Your SlideShare is downloading. ×
Trabalho atm e mpls
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Trabalho atm e mpls

305
views

Published on

ATM E MPLS

ATM E MPLS

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
305
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
32
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ATM MODO DE TRANSFERÊNCIA ASSÍNCRONA
  • 2. ATM: O QUE É ?  O ATM é uma tecnologia de comunicação de dados de alta velocidade usada para interligar redes locais, metropolitanas e de longa distância para aplicações de dados, voz, áudio, e vídeo.  A tecnologia ATM envia informações em modo assíncrono, que nada mais é a não comunicação simultânea, o emissor envia a mensagem e o receptor responde em outro momento.
  • 3. REDE ATM UMA REDE ATM É COMPOSTA POR:  Equipamentos de usuários (Pcs, estações de trabalho, computadores, outros)  Equipamento de acesso com interface ATM (Roteadores, hubs, Switches, bridge, outros)  A rede ATM é representada por uma nuvem, já que ela não é uma simples conexão física entre dois pontos distintos. A conexão é feita entre rotas ou canais virtuais configurados com uma determinada banda.
  • 4. ATM: CARACTERÍSTICAS A tecnologia ATM utiliza a multiplexação e comutação de pacotes para prover um serviço de transferência de dados orientado a conexão, em modo assíncrono, para atender as necessidades de diversos tipos de aplicações de dados, voz, áudio e vídeo.  A multiplexação nada mais é do que transmitir várias comunicações diferentes em um único canal físico. 
  • 5. CONEXÕES VIRTUAIS (VIRTUAL CONNECTIONS) A tecnologia ATM é baseada no uso de três conexões virtuais. TP (Transmission Path): é a rota de transmissão física.  VP (Virtual Path): é a rota virtual configurada entre 2 equipamentos adjacentes da rede ATM.  VC (Virtual Channel): é o canal virtual configurado também entre 2 equipamentos adjacentes da rede ATM. 
  • 6. ATM: APLICAÇÕES  A interligação das redes corporativas (LAN) de vários escritórios compondo uma rede WAN, é uma aplicação típica para o uso da tecnologia ATM.  O ATM, através de roteadores instalados nos escritórios, permite utilizar uma porta única em cada escritório para compor redes do tipo malha (meshed) onde a comunicação de um escritório com todos os outros é possível sem a complexidade do uso de múltiplas portas e múltiplos circuitos dedicados.
  • 7. IMAGENS : REDES ATM
  • 8. ATM: CONTROLE     A capacidade de transporte da rede ATM é limitada pela sua banda disponível. Conforme o tráfego aumenta a banda vai sendo alocada até onde não é mais possível receber tráfego adicional. Quando isso acontece a rede é considerada congestionada, embora ainda possa transportar todo tráfego entrante. ATM possui os seguintes mecanismos de gerenciamento de congestionamento. Alocação de recursos: Evita o congestionamento fazendo o controle severo de alocação de recursos de armazenamento. UPC: Se o controle de uso indicar estado de descarte ou seja cheio, os equipamentos situados na periferia da rede não aceitam um novo tráfego evitando o congestionamento.
  • 9. ATM: CONSIDERAÇÕES FINAIS Interface e protocolo: implementou uma forma de comutar tráfego com taxas constantes e variáveis de bits ao longo de um mesmo meio de transmissão.  Tecnologia: proporcionou o desenvolvimento de padrões de hardware e software para implementar funcionalidades de multiplexação, conexão cruzada.  Plataforma multisserviços: permitiu oferecer uma forma integrada de acesso de custo aceitável para aplicações de dados, voz, áudio e vídeo, e mesmo para sistemas legados. 
  • 10. REFERÊNCIAS  ANSI(American National Standards Institute)  ITU(The International Telecomunication)  ATM FÓRUM  WWW.TELECO.COM.BR
  • 11. MPLS Multiprotocol Label Switching 
  • 12. MPLS: O QUE É ? É um mecanismo de transporte de dados pertencente à família das rede de comutação de pacotes.
  • 13. MPLS: CRIAÇÃO  Essa tecnologia tem por objetivo básico aumentar e melhorar a velocidade de encaminhamento de pacotes nas redes públicas, visando obter um custo menor de acesso do cliente à rede do provedor ou prestador de serviço e possibilitar a convergência da comunicação digital (voz, vídeo e dados).
  • 14. MPLS  Para dinamizar o processo de encaminhamento de pacotes na rede, o MPLS inclui um rótulo (etiqueta) em cada pacote. Este rótulo de tamanho fixo é inserido ao cabeçalho IP do pacote, contendo informações essenciais para o roteamento do pacote, e permitindo a construção de caminhos entre roteadores de entrada e saída de um domínio.
  • 15. MPLS: SURGIMENTO Um grupo internacional de padronização trabalhou para que fosse desenvolvida uma tecnologia padrão para a comutação de dados, que pudesse ser utilizada e implementada por qualquer fabricante. O MPLS surgiu desse esforço e com essa intenção.
  • 16. MPLS: CONCEITO BÁSICO  MPLS é um framework definido pelo Internet Engineering Task Force (IETF) .Proporciona encaminhamento e comutação eficiente de fluxo de tráfego através da rede. O MPLS combina as vantagens das camadas 2 e 3 do modelo OSI (camada de enlace e rede).  O MPLS utiliza o roteamento IP tradicional para anunciar e estabelecer a comunicação na topologia de rede.
  • 17. MPLS: ARQUITETURA  A arquitetura do encaminhamento de rótulos MPLS é dividida em dois componentes: o componente de encaminhamento (data plane) e o componente de controle (control plane). Utilizando os protocolos de roteamento padrões ( como OSPF, BGP ou RIP), o componente de controle é responsável por realizar a troca de informações com outros equipamentos adjacentes.
  • 18. MPLS: VANTAGENS A criação de diferentes níveis / classes de serviço e engenharia de tráfego no coração da rede de serviços de nova geração MPLS permite um nível de priorização de serviços e controle de qualidade em tempo real anteriormente não disponíveis em ambientes IP.  Redução de custos de infraestrutura no core da rede de serviços, dada a padronização e comoditização dos equipamentos IP de nova geração, que por natureza possuem um custo benefício vantajoso quando comparado a redes de comutação de dados tradicionais. 
  • 19. IMAGEM:
  • 20. MPLS: APLICAÇÕES Acesso corporativo a servidores de aplicações centralizadas como sistemas corporativos, e-mail e Intranet  Integração de sistemas de telefonia  Formação de redes para compartilhamento de arquivos  Formação de sistemas de videoconferência  Acesso remoto aos sistemas corporativos 
  • 21. MPLS: INFRAESTRUTURA SUPORTADA Frame Relay  ATM  PPP  EThernet  Token Ring  FDDI  Comutação ótica (MPLS) 
  • 22. MPLS: FUNÇÕES Mecanismo para o tratamento de fluxos de dados entre hardware, ou mesmo aplicações, distintas.  Independência em relação aos protocolos.  Mapeamento entre os endereços IP e labels, para envio de pacotes.  Interfaces com protocolos de roteamento.  Suporta IP, ATM e frame-relay. 
  • 23. MPLS: CONCLUSÃO O MPLS é uma tecnologia utilizada em backbones e tem o objetivo de solucionar os problemas atuais das redes de computadores como velocidade, escalabilidade, gerenciamento de qualidade de serviço (QoS) e a necessidade de engenharia de tráfego.  Resumidamente uma rede MPLS além de acelerar o processo de encaminhamento dos dados, fornece diversas aplicações tais como suporte à QoS, Engenharia de Tráfego e VPNs. 
  • 24. FIM  ANDERSON COSTA DE ASSIS

×