Your SlideShare is downloading. ×
Histórias de um Detective
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Histórias de um Detective

725
views

Published on

Published in: Entertainment & Humor

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
725
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Histórias de um Detective De Tiago, o Lopes
  • 2. EXT. RUA #1 - DIA O olhar atento de PEDRO na sombra da sua fedora. PEDRO (V.O) Uma boa história de detectives é feita de cinco elementos cruciais. À medida que Pedro enumera os elementos estes APARECEM LISTADOS, como que escritos à máquina. PEDRO (V.O) Frases afrancesadas, de amores proibidos, crime, morte e acima de tudo -- Pedro está de gabardine, estilo detective de filmes noir dos anos 50, encostado a uma esquina. Ele acende um cigarro, observa as pessoas a que passam e aparece o último elemento: PEDRO (V.O) Pessoas. Elas são o meu ganha pão, os meus falcões malteses. Comigo não há mistério -- ou suspense. Apenas... A IMAGEM VAI A PRETO E BRANCO. PEDRO (V.O) ... Monocromático. Um HOMEM prende a sua atenção. Pedro agarra um jornal do lixo e segue-o. EXT. VÁRIAS RUAS - DIA CORTES RÁPIDOS de Pedro em perseguição do Homem. PEDRO (V.O) Na verdade este é o meu último trabalho, a minha última história, a história da última vez que fiz alguma última coisa na minha vida. EXT. RUA #2 - DIA - CONTINUAÇÃO O enorme homem a ser seguido é JOÃO. Ele desce a rua nervoso, com respiração ofegante e rosto suado. Ele olha à sua volta como se soubesse estar a ser perseguido. Pedro apercebe-se, tenta esconder a cara com o jornal mas deixa-o cair ao chão. (CONTINUA)
  • 3. CONTINUA: 2. João entra em casa e fecha a porta com estrondo. Pedro olha para a casa. PEDRO (V.O) Tal como qualquer história de detectives esta segue pelas regras. CORTAR PARA: INT. CORREDOR DO PRÉDIO DE PEDRO - DIA SENHOR MENDES, o senhorio de sotaque francês, está à porta do Nº8. PEDRO (V.O) As frases afrancesadas. SENHOR MENDES Onde está a minha renda? Eu quero a minha renda seu filho de pute! PEDRO (O.S) Deixe lá isso. INT. QUARTO DE PEDRO - CONTINUAÇÃO CLOSE UP: PEDRO ABRE A JANELA E METE O PÉ NO PARAPEITO. SENHOR MENDES (O.S) Vou buscar a prressão d’ar. INT. CORREDOR DO PRÉDIO DE PEDRO - DIA Senhor Mendes apercebe-se dos barulhos no interior. PEDRO (O.S) Até logo Senhor Mendes! SENHOR MENDES Pensa que estou na brincadeira. Ao fundo do corredor Pedro entra pela janela e vai até às escadas. Senhor Mendes apercebe-se e corre atrás dele. SENHOR MENDES Polícia ou não eu quero a minha renda!
  • 4. 3. INT. HALL DAS ESCADAS - CONTINUAÇÃO Pedro pára ofendido -- PEDRO Já lhe disse, eu não sou polícia. -- E desce pelas escadas abaixo. Senhor Mendes não o consegue apanhar. SENHOR MENDES Você é um sonhador -- e os seus sonhos são uma merde! INT. ESCRITÓRIO DA SEDE DA EMPRESA - DIA CARLOS, um empresário magro e hipocondríaco, aponta para o classificado no jornal colocado por Pedro para os seus serviços de detective. Ele marca, a tremer, o número de telefone. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) Por um curto período da minha vida pensei que pudesse ser tudo o que o Los Angeles Confidencial tinha de bom para me dar. INT. ESCRITÓRIO DA SEDE DA EMPRESA. DIA - UMA SEMANA DEPOIS Pedro está sentado com o seu bloco de notas. POV de Pedro: Carlos anda de um lado para o outro, não ouvimos o que ele diz, mas está nervoso. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) Isto é a inteligência do Guy Pierce, a força do Russel Crowe e o charme do Kevin Spacey. Pedro presta atenção ao que Carlos diz. Carlos mostra-lhe uma folha com números. É revelado que o bloco de Pedro só tem desenhos e rabiscos. Pedro guarda a folha e o bloco. Acende um cigarro e levanta-se, diz algo a Carlos que o acalma, aperta-lhe a mão e sai. (CONTINUA)
  • 5. CONTINUA: 4. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) É certo que que vim a descobrir não ter nenhum mas -- mas -- atenção, apesar de tudo eu, sim, fui noir hardcore até ao último momento. EXT. EXPLANADA - DIA João está sentado com uma MULHER ATRAENTE fala sem parar. Ele está atento ao que se passa em sua volta. Pedro está a alguma mesas de distância com um jornal à frente da face. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) Este caso em particular é dinheiro fácil. Dois homens, donos de uma fábrica de produção de azulejos -- Aparecem AZULEJOS EM LINHA DE PRODUÇÃO. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) -- Quinquilharias Aparecem QUINQUILARIAS. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) -- E cenas dessas. Um FICHEIRO VAZIO cai numa mesa. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) (pensativo em mau inglês) Rags to riches story coisa assim. (volta ao assunto) O problema é que o Dono Um -- FREEZE FRAME de Carlos no escritório a falar para Pedro. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) -- descobriu que alguém os anda a roubar, e quem é que ele escolhe como suspeito principal? Yap, o Dono Dois. FREEZE FRAME de João na explanada.
  • 6. 5. EXT. RUA #3 - SEDE DA EMPRESA - DIA Pedro, encostado a um poste de luz, finge que lê um jornal. Do outro lado da rua João sai da empresa, pára e olha para a esquerda e para a direita nervoso. Pedro tenta inutilmente esconder-se atrás do poste. Carlos aparece. Ele e João andam dali para fora, Pedro atravessa a rua. Não há percepção da direcção em que os 3 vão até Pedro chocar com João. Pedro põe e tira a mão do bolso de João. JOÃO Presta atenção onde andas. Pedro esconde a face na gabardine e afasta-se. PEDRO Claro, claro, peço desculpa. João continua a andar. Carlos olha para trás e reconhece Pedro que lhe indica para se juntar a João. Carlos obedece. Pedro pega no que pôs no bolso. Colado à mão vem um lenço sujo que ele atira para o chão. Pedro sorri. É revelada a CHAVE que ele tirou a João. PEDRO (V.O) Fácil como tirar um doce a um bebé. INT. ESCRITÓRIO DA SEDE DA EMPRESA - FIM DE TARDE Pedro entra no escritório e vasculha por entre a papelada e os livros nas prateleiras. Ele liga o computador de João. O wallpaper é uma montagem horrível de João e a Mulher Atraente da explanada, ANA, com os nomes de ambos por cima. CORTAR PARA: EXT. RUA #2 - DIA - FLASHBACK Pedro observa Ana a sair da casa de João. CORTES RÁPIDOS mostram a passagem dos dias em que Pedro observa Ana a sair de casa quer com, quer sem João. (CONTINUA)
  • 7. CONTINUA: 6. PEDRO (V.O) Aquele que persegue terá sempre um trabalho tão chato quanto as rotinas do perseguido. Isso meus amigos é algo que nenhum curso grátis na internet nos ensina. INT. ESCRITÓRIO DA SEDE DA EMPRESA - FIM DE TARDE - PRESENTE Pedro fotocopia folhas e rouba documentos das gavetas da secretária de João. PEDRO (V.O) Para isso há a experiência. A experiência ensina que essas mesmas rotinas apenas parecem rotinas. Pedro deixa a chave debaixo dum jornal na secretária de Carlos. PEDRO (V.O) Elas têm de ser úteis para alguma coisa. INT. CASA DE JOÃO - SALA - DIA. Ana está sentada a fumar. João anda de um lado para o outro à sua frente, como Carlos fez com Pedro anteriormente. JOÃO São como formigas nas minhas costas. Eu sinto-as atrás de mim. ANA (preocupada) Ai! Não sejas paranóico amor que me assustas! Ninguém te quer fazer mal. JOÃO Eles detestam-me! ANA Eles quem? JOÃO Sei lá, eu não sei. Mas eles existem os -- haters. Não é haters? São formigas nas minhas costas! Ana tira calmantes da mala. (CONTINUA)
  • 8. CONTINUA: 7. ANA (ar de galinácia) Não te vás meter em problemas! Toma um destes p’rás comichões. Dorme. JOÃO Haters, desfaço-os a todos. João bate com o punho na parede e -- CORTAR PARA: INT. ESCRITÓRIO DA SEDE DA EMPRESA - DIA -- Um copo com água estatela-se no chão. PEDRO (V.O) Os amores proibidos. Carlos, sentado à secretária, assusta-se com a entrada repentina de Ana. Esta Ana é o aposto da anterior, calma e em controlo. ANA Temos um problema. Carlos seca a água das calças. CARLOS Ah, nós temos vários problemas tens de ser concreta. Há mais um problema? Um problema novo ou algo que já tenha acontecido e que -- estamos a lidar com algo antigo? ANA O João pensa que o estão a seguir. Era só o que faltava. Carlos engasga-se. CARLOS Segui-lo? Como segui-lo? Huh -- Talvez seja mais uma paranóia dele, não é a primeira vez. Ana hesitante ajuda Carlos a limpar-se. Para surpresa dele ela senta-se ao seu colo e reconforta-o como se fosse uma criança. Carlos beija-a de forma tímida. (CONTINUA)
  • 9. CONTINUA: 8. ANA (carinhosa) Também não estou muito preocupada, quando tudo passar deitamos os nossos probleminhas fora e ficamos juntinhos para sempre! EXT. RUA #3 - SEDE DA EMPRESA - CONTINUAÇÃO Pedro observa em choque a cena pela janela. Pedro encosta-se à parede pensativo. PEDRO (V.O) Facto: problemas tendem a multiplicar-se com rapidez. Estar a ser usado já é mau mas quererem ver-se livres de alguém à minha conta, isso torna as coisas piores. Pedro corre pela rua dali para fora. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) Agora eu moral já não tenho nenhuma só me falta usar o que resta da minha dignidade para ficar ofendido e fazer uma cena. Porquê? INT. COZINHA DE PEDRO - NOITE A cozinha está um nojo, a mesa está cheia de pratos sujos e papelada que Pedro roubou do escritório. Pedro remexe na papelada nunca antes tocada. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) Porque ele é vitima, o parranas ladrão fazedor de azulejos é a vitima! Eu chumbei a matemática, estas folhas dão-me alergia mas se ele estiver inocente não haverá um único número fora do lugar. Mas esta é uma história de detectives senhoras e senhores e daí a existência do importante e sempre presente -- Pedro lê uma das folhas com mais atenção e reage surpreso. (CONTINUA)
  • 10. CONTINUA: 9. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) -- O crime. INSERT: TELEFONE TOCA EM CIMA DA CAMA. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) Com que então eu tenho uma nova vitima. INT. CORREDOR DO PRÉDIO DE PEDRO - CONTINUAÇÃO Senhor Mendes bate à porta Nº 8. SENHOR MENDES Eu vi-o entrar! Venha cá p’ra fora! INT. COZINHA DE PEDRO - CONTINUAÇÃO O telefone continua a tocar e o Senhor Mendes chama por Pedro. Pedro está sentado no chão sem poder acreditar. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) Ou não. Subitamente a minha vitima enriqueceu de forma mágica desde o começo dos roubos e isto, para quem chumbou a matemática, é uma certeza. EXT. PARAGEM DO AUTOCARRO - DIA Carlos está sentado, Pedro aproxima-se. Não ouvimos a parte inicial da conversa até que Carlos se levanta. CARLOS (magoado) Ele tem acesso completo ao sistema. Eu só -- (suspira) -- Só queria saber o porquê era só. PEDRO (desinteressado) Pois. O meu trabalho aqui está feito. Mande-me os honorários para esta morada e -- huh -- boa sorte. Pedro dá um cartão a Carlos e vira-lhe as costas. (CONTINUA)
  • 11. CONTINUA: 10. CARLOS Espere! Eu ainda tenho um problema, algo que -- eu não previ que acontecesse. Preciso da sua ajuda. PEDRO (continua de costas) O meu nome não é Madre Teresa e Calcutá não é a minha terra. CARLOS Eu -- eu dobro o pagamento! Pedro pára, "acordado" pela frase e olha para NÓS. PEDRO (V.O) Pois... bela merda. Pedro vira-se para Carlos o estilo misterioso e sério. PEDRO Continue... DOLLY PARA ATRÁS enquanto Carlos fala com Pedro. EXT. CASA DE JOÃO - DIA - SITUAÇÃO IMAGINÁRIA Pedro abre uma janela e salta para dentro da casa. PEDRO (V.O) O Carlos apenas quer o que lhe foi roubado, a sua parte justa. INT. CASA DE JOÃO - QUARTO - CONTINUAÇÃO - SITUAÇÃO IMAGINÁRIA Pedro procura debaixo da cama. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) É um gesto heróico da parte dele -- Nas prateleiras. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) -- Feito por mim. E na secretária onde encontra os documentos. Sai de casa. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) Mas se tudo fosse assim tão simples o Robert Mitchum não tinha sido (MAIS) (CONTINUA)
  • 12. CONTINUA: 11. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) (CONTINUA) alguém e os anos de ouro de Hollywood não tinham existido. EXT. RUA #3 - SEDE DA EMPRESA - DIA - FLASHBACK A repetição da cena onde Ana e Carlos conversam vista do lado de fora onde Pedro espreita à janela. Ana entra e começa o diálogo inaudível com Carlos. PEDRO (V.O) La Femme Fatalle. Eu desejava por uma Lauren Bacall, alguém que me ensinasse a assobiar. Ana senta-se ao colo de Carlos. ANA (carinhosa) Também não estou muito preocupada, quando tudo passar deitamos os nossos probleminhas fora e ficamos juntinhos para sempre! Pedro corre dali para fora. PEDRO (V.O) Em vez disso saiu-me esta vaca, Ana-puta-que-a-pariu. INT. ESCRITÓRIO DA SEDE DA EMPRESA - CONTINUAÇÃO - FLASHBACK Carlos relaxa. CARLOS (mais relaxado) Mas... eu tenho razão não tenho? Em não sentir remorso. Não tenho? ANA (surpresa e desconfortável) Hum? Claro que tens, se descobriste que é ele, então tens. CARLOS Não... ele traiu a minha confiança. (CONTINUA)
  • 13. CONTINUA: 12. ANA Se queres falar com ele, tem cuidado com o que dizes para ele não te magoar. CARLOS Só mais um par de dias amor -- ANA Isso é um plano? CARLOS É. Mas não podemos fugir sem dinheiro... ANA O que é que isso quer dizer? Tu vê lá. CARLOS Ele vai compreender... Ana levanta-se. ANA Ele vai nada, isso é precipitado -- CARLOS Eu não tenho dinheiro, ele tem o meu dinheiro. Ele é razoável, seu eu lhe perguntar... ANA Espera, não podes ter pressa eu -- é tudo tão repentino -- tenho muitas malas para fazer! Ana abandona o escritório apressada. EXT. CASA DE JOÃO - DIA - PRESENTE Está a chover. Pedro encara a casa, o cigarro na sua boca está no fim. A caminho da janela roda o puxador da porta que está aberto. Pedro entra. PEDRO (V.O) Agora para a parte triste, esta é a morte.
  • 14. 13. INT. CASA DE JOÃO - CORREDOR - CONTINUAÇÃO Pedro espreita o corredor, não está ninguém. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) O resumir da minha história de detective. Pedro espreita todas as divisões, ouve-se barulhos ao fundo. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) E se por esta altura já é óbvio o que fez de mim um mau detective -- Pedro apercebe-se dos barulhos. Ele anda até à última porta do corredor, espera, e abre-a lentamente. Pedro fica surpreso com o que vê. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) -- Ainda falta mostrar o que fez de mim um detective morto. INT. CASA DE JOÃO - QUARTO - CONTINUAÇÃO Ana arruma as malas violentamente à pressa. Pedro encara aquilo. Ana vira-se para o armário e o olhar dos dois cruza-se. Ambos ficam estáticos e antes que Pedro possa reagir Ana pega numa mala e acerta-lhe na face. Pedro cai ao chão. Ana dá com a mala violentamente em Pedro que esperneia. Os berros de Ana acabam quando Pedro fica imóvel no chão. Ana coloca a mala em cima da cama, fecha-a, dirige-se à secretária e agarra nos documentos. Pega nas malas, dá um último pontapé em Pedro e sai. Pedro dá um leve gemido. EXT. RUA #2 - CONTINUAÇÃO João avança encharcado, ofegante como na cena inicial, agarrando a mala com uma força extrema. Ao fundo da rua Ana fecha o porta-bagagem de um luxuoso carro, entra e parte a alta velocidade.
  • 15. 14. João fica ainda mais furioso, larga a mala e avança até casa. INT. CASA DE JOÃO - QUARTO - DIA - CONTINUAÇÃO Pedro está vivo. Ele levanta-se atordoado e como na cena da SITUAÇÃO IMAGINÁRIA -- Procura debaixo da cama. Nas prateleiras. E coloca-se de joelhos na secretária a procurar. INT. CASA DE JOÃO - CORREDOR - CONTINUAÇÃO João entra e vai até à cozinha, espreita para a sala e apercebe-se do barulho no quarto. Dirige-se até lá. INT. CASA DE JOÃO - QUARTO - CONTINUAÇÃO Pedro continua à procura, há folhas espalhadas pelo chão. PEDRO (frustrado) Onde está aquela merda? A porta é aberta. Pedro olha para trás. João está parado à entrada. JOÃO Eu sabia! PEDRO (Apavorado) Espera! Isto não é o que parece! INT. CASA DE JOÃO - CORREDOR - CONTINUAÇÃO JOÃO fecha a porta atrás de si. Ouve-se a confusão no quarto. STEADY PELO CORREDOR, PELO QUINTAL ATÉ À RUA. Os gritos agudos de Pedro espalham-se pelo ar.
  • 16. 15. EXT. PARAGEM DO AUTOCARRO - FIM DE TARDE Carlos espera alguém, duas malas ao seu lado. Nada acontece. PEDRO (V.O) Pessoas. É de pessoas que as histórias são feitas, quer elas sejam senhorios com sotaque ou vendedores de azulejos. EXT. AUTOESTRADA - FIM DE TARDE Já não chove. Um carro de luxo acelera pela estrada. Ana conduz com um enorme sorriso nos lábios. No banco do passageiro estão a sua malinha, o documento com os códigos da conta de João e vários cartões de crédito. PEDRO (V.O) (CONTINUAÇÃO) Há histórias boas, há histórias más e há a história do detective. Acho que é justo dizer que no fim de contas até me sinto triste por não poder voltar a estar com estas pessoas. Quase tão triste como se estivesse com elas... CRÉDITOS ROLAM EXT. PARAGEM DO AUTOCARRO - NOITE Carlos chora, sentado sozinho. Do escuro aparece João salpicado de sangue. Os dois olham-se, JOÃO senta-se. JOÃO Então hum... como correu o teu dia? Carlos coloca de novo a face nas mãos e começa a chorar. FADE OUT.