CEBs: Comunidades de Comunidade a luz do Vaticano II

3,935 views
4,054 views

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,935
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
25
Actions
Shares
0
Downloads
51
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

CEBs: Comunidades de Comunidade a luz do Vaticano II

  1. 1. O que é um Concílio?Um concílio é uma “reunião” convocada peloPapa, entre todos os membros do mais alto clerocomo cardeais e bispos de todo mundo, com oobjetivo de discutir, definir e deliberar sobrequestões de doutrina, fé, pastorais e costumesda religião cristã.
  2. 2. Maior e mais importante acontecimento da Igrejanas ultimas décadas. Acontecido no Vaticano(Roma) entre os anos de 1962 – 1965, iniciadopelo Papa João XXIII e encerrado em 8 dedezembro de 1965 pelo Papa Paulo VI.Um papa detransição
  3. 3. Década de 60
  4. 4. O Concílio Vaticano IIeminentemente Pastoral,provocou um grande impacto naIgreja. Suas grandes ideias-chavetrouxeram a fundamentaçãoteológica para intuição, já sentidana prática, de que a renovaçãopastoral deve se fazer a partir davida comunitária e de que acomunidade deve se tornarinstrumento de evangelização.
  5. 5. João XXIII era conhecido como o Papa Bom. EPaulo VI como o Papa sensível, humano, prudentee corajoso. Deu continuidade ao concílio e sepreocupou em não romper com a tradiçãoeclesiástica.
  6. 6. Sem mudar as verdadesda fé, o C. V. II, nos deuuma nova visão daigreja. A igreja deixariade ser apenas o papa epassaria a ser o povo emgeral, dando abertura aosleigos, chamando-os aocupar o seu verdadeirolugar na igreja e assumirsua missão na sociedadecomo sal e luz domundo.O Concilio Vaticano IInão veio para definir oucondenar, mas paraservir e salvar.( Cardeal Dom Aloisio Lorscheider)
  7. 7. Um dos motivos principais da convocação doConcilio Vaticano II era o restabelecimento daunidade dos cristãos. A grandeza de João XXIII foiprometer que o concílio tomasse um rumo nãopensado por ele, mas no qual via a ação do EspíritoSanto. Se o concílio era um novo pentecostes, nãopoderia se contentar com repetições antigas ou atémesmo ultrapassadas.
  8. 8. Com a morte de João XXIII, os conservadoresesperavam que o concílio automaticamente fosseextinto, mas o novo Papa Paulo VI, eleito em 21de junho, era um homem aberto aos problemas domundo e imediatamente decretou a continuidadedo concílio, propondo concretamente quatrodesafios aos trabalhos: apresentar de mododoutrinal a essência da Igreja, renovar a vidainterna da igreja, promover a unidade doscristãos e intensificar o diálogo da igreja com omundo inteiro.
  9. 9. O concílio foi encerrado em 8 de dezembro de 65 eali começava um grande trabalho de aplicar suasdecisões. Levar a passagem de uma Igrejaextremamente centrada na hierarquia clerical àuma Igreja comunhão, onde todos os batizadossentiam-se responsáveis pela vida interna da Igreja.Um concílio é uma obra de tamanhaimportância que são necessárias décadasde trabalho para colher suas riquezas.
  10. 10. Surge então uma nova eclesiologiaJesus Cristo
  11. 11. Novos ares na igreja
  12. 12.  Renovação: O concílio foi convocado pararenovar a Igreja. Vivendo num mundo que setransforma rapidamente, a Igreja precisaacompanhar os tempos, porque é lá que seencontra os homens e mulheres que ela devereunir e salvar; Inculturação: A igreja precisava se encarnarem cada povo, em cada nação, em cadacultura. É preciso conservar a unidade, massem impor a uniformidade.
  13. 13. Descentralização: Não é mais possível quepara cada mínima coisa se precise recorrer aRoma. O Papa existe para manter a unidade, enão para absorver todas as decisões. Acentralização era abafar o crescimento daIgreja, impedir a renovação e a adaptação.Serviço: A igreja está a serviço do ser humano.Por isto, a Igreja precisa se apresentar pobre edespretensiosa, para que não a vejam comodominadora.
  14. 14. Participação: A Igreja é de Todos e não só dealguns. O Concílio foi redescobrir a rica noçãobíblica, de que a Igreja é um povo e não umapequena elite. Quando o povo um povodesperta exige democracia. Quando oscristãos despertam, exigem participação naIgreja.
  15. 15. Antes do Concílio Vaticano II Missa em Latim Padre de costa para o povo Nenhuma participação de leigos. Várias celebrações ao mesmo tempo na mesmaigreja. Apenas o clero tinha acesso a Bíblia.
  16. 16. • 1955 – Nascimento do CELAM: comreuniões periódicas e instrumento deligação;• Conferência de Medellín (Colômbia –1968): preocupação com a violênciainstitucionalizada, crítica à invasãoeconômica das grandes multinacionais;• Conferência de Puebla (México – 1979):rejeição da violência, libertação total dohomem da pobreza, revalorização dareligiosidade indígena e popular;• Conferência de Santo Domingo (Rep.Domin. – 1992): valores tradicionais domundo latino-americano.NA AMÉRICA LATINA
  17. 17. • DOM JOSÉ PEDRO COSTA – Em1962, participou do Concílio.Situação que influenciou aadoção de inovações litúrgicase pastorais, além de dinamizara participação dos leigos navida da Igreja.• Estando no Concílio VaticanoII, escreveu várias cartaspastorais, para que o povopudesse acompanhar os novostempos da Igreja.EM NOSSA DIOCÉSE…
  18. 18. Reconhecendo a grandiosidade deste trabalhopodemos afirmar que: o Concílio Vaticano II foium dos maiores dons do espírito santo à sua Igreja,deu-lhe uma face mais fraterna, ecumênica,servidora, humilde, missionária, participativa,servidora do mundo, mais a imagem do Cristocrucificado.
  19. 19. Foram aprovados 16 textos em 4 sessões doconcílio: 4 constituições, 9 decretos e 3declarações. Os que mais marcaram a vida da igrejaforam as constituições:LUMEN GENTIUMSACROSACNTO CONCILIUM,DEI VERBUMGAUDIUM ET SPES.
  20. 20. Constituição Dogmática sobre a Igreja.Reflete sobre a natureza, a identidade, a estrutura ea missão universal da IgrejaLUMEN GENTIUM – LG luz dos povosÉ O DOCUMENTO CENTRAL DO CONCÍLIO VATICANO IILUMEN GENTIUM
  21. 21. SACROSANCTUM CONCILIUM – SCO Sagrado ConcílioConstituição sobre a liturgia. Foi o primeiro documentoaprovado, que propôs a renovação da Liturgia, fixando linhaspara as Celebrações, dando grande importância a SagradaEscritura na liturgia, desenvolvendo o amor vivo pela Palavrade Deus, dando testemunho a tradição dos ritos, orientais eocidentais.SACROSANCTUM CONCILIUM
  22. 22. DEI VERBUM - DV Palavra de DeusConstituição Dogmática sobre a divina revelação. Apresenta anatureza, o objeto e a necessidade da revelação, sua transmissãoe o papel da Sagrada Escritura na vida e missão da Igreja.Recomenda: Leitura assídua, com orações numa intimidade com a Palavrade Deus; Estudo dos livros sagrados, difundindo a Palavra, aumentandoa veneração por tudo o que Deus falou.DEI VERBUM
  23. 23. GAUDIUM ET SPES – GSA alegria e esperançaConstituição Pastoral sobre a dignidade do ser humano nomundo contemporâneo, suas transformações, esperanças eangústias, procurando dar respostas, mostrando que o homemfoi criado à imagem de Deus. Compromisso com o serviço da paze da justiça.GAUDIUM ET SPES
  24. 24. Sem dúvida, após o Concílio, a Igreja se modificouradicalmente em relação ao papel da Escritura nasua vida em todos os níveis, desde os círculosbíblicos populares nas Comunidades, até osestudos aprofundados em exegese. A Escrituraimpregnada a liturgia e a espiritualidade. Cresce aprática da leitura orante da Escritura.
  25. 25. Ao fim do concilio, Paulo VI perguntou aos Bispositalianos “Findo o concílio, volta tudo o que eraantes? AS APARÊNCIAS E OS HÁBITOSRESPONDERÃO QUE SIM, O ESPÍRITO DOCONCÍLIO RESPONDERÁ QUE NÃO”.O C.V.II um novo pentecostes. As portas foramabertas, e novos horizontes foram vistos. Era aIgreja que brilhava com uma nova luz.
  26. 26. O impulso do Vaticano II nos impulsiona avivermos em uma rede de Comunidades deComunidade, onde é necessário que cadaComunidade se sinta comunidade irmã, uma vezque se sabe que nenhuma delas existe sem quesejam ligadas formando uma rede que chamamosde Paróquia.
  27. 27. A fecundidade dacomunhão que vem deDeus nos impulsionaa vivermos em umarede de comunidadesde comunidade,fazendo assim comque haja umatransformação dasociedade, e avalorização do NÓS enão do EU.
  28. 28. Criada a imagem esemelhança do DeusTrindade, do Deus que éamor e comunhão, a pessoasó se realiza plenamente àmedida que vai sedescobrindo irmã de todos ede tudo. A vida fraterna emcomunidade gera e alimentaatitudes de apoio mútuo,reconciliação, solidariedadee compromisso.
  29. 29. A Comunidade eclesial deve efetivamente mostrarsua estima pelo princípio de que todos são irmãos eiguais em dignidade. Quanto maior for sua união,tanto mais a comunidade será eficaz em seutestemunho.
  30. 30. O Vaticano II vem levantar o olhar sobre o povode Deus.Onde as CEBs como rede de comunidades setornam Comunidades de Comunidade no momentoem que, todas elas se encontram em uma só: opovo de Deus, que vive tendo como centro aComunidade perfeita a Santíssima Trindade.A Comunidade como reflexoda trindade, numa interaçãoque gera comunhão.
  31. 31. Após 50 anos, temos que agradecer a graçadeste vento renovador, que foi o ConcílioVaticano II e nos inspirar no esforço de tantosque tornaram possível a sua concretização aolongo da história.O Concílio Vaticano II continua sendo umafonte inspiradora para a Igreja e para cada umde nós, chamados a estar atentos “aos novossinais dos tempos”, deixando-nos provocar eanimar pela força renovadora do Espírito deDeus que conduz a Igreja.
  32. 32. Com o novo Papaum Concílio Vaticano III?NÃOUma vez que colocarmos em prática o C.V.II,estaremos respondendo aos anseios das primeirasComunidades cristãs.
  33. 33. Referências

×