Pesquisa Vítor Silva
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Pesquisa Vítor Silva

on

  • 392 views

Pesquisa sobre o realizador Jorge Pelicano, autor do documentário "Pare, escute e olhe".

Pesquisa sobre o realizador Jorge Pelicano, autor do documentário "Pare, escute e olhe".

Statistics

Views

Total Views
392
Views on SlideShare
358
Embed Views
34

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

2 Embeds 34

http://linhadotamega.blogspot.com 32
http://linhadotamega.blogspot.pt 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Pesquisa Vítor Silva Pesquisa Vítor Silva Presentation Transcript

  • Jorge Pelicano (realizador de “Pare, escute e olhe”)
  • Biografia Jorge Pelicano nasceu na Fontela, freguesia de Vila Verde, Figueira da Foz, em 1977. Licenciou-se em Comunicação e Relações Públicas pelo Instituto Politécnico da Guarda e concluiu o mestrado de Comunicação e Jornalismo na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Profissionalmente, é repórter de imagem freelancer para a SIC Televisão em Coimbra, desde 2001. 
Paralelamente, fez spots promocionais, dois vídeo clip´s e filmes institucionais para várias entidades. Foi formador de Audiovisuais. 
“Ainda há pastores?”, foi o seu primeiro filme documentário a concurso nos festivais de cinema e vídeo em Portugal, galardoado com inúmeros prémios. Em 2006, estreia "Pare, Escute e Olhe" e em 2009 é seis vezes premiado no mesmo dia: Prémio melhor Documentário de Longa Metragem Portuguesa, Melhor Montagem, e Prémio Escolas, no DocLisboa, e Prémio Internacional, Lusófonia e da Juventude, no Cine Eco.
  • “ Pare, escute e olhe” – O documentário Ao longo de dois anos e meio, o realizador Jorge Pelicano, 32 anos, investigou, pesquisou, filmou (150 horas de filmagens para uma hora e meia de filme) o despovoamento no interior do país, a propósito do processo de "afogamento" da linha do Tua, em Trás-os-Montes, que culminou na decisão da construção da barragem do Sabor. Pare, Escute e Olhe (o filme que arrecadou três prémios no DocLisboa e outros três no Festival de Cinema de Ambiente de Seia), é um retrato, com humor e um estilo muito cinematográfico, de um país abandonado, desertificado, cada vez mais "aprofundado" por políticas desastradas de (des)ordenamento do território. A mostrar com que linhas (e entre-linhas) se cosem estes caminhos de ferro... Pare, Escute e Olhe é um filme-denúncia que expõe como os nossos políticos não interiorizaram os princípios do desenvolvimento sustentável, e da boa gestão de recursos... Sentiu-se uma espécie de Michael Moore a enfrentar políticos poderosos, como Sócrates, e multinacionais, como a EDP? Não me identifico com o Michael Moore que se centra sempre muito nele próprio. O que de facto não é muito comum no documentário português é a inclusão de políticos e discursos de políticos. Este é um documentário militante, que abraça uma causa , e tenta dar uma outra visão daquele tema, e voz aos que normalmente não a têm. Os governantes prometeram às pessoas que acabando com o caminho de ferro, viria uma auto-estrada, e o progresso. E o que aconteceu foi o contrário: emigração, despovoamento e abandono. Por outro lado, há uma contradição: defende-se a construção de uma barragem para gerar energia mas depois sugere-se às pessoas que a melhor forma de transporte não é o comboio mas a estrada, onde se usam energias fósseis... Aliás, o filme começa com uma imagem de uma antiga estação comida pelas silvas, onde se albergam velhos, burros e cães...É a uma metáfora visual de como o poder político votou aquelas gentes transmontanas ao isolamento. Mas as estações mesmo em ruínas morrem de pé... Porque é que enquadrou dos ombros para cima o primeiro ministro e o ex-ministro da economia, enquanto discursavam no Vale do Sabor? Porque o que me interessava era o que estava por detrás das palavras. Nas entre-linhas. Quis mostrar um pouco mais do que aquilo que aparece na TV. Assim temos as duas versões: aquilo que os governantes dizem e o outro lado: o vale que eles querem cimentar...
  • “ Pare, escute e olhe” - O documentário Aliás, apanha uma conversa lateral de Sócrates em que ele diz "o que isto precisa aqui é de muito cimento"...Pois... Temos de pensar se queremos um país todo igual, com albufeiras e barragens por todo lado. Ou se é preferível ficarmos com algo único, que faz parte da nossa identidade histórica. Eu penso que a diferença é que é importante. E intercala discursos com imagens de um coveiro...Porque a morte do comboio é uma morte política. E a cova que se vai abrindo é a morte que se vai anunciando no interior e em Trás-os-Montes. A nossa sociedade está a abrir a sua própria sepultura. Acho revoltante o pretexto do despovoamento para criar ainda mais despovoamento. Mesmo assim, o seu documentário acaba com uma dupla mensagem: ou as pessoas emigram ou as próximas gerações "soltam" os seus rios...Os documentários devem apontar problemas mas ainda assim deixar alguma esperança. Eu ia à procura de revolta e apenas encontrei resignação. No início fiquei desapontado, mas depois percebi que essa é que era a história: não haver luta, nem forças para reagir. Não usei voz off, nem entrevistas, apenas me limitei a filmar as pessoas no seu quotidiano. Aprendi a saber esperar pelo momento, sem ter ideias pré-definidas. Como também faço televisão (é repórter de imagem na SIC) tive de me distanciar, para dar outro lado, outro plano, outra perspectiva, outra voz... E dar às pessoas o que não estão habituadas a ver. No fundo, quis partir de um caso particular, que é o do comboio do Tua e a barragem do Sabor para mostrar o problema do isolamento, que é universal. A certa altura uma senhora diz "isso da barragem já não é para o meu tempo, já sou muito velhinha..." Dá ideia de que os políticos também raciocinam assim... Sim, muitas pessoas pensam que até podem lucrar com as indemnizações dos seus terrenos inundados pela barragem. Mas isso não gera trabalho, ainda vai criar mais migração para o litoral e para o estrangeiro... O olhar do filme é para daqui a 20 ou 30 anos...Essa é no fundo a grande visão do filme. Reflectir, olhar para o futuro de outra maneira e questionar aquilo que se faz em nome do progresso... Uma das pessoas no seu documentário fala de "vandalismo político" e da barbáries que são cometidas pelas multinacionais. Afinal, o que é o progresso? Tem de haver limites, nem tudo pode ser justificado em nome do progresso. O caminho faz-se sempre em nome de um benefício global (a barragem) em detrimento da pequena comunidade As pessoas não são números. Quando se diz que a linha do Tua é utilizada por 60 pessoas, isso não é um número: são 60 pessoas, que precisam do comboio para irem ao médico, fazer fisioterapia, comprar coisas ou simplesmente passear... Há muitas coisas nas entrelinhas do comboio.O filme não pretende ser uma crítica politica, mas algo que apele à reflexão. E o título remete para aí: pare, escute e olhe.
  • “ Pare, escute e olhe” - Sinopse Dezembro de 91. Uma decisão política encerra metade da centenária linha ferroviária do Tua, entre Bragança e Mirandela. Quinze anos depois, o apito do comboio apenas ecoa na memória dos transmontanos. A sentença amputou o rumo de desenvolvimento e acentuou as assimetrias entre o litoral e o interior de Portugal, tornando-o no país mais centralista da Europa Ocidental. Os velhos resistem nas aldeias quase desertificadas, sem crianças. A falta de emprego e vida na terra leva os jovens que restam a procurar oportunidades noutras fronteiras. Agora, o comboio que ainda serpenteia por entre fragas do idílico vale do Tua é ameaçado por uma barragem que inundará aquela que é considerada uma das três mais belas linhas ferroviárias da Europa.
  • “ Pare, escute e olhe” - Ficha técnica DIRECÇÃO FOTOGRAFIA, EDIÇÃO E REALIZAÇÃO
 » Jorge Pelicano ASSISTENTE REALIZAÇÃO
 » Rosa Teixeira da Silva PESQUISA E DESENVOLVIMENTO
 »J orge Pelicano |Rosa Teixeira da Silva
 MÚSICA ORIGINAL
 » Manuel Faria | Frankie Chavez | Francisco Faria
 PRODUÇÃO
 » Costa do Castelo Ffilmes
 PRODUTOR
 » Paulo Trancoso

  • “ Pare, escute e olhe” - Ficha técnica CAPTAÇÃO DE AMBIENTES
 » Filipe Tavares | Joaquim Pinto
 MISTURA E EDIÇÃO DE SOM
 » João Ganho
 ARQUIVO FERROVIÁRIO
 » Joaquim Mendes | Bob Docherty | Fernando Nunes | Marco Prata
 CO-PRODUÇÃO 
 » SIC TELEVISÃO
 APOIO FINANCEIRO
 » FICA
 DURAÇÃO
 » 100 minutos
  • “ Pare, escute e olhe” - Cartaz
  • “ Pare, escute e olhe” - Trailer Ver o Trailer
  • “ Pare, escute e olhe” - Fotografia
  • “ Pare, escute e olhe” - Fotografia
  • Webgrafia
    • http://pareescuteolhedoc.blogspot.com/
    • http://filmesportugueses.com/pare-escute-olhe/
    Trabalho realizado por: Vítor Silva Nº 39460