

  1. 1. 1. Da reorganização cristã da Europaao crescimento e afirmação urbanos
  2. 2. Os reinos bárbaros
  3. 3. Consequências das invasões bárbaras Queda do Império Romano do Ocidente Desorganização Enfraquecimento Declínio dos da administração da economia centros urbanos pública mercantil Ruralização da Pulveralização do Economia de economia e da poder político subsistência sociedade Depressão demográfica
  4. 4. 2ª vaga de invasões
  5. 5. Crescimento do cristianismoReligião oficial do Império Romano (381)Elemento aglutinador e ordenadorBispos como únicas autoridades atuantes Técnicas agrícolas Suavização dos Papel civilizacional costumes da Igreja Desenvolvimento das artes e letras
  6. 6. Ressurgimento económico (século XI-XIII) • Clima de paz (fim das invasões e das guerras privadas) • Aumento da produção agrícola graças a uma série de inovações • crescimento demográfico •Ressurgimento urbano e comercial
  7. 7. Ressurgimento económico (século XI-XIII)Reestruturação teológico-doutrinal:• Movimento da Trégua e da Paz de Deus• Construção/reconstrução de igrejas Românico• Peregrinações a lugares santos• Cruzadas
  8. 8. 2. O mosteiro
  9. 9. O mosteiro Século IV no Oriente Monaquismo Século V no Ocidente Regra de São Bento Jejum, abstinência e meditaçãoPrincípios básicos: obediência, Ofício divino silêncio e humildade Trabalho no Código penal para os scriptorium, nas faltosos oficinas, nos campos
  10. 10. O mosteiro Século IV no Oriente Monaquismo Século V no Ocidente Regra de São Bento Jejum, abstinência e meditaçãoPrincípios básicos: obediência, Ofício divino silêncio e humildade Código penal para os Trabalho no scriptorium, faltosos nas oficinas, nos campos
  11. 11. Os mosteiros  Instalados em zonas isoladas (fuga mundi)  Pequenos mundos autónomos e auto- suficientes  Virados para o interior, estavam fechados para o exterior por muralhas e portas bem vigiadas
  12. 12. As atividades no mosteiroServiço religioso
  13. 13. As atividades no mosteiro Ensino O clero era o grupo social mais instruído, sabia ler, escrever, contar
  14. 14. As atividades no mosteiroAssistência a doentes,peregrinos e mendigos.
  15. 15. As atividades no mosteiro Monges copistas que escreviam à mão documentos e livros, feitos em pergaminho, que decoravam por vezes com ilustrações de cores vivas e ouro: iluminuras.
  16. 16. As atividades no mosteiro Foi também impor-tante o seu papel nodesbravamento eaproveitamento deterrenos incultos.
  17. 17. Planta modelo dos mosteiros  O plano correspondia ao harmonias universais: equilíbrio geométrico e correspondência matemática (a largura da nave central era a base de toda a composição);  No coração da construção (descentrado), ficava o lugar de Deus (a igreja, com planta em cruz latina, como o corpo de Cristo)  A Sul, o claustro (espaço fechado e descoberto)  A ala nascente (cabeceira da igreja) estava destinada às funções espirituais (capítulo, escola, escritório, …)Saint Gall, o designado plano ideal doMosteiro Suiço do Séc. IX, proposto porSão Bento
  18. 18. Planta modelo dos mosteiros  A ala a sul do claustro agrupava as dependências funcionais (refeitório, cozinha, despensas, adegas, latrinas, oficinas, pomares, hortas, vinhas, jardins  A oeste, perto da entrada, ficavam os que estavam a iniciar- se ou de passagem (noviços, hóspedes, doentes, velhos e mortos.Saint Gall, o designado plano ideal doMosteiro Suiço do Séc. IX, proposto porSão Bento
  19. 19. A importância dos mosteiros Difusão de técnicas e Práticas agrícolas Centros dinamizadores da economia Incentivo ao artesanato e comércio
  20. 20. A importância dos mosteiros Difusão de técnicas e Práticas agrícolas Centros dinamizadores da economia Incentivo ao artesanato e comércio Teologia Avançados centros de Letras produção cultural CiênciasOS GUARDIÃES DO SABER!
  21. 21. 3. OS GUARDIÃES DO SABER
  22. 22. OS GUARDIÃES DO SABER alfabetizado, com escolas eMundo romano bibliotecas em todas as cidades forte dinamismo devido aos filósofos, academias, sábios e professores cultura circulava entre o Ocidente e o Oriente
  23. 23. OS GUARDIÃES DO SABERSéculos V-VIII Invasões bárbaras Sem poder central, escolas e bibliotecas fecham analfabetismo e cultura popular baseada na tradição oral Depressão cultural
  24. 24. OS GUARDIÃES DO SABER Depressão cultural (séculos V-VIII) CLERO Os letrados na Idade Média pertenciam ao clero devido às suas funções: ler a Biblia, os escritos dos doutores da Igreja, onde a doutrina e a liturgia eram definidos. Disparidade cultural: - Cultura latina do clero - Cultura popular, iletrada
  25. 25. OS GUARDIÃES DO SABER O renascimento carolíngio (século IX)
  26. 26. OS GUARDIÃES DO SABER O renascimento carolíngio (século IX) Objetivos de Carlos Magno: - Melhorar a formação dos eclesiásticos - Preparar grupo de funcionários - Renascer as letras e as artes Criação de uma escola na corte a “Aula Palatina”: - Atraiu sábios de todo o mundo ocidental - Fomentou o interesse pelos autores clássicos - fundou uma extensa biblioteca
  27. 27. OS GUARDIÃES DO SABER O renascimento carolíngio (século IX) Aparecimento de novos centros culturais em abadias e mosteiros Contributos de São Bento e de Bento de Aniana Existência de escolas monásticas e de scriptoria em todos os mosteiros e na maior parte das igrejas
  28. 28. OS GUARDIÃES DO SABER Ensino do trivium e do quadrivium lógica,gramática e retórica Aritmética, música, geometria e astronomia
  29. 29. OS GUARDIÃES DO SABEREnsino do trivium e do quadrivium + Estudo dos autores clássicos: - Virgílio - Horácio - Cícero - Platão - AristótelesOs monges transformaram-se nos intermediários entre o pensamentoclássico e o pensamento cristão, mantendo viva uma tradição que chegou aoRenascimento
  30. 30. O PODER DA ESCRITA Scriptoria (oficinas de escrita): Monges especializados: - Escreviam os documentos e registos do mosteiro - copiavam os livros religiosos e os grandes clássicos, ilustrados com iluminuras
  31. 31. O PODER DA ESCRITA Scriptoria (oficinas de escrita): Monges especializados: - Escreviam os documentos e registos do mosteiro - copiavam os livros religiosos e os grandes clássicos, ilustrados com iluminuras Desenvolvimento de caligrafias e alfabetos diferenciados + Valorização do clero: ocupavam cargos públicos
  32. 32. FIM

×