Mecanismos de CAP: CONWIP, POLCA e GPOLCA, uma análise comparativa através de modelagem e simulação em ARENA
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Mecanismos de CAP: CONWIP, POLCA e GPOLCA, uma análise comparativa através de modelagem e simulação em ARENA

on

  • 522 views

O estudo pretende analisar os mecanismos de controle da actividade produtiva através de simulação e optimização das variáveis de controle, para atingir valores alvos das medidas de ...

O estudo pretende analisar os mecanismos de controle da actividade produtiva através de simulação e optimização das variáveis de controle, para atingir valores alvos das medidas de desempenho.
Definição dos mecanismos, das medidas de desempenho e das variáveis de controle respectivamente.
CONWIP-MTO: Constant Work In Process - Make To Order.
POLCA: Paired-cell Overlapping Loops of Cards with Authorization.
GPOLCA: Generic Paired-cell Overlapping Loops of Cards with Authorization.
Troughput: tempo médio entre as saídas do sistema.
WIP (Work In Process): média de encomendas em curso de fabrico no sistema.
Cartão ou Kanban é uma palavra japonesa que significa literalmente registro ou placa visível. Em Gestão da Produção significa um cartão de sinalização que controla os fluxos de produção ou transportes numa indústria. O cartão pode ser substituído por outro sistema de sinalização, como luzes, caixas vazias e até locais vazios demarcados.
Número de cartões: é uma quantidade inteira de cartões que dão ordem ou carga aos Centros de Trabalho para que iniciem, ou continuem a produzir conforme a quantidade de encomendas nos seus buffers.
Outros termos usados:
CT: Centro de trabalho

Statistics

Views

Total Views
522
Views on SlideShare
522
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
7
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Mecanismos de CAP: CONWIP, POLCA e GPOLCA, uma análise comparativa através de modelagem e simulação em ARENA Mecanismos de CAP: CONWIP, POLCA e GPOLCA, uma análise comparativa através de modelagem e simulação em ARENA Document Transcript

  • Escola de Engenharia Departamento de Produção e Sistemas Mestrado em Engenharia de Sistemas Projeto Integrado IMecanismos de CAP: CONWIP, POLCA e GPOLCA, uma análisecomparativa através de modelagem e simulação em ARENA JOSÉ ROGÉRIO FERNANDES – PG22722 WASHINGTON LUIZ PERONI BALSEVICIUS – E4999 EDISON FRANCISCA – PG23188 Luís Dias, Guilherme Pereira, Sílvio Carmo Silva Braga, 10 de Fevereirode 2013
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 2/30 ResumoNeste trabalho pretende-se analisar e comparar sistemasde controle da actividade produtiva, através demodelagem e simulação utilizando-se o softwareRockwell Arena. Os Sistemas CAP que foram objecto deestudo nesse trabalho de pesquisa são: i. CONWIP ii. POLCA iii. GPOLCA
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 3/30 Figura 3: Modelo arena POLCA..................................... 15Índice Figura 6: Modelo arena GPOLCA .................................. 16Resumo..................................................................... 2 Figura 6: Optquest: Objectives ..................................... 17 Figura 6: Optquest: Constraints.................................... 17Índice ........................................................................ 3 Figura 9: Arena: Cards Create....................................... 171. Introdução ao estudo ........................................ 4 Figura 6: Optquest: Controls ........................................ 17 Figura 6: Gráfico amostra heterogenea ........................ 182. CAP - Controlo da Actividade Produtiva ............ 5 2.1 .. Principais objetivos do CAP .......................................... 5 Anexos Tabela 1: Amostra homogenea .................................... 183. Mecanismos....................................................... 6 Tabela 2: Amostra heterogenea ................................... 18 3.1 .. CONWIP-MTO ............................................................. 6 Tabela 2: Nº de cartões em amostra homogenea ......... 21 3.2 .. POLCA ......................................................................... 8 Tabela 2: Nº de cartões em amostra heterogenea ........ 21 3.3 .. GPOLCA..................................................................... 104. Simulação ........................................................ 13 4.1 .. Software de Simulação ARENA................................... 135. Modelos dos Mecanismos em Arena ............... 14 5.1 .. CONWIP .................................................................... 14 5.2 .. POLCA ....................................................................... 15 5.3 .. GPOLCA..................................................................... 166. Ferramenta de otimização Optquest ............... 17 6.1 .. Visão global ............................................................... 17 6.2 .. Exemplos de aplicações são: ...................................... 17 6.3 .. Optquest na nossa experimentação ........................... 17 6.3.1 Objectivo 17 6.3.2 Restrição 17 6.3.3 Variável de controlo 177. Resultados e análise ........................................ 18 7.1 .. Amostra homogenea ................................................. 18 7.2 .. Amostra heterogenea................................................ 188. Conclusões ....................................................... 199. Bibliografia e referências ................................. 2010. Anexos ............................................................. 21 10.1. Número de cartões nos vários modelos ..................... 21 10.2. Código SIMAN CONWIP ............................................. 22 10.3. Código SIMAN POLCA ................................................ 25 10.4. Código SIMAN GPOLCA.............................................. 28 Figuras Figura 1: Esquema simplificado CONWIP-MTO ............... 7 Figura 2: Esquema simplificado POLCA ........................... 9 Figura 3: Esquema simplificado GPOLCA....................... 12 Figura 3: Modelo arena CONWIP .................................. 14
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 4/301. Introdução ao estudoO estudo pretende analisar os mecanismos de controle daactividade produtiva através de simulação e optimizaçãodas variáveis de controle, para atingir valores alvos dasmedidas de desempenho.Definição dos mecanismos, das medidas de desempenhoe das variáveis de controle respectivamente.CONWIP-MTO: Constant Work In Process - Make ToOrder.POLCA: Paired-cell Overlapping Loops of Cards withAuthorization.GPOLCA: Generic Paired-cell Overlapping Loops of Cardswith Authorization.Troughput: tempo médio entre as saídas do sistema.WIP (Work In Process): média de encomendas em cursode fabrico no sistema.Cartão ou Kanban é uma palavra japonesa que significaliteralmente registro ou placa visível. Em Gestão daProdução significa um cartão de sinalização que controlaos fluxos de produção ou transportes numa indústria. Ocartão pode ser substituído por outro sistema desinalização, como luzes, caixas vazias e até locais vaziosdemarcados.Número de cartões: é uma quantidade inteira de cartõesque dão ordem ou carga aos Centros de Trabalho paraque iniciem, ou continuem a produzir conforme aquantidade de encomendas nos seus buffers.Outros termos usados:CT: Centro de trabalho
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 5/302. CAP - Controlo da Actividade ProdutivaO Controlo da Actividade Produtiva (CAP), segundoFernandes1: “É uma função de importância estratégicapara o sucesso económico das empresas industriais. Esteincide sobre duas vertentes de decisão fundamentais: a delançamento de trabalhos para a produção e a de controlodo fluxo de materiais.”2.1 Principais objetivos do CAP Manter conhecimento sobre o estado actual das tarefas. Que tarefas estão a ser realizadas e em que locais. Determinar as operações seguintes a realizar. Que tarefas devem ser realizadas a seguir em cada posto de trabalho. Assegurar que os materiais e as capacidades são adequados. Garantir que existem os materiais necessários e que existe capacidade. Suficiente para realizar as operações. Maximizar a eficiência. Maximizar a utilização da mão-de-obra e das máquinas e minimizar. Stocks, tempos de setup. Manter controlo operacional. Monitorizar a evolução das operações e desencadear acções correctivas sempre que necessárias.1 Fernandes N.O. Instituto Politécnico de Castelo Branco, Departamento deEngenharia Industrial 2007
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 6/30 início do processo de montagem de cada produto é3. Mecanismos desencadeada pela realização de outra no final da linhaOs mecanismos de Controlo da Actividade de Produção de produção. Essa atração variante é conhecida por sua(CAP) são de importância estratégica para o sucesso facilidade de implementação.económico das empresas, influenciando Em baixo apresentamos um diagrama que contém, designificativamente critérios como o prazo de entrega, a forma simplificada, o funcionamento do mecanismoentrega atempada, o WIP e a utilização dos recursos. CONWIP.O aparecimento da filosofia de produção Just In Time(JIT), com origem no Japão, veio sublinhar a importânciado lançamento controlado. O JIT está na origem doToyota Kanban System (TKS) (Sugimori et al., 1977), ummecanismo usado com sucesso desde o final dos anossetenta em todos os países industrializados.O TKS limita o nível de existências ou WIP nos centros detrabalho, limitando implicitamente o WIP no espaçofabril. Na sua forma mais simples, cada centro detrabalho é constituído por uma máquina e um buffer desaída. Se o nível de existências nestes buffers, cair abaixode um valor previamente definido, a máquina éautorizada a produzir de forma a repor as quantidadesconsumidas, caso contrário, permanece inactiva. Para istosão usados kanbans, i.e. cartões, em cada centro detrabalho do espaço fabril, os quais funcionam comoautorizações de produção. Em geral, estes cartões sãoespecíficos do tipo de trabalho a executar.3.1 CONWIP-MTOSpearman et al. (1990[4]) introduziram o mecanismoCONWIP numa tentativa de estender os benefícios do JITa ambientes produtivos onde o TKS é consideradoinapropriadoEste sistema pode ser considerado como um sistemahíbrido de puxar e empurrar2 (Spearman et al. 1990 [4]).O mecanismo limita a quantidade total de trabalhos noespaço fabril, permitindo variações na mistura destes e nasua localização, o que não acontece no TKS. Isto éusualmente feito usando cartões que são atribuídos aostrabalhos, no momento em que são lançados para oespaço fabril. Quando o limite de WIP no espaço fabril éalcançado, o lançamento de novos trabalhos só pode serautorizado pela conclusão de trabalhos previamentelançados, ou pelo consumo de produtos acabados. Numsistema de envio ou de empurrar, a ordem de produçãoestá prevista e o material é empurrado para dentro dalinha de produção3.No nosso sistema assumimos que as matérias primasexistem de forma infinita (sempre dísponiveis) paramelhor simular cada modelo. Num sistema de puxar, o 2 Um sistema push-pull no negócio descreve o movimento de um produtoou de informações entre dois sujeitos. A produção de envio é baseado emprevisão de procura e puxar produção é baseada na procura real ou consumido. 3 A linha de produção é um conjunto de operações sequenciaisestabelecidos numa fábrica em que os materiais são submetidos a um processode refinação para a produção de um produto final que é adequada para oconsumo em diante, ou os componentes são montados para fazer um artigoacabado.
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 7/30 Figura 1: Esquema simplificado CONWIP-MTO
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 8/303.2 POLCASuri (1998[5]) introduziu o mecanismo POLCA. Omecanismo controla o lançamento e o fluxo de trabalhosao longo do espaço fabril, usando uma combinação deautorizações de libertação e autorizações de produção.O POLCA requer em cada centro de trabalho, a geração deuma lista de ordens de produção com uma data planeadade libertação associada. O mecanismo é implementadocomo um sistema de cartões, os quais são atribuídos apares de células. Tal como no CONWIP, mas ao contráriodo TKS, os cartões são genéricos, i.e. não são específicosde um particular tipo de trabalho. O cartão POLCA, que éuma função do sinal importante no processo deprodução, dá a permissão para iniciar novas ordens deprodução de uma célula de produção. É um métodosimples para a produção de forma eficiente. O cartãoPOLCA envia ordens de produção, de modo que em umdeterminado local de trabalho não muito existe em outrolugar, enquanto muito pouco trabalho está emandamento.POLCA é um sistema de planeamento de produção paraas empresas que fazem uma ampla gama de produtos, e /ou a produtos específicos do cliente. No entanto, oPOLCA-sistema não é a solução ideal para todos tipos deprodução.
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 9/30 Figura 2: Esquema simplificado POLCA
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 10/303.3 GPOLCA O GPOLCA opera de acordo com as seguintes regras, relativamente à forma como os cartões são manipulados: 1. Todos os cartões requeridos por um trabalho, em cadaGPOLCA (Fernandes e Silva, 2006[1]) é um mecanismo de par de centros de trabalho do seu roteiro de fabrico, são CAP baseado no mecanismo POLCA. Tal como este, afectados a este no momento em que é lançado para ocontrola o lançamento de trabalhos para o espaço fabril espaço fabril, i.e. no momento em que entra no primeiro centro de trabalho do seu roteiro de fabrico. através de uma combinação de datas de libertação e de autorizações de produção. Note-se que num par de centros de trabalho pode ser necessário atribuir mais de um cartão ao trabalho,O mecanismo é implementado como um sistema de dependendo da carga associada a cada cartão.cartões, os quais são atribuídos a pares de centros detrabalho sucessivos no roteiro de fabrico do trabalho. 2. Quando um trabalho chega a um qualquer centro deContudo, ao contrário do POLCA, em que os cartões trabalho, o seu processamento pode iniciar-se de imediato, desde que todos os recursos e materiais necessários selimitam a carga directa em cada par de centros de encontrem disponíveis.trabalho. Este também não requer a geração, para cadacentro de trabalho, de uma lista de ordens de produção e Podem ser usados mecanismos de despacho, v.g. regras derespectiva data planeada de libertação, baseando-se prioridade como FIFO, para decidir qual, dos trabalhos quenuma pool, a partir da qual os trabalhos são lançados para se encontram em fila de espera, deve ser o próximo ao espaço fabril. Virtualmente, o GPOLCA pode ser visto processar.com um sistema zero existências, no sentido em que a 3. Os cartões permanecem com o trabalho desde que este éreposição de existências, componentes ou produtos lançado, até que é processado pelo segundo centro definais, não é autorizada. A ideia básica é a de manter um trabalho do par a que pertencem, i.e. o centro de trabalho astock de cartões de autorização de produção a circular no jusante.espaço fabril, em vez de manter stocks de componentes 4. Os cartões dissociados dos trabalhos ficam disponíveise/ou produtos finais. para serem afectados a novos trabalhos, cujo roteiro deO gPOLCA usa cartões para controlar a carga, ou WIP, no fabrico inclua o par de centros de trabalho a que esses cartões estão atribuídos.espaço fabril. Estes cartões não são específicos de umparticular tipo de trabalho, ou ordem de produção, sendo Estas regras estabelecem características diferenciadorasatribuídos a pares sucessivos de centros de trabalho no do GPOLCA relativamente ao POLCA. Enquanto o primeiroroteiro de fabrico do trabalho. Embora os cartões sejam efectua um controlo detalhado ao nível do lançamento, ousados para limitar a carga que pode ser lançada para os segundo efectua um controlo detalhado ao nível do fluxopares de centros de trabalho a que pertencem, são de materiais.recolhidos e afectados ao trabalho no momento dolançamento. O mesmo cartão pode ser reutilizado e O lançamento de trabalhos para o espaço fabril, noafectado a diferentes trabalhos ao longo do tempo, desde GPOLCA, é feito atendendo à carga (agregada) em todosque estes necessitem processamento no par de centros os pares de centros de trabalho do seu roteiro de fabrico.de trabalho a que o cartão pertence. No POLCA, apenas o estado do par de células, ou centros de trabalho, formado pelas duas primeiras células doO GPOLCA limita, assim, a carga no espaço fabril, fixando roteiro de fabrico é considerado para lançamento.o número de cartões a atribuir a cada par de centros de Relativamente ao controlo do fluxo de materiais, este étrabalho. A Figura3 ilustra o fluxo de trabalhos e cartões feito no POLCA com base em autorizações de libertação,no GPOLCA para uma flow shop com três centros três autorizações de produção e na disponibilidade decentros de trabalho. materiais. No GPOLCA, a disponibilidade de materiais é suficiente para activar a produção nos diversos centros dePara que um particular trabalho seja lançado para o trabalho.espaço fabril, é necessário que se verifiquemcumulativamente duas condições: a disponibilidade de No POLCA, um cartão pertencente a uma par de célulascartões provenientes de todos os pares de centros de ou de centros de trabalho. No GPOLCA, um cartãotrabalho, do roteiro de fabrico desse trabalho, e que a pertencente a um par de centros de trabalho, pordata planeada de libertação do trabalho se encontre exemplo ao par 2/3, ver esquema, é afectado ao trabalhodentro de um determinado limite temporal contado a logo que este entra para o espaço fabril, i.e. no centro departir da data actual. Uma vez lançado, o trabalho é trabalho 1, permanecendo com este até à sua conclusãoempurrado de centro de trabalho para centro de trabalho no centro de trabalho a jusante, do par a que pertence,até que este seja concluído. O mecanismo actua i.e. no centro de trabalho 3. Nesta altura o cartão fica deactivando a produção nos centros trabalho, sempre que imediato disponível para ser atribuído a um novoexiste material para ser processado, independentemente trabalho. No GPOLCA, o lançamento de trabalhos oudos níveis de existências nos centros de trabalho a ordens de produção para o espaço fabril, não é feito dejusante. imediato, i.e. logo que estes chegam ao sistema e que
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 11/30materiais, equipamentos, ferramentas, documentos, etc.ficam disponíveis. Os trabalhos são recolhidos numa pool,onde aguardam pelo seu lançamento.O procedimento usado pelo mecanismo para lançar ostrabalhos ou ordens de produção para o espaço fabril é oseguinte:Passo 1: para cada trabalho que se encontra na pool édeterminada uma data planeada de libertação, a qual éobtida por subtracção dos lead times de produção dasdatas de entrega dos trabalhos.Passo 2: os trabalhos são considerados para lançamentode acordo com a data mais cedo planeada de libertação.Apenas os trabalhos com uma data planeada delibertação dentro do limite temporal são considerados.Passo 3: o lançamento de um trabalho para o espaçofabril ocorre logo que todos os cartões requeridos poreste se encontrem disponíveis para afectação.Passo 4: os trabalhos para os quais algum dos cartõesrequeridos não se encontra disponível são mantidos napool. Os trabalhos não são lançados até que a situação sealtere, i.e. até que a carga em todos os pares de centrosde trabalho do seu roteiro de fabrico se situe abaixo donível planeado.
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 12/30 Figura 3: Esquema simplificado GPOLCA
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 13/30 seus recursos, o software ARENA. A linguagem SIMAN,4. Simulação através do software ARENA, passou a ser representada em formato gráfico, tornando-se bastante intuitiva.Simulação, foi definida de várias maneiras, mas as mais Em 1995 foi lançado a versão do software ARENA paraaceitas são de Schriber, Shannon e Pegden. Windows 95, sendo a primeira ferramenta de simulação aSchriber definiu no seu clássico livro “Simulation Using trabalhar em versão 32 bits. No ano seguinte, com aGPSS4” em 1974 “Simulação implica na modelagem de um versão 3.0, passou a ser a primeira e única até oprocesso ou sistema, e tal forma que o modelo imite as momento a receber a certificação “Microsoft Windowsrespostas do sistema real numa sucessão de eventos que Compatible”, integrando a linguagem VBA, que permiteocorre ao longo do tempo”, por sua vez Robert Shannon acessar ou ser acessada por todos os aplicativos do MSem 1975, definiu simulação como “Um modelo Office e muitos outros.computacional é um programa de computador cujasvariáveis apresentam o mesmo comportamento dinâmico Com a compra da Systems Modeling pela gigantee estocástico do sistema real que apresenta” Rockwell em 2000, o software ARENA recebeu um enorme impulso de desenvolvimento, e novas versõesEntretanto, a definição mais completa e aceite, somente agregando melhorias são lançadas em intervalos deseria proferida em 1991, por Claude Dennis Pegden que tempo cada vez mais curtos. O software ARENA passou anos ensina: “A simulação é um processo de projectar um fazer parte da suíte RS BIZWARE, que reúne uma soluçãomodelo computacional de um sistema real e conduzir integrada e completa para projetar, planejar e gerenciar oexperimentos com este modelo com o propósito de chão de fábrica. Assim, o ARENA agora é parte importanteentender seu comportamento e/ou avaliar estratégias da estratégica de atuação da Rockwell Software, braço depara sua operação” software da Rockwell, dentro do segmento de MES (Manufacturing Execution System).Assim, estando de acordo com as definições, para esteestudo Simulação, é á acção de criar um modelocomputacional a partir de um sistema real, manipularsuas variáveis e verificar se os resultados acompanham osresultados reais, para melhor compreensão de seusmecanismos de funcionamento e estratégias empregadasao sistema.4.1 Software de Simulação ARENA.Em 1982 foi lançada a primeira versão da linguagem desimulação SIMAN pela Systems Modelyng Corporation(EUA), inspirada na linguagem GPSS4 usada emcomputadores de grande porte. Inovadora, foi a primeiralinguagem específica de simulação destinada a IBM-PCcompatíveis.Nos anos seguintes, o SIMAN foi aprimorado e tambémsua interface, inovando novamente: foi a primeiralinguagem de simulação a fazer uso do mouse em suainterface, em uma época anterior ao Windows.Em 1990, foi lançado o pacote CINEMA, que, integrado aoSIMAN permitia, apresentar uma representação animadae em cores do funcionamento do sistema. Foi, mais umavez, a primeira interface do tipo para simuladores.Em 1993, SIMAN e CINEMA foram integrados em umambiente único de simulação que unia e potencializava 4 General Purpose Simulation System (GPSS) (originally GordonsProgrammable Simulation System after creator Geoffrey Gordon; the namewas changed when it was decided to release it as a product) is a discrete timesimulation general-purpose programming language, where a simulation clockadvances in discrete steps. A system is modeled as transactions enter thesystem and are passed from one service (represented by blocs) to another. Thisis particularly well-suited for problems such as a factory.
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 14/305. Modelos dos Mecanismos em Arena5.1 CONWIP Figura 4: Modelo arena CONWIP
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 15/305.2 POLCA Figura 5: Modelo arena POLCA
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 16/305.3 GPOLCA Figura 6: Modelo arena GPOLCA
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 17/30 6.3.2 Restrição6. Ferramenta de otimização Optquest6.1 Visão global Figura 8: Optquest: ConstraintsOptQuest® para Arena® é uma ferramenta de Esta restrição é construída como exemplo para ootimização (solver) personalizável e de throughput de 0.6, então consideramos o limiteaperfeicionamento para analisar os resultados da máximo de 0.005, valor este que foi usado para todassimulação conduzidas e realizadas em Arena as experimentações, de todos os modelos (conwip,(experimentação). OptQuest inclui técnicas de gpolca e polca).amostragem e de controle de erro avançada paraencontrar respostas melhores e mais rápidas, e TP Value: Média do throughputincorpora o estado-da-arte em algoritmos baseados em 6.3.3 Variável de controlobusca tabu, pesquisa de dispersão, programação inteirae redes neurais. Essa tecnologia bem pesquisado foi Primeiramente definimos no arena, a variável emostrado para ser várias ordens de magnitude mais utilizamos essa variável no Entities per Arrival. Depoisrápidas do que as abordagens mais simples. no optquest definimos os limites a simular e o optquest vai encontrar a melhor combinação de cartões deOptQuest para Arena é uma opção add-on para Arena acordo com as restrições e objetivos.Basic Edition, Basic Edition Plus Arena, Arena e EdiçãoStandard. É um recurso padrão do Arena ProfessionalEdition e Enterprise Arena Edition.6.2 Exemplos de aplicações são: Calcular a melhor combinação de capacidades de recursos para maximizar a produção em um sistema (throughput). Medidas de satisfação dos clientes (por exemplo, tempos médios de espera não superior a um limite), a serem cumpridas de soluções viáveis. Figura 9: Arena: Cards Create Minimização de custos / maximização dos lucros, mantendo os níveis de serviço ao cliente.6.3 Optquest na nossa experimentaçãoPara a nossa experimentação, queriamos que para amáxima produção otivessemos o menor WIP.Assim sendo, estas foram as nossas configurações noOptquest para todas as modelações e testes.6.3.1 Objectivo Figura 10: Optquest: Controls Figura 7: Optquest: ObjectivesO WIP considerado por nós, é calculado apenas quandoa encomenda entra no sistema junto com o cartão (oupar de cartões). O Consideramos a média desse valor.E_WIP Value: Média do WIP
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 18/30 7.2 Amostra heterogenea7. Resultados e análise Nesta amostra, ao 7º dia, o tempo de processamentoNas várias simulações que fizemos consideramos das encomendas muda. As encomendas de Tipo I têmvariáveis que foram igualmente consideradas e um tempo de processamento EXPO(1.5) e ascalculadas para todos os modelos (TP, WIP, encomendas de Tipo II têm um tempo deFLOWTIME). Para uma melhor comparação de valores, processamento EXPO(0.75). Este tempo é um atributosimulamos todos os modelos em Optquest e então definido em Arena que depois é lido por cada máquinaobtivemos os seguintes resultados. / centro de trabalho.7.1 Amostra homogenea TP WIP CONWIP POLCA GPOLCANesta amostra todas as ecomendas têm o mesmo 0.5 3.1779 1.797 1.7814tempo de processamento. Este tempo de 0.55 3.8247 2.6041 2.4183processamento é de EXPO(1) para todas as 0.6 4.7203 2.9586 2.8431encomendas. Este tempo é um atributo definido em 0.65 5.9845 3.3888 3.4077Arena. 0.7 7.6441 4.5868 4.3869 TP WIP 0.75 10.0329 5.4064 5.4472 CONWIP POLCA GPOLCA 0.8 13.8258 7.7388 7.1867 0.5 3.0154 1.783 1.7643 0.85 19.8299 10.2902 10.8573 0.55 3.6286 2.5887 2.4008 0.9 35.1743 16.3838 16.0823 0.6 4.4590 2.9243 2.8287 0.95 86.1414 31.7829 32.5667 0.65 5.4957 3.4166 3.4008 0.7 6.9735 4.5068 4.3447 0.75 8.9445 5.4048 5.3414 Tabela 2: Amostra heterogenea 0.8 11.7924 7.1941 7.0738 0.85 16.5366 11.095 11.6226 0.9 25.4833 15.6995 15.5516 0.95 52.3620 31.7195 30.7536 Tabela 1: Amostra homogenea Na amostra heterogenea o mecanismo que voltou a apresentar melhores resultados foi o GPOLCA. As diferenças são pequenas, ainda assim, mostrou-se o mais robusto em diferentes tipos de amostras. Já o CONWIP, sofre bastante com uma amostra Figura 11: Gráfico amostra heterogenea heterogenea em relação à amostra heterogenea.Estes resultados demonstram que o modelo GPOLCA éo melhor mecanismo em amostras homogeneas. Osdados demonstram que apesar de bastante parecidocom o polca, tem um menor WIP para o mesmo TP. OCONWIP é nesta comparação bastante próximo com osoutros mecanismos até um TP de 0.7 mas depoiscomeça a ter um TP cada vez maior, crescendo deforma exponencial.
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 19/308. ConclusõesGPOLCA mostrou-se o mecanismo CAP com melhoreficiência neste estudo. Vale aplica-lo num caso práticopara realmente comprovarmos a eficácia simulada doquotidiano fabril, e claro continuar estudando outrosmecanismos que se adeqúem melhor a cada linha deprodução e realidade encontrada.Em ambientes diferentes poderia acontecer que osmecanismos sofressem alterações na sua eficácia, porexemplo encomendas que tivessem trabalhos emdiferentes máquinas, isto é as encomendas nãoprecisarem todas de todas as máquinas, criando umarede que poderia dar uns resultados diferentes, aindaassim esta simulação mostrou-se bastante robusta e osresultados.Concluímos também que para obter resultadossatisfatórios no controle da produção, devemosconhecer a fundo os mecanismos, sua base teórica,para que estes, aliados aos conhecimentos desimulação proporcionem um eficaz arcabouço decompetências que é esperado dos Engenheiros Mestresem Sistemas
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 20/309. Bibliografia e referências [1] FERNANDES, Nuno Octávio; SILVA, Sílvio do Carmo (2006) - Generic POLCA : a production and materials flow control mechanism for quick response manufacturing. International Journal of Production Economics. ISSN 0925-5273. Vol 104, nº 1, p. 74-84 [2] Mohammad D. Al-Tahat, Ibrahim A. Rawabdeh, (2008) "Stochastic analysis and design of CONWIP controlled production systems", Journal of Manufacturing Technology Management, Vol. 19 Iss: 2, pp.253 – 273 [3] SERENO, Bruno; SILVA, Daniel Sant Anna da; LEONARDO, Dênis Gustavo and SAMPAIO, Mauro. Método híbrido CONWIP/KANBAN um estudo de caso. Gest. Prod. [online]. 2011, vol.18, n.3, pp. 651-672. ISSN 0104-530X. [4] Spearman, M.L. and M.A. Zazanis. 1992. “Push and Pull Production Systems: Issues and Comparisons,” Operations Research, 40(3), pp. 521-532 [5] Suri, R. 1998. Quick Response Manufacturing: A Companywide Approach toLead Time Reduction, Productivity Press.
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 21/3010. Anexos10.1 Número de cartões nos vários modelosOs dados abaixo foram obtidos pelo Optquest CONWIP POLCA GPOLCA TP CARTÕES C1C2 C2C3 C1C2 C2C3 0.5 9 1 5 1 5 0.55 12 2 3 2 3 0.6 19 2 3 2 4 0.65 21 2 6 2 7 0.7 17 3 5 3 6 0.75 31 3 15 3 16 0.8 27 4 14 4 15 0.85 43 7 19 8 18 0.9 53 9 22 10 21 0.95 82 18 47 18 49 Tabela 3: Nº de cartões em amostra homogénea CONWIP POLCA GPOLCA TP CARTÕES C1C2 C2C3 C1C2 C2C3 0.5 18 1 5 1 5 0.55 12 2 3 2 3 0.6 25 2 3 2 4 0.65 22 2 5 2 7 0.7 24 3 5 3 6 0.75 37 3 12 3 15 0.8 33 5 8 4 16 0.85 39 6 15 7 17 0.9 85 10 19 11 20 0.95 112 20 49 19 50 Tabela 4: Nº de cartões em amostra heterogenea
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 22/30 ; Model statements for module: BasicProcess.Decide 2 (Tipo de Produto) ;10.2 Código SIMAN CONWIP 1$ BRANCH, 1: With,(50)/100,47$,Yes:; Model statements for module: BasicProcess.Create 1 (Chegadade Encomendas) Else,48$,Yes;; 47$ ASSIGN: Tipo de Produto.NumberOut True=Tipo de Produto.NumberOut True + 1:NEXT(0$);39$ CREATE,1,MinutesToBaseTime(0.0),Encomenda:MinutesToBaseTime(EXPO(1/Lambda)):NEXT(40$); 48$ ASSIGN: Tipo de Produto.NumberOut False=Tipo de Produto.NumberOut False + 1:NEXT(2$);40$ ASSIGN: Chegada deEncomendas.NumberOut=Chegada de Encomendas.NumberOut +1:NEXT(18$); ; Model statements for module: BasicProcess.Assign 2 (HETEROGENEO TIPO I) ;; Model statements for module: BasicProcess.Assign 19(DEFINE_DIA) 0$ ASSIGN: FhA=1.5:; TipoHeterogeneo=1:NEXT(26$);18$ ASSIGN: TempoEntrada=TNOW: T=TNOW: ; Model statements for module: AdvancedProcess.Match 4 (SYNC ENC CARTAO) dia=(T-TFINAL)/(480):NEXT(19$); ; 26$ QUEUE, SYNC ENC CARTAO.Queue1:DETACH;; Model statements for module: BasicProcess.Decide 6 (RESETDIA?) 29$ QUEUE, SYNC ENC CARTAO.Queue2:DETACH;; MATCH: 26$,37$:19$ BRANCH, 1: 29$,34$; If,dia>=7,43$,Yes: Else,44$,Yes; ; Model statements for module: AdvancedProcess.Match 6 (SYNC CARTAO ENC)43$ ASSIGN: RESET DIA?.NumberOut True=RESETDIA?.NumberOut True + 1:NEXT(20$); ; 31$ QUEUE, SYNC CARTAO ENC.Queue1:DETACH;44$ ASSIGN: RESET DIA?.NumberOut False=RESET 34$ QUEUE, SYNC CARTAO ENC.Queue2:DETACH;DIA?.NumberOut False + 1:NEXT(21$); MATCH: 31$,36$: 34$,12$;; Model statements for module: BasicProcess.Assign 20(REINICIA_CONTADOR) ; Model statements for module: AdvancedTransfer.Route 14 (Volta Para Junta Cartoes); ;20$ ASSIGN: TFINAL=TNOW:NEXT(21$); 12$ ROUTE: 0.000000000000000,Junta Cartoes;; Model statements for module: BasicProcess.Decide 7(DECIDE_HOMOGENIDADE) ; Model statements for module: BasicProcess.Record 6 (FlowTime E); ;21$ BRANCH, 1: 36$ TALLY: FlowTime,INT(TempoEntrada),1:NEXT(15$); If,(dia>=7)&&(dia<=6),45$,Yes: Else,46$,Yes;45$ ASSIGN: DECIDE_HOMOGENIDADE.NumberOutTrue=DECIDE_HOMOGENIDADE.NumberOut True + 1:NEXT(1$); ; Model statements for module: BasicProcess.Record 3 (Rec TP) ;46$ ASSIGN: DECIDE_HOMOGENIDADE.NumberOut 15$ TALLY: Troughput,BET,1:NEXT(16$);False=DECIDE_HOMOGENIDADE.NumberOut False + 1:NEXT(22$);
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 23/30; Model statements for module: BasicProcess.Assign 17 (Calc TP); ; Model statements for module: BasicProcess.Assign 23 (HOMOGENEO TIPO II)16$ ASSIGN: FT=1/(TAVG(FlowTime)+0.00000001): ; TP=1/(TAVG(Troughput)+0.00000001):NEXT(17$); 24$ ASSIGN: FhA=1: TipoHomogeneo=2:NEXT(26$);; Model statements for module: BasicProcess.Assign 18 (MWIP);17$ ASSIGN:VWIP=EntitiesWIP(Encomenda)+0.0000000001:NEXT(14$); ; ;; Model statements for module: BasicProcess.Dispose 4 (Dispose ; Model statements for module: BasicProcess.Create 2 (Entrada de4) Cartoes); ;14$ ASSIGN: Dispose 4.NumberOut=Dispose4.NumberOut + 1; 52$ CREATE,49$ DISPOSE: Yes; Chegada_Cartoes,MinutesToBaseTime(0.0),Cartao:MinutesToBaseTi me(1),1:NEXT(53$);; Model statements for module: BasicProcess.Assign 26(AcrescentaWIP) 53$ ASSIGN: Entrada de Cartoes.NumberOut=Entrada de Cartoes.NumberOut + 1:NEXT(25$);;37$ ASSIGN: MY_WIP=MY_WIP+1:NEXT(11$); ; Model statements for module: BasicProcess.Assign 24 (ASSIGN; Model statements for module: AdvancedTransfer.Route 13 PICTURE)(Processa Encomenda) ;; 25$ ASSIGN: Cartoes=25:11$ ROUTE: 0.000000000000000,Estacao I; Picture=Picture.Report:NEXT(13$);; Model statements for module: BasicProcess.Assign 6(HETEROGENEO TIPO II) ; Model statements for module: AdvancedTransfer.Station 13 (Junta Cartoes); ;2$ ASSIGN: FhA=0.75: Tipo=2:NEXT(26$); 13$ STATION, Junta Cartoes; 58$ DELAY: 0.0,,VA:NEXT(29$);; Model statements for module: BasicProcess.Decide 8 (TIPO DEPRODUTO HOMOGENEO); ; Model statements for module: AdvancedTransfer.Station 7 (Estacao I)22$ BRANCH, 1: ; With,(50)/100,50$,Yes: Else,51$,Yes; 3$ STATION, Estacao I;50$ ASSIGN: TIPO DE PRODUTOHOMOGENEO.NumberOut True=TIPO DE PRODUTO 61$ DELAY: 0.0,,VA:NEXT(4$);HOMOGENEO.NumberOut True + 1:NEXT(23$); ; Model statements for module: BasicProcess.Process 5 (Maquina51$ ASSIGN: TIPO DE PRODUTO I)HOMOGENEO.NumberOut False=TIPO DE PRODUTOHOMOGENEO.NumberOut False + 1:NEXT(24$); ; 4$ ASSIGN: Maquina I.NumberIn=Maquina I.NumberIn + 1:; Model statements for module: BasicProcess.Assign 22(HOMOGENEO TIPO I) Maquina I.WIP=Maquina I.WIP+1;; 65$ QUEUE, Maquina I.Queue;23$ ASSIGN: FhA=1: 64$ SEIZE, 2,VA: TipoHomogeneo=1:NEXT(26$); MaquinaI,1:NEXT(63$);
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 24/3063$ DELAY: EXPO(FhA),,VA;62$ RELEASE: MaquinaI,1; ; Model statements for module: BasicProcess.Process 7 (Maquina III)110$ ASSIGN: Maquina I.NumberOut=MaquinaI.NumberOut + 1: ; Maquina I.WIP=Maquina I.WIP-1:NEXT(9$); 6$ ASSIGN: Maquina III.NumberIn=Maquina III.NumberIn + 1: Maquina III.WIP=Maquina III.WIP+1;; Model statements for module: AdvancedTransfer.Route 9 (RotaPara Maquina II) 173$ QUEUE, Maquina III.Queue;; 172$ SEIZE, 2,VA:9$ ROUTE: 0.000000000000000,Estacao II; MaquinaIII,1:NEXT(171$);; Model statements for module: AdvancedTransfer.Station 8 171$ DELAY: EXPO(FhA),,VA;(Estacao II) 170$ RELEASE: MaquinaIII,1;; 218$ ASSIGN: Maquina III.NumberOut=Maquina III.NumberOut + 1:7$ STATION, Estacao II; Maquina III.WIP=Maquina III.WIP-1:NEXT(38$);115$ DELAY: 0.0,,VA:NEXT(5$); ; Model statements for module: BasicProcess.Assign 27 (DecrementaWIP); Model statements for module: BasicProcess.Process 6 (MaquinaII) ;; 38$ ASSIGN: MY_WIP=MY_WIP-1:NEXT(31$);5$ ASSIGN: Maquina II.NumberIn=Maquina II.NumberIn +1: Maquina II.WIP=Maquina II.WIP+1;119$ QUEUE, Maquina II.Queue;118$ SEIZE, 2,VA: MaquinaII,1:NEXT(117$);117$ DELAY: EXPO(FhA),,VA;116$ RELEASE: MaquinaII,1;164$ ASSIGN: Maquina II.NumberOut=MaquinaII.NumberOut + 1: Maquina II.WIP=Maquina II.WIP-1:NEXT(10$);; Model statements for module: AdvancedTransfer.Route 10 (RotaPara Maquina III);10$ ROUTE: 0.000000000000000,Estacao III;;;; Model statements for module: AdvancedTransfer.Station 10(Estacao III);8$ STATION, Estacao III;169$ DELAY: 0.0,,VA:NEXT(6$);
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 25/30 53$ ASSIGN: Define_Homogenidade.NumberOut False=Define_Homogenidade.NumberOut False + 1:NEXT(30$);10.3 Código SIMAN POLCA ; Model statements for module: BasicProcess.Decide 3; Model statements for module: BasicProcess.Create 1 (Tipo_Encomenda)(Entrada_Encomendas) ; 31$ BRANCH, 1:46$ CREATE,1,MinutesToBaseTime(0.0),encomendas:MinutesToBaseTime(EXPO( With,(1/3*100)/100,54$,Yes:1/0.95)):NEXT(47$); Else,55$,Yes; 54$ ASSIGN: Tipo_Encomenda.NumberOut47$ ASSIGN: True=Tipo_Encomenda.NumberOut True + 1:NEXT(29$);Entrada_Encomendas.NumberOut=Entrada_Encomendas.NumberOut+ 1:NEXT(35$); 55$ ASSIGN: Tipo_Encomenda.NumberOut False=Tipo_Encomenda.NumberOut False + 1:NEXT(32$);; Model statements for module: BasicProcess.Assign 17(DEFINE_DIA); ; Model statements for module: BasicProcess.Assign 9 (FH_TIPO1)35$ ASSIGN: tempo chegada=TNOW: ; T=TNOW: 29$ ASSIGN: FhA=1.5:NEXT(14$); dia=(T-TFINAL)/(480):NEXT(36$); ; Model statements for module: AdvancedProcess.Match 9 (Card; Model statements for module: BasicProcess.Decide 6 Synchronizer)(DECIDE_CRITERIO_POR_DIA) ;; 14$ QUEUE, Card Synchronizer.Queue1:DETACH;36$ BRANCH, 1: 17$ QUEUE, Card Synchronizer.Queue2:DETACH; If,dia>=8,50$,Yes: MATCH: 14$,33$: Else,51$,Yes; 17$,5$;50$ ASSIGN: DECIDE_CRITERIO_POR_DIA.NumberOutTrue=DECIDE_CRITERIO_POR_DIA.NumberOut True +1:NEXT(37$); ; Model statements for module: AdvancedProcess.Match 2 (Card Container C1C2)51$ ASSIGN: DECIDE_CRITERIO_POR_DIA.NumberOut ;False=DECIDE_CRITERIO_POR_DIA.NumberOut False +1:NEXT(28$); 2$ QUEUE, Card Container C1C2.Queue1:DETACH; 5$ QUEUE, Card Container C1C2.Queue2:DETACH;; Model statements for module: BasicProcess.Assign 18 3$ QUEUE, Card Container C1C2.Queue3:DETACH;(REINICIA_CONT) MATCH: 2$,1$:; 5$,20$:37$ ASSIGN: TFINAL=TNOW:NEXT(28$); 3$,22$; ; Model statements for module: AdvancedProcess.Match 10 (Card; Return C1C2); ;; Model statements for module: BasicProcess.Decide 2 19$ QUEUE, Card Return C1C2.Queue1:DETACH;(Define_Homogenidade) 22$ QUEUE, Card Return C1C2.Queue2:DETACH;; 20$ QUEUE, Card Return C1C2.Queue3:DETACH;28$ BRANCH, 1: MATCH: 19$,12$: If,(dia>=8)&&(dia<=7),52$,Yes: 22$,10$: Else,53$,Yes; 20$,17$;52$ ASSIGN: Define_Homogenidade.NumberOutTrue=Define_Homogenidade.NumberOut True + 1:NEXT(31$);
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 26/30; Model statements for module: AdvancedProcess.Match 5 (Cardcar Return C2C3) 58$ DELAY: EXPO( FhA ),,VA;; 57$ RELEASE: Machine3,1;7$ QUEUE, Card car Return C2C3.Queue1:DETACH; 105$ ASSIGN:10$ QUEUE, Card car Return C2C3.Queue2:DETACH; Workstation3.NumberOut=Workstation3.NumberOut + 1: MATCH: 7$,45$: Workstation3.WIP=Workstation3.WIP-1:NEXT(7$); 10$,3$; ; Model statements for module: BasicProcess.Process 2 (Workstation2); Model statements for module: BasicProcess.Record 7 (CalculaFlow time) ;; 1$ ASSIGN: Workstation2.NumberIn=Workstation2.NumberIn + 1:45$ TALLY: Flow Time,INT(tempo chegada),1:NEXT(24$); Workstation2.WIP=Workstation2.WIP+1; 111$ QUEUE, Workstation2.Queue;; Model statements for module: BasicProcess.Record 1(Troughtput) 110$ SEIZE, 2,VA:; Machine2,1:NEXT(109$);24$ TALLY: Troughtput,BET,1:NEXT(41$);; Model statements for module: BasicProcess.Assign 24 109$ DELAY: EXPO( FhA),,VA;(TAXA_UTIL) 108$ RELEASE: Machine2,1;; 156$ ASSIGN:41$ ASSIGN: CALCwip=DAVG(Machine1.NumberBusy) + Workstation2.NumberOut=Workstation2.NumberOut + 1:DAVG(Machine2.NumberBusy)+DAVG(Machine3.NumberBusy):NEXT(42$); Workstation2.WIP=Workstation2.WIP-1:NEXT(43$);; Model statements for module: BasicProcess.Assign 27 ; Model statements for module: BasicProcess.Record 5 (SW2)(SAIDA_WIP) ;; 43$ COUNT: SW2,1:NEXT(34$);42$ ASSIGN: E_WIP=E_WIP-1:NEXT(40$); ; Model statements for module: BasicProcess.Assign 14 (Confere; Model statements for module: BasicProcess.Assign 23 FH)(CALC_TP) ;; 34$ ASSIGN: Variable 2=FhA:NEXT(19$);40$ ASSIGN:TP=1/(TAVG(Troughtput)+0.0000001):NEXT(13$); ; Model statements for module: BasicProcess.Assign 12 (DEFINE FH); Model statements for module: BasicProcess.Dispose 2(Entrenga_Encomendas) ;; 33$ ASSIGN: Variable 1=FhA:NEXT(44$);13$ ASSIGN:Entrenga_Encomendas.NumberOut=Entrenga_Encomendas.NumberOut + 1;56$ DISPOSE: Yes; ; ;; Model statements for module: BasicProcess.Process 4 ; Model statements for module: BasicProcess.Assign 28(Workstation3) (ENTRADA_WIP); ;12$ ASSIGN: 44$ ASSIGN: E_WIP=E_WIP+1:NEXT(0$);Workstation3.NumberIn=Workstation3.NumberIn + 1: Workstation3.WIP=Workstation3.WIP+1; ; Model statements for module: BasicProcess.Process 160$ QUEUE, Workstation3.Queue; (Workstation1)59$ SEIZE, 2,VA: ; Machine3,1:NEXT(58$); 0$ ASSIGN: Workstation1.NumberIn=Workstation1.NumberIn + 1:
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 27/30 Workstation1.WIP=Workstation1.WIP+1; 212$ CREATE, 20,MinutesToBaseTime(0.0),cards1:MinutesToBaseTime(1),1:NEXT(2162$ QUEUE, Workstation1.Queue; 13$);161$ SEIZE, 2,VA: Machine1,1:NEXT(160$); 213$ ASSIGN: CARDS C1C2_Branco.NumberOut=CARDS C1C2_Branco.NumberOut + 1:NEXT(38$);160$ DELAY: EXPO( FhA ),,VA; ; Model statements for module: BasicProcess.Assign 20159$ RELEASE: Machine1,1; (CONTROLA_C1C2)207$ ASSIGN: ;Workstation1.NumberOut=Workstation1.NumberOut + 1: 38$ ASSIGN: C1C2=C1C2+1:NEXT(17$); Workstation1.WIP=Workstation1.WIP-1:NEXT(2$);; Model statements for module: BasicProcess.Assign 11(FH_TIPO2) ; Model statements for module: BasicProcess.Create 4 (CARDS C2C3_Vermelho); ;32$ ASSIGN: FhA=0.75:NEXT(14$); 216$ CREATE, 25,MinutesToBaseTime(0.0),cards2:MinutesToBaseTime(1),1:NEXT(2 17$);; Model statements for module: BasicProcess.Assign 10(FH_HOMOGENEO); 217$ ASSIGN: CARDS C2C3_Vermelho.NumberOut=CARDS C2C3_Vermelho.NumberOut +30$ ASSIGN: Fh=1:NEXT(27$); 1:NEXT(39$);; Model statements for module: BasicProcess.Decide 1 ; Model statements for module: BasicProcess.Assign 21(Tipo_Produti) (CONTROLA_C2C3); ;27$ BRANCH, 1: 39$ ASSIGN: C2C3=C2C3+1:NEXT(3$); With,(50)/100,210$,Yes: Else,211$,Yes;210$ ASSIGN: Tipo_Produti.NumberOutTrue=Tipo_Produti.NumberOut True + 1:NEXT(25$);211$ ASSIGN: Tipo_Produti.NumberOutFalse=Tipo_Produti.NumberOut False + 1:NEXT(26$);; Model statements for module: BasicProcess.Assign 1 (Produto i1);25$ ASSIGN: FhA=1: Picture=Picture.Box:NEXT(14$);; Model statements for module: BasicProcess.Assign 2 (Produto i2);26$ ASSIGN: FhA=1: Picture=Picture.Telephone:NEXT(14$);; Model statements for module: BasicProcess.Create 2 (CARDSC1C2_Branco);
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 28/30 ; 31$ BRANCH, 1:10.4 Código SIMAN GPOLCA With,(1/3*100)/100,54$,Yes:; Model statements for module: BasicProcess.Create 1(Entrada_Encomendas) Else,55$,Yes; 54$ ASSIGN: Tipo_Encomenda.NumberOut; True=Tipo_Encomenda.NumberOut True + 1:NEXT(29$);46$ CREATE, 55$ ASSIGN: Tipo_Encomenda.NumberOut1,MinutesToBaseTime(0.0),encomendas:MinutesToBaseTime(EXPO(1/0.95)):NEXT(47$); False=Tipo_Encomenda.NumberOut False + 1:NEXT(32$);47$ ASSIGN: ; Model statements for module: BasicProcess.Assign 9 (FH_TIPO1)Entrada_Encomendas.NumberOut=Entrada_Encomendas.NumberOut+ 1:NEXT(35$); ;; Model statements for module: BasicProcess.Assign 17 29$ ASSIGN: FhA=1.5:NEXT(14$);(DEFINE_DIA);35$ ASSIGN: tempo chegada=TNOW: ; Model statements for module: AdvancedProcess.Match 9 (Card T=TNOW: Synchronizer) dia=(T-TFINAL)/(480):NEXT(36$); ; 14$ QUEUE, Card Synchronizer.Queue1:DETACH;; Model statements for module: BasicProcess.Decide 6 17$ QUEUE, Card Synchronizer.Queue2:DETACH;(DECIDE_CRITERIO_POR_DIA) 15$ QUEUE, Card Synchronizer.Queue3:DETACH;; MATCH: 14$,33$:36$ BRANCH, 1: 17$,5$: If,dia>=8,50$,Yes: 15$,3$; Else,51$,Yes; ; Model statements for module: AdvancedProcess.Match 2 (Card50$ ASSIGN: DECIDE_CRITERIO_POR_DIA.NumberOut Container C1C2)True=DECIDE_CRITERIO_POR_DIA.NumberOut True +1:NEXT(37$); ; 2$ QUEUE, Card Container C1C2.Queue1:DETACH;51$ ASSIGN: DECIDE_CRITERIO_POR_DIA.NumberOut 5$ QUEUE, Card Container C1C2.Queue2:DETACH;False=DECIDE_CRITERIO_POR_DIA.NumberOut False +1:NEXT(28$); 3$ QUEUE, Card Container C1C2.Queue3:DETACH;; Model statements for module: BasicProcess.Assign 18 MATCH: 2$,1$:(REINICIA_CONT) 5$,20$:; 3$,22$;37$ ASSIGN: TFINAL=TNOW:NEXT(28$); ; Model statements for module: AdvancedProcess.Match 10 (Card Return C1C2); Model statements for module: BasicProcess.Decide 2 ;(Define_Homogenidade) 19$ QUEUE, Card Return C1C2.Queue1:DETACH;; 22$ QUEUE, Card Return C1C2.Queue2:DETACH;28$ BRANCH, 1: 20$ QUEUE, Card Return C1C2.Queue3:DETACH; If,(dia>=8)&&(dia<=7),52$,Yes: MATCH: 19$,12$: Else,53$,Yes; 22$,10$:52$ ASSIGN: Define_Homogenidade.NumberOutTrue=Define_Homogenidade.NumberOut True + 1:NEXT(31$); 20$,17$; ; Model statements for module: AdvancedProcess.Match 5 (Card car Return C2C3)53$ ASSIGN: Define_Homogenidade.NumberOutFalse=Define_Homogenidade.NumberOut False + 1:NEXT(30$); ; 7$ QUEUE, Card car Return C2C3.Queue1:DETACH;; Model statements for module: BasicProcess.Decide 3 10$ QUEUE, Card car Return C2C3.Queue2:DETACH;(Tipo_Encomenda) MATCH: 7$,45$:
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 29/30 10$,15$;; Model statements for module: BasicProcess.Record 6 (calcula ; Model statements for module: BasicProcess.Process 2flow time) (Workstation2); ;45$ TALLY: Flow time,INT(tempo chegada),1:NEXT(24$); 1$ ASSIGN: Workstation2.NumberIn=Workstation2.NumberIn + 1: Workstation2.WIP=Workstation2.WIP+1;; Model statements for module: BasicProcess.Record 1(Troughtput) 111$ QUEUE, Workstation2.Queue;; 110$ SEIZE, 2,VA:24$ TALLY: Troughtput,BET,1:NEXT(41$); Machine2,1:NEXT(109$);; Model statements for module: BasicProcess.Assign 24 109$ DELAY: EXPO( FhA),,VA;(TAXA_UTIL) 108$ RELEASE: Machine2,1;; 156$ ASSIGN:41$ ASSIGN: CALCwip=DAVG(Machine1.NumberBusy) + Workstation2.NumberOut=Workstation2.NumberOut + 1:DAVG(Machine2.NumberBusy)+DAVG(Machine3.NumberBusy):NEXT(42$); Workstation2.WIP=Workstation2.WIP-1:NEXT(43$);; Model statements for module: BasicProcess.Assign 27 ; Model statements for module: BasicProcess.Record 5 (SW2)(SAIDA_WIP) ;; 43$ COUNT: SW2,1:NEXT(34$);42$ ASSIGN: E_WIP=E_WIP-1:NEXT(40$); ; Model statements for module: BasicProcess.Assign 14 (Confere; Model statements for module: BasicProcess.Assign 23 FH)(CALC_TP) ;; 34$ ASSIGN: Variable 2=FhA:NEXT(19$);40$ ASSIGN:TP=1/(TAVG(Troughtput)+0.0000001):NEXT(13$); ; Model statements for module: BasicProcess.Assign 12 (DEFINE FH); Model statements for module: BasicProcess.Dispose 2(Entrenga_Encomendas) ;; 33$ ASSIGN: Variable 1=FhA:NEXT(44$);13$ ASSIGN:Entrenga_Encomendas.NumberOut=Entrenga_Encomendas.NumberOut + 1; ; Model statements for module: BasicProcess.Assign 28 (ENTRADA_WIP)56$ DISPOSE: Yes; ; 44$ ASSIGN: E_WIP=E_WIP+1:NEXT(0$);; Model statements for module: BasicProcess.Process 4(Workstation3); ; Model statements for module: BasicProcess.Process 1 (Workstation1)12$ ASSIGN:Workstation3.NumberIn=Workstation3.NumberIn + 1: ; Workstation3.WIP=Workstation3.WIP+1; 0$ ASSIGN: Workstation1.NumberIn=Workstation1.NumberIn + 1:60$ QUEUE, Workstation3.Queue; Workstation1.WIP=Workstation1.WIP+1;59$ SEIZE, 2,VA: 162$ QUEUE, Workstation1.Queue; Machine3,1:NEXT(58$); 161$ SEIZE, 2,VA: Machine1,1:NEXT(160$);58$ DELAY: EXPO( FhA ),,VA;57$ RELEASE: Machine3,1; 160$ DELAY: EXPO( FhA ),,VA;105$ ASSIGN:Workstation3.NumberOut=Workstation3.NumberOut + 1: 159$ RELEASE: Machine1,1; Workstation3.WIP=Workstation3.WIP-1:NEXT(7$); 207$ ASSIGN: Workstation1.NumberOut=Workstation1.NumberOut + 1:
  • UMinho 2012/13 - Proj. Integrado I – “CONWIP, POLCA e GPOLCA, Modelação e Comparação” José Fernandes, Washigton Peroni, Edison Francisca Pág. 30/30 Workstation1.WIP=Workstation1.WIP-1:NEXT(2$); 216$ CREATE, 29,MinutesToBaseTime(0.0),cards2:MinutesToBaseTime(1),1:NEXT(2 17$);; Model statements for module: BasicProcess.Assign 11(FH_TIPO2) 217$ ASSIGN: CARDS; C2C3_Vermelho.NumberOut=CARDS C2C3_Vermelho.NumberOut + 1:NEXT(39$);32$ ASSIGN: FhA=0.75:NEXT(14$);; Model statements for module: BasicProcess.Assign 10(FH_HOMOGENEO) ; Model statements for module: BasicProcess.Assign 21 (CONTROLA_C2C3); ;30$ ASSIGN: Fh=1:NEXT(27$); 39$ ASSIGN: C2C3=C2C3+1:NEXT(15$);; Model statements for module: BasicProcess.Decide 1(Tipo_Produti);27$ BRANCH, 1: With,(50)/100,210$,Yes: Else,211$,Yes;210$ ASSIGN: Tipo_Produti.NumberOutTrue=Tipo_Produti.NumberOut True + 1:NEXT(25$);211$ ASSIGN: Tipo_Produti.NumberOutFalse=Tipo_Produti.NumberOut False + 1:NEXT(26$);; Model statements for module: BasicProcess.Assign 1 (Produto i1);25$ ASSIGN: FhA=1: Picture=Picture.Box:NEXT(14$);; Model statements for module: BasicProcess.Assign 2 (Produto i2);26$ ASSIGN: FhA=1: Picture=Picture.Telephone:NEXT(14$);; Model statements for module: BasicProcess.Create 2 (CARDSC1C2_Branco)212$ CREATE,25,MinutesToBaseTime(0.0),cards1:MinutesToBaseTime(1),1:NEXT(213$);213$ ASSIGN: CARDS C1C2_Branco.NumberOut=CARDSC1C2_Branco.NumberOut + 1:NEXT(38$);; Model statements for module: BasicProcess.Assign 20(CONTROLA_C1C2);38$ ASSIGN: C1C2=C1C2+1:NEXT(17$);; Model statements for module: BasicProcess.Create 4 (CARDSC2C3_Vermelho);