Causas da obesidade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Causas da obesidade

on

  • 6,112 views

 

Statistics

Views

Total Views
6,112
Views on SlideShare
6,110
Embed Views
2

Actions

Likes
0
Downloads
147
Comments
0

1 Embed 2

http://www.slideshare.net 2

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Causas da obesidade Causas da obesidade Presentation Transcript

  • Causas da Obesidade Elisabeth Meyer
  • Predisposição genética ( Halpern A.)
    • Pai + Mãe obesos = 80 %
    • Pai ou Mãe obeso = 50 %
    • Ambos peso adequado = 15 %
    • Univitelinos separados
    • Bivitelinos na mesma casa
    • Filhos adotivos
  • Gêmeos monozigóticos
    • Coorte - Finlândia, 1990
    • N= 1453
    • Nascidos entre 1932 e 1957
    • 50 pares discordantes - ≠ 4 / 16 kg
    • 23 pares – 3% IMC  27
  • Índios Pima
    • México: n = 600
    • 208 = IMC ± 25,9 mulheres
    • ± 23,6 homens (18,5 – 24,9)
    • Arizona: 75% obesidade
    • diabetes tipo II
  • Fatores raciais (McArdle W., Katch F., Katch V.)
    • Mulheres:
      • negras ( quase a metade)
      • brancas ( cerca de 1/3)
    • Estudo: mulheres obesas M = 110 kg
    • metabolismo em repouso
    • - 100 kcal/ dia
    • 0,453 g de gordura corporal / mês
  • Meio ambiente, hábitos, comportamentos e crenças
      • Como, quanto e o quê
      • Dietas ricas em gorduras
      • Dietas de lancherias
      • Dietas da moda
  • Inatividade Física
      • Sedentarismo
      • Incapacidade obrigatória
      • Idade avançada
  • Aumento da Prevalência
    • 3 situações isoladas ou combinadas
    • consumo calórico em relação às gerações passadas; = gasto habitual de energia
    • = ingestão calórica; gasto energético diário
    • ingestão calórica; maior gasto energético diário
  • Estudos prospectivos
    • Relação significativa e inversa entre atividade física e ganho de peso
    • Atividade física é melhor preditor para ganho de peso do que as estimativas de ingestão calórica ou gorduras
  • Relação consumo calórico e atividade física
    • EUA – nos últimos 15 anos  300 kcal
    • redução da energia diária per capita entre dois levantamentos do IBGE (1988 e 1996) = 1.919,0kcal para 1.711,2kcal nas regiões metropolitanas brasileiras Monteiro et al.
  • Metabolismo
    • lento/ rápido
    • dieta restritiva = peso
    • “ efeito rebatida” peso
  • Exemplos
    • Síndromes hipotalâmicas
    • Síndrome de Cushing
    • Hipotireoidismo
    • Ovários Policísticos
    • Pseudo-hipoparatireoidismo
    • Hipogonadismo
    • Déficit de hormônio de crescimento
    • Aumento de insulina e tumores pancreáticos produtores de insulina
  • Secundária à medicações
    • Psicotrópicos;
    • Corticóides;
    • Antidepressivos tricíclicos;
    • Lítio;
    • Fenotiazinas;
    • Ciproheptadina;
    • Medroxiprogesterona.
  • Desencadeadores da obesidade Frustrações Álcool Divórcio Dietas Reuniões Raiva Cirurgia Publicidade Tristeza Doenças Viagens Tédio Medicamentos Festas Estresse Menopausa Trabalho Morte Gravidez Econômica Nascimento Menarca sociais psicológicos físicos
  • Halpern, 1994 100 941 total 8,4 79 Outros 2,0 19 Cirurgia 4,1 39 Drogas 8,1 77 Parar exercício 2,9 27 Parar de fumar 2,9 28 Menopausa 13,4 126 Gravidez 9,4 89 Casamento 10,3 96 Puberdade 38,5 361 Nascimento % n Época do início
  • Correlação entre sobrepeso e a obesidade ou entre o peso corporal e o ganho de gordura corporal ao longo do tempo (Bouchard C., 2000)
  • Idade
    • obesidade infantil é fator de risco;
    • conteúdo da gordura corporal  na vida adulta;
    • taxas máx. de sobrepeso e obesidade são atingidas entre 55 e 65 anos.
  • Sexo
    • Mulheres apresentam + gordura corporal;
    • As ≠ sexuais na prevalência da obesidade variam entre populações ou entre grupos étnicos.
  • Condição socioeconômica
    • + obesos nas classes de CSE alta dos países pobres;
    • + obesos nas classes de CSE baixa dos países ricos.
  • Ingestão de energia
    • A superalimentação provoca  de peso e leva a obesidade.
  • Ingestão de gordura
    • A gordura está relacionada com a prevalência de sobrepeso em estudos ecológicos;
    • Dieta rica em gorduras causa  de peso;
    • Dieta pobre em gordura ↓ o ganho de peso
  • Taxa metabólica basal
    • Baixa massa corporal e TMB ajustada à composição, são fatores de risco para o  de peso, mas foram encontrados dados contraditórios;
    • Pessoas com sobrepeso e obesas têm TMB absoluta + alta.
  • Resposta térmica aos alimentos
    • Obesos apresentam uma resposta deprimida em alguns estudos, mas os resultados contraditórios são abundantes.
  • Nível de atividade física
    • Baixo nível de AF é fator de risco para o  de peso;
    • Nível de sedentarismo é mais alto em pessoas obesas;
    • A AF regular altera a composição corporal;
    • Níveis altos de AF  a atividade do SNS e da TMB;
    • A AF regular contribui para a ↓ e manutenção do peso.
  • Taxa de oxidação lipídica
    • A gordura corporal ↓ o QR;
    • QR alto é fator de risco para o  de peso, mas há resultados contraditórios;
    • Ex-obesos tem QR mais alto do que aqueles que nunca foram obesos.
  • Nível sangüíneo de leptina
    • Níveis baixos de leptina são francamente relacionados ao  de peso, mas há resultados contraditórios;
    • A maioria dos obesos têm níveis de leptina altos.
  • Atividade do SNS
    • Atividade baixa do SNS pode ser fator de risco para  de peso;
    • Atividade do SNS  com a superalimentação e do ganho de peso.
  • Nível de hormônio do crescimento
    • HC baixo é fator de risco para  de peso;
    • Maioria dos obesos tem nível de HC baixo.
  • Sensibilidade à insulina
    • Obesos são geralmente resistentes à insulina e hiperinsulinêmicos;
    • A resistência à insulina protege contra o de peso, mas há resultados contraditórios.
  • Eixo Hipotalâmico-pituitário-adrenal e níveis de cortisol
    • Obesos têm geralmente um eixo HPA hiper-responsivo e hiperativo;
    • Obesos têm taxas de produção de cortisol elevadas, mas também têm degradação acelerada.
  • Níveis de esteróides sexuais
    • Homens obesos têm, freqüentemente, baixos níveis de androgênios;
    • Mulheres obesas têm, freqüentemente, altos níveis de androgênios com posterior do estímulo do hormônio adrenocorticotrópico.
  • Metabolismo do tecido adiposo
    • A lipólise induzida pelas catecolaminas está reduzida na obesidade;
    • A lipogênese a partir da glicose está  nas células gordurosas de pessoas obesas;
    • O tecido adiposo com lipase lipoprotéica está  na obesidade;
    • A atividade elevada de LLP adiposa permanece alta em obesos com peso reduzido;
    • A LLP do tecido adiposo alta é fator de risco para o  de peso.
  • Metabolismo do músculo esquelético
    • A proporção de fibras do tipo I do ME não é afetada pela obesidade;
    • A proporção de fibras do tipo IIb do ME está freqüentemente  na obesidade;
    • Os marcadores de enzimas oxidativas do ME são inversamente relacionados à obesidade;
    • A atividade da lipase lipoprotéica do ME é baixa na obesidade.
  • Participação de energia e de nutrientes
    • Sob condições de balanço energético +, algumas pessoas canalizam mais carbonos originados dos alimentos para as proteínas;
    • Taxas altas de acréscimo de lipídeos podem ser um risco para o  de peso posterior.
  • Fumo
    • O hábito de fumar está associado a um menor ganho de peso;
    • A interrupção do hábito  o peso corporal na maioria das pessoas.
  • EPIDEMIOLOGIA DA OBESIDADE Fonte: International Obesity Task Force
  • Prevalência
    • Varia com a idade, sexo, raça e classe socioeconômica;
    • EUA, Canadá, Europa Ocidental: 50% adultos IMC  25;
  • Prevalência mundial estimada de obesidade
  • 3.616 Mundial 5 - 10 300 Oriente Médio Islâmico 5 – 10 280 América Latina e Caribe 0,5 – 1,0 276 África subsaariana 1 – 3 430 Ásia e ilhas 0,5 – 1,0 825 China 0,5 – 1,0 535 Índia 20 – 25 330 Socialismo 15 – 20 640 Capitalismo % OBESIDADE + DE 15 ANOS/ EM MILHÕES REGIÃO
  • Sobrepeso/ obesidade na população brasileira Cad. Saúde Pública v.20 n.3 Rio de Janeiro maio/ jun. 2004
  • Peso ao longo do tempo
    • Estudo com recrutas do serviço militar EUA;
    • em 1863 = 66,8 kg
    • H = 170 cm
    • em 1963 = 76,3 kg
  •  
  •  
  • Prevalência crianças e adolescentes IMC no nível 95 percentil ou + 11 11 1988-1991 6 8 1976-1980 6 5 1971-1974 5 5 1963-1970 12 – 17 anos 6 – 11 anos período
  • Mortalidade
    • “ A MORTE SÚBITA É MAIS COMUM NAQUELES INDIVÍDUOS QUE SÃO NATURALMENTE GORDOS DO QUE NOS MAGROS
    • ” Hipócrates
  • Mortalidade
    • Depois do tabagismo é a segunda causa evitável de morte na América
    • Seguros de vida
    • Longitudinal, 35 anos
    • IMC > 31
    • Período de vida inferior quando comparados à faixa normal do IMC
    Exército Dinamarquês
  • Sjostrom, 1992
    • Análise de 40 estudos – efeito do sobrepeso na mortalidade
    • + 10.000 participantes
    • + 15 anos
    • Provaram relação entre IMC e mortalidade
  • Harvard
    • 19.292 ex-alunos, homens
    • Longitudinal, 27 anos
    • Idade média 46,6 anos
    • IMC > 26,  1,67 x mortalidade vs IMC < 22,5
    • < tx mortalidade entre homens pesando 20% abaixo normal, controlando idade
  • Em 1980
    • Estudos confirmam a relação entre distribuição de gordura corporal e risco de mortalidade excessiva.
  • Gotemburgo, 1984
    • Avaliação obesidade central
    • RCQ homens e mulheres
    • Grau + alto de obesidade andróide  tx mortalidade + elevada que gordura central mais baixa
    • Mulheres dentro do tercil + alto de obesidade central  tx mortalidade igual homens de tercil + baixo de obesidade central
  • Idade
    • Ganho peso após 18-20 anos prediz mortalidade
    •  gradual da mortalidade por doenças cardíacas associadas ao  peso
    •  + 10 kg é linha divisória do  risco
  • Sedentarismo
    • Possui só  taxas de mortalidade quando relacionado ao  gordura e suas comorbidades
  • Perda de peso intencional
    • Sociedade americana de câncer
    • Mulheres, 40-64 anos
    • Perda intencional de peso
    • ↓ 20 a 25% mortalidade
    • ↓ PA
    • Melhora níveis lipídios anormais
    • ↓ risco DM
    • Cirurgia gástrica (tratados e não tratados)
  • Estudo Sueco da obesidade
    • Grau de perda de peso necessário p/ ↓ fator de risco:
      • PA e TGL ↓ 5 a 10%
      • HDL- colesterol ↓ + 20%
      • Outras morbidades ↓ 10% melhora significativa
  • Longevidade ( Menezes O.)
    • 60 anos = 90 % magras
            • = 60 % obesos
    • 70 anos = 50 % magras
    • = 30 % obesos
    • 80 anos = 30 % magros
    • = 10 % obesos
  • Condições associadas à obesidade obesidade Doença cardíaca Hiperlipidemia Diabetes tipo II AVC Osteoartrite Hipertensão Alguns tipos de câncer Distúrbios alimentares Distúrbios do sono Distúrbios menstruais Intolerância à glicose Distúrbios do humor
  • Sjostrom et al , 1997
    • Taxa de incidência em 2 anos
    • Grupo controle, não tratado
    • Pacientes com IMC = 38
      • 15% HAS
      • 7,8% DM
      • 5,8% hiperinsulinemia
      • 27,8% hipertrigliceridemia
      • 15,9% HDL aumentado
  • Problemas de saúde associados à obesidade, em países desenvolvidos Anomalia fetal por obesidade materna Apnéia do sono  Risco anestésico Respiração ofegante Dor lombar Resistência à insulina Fertilidade prejudicada Dislipidemia Ovário policístico Hiperuricemia e gota HAS Anormalidade hormônios reprodutivos Osteoartrite (joelhos) Doença vesícula biliar Câncer Doença cardíaca DM levemente  Moderadamente  Fortemente aumentado
  • Perfil do obeso classe III do ambulatório de obesidade de um hospital universitário de Salvador, Bahia
    • Retrospectivo, durante oito anos, ambulatório
    • 316 obesos classe III (91% mulheres), consecutivamente
    • Idade ( M ± DP) = 37 ± 10 anos
    • IMC 47± 6 kg/ m 2 .
    • 50% = obesidade desde a infância ou puberdade
    • 82% = história familiar de obesidade
    • Hipertensão arterial = 66%
    • Diabetes mellitus = 13,9%
    • Intolerância à glicose = 16,8%
    •  níveis de colesterol total = 33,5%
    •  triglicérides 8%
    • HDL-colesterol baixo (<40mg/dl) em 39,9%
    • LDL-colesterol elevado ( 100mg/dl) em 66,7%.
  • Estudo (cont.)
    • Tratamento com dieta hipocalórica e da atividade física
    • Aderência = 225 pacientes
    • Duração = 20 ±17 meses (M; ± DP)
    • ↓ peso  5 = 60 (26,6%)
    • ↓ peso 10% em relação ao PI = 28 (12,4%)
      • Concluindo, a obesidade classe III é uma doença de difícil tratamento e elevada freqüência de fatores de risco cardiovascular mesmo em pacientes jovens .
    • (Arq Bras Endocrinol Metab 2002;46/6:668-673)
  • Ambulatório de obesidade, Salvador Arq Bras Endocrinol Metab, 2002
  • Fisiopatologia do excesso de gordura
    • Alterações metabólicas
      • DM
      • Doença vesícula biliar
      • HAS
      • Doenças CV
      • Algumas formas de câncer
    • Aumento massa gorda
      • Osteoartrite
      • Apnéia do sono
      • Estigmatização
  • Diabete tipo II
    • IMC = 35, RR  40 x (4.000%)
    • IMC > 35, RR  60,9 (6.000%)
    • 80% casos devido  peso
    • Sobrepeso 2/3 mortes
            •  20 kg,  risco em 15x
      • Ex.: homem com 18 anos
            • ↓ 20 kg, risco quase zero
  • DM II – tempo sobrepeso
    • Estudos longitudinais
    • Relação tempo X alteração glicose plasmática
        • < 10 anos = não  glicose
        • Até 45 anos =  linear
  • DM II – estudo Sueco obesidade
    • 13 a 16% com DM
    • Casos:
    • Controles:
      • mesmo peso = 16% cura
      • 7,8% de novos casos
    CIRURGIA GÁSTRICA REDUÇÃO DE PESO 69% DE CURA = +
  • Doença vesícula biliar
    • IMC < 24 = incidência cálculos, tx 250/100.000 pessoas/ ano
    • IMC = 30 =  gradual
    • IMC > 30 =  pronunciado
  • Ossos, articulações, músculos, tecido conectivo e pele
    • Osteoartrite em tornozelos e joelhos
      • > mulheres que homens
    • Estrias de pele
  • Hipertensão
    • Estudo Sueco: linha de base 51% casos
    • Após controle de peso foram eliminados
          • 48% hipertensos brancos
          • 28% hipertensos negros
  • Ambulatório de obesidade da UNIFESP Rev. Assoc. Med. Bras. 2003
  • Doença cardíaca
    • IMC > 29
      • risco 3,3 vezes maior, quando comparado com IMC < 21
    • IMC entre 25 e 29
      • risco 1,8 vezes maior
  • Sistema respiratório
    • Somente importante se  peso atingiu de forma significativa a função pulmonar
    • Apnéia do sono =  circunferência do pescoço e depósito gordura na área faringe
  • Anormalidades hormonais comuns associadas à obesidade
    •  produção cortisol
    • Resistência à insulina
    • Redução globulina ligada ao hormônio sexual em mulheres
    • Redução níveis de progesterona mulheres
    • Redução níveis testosterona homens
    • Redução produção hormônio crescimento
  • Aspectos psicossocias 0,38 33,6 32,4 AUTO-ESTIMA 0,21 21% 9% SUPERIOR COMPLETO < 0.009 13,1 a 12,1 a EDUCAÇÃO (ANOS) < 0.001 $ 30.586 $ 18.372 RENDA (US $) < 0.001 56% 28% CASADO P S/ SOBREPESO (n= 4.943) SOBREPESO (n= 195) VARIÁVEL
  • Obesidade em Idosos: Prevalência, Distribuição e Associação Com Hábitos e Co-Morbidades
    • Identificar a prevalência de obesidade global e central através do IMC e RCQ
    • Associações como DM, HAS, hipercolesterolemia, baixos níveis de HDL-c, hipertrigliceridemia, nível social, AF e tabagismo
    • Estudo transversal
    • 847 idosos ambulatoriais com 60 anos ou +
    • IMC > 30: 9,3% dos homens e 23,8% das mulheres (p< 0,001)
    • 80 anos ou +, ambos os sexos p< 0,05
    • Homens obesos X IMC< 30:  DM, HDL-c ↓ hipertrigliceridemia
    • Mulheres obesas:  apenas HA
    • RCQ percentil 75/ RCQ > 1,01 para homens:  HA, DM, HDL-c baixo e hipertrigliceridemia
    • RCQ percentil 75/ RCQ > 0,96 para mulheres:  HA e DM
  • Estudo (cont.)
    • Diferenças em relação ao sexo
    • Homens: < prevalência de obesidade e > associações entre IMC ou RCQ com os fatores de riscos relacionados à gordura corpórea
    • Este estudo contribui para a ampliação do referencial antropométrico dos idosos, além de identificar as correlações entre indicadores antropométricos e alterações metabólicas associadas à obesidade.
    • Arq Bras Endocrinol Metab 2001;45/5:494-501
  • Engordar X aumento de peso
    • Terça
    • Sentindo sem barriga
    • Leve
    • Bonita
    • Calça entrou bem e fechou normal
    • Quinta
    • Sentindo + volume na barriga
    • Pesada
    • Gorda e feia
    • Queria me esconder
    • Colocar roupa frouxa
    • Calça fechou, mas não tão bem