sida
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

sida

on

  • 719 views

 

Statistics

Views

Total Views
719
Views on SlideShare
719
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    sida sida Document Transcript

    • Introdução Este trabalho foi elaborado no âmbito da disciplina de f.p.s cujo objectivo deconhecer qual e papel da escola e da sociedade na combate a sida. E também e clara que vamos falar de sida logo entra as suas causas,consequência modo de prevenir etc.Pág. 1
    • Desenvolvimento SIDAA Sida é uma doença que é devida à destruição do sistema imunitário por um vírus oH.I.V.O vírus transmite-se principalmente pelas secreções sexuais e sangue.É por isso que hoje a forma dominante de transmissão são as relações sexuais (homo eheterossexual) assim como a permuta de seringas contaminadas pelos toxicómanos.Deve-se considerar a possibilidade de transmissão da mãe ao bebé. Esta transmissãofaz-se geralmente no fim da gravidez por via sanguínea.Após o nascimento o aleitamento é uma fonte possível de contaminação. Uma mulherseropositiva tem 50% de possibilidades de contaminar o bebé pelo vírus HIV.Há também outros grupos expostos como:Os hemofílicos. Actualmente a forma de preparar os extractos sanguíneos eliminam ovírus da sida. No entanto não deve ser colhido sangue para transfusões em pessoasseropositivas. A serologia de controlo de dadores de sangue evita situações de risco.O sistema imunitário age em todo o organismo graças aos linfócitos (glóbulos brancos).Estes têm origem nos órgãos linfóides (timo, gânglios, baço, órgãos linfóidesintestinais). Existem duas grandes famílias de linfócitos: os linfócitos T e os linfócitosB.Os linfócitos T4 desempenham o papel principal na defesa do organismo. Quando umorganismo estranho invade o corpo este é reconhecido pelos linfócitos T4 que dão oalerta e recrutam os linfócitos T e B para a defesa.O vírus de VIH ataca os linfócitos T4 que é o comando do sistema imunitário. Paralisaas defesas antes da sua organização. A destruição do sistema imunitário expõe oorganismo às infecções e aos cancros.Pág. 2
    • A infecção com o HIV tem quatro fases diferentes. 1ºfase (período de infecção aguda):- Ocorre até quatro semanas após o contágio;- O seropositivo é afectado por diversos sintomas semelhantes aos de uma gripe; 2ºfase:- Segue-se um período que pode durar dez a 15 anos;- O vírus continua a multiplicar-se mas o seropositivo não apresenta quaisquersintomas;- Nesta fase, apesar de o vírus continuar a matar células, o organismo consegue reporquase a mesma quantidade de células que são destruídas; 3ºfase:- O organismo já não consegue repor completamente a quantidade de células destruídaspelo vírus;- Caracteriza-se por uma imunodepressão moderada, emagrecimento, suores nocturnos,diarreia prolongada e febre; 4ºfase:- O seropositivo passa a ter SIDA, ocorre quando a contagem de células se torna muitobaixa ou quando a pessoa é afectada por outra doença indicadora de um estado deimunodeficiência grave. O vírus da SIDA ataca o corpo humano e este responde através do Sistema Imunitário, com a produção, pelos linfócitos (leucócitos especiais) de anticorpos específicos; Os linfócitos, principalmente do tipo T são as células mais atacadas pelo vírus HIV. Em alguns casos o vírus permanece dentro do linfócito sem se multiplicar e a doença pode-se desenvolver mais tarde. Nestas condições os portadores do vírus são seropositivos e apesar de não apresentarem nenhum sintoma da doença podem transmiti-la.Pág. 3
    • Noutros casos o vírus multiplica-se dentro dos linfócitos acabando por destruí-los.Assim o nosso Sistema Imunitário torna-se deficiente. Sintomas: 1º Fase:O Febre, suores, dor de cabeça, de estômago, nos músculos e nas articulações, fadiga,dificuldades em engolir, gânglios linfáticos inchados e um leve prurido, emagrecimentoe perda de mobilidade das pernas e braços; 2º Fase:O Não apresenta sintomas, embora o vírus esteja a multiplicar-se no seu organismo oque pode prolongar-se por diversos anos. 3º Fase:O doente começa a ter sintomas e sinais de doença, indício de existência de umadepressão do sistema imunológico. O doente pode referir cansaço não habitual, perda depeso, suores nocturnos, falta de apetite, diarreia, queda de cabelo, pele seca edescamativa, entre outros sintomas. 4º Fase:O Designa-se por SIDA e caracteriza-se por uma imunodeficiência grave quecondiciona o aparecimento de infecções e tumores.Pág. 4
    • Consequências: Tuberculose; Pneumonias - Pneumocystis carinii; Tumores como linfomas; Distúrbios neurológicos; Infecções na garganta e na vagina; Vírus que afectam os olhos e os intestinos; Lesões graves no cérebro; Doença intestinal; Sarcoma de Kaposi: forma de cancro que provoca o aparecimento de pequenos tumores na pele em várias zonas do corpo podendo também afectar o sistema gastrointestinal e os pulmões; Perda de peso; Entre outros problemas de saúde que sem tratamento podem levar à morte;Transmissão: Sangue e líquidos contaminados; Sémen; Secreções vaginais; Leite materno; Relações sexuais; Os beijos sociais não são modos de transmissão assim como apertos de mão e abraços; Durante a gravidez; Seringa com sangue contaminado; O HIV pode encontrar-se nas lágrimas, no suor e na saliva de uma pessoa infectada, contudo, a quantidade de vírus é demasiado pequena.Pág. 5
    • Tratamento: Existem drogas que inibem a reprodução do VIH, mas ainda não se pode falar em cura da SIDA; As doenças que poderão aparecer são tratáveis, mas há necessidade de uso contínuo de medicação para controlar as suas manifestações; Medicamentos que diminuem a quantidade do vírus param valores mínimos e preservar a função imunológica do organismo, retardando a evolução da doença e proporcionando aos seropositivos uma maior esperança e melhor qualidade de vida; A evolução da infecção designada como “Evolução Natural da Infecção” pode ser modificada pelo tratamento com fármacos que inibem a sua reprodução, podendo não ocorrer uma fase sintomática da doença.Modo de Prevenção: Sexo segura; Uso de seringas e agulhas descartáveis e esterilizadas; Exigir que todo sangue que se destina a transfusões seja previamente testado; Uso de luvas quando estiver em contacto com feridas ou líquidos potencialmente contaminados; Não há vacina que previne a infecção por VIH; Sexo monogâmico, com parceiro seronegativo; Não partilhar agulhas, seringas, material usado na preparação de drogas injectáveis e objectos cortantes;Comportamentos de risco: Toxicodependentes: injectarem-se e partilhar agulhas, seringas e outro material usado na preparação da droga para injecção; Sexo não segura ao não usar preservativo e ter mais do que um parceiro sexual;Pág. 6
    • Profissionais de saúde: acidentes com contacto com objectos cortantes contaminados ou com sangue, ou outros líquidos orgânicos, contaminados. A CRIANÇAA criança infectada com o HIV tem o direito á educação e à escolarização.A infecção por si só não leva a nenhuma limitação de capacidade para frequentar aescola.No caso de estar diminuída por alguma doença relacionada com o HIV, deverámodificar-se as condições de escolaridade da criança em seu benefício baseadosexclusivamente em critérios clínicos.Manifestação na criança sintomática: Uma alteração no desenvolvimento (peso e crescimento). Um aumento do volume dos gânglios, do fígado e do baço. Sinais neurológicos Infecções de genes oportunistas, ou de infecções bacterianas repetidas.A infecção pelo HIV nas crianças tem manifestações mais graves de tal forma que 50%das crianças seropositivas morrem dentro de 2 anos.Actualmente a medicação consegue aumentar a vida às crianças de tal maneira que jáaparecem vulgarmente na escola crianças portadoras de vírus. APOIO À FAMÍLIAEsta doença tem grande necessidade de apoio moral e psíquico tanto à família do doentecomo aos pais das outras crianças.Devem ser informados que a doença não é contagiosa através dos contactos da vidaquotidiana além da forma como a doença pode ser transmitida. Há um grande períodode confrontação com os outros professores, comunidade educativa e pais dos outrosalunos.Há necessidade de apoio forma grupo restrito dos profissionais da comunidade escolar(número máxima necessário para assegurar os cuidados adequados para promoverem oPág. 7
    • bem estar físico, psíquico e social da criança).Muitas vezes os pais da criança já morreram e ele vive com outros familiares oufamílias de adopção.Os professores são uma etapa indispensável para a informação dos alunos e dacomunidade escolar.A prevenção colectiva é por enquanto a única arma para limitar a propagação da SIDA. PAPEL DO PROFESSORPerante o conhecimento de ter na turma um aluno infectado com o HIV oprofessor deve: Assegurar a confidencialidade da criança e da família. Promover a integração da criança na turma e na escola, evitando superproteccionismo. Saber a quem deve recorrer um de acidente escolar: encarregado de educação, Centro de Saúde (Médico de família, Enfermeiro). Saber como actuar perante uma ferida sangrenta. Conhecer os princípios básicos da doença da SIDA, e promover a divulgação na escola. Conhecer a criança e como é que ele enfrenta a sua doença, quais são as suas expectativas escolares, pessoais, sociais. PAPEL DA ESCOLAQue fazer?As crianças em idade escolar podem e devem ir à escola, se o seu estado físico opermitir, apesar de correrem o risco de contrair, devido à sua debilidade, uma doençainfecciosa. (Varicela, sarampo, tuberculose pulmonar, herpes simples...)Não apresentam risco de contágio pelos contactos sociais, do quotidiano.A profilaxia ou prevenção da SIDA nos estabelecimentos de ensino não necessita detomada de medidas de excepção que são em geral suficientes as habituais (pela poucaresistência do vírus aos desinfectantes de uso corrente como a lixívia e o álcool).Pág. 8
    • As normas existentes para a prevenção de doenças transmissíveis são por agorasuficientes para a prevenção da SIDA nos estabelecimentos de ensino, se forem lesadasa cabo com responsabilidade: As escolas devem ter um posto de primeiros socorros onde deverá, entre outras coisas, ter um armário com: compressas esterilizadas, adesivos, desinfectante líquido, (povidinaiodada, soluto de Dakin), álcool, luvas descartáveis; um balde para o lixo infectado, um lavatório com água canalizada, uma marquesa, duas ou três cadeiras, uma secretária pequena. Periodicamente a direcção da escola ou o grupo responsável pelo posto de primeiros socorros deverá rever o estado e apetrechamento deste local.Pág. 9
    • ConclusãoTrabalho feito, além de ser de extrema importância, onde passamos a ter maisconhecimentos sobre a sida.Também não podemos descriminar uma pessoa portadora de vírus, mais também o diade luta com contra sida não e só dia 1 de Dezembro mais sim todo dia. Espero que a mensagens foi entendida pela turma espero que a senhora professoragoste do nosso trabalho, não nos vez para ser melhor mais sim para ser entendido portudo mos.Pág. 10