Sapatilha bailarina em tricô

2,821 views

Published on

Published in: Business, Economy & Finance
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,821
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Sapatilha bailarina em tricô

  1. 1. À uns meses, quando estava a ver o blog da Celina, descobri as "bailarinas" que ela fez. Uns sapatinhos, de andar por casa, da revista Marie Claire Idees, feitos em tricô com uma fita em cetim para atar à perna, com um ar de sapatos de bailarina! Por essa altura decidi que, se algum dia aprendesse a fazer tricô, tentava fazer umas para mim. À pouco tempo voltei a lembrar-me delas e pedi-lhe a receita. Ela foi muito querida e dispôs-se logo a judar, inclusivé com as instruções, caso eu não as percebesse. É que eu e instruções francesas...pois. Felizmente a minha mãe andou às voltas com as instruções e, por tentativas, conseguiu descobrir como é que se faziam. Radiante e cheia de vontade de pôr mãos à obra, fui a uma loja do chinês aqui perto de casa e comprei dois novelos de cor cinza, super macios. Já tinha reparado que eles agora têm muita coisa de tricô: agulhas rectas e circulares, novelos... além de muita coisa para croché! Mas, até aqui, tinha receio de fazer camisolas com novelos de lá. Não sabia se repunham o stock com regulariedade e como se dariam as lãs com o uso do dia-a-dia. Confesso que as lãs se revelaram uma agradável surpresa. Apesar de não serem muito quentes, são muito agradáveis de tricotar. E para as sabrinas, em particular, até convém que a lã não seja muito quente, porque como são muito abertas, o ideal é usa-las nas meias Estações, quando não está nem muito frio, nem muito calor. Utilizei um conjuto de 5 agulhas (muito típicas para fazer meias), mais curtas do que as normais e com duas pontas. Ao princípio parece uma grande confusão usá-las todas ao mesmo tempo, mas depois resulta tudo muito bem. Utilizei dois fios ao mesmo tempo, como pedia a receita. E no final, para deixar as sabrinas à medida do pé, fiz um pesponto, com linha elástica, ao longo de toda a abertura, como se pode ver na última foto.

×