Your SlideShare is downloading. ×
UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E AGLUTINANTES REGIONAIS
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E AGLUTINANTES REGIONAIS

4,896
views

Published on

Cleuzeni Ribeiro de Oliveira Ferreira, Polo de Brasileia-Acre.

Cleuzeni Ribeiro de Oliveira Ferreira, Polo de Brasileia-Acre.

Published in: Design

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,896
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Instituto de Artes Departamento de Artes Visuais Curso de Graduação e Licenciatura em Artes Visuais. Cleuzeni Ribeiro de Oliveira FerreiraUTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E AGLUTINANTES REGIONAIS Brasiléia - AC 2012
  • 2. CLEUZENI RIBEIRO DE OLIVEIRA FERREIRAUTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E AGLUTINANTES REGIONAIS Trabalho de Conclusão do Curso de Artes Visuais, habilitação em Licenciatura, do Departamento de Artes Visuais do Instituto de Artes da Universidade de Brasília. Orientadora: Prof.ª Marisa Araujo Cordeiro Brasiléia - AC 2012
  • 3. BRASILEIA 2012 Instituto de Artes Departamento de Artes Visuais Curso de Graduação e Licenciatura em Artes Visuais.UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS EM SALA DE AULA A PARTIR DE PIGMENTOS E AGLUTINANTES REGIONAISTrabalho de Conclusão do Curso de Artes Visuais, habilitação em Licenciatura, do Departamento de Artes Visuais do Instituto de Artes da Universidade de Brasília. Cleuzeni Ribeiro de Oliveira Ferreira BANCA EXAMINADORA .................................................... Professor Orientador ...................................................... Professor Examinador ...................................................... Professor Examinador Brasiléia/Acre 2012
  • 4. Dedicatória Dedico este trabalho ao meu esposo Remildo Ferreira que sempre esteve presente nessa caminhada acadêmica. Aos meus filhos Lorrayne e Erick, pois foram meus incentivadores com sua alegria de viver e confiança. Amo vocês!
  • 5. AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar agradeço a Deus, pois, através da sua palavra tenhoprosseguido a linha de chegada. A meu esposo pela companhia, compreensão e abdicação nessa longacaminhada em que já vislumbro o ponto de chegada. À minha amiga Maria Coutinho companheira de caminhada que sempre feza diferença em minha vida e Maria das Graças uma amiga motivadora queacreditou em minha capacidade de prosseguir. Obrigada, é tudo que posso dizer. A todos os professores e tutores da UnB, à distância e presencial pelocarinho, dedicação e entusiasmo demonstrado ao longo do curso. Professores ecolaboradores – profissionais corajosos e decididos que acreditam e amam oensino de Arte. Aos colegas virtuais pela espontaneidade e alegria na troca de informaçõese experiências numa rara demonstração de amizade e de conhecimento, emespecial minha amiga e colega de curso, Maria Coutinho. A todos que colaboraram direta ou indiretamente para a concretizaçãodeste sonho.
  • 6. “Onde quer que haja mulheres ehomens, há sempre o que fazer, hásempre o que ensinar, há sempre o queaprender”. Paulo Freire
  • 7. ResumoEste trabalho de conclusão de curso buscar mostrar a importância do ensino daArte para os alunos da sétima serie da escola Instituto Odilon Pratagi e apresentacomo tema central o estudo das tintas naturais em favor da realização dostrabalhos de artes em sala de aula. A própria natureza dispõe de capacidadesinfinitas de liberação de pigmentos coloridos. Visto que desde os primórdios sãocomuns o uso das tintas naturais. Sendo o mesmo de abrangência teórico/ práticoserá aplicado aos alunos do sétimo ano do ensino fundamental com o objetivo deinovar e difundir a aplicação dos conteúdos de arte e resgatar a historia dosantepassados por meio da produção de tintas naturais, proporcionandodescontraidamente uma construção colorida em diferentes tons, com efeitocontemporâneo, e sedutor no âmbito pedagógico. A construção da pesquisa tevecomo referencial teórico uma abordagem especial do ensino da arte nas escolascom foco central nas idéias de FRANCASTEL afirma que “todas as artes nascemcomo manuseio da matéria e, reciprocamente, em toda a invenção do homemsobre a matéria existe uma parte de adaptação que depende da estética, isto é,de uma intervenção ou de uma finalidade distinta de simples feitura”. Ametodologia utilizada baseou-se em pesquisas, levantamento, coleta,identificação, separação e preparo dos materiais naturais a serem utilizados paraa obtenção das tintas. A análise de dados desta pesquisa foi apresentada pormeio de quadros demonstrativos com o processo de preparação de pigmentos eaglutinantes obtidos do meio natural. A aplicação de aulas em etapas permitiu queos alunos pudessem se envolver e desenvolver de modo prático o que para osmesmos era apenas teoria. Assim, motivados pela variedade de tons e coresencontradas nos pigmentos despertou-nos mesmos o interesse a realizar novasdescobertas de pigmentos e aglutinantes encontrados em seu habitat naturalDesta forma, constatou-se que o resultado da pesquisa foi alçando.Palavras chaves: Pigmentos, aglutinantes, artes, argila.
  • 8. SUMÁRIO1- Introdução ..........................................................................................................82- Objetivo geral......................................................................................................92.1- Objetivo Especifico..........................................................................................93- Justificativa.......................................................................................................104-Desenvolvimento...............................................................................................114.1 Experiências Pedagógicas em Arte Visual.....................................................124.1.2 Mapeamentos de pigmentos e aglutinantes no município de Brasiléia.....144.1.3 Aglutinantes.................................................................................................134.1.4 Pigmentos....................................................................................................144.1.5 Esquema......................................................................................................164.1.6 Tempera-ovo................................................................................................164.1.7 Tinta Oleo.....................................................................................................164.1.8 Preparação de tintas uma abordagempedagogica......................................165. Metodologia de Pesquisa..................................................................................186. Percepções e resultados da experiência pedagógica em sala de aula...........227. Recursos Bibliográficos.....................................................................................237.1 Arte Indigena...................................................................................................247.2 A natureza em nosso favor.............................................................................247.3 A Presença de tintas Naturais nas obras de grandes Artistas.......................257.4. A natureza em beneficio da educação em sala de aula................................277.5 A Pintura e a processo de preparação no Ensino das Artes Visuais............278. Conclusão ........................................................................................................299.ReferênciasBibliográficas..................................................................................3110. Imagens anexos.............................................................................................33
  • 9. 8 1. INTRODUÇÃO A oportunidade de ensino aprendizagem de artes visuais estimula acriatividade, revelam os sonhos, os pensamentos, os sentimentos. Na escola oaluno revela através da arte em formatos e cores a sua realidade. Poucosconhecem o potencial de se fazer arte a partir do simples. Das observaçõesrealizadas nas aulas de artes e no decorrer dos estágios é possível perceber quea introdução e o incentivo maciço das tecnologias têm inserido nas crianças ejovens um conceito da arte de uma única forma. A modernidade tem levado ao público escolar apenas a tinta e osinstrumentos coloridos industrializados, além daqueles em que colore apenas natela virtual. O ato de pegar na tinta, pintar-se, amassar o barro, misturarpigmentos naturais e outras coisas mais, tem sido relegado o segundo plano. Em Brasiléia, ainda é possível encontrar nas comunidades indígenas apresença de cores a base de pigmentos naturais, como o urucum, o breu e outrosalém dos penachos de aves amazônicas e artefatos com sementes e fibrasvegetais. A pesquisa realizada é fruto das experiências vividas durante os períodosde estágios supervisionados, no decorrer do curso em exercício. Durante as aulasde artes visuais aplicadas no ensino fundamental em Brasiléia/AC,designadamente na Escola Estadual de Ensino Fundamental Instituto OdilonPratagí, observa-se uma carência de profissionais capacitados na disciplina deartes visuais. O interesse em trabalhar o tema sobre a utilização de tintas naturais nocontexto educacional a partir de pigmentos e aglutinantes regionais, ou seja,tintas naturais, surgiu a partir da comprovação in foco relacionada a falta desubsídios que resgatem a valorização cultural local que apresenta em seucotidiano populações indígenas que empregam cores e sons em seus utensílios emoradias, enquanto os alunos nas aulas de artes usam apenas folha sem pautacom desenhos impressos para colorir. Desta forma a realização deste trabalho émotivada pela precariedade artística visual e cultural no sistema de educaçãolocal o que se vincula formação acadêmica pessoal.
  • 10. 92. OBJETIVO GERAL:Pesquisar o processo de obtenção, experimentação dos pigmentos e aglutinantesnaturais para obtenção de tintas com a intenção de ampliar as possibilidades deacesso e experimentação dos alunos de artes do 7° ano do ensino fundamental.2.1 Objetivos Específicos:1. Identificar e experimentar as possibilidades de obtenção de tintas naturaisno ensino pedagógico e artístico de artes visuais no município de Brasiléia;2. Elencar os recursos naturais com possibilidade de uso e aplicação paramanufatura de tintas, valorizando a diversidade cultural e natural encontrada emnossa região.3. Experimentar uma metodologia pedagógica de ensino aprendizagem deartes visuais com recursos naturais e exercícios práticos de fabricação de tintascom alunos de ensino fundamental, numa escola local.
  • 11. 103. JUSTIFICATIVA O presente trabalho tem como justificativa pesquisar o processo deobtenção, experimentação dos pigmentos e aglutinantes naturais para obtençãode tintas com a intenção de ampliar as possibilidades de acesso eexperimentação dos alunos de artes do ensino fundamental do 7 o ano. No decorrer do trabalho muitas atividades práticas de fabricação de tintase misturas de pigmentos e aglutinantes naturais despertaram nos alunos o gostopelo simples e o surgimento das diferentes tonalidades criou sentimentos deentusiasmo, admiração e despertou a criatividade, elevando as interações sociaise aumentando a sensibilidade artística e criações próprias que se comparam atrabalhos artísticos de época e povos até então desvalorizados. O presente estudo apresenta de modo sucinto e elaborado a experiênciapedagógica, com alunos de 12 a 16 anos de idade do 7° ano da escola OdilonPratagy. O corpo do texto apresenta essencialmente uma revisão bibliográficaque embasa teoricamente o estudo realizado, uma descrição na prática comtinturas naturais no ambiente escolar local e uma análise do ensino de artesvisuais nas escolas de nossa região baseada nas percepções obtidas durante aexperiência vivida. O estudo foi realizado no decorrer das aulas de artes, com observaçõessobre a prática dos professores em sala de aula e o emprego de uma oficina deartes em pintura natural, durante as aulas. Foram aplicadas 04 aulas, no períodode 08 de março a 29 de março de 2012, com adoção de métodos práticos de sefazer tinturas com produtos naturais a base de pigmentos vegetais, como urucum,terra, flores, entre outros. Foi uma experiência que detectou o despreparo de profissionais, faltamaterial apropriado e aulas dinamizadas que desperte o interesse dos alunos.Diante das deficiências apresenta, houve o desejo de estudar a situação quemesmo com problemas é possível melhorar a forma de apresentar os conteúdossobre artes de forma dinâmica, criativa e bem planejada.
  • 12. 114. DESENVOLVIMENTO O trabalho em questão realizado com alunos do sétimo ano da escolaInstituto Odilon Pratagy do município de Brasiléia Acre, busca reunir, analisar einterpretar informações dos materiais existentes no meio ambiente e experimentaro processo químico na obtenção de tintas naturais. Fazer um breve levantamentode materiais alternativos oferecidos pela natureza, apontando probabilidades nacriação de tintas e cores, que auxiliam no processo da criação artística. Analisando os elementos naturais produtores de tintas, com especialidadeaos pigmentos e demais partes de plantas e animais que liberam cores, seguemneste trabalho acadêmico interdisciplinar, (abrange diversas áreas doconhecimento no campo da história da arte, ciências e biologia), um pouco dossentimentos vividos na experiência pedagógica que se revela em imagens ecores. Estudos ligados à origem da pintura natural e seus desenvolvimentos nodecorrer da história mostram a importância desses recursos para a aquisição econfecção de materiais no ensino das artes. Os subsídios sobre a pesquisa eexperimento dos pigmentos encontrado nos minerais e as possibilidadesencontradas, contribuiu para que expandissem a pesquisa para a obtenção detintas tais como, a cor vermelha, marrom, laranja, amarela e o preto, tendo comomatéria prima o barro (em suas diversas tonalidades – preta, vermelha, branca), osumo do jenipapo, a fuligem, o urucum, o açafrão e os aglutinantes encontradosna região. Na busca de pigmentos minerais para obtenção de tintas, tendo comofinalidade expandir a possibilidade de elevação do conhecimento na produção dematéria prima manufaturada, possibilitando aos estudantes artistas, aos artistaseducadores alternativas na produção de tintas e materiais, que são defundamental importância para a realização de pintura e desenho foi possívelidentificar que na cultura indígena independente da tribo, os pigmentos naturais jáeram conhecidos e utilizados por esses povos e com o avanço da modernidadeficaram esquecidos.
  • 13. 12 Arte não é apenas básica, mas essencial na educação de um país que se desenvolve. Arte não é decoração, é percepção, é ofício, é uma forma diferente da palavra para decodificar o mundo, a realidade, o fantasioso, e é conteúdo. Como teor, arte representa o perfeito trabalho do ser humano. (Barbosa, 2005). Ao refletir sobre essa citação conclui-se como a arte é fundamental naeducação, por meio dela é possível se expressar e se comunicar, elaborando oureelaborando opiniões e pensamentos sobre o mundo e seu modo de ser.4.1 A experiência pedagógica na arte visual Para a realização de trabalhos manuais a natureza nos oferece variadosrecursos. Os pigmentos e aglutinantes naturais têm sido utilizados por artistas emseus ateliês, a exemplo temos como referencia o artista Volpi (1988) que utilizavatintas adquiridas através da extração de pigmentos naturais e o resultado daprodução das tintas eram usadas em suas obras. Refletindo nesse assunto,destaca-se a importância desse material na disciplina de artes, relacionando naaplicação do desenvolvimento teórico/prático de alunos do ensino fundamental,visando trabalhos artísticos que empregam a técnica da pintura com pigmentos eaglutinantes naturais como forma alternativa para a realização de trabalhosartísticos e em sala de aula. Ciente de que a cor é um elemento importante no uso da linguagem visuale que desperta a sensibilidade do ser humano, no sentido de perceber esseselementos em tudo que nos cerca, busca-se explorar a cor de elementos naturais,a textura e a densidade dos materiais para o desenvolvimento do conhecimentodo educando, utilizando técnicas pedagógicas, teóricas e práticas de ensinodesejando alcançar os seguintes objetivos. 1.Identificar e experimentar as possibilidades de obtenção de tintas naturais noensino pedagógico e artístico de artes visuais.2. Elencar os recursos naturais com possibilidade de uso e aplicação paramanufatura de tintas, valorizando a diversidade natural encontrada em nossaregião.
  • 14. 13 Através do acesso e experimentação de procedimentos simples e práticosde fabricação de cores, dando à aula de artes a oportunidade para que os alunospossam fazer cores com as próprias mãos, a partir de recursos naturais,disponível na natureza.4.1.2 Mapeamentos de pigmentos e aglutinantes no município de Brasiléia O estado do Acre está situado na parte sudoeste da Amazônia, sendo suacapital, Rio Branco, mas, foi à cidade de Brasiléia escolhida para realizar asinvestigações (mapeamento) de pigmento e aglutinantes naturais da região.4.1.3 Aglutinantes De acordo com GOMBRICH, 2008 “O aglutinante é o responsável pela ligada tinta, unindo as partículas do pigmento dando-lhe aspecto de viscosidade ebrilho.” Como este trabalho usará tintas á base de pigmento em pó foi, adicionadoo óleo e/ou o ovo como aglutinantes, pois, são de fácil acesso e manuseio para osalunos. A primeira etapa deste mapeamento consiste na coleta de aglutinantes naprincipal feira de colonos do município de Brasiléia, localizada na Av. Rui Lino. Nareferida escola foi identificadas algumas amostra de aglutinantes naturais, taiscomo, óleo de copaíba, ovos e banha de porco. No caso das amostras de aglutinantes encontradas, duas foram escolhidaspara a realização deste trabalho, ovos e banha do porco, na intenção de facilitar oacesso dos alunos ao produto, pois, o óleo de copaíba possui um custo muitoelevado para alguns alunos. A seleção realizada após a coleta do materialdependeu de um critério, destinado ao melhor resultado encontrado depois detestes realizados com a soma de pigmentos e aglutinantes. Das experiênciasrealizadas no inicio do projeto foi possível observar que os aglutinantes testadoscomo à gema do ovo, a sua clara e o óleo extraídos da gordura do porco para amanufatura de tintas, associados a um ou mais tipos de pigmentos resultará emuma tinta natural. As produções de tintas utilizando esses aglutinantes citadosacima resultam em tons transparentes, densas aos tons opacos.
  • 15. 14 Quadro explicativo de processos de obtenção de aglutinantes: Processo Explicação Ovo Gema ou clara para terra vermelha e marrom, clara para terras de cor preta. Gordura animal (banha O óleo obtido da banha do porco será o aglutinante de pigmentos de porco) em pó, como, o colorau, beterraba e carvão.4.1.4 Pigmentos Em seguida foi realizada a pesquisa a coleta de terra ou barro em quintaise ruas do município, onde foi retirada a malha grossa através do processo depeneiração que foi descartada, reservando somente o pó fino de terra em umrecipiente. Dentre as muitas amostras coletadas de pigmentos minerais, três foiescolhida para a realização deste trabalho, a terra de cor vermelha, marrom epreta. No solo Brasileense-Ac, tanto são encontradas as terras argilosas quantoas arenosas de cores vermelha e preta e marrom e podem ser encontradas comfacilidade dentro dos próprios quintais, onde ambas podem ser usadas parafabricação de tintas empregando tanto a técnica de tinta a óleo como a técnica datinta têmpera-ovo. Quadro de processos de obtenção de pigmentos: Processo Explicação
  • 16. 15Trituração Pedras de barro e tijolos são moídas até serem reduzidos a um pó muito fino e acrescentado o aglutinante, ovo ou banha do porco.Peneiramento e As terras são peneiras para a retirada de impurezas e obter um póDecantação bem fino do pigmento, pois, quanto menor a partícula de pigmento maior será a ação de cobertura da tinta. O aglutinante para terra será o ovo ou a banha do porco.Liquidificação Os pigmentos desidratados serão moídos no liquidificador até virarem em pó (ex. pigmento da beterraba).4.1.5 Esquema: Pigmento + aglutinante = tinta natural Em virtude da variedade de cores encontradas nos pigmentos da terra edescobrindo os diferentes tons que ela nos oferece, vermelho, preto, marrom, foidespertado o interesse por esta pesquisa, que visa buscar alternativas noprocesso de manufatura de tintas naturais através de pigmentos e aglutinantesencontrados no habitat natural. Resultado disso foi à confecção da têmpera-ovo ea tinta óleo para a realização de trabalhos educacionais através da linguagemartística utilizando o desenho e a pintura. A produção dos pigmentos em pó permite que se façam algumas técnicasde manufatura de tintas. As tintas naturais podem ser obtidas por diversosprocessos, através da peneiração de terras, desidratação de vegetais e ervas etrituração desses elementos desidratados até virarem em pó. Com base napesquisa e na coleta dos materiais selecionamos os barros para iniciar um longoprocesso de decantação, trituração e peneiramento. O resultado dessa coletaconseguiu a obtenção de tintas e adquirimos uma seleção de cores, opacas ebrilhantes, que aliada aos seus respectivos diluentes e aglutinantes, concretizou amanufatura de materiais alternativos capaz de ser aproveitada em atividadesexpressivas e criativas em qualquer suporte. Segundo CRUZ 2004 Após a obtenção do pigmento, mistura-se oaglutinante, (ovo ou óleo), que consequentemente dá origem a tinta têmpera-ovo
  • 17. 16ou a tinta a óleo. A têmpera é um método de pintura no qual os pigmentos deterra são misturados a um “colante”, uma emulsão de água e gemas de ovo ouovos inteiros.4.1.6 A têmpera-ovo As características da tinta têmpera-ovo utilizando a gema, umas das duastécnicas abordadas neste trabalho, onde seu processo de manufatura foiobservado, evidencia o resultado opaco no ato do secamento da tinta, dando-lheum tom de envelhecimento. O processo dá-se de forma rápida o que caracterizaum trabalho limitado de tempo. Esta técnica não possui efeito de misturas decores, possui secagem rápida ou efeitos transparentes. Quando utilizado a clarado ovo como aglutinante, é solúvel em água o que a difere da técnica da tinta aóleo.4.1.7 Tinta óleo De acordo com Ferraz 1999 a tinta a óleo, o seu manuseio apresenta maisflexibilidade e elasticidade, possui poucas alterações de cores ao secar, permite amistura de cores, permite um fácil acabamento e possíveis correções em umamesma obra dando mais liberdade ao artista, pois, a secagem desta tinta é maislenta que a têmpera. Ao realizar a mistura dos pigmentos com os aglutinantes(girassol, linhaça, soja etc.), aos pigmentos em pó é possível obter-se a tinta aóleo, tal como procediam aos pintores renascentistas.4.1.8 PREPARAÇÃO DAS TINTAS - Uma abordagem pedagógica “A educação em arte propicia o desenvolvimento do pensamento artístico, que caracteriza um modo particular de dar sentido às experiências das pessoas: por meio dele, o aluno amplia a sensibilidade, a percepção, a reflexão e a imaginação. Aprender arte envolve, basicamente, fazer trabalhos artísticos, apreciar e refletir sobre eles. Envolve, também, conhecer, apreciar e refletir sobre as formas da natureza e sobre as produções artísticas individuais e coletivas de distintas culturas e épocas… O documento de Arte tem o intuito de orientar o professor na sua ação educativa e na elaboração de seus programas curriculares. Expõe uma compreensão do significado da arte na educação, explicitando conteúdos, objetivos e especificidades, tanto no que se refere ao ensino e à aprendizagem, quanto no que se refere à arte como manifestação humana”. (BRASIL, 1997)
  • 18. 17 Este trabalho de conclusão de curso está voltado para todo o ensinofundamental I e II, e abrange uma breve história do surgimento das tintas naturaise sua utilização por grandes artistas, onde o conteúdo se volta para o ensino deartes visuais na produção de trabalhos artísticos. Onde a maior intenção é levar oateliê de artes para dentro do ambiente escolar, para que assim, os alunospossam vivenciar a experiência e o processo de manufatura artesanal demateriais artísticos feitos e desenvolvidos por grandes artistas. Como antes mencionado, a cor é um elemento fundamental e importantena linguagem visual e que desperta o sensível do ser humano. Foi baseado nestaafirmativa que foi decido realizar este trabalho utilizando métodos pedagógicosteóricos e práticos de ensino, para que assim os alunos possam se expressar edemonstrar seus pensamentos através do desenho e da pintura com uma tintanatural que foge todos os preceitos da atualidade com a criação de tintasartificiais e industrializadas em largas escalas e muitas vezes tóxicas oucausadoras de alergias em contato direto.
  • 19. 18 5. METODOLOGIA DE PESQUISA A metodologia utilizada baseou-se a principio, na pesquisa através dasfeiras do município, fazendo levantamento dos materiais a serem utilizados para apreparação das tintas. Em seguida, foi realizada a coleta dos tipos de terra, o quepermitiu a identificação de três qualidades presentes na região, que são avermelha, marrom e preta. De posse da matéria-prima, foi possível iniciar o processo de preparaçãodo material, que passou pelas seguintes fases: peneiração, separação com oobjetivo de retirar o que não seria utilizado, e por fim a mistura dos aglutinantescom os pigmentos. O resultado obtido foi satisfatório, pois as colorações dastintas alcançaram o objetivo desejado. A nova etapa a ser executada foi com os alunos do 7º ano do ensinofundamental da escola Instituto Odilon Pratagi, distribuída em 04 horas/aula, ondeinicialmente realizamos uma conversa para detectar os conhecimentos préviosdos mesmos. Em seguida, realizou-se a distribuição de textos informativos sobreo tema o que gerou uma discussão interativa com a possibilidade dos alunosexpressarem-se e retirarem dúvidas sobre como se obtêm tintas naturais. Ao finaldesta primeira aula, os alunos foram incentivados e orientados a realizarem umapesquisa sobre artistas que utilizam tintas naturais em suas obras. Na segunda aula com o resultado das pesquisas que foram apresentadasatravés de cartazes e textos confeccionados pelos próprios alunos, foi possívelaprofundar o tema, e expor as técnicas, têmpera-ovo e óleo na produção de tintasnaturais. Neste momento os alunos se envolveram mais no trabalho edemonstraram curiosidade pelo resultado. Assim, foi oportuno solicitar quecoletassem amostras de argilas encontradas nos quintais de suas residências. De posse dessas amostras, realizou-se a terceira aula com o objetivo demanufaturar as tintas artesanais. Nesta etapa, os alunos já estavam totalmenteenvolvidos com o projeto e criaram livremente suas produções artísticas. Na última aula, os desenhos foram concluídos e organizados para umaexposição. Ao final, através de uma conversa informal e espontânea os alunos
  • 20. 19relataram a aprendizagem e a experiência que consideraram proveitosas, poisconheceram a teoria e a prática envolvidas no processo de fabricação de tintas. A seguir, encontram-se os planos de aulas executado junto à turmamencionada.Plano de Aula1.Tema: Tintas naturais com pigmentos e aglutinantes regionais.2.Duração: 04 aulas com duração de 1 hora.3.Série: 7° ano do ensino fundamental. 4. Objetivo geral do plano de aula:Realizar pesquisa com os alunos do 7º ano do ensino fundamental sobre oprocesso de obtenção, experimentação dos pigmentos e aglutinantes naturaispara obtenção de tintas.5. Objetivos específicos5.1 Identificar e experimentar as possibilidades de obtenção de tintas naturais:5.2 Utilizar os recursos naturais encontrados em nossa região e aplicá-los na manufatura de tintas. Divulgar as técnicas de utilização dos pigmentos e aglutinantes naturais, utilizando matérias-primas locais, resgatando assim uma tradição cultural através de suas cores nativas. Identificar e experimentar as possibilidades de obtenção de tintas naturais para o ensino pedagógico e o artístico. Identificar os recursos naturais com possibilidade de uso e aplicação para manufatura de tintas, valorizando a diversidade encontrada em nossa região. Ampliar o conhecimento e a aplicabilidade de materiais alternativos nas Artes Plásticas. Conhecer e difundir o processo de manufatura de tintas artesanais e a finalidade de seus componentes. Áreas abrangentes:
  • 21. 20 Arte História Química.Recursos metodológicos:. Pigmentos. (anexo II)Barro (argila) em três tonalidades: preta, marrom e vermelho. Aglutinantes. (anexo III)Ovo (gema e clara) e banha de porco Papel Sulfite A4. Prato descartável. Copo descartável. Palito de picolé. Pinceis. Detalhamentos do plano de trabalhoAula 01 Apresentações e conversas espontâneas, com apresentação do tema elevantamento dinâmico dos conhecimentos prévios dos alunos; Distribuição e leitura dinâmica do texto informativo intitulado Surgimento da tinta natural e seus desdobramentos na História daArte; (Anexo I) Discussão interativa sobre o texto. Sugerir para os alunos que realizem uma pesquisa sobre artistas queutilizavam tintas naturais em suas obras.
  • 22. 21Aula 02Apresentação dos resultados das pesquisas realizadas pelos alunos (textosconfeccionados, cartazes, etc.).Apresentação teórica e expositiva das técnicas, têmpera-ovo e óleo na produçãode tintas naturais;Organização dos alunos em grupos e solicitação de amostras de argilasencontradas nos quintais das residências dos alunos.Aula 03Atividade prática:I. Apresentação das amostras coletadas pelos alunos;II. Apresentação de receitas de fabricação de tintas empregando as duastécnicas: têmpera-ovo e óleo;III. Realização de manufatura de tintas artesanais.Aula 04Atividade prática:Criação de desenhos com temas livres.Exposição dos desenhos confeccionados pelos alunos na sala de aula;Avaliação final – Conversa informal e espontânea sobre os aprendizados daoficina. Avaliação A avaliação foi desenvolvida no decorrer da oficina de tintas naturais,através da observação do professor sobre as ações e comportamento dos alunosdurante todo o processo de ensino, apontando principalmente:1. Os conteúdos resultantes da pesquisa proposta aos alunos.2. Presença nas atividades propostas.3. Participação e eficiência na aplicação das técnicas no processo demanufatura das tintas e desenhos.
  • 23. 224. Participação e eficácia no processo de exposição dos trabalhos.6. Percepções e resultados da experiência pedagógica em artes visuais A iniciativa de trabalhar com tintas naturais em sala de aula ampliam oconhecimento do aparecimento das tintas naturais suas evoluções etransformações dentro dos ateliês de famosos artistas, desenvolvendo também apossibilidade na criação de novas cores e desenhos tornando as aulas atrativas,despertando a curiosidade sobre o assunto e, portanto levando o educando aoaprendizado de forma espontânea e natural a valorizar o belo, por suas origens esuas revelações culturais impressas em cada obra de arte, seja ela de um artistaplástico ou de um indígena local como se observa nas imagens em anexo. Durante a realização desse trabalho de pesquisa e principio de suaexecução foi possível perceber que os alunos não compreendiam a dimensão doque é arte. Após a aplicação em sala de aula e diante dos resultados obtidos,alunos e professores compreenderam que arte vai alem de uma folha de papel elápis de cor, com isso repercutindo a possibilidade de mudança na forma que sãotrabalhadas as aulas de artes. No decorrer da execução desse projeto os alunos em alguns momentos seopuseram, argumentando que não teriam resultado satisfatório. Apos execuçãode todas as etapas foi possível contemplar o resultado aceitável. Tais Práticasnão são realizadas na referida escola ou em nenhuma outra do município por faltade um laboratório. Diante da falta de um espaço que oportunize os alunos adesenvolverem atividades de artes de qualidade sugiro que seja criado umespaço que respalda os mesmos nos seus trabalhos escolares.
  • 24. 237. REVISÃO BIBLIOGRAFICA O estudo em questão busca reunir, analisar e interpretar informações dosmateriais existentes no meio ambiente local e experimentar o processo químico.Na obtenção de tintas naturais, fazendo um breve levantamento de autores epesquisadores sobre o assunto abordado através do tema deste trabalho. (Gombrich2008 p312) argumenta que aquilo que o artista faz não é imitar anatureza como ele próprio supõe, mas criar alternativas de interpretação dessasimpressões perceptivas em traços, manchas, texturas, cores. Gombrich afirmaque "o pintor traduz a luz em cor" e ressalta que o desenhista traduz volumes,relações de distância em linhas em sobreposições ou convergência de planos.Nessa busca o artista não começa do nada. Ele se detém em encontrar soluçõesque lhe pareça apropriada para esse repertorio. Ele procura recursos que lheparece mais apropriada e sobre esse tece novas probabilidades. Gombrich (2008) relata em sua obra, História da Arte, que os primeirospigmentos e aglutinantes naturais foram utilizados pela humanidade há mais de5.000 anos aproximadamente pelos homens da pré-história para registrar seucotidiano e suas experiências de vida e possuía uma relação mística religiosaonde esses desenhos ilustravam ferramentas e armas que envolvem situaçõesespecíficas, como a caça. As imagens mais comuns encontradas no interior dascavernas eram de bisões, mamutes, em suma, animais que mais os homensprimitivos observavam como suas possíveis presas. O homem primitivoacreditava que os desenhos realizados por eles exerciam um poder místico queaprisionava ou dominava suas presas através do poder da imagem. “… eram utilizados carvão para delinear as irregularidades nas rochas que se assemelhavam a formas encontradas na natureza. O volume era dado pelas saliências, enquanto as tonalidades terrosas emprestavam contorno e perspectiva. As “tintas” utilizadas eram torrões de ocra vermelha e amarela esfareladas até virar pó e aplicada na superfície com pincel, ou soprada através de um osso oco. Os desenhos eram superpostos aleatoriamente talvez atendendo á necessidade de novas imagens antes de cada caçada”. (STRICKLAND, 2001p 132).7.1 Arte indigena Para (Darcy Ribeiro 2006), o pigmento natural vai além, pois os índiosindependente da tribo de sua origem, usam desse recurso com maestria e
  • 25. 24habilidade, superando os limites do meramente utilitário, os mesmos conceitosque regem a arte ocidental, como por exemplo o de arte pura, ou arte pela arte,até porque a arte indígena, e nela a pintura corporal, vai além do conteúdoestético, pois a pintura para eles é como a carteira de identidade. Cada etnia temsua própria característica. Os Kadiwéu são geralmente tidos como os melhorespintores indígenas, e suas pinturas corporais já no Séc. XVI causavam admiraçãoaos europeus, a ponto de terem sido reproduzidas em xilogravuras alemãsdaquela época. Embora os índios não pintem somente em seus corpos usamtambém abanos, bancos, burdunas, remos, redes, cerâmicas e demais produtosque constituem sua cultura material pois todas essas coisas possuem uma “pele”,e, por conseguinte precisam ser ornamentadas, é no corpo humano que oindígena encontra o suporte por excelência de sua pintura, aplicando umrepertório de padrões decorativos – meandros, gregas, círculos, triângulos,pontilhados, caprichosas estilizações geométricas calcadas na fauna e na flora,sinais indicativos de caminho, direção etc. As cores empregadas na pinturacorporal são de origem vegetal, e se reduzem basicamente ao vermelho, obtidodo urucum; ao preto, fornecido pelo sumo do jenipapo misturado a fuligem; aobranco, da tabatinga, e com menor frequência ao amarelo, extraído do açafrão.Sua aplicação faz-se com auxílio de gravetos, taquaras, com os dedos ou, emcertas sociedades, mediante carimbos, feitos com caroços de frutas partidos aomeio e mergulhados nas tintas.7.2 A Natureza em nosso favor Para Cruz, (2007) os pigmentos naturais são extraídos da natureza, eposteriormente, submetidos a processos físicos de desidratação e transformaçãodeste material em micro-partículas para extração da cor os minerais naturais dosolo; em que se incluem então as terras e argilas. Já os pigmentos consideradosartificiais são obtidos através de reações químicas a partir de pigmentos sintéticosou por decomposição de materiais mais complexos. Desde o inicio das primeiras manifestações artísticas, as cores eramcompostas por elementos extraídos da natureza no reino animal, vegetal emineral, fontes inesgotáveis de pigmentos orgânicos e inorgânicos.
  • 26. 25 Em 1999, Ferreira afirmou que existem diferentes tipos de aglutinantes,cola, ovo (gema e clara), goma arábica, cera de abelha, óleos vegetais etc., comoconseqüência diferentes tipos de tinta. O aglutinante funciona como uma cola,unindo as partículas dos pigmentos. Alguns exemplos são as resinas de árvores,,o alho e até a cola plástica. Nas tintas a óleo, o aglutinante é um óleo secativo,que pode ser de linhaça, de nozes, de papoula, girassol etc. A gema de ovo,quando usada como aglutinante, atua como emulsão e dá excelente efeito àmistura de terras e ocas queimadas. O aglutinante une as partículas formando películas fortes e adesivas aoserem oxidados pela ação do ar o que reforça a ação de adesão ao suporte etransformando o estado de óleo líquido original em um material sólido que nãoreverte seu estado em líquido novamente. Esses aglutinantes podem ser delinhaça, de nozes, de papoula, banha do porco etc., sendo mais indicadas para ouso da manufatura da tinta a óleo.7.3 A presença das tintas naturais nas obras de grandes artistas As tintas naturais foram utilizadas desde o início da humanidade, com amanifestação das artes rupestres, a aproximadamente 5 milhões de ano. Essa foiuma técnica adotada por grandes mestres da pintura como: Volpi e Jan Van Eych,que utilizaram em suas obras e aperfeiçoaram as técnicas de uso, no decorrer desuas experiências. Conforme as palavras de Ferraz, (1999), era muito comum, artistasfazerem suas próprias tintas a partir de recursos naturais, pigmentos eaglutinantes, em seus ateliês de artes e dentro deste local que foi criados edesenvolvidos de forma manufaturado técnicas de tintas a óleo, têmpera etc.,poder citar como exemplo o artista plástico Alfredo Volpi (1896-1988). O artistatambém utilizava tintas obtidas através da extração de pigmentos naturaisutilizando inicialmente na juventude a técnica da aquarela, óleo e futuramente atécnica da têmpera na realização de suas obras. Filho de imigrantes italianos,Volpi chega ao Brasil com pouco mais de um ano de idade, sendo que, aos 16anos pintou sua primeira aquarela, aos 18 anos sua primeira obra de arte
  • 27. 26empregando a técnica da tinta a óleo em uma caixa de charuto. Seu talento olevou a trabalhar como pintor de frisos, florões e painéis das paredes de mansõespaulistanas. Ferraz, (1999) salienta que no decorrer de sua história artística, seu maiormomento se dá na fase das bandeirinhas, na qual expressava em seus trabalhosBandeiras e Mastros. Só realizava suas pinturas se entregando totalmente a suaobra. Após dominar a técnica da têmpera com a clara do ovo, o artista deixou deutilizar tintas indústrias. Para ele, quando estudamos um artista como Alfredo Volpi, algumas desuas mais importantes características logo se destacam em suas obras. Volpi foium artesão desde o início de sua atividade profissional. Mesmo adolescente,gostava de misturar cores e descobrir novas tonalidades e texturas. Depois, aotrabalhar como pintor de parede, fazia questão de sentir o cheiro da tinta, e atémesmo sujar as mãos só para sentir seu contato com a pele. Costumava carregarbaldes de tinta, envolvendo-se na atividade com prazer e dedicação. Quando setornou artista plástico, o fato de trabalhar com tintas foram se transformando cadavez mais em uma atividade natural e envolvente. Alfredo Volpi fazia questão deproduzir suas tintas, nas cores que lhe fossem agradáveis. Extremamentededicado e meticuloso, preparava com cuidado suas misturas. Dessa forma, o atode pintar para Volpi iniciava-se na construção das telas de linho, na química dastintas, e seguia até a composição final da obra. Cada uma de suas telas possui,além de seu pincel, a sensibilidade de suas mãos na escolha da cor e da texturapara a obra. Em suas explicações Ferraz, (1999) deixa claro que tal como um alquimistadas cores, Volpi usava a técnica da têmpera-ovo. As tintas eram diluídas em umaemulsão de verniz e ovo, onde eram colocados pigmentos decantados (terra,ferro, óxidos, ocre - argila colorida por óxido de ferro) e ressecados ao sol pelopróprio Volpi. Sempre testava cada tinta quando estava pronta, experimentando everificando a densidade e a durabilidade. Só depois que percebia que a cor obtidae desejada havia permanecido firme, sem alteração, ele a usava para pintar seusquadros. Caso isso não ocorresse, Volpi jogava a tinta fora e começava tudo denovo.
  • 28. 277.4 A natureza em beneficio da educação em sala de aula. A natureza disponibiliza recursos que contribuiu para a melhor aplicaçãodas aulas de artes no sistema educacional. O ensino de Arte é a educação queoportuniza ao indivíduo o acesso à Arte como linguagem expressiva e forma deconhecimento. De acordo com os, Parâmetros Curriculares Nacionais (1997), aeducação em arte propicia o desenvolvimento do pensamento artístico e dapercepção estética, que caracterizam um modo próprio de ordenar e dar sentido àexperiência humana: o aluno desenvolve sua suscetibilidade, inteligência ereflexão, tanto ao realizar formas artísticas quanto na ação de apreciar ereconhecer as formas produzidas por ele e pelos colegas, pela natureza e nasdiferentes culturas. A arte como forma de educação propicia o desenvolvimento dopensamento lógico artístico e da percepção estética, que caracterizam um modopróprio de ordenar e dar sentido à experiência humana: o educando desenvolvesua imaginação, percepção e sensibilidade, tanto ao realizar formas artísticasquanto na ação de apreciar e conhecer as formas produzidas por ele e peloscolegas, pela natureza e nas diferentes culturas. Os trabalhos artísticos de pintura com extração de tintas adquiridos depigmentos naturais é um trabalho gratificante e de satisfação ao estudante sendouma atividade que se pode realizar com todas as faixas etárias. De acordo com os pensamentos de Francastel, (1991) todas as artesnascem como manuseio da matéria e, reciprocamente, em toda a invenção dohomem sobre a matéria existe uma parte de adaptação que depende da estética,isto é, de uma intervenção ou de uma finalidade distinta de simples feitura.7.5 A Pintura e o Processo de Criação no Ensino Das Artes Visuais Elaborado por Lucimara Jacometti da Silva e Ana Luiza Ruschel Nunes,realizado no ensino de 8°ano do Colégio Estadual Professor Mailon Medeiros domunicípio de Bandeirantes – PR reafirma a importância de discutir e investigar acriatividade dos alunos, onde os mesmos apresentaram um desenvolvimentosignificativo na aprendizagem e criação em artes visuais, ao ser utilizado omaterial didático “Folhas”, com a produção da atividade de desenho e as tintasartesanais produzidas a partir de recursos naturais, tais como: cenoura, carvão,
  • 29. 28beterraba, urucum; o trabalho desenvolveu-se em grupo para utilizar a tinta; cadaaluno produziu 3 trabalhos diferentes com formas referentes ao cotidiano, comoos homens da Pré-História faziam; para amparar esse desenvolvimento oprofessor apresentou um vídeo sobre: Arte Rupestre e Arte Rupestre no Piauí,enfatizando a forma que os desenhos eram realizados e que tintas utilizavam. São infinitas as opiniões de pesquisas sobre o assunto em questão, taiscomo, oficina de Artes pintura com tintas naturais, disponíveis em sites na internete em livros.
  • 30. 298. CONCLUSÃO Este trabalho oportunizou aos seus participantes repensarem conceitos eatitudes e conhecerem o importante papel da arte/educação. A prática da sala deaula vai além do conhecimento do conteúdo, é preciso uma bagagem deconhecimentos, sendo estes, para solucionar dificuldades e ajudar aos alunos nosseus problemas como seres individuais. Os objetivos deste projeto foram alcançados, à medida que aexperimentação dos pigmentos e aglutinantes naturais resultou nas tintasdesejadas, utilizando recursos naturais disponíveis na região. Em sala de aula, após todo o embasamento teórico, as pesquisas feitaspelos alunos sobre aglutinantes e pigmentos, a coleta dos materiais necessáriospara a obtenção das tintas, como por exemplo, tonalidade de barro diferente,ovos, banha de porco, passamos a prática, de preparo desse material. De possedesse material, realizamos a preparação das tintas. É importante ressaltar que a principio, os alunos se opuseram a realizar asatividades propostas, mais quando perceberam que não seria uma aula de artescomo as outras se interessaram a participar. Resultando assim, na criação dedesenhos que foram pintados pelos mesmos com as tintas que produziram o quepossibilitou um resultado positivo e uma mudança de pensamento em relação àarte e ao poder criativo. As aulas executadas foram dinâmicas e participativas tornando prazerosotrabalhar com adolescentes, em um momento em que seus processos deautocrítica estão em alta. E quanto aos resultados, a partir da investigação, daelaboração do plano e da prática em sala de aula, é possível afirmar que sãoetapas de suma importância para o processo de ensino/aprendizagem, poisatravés dela conseguiu-se ter um conhecimento prévio sobre o comportamento eas atitudes dos alunos, permitindo também conhecer a realidade da escolaescolhida, possibilitando uma compreensão do contexto em que as aulas seriamdesenvolvidas. A prática em sala de aula só foi concretizada com sucesso em função daclareza que se pode vislumbrar através das observações realizadas antes de todoo processo de planejamento. Nesta perspectiva, a compreensão do professor é
  • 31. 30um elemento importante de síntese e conclusão de uma etapa que possibilita oexercício de reflexão sobre a própria prática educacional, assim como umaoportunidade de proporcionar aos alunos espaços e momentos de uma educaçãocriativa. Sua concretização foi marcada por momentos de pensamento e reflexão,nos quais os alunos podiam falar das suas obras e trocar vivências durante aoficina de produção de tintas naturais e de pintura, permitindo que se percebesseque é possível ter uma visão otimista da arte nas escolas, e que a arte não se dáem uma única direção e de uma única forma, mas para isso precisamos nosdedicar e mostrar para os demais profissionais das escolas o real valor da arte,que ela não tem só o sentido e a função de decorar a escola para comemoraçõeso que, ainda, é a visão da maioria das escolas ou apenas preencher o currículoda educação nacional. O trabalho realizado evidenciou a falta de materiais didáticos pedagógicopara o ensino da arte, nas diferentes etapas de ensino da maioria das escolaspúblicas, transparecendo um problema que deve ser sanado para a valorizaçãodo ensino artístico, pois, é através deste que estimula a criatividade e a autocríticados alunos, sendo um dos fatores que propicia maior participação no processoensino e aprendizagem.
  • 32. 319. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:BARBOSA A. M.Inquietações e mudanças no ensino da arte - 3.ed. - SãoPaulo: Cortez, 2007.Parâmetros Curriculares Nacionais: Arte. Brasília, MEC/ SEF, 1997.CRUZ, A.J. As Cores dos Artistas. História e Ciência dos PigmentosUtilizados em Pintura. Lisboa, Apenas Livros, 2004.CRUZ, A.J. Os pigmentos naturais utilizados em pintura. Évora, Universidadede Évora. 2007http://pinturaemcurso.blogspot.com.br/2009/02/tecnicas-temperas.htmlFERRAZ JUNIOR.A.J. Alfredo Volpi: Coleção Mestres das Artes no Brasil.São Paulo, ed, Moderna, 1999. Disponível em:<http://educacao.uol.com.br/biografias/alfredo-volpi. jhtm>. Acesso em: 23 deoutubro de 2011FERREIRA, I. L. e CALDAS, S. P. S. Atividades na Pré-Escola. Revista NovaEscola (reformulada). Rio de Janeiro, Edição 18, Editora Saraiva 1999.GATTI, T.H., CASTRO, R.; OLIVEIRA, D. Materiais em Arte: Manual deManufatura e Prática. Brasília:FAC, 2007GOMBRICH, E.H. História da arte. 6ª edição. ARCA LTCO, 2008HISTÓRIA da Arte Medieval. Disponível em:<http://www.girafamania.com.br/historia_arte/historia_artemedieval.html>. Acessoem 23 de outubro de 2011.JACOMETTI,L. NUNES,A. L, R. A pintura e o processo de criação no ensinode artes visuais, realizado no ensino de 8ª série do Colégio Estadual ProfessorMailon Medeiros do município de Bandeirantes – PR. Disponível em:<http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1581-8.pdf>.Acessado em 25 de outubro de 2011.
  • 33. 32STRICKLAND, C. Arte Comentada: da pré-história ao pós-modernísmo-RJ-Ediouro, 2001.Leite J. R. Teixeira (2006).
  • 34. 33Imagens Anexos Na sala de aula Preparando as tintasMisturando as tintas Preparando as tintas Aglutinantes usados para preparação das tintas Ovos Banha de porco
  • 35. 34Materiais coletados pigmentos