Programas Se Liga e Acelera Brasil

  • 7,585 views
Uploaded on

Apresentação dos Programas Se Liga e Acelera Brasil

Apresentação dos Programas Se Liga e Acelera Brasil

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
7,585
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
59
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ParceriaSEDUC Maranhão/IAS/Municípios Março 2012
  • 2. Instituto Ayrton SennaUma paixãopelo Brasil e seu povoUm sonhoAjudar a criar oportunidadesde desenvolvimento paracrianças e jovens Brasileiros O Instituto Ayrton Senna é a realização do sonho de Ayrton Senna
  • 3. História• Organização não-governamental sem fins lucrativos, fundada em novembro de 1994.• Iniciativa de Viviane Senna• Desejo de Ayrton: promover o desenvolvimento pleno de crianças e jovens•1º Planejamento Estratégico em 1994 – ação focado no apoio a ONGs• Reposicionamento estratégico em 1997 – ampliar as ações emeducação com foco em escala
  • 4. Decisão Estratégica EXCELÊNCIAFÉ FORÇA DESENVOLVIMENTO HUMANO ATRAVÉS DA QUALIFICAÇÃO DA EDUCAÇÃO PARA TODAS AS CRIANÇAS E JOVENS
  • 5. Compromisso com a Causa Compromisso Ético Vontade Política Transparência Competência Técnica Foco em Resultados
  • 6. SustentabilidadeEmpresas brasileiras e internacionais, licenciam a imagem dotricampeão e do personagem Senninha para agregar valor aoproduto ou serviço, porque compartilham os valores defendidos porSenna e os princípios de responsabilidade social do Instituto AyrtonSenna.
  • 7. Abrangência da Área de Educação Formal Em 2011, foram 2.100.000 crianças atendidas, envolvendo 65.000 educadores em 1.400 municípios, em 24 Estados
  • 8. Sustentabilidade• O Instituto Ayrton Senna não recebe recursos públicos de municípios e estados.• O Instituto Ayrton Senna não leva recursos financeiros para municípios e estados• O Instituto Ayrton Senna leva para secretarias de educação municipais e estaduais: tecnologias/soluções educacionais por meio de programas voltados exclusivamente à educação de crianças e jovens.• Capacitações presenciais e à distância e acompanhamento técnico contínuo das equipes estaduais e municipais.• Encontros pedagógiocs
  • 9. Atuação na Área de Educação Desafio do Brasil Formal• Garantir a presença do aluno até a conclusão do EF• Garantir a eficácia do sistema educacional Atingir a média 6.0 na escala do IDEB Índice de Desenvolvimento da Educação Básica IDEB Observado Metas Projetadas Fases de Ensino 2005 2007 2009 2007 2009 2011 2013 2015 2017 2019 2021 Anos Iniciais do Ensino 3,2 3,3 4,0 3,3 3,6 4,0 4,3 4,6 4,9 5,2 5,5 Fundamental Anos Finais do Ensino 3,2 3,4 3,6 3,2 3,4 3,6 4,1 4,4 4,7 5 5,2 Fundamental
  • 10. D Distorção Idade Série Maranhão e Brasil
  • 11. Taxa de Analfabetismo no Maranhão
  • 12. Taxa de Abandono MA e Brasil
  • 13. Atuação na Área de Educação Formal Desafio - IDEB Efetividade na alfabetização desempenho Aprendizagem compatível com a série Ampliação da aprovaçãoIDEB6,0 fluxo Redução do abandono e da evasão
  • 14. Atuação na Áreadesafio é necessário: Para vencer o de Educação Formal GESTÃO Articulação de recursos humanos, materiais, financeiros,instituições parceiras e principalmente de conhecimentos com foco em resultados Alunos que tenham desenvolvidas as competências cognitiva, afetiva, relacional e produtiva
  • 15. Atuação na Área de Educação Formal PropostasDE ACORDO COM A NECESSIDADE EFETIVAS DAR CERTO EFICAZES VIÁVEIS EFICIENTES Aprendizagem Rotina escolar GESTÃO Ensino Política educacional
  • 16. SoluçãoPara que o aluno dê certo é preciso:Aula / professor e aluno presentes / aprendizagem - alfabetização UE Equipes SE avaliação diagnóstico Círculo Virtuoso execução planejamento
  • 17. Se Liga e Acelera Brasil
  • 18. PRINCÍPIOS DOS PROGRAMAS- O sucesso do aluno evita a distorção idade série econtribui com o fluxo escolar- Toda criança tem potencial para aprender e todoprofessor tem potencial para ensinar.- Valorização da auto estima da criança- Ambiência pedagógica favorável para a aprendizagemda criança- Professor como modelo- Ensino que desperta a curiosidade da criança- Concepção de alfabetização
  • 19. O FOCO ALUNO PROFESSOR GESTOR ESCOLAR SUPERVISORCOORDENADORES MUNICIPAIS SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO PREFEITO/GOVERNADOR
  • 20. Ferramentas de Gestão do Ensino e da Aprendizagem Acelera Se LigaCorrigir o fluxo Alfabetizar alunos comEscolar dos alunos, Objetivos dos Programas distorção idade-série com garantias matriculados até o 5ºde aprendizagem e saltos nas séries ano do EF
  • 21. Alunos alfabetizados Alunos NÃO alfabetizados de 9 a 14 anos, matriculados Público alvo de 9 a 14 anos, matriculadosno 3º e 4º anos, prioritariamente do 3º ao 5º ano Alunos das séries iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano do EF de 9 anos)
  • 22. ALFABETIZADO NÃO ALFABETIZADO EnturmaçãoAs turmas deverão ser heterogêneas quanto à série de origem dosalunos e ter no máximo 25 alunos em cada uma delas.A enturmação acontece após a aplicação do teste diagnósticode alfabetização disponibilizado pelo IAS
  • 23. Indicadores e Metas dos ProgramasIndicadores de sucesso Metas Dias letivos 200 dias/800 horasFrequência do professor 100% Frequência do aluno 100%Reuniões pedagógicas 2 reuniões por mês 4 visitas por mês a cada turma – 1 por Visita do supervisor semana 40 títulos/ano Acelera Livros lidos 30 títulos/ano Se Liga Para Casa realizado 100% Aceleração 100% dos alunos Alfabetização
  • 24. Materiais dos Programas Se Liga Acelera Livro do Aluno Livros do aluno Livro do Professor Livro do Professor Caixa de literatura 30 títulos Caixa de literatura 40 títulos Alfabeto móvel ____ Material dourado ____ Matrizes de Habilidades Matrizes de HabilidadesFormação Continuada – FOCO Formação Continuada - FOCO Rotina Escolar estruturada Rotina Escolar Estruturada SIASI SIASI
  • 25. Material didáticoApresentação dos livros
  • 26. Metodologia – SE LIGA (alunos não alfabetizados)A proposta pedagógica baseia-se no Método Dom Bosco: Contextualização para a compreensão crítica do significado da leitura; uso de palavras-chave para promover essa contextualização. - São 42 aulas estruturadas - 25 palavras-chave/família silábica - Desenho gerador da palavra - Destaque da sílaba chave - Fluxo de aulas
  • 27. Acelera Brasil (alunos alfabetizados) Acelera Brasil Alunos defasados (alfabetizados) 4 livros do aluno e um do professor que contemplam as disciplinas de Língua Portuguesa, Matemática, História, Geografia e Ciências Livro 1: Minha Identidade Livro 2: As criações de cada um Livro 3: Nossa história, nossa cultura Livro 4: A Terra que queremos- Cada livro com 30 aulas estruturadas- Ao final de cada livro, uma avaliação- Fluxo de aulas- Caixa de literatura com 40 títulos
  • 28. Eixo Pedagógico Avaliação da Auto estima aprendizagem de processo e de resultado Material didático estruturadoAulas planejadas ALUNO Suporte ao professorMateriais pedagógicos Ambiente de aprendizagem específicos Aprendizagem significativa
  • 29. O dia a dia / A rotina das aulasAcolhidaCurtindo a leituraCorreção da lição de casaDesenvolvimento de atividadesRevisão do diaLição de casa
  • 30. Ferramentas do Professor- Livro do professor com orientações- Livro Lendo e Formando Leitores- Livros de literatura- Matriz de Habilidades- Fluxo das aulas- Fichas de acompanhamento diário da situação de leitura e escrita- Cartaz de acompanhamento mensal- Planejamento semanal- Leitura em voz alta para os alunos- Produção do texto coletivo- Reforço escolar- Acompanhamento semanal do supervisor na sala de aula (4 horas)- Reuniões de planejamento e estudo quinzenal
  • 31. Rotina do trabalho do professor/supervisor Meta PlanejamentoMatrizes de Fluxo das Resultados das AcompanhamentoHabilidades Aulas Avaliações Mensal Leitura e Indicadores Escrita de cada de cada da prática Livros Para aluno turma docente Lidos Casa Frequênci a
  • 32. Estratégias que levam ao sucesso TurmasEnturmação com até Formaçãocom base 25 alunos inicial deem teste professoresdiagnóstico Visitas doMatriz de supervisorHabilidades Reuniões deGerenciamento da planejamentoaprendizagem ede indicadores Material didático específico Fluxo das aulas
  • 33. Responsabilidades nos Programas de Correção de Fluxo
  • 34. Coordenador Municipal/Estadual Conhecer os materiais dos Programas e a “rotina” das aulas.Acompanhar a implementação da política educacional e subsidiar as decisões daSecretaria de Educação com os dados relevantes à política educacional. Conhecer as propostas, os instrumentos gerenciais e pedagógicos do Programa comdestaque para as Matrizes de Habilidades. Articular as várias instâncias da Secretaria e da comunidade extraescolar paraalcance dos resultados.Zelar pela integridade dos programas.Zelar pelo cumprimento do calendário escolar e pela presença dos alunos.Participar dos Encontros Estaduais.Atuar rapidamente para superar entraves detectados.
  • 35. Coordenador Municipal/Estadual Cumprir o cronograma estabelecido. Garantir a fidedignidade e a permanente atualização dos dados. Receber e analisar os dados mensais e compará-los às metas e prazosestabelecidos. Apoiar, fortalecer e orientar os supervisores com base nas informações poreles trazidas e em suas próprias observações.Coordenar as capacitações e FOCO Motivar os vários atores pelo SUCESSO do aluno.
  • 36. Supervisor Municipal/Estadual Conhecer os materiais dos Programas e a “rotina” das aulas. Conhecer a Sistemática de Acompanhamento dos programas.Observar semanalmente uma aula em cada turma, pelo períodointegral, a fim de verificar a reação dos alunos e o cumprimento da rotinaprevista pelo Programa; Ficar atento as dificuldades e as soluções que o professor possaencontrar;Identificar os pontos fortes e fracos da atuação do professor, enquantoprofissional; Buscar respostas para as dificuldades pedagógicas dos professores eapresentar sugestões; Socializar todas as experiências positivas verificadas;
  • 37. Supervisor Municipal/Estadual Garantir a rotina pedagógica e gerencial do programa. Realizar semalmente/quinzenalmente reunião de planejamento com osprofessores;Dialogar com os professores sobre sua prática pedagógica e odesenvolvimento pedagógico dos seus alunos. Apoiar os professores constantemente. Participar das reuniões com os coordenadores, semanalmente. Participar das capacitações a distância e disseminar seus conteúdosjunto aos professores.Visitar os alunos faltosos e promover sua presença na sala de aula.
  • 38. Professor Acreditar no sucesso do aluno e no seu próprio. Conhecer os materiais dos Programas e a “rotina” das aulas. Planejar suas aulas e cumprir a “rotina” e o cronograma previsto nofluxo das aulas. Participar das reuniões de planejamento com os seus pares e com osupervisor. Acompanhar o desenvolvimento dos alunos através da observaçãodiária. Registrar suas observações em locais e formulários específicos eutilizá-las na elaboração do planejamento.
  • 39. Professor Cumprir o fluxo das aulas. Cumprir o cronograma previsto na Sistemática de acompanhamento. Garantir a fidedignidade dos dados e a permanente atualização dosdados. Comprometer-se com a sua própria frequência às aulas e às reuniõesde planejamento. Promover a aproximação das famílias e a presença dos alunos àsaulas.
  • 40. Passo a Passo para Implantação Levantar os alunos que apresentam distorção idade/série, com no mínimo dois (2) anos, por série e por idade. Aplicar o Teste Diagnóstico apenas nos alunos com distorção Identificar os alunos alfabetizados e os não – alfabetizados. Levantar o número de salas de aula necessárias e disponíveis para os Programas (máximo de 25 alunos por turma), em função da metragem, luminosidade, ventilação, etc. Definir, em função do número de alunos defasados e da disponibilidade de salas de aula, o número de alunos a serem atendidos nos Programas. Preencher o Quadro Resumo e enviar para o coordenador da URE ou Município. Esse por sua vez deverá reunir as informações das escolas e informar o número total de turmas/alunos do município/URE à coordenação central por meio do e- mail: seligaeaceleramaranhao@hotmail.com
  • 41. Passo a Passo para Implantação Selecionar os professores que assumirão a regência das turmas de Correção de Fluxo em 2012. Sugere-se que esses professores sejam do quadro efetivo do município. Remanejar os alunos diagnosticados para as turmas do Se Liga e do Acelera Brasil (25 alunos por turma no máximo): os alunos não alfabetizados para as turmas do Se Liga e os alfabetizados para as turmas do Acelera Brasil. Na formação das turmas, para os alunos que completam 15 anos de idade em 2012, considerar o seguinte critério: 1. Completam 15 anos após 30/06: são matriculados nos Programas. 2.Completam 15 anos até 30/06: NÃO são matriculados nos Programas e são encaminhados para EJA. Compor as turmas de correção de fluxo com: Os alunos de 1ª série (2° ano) entre 09 e 14 anos; Os alunos de 2ª série (3° ano) entre 10 e 14 anos; Os alunos de 3ª série (4° ano) entre 11 e 14 anos; Os alunos de 4ª série (5° ano) entre 12 e 14 anos, desde que tenham, pelo menos, duas repetências nessa série (ano).
  • 42. Passo a Passo para Implantação Formar turmas com heterogeneidade de idade e série de origem.Garantir que SOMENTE professores e supervisores que tenham passado pelacapacitação inicial, assumam as turmas de Correção de Fluxo.Selecionar os supervisores que acompanharão semanalmente as turmas decorreção de fluxo. Cada supervisor com jornada de 20 horas de trabalho temcondições de acompanhar até quatro turmas. Se a jornada de trabalho for de40 horas o acompanhamento pode ser de até 8 turmas. Garantir condições para todos os professores e supervisores participem dacapacitação inicial: - transporte, hospedagem, alimentação, além de afastamento da docênciano período de capacitação inicial, que ocorrerá provavelmente na semana de 9a 13 de abril de 2012.
  • 43. Teste Diagnóstico
  • 44. Orientações para aplicação e correção do Teste Diagnóstico Os professores deverão conhecer previamente o conjunto de instrumentos doteste diagnóstico, atender aos critérios estabelecidos e assegurar um clima de tranquilidade nodia da aplicação da prova. Todos os enunciados dos itens deverão ser lidos em voz alta pelo professor eorientados quanto aos procedimentos exigidos. Os textos e alternativas dos itens deverão ser lidos, individualmente, apenaspelos alunos. Os nomes dos desenhos dos itens 7 e 8 deverão ser ditos em voz alta peloprofessor. Os desenhos do item 9, diferentemente dos demais, será lido individualmente,apenas pelos alunos. Os alunos deverão ser orientados a numerar a seqüência de quadros do item10 conforme encadeamento pensado e que norteará a sua produção de texto.
  • 45. Orientações para correção do Teste Diagnóstico As provas devem ser corrigidas pelo professor, obedecendoa chave de correção que acompanha o teste diagnostico.Após a correção entregar dentro do prazo estabelecido peloCoordenador da Correção de fluxo. O resultado de cada aluno deverá ser consolidado na tabelade correção para subsidiar a análise geral da alfabetização doaluno pelos profissionais responsáveis.
  • 46. Chave de correção do Teste DiagnósticoItem Alternativa 1 B 2 A 3 Lica e Leca 4 B 5 C 6 A 7 Elefante, cavalo, árvore, noiva, óculos, uva 8 Boi, formiga, relógio, cama, sapo, fada, borboleta, porco 9 Sol, coração, nuvens, chuva, rosa, casa Produzir pequeno texto que possa ser lido, em acordo com o tema, mesmo contendo palavras grafadas10 com desvio da norma ortográfica.
  • 47. Parâmetros para considerar o aluno Alfabetizado Em leitura - o aluno deverá acertar, no mínimo, um item delocalização explícita (item 2 ou 4) um item sobre inferência(item 1 ou 6) e um item de identificação (item 3 ou 5). Na escrita de palavras deverá escrever corretamente, aomenos 14 palavras somadas entre os itens 7, 8 e 9. Na produção de texto, no mínimo no nível 3 conformeescala de proficiência.
  • 48. Escala de ProficiênciaNível Descrição do nível na produção de texto 1 Apresentam marcas com linhas onduladas, imitando a escrita cursiva. Apresentam um formato de texto, onde é possível ler e/ou inferir uma o 2 algumas palavras. Apresentam um pequeno texto, dentro do tema, possível de ser lido. 3 Apresentam erros ortográficos em palavras de uso comum. Apresentam textos mais extensos, com maior grau de informações. Manifestam preocupação com algumas convenções da escrita como letra 4 maiúscula no início da frase, criação de parágrafo e ponto final. Apresentam escrita ortográfica para palavras de uso comum. Apresentam um texto com vocabulário amplo. Os relatos são articulados em seqüência causal e as sentenças aparecem interligadas com expressões como: 5 “então”, “agora”, “daí” o que caracteriza forte influencia da oralidade. Escrevem atendendo às normas ortográficas.
  • 49. Análise do DesempenhoO professor sob orientação do supervisor deverá registrar o desempenho doaluno no teste diagnóstico de alfabetização preenchendo o formulário queacompanha o teste diagnóstico.Itens Informar o nº do item que o aluno acertou1 e/ou 62 e/ou 43 e/ou 5 EscritaItens Solicita a escrita de: Escreveu corretamente7 6 palavras _____ palavras8 8 palavras _____ palavras9 6 palavras _____palavras Total de acertos de escrita de palavras Produção de textoCom base na descrição dos níveis que segue no conjunto de instrumentos que acompanhameste teste diagnóstico, a produção do aluno encontra-se no nível ______
  • 50. Montagem das turmasApós a identificação do desempenho de cada aluno o professor montará a listacom os nomes que deverá constar a assinatura do gestor escolar. Encaminhado para o Programa Nomes dos alunos que realizaram o teste diagnóstico na Ordem Se Liga Acelera Brasil escola 01 Manoel Francisco de Oliveira X 02 Maria José da Silva X 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17
  • 51. Cronograma das açõesCRONOGRAMA DAS AÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO:5 de março – Reunião com os responsáveis pelo programa de CF das UREs emunicípios para apresentar os programas e explicar o passo a passo paraimplantação.7 a 9 de março – Reunião do responsável pela implantação dos programas decorreção de fluxo na sua URE e municípios com os diretores das escolas paraexplicar o passo a passo da implantação dos programas.12 a 15 de março – Aplicação do Teste Diagnóstico aos alunos que apresentamdistorção e correção do Teste Diagnóstico pelos professores.16 de março – Os coordenadores das UREs e municípios informam a equipe centralo número final de turmas e alunos que participarão dos programas este ano.9 a 13 de abril – Capacitação dos educadores que atuarão com os programas. Oseducadores compreendem: coordenador, supervisores e professores.