Your SlideShare is downloading. ×
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008

1,409

Published on

Published in: Travel, Business
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,409
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • Transcript

    • 1. Aquecimento global e sua relação com as doenças infecciosas no Brasil Christovam Barcellos (CICT/Fiocruz) Antonio Miguel Vieira Monteiro (INPE) Carlos Corvalán (OPS/OMS) Helen C. Gurgel (INPE) Marilia Sá Carvalho (ENSP/Fiocruz) Paulo Artaxo (USP) Sandra Hacon (ENSP/Fiocruz) Virginia Ragoni (INPE)
    • 2. Conceitos chave
      • Calor
      • Propriedade física – energia
      • Sensação - subjetividade
      • Aquecimento
      • Processo - tendência, direcionalidade
      • Temperatura
      • Indicador - variabilidade
    • 3. Variações de temperatura
      • Diária
      • Sazonal
      • Anual
      • Secular (orbital)
      • Perturbações (vulcões e explosões solares)
      • Separar variabilidade, tendência e anomalias!!
    • 4. Evolução da temperatura média mundial IPCC, 2007
    • 5. Evolução de temperatura e gases na atmosfera segundo registros de gelo no Ártico CO 2 CH 4 IPCC, 2007
    • 6. Aumento da temperatura e suas causas Observations All forcing Solar+volcanic IPCC, 2007
    • 7. Uma verdade inconveniente Katrina, 2005 O dia depois de amanhã Relatório IPCC, 2007 Ártico, 2006
    • 8. Ciclone Catarina, RS e SC, 2004 Jaboatão- PE, 2005
    • 9. O Impacto na mídia
    • 10. Jornal do Brasil, fev./2007
    • 11.  
    • 12. IPCC, Climate Change Report 2007
      • Até o fim deste século, a temperatura da Terra pode subir de 1,8ºC até 4ºC. Na pior das previsões, essa alta pode chegar a 6,4°C
      • O nível dos oceanos vai aumentar de 18 a 59 centímetros até 2.100, o que significa que 200 milhões de pessoas terão de abandonar suas casas.
      • As chuvas devem aumentar cerca de 20%.
      • O gelo do Pólo Norte pode ser completamente derretido no verão, por volta de 2100.
      • O aquecimento do planeta se deve, com 90% de probabilidade, às emissões de dióxido de carbono e outros gases que causam o efeito estufa, provocadas pela mão do homem.
      • O aquecimento da Terra não será homogêneo e será mais sentido nos continentes do que no oceano. O hemisfério norte será mais afetado do que o sul
      IPCC, 2007
    • 13. Evolução de publicações sobre aquecimento global em revistas científicas Criação do IPCC BROECKER WS (1975) CLIMATIC CHANGE - ARE WE ON BRINK OF A PRONOUNCED GLOBAL WARMING? SCIENCE 189 (4201): 460-463. Relatório IPCC 2007
    • 14. Evolução de temperatura – Global e local (o papel das cidades
    • 15. Estações meteorológicas no mundo
    • 16. Aumento da temperatura média na superfície
    • 17. Fluxos de energia Alta temperatura Baixa pressão Baixa temperatura Alta pressão Precipitação Variação = fluxo
    • 18. Efeitos do aquecimento e desmatamento sobre o ciclo hidrológico Aumento da evaporação, precipitação e escoamento superficial Diminuição da infiltração e transpiração Aumento da variabilidade dos rios (enchentes e secas)
    • 19. Aumento da variabilidade das vazões de rios
    • 20. Transporte de poeiras a longa distância
    • 21. Transporte de poeiras a longa distância
    • 22. Queimadas e poluição atmosférica Paulo Artaxo, LBA Corrida ao PSM por doenças respiratórias Médica plantonista do pronto-atendimento disse que mais da metade das consultas diárias tem sido em decorrência de males relacionados ao clima. Diário de Cuiabá, set/2007
    • 23. Malária 600.000 casos por ano
    • 24. Esquistossomose 50.000 casos por ano
    • 25. Leptospirose 3000 casos 300 óbitos por ano
    • 26. Dengue 500.000 casos 40 óbitos por ano
    • 27. Clima e endemias Esquistossomose Leptospirose Dengue Isoterma de 22 o C Chuvas no verão Baixas temperaturas Arroz Baixa amplitude de temperatura Chuvas constantes
    • 28. Relacao entre unidades espaciais (modelagem de dados) Municipio (políticas públicas) Relevo (hidrologia) Uso do solo (atividades humanas) Bacia (dominio ecol.) Paisagem (nidalidade)
    • 29. F. Mendonça et al., 2003
    • 30. De Paula, 2005. Leptospirose Humana: uma análise climato-geográfica de sua manifestação no Brasil, Paraná e Curitiba Leptospirose em Curitiba
      • Associação com:
      • Pobreza
      • Sub-habitação
      • Alagamentos
    • 31. Risco Risco = Perigo * Vulnerabilidade
      • Natureza
      • Ambiente
      • Magnitude de eventos
      • Sociedade
      • Capacidade de adaptação
      • Desigualdades sociais
    • 32. onde: I DEMOG : Índice para Demografia I RENDA : Índice para Renda I EDUCA : Índice para Educação I SANEA : Índice para Saneamento I SAUDE : Índice para Saúde O IVS é a média aritmética simples dos 5 índices por dimensão Com base nos critérios adotados, valores baixos de IVS estão associados a baixa vulnerabilidade. Cálculo do Índice de Vulnerabilidade Social Confalonieri, 2007   SAUDE SANEA EDUCA RENDA DEMOG I I I I I IVS      5 1
    • 33. Mapa do IVS nos Estados do Brasil Confalonieri, 2007 AM RO AC RR AP PA MA PI CE RN PB PE AL SE BA TO MG GO MT MS SP PR SC RS ES RJ DF IVG 0,133 - 0,141 0,142 - 0,239 0,240 - 0,339 0,340 - 0,481 0,482 - 0,643
    • 34. Variabilidade
      • Temperatura (proteção)
      • Economia (agricultura, indústrias)
      • Suprimento de alimentos e água (serviços)
      • Migração (controle de fronteiras)
      • Doenças (vigilância epidemiológica)
    • 35. Saneamento – técnicas Ambiente Cidades Domicílios Manual de Saneamento (Funasa, 2004)
    • 36. Estruturas hierárquicas de dependência Comunidade Domicílio Pessoa Município Bacia hidrográfica Sistema de abastecimento
    • 37. Estruturas hierárquicas de dependência Comunidade Domicílio Pessoa Município Bacia hidrográfica Sistema de abastecimento Ligação-delegação
    • 38. Estruturas hierárquicas de dependência Pessoa Estado nutricional Doenças Hábitos/Comportamento
    • 39. Estruturas hierárquicas de dependência Domicílio Instalações sanitárias (canalização/banheiro) Renda (capacidade de investimento)
    • 40. Estruturas hierárquicas de dependência Comunidade Organização política Identidade Localização
    • 41. Estruturas hierárquicas de dependência Sistema de abastecimento Fonte de água Tratamento e distribuição
    • 42. Estruturas hierárquicas de dependência Município Políticas sociais de saneamento Mecanismos de proteção de mananciais
    • 43. Estruturas hierárquicas de dependência Bacia hidrográfica Regime de chuvas Vegetação Clima
    • 44. Estruturas hierárquicas de dependência Comunidade Domicílio Pessoa Município Bacia hidrográfica Sistema de abastecimento Colapso
    • 45. Manancial de água de Angra dos Reis, 2007
    • 46. Crise(s) de água Santos, 1875 Rio de Janeiro, 1850
    • 47. Taxa de mortalidade por diarréias em crianças em municípios segundo a cobertura da rede de abastecimento de água e a existência de tratamento de água no município Fonte de dados: SIM/MS, PNSB/IBGE e Censo 2000/IBGE
    • 48. Taxa de mortalidade por diarréias em crianças em municípios segundo a cobertura da rede de abastecimento de água e a existência de banheiro nos domicílios Fonte de dados: SIM/MS e Censo 2000/IBGE
    • 49. Incidência de leptospirose no Rio de Janeiro após as enchentes de 1996 Cerca de 1500 casos no município do Rio de Janeiro
    • 50. Base de dados de notificação de leptospirose (SES-RJ) Base de dados do censo 1991 (IBGE) Coleta de dados Georreferenciamento Sobreposição Integração
    • 51. Identificação de áreas de risco Barcellos e Sabroza, 2002
    • 52. Metodologia Marcação de setores censitários em torno de locais de residência de casos de leptospirose. SC “positivo”: dentro da área de influência de casos SC “negativo”: fora da área de influência de casos
    • 53. Risco relativo dos setores censitários (a 250 m dos casos) Chance do setor censitário estar próximo a um caso de leptospirose em função da sua inserção em áreas de risco. Alagamento 2,33 (1,34 – 4,04) Lixo 2,34 (1,27 – 4,27) Alagamento e lixo 2,88 (1,26 – 6,33) Característica RR
    • 54. Risco relativo dos setores censitários em função da distância a áreas de acúmulo de lixo
    • 55. Distância Novos casos observados Produção de lixo estimada
    • 56. Distância Produção de lixo estimada Concentração esperada de leptospira antes da enchente Concentração esperada de leptospira após a enchente
    • 57. Distância Soroprevalência esperada antes da enchente Novos casos observados Soroprevalência esperada depois da enchente
    • 58. Lições da enchente
      • A variabilidade é inerente dos sistemas complexos
      • Os sistemas técnicos são cada vez mais abrangentes e vulneráveis
      • A vulnerabilidade é maior entre pobres (e excluídos desses sistemas)
      • Os incluídos não estão fora de risco, ao contrário, sua capacidade de resposta (imunológica e social) é mais baixa
    • 59. Mecanismos de impacto do aquecimento global sobre a saúde humana Adaptado de McMichael et al., 2006 Ambiente Sociedade Saúde Intervenções Intervenções Intervenções Emissão de gases do efeito estufa
      • Mudanças climáticas
      • Temperatura
      • Precipitação
      • Umidade
      • Ventos
      • Processos naturais
      • Sol
      • Vulcões
      • Órbita
      • Eventos extremos
      • Ondas de calor
      • Inundações
      • Secas
      • Ciclones
      • Queimadas
      • Mudanças ecossistemas
      • Perda biodiversidade
      • Invasões de espécies
      • Alterações de ciclos geoquímicos
      • Aumento do n. mar
      • Salinização
      • Erosão da costa
      • Surges
      • Degradação ambiental
      • Contaminação
      • Pesca
      • Agricultura
      • Perdas de produção agrícola
      • Acidentes e desastres
      • Contaminação de água e alimentos por microorganismos
      • Mudança da distribuição de vetores, hospedeiros e patógenos
      • Insegurança alimentar
      • Desabrigados e refugiados
      • Mortes por estresse térmico
      • Mortes e agravos por desastres
      • Aumento da inc. doenças veicul. Hídrica
      • Emergência de doenças infec.
      • Espalhamento doenças transm. vetores
      • Fome, desnutrição e doenças associadas
    • 60. Causas da emergência e re-emergência de doenças infecciosas
      • Uma combinação entre desigualdades sociais com
      • Desconhecimento sobre agentes infecciosos,
      • Mudanças populacionais e de comportamento ,
      • Desenvolvimento tecnológico ,
      • Desenvolvimento econômico e mudanças do uso da terra ,
      • Comércio e viagens internacionais,
      • Adaptação dos agentes infecciosos,
      • Enfraquecimento das atividades de saúde pública.
      Barreto, M.L. 2003. “Science, policy, politics, a complex and unequal world and the emerging of a new infectious disease.” Journal of Epidemiology and Community Health , 57(9):644–645.
    • 61.
      • Casos suspeitos ou confirmados de algumas doenças de notificação compulsória,
      • Agravos inusitados(doença desconhecida ou mudanças na epidemiologia de doenças conhecidas),
      • Epizootias de importância epidemiológica
      Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde - CIEVS
    • 62. Inquéritos sorológicos em aves migratórias
    • 63. Obrigado [email_address]

    ×