Queixa de memória vrmedcare
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Queixa de memória vrmedcare

on

  • 2,616 views

As queixas de memória são muito comuns entre os idosos, sendo motivo freqüente de procura ao geriatra. A avaliação da memória e outros domínios da cognição são essenciais para o diagnóstico ...

As queixas de memória são muito comuns entre os idosos, sendo motivo freqüente de procura ao geriatra. A avaliação da memória e outros domínios da cognição são essenciais para o diagnóstico diferencial e fazem parte da consulta geriátrica. Em casos em que há dúvida diagnóstica, é necessário avaliações mais completas realizadas por psicólogos especializados, que nos mostram a capacidade cognitiva do indivíduo em todos os domínios. O diagnóstico de déficit cognitivo, sem evidência de perda funcional, requer acompanhamento periódico já que parte deste indivíduos evoluem para Síndromes Demenciais. Por outro lado, quando logo no início é observado perda da capacidade funcional, decorrrente do declínio cognitivo, deve-se avaliar o diagnóstico de Demência. O uso de vitaminas, ginkobiloba e fitoterápicos não tem comprovação científica como estimuladores da capacidade de memória. A atividade física regular de moderada intensidade é comprovadamente um fator de melhora da capacidade cognitiva.

Statistics

Views

Total Views
2,616
Views on SlideShare
2,616
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
83
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Queixa de memória vrmedcare Queixa de memória vrmedcare Presentation Transcript

  • QUEIXA DE MEMÓRIA EVOLUÇÃO E INTERVENÇOES Dra. Vanessa Morais
  • IMPORTÂNCIA – Queixa de memóriaMotivo de consulta geriátrica.Alta prevalência65 anos= 25 – 33%> 75 anos = 37 – 56%
  • IMPORTÂNCIA – Queixa de memóriaAssociado ao elevado número de patologias clínicasQuadros depressivos, ansiososComprometimento cognitivo leveDemência em fase inicial
  • Como avaliar paciente com queixa de memória?1. Identificar deterioração em 2 ou maisáreas da cognição com interferênciaem AIVDs. (linguagem, viso-espacial, praxia, executiva e memória)
  • Como avaliar paciente com queixa de memória?2. Diagnóstico diferencial entre demência e não-demência (CCL, depressão edelirium)3. Diagnóstico diferencial entre aspossíveis causas de demência.
  • Na prática clínica:Avaliação cognitiva: MEEM/ bateria breve/ teste do relógio e fluência verbalAvaliação Funcional: AIVD / ABVDSintomas depressivos: GDS / DSM IVUso de medicações: anticolinérgicos/ BZDPresença de comorbidades (IC/DPOC)Delirium??? Deficit agudo, curso flutuante.
  • Possíveis etiologias da QSM:1. Normalidade2. Demência inicial3. Comprometimento cognitivo leve4. Depressão5. Efeitos de condições clínica diversas sobre o funcionamento cerebral6. Medicações (Delirium)7. Doenças metabólicas, como hipotireoidismo
  • Comprometimento cognitivo leve1. Queixa de falta de memória, preferencialmente confirmada por um informante2. Alteração objetiva da memória (abaixo de 1,5 DP em relação a indivíduos da mesma idade)3. Função cognitiva geral normal (MMSE > 24)4. Atividades da vida diária intactas5. Ausência de demência
  • Classificaçao do CCLQuanto às características cognitivas:1. Amnéstico2. Amnéstico de múltiplos domínios3. Não Amnéstico de único domínio4. Não Amnéstico de múltiplos domínios
  • Subtipos de CCL e etiologia presumida
  • Taxa de conversão do CCL
  • DepressãoSegundo o DSM-IV, · Estado deprimido; · Anedônia; · Sensação de inutilidade ou culpa excessiva; · Dificuldade de concentração; · Fadiga ou perda de energia; · Distúrbios do sono; · Problemas psicomotores: agitação ou retardo psicomotor; · Perda ou ganho significativo de peso · Idéias recorrentes de morte ou suicídio.
  • 1) Depressão menor: 2 a 4 sintomas por duas oumais semanas, incluindo estado deprimido ouanedônia;2) Distimia: 3ou 4 sintomas, incluindo estadodeprimido, durante dois anos, no mínimo;3) Depressão maior: 5 ou mais sintomas porduas semanas ou mais, incluindo estadodeprimido ou anedônia.
  • Quando suspeitar de depressão? Instalação mais ou menos rápida Paciente poliqueixoso Supervalorização das dificuldades Respostas do tipo “não sei” são freqüentes Humor deprimido GDS > 7 pontos
  • O que é demência, segundo o DSM IV: 1. Perdas cognitivas múltiplas que incluem perdas de memória e de mais pelo um dos seguintes: afasia, apraxia, agnosia, ou um distúrbio nas habilidades executivas 2. Deficiência cognitiva é suficiente para dificultar funcionamento social e ocupacional 3. Excluir delirium
  • Evolução da Doença de Alzheimer
  • Vantagens do diagnóstico precoce Segurança (dirigir, na cozinha, etc) Redução de estresse da família Educação da família e cuidadores Planejamento, inclusive testamento Terapia farmacológica mais eficaz,possível mudança do curso da doença Redução de custos (família e sociedade)
  • Evolução do envelhecimento normal X Dç de Alzheimer
  • Acompanhamento / Intervenções Avaliação cognitiva e funcional periódica (6 meses – 1 ano) Exercícios Físicos (moderada intensidade – 150 min/sem  melhora em testes cognitivos) Controlar comorbidades físicas Tratamento de quadros depressivos e ansiosos Suplementação vitamínica, ginko biloba, AAS  sem comprovação científica
  • Acompanhamento / Intervenções Treino cognitivo especializado (18 sessões em 35 meses  melhora funcional em AIVD) Uso de anti-colinesterásicos em CCL  sem evidência de menor conversão para DA Vitaminas: Tendência a melhorar cognição em indivíduos muito idosos com alto risco nutricional.
  • Conclusões O Déficit cognitivo leve pode ser uma fase transicional para demência, portanto é importante sabermos identificá-la. Avaliação metódica de queixas subjetivas de memória pode levar a um diagnóstico de Défícit cognitivo leve ou de Demência inicial.
  • ConclusõesTambém é importante saber avaliar oestado funcional e aprender a detectarperdas sutis nas funções mais sofisticadsdas AIVDs.