Patologia basica

8,915 views

Published on

Published in: Education, Sports, Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
8,915
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
9
Actions
Shares
0
Downloads
114
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Patologia basica

  1. 1. MANUAL TEÓRICO DE PATOLOGIA BÁSICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE LABORATÓRIO DE PATOLOGIA EXPERIMENTAL Dr a . Lúcia de Noronha
  2. 2. VIII. PATOLOGIA NUTRICIONAL E AMBIENTAL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE LABORATÓRIO DE PATOLOGIA EXPERIMENTAL Dr a . Lúcia de Noronha
  3. 3. RESPOSTA A SUBSTÂNCIAS EXÓGENAS <ul><li>A resposta a substâncias exógenas pode variar devido a: </li></ul><ul><li>Sistemas enzimáticos: </li></ul><ul><ul><li>São compostos por várias isoenzimas </li></ul></ul><ul><ul><li>A presença das diferentes isoenzimas é determinada pelo perfil genético do indivíduo </li></ul></ul><ul><li>Vias bioquímicas: </li></ul><ul><ul><li>Várias vias estão envolvidas no metabolismo de uma substância </li></ul></ul><ul><ul><li>O predomínio de uma via sobre outra é diferente em cada etnia, sexo e grupo etário </li></ul></ul><ul><li>Estado nutricional e hormonal </li></ul><ul><ul><li>Afeta a atividade enzimática </li></ul></ul><ul><li>Outras substâncias exógenas podem induzir ou inibir a atividade de enzimas </li></ul>
  4. 4. LESÃO CELULAR POR OXIDAÇÃO <ul><li>A oxidação de substâncias pode gerar radicais livres derivados do oxigênio, lesivos às células </li></ul><ul><li>* SATURAÇÃO OU DEPLEÇÃO DOS MECANISMO PROTETORES  LESÃO </li></ul><ul><li>* UMA DAS TEORIAS DO ENVELHECIMENTO CELULAR APONTA OS RADICAIS LIVRES COMO GRANDES RESPONSÁVEIS </li></ul>REAÇÃO DE OXIDAÇÃO LESÃO CELULAR RADICAIS LIVRE DE O 2 NEUTRALIZAÇÃO Mecanismos protetores CATALASE SUPERÓXIDO DISMUTASE GLUTATIONA VITAMINAS C e E  -CAROTENO
  5. 5. TABAGISMO <ul><li>Maior causa isolada de morte prematura evitável </li></ul><ul><li>Mais de 40 carcinógenos na fumaça do tabaco já são conhecidos (entre eles, o benzopireno) </li></ul><ul><li>Causas mais comuns de morte associada ao tabagismo: </li></ul><ul><ul><li>Cardiopatia isquêmica </li></ul></ul><ul><ul><li>Câncer pulmonar </li></ul></ul><ul><ul><li>DPOC </li></ul></ul>
  6. 6. TABAGISMO <ul><li>O tabaco é responsabilizado por: </li></ul><ul><ul><li>30% das mortes por câncer </li></ul></ul><ul><ul><li>90% das mortes por câncer pulmonar </li></ul></ul><ul><li>Aumento do risco de: </li></ul><ul><ul><li>IAM </li></ul></ul><ul><ul><li>AVE </li></ul></ul><ul><ul><li>Vasculopatia periférica </li></ul></ul><ul><li>Eventos agudos desencadeados pelo tabaco: </li></ul><ul><ul><li> adesão e agregação plaquetária  trombose </li></ul></ul><ul><ul><li>Desencadedamento de arritmias </li></ul></ul><ul><ul><li> relação demanda/suprimento de O 2  isquemia </li></ul></ul>
  7. 7. TABAGISMO <ul><li>Toxinas contra cílios (cianeto de hidrogênio): </li></ul><ul><li>Gestantes: </li></ul><ul><ul><li> carboxihemoglobina  hipóxia fetal </li></ul></ul> DEPURAÇÃO TRAQUEOBRÔNQUICA INFECÇÕES DE VIAS AÉREAS TOXINAS CILIARES BAIXO PESO AO NASCER PREMATUROS ABORTAMENTO DESCOLAMENTO DE PLACENTA PLACENTA PRÉVIA
  8. 8. TABAGISMO <ul><li>Problemas ocupacionais: </li></ul><ul><ul><li> acidentes de trabalho </li></ul></ul><ul><ul><li>Sinergismo com asbesto e radônio na produção de câncer pulmonar </li></ul></ul><ul><li>Prejuízo na cicatrização de úlcera péptica </li></ul><ul><li>Exacerbação de sintomas de asma e bronquite </li></ul><ul><li>Acredita-se que o fumo passivo esteja associado a um aumente de: </li></ul><ul><ul><li>Câncer pulmonar </li></ul></ul><ul><ul><li>Cardiopatia isquêmica </li></ul></ul><ul><ul><li>IAM </li></ul></ul><ul><ul><li>Infecções de vias aéreas em crianças </li></ul></ul>
  9. 9. ALCOOLISMO <ul><li>Etanol = maior agente de abuso do mundo </li></ul><ul><li>Para atingir nível de 100 mg/dl em um adulto de 70 kg são necessários: </li></ul><ul><li>Bebedores “sociais”: </li></ul><ul><ul><li>200 mg/ml  embriaguez </li></ul></ul><ul><ul><li>300-400 mg/dl  coma/ morte </li></ul></ul><ul><li>Alcoolistas toleram até 700 mg/dl devido à indução da citocromo P-450 </li></ul>45ml de etanol 90ml de whiskey (50°) 550ml de vinho (8°) 1100ml de cerveja (4°) EQUIVALENTE A
  10. 10. ALCOOLISMO <ul><li>Metabolismo do etanol: </li></ul><ul><ul><li>Álcool-desidrogenase (mucosa gástrica) </li></ul></ul><ul><ul><li>Citocromo P-450 (fígado) </li></ul></ul><ul><ul><li>Catalase (fígado) </li></ul></ul><ul><li>Ação aguda do etanol: </li></ul><ul><ul><li>Depressão do SNC </li></ul></ul><ul><ul><li>Euforia (devido à depressão das vias inibitórias superiores) </li></ul></ul><ul><li>Uso crônico provoca diversas alterações por dois mecanismos: </li></ul><ul><ul><li>Efeitos diretos do etanol </li></ul></ul><ul><ul><li>Deficiências nutricionais (álcool usado como fonte calórica) </li></ul></ul>
  11. 11. ALCOOLISMO – Alterações hepáticas <ul><li>Alterações HEPÁTICAS do alcoolismo crônico: </li></ul><ul><li>Deposição de gordura hepática: </li></ul><ul><ul><li> catabolismo de gordura periférica </li></ul></ul><ul><ul><li> síntese de lipídeos </li></ul></ul><ul><ul><li> oxidação de ác. Graxos </li></ul></ul><ul><ul><li>Compromentimento no transporte de lipoproteínas </li></ul></ul>ACÚMULO DE GORDURA HEPATITE ALCOÓLICA LESÃO IRREVERSÍVEL (CIRROSE)
  12. 12. ALCOOLISMO – Alterações hepáticas <ul><li>Lesão por hepatite alcoólica: </li></ul><ul><ul><li>Toxicidade direta do etanol </li></ul></ul><ul><ul><li> radicais livre de O 2 </li></ul></ul><ul><ul><ul><li> produção pelo citocromo P-450 </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li> neutralização pela glutationa </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Estímulo imunológico pelo acetaldeído ligado a proteína </li></ul></ul><ul><ul><li>Acredita-se ainda em lesão hipóxica devido ao padrão centrolobular </li></ul></ul><ul><li>Lesão irreversível (cirrose): </li></ul><ul><ul><li>10-15% dos alcoolistas </li></ul></ul><ul><ul><li>Morte hepatocelular </li></ul></ul><ul><ul><li>Regeneração micronodular cercada por faixas de colágeno </li></ul></ul><ul><ul><li>Perda da arquitetura hepática </li></ul></ul><ul><ul><li>Insuficiência hepática </li></ul></ul><ul><ul><li>Hipertesão do sistema porta </li></ul></ul>
  13. 13. ALCOOLISMO <ul><li>Alterações do SNC : </li></ul><ul><li>Causadas por deficiência de vitamina B 1 (tiamina): </li></ul><ul><ul><li>Degenarção neuronal </li></ul></ul><ul><ul><li>Gliose reativa </li></ul></ul><ul><ul><li>Atrofia cerebelar e de nervos periféricos </li></ul></ul><ul><ul><li>Síndrome de Wernicke (ataxia + confusão + oftalmoplegia) </li></ul></ul><ul><ul><li>Síndrome de Korsakoff (graves prejuízos da memória) </li></ul></ul><ul><li>Alterações CARDIOVASCULARES : </li></ul><ul><li>Toxicidade direta do etanol  cardiomiopatia dilatada </li></ul><ul><li>Hipertensão arterial sistêmica </li></ul><ul><li>* uso moderado de álcool tem efeitos benéficos: </li></ul><ul><ul><li> HDL-colesterol e  LDL-colesterol </li></ul></ul><ul><ul><li> agregação plaquetária </li></ul></ul>
  14. 14. ALCOOLISMO <ul><li>Alterações do TRATO GASTROINTESTINAL : </li></ul><ul><li>Gastrite aguda  toxicidade direta do etanol </li></ul><ul><li> risco de pancreatite aguda e crônica </li></ul><ul><li>Alterações MÚSCULO-ESQUELÉTICAS : </li></ul><ul><li>Lesão muscular com degradação de mioglobina </li></ul><ul><li>Alterações do SISTEMA REPRODUTOR : </li></ul><ul><li>Atrofia gonadal   fertilidade </li></ul><ul><li>Etanol e CÂNCER : </li></ul><ul><li>Acetaldeído pode atuar como promotor </li></ul><ul><li> risco de câncer de cavidade oral, esôfago e fígado </li></ul>
  15. 15. ABUSO DE DROGAS <ul><li>DEPRESSORES DO SNC: </li></ul><ul><li>Etanol é o mais usado </li></ul><ul><li>Barbitúricos: </li></ul><ul><ul><li>Rápida tolerância e dependência </li></ul></ul><ul><ul><li>Potencialmente fatais quando usados com álcool </li></ul></ul><ul><ul><li>Vêm sendo substituídos pelos benzodiazepínicos </li></ul></ul><ul><li>ESTIMULANTES DO SNC: </li></ul><ul><li>Cocaína/ crack : </li></ul><ul><ul><li>Bloqueio da recaptação de catecolaminas no SNC e SNP </li></ul></ul><ul><ul><li>Efeitos agudos: HAS,  FC, euforia, evoluindo para deepressão respiratória e arritmias </li></ul></ul><ul><ul><li>Uso crônico: insônia, ansiedade, paranóia,  risco de IAM e AVE </li></ul></ul><ul><li>Anfetaminas: </li></ul><ul><ul><li>Efeitos semelhantes aos da cocaína </li></ul></ul><ul><ul><li>Age nos receptores dopaminérgicos D 4 </li></ul></ul>
  16. 16. ABUSO DE DROGAS <ul><li>NARCÓTICOS: </li></ul><ul><li>Prescritos como analgésicos, mas causam sedação e alt. do humor </li></ul><ul><li>Heroína: </li></ul><ul><ul><li>Ansiedade, sedação, alt. do humor, náuseas, deepressão respiratória </li></ul></ul><ul><ul><li>Uso EV: endocardite infecciosa </li></ul></ul><ul><li>ALUCINÓGENOS: </li></ul><ul><li>Naturais: </li></ul><ul><ul><li>Mescalina (cactos) </li></ul></ul><ul><ul><li>Psilocibina (cogumelo) </li></ul></ul><ul><ul><li>Machonha (cânhamo) </li></ul></ul><ul><li>Maconha: </li></ul><ul><ul><li>Tetraidrocarbinol (THC) é o ingrediente ativo </li></ul></ul><ul><ul><li>Relaxamento e euforia </li></ul></ul><ul><li>LSD (ácido lisérgico) </li></ul><ul><ul><li>Ilusões e outras alterações de percepção por até 12 horas </li></ul></ul>
  17. 17. AGENTES TERAPÊUTICOS <ul><li>???? </li></ul><ul><li>ESTRÓGENOS EXÓGENOS: </li></ul><ul><li>Causam pequeno aumento no risco de alguns cânceres (endometrial, de mama) </li></ul><ul><li>Apesar do efeito benéfico sobre o colesterol (  HDL) causa pequeno aumento no risco de doenças cardiovasculares </li></ul><ul><li>ANTICONCEPCIONAIS ORAIS: </li></ul><ul><li>Diversas mudanças na composição durante últimos anos torna difícil avaliar seus efeitos a longo prazo </li></ul><ul><li>Aumento no risco de tromboembolismo parece bem definido, apesar de que formulações mais recentes têm um risco menor </li></ul>
  18. 18. POLUIÇÃO EM AMBIENTE FECHADO <ul><li>MONÓXIDO DE CARBONO: </li></ul><ul><li>Inodoro e incolor </li></ul><ul><li>Liga-se com Hb com muito mais afinidade que o O 2  hipóxia </li></ul><ul><li>DIÓXIDO DE NITROGÊNIO: </li></ul><ul><li>Fornos a gás e aquecedores com querosene </li></ul><ul><li> infecções respiratórias em crianças </li></ul><ul><li>RADÔNIO: </li></ul><ul><li>Gás radiativo da decomposição do urânio </li></ul><ul><li>Presente em minas e algumas residências </li></ul><ul><li>Maior causa de câncer de pulmão em não fumantes </li></ul><ul><li>FIBRAS DE ASBESTO: </li></ul><ul><li>Presente em telhas, canos e calhas </li></ul><ul><li>Pneumoconiose, câncer de pulmão e mesotelioma em profissionais expostos </li></ul>
  19. 19. EXPOSIÇÕES INDUSTRIAIS <ul><li>HIDROCARBONETOS AROMÁTICOS POLICÍCLICOS: </li></ul><ul><ul><li>Estão entre os carcinógenos químicos mais potentes </li></ul></ul><ul><ul><li>Provenientes da combustão de combustíveis fósseis e processamento de carvão e óleo mineral em altas temperaturas </li></ul></ul><ul><ul><li>Benzopireno, do tabaco é o protótipo  câncer de pulmão e bexiga </li></ul></ul><ul><li>CHUMBO: </li></ul><ul><ul><li>Fabricação de baterias, mineradores, soldadores, pintores </li></ul></ul><ul><ul><li>Se deposita em dentes e ossos em crescimento, sangue e tecidos moles </li></ul></ul><ul><ul><li>Anemia hipocrômica, desmielinização periférica, insuficiência renal crônica, dor abdominal intensa </li></ul></ul><ul><ul><li>Orla de Burton (linha gengival cianótica) </li></ul></ul><ul><ul><li>Pontilhado basofílico em eritrócitos </li></ul></ul>
  20. 20. LESÃO POR RADIAÇÃO <ul><li>Radiação ionizante: </li></ul><ul><ul><li>Alta freqüência </li></ul></ul><ul><ul><li>Ioniza moléculas biológicas </li></ul></ul><ul><ul><li>Ondas eletromagnéticas (ex.: raio-X) ou radiação particulada (partículas emitidas por radioisótipos) </li></ul></ul><ul><li>Radiação não ionizante: </li></ul><ul><ul><li>Baixa freqüência </li></ul></ul><ul><ul><li>Causa vibração de átomos </li></ul></ul><ul><ul><li>Ex.: ondas de rádio, microondas, infravermelho, UV </li></ul></ul><ul><li>ESPECTRO DE LESÃO: </li></ul><ul><li>Necrose franca </li></ul><ul><li>Destruição de células em divisão </li></ul><ul><li>Lesão do DNA </li></ul>REPARO DANO PERMANENTE MALIGNIZAÇÃO CÉL. COM DNA MUTANTE APOPTOSE
  21. 21. LESÃO POR RADIAÇÃO <ul><li>RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA: </li></ul><ul><ul><li>UVA  não absorvido pelo ozônio atmosférico </li></ul></ul><ul><ul><li>UVB  parcialmente absorvido pelo ozônio atmosférico </li></ul></ul><ul><ul><li>UVC  totalmente absotvido pelo ozônio atmosférico </li></ul></ul><ul><li>Efeitos agudos sobre a pele: </li></ul><ul><ul><li>Eritema </li></ul></ul><ul><ul><li>Pigmentação </li></ul></ul><ul><ul><li>Lesão das cél. de Langerhans e queratinócitos </li></ul></ul><ul><li>Efeitos crônicos: </li></ul><ul><ul><li>Envelhecimento da pele: degeneração da elastina e do colágeno </li></ul></ul><ul><ul><li>Carcinogênese: alterações no DNA epitelial </li></ul></ul>
  22. 22. AMBIENTE FÍSICO <ul><li>FERIMENTOS: </li></ul><ul><ul><li>Abrasão: lesão somente da epiderme, sem cicatriz </li></ul></ul><ul><ul><li>Laceração: rompimento cutâneo com bordos irregulares </li></ul></ul><ul><ul><li>Incisão: rompimento cutâneo com bordos regulares, causada por objeto cortante </li></ul></ul><ul><ul><li>Contusão: lesão fechada podendo causar equimose (por ruptura de pqnos vasos) ou hematoma (vasos maiores) </li></ul></ul><ul><li>QUEIMADURAS: </li></ul><ul><ul><li>Espessura parcial (1º e 2º graus): rosadas, dolorosas, exsudação abundante </li></ul></ul><ul><ul><li>Espessura total (3º e 4º graus): brancas/ carbonizadas, anestésicas, secas </li></ul></ul><ul><ul><li>Complicações: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Infecções ( Pseudomonas aeruginosa, S. aureus, Candida sp. ) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Hipotermia </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Desidratação </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>hipoproteinemia </li></ul></ul></ul>
  23. 23. PATOLOGIA NUTRICIONAL <ul><li>DESNUTRIÇÃO </li></ul><ul><ul><li>1 ária : deficiência de nutrientes na dieta </li></ul></ul><ul><ul><li>2 ária : má-absorção, perda excessiva, hipermetabolismo </li></ul></ul><ul><li>DESNUTRIÇÃO PROTÉICO-CALÓRICA: </li></ul><ul><ul><li>Kwashiokor: deficiência de proteína na presença de energia adeqüada. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Forma 1 ária mais comum em crianças </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Forma 2 ária em estados hipermetab. (sepse, trauma...) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Perda de peso, anemia, lesões de pele, esteatose </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Hipoalbuminemia  edema generalizado </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Marasmo: combinação de deficiência protéica e energética. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Perda de peso, anemia, imunodeficiência </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Forma 2 ária em doenças crônicas (DPOC, ICC, AIDS...) </li></ul></ul></ul>
  24. 24. DEFICIÊNCIAS VITAMÍNICAS <ul><li>DEFIC. VITAMINA D </li></ul><ul><li>Prejudica absorção intest. De Ca ++ </li></ul><ul><li>Ocorre por exposição solar inadequada, malnuntrição ou absorção inadeqüada </li></ul><ul><li>Osteomalácia/ raquitismo </li></ul><ul><li>DEFIC. VITAMINA E </li></ul><ul><li>Geralmente decorrente de má absorção severa </li></ul><ul><li>Arreflexia, distúrbios da marcha,  propriocepção, oftalmoplegia </li></ul><ul><li>DEFIC. VITAMINA K </li></ul><ul><li>Dieta deficiente ou destruição da flora intestinal por ATB </li></ul><ul><li>Fatores de coagulação dependentes: II, VII, IX e X </li></ul><ul><li>Diátese hemorrágica </li></ul><ul><li>DEFIC VITAMINA A </li></ul><ul><li>Dieta deficiente, má absorção, uso de laxantes </li></ul><ul><li>Cegueira noturna, xeroftalmia, hiperqueratinização da pele </li></ul>
  25. 25. DEFICIÊNCIAS VITAMÍNICAS <ul><li>DEFIC. TIAMINA (VIT B 1 ): </li></ul><ul><li>Alcoolismo é a causa mais comum </li></ul><ul><li>Beribéri seco: alt. do sistema nervoso </li></ul><ul><li>Beribéri úmido: alt. do sistema cardiovascular </li></ul><ul><li>Encefalopatia de Wernicke: ataxia, confusão e nistagmo/ oftalmoplegia </li></ul><ul><li>Sd. De Korsakoff: amnésia retrógrgada, prejuízo no aprendizado e confabulação </li></ul><ul><li>DEFIC. DE RIBOFLAVINA (B 2 ): </li></ul><ul><li>Desnutrtição ou uso de medicamentos inib. Da flavocinase </li></ul><ul><li>Queilite angular, glossite, anemia, estomatite, dermatite seborréica </li></ul><ul><li>DEFIC DE PIRIDOXINA (B 6 ): </li></ul><ul><li>Alcoolismo ou medicamentos </li></ul><ul><li>Dermatite seborréica, queilose, glossite, neuropatia perif., convulsões </li></ul>
  26. 26. DEFICIÊNCIAS VITAMÍNICAS <ul><li>DEFIC. DE VIT. C </li></ul><ul><li>Dieta inadequada e alcoolismo </li></ul><ul><li>Mal-estar, fraqueza </li></ul><ul><li>Hemorragias, artralgias </li></ul><ul><li>Escorbuto: febre baixa, lesões de gengiva, fragilidade óssea, cicatrização retardada </li></ul><ul><li>DEFIC. DE COBALAMINA (B 12 ): </li></ul><ul><li>Causas: </li></ul><ul><ul><li> fator intrínseco (anemia perniciosa, gastrectomia) </li></ul></ul><ul><ul><li>Insuf. pancreática </li></ul></ul><ul><ul><li>Má absorção </li></ul></ul><ul><li>Anemia macrocítica </li></ul><ul><li>Glossite </li></ul><ul><li>Diarréia, anorexia </li></ul><ul><li>Neuropatia periférica </li></ul>
  27. 27. DEFICIÊNCIA DE SAIS MINERAIS <ul><li>DEFICIÊNCIA DE FERRO: </li></ul><ul><ul><li>Causa mais comum: perda crônica de sangue </li></ul></ul><ul><ul><li>Componente do heme  anemia hipocrômica </li></ul></ul><ul><li>DEFICIÊNCIA DE ZINCO: </li></ul><ul><ul><li>Zinco é componente de enzimas </li></ul></ul><ul><ul><li>Acrodermite enteropática, retardo no crescimento </li></ul></ul><ul><li>DEFICIÊNCIA DE IODO: </li></ul><ul><ul><li>Iodo é componente de hormônios tireóideos </li></ul></ul><ul><ul><li>Bócio e hipotireoidismo </li></ul></ul><ul><li>DEFICIÊNCIA DE SELÊNIO: </li></ul><ul><ul><li>Selênio é componente da glutationa-peroxidase </li></ul></ul><ul><ul><li>Miopatia </li></ul></ul><ul><li>DEFICIÊNCIA DE COBRE: </li></ul><ul><ul><li>Cobre é componente da enzimas </li></ul></ul><ul><ul><li>Fraqueza, alt. Neurológicas, hipopigmentação </li></ul></ul>
  28. 28. OBESIDADE <ul><li>Definida pelo índice de massa corpórea (IMC): </li></ul><ul><li>Obesidade superior (abdome e flancos) tem piores efeitos à saúde que obesidade inferior (nádegas e coxas) </li></ul><ul><li> circunferência abdominal (>102cm em homens; >88cm em mulheres) ou  índice cintura/ quadril (>1 em homens; >0,88 em mulheres)  maior risco de DM, AVE, doença coronária </li></ul><ul><li>Deposição de gordura visceral é mais danosa do que deposição subcutânea (lutadores de sumô) </li></ul><ul><li>Associação com vários distúrbios (DM, HAS, hiperlipidemia) </li></ul>III. OBESID. EXTREMA >40 II. OBESID. MODERADA 35-39,9 I. OBESIDADE LEVE 30-34,9 SOBREPESO 25-29,9 NORMAL 18,5-24,9 Classe IMC
  29. 29. DIETA E DOENÇAS SISTÊMICAS <ul><li>Dieta que atende às necessidades calóricas do indivíduo pode ser danosa a indivíduos propensos a desenvolver doenças como: </li></ul><ul><ul><li>Hipertensão arterial (excesso de NaCl) </li></ul></ul><ul><ul><li>Diverticulose (carência de fibras) </li></ul></ul><ul><ul><li>IAM (excesso de carne  hiper-homocisteinemia) </li></ul></ul><ul><li>Alimentos com efeito protetor: </li></ul><ul><ul><li>Tomate (licopeno)  proteção contra Ca de próstata </li></ul></ul><ul><ul><li>Uva escura (tanino)  proteção contra doenças cardiovasculares </li></ul></ul><ul><ul><li>Álcool em doses moderadas e cereais   HDL;  LDL  proteção cardiovascular </li></ul></ul>

×