Curso esteroides anabólicos

18,687 views

Published on

Published in: Education, Technology, Business
1 Comment
19 Likes
Statistics
Notes
  • Trabalho científico de qualidade sobre tema polêmico. Boa !!
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
18,687
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
774
Comments
1
Likes
19
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Curso esteroides anabólicos

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO RECURSOS ERGOGÊNICOS NOS ESPORTES: MEIOS LÍCITOS E ÍLÍCITOS DE MELHORA DA PERFORMANCE Prof.Ms. Cássio Mascarenhas Robert Pires [email_address]
  2. 2. ESTERÓIDES ANABÓLICOS ANDROGÊNICOS: MITOS E VERDADES
  3. 3. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li> RECURSOS ERGOGÊNICOS </li></ul><ul><li> manobras, estratégias ou iniciativas adotadas com o intuito de promover melhora da capacidade de trabalho motor, resultando em aumento da performance desportiva </li></ul><ul><li>- Recursos lícitos: suplementação nutricional </li></ul><ul><li> creatina, BCAA, glutamina, L-carnitina, CHO, etc. </li></ul><ul><li>- Recursos ilícitos: doping </li></ul><ul><li> drogas simpatomiméticas, GH, EPO e EAA </li></ul>
  4. 4. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>CREATINA </li></ul><ul><li>Derivado de aa (arginina, glicina e metionina), sintetizada no fígado, rins e pâncreas (1-2g/dia) </li></ul><ul><li>1-2g/dia exógenos  peixes e carnes vermelhas </li></ul><ul><li>90-95% creatina corporal  músculos esqueléticos </li></ul><ul><li>(120 mmol/Kg músculo seco) </li></ul><ul><li>* CP ( 65 mmol/Kg músc. seco) </li></ul><ul><li>Transporte celular </li></ul><ul><li>transportador sódio-dependente </li></ul><ul><li>insulina  expressão de transportador </li></ul><ul><li>Papel no metabolismo celular </li></ul><ul><li> prover energia ATP para esforços intensos e rápidos </li></ul>
  5. 5. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>- Razões para suplementação com creatina: </li></ul><ul><li> fadiga associada ao treino alático/lático </li></ul><ul><li> disponibilidade de CP (65 p/ 90-100 mmol/Kg músc. seco) </li></ul><ul><li> taxa de ressíntese de CP </li></ul><ul><li> acidose no exercício intenso </li></ul><ul><li> da intensidade e volume do treino </li></ul>
  6. 6. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>- Padrão de suplementação: ciclo com 3 fases </li></ul><ul><li>1a. fase: saturação  0,3g/Kg ao dia – 5 a 6 dias (160mmol/Kg) </li></ul><ul><li>2a. fase: manutenção  0,05g/Kg ao dia – 2 a 3 meses </li></ul><ul><li>3a. fase : transição  4 a 5 semanas de abstenção </li></ul><ul><li>* intolerância às altas doses </li></ul><ul><li> incorporação em bebidas mornas associada com CHO e proteínas </li></ul><ul><li> 47g de CHO simples e 50g proteína (500 ml) </li></ul><ul><li> Solução 18,5% CHO (500 ml  92 g glicose) </li></ul><ul><li> 380g/dia glicose (Kreider, 1998) </li></ul>
  7. 7. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>- Efeitos ergogênicos </li></ul><ul><li> composição corporal </li></ul><ul><li> força muscular </li></ul><ul><li> performance anaeróbia/aeróbia </li></ul><ul><li>a) Composição corporal: </li></ul><ul><li> Peso corporal total:  1,5 a 3 Kg após 6 dias </li></ul><ul><li> Massa magra: 1 a 2 Kg/ ciclo ( balanço nitrogenado +) </li></ul><ul><li>b) Performance: </li></ul><ul><li>Sprints repetidos </li></ul><ul><li>Fadiga em cicloergômetro </li></ul><ul><li>Ações desportivas (futebol) </li></ul><ul><li>Séries repetidas em musculação </li></ul>
  8. 8. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>- Efeitos colaterais </li></ul><ul><li> cãibras </li></ul><ul><li> diarréias </li></ul><ul><li>  creatinina e retenção hídrica (compartimento musc.) </li></ul><ul><li>  CK, LDH </li></ul><ul><li>*   HDL-c,  LDL-c e colesterol total </li></ul><ul><li>- Reposição dos estoques de CP </li></ul><ul><li>  42% taxa de ressíntese de CP após 2 min. recup. </li></ul><ul><li>- Suplementação com creatina e pulso de GH </li></ul>
  9. 9. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>Aminoácidos isolados </li></ul><ul><li>BCAA ( valina, leucina e isoleucina) </li></ul><ul><li>ação anticatabólica  doadores de esqueletos C p/ intermediários do ciclo de Krebs </li></ul><ul><li> balanço nitrogenado positivo </li></ul>
  10. 10. Metabolismo de BCAA nos músculos esqueléticos
  11. 11. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li> Kleiner (2002), Kreider (2000)  ingestão protéica  2g/kg P.C. </li></ul><ul><li>- ação sobre a fadiga induzida centralmente </li></ul><ul><li>* infusão de triptofano  s/  no desempenho em cavalos de corrida </li></ul>
  12. 12. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>RECURSOS ILÍCITOS: </li></ul><ul><li>ab(uso) de EAA </li></ul>
  13. 21. ESTERÓIDES ANABÓLICOS ANDROGÊNICOS E ATIVIDADE FÍSICA <ul><li>Esteróides anabólicos androgênicos (EAA): </li></ul><ul><li>- derivados sintéticos do hormônio sexual masculino, testosterona. </li></ul><ul><li>Funções da testosterona: </li></ul><ul><li>a) androgênicas: crescimento do trato reprodutivo masculino e determinação das características sexuais masculinas secundárias </li></ul><ul><li>b) anabólicas: crescimento de tecidos somáticos e não-reprodutivos (aumento da síntese protéica) </li></ul>
  14. 22. <ul><li>Principais funções: </li></ul><ul><li>- determinação e manutenção das características sexuais masculinas primárias (formação do pênis e bolsa escrotal, próstata, vesículas seminais); </li></ul><ul><li>- após puberdade, estimulação do crescimento destes órgãos em até 8 vezes; </li></ul><ul><li>- determinação das características sexuais masculinas secundárias: </li></ul><ul><li> crescimento de pêlos corporais, </li></ul><ul><li> calvície, </li></ul><ul><li> efeito sobre cordas vocais, </li></ul><ul><li> desenvolvimento de acne </li></ul>
  15. 23. <ul><li> aumento da síntese protéica com consequente desenvolvimento muscular, </li></ul><ul><li> aumento da deposição de cálcio nos ossos, </li></ul><ul><li> aumento da reabsorção de sódio nos túbulos renais. </li></ul>
  16. 24. <ul><li>Síntese de testosterona: células de Leydig </li></ul><ul><li>Acetato  Colesterol  Ésteres de Colesterol </li></ul><ul><li> </li></ul><ul><li>Pregnenolona  Progesterona </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>17-OH- Pregnenolona  17-OH-Progesterona </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>DHEA  Androstenediona </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Androstenediol  Testosterona </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>5  -DHT Androsterona </li></ul>
  17. 25. Estrutura química da molécula do Colesterol 16 OH 3 2 1 4 5 19 6 7 8 9 10 14 11 13 12 18 15 17 21 20 22 23 24 25 26 27 A B C D
  18. 26. Estrutura química da molécula de Pregnenolona 16 OH 3 2 1 4 5 19 6 7 8 9 10 14 11 13 12 18 15 17 20 A B C D
  19. 27. Estrutura química da molécula de 17-OH- Pregnenolona 16 OH 3 2 1 4 5 19 6 7 8 9 10 14 11 13 12 18 15 17 20 OH D C B A
  20. 28. Estrutura química da molécula de Testosterona 16 O 3 2 1 4 5 19 6 7 8 9 10 14 11 13 12 18 15 17 OH A B C D
  21. 29. Estrutura química da molécula de 5  - DHT 16 O 3 2 1 4 5 19 6 7 8 9 10 14 11 13 12 18 15 17 OH H
  22. 30. <ul><li>Testosterona </li></ul><ul><li>Testosterona </li></ul>5  -redutases 5  - DHT aromatases Estradiol
  23. 31. Estrutura química da molécula de Estradiol 16 OH 3 2 1 4 5 19 6 7 8 9 10 14 11 13 12 18 15 17 OH
  24. 32. ESTERÓIDES ANABÓLICOS ANDROGÊNICOS (EAA) <ul><li>Tipos de EAA </li></ul><ul><li>- classe A: 17  -esterificados ( administração parenteral) </li></ul><ul><li>- classe B: 17  -alquilados (administração oral) </li></ul><ul><li>- classe C: alterações nos anéis A, B ou C </li></ul><ul><li>* Classe AC ou BC ( parenterais ou orais) </li></ul>
  25. 33. Alterações da molécula de testosterona nos diferentes tipos de EAA (adaptado de Wilson, 1988) Tipo B R 16 R Tipo A o 3 2 1 4 5 19 6 7 8 9 10 14 11 13 12 18 15 17 Tipo C OH
  26. 34. MECANISMO DE AÇÃO DOS EAA EAA Recep EAA
  27. 35. EFEITOS DIRETOS E INDIRETOS DOS EAA <ul><li>DIRETO ANABOLISMO PROTÉICO </li></ul><ul><li>INDIRETO </li></ul><ul><li>EFEITO ANTI-GLICOCORTICÓIDE DOS EAA; TESTOSTERONA E CREATINA; TESTOSTERONA E IGF-1. </li></ul>
  28. 36. Tipos de derivados farmacológicos de EAA: princípios ativos e nomes comerciais <ul><li>Tipo A: ésteres de testosterona </li></ul><ul><li>- cipionato de testosterona  Deposteron </li></ul><ul><li>- enantato de testosterona  Delatestril </li></ul><ul><li>- Undecanoato de testosterona  Androxon </li></ul><ul><li>- propionato de testosterona </li></ul><ul><li>- fenilpropionato de testosterona </li></ul><ul><li>- isocaproato de testosterona </li></ul><ul><li>- decanoato de testosterona </li></ul>Durateston
  29. 37. Tipos de derivados farmacológicos de EAA: princípios ativos e nomes comerciais <ul><li>Tipo AC </li></ul><ul><li>- Decanoato de nandrolona  Decadurabolin </li></ul><ul><li>- Fenilpropionato de nandrolona  Primobolan </li></ul><ul><li>* Undecilenato de boldenona  Equipoise </li></ul><ul><li>Tipos B e BC </li></ul><ul><li>- Metiltestosterona  Metandren </li></ul><ul><li>- Fluoximesterona  Halotestin </li></ul><ul><li>- Metandrostenolona  Dianabol ou Anabol </li></ul><ul><li>- Oximetolona  Hemogenin </li></ul><ul><li>- Oxandrolona  Anavar </li></ul><ul><li>- Estanozolol  Winstrol </li></ul>
  30. 38. PROPRIEDAES GERAIS DOS EAA
  31. 39. EAA E TOXIDADE HEPÁTICA
  32. 40. AROMATIZAÇÃO <ul><li>Testosterona  Substrato primário do HOMEM para a SÍNTESE de ESTRÓGENO; </li></ul>Estrogênio Testosterona Aromatase
  33. 41. <ul><li>Atividade da AROMATASE  Presente em  locais do corpo (Adipócito, Fígado, SNC,..) </li></ul><ul><li>Condições Normais [ESTRÓGENO] é Baixa; </li></ul><ul><li> de alguns EAA   [ESTRÓGENO]  Retenção Hídrica,  Gordura Corporal e Ginecomastia. </li></ul>AROMATIZAÇÃO
  34. 42. <ul><li>Minimizar os efeitos da Aromatização </li></ul><ul><li>Inibidores da AROMATASE Arimidex, Cytadren e Teslac </li></ul><ul><li>ANTAGONISTAS DE ESTRÓGENOS Clomid ou Nolvadex. </li></ul>AROMATIZAÇÃO
  35. 43. CONVERSÃO PARA DHT <ul><li>DHT  potência da TESTOSTERONA (3-4x) </li></ul><ul><li>Via 5  -Redutase </li></ul><ul><li>Presente em  [ ] Próstata, Pele, Fígado, ... </li></ul>Testosterona (andrógeno) DihidroTestosterona 5  -redutase
  36. 44. DHT e Efeitos Colaterais ANDROGÊNICOS <ul><li>Potente Hormônio Androgênico  Grande parte dos EFEITOS COLATERAIS dos EAA ocorre em função de sua conversão a 5  -DHT; </li></ul>
  37. 45. Uso terapêutico dos EAA <ul><li>Homens Hipogonadais: reposição hormonal </li></ul><ul><li>10-35nmol/l: dose fisiológica </li></ul><ul><li>Ésteres de testosterona: cipionato, propionato e enantato (200mg/15 dias) </li></ul><ul><li>Homens 3a. Idade (massa muscular e óssea) </li></ul><ul><li>Contracepção masculina: </li></ul><ul><li>50-100nmol/l: dose suprafisiológica </li></ul><ul><li>* Anemias renais e de medula óssea: </li></ul><ul><li>100-300nmol/l: dose farmacológica </li></ul><ul><li>Oximetolona e ésteres de nandrolona (fenproprionato e decanoato) </li></ul>
  38. 46. Uso terapêutico dos EAA <ul><li>Ganho de peso em deficiência nutricional crônica ou pacientes aidéticos terminais: > retenção de nitrogênio  < catabolismo protéico </li></ul><ul><li>Terapias em mulheres c/ câncer de mama e endometriose; combate à osteoporose em mulheres idosas (alívio da dor óssea causada por osteoporose) </li></ul>
  39. 47. Uso terapêutico dos EAA
  40. 48. Uso terapêutico dos EAA
  41. 49. (Ab)Uso por atletas <ul><li>Princípios de terapia: </li></ul><ul><li>ciclos semanais: 4 a 12 semanas </li></ul><ul><li>combinação ou acúmulo de dois ou mais EAA </li></ul><ul><li>Progressão das doses dentro dos ciclos (sistema piramidal) </li></ul><ul><li>Doses  10 a 100 vezes níveis fisiológicos de testosterona: suprafisiológicas, farmacológicas ou suprafarmacológicas </li></ul>
  42. 50. HEMOGENIN ANADROL
  43. 51. HEMOGENIN (Oximetolona) <ul><li>Produzido 1960   produção Células vermelhas  Anemia Severa. </li></ul><ul><li>Década 80 e Início 90  Novas Drogas para Anemia (EPO)  desinteresse comercial . </li></ul><ul><li>1993   fabricação. </li></ul><ul><li>Entretanto, estudos HIV/AIDS  Ressuscitaram o HEMOGENIN  anti-degeneração. </li></ul><ul><li>1998   fabricação. </li></ul>
  44. 52. HEMOGENIN <ul><li>Conhecido como MAIS POTENTE EAA </li></ul><ul><li>Derivado do 5  -DHT </li></ul><ul><li>2 tabletes por dia / 6 semanas   9 a 13 kg </li></ul><ul><li>½ vida ~ 8 a 9 hs </li></ul><ul><li> retenção Hídrica   volume pós-ciclo. </li></ul><ul><li>Associação com NOLVADEX   Risco de GINECOMASTIA. </li></ul><ul><li>Como é derivado da DHT  Não pode ser AROMATIZADO  Não converte a ESTRÓGENO. </li></ul><ul><li>Talvez tenha atividade PROGESTACIONAL  (Semelhante a do ESTRÓGENO). </li></ul><ul><li>Pesquisa   atividade PROGESTACIONAL, enquanto que a NANDROLONA   Atividade </li></ul>
  45. 53. HEMOGENIN <ul><li>DE ONDE VEM A AROMATIZAÇÃO ? </li></ul><ul><li>HEMOGENIN  Ativa RECEPTORES de ESTRÓGENO. </li></ul><ul><li>DROGAS anti-AROMATASES  s/ EFEITO (Cytadren, Arimidex ® e Teslac) . </li></ul><ul><li>Utilização de Antagonistas do Receptor de Estrógeno (NOLVADEX ® e o Clomid®). </li></ul>
  46. 54. HEMOGENIN <ul><li>Composto 17  -Alkelado  Permite Administração ORAL  LESÃO HEPÁTICA </li></ul><ul><li>ALTAMENTE TÓXICO  Requer doses altas </li></ul><ul><li>* TUMOR HEPÁTICO  HEMOGENIN </li></ul><ul><li>> VILÃO </li></ul><ul><li>* Pode causar fortes dores de cabeça, estômago e outros problemas </li></ul>
  47. 56. DECA-DURABOLIN
  48. 57. DECA-DURABOLIN (Decanoato de nandrolona) <ul><li>Fabricado em 1962, DECA é um esteróide de ação LENTA (3 a 4 semanas – tempo liberação.); </li></ul><ul><li>EAA mais usado no mundo  MUITAS PROPRIEDADES FAVORÁVEIS; </li></ul><ul><li>Similar a TESTOSTERONA, mas s/ C-19, o que lhe confere < Potência ANDROGÊNICA  < EFEITOS COLATERAIS ANDROGÊNICOS; </li></ul><ul><li> Tendência p/ AROMATIZAR (20% do Efeito TESTOSTERONA); </li></ul>
  49. 58. DECA-DURABOLIN <ul><li>GINECOMASTIA  INDIVÍDUOS SENSÍVEIS OU  DOSES; </li></ul><ul><li>Melhor EAA para HOMENS  em relação aos EFEITOS COLATERIAS; </li></ul><ul><li>Tratamento AIDS  DECA   MM e resposta IMUNE </li></ul><ul><li>Exibe alguma atividade PROGESTACIONAL  c/  Afinidade por seu RECEPTOR; </li></ul><ul><li>Efeitos da PROGESTERONA  similares ao do ESTRÓGENO  FEEDBACK NEGATIVO da produção da TESTOSTERONA,  LIPOGÊNESE e possibilidade para GINECOMASTIA. </li></ul>
  50. 59. DECA-DURABOLIN <ul><li>EAA de ação lenta  Mais Utilizado em CICLOS LONGOS; </li></ul><ul><li>Muito usado como EAA de base para todo ciclo e misturado a vários outros EAA; </li></ul><ul><li>Parece  inflamações e dores articulares, assim como acelerar recuperação entre sessões de treino; </li></ul>
  51. 60. DECA-DURABOLIN <ul><li>EAA de ação lenta  Mais Utilizado em CICLOS LONGOS; </li></ul><ul><li>½ vida ~ 15 dias </li></ul><ul><li>Apesar de levemente ANDROGÊNICO  Mulheres apresentam VIRILIZAÇÃO; </li></ul><ul><li> Em função da liberação LENTA, uma parte pode ficar retida no TECIDO ADIPOSO  Processos de EMAGRECIMENTO  Metabólitos aparecem novamente. </li></ul>
  52. 62. EQUIPOISE
  53. 63. EQUIPOISE (Boldenona) <ul><li>Popular EAA para Cavalos (Equinos) </li></ul><ul><li>Derivado TESTOSTERONA c/  Anabólico e razoável Androgênico </li></ul><ul><li> Apetite, Células vermelhas e disposição; </li></ul><ul><li>Estrutura permite Aromatizar (metade da TESTOSTERONA); </li></ul><ul><li>Moderada hepatotoxidade </li></ul><ul><li>Retenção hídrica maior que DECA-DURABOLIN; </li></ul><ul><li>Volume de Injeção desconfortável  formação de abscesso  remoção cirúrgica (alternância do local de aplicação); </li></ul>
  54. 64. EQUIPOISE (Boldenona) <ul><li>Efeito similar à Deca e Dianabol </li></ul><ul><li>Usado muito fora da temporada </li></ul><ul><li> primobolan e ésteres de testosterona </li></ul><ul><li>* ½ vida ~ 15 dias </li></ul>
  55. 66. DIANABOL
  56. 67. DIANABOL (Metandrostenolona) <ul><li>EAA oral da CIBA, derivado da Testosterona com forte capacidade ANABÓLICA e moderada ação ANDROGÊNICA; </li></ul><ul><li>Produzido em 1960  Largamente difundido no meio do Culturismo  possivelmente pelo fácil uso e extrema eficácia; </li></ul><ul><li>Similar a TESTO e ao HEMOGENIN  exibe  efeitos colaterais; </li></ul><ul><li>DIANABOL é ESTROGÊNICO  GINECOMASTIA freqüente; </li></ul>
  57. 68. DIANABOL <ul><li>Devido ao ESTRÓGENO  DIANABOL  Grande retenção HÍDRICA e Acúmulo de GORDURAS; </li></ul><ul><li>Arimidex ® (Anti-Aromatase)  Necessário </li></ul><ul><li>Pronunciados efeitos ANDROGÊNICOS  acne e crescimento de pêlo facial ; AGRESSIVIDADE; </li></ul><ul><li>Como é MODERADAMENTE ANDROGÊNICO   VIRILIZAÇÃO em Mulheres; </li></ul><ul><li>Tão efetivo quanto a TESTO e o HEMOGENIN; </li></ul>
  58. 69. DIANABOL <ul><li>20 – 25mg / dia (4-5 comp.)   enormes MM; </li></ul><ul><li>ORAL (17-  -Alkelado)  ESTRESSE no FÍGADO (CÂNCER); </li></ul><ul><li>CICLOS  Nunca passar de 8 semanas; </li></ul><ul><li>Jândice (obstrução duto biliar)  1 ° Sintoma  Causa Amarelamento da pele. </li></ul><ul><li>Estrutura similar ao EQUIPOISE  Exceto pelo 17-  -Alkelado. </li></ul><ul><li>½ vida ~ 5 hs </li></ul>
  59. 71. PRIMOBOLAN
  60. 72. PRIMOBOLAN (Enantato ou acetato de metenolona) <ul><li>Após administração  [ ]  2 semanas; </li></ul><ul><li> Efeito Androgênico   Anabólico; </li></ul><ul><li>Potência Anabólica < DECA DURABOLIN, mas não AROMATIZA  Não promove RETENÇÃO HÍDRICA e  de Gordura; </li></ul><ul><li>EAA mais seguro no mercado (Schering); </li></ul><ul><li>Usado em ciclos de DEFINIÇÃO e PRÉ-COMPETIÇÃO </li></ul><ul><li>Muito usado com: ésteres de Testo e Dianabol </li></ul><ul><li>½ vida ~ 10 dias </li></ul>
  61. 73. Metenolona Metandrostenolona
  62. 74. WINSTROL
  63. 75. WINSTROL (Estanozolol) <ul><li>Derivado do DHT  Exibe  atividade androgênica e  ANABÓLICA. </li></ul><ul><li>Versão ORAL  17-  -Alkelado (Fígado); </li></ul><ul><li>Estrutura  Incapaz de AROMATIZAR  s/ ESTRÓGENO  Não causa GINECOMASTIA e sem tendência para RETENÇÃO HÍDRICA; </li></ul><ul><li>Utilizado em Ciclos de DEFINIÇÃO; </li></ul>
  64. 76. WINSTROL (Estanozolol) <ul><li>Indicado nas terapias: </li></ul><ul><li>Anemias, asma, artrite reumatóide, anorexia, fraturas de consolidação lenta, osteoporose, queimaduras, períodos pré e pós-operatórios. </li></ul>
  65. 77. WINSTROL <ul><li>Preparado de 2 formas distintas : </li></ul><ul><li> ORAL (tabletes 2mg)  17-  -Alkelado (estresse Fígado) </li></ul><ul><li> injetável (IM)  Permite usar > doses do EAA </li></ul><ul><li>Dosagem Oral  15 – 25mg / dia (Homens); </li></ul><ul><li>Dosagem IM  25 – 50mg / dia (Homens); </li></ul><ul><li>Dosagem IM  5 – 10mg / dia (Mulheres); </li></ul><ul><li>Dosagem Oral  até 10 mg / dia (Mulheres) </li></ul>
  66. 78. WINSTROL <ul><li>Grandes Trocas na Relação HDL/LDL; </li></ul><ul><li> [SHBG]   Potência para Outros EAA; </li></ul><ul><li>Muito usado com: </li></ul><ul><li>Primobolan e Parabolan  definição muscular </li></ul><ul><li>Deca ou Durateston  massa muscular e força </li></ul><ul><li>Muito utilizado pelas mulheres </li></ul><ul><li>½ vida: </li></ul><ul><li>Oral: 9 hs </li></ul><ul><li>Injetável: 1 dia </li></ul>
  67. 80. ANAVAR (OXANDROLONA) Lipidex <ul><li>EAA ORAL  Baixa retenção hídrica </li></ul><ul><li>Androgenicidade baixa e  anabólico (derivado da DHT) </li></ul><ul><li> efeitos colaterais  popular entre mulheres </li></ul><ul><li> CP intramuscular </li></ul><ul><li>Não aromatiza em baixas doses  </li></ul><ul><li>ginecomastia e retenção hídrica </li></ul><ul><li>- EAA já reduzido </li></ul><ul><li>*NÃO É TIDO COMO EAA DE  MASSA MUSCULAR </li></ul><ul><li> Muito usado em associação com outros EAA </li></ul>
  68. 81. ANAVAR (OXANDROLONA) <ul><li>Muito usado em ciclos de definição </li></ul><ul><li>Dosagem padrão  15 – 25 mg / dia (5-10 comp.) produz resultados NOTÁVEIS; </li></ul><ul><li>Combinado com PRIMOBOLAN ® ou WINSTROL®   Definição Muscular sem retenção HÍDRICA. </li></ul><ul><li>½ vida ~ 9 hs </li></ul>
  69. 82. ANAVAR (OXANDROLONA) <ul><li>Não é Extensivamente METABOLIZADO no FÍGADO como outros 17-  -Alkelado  Quase 1/3 de seu composto está intacto na URINA  HEPATOTOXIDADE leve quando comparada aos outros ORAIS. </li></ul><ul><li>Lesão HEPÁTICA c/ OXANDROLONA  Raridade ESTATÍSTICA. </li></ul><ul><li>Produz uma redistribuição do perfil de LDL e HDL, para um lado não favorável   RISCO CARDÍACO, sendo este risco maior que em EAA Injetáveis </li></ul>
  70. 84. DURATESTON ( Decanoato, Fenilpropionato, Propionato e Isocaproato de Testosterona) <ul><li>EAA injetável (TESTOSTERONA) usado em terapias de reposição hormonal: </li></ul><ul><li> Distúrbios hipogonadais </li></ul><ul><li>Mistura  velocidade de ação e ½ vida </li></ul><ul><li>Prestígio por  muito a força </li></ul><ul><li> AROMATIZÁVEL  GINECOMASTIA </li></ul><ul><li> Arimidex ou Nolvadex </li></ul><ul><li> RETENÇÃO HÍDRICA </li></ul>
  71. 85. DURATESTON ( Decanoato, Fenilpropionato, Propionato e Isocaproato de Testosterona) <ul><li>TESTOSTERONA :  RISCO P/ CÂNCER DE PRÓSTATA </li></ul><ul><li>½ vida ~ 4 a 15 dias </li></ul>
  72. 87. MASSA MUSCULAR (VOLUME)
  73. 88. MASSA MUSCULAR (VOLUME) 100 * 250/100 8 200 * 250/100 7 300 * 250/200 6 400 2 x 10 250/200 5 400 2 x 20 250/300 4 300 2 x 30 250/300 3 200 2 x 30 250/200 2 100 2 x 20 250/200 1 DECA mg/semana DIANABOL mg/dia DURATESTON/ EQUIPOISE mg/semana SEMANA
  74. 89. VOLUME (NOVATOS) 250 58 250 50 250 44 250 37 250 30 250 22 250 12 250 1 DURATESTON (mg/injeção) DIA
  75. 90. MASSA MUSCULAR
  76. 91. MASSA MUSCULAR 300 30 100 * * 8 300 50 200 * * 7 200 50 300 * * 6 100 50 400 * * 5 * * 400 250 50 4 * * 300 500 50 3 * * 100 500 50 2 * * 100 750 50 1 PRIMOBOLAN mg/semana DIANABOL mg/dia DECA mg/sem DURATESTON mg/semana HEMOGENIN mg/dia SEMANA
  77. 92.  % Gordura e  Massa magra
  78. 93.  % Gordura
  79. 99. Efeitos colaterais dos EAA <ul><li>Efeitos reversíveis e irreversíveis </li></ul><ul><li> LDL e  HDL-colesterol </li></ul><ul><li> P.A. </li></ul><ul><li>supressão do eixo hipotálamo-hipófise-gônadas </li></ul><ul><li>atrofia testicular </li></ul><ul><li> acne e da propensão à calvície </li></ul><ul><li>engrossamento da voz </li></ul><ul><li>irritabilidade, agressividade </li></ul><ul><li>tumores hepáticos; peliose hepática </li></ul><ul><li>hipertrofia/tumor de próstata </li></ul><ul><li> colágeno em tecidos de sustentação (tendões) </li></ul><ul><li>ginecomastia </li></ul><ul><li> retenção hídrica;  % gordura (aromatizáveis) </li></ul><ul><li>aceleração do fechamento das epífises ósseas </li></ul>
  80. 100. Efeitos colaterais dos EAA <ul><li>Na mulher: </li></ul><ul><li>hipertrofia do clitóris </li></ul><ul><li>crescimento de pêlos na face </li></ul><ul><li>engrossamento da voz </li></ul><ul><li>* dependência psíquica </li></ul><ul><li>Drogas associadas p/ combater efeitos colaterais </li></ul><ul><li>Nolvadex (antagonista estrogênico) </li></ul><ul><li> Arimidex (anti-aromatase) </li></ul>
  81. 101. RECURSOS ERGOGÊNICOS <ul><li>CLEMBUTEROL </li></ul><ul><li>agonista Beta-2  broncodilatador </li></ul><ul><li>* carbuterol, fenoterol, mabuterol, procaterol, terbutolina </li></ul><ul><li>  massa magra e  gordura corporal </li></ul><ul><li> Hipertrofia músculos esquelético e cardíaco </li></ul><ul><li>  inibidores intramusc. de proteases </li></ul><ul><li> > hipertrofia em fibras tipo II </li></ul><ul><li>* efeitos agudos parecem mais contundentes </li></ul><ul><li> ação lipolítica direta sobre as reservas subcutâneas </li></ul><ul><li>* Efeito hipertrófico e lipolítico independente de outros hormônios </li></ul><ul><li>- Reações adversas: </li></ul><ul><li> distúrbios do sono, irritabilidade, dores de cabeça, taquicardia, hipertensão... </li></ul>
  82. 102. AGONISTA BETA
  83. 103. Suplementação andrógena <ul><li>DHEA </li></ul><ul><li>Androstenendiona </li></ul>
  84. 104. Mecanismo de ação anabólico ou anti-catabólico??? <ul><li>Competição com receptor glicocorticóide </li></ul><ul><li>Efeitos anabólicos e curva dose-resposta </li></ul><ul><li>Efeitos músculo-específicos </li></ul>
  85. 105. MUITO OBRIGADO !!!

×