• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content

Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this presentation? Why not share!

Os ovos misteriosos

on

  • 15,473 views

 

Statistics

Views

Total Views
15,473
Views on SlideShare
14,573
Embed Views
900

Actions

Likes
8
Downloads
385
Comments
0

9 Embeds 900

http://eb1dopinheiral.blogs.sapo.pt 836
http://novoscrescidos.blogspot.pt 26
http://barulhentosespinho3.blogspot.com 23
http://webcache.googleusercontent.com 4
http://barulhentosespinho3.blogspot.pt 3
http://www.novoscrescidos.blogspot.pt 3
http://blogs.sapo.pt 2
http://www.facebook.com 2
http://www.google.com 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Os ovos misteriosos Os ovos misteriosos Presentation Transcript

    • OS OVOS MISTERIOSOS
    • Era uma vez uma galinha que todos os dias punha um ovo. E todos os dias vinha a dona, com uma cestinha tirar-lho.
    • - Já pus 1000 ovos. Podia ser mãe de mil filhos. Mas não tenho nenhum por causa da gente gulosa. Vou fugir!
    • Quando a dona abriu a porta para entrar na capoeira, ela fugiu para a mata. Fez um ninho muito bonito e pôs um ovo muito branquinho.
    • A galinha saiu do ninho para comer. Quando voltou, qual não foi o seu espanto ao ver o ninho cheio de ovos de todos os tamanhos e feitios.
    • -Na minha capoeira tiravam-me os ovos, aqui oferecem-mos. Mas que sorte. A galinha aninhou-se e ficou a chocar os ovos. Daí por diante, mal saia do choco.
    • O tempo foi passando. Até que o primeiro ovo estalou. Ai, mas que filho Eu até desmaio! Em vez de ser pinto É um papagaio.
    • No dia seguinte outro ovo se abriu. Ai, mas que filho Como ele é diferente! Em vez de ser pinto É uma serpente.
    • Nessa mesma tarde, o maior de todos os ovos partiu-se ao meio. Ai, mas que filho Este é de truz! Em vez de ser pinto É uma avestruz.
    • A galinha ia caindo para o lado quando viu o próximo a nascer. Ai, mas que filho Deve vir do Nilo! Em vez de ser pinto É um crocodilo.
    • A galinha ia caindo para o lado quando viu o próximo a nascer. Ai, mas que filho Diz o meu instinto! Que este finalmente É mesmo um pinto.
    • As amigas diziam à mãe galinha para ela só tratar do pinto e não ligar aos outros bichos. Mas como podia ela abandoná-los depois de os ter chocado com tanto amor? Que outra mãe havia de tratar deles?
    • Era feliz mas vivia num desassossego. O papagaio voava para as árvores e ela não sabia voar.
    • O crocodilo só estava bem dentro da água e ela não sabia nadar.
    • A serpente metia-se por todos os buracos e ela era gorda demais para a poder ir buscar.
    • A avestruz, essa, devorava tudo, não havia comida que lhe chegasse.
    • Só o pinto, naturalmente, se portava como um pinto.
    • Mas ela de todos gostava. De todos cuidava.
    • Coçava a serpente quando ela tinha cócegas, porque à pobrezinha faltavam as patas.
    • Enrouquecia de tanto tagarelar com o papagaio, que queria sempre conversa.
    • Cansava-se a carregar petiscos para a comilona da avestruz.
    • Esgravatava o chão em busca de sementes para o pinto.
    • E nos intervalos lavava as dentuças do crocodilo.
    • Tudo parecia correr bem até que apareceu no bosque um rapaz. Que belo frango! Vou assá-lo para o jantar.
    • Cocorococó! A mãe galinha refilou.... o que na sua língua quer dizer “Não lhe toques, senão pico-te”.
    • A serpente, ao ver o que se passava, pôs-se à sua frente a assobiar, mostrando os dentes de veneno. O rapaz atirou-se ao lago para lhe escapar.
    • Foi a vez do crocodilo avançar de boca aberta. Ai, que este me come!
    • Depois apareceu o papagaio a gritar: És ladrão, és ladrão, Vou prender-te na prisão! És ladrão, és ladrão, Vou prender-te na prisão!
    • O rapaz pensou que era a polícia. Logo atrás de si começou a ouvir passos, primeiro distantes, depois cada vez mais próximos. Era a avestruz. Pensando que um polícia o perseguia, largou a ave e só parou na aldeia.
    • Às costas da irmã avestruz, o frango voltou para casa. Para festejar, a galinha juntou todos os filhos e fez-lhes um bolo com vários andares.
    • Outro, ratos para a serpente. Outro, fruta para o papagaio. Outro, peixe para o crocodilo. Um tinha milho para o frango. E por cima, a enfeitar, sete berlindes, um martelo e vinte pregos, porque a avestruz só gostava de pitéus extravagantes.
    • Depois do jantar, os filhos fizeram uma roda à volta da galinha e puseram-se a cantar: Somos todos irmãos, Somos todos diferentes: Há uns que têm bico, Outros que têm dentes, Há uns que têm escamas, Outros que têm asas, Na terra e na água Fazemos nossas casas. Eu só tenho pescoço. Eu voo pelo ar. Eu nado a quatro patas. Eu cá gosto de andar. Somos todos diferentes, Mas todos queremos bem À boa da galinha Que é a nossa mãe.
    • Fim