Relatório Semestral PIBITIVOL 2011 - Izabella Rezende
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Relatório Semestral PIBITIVOL 2011 - Izabella Rezende

on

  • 590 views

Relatório Semestral - Ago/10 - Jan/11

Relatório Semestral - Ago/10 - Jan/11

Statistics

Views

Total Views
590
Slideshare-icon Views on SlideShare
576
Embed Views
14

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

2 Embeds 14

http://psa-ufs.blogspot.com 13
http://www.psa-ufs.blogspot.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Relatório Semestral PIBITIVOL 2011 - Izabella Rezende Relatório Semestral PIBITIVOL 2011 - Izabella Rezende Document Transcript

    • UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPEPRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA CENTRO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIAPrograma Institucional de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI) Concepção do Portal de Serviços Acadêmicos do DCOMP Área do conhecimento: Engenharia de Software Sub-área do conhecimento : Desenvolvimento de Software Especialidade do conhecimento: Desenvolvimento de PortaisBolsista: Izabella Cristine Oliveira Rezende (izaa09@gmail.com) Orientador(a): Rogério P C do Nascimento/ Departamento de Computação/ rogerio@ufs.br (Relatório Semestral) Período 2010 - 2011 (CAPA)
    • RESUMOOs portais voltados para Web têm crescido constantemente nos últimos anos,o que os tornam uma forma essencial para a concretização de negócios.Portais caracterizam-se por ser uma das melhores formas de alcançar toda asociedade ou uma parte específica de usuários. Esse projeto resume-se noestudo de Linguagens e Ambientes de Programação apropriados para odesenvolvimento de um portal de Serviços Acadêmicos do Departamento deComputação. Pretende-se fazer o desenvolvimento, testes e a avaliação domodelo criado pelo DCOMP de uma maneira que atenda os requisitosestabelecidos pelo departamento. Pretende-se também realizar a adaptação daarquitetura, dos métodos e ferramentas utilizadas para o desenvolvimento domesmo.Palavras Chaves: Portais Corporativos, Desenvolvimento de Portal Web,Linguagens e Ambientes de Programação, Serviços Móveis e Ubíquos. (1a. página)
    • __________________________________________________________________ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. REVISÃO DA LITERATURA 3. METODOLOGIA (Descritivo técnico, prospecção tecnológica, busca de anterioridade,...) 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 5. CONCLUSÕES 6. MATÉRIA ENCAMINHADA PARA PUBLICAÇÃO 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 8. ANEXO A (2a. página)
    • 1. INTRODUÇÃOAo se referir a Internet hoje, pensa-se logo na idéia de grandesportais, como o Globo.com ou UOL. É notável que esses portaisunem informações diversificadas tentando atrair todos os tipos deusuários.Com o crescimento acelerado da WWW (World Wide Web), nosúltimos anos crescem também o investimento em portais voltadospara a internet. “Um portal Internet é uma solução tecnológicaaplicada a determinadas necessidades funcionais existentes nasorganizações ou em setores de atividade.” (GOUVEIA et ali., 2007).Um portal pode fornecer a uma empresa uma atratividade maior,além de interesse por parte dos usuários em conhecer o produtooferecido. Levando-se em consideração que a Internet é um espaçoque atende a vários públicos, um portal específico a um determinadopúblico alvo também possui chances de sobreviver no mercado.Nesse caso, destacam-se portais com objetivos de tornar públicoalgo restrito a um determinado tipo de usuário, como, por exemplo,o Portal de Serviços Acadêmicos (PSA). O PSA trata-se de umespaço na internet que alimenta informações que interessam aosalunos e funcionários de um determinado departamento.O principal objetivo desse projeto é criar subsídios para o desenvolvimento deum portal de Serviços Acadêmicos do DCOMP. Entre outros, será feita a
    • análise da melhor ferramenta e dos requisitos desejados pelo DCOMP paraesse desenvolvimento. Também um estudo para uma adaptação da arquitetura,dos métodos e ferramentas a serem utilizadas para o desenvolvimento domesmo.Na seção 2 a seguir, serão mostradas referências bibliográficas a respeito deportais corporativos, voltados para web, linguagens e ambientes deprogramação, serviços móveis e ubíquos e trabalhos relacionados.A seção 3 procura mostrar a metodologia que está sendo utilizada para odesenvolvimento desse projeto, como está sendo o contato entre o aluno e oorientador, como as pesquisas estão sendo feitas, entre outros.Na seção 4 serão abordadas quais as conclusões que foram tiradas com otrabalho e quais os resultados que foram obtidos durante o semestre depesquisas.A seção 5 mostra as conclusões gerais sobre o trabalho e a seção 6 relata quaisforam os materiais que foram aproveitados para publicação. 2. REVISÃO DA LITERATURAÉ interessante saber que um portal é caracterizado por uma página da Internetque serve como ponto comum de acesso dos usuários com um grupo deinformações que os interessem. Uma página de portal permite ao usuário teracesso a diversas informações. Um portal de entretenimento, por exemplo,oferece ao usuário opções como acesso a e-mails, vídeos, imagens, notícias,jogos, entre outros.Existem dois tipos de portais: Portais Corporativos e Portais deGerenciamento de Conteúdo. Os Portais Corporativos possuem como objetivo
    • colocar inúmeras informações em uma única tela. Geralmente os usuáriosdesse tipo de portal não publicam nada, ao invés disso, eles visualizam asinformações que são postadas e publicadas pelos responsáveis.Já os Portais de Gerenciamento de Conteúdo são destinados à melhoria doacesso e ao compartilhamento de dados. Nesse tipo de portal os usuários finaispublicam e compartilham documentos ou outros conteúdos da Web comoutros usuários.O tipo de portal que será utilizado para o DCOMP será semelhante aos portaiscorporativos. Nele, os alunos, não-alunos e funcionários terão acesso ainformações sobre os cursos que o departamento oferece as disciplinasofertadas, suas notas em cada disciplina, notícias enviadas pelos professores,oportunidades no mercado de trabalho, webmails, entidades e empresasassociadas ao departamento, chats entre alunos e lugar para tirar dúvidas comos professores, entre outros. Em suma, o portal deve fornecer estes “serviços”para os seus visitantes, de acordo com o perfil da cada um deles.Segundo (DIAS, C. A., 2001), “Embora seja uma tecnologia muito recente,vários são os benefícios, apontados por fornecedores e consultores deinformática, associados aos portais corporativos.”.Para (TERRA, J. C., 2003), os Portais Coorporativos (tipo de portal que seráutilizado nesse projeto) possuem como foco principal os aspectos relativos aomelhoramento do acesso às informações da organização e a diminuição doproblema de excesso de informações. Assim, os portais corporativos devemlidar com os problemas de acesso de informação e, paralelamente, lidar com asobrecarga de informações.Para (PEREIRA, J.C.I; BAX, M.P, 2002), as organizações de hoje devemsaber lidar com a grande demanda de conteúdo, sendo informações que são
    • geradas pelos diferentes departamentos, do setor de P&D (pesquisa edesenvolvimento), entre outros. O autor afirma então que os portaiscorporativos admitem o estabelecimento dos requisitos que garantem aeficácia na implantação de um portal na organização.Para (PARREIRAS, F. S., BAX, M. P., 2003), os portais corporativospossuem vários benefícios, dentre eles estão: capitalizar a informação, oconhecimento e a competência das organizações, guardar documentação,procedimentos administrativos, técnicos, de marketing, entre outros, demaneira segura. Os portais corporativos devem investir em segurança emtodos os seus aspectos.Para (MENDES, S. P, 2004), sendo o objetivos dos portais oferecer aosusuários uma interface individual disponível na Intranet ou Internet, elespodem ter então um alto grau de usabilidade, já que um portal não exige muitoesforço do usuário. Em 2000, foi levantado que mais da metade das empresasutilizam um portal de conhecimento em seus ambientes.2.1 Desenvolvimento de Portal WebPara (MOTA, R.A., 2007), é interessante o entendimento de como funcionaum portal Web e como ele deve ser desenvolvido: “Os problemas de produçãode conteúdo necessitam da utilização de um conjunto de conceitos eferramentas que amenizem ou resolvam essa questão, como a arquitetura dainformação, hierarquia da informação, a navegabilidade, adequaçãotecnológica, interfaces amigáveis e gerenciamento”.
    • Segundo (ALVEAR, C.A.S., 2009), o custo das ferramentas que são utilizadaspara o desenvolvimento de um portal para web também deve ser considerado.De acordo com o autor, o custo “deriva da especialização para que atecnologia seja voltada especificamente para um problema (o de quem paga).O desenvolvimento de tecnologias através de outras lógicas como é o caso desoftware livre, na qual não há um demandante específico e busca-sedesenvolver uma solução que atenda a maior quantidade de pessoas possíveis,mostra outro caminho possível.”Para (FILHO, A.M.S., 2002), a arquitetura de software é útil para odesenvolvimento de sistemas, sobretudos grandes e complexos. Dessamaneira, fica cada vez mais óbvio que os procedimentos de engenharia desoftware utilizem um processo de arquitetura de software para odesenvolvimento dos sistemas.2.2 Linguagens e Ambientes de ProgramaçãoPara que o portal seja desenvolvido, inicialmente devem serdefinidos alguns recursos, como a Linguagem e o Ambiente deProgramação. Segundo (MARQUES, N.M.C. , 2000), “A utilizaçãode uma linguagem de programação é por excelência a forma deespecificar o funcionamento de um computador. Consoante osproblemas a serem tratados, as melhores formas de especificação etratamento podem ser distintas. Se incluirmos linguagens específicas
    • e em estudo, não surpreende pois que existam, atualmente, mais deum milhar de linguagens de programação e dialetos distintos”.(MORIMOTO, C.E., 2007) cita algumas das diversas linguagens deprogramação. O autor cita as diferenças de sintaxe e as linguagensmais simples e trabalhosas de trabalhar, por exemplo: Assembly(provavelmente a primeira linguagem de programação existente),Python (linguagem simples, intuitiva e poderosa) e Java (linguagemmultiplataforma em que os programas feitos com essa linguagemsão executados em qualquer computador que tenham o seuinterpretador instalado), entre outras.2.3 Serviços Móveis e UbíquosÉ notável o crescimento internet 3G nas principais cidades do mundo, decelulares com acesso a internet, smartphones, internet sem fio, e outrasdiversas tecnologias que fazem com que se acesse a web de qualquer ponto domundo. Assim, a computação ubíqua e os serviços móveis acabam fazendoparte essencial no mundo tecnológico.Os serviços de XML (eXtensible Markup Language) também serão usados,uma vez que XML é uma linguagem capaz de delinear diversos tipos de dadostendo como objetivo o compartilhamento de informações por meio da Web.Segundo (JUNIOR, M.B.F.), o XML é uma linguagem adequada para ocontorno de dados que aprovisiona um formato a fim de descrever dadosestruturados.
    • De acordo com (PEREIRA, A.P.S.S.), “Quando combinado com outrospadrões, torna possível definir o conteúdo de um documento separadamentede seu formato, tornando simples para reutilizar o código em outras aplicaçõespara diferentes propósitos.”Para (MACEDO, E), “Ubíquo significa algo universal, ou seja, algo que todosentendem, conhecem. Ubíquo também pode ser interpretado como aquilo queestá presente em todos os lugares, ao mesmo tempo. É como onipresença.”“Uma das principais áreas de pesquisa dentro da computação ubíqua é acomputação ciente do contexto (context-awareness). A computação ciente ousensível ao contexto (Context-Aware Computing) define uma área de pesquisarelativamente recente, que possui aplicações em diferentes cenárioscomputacionais e que apresenta desafios de implementação importantes, osquais têm sido o alvo da atenção de pesquisadores provenientes de diferentespartes do mundo.” (LOUREIRO,A.A.F. et ali., 2009).2.4 Trabalhos RelacionadosSeguem abaixo os trabalhos correlatos que dizem respeito a iniciativassemelhantes àquela que está sendo feita pelo DCOMP.Na possível interoperabilidade com sistemas legados (com o SIGAA, SistemaIntegrado de Gestão de Atividades Acadêmicas, do CPD), é possível o uso deserviços web XML para serem usados em sistemas móveis ou ubíquos.
    • 3. METODOLOGIAA metodologia que está sendo utilizada durante o projeto é baseada emreuniões presenciais e não presenciais com o orientador e a professora DoutoraAdicinéia Aparecida Oliveira, coorientadora neste trabalho. Contatos tambémsão mantidos por meio de e-mails e pesquisas realizadas na Internet sobre otema do projeto.As reuniões presenciais ocorrem com base na necessidade de pesquisas ediscussões relacionadas ao mesmo. Essas reuniões, que são agendadasantecipadamente via e-mail, serviram para definir o escopo do projeto e paramostrar o que já está pronto e o que se falta desenvolver. Nelas são feitaspesquisas intensas sobre os assuntos necessários para o desenvolvimento doprojeto e discutidas possíveis melhorias.Como fonte de recuperação de informações também foi utilizado um blogpróprio para o PSA do DCOMP: EDU-BLOG (http://psa-ufs.blogspot.com/).Nele encontramos informações referentes aos trabalhos passados.Os próximos passos que serão dados para se realizar o projeto são odesenvolvimento, os testes e a avaliação do modelo criado para o DCOMP deuma maneira que atenda os requisitos estabelecidos pelo departamento. Odesenvolvimento será realizado com a ferramenta escolhida, e os testes eavaliações só poderão ser feitos após o desenvolvimento do portal. Alémdisso, ocorrerá a adaptação da arquitetura, dos métodos e ferramentasutilizadas para o desenvolvimento.
    • 4. RESULTADO E DISCUSSÃODurante o período de trabalho, foi feita, sobretudo, a revisão bibliográfica ediscutidas quais são as melhores formas para o desenvolvimento do PSA.Nesses 6 meses, foi escolhido qual seria o foco do projeto: Desenvolvimentode um portal corporativos para os serviços acadêmicos do departamento decomputação.Por questão de custos, a linguagem de programação utilizada para o PSA seráJava Server Pages (JSP) e o banco de dados será o MySQL. Ambos sãogratuitos. Java ainda é uma linguagem padronizada, documentada, possui umaAPI satisfatória e se integra facilmente com o banco de dados MySQL.A arquitetura ou metodologia realizada será a MVC (Model View Controller),ou seja, arquitetura em camadas. Esse tipo de arquitetura tem como vantagemseparar os serviços de acesso aos dados e a lógica do negócio e deapresentação e interação com o usuário por meio de um controlador, tornandoo PSA mais seguro. 5. CONCLUSÕESPor meio das revisões bibliográficas de alguns artigos e páginas da Internet, épossível construir uma base de conhecimento para uma familiarização com aspossíveis metodologias indispensáveis para o desenvolvimento do PSA.O PSA será aproveitado pelo DCOMP, sobretudo porque há uma necessidadeno DCOMP de integrar as suas informações e manter os alunos atualizadoscom os últimos acontecimentos. Pretende-se que seja um único ponto deacesso para todos os tipos de informações referentes a disciplinas, professores,
    • cursos, vagas, e notícias do departamento. Os usuários poderão ter acesso deuma forma mais ágil a esses documentos, aumentando seu interesse emparticipar ativamente das decisões do departamento.Durante esse período, foram feitas a revisão bibliográfica e também o estudoda Linguagem e do Ambiente de Programação mais apropriados para o PSAdo Departamento de Computação.Até Julho de 2011, ocorrerá o estudo dos requisitos do DCOMP para odesenvolvimento do sistema e a fase de testes e validação. Consiste tambémna adaptação da arquitetura e nos métodos e ferramentas utilizadas para odesenvolvimento.6. MATÉRIA ENCAMINHADA PARA PUBLICAÇÃOAinda não há matéria encaminhada para publicação. Mas está incluído nosplanos para o próximo semestre a publicação de um artigo na conferenciaEscola Regional de Computação dos Estados da Bahia, Alagoas e Sergipe(ERBASE) e no Simpósio Internacional de Inovação Tecnológica.
    • 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASALVEAR, C.A.S. Portais Comunitários Web: Desenvolvimento de novasmetodologias, adequação sócio-técnica de ferramentas, formação de redesmultidisciplinares e limites. Disponível em:< http://164.41.2.88/omts/conteudo_arquivo/121109_E909F8.pdf>, 2009.DIAS, C.A. Portal Corporativo: Conceitos e Características. Ci. Inf., Brasília,v. 30, n. 1, p. 50-60, jan./abr. 2001.EDU-BLOG, Portal de Serviço Acadêmico. Disponível em: < http://psa-ufs.blogspot.com/ >. Aracaju, SE.FILHO, A.M.S., Sobre a Importância da Arquitetura de Software noDesenvolvimento de Sistemas de Software. Disponível em:<http://www.unibratec.com.br/revistacientifica/n1_artigos/n1_silvafilho.pdf>,2002.GOUVEIA, A. J.G., OLIVEIRA, P.C., VARAJAO, J.E.Q. Portais Web:Enquadramento Conceptual. Conferência IADIS Ibero-AmericanaWWW/Internet 2007.JUNIOR, M.B.F., XML - Extensible Markup Language. Disponível em: <http://www.gta.ufrj.br/grad/00_1/miguel/index.html>, Rio de Janeiro.
    • LOUREIRO,A.A.F, OLIVEIRA, R.A.R. , SILVA,T.R.M.B.,JUNIOR,W.R.P., OLIVEIRA, L.B.R., MOREIRA, R.A., SIQUEIRA,R.G.,ROCHA, B.P.S., RUIZ, L.B., Computação Ubíqua ciente de Contexto:Desafios e Tendências. Disponível em:< http://www.eventoexpress.com.br/cdsbrc/pdfs/minicurso3.pdf> 2009.MACEDO, A., Computação Ubíqua e Dispositivos Móveis. Disponível em:<http://codificando.com/2010/07/computacao-ubiqua-dispositivos-moveis/>,2010.MARQUES, N.M.C., Linguagens de Programação. Disponível em: <ftp://ftp.unilins.edu.br/tuca/licenciatura/CadernoApoio.pdf>. UniversidadeAberta, 2000.MENDES, S.P. Prática Motivacional de Compartilhamento do ConhecimentoOrganizacional em Portais Corporativos. Brasília, 2004.MOTA, R.A. Portais de Informação e Comunidades de Conhecimento – OProjeto Museu Virtual. Disponível em:<http://www.latec.ufrj.br/monografias/monografia%20-%20Rodrigo%20Amorim.pdf>. Rio de Janeiro, 2007.MOURIMOTO, C.E., Linguagens de Programação. Disponível em:<http://www.guiadohardware.net/artigos/linguagens/>,2007
    • PARREIRAS, F. S., BAX, M. P. Gestão de conteúdo com softwares livres. In:KMBrasil, 2003, São Paulo. Anais... São Paulo: SBGC - Sociedade Brasileirade Gestão do Conhecimento, 2003. CD-ROM. Disponível em<http://www.fernando.parreiras.nom.br/publicacoes/pgct166.pdf>.PEREIRA, A.P.S.S., O que é XML?. Disponível em: <http://www.baixaki.com.br/tecnologia/1762-o-que-e-xml-.htm>. 2009.PEREIRA, J.C.I; BAX, M.P. Introdução a Gestão de Conteúdos. RevistaGestão & Tecnologia, Pedro Leopoldo, v. 1, n. 1, p., jan./jul. 2002.TERRA, J. C.; BAX, M. P. Portais corporativos: instrumento de gestão deinformação e de conhecimento. In: Isis Paim. (Org.). A Gestão da Informaçãoe do Conhecimento. 1 ed. Belo Horizonte, 2003, v. , p. 33-53.
    •  ANEXO A  Título vendável;Tecnologias e Conceitos relacionados ao desenvolviemnto de um PortalCorporativo Web com suporte a Serviços XML, Móveis e Ubíquos. Publico alvo que o projeto irá atingir;Desenvolvedores de Software, professores e alunos de Computação, e pessoasinteressadas na área de Tecnologia de Informação e Comunicação voltada paraa criação de Portais Corporativos. Finalidade do projeto;Criar subsídios para o desenvolvimento de um portal de Serviços Acadêmicospara o Departamento de Computação da Universidade Federal de Sergipe,utilizando os métodos e ferramentas mais apropriados com o objetivo deintegrar e unir serviços do DCOMP propriamente ditos e serviços Web XML,serviços móveis e ubíquos de sistemas externos ou legados da UFS. . Curso do bolsista;Sistemas de Informação. Telefone para contato do bolsista e do orientador.Izabella Cristine Oliveira Rezende (bolsista):Telefone: (79) 9839-7124E-mail: izaa09@gmail.com
    • Rogério Patricio Chagas do Nascimento (orientador)Telefone: (92) 8204-2703 / (79) 9137 – 2948E-mail: rogerio@ufs.br / rogerio@dcc.ufam.edu.br