• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Princípios do treinamento físico
 

Princípios do treinamento físico

on

  • 22,114 views

 

Statistics

Views

Total Views
22,114
Views on SlideShare
22,110
Embed Views
4

Actions

Likes
2
Downloads
279
Comments
0

1 Embed 4

http://www.slideshare.net 4

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Princípios do treinamento físico Princípios do treinamento físico Presentation Transcript

    • Princípios do Treinamento Físico Profa. Msa. Vanessa A. F. Bisquolo www.faverobisquolo.hpg.ig.com.br [email_address]
    • Princípios do treinamento Físico
      • * Biológicos
      • *Psicológicos
      • *Pedagógicos
    • Participação Ativa
      • *Extensão
      • *Objetivo
      • *Interação Atleta/Treinador
    • Participação Ativa
      • Elaboração de objetivos
      • Análise dos resultados do treinamentos de longo e de curto prazo
      • Testes de controle
      • Sessões complementares
    • Treinamento de Longo Prazo Maturação Atletas Juvenis Infância Alto desempenho Treinamento Especializado Desenvolvimento Multilateral
    • Relação entre desenvolvimento multilateral e Treinamento especializado __20__ ______________ 80 ______________ _____ 40 _____ Desenvolvimento multilateral Treinamento especializado 5 10 15 20 25 idade
    • Filosofia de Treinamento Poucas lesões Suscetível à lesões Longa vida atlética Saturação: ±18anos Desempenho consistente nas competições Desempenho inconsistente nas competições Melhor desempenho aos 18 anos ou mais. Melhor desempenho atingido com cerca de 15-16 anos Baixo desenvolvimento do desempenho Rápido desenvolvimento do desempenho Programa multilateral Especialização Precoce
    • Comparação Um dos melhores raramente treinava + que 3xs por 45min até se tornar profissional. Desde jovens os jogadores participaram de programas de treinamento intensivo para o tênis. Outro jogador afirmou que não treinava tão duramente no inicio da adolescência. Após os 10 anos nenhum dos jogadores participavam de programas multilaterais. especialização para os jogadores de elite se iniciou dos 13 aos 15 anos. Especialização aos 11 anos. 8 dos 10 melhores tenistas cresceram em áreas rurais. T 3xs + outras atividades. Indivíduos de área urbana Boa estrutura para o treinamento. Grupo de Estudo Grupo Controle
    • Especialização
      • Exercícios específicos para determinada modalidade esportiva.
        • Fisiológicos
        • Técnicas
        • Táticas
        • Psicológicos
        • Exercícios que imitam o desporto.
        • Desenvolvimento de força, velocidade e resistência.
    • 22-26 15-16 10-12 vôlei 22-26 14-16 10-12 futebol 22-26 15-16 8-10 judô 22-26 16-17 13-15 boxe 22-28 14-16 10-12 basquetebol Melhores resultados Início da especialização inicio da prática Desportos
    • Individualidade
      • Habilidade
      • Potencial
      • Características de aprendizagem
      • Especificidade do desporto
    • Individualidade
      • Planejar de acordo com a tolerância:
        • Idade biológica e cronológica
        • Experiência
        • Capacidade individual de trabalho
        • Treinamento e estado de saúde
        • Carga de treinamento e capacidade de recuperação
        • Personalidade
    • Variedade
      • Treinamento mais de 1000 horas/ano
      • Elevado número de repetições
      • Alternativas?
    • Modelação
      • Simulação da realidade
        • Utilização de métodos semelhantes aos da competição.
          • Elementos quantitativos
          • Elementos qualitativos
    • Contemplação Interferência novos modelos qualitativos Aperfeiçoam. do modelo qualitativo novos modelos quantitativos Aperfeiçoam. do mod. quantitativo Testes do modelo Resultados Validação Modelo Final Aplicação
    • Progressão de Carga
      • Capacidade Fisiológica:
      • aumento gradativo
      • Perfil Psicológico:
      • Aumento do limiar de estresse
    • Progressão de Carga
      • Deve aumentar gradualmente
        • Depende diretamente do percentual
        • Depende diretamente da forma de elevação
    • Carga Padrão Período preparatório Período competitivo Melhora do desempenho Platô Estagnação
    • Sobrecarga 0 50 100 150 200 4 8 12 16 20 Incremento de carga Dias de Treinamento “ no pain no gain”???
    • Carga Progressiva
      • Considerações:
        • O atleta sempre precisa de uma fase de adaptação à carga.
        • O atleta necessita de várias sessões para se adaptar a nova carga.
        • É necessário um período de recuperação antes de um novo incremento de carga.
        • A melhora geralmente ocorre no período de regeneração.
    • Carga Progressiva MICRO MACROCICLO 1 2 3 4 Alta Média Baixa Carga
    • Carga Progressiva
      • Desportos de resistência: 3 á 6% da velocidade máxima.
      • Desportos de complexidade técnica: elevar as exigências de coordenação motora.
        • Sessões
        • Horas de treinamento
        • Número de exercícios
        • Número de sessões de alta intensadade
    • Elevação de sessões de alta intensidade 1 2 3 4
    • Adaptação à nova carga Microciclo S T Q Q S S D Reação do organismo à carga Nova Carga Como o atleta se sente fadiga Adapt. Me lhora
    • Sobrecarga Horizontal 1 2 3 4
    • Modificação de carga e período de treinamento Período Subperíodo Objetivos Padrão de Carga GERAL ESPECÍFICO PRÉ COMPETITIVO ADAPTAÇÃO ACUMULAÇÃO ESTABILIDADE E PICO
    • Conceitos Principais
      • Criança : Treinamentos multilaterais e multiesportivo.
      • Amadurecimento: Treinamento mais especifico.
      • Desporto de alto nível: padrão de carga mais difícil.
        • O sucesso do treinamento depende da aplicação adequada da sobrecarga.
        • Nunca subestime a importância do período de regeneração.