Aula

4,079 views

Published on

de química 02

Aula

  1. 1. FACULDADE METAUNIÃO EDUCACIONAL META LTDA.Curso de Graduação em Biomedicina.QUÍMICA GERAL Prof.ª Valquíria Rigotti Farmacêutica Bioquímica
  2. 2. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaTEORIA ATÔMICA No início do século XIX, algumas perguntas sobre o comportamento damatéria ainda não encontravam respostas. Por exemplo: Por que um composto sedecompõe em substâncias mais simples (elementos) e os elementos não sofremdecomposição produzindo novas espécies de matéria? Por que numa transformaçãoquímica, em ambiente fechado, não ocorre variação de massa? Por que um compostoapresenta sempre a mesma composição independente de sua origem?
  3. 3. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaTEORIA ATÔMICA Ao longo dos séculos XIX e XX, grandes cientistas “desenharam” modelosdo átomo. Nenhum deles viu o átomo. Os modelos explicavam alguns resultadosexperimentais e possibilitavam a realização de previsões. A medida que algum detalhenovo era descoberto, “desenhava-se” um novo modelo, com mais detalhes, maiscomplexo.
  4. 4. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaTEORIA ATÔMICA O que são modelos em ciência? A mesma arvore pode possuir diversos modelos diferentes, cada um comsuas características e limitações que atendem a um determinado propósito.Um pode ser mais detalhista, observado a arvore durante dias, faca anotações e facaoutro desenho (modelo), com mais detalhes, que corrija erros dos desenhosanteriores.
  5. 5. Química Geral Curso de Graduação em Biomedicina Os cientistas daquela época tinham em mãos dados experimentaisobservados em nível macroscópico, isto é, era conhecido o comportamento deatmosferas suficientemente grandes, que se pudessem ver, tocar, manipular, pesar, ouseja, observar certas propriedades através de experiências (ponto de fusão, ponto deebulição, densidade etc).
  6. 6. Química GeralCurso de Graduação em Biomedicina
  7. 7. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaESTRUTURA ATÔMICA Grécia Antiga já admitiam que toda e qualquer matéria seria formada porminúsculas partículas indivisíveis, que foram denominadas átomos (a palavra átomo,em grego, significa indivisível). Somente em 1803 que o cientista inglês John Dalton,com base em inúmeras experiências, conseguiu provar cientificamente a idéia deátomo. Surgia então a teoria atômica clássica da matéria. Segundo essa teoria,quando olhamos, por exemplo, para um grãozinho de ferro, devemos imaginá-locomo sendo formado por um aglomerado de um número enorme de átomos
  8. 8. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaTEORIA ATÔMICA DE DALTON Surgiu no ano de 1808, “Teoria Atômica de Dalton”, proposta por John Dalton, queenunciava:“Qualquer espécie de matéria é formada de átomos. Os átomos são minúsculas partículas,que não podem ser subdivididas nem transformadas em outros átomos.Todos os átomos de um mesmo elemento são iguais em massa, tamanho e em todas as suaspropriedades, ou seja, possuem as mesmas identidade química. Exemplo; o elemento ferro éconstituído por átomos de ferro que possuem a mesmamassa, o mesmo tamanho e as mesmas propriedades.
  9. 9. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaTEORIA ATÔMICA DE DALTON Átomos de elementos diferentes possuem propriedades químicas e físicas diferentes. Porexemplo; a identidade química de um átomo de ferro é completamente diferente da de umátomo de magnésio. Estes tem massas e tamanhos diferentes. Um composto é constituído pela combinação de átomos de dois ou mais elementos que seunem entre si em várias proporções simples. Nessas combinações cada átomo guarda suaidentidade química.”
  10. 10. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaTEORIA ATÔMICA DE DALTONREPRESENTANDO OS DIFERENTES ELEMENTOS Na época de Dalton eram conhecidos cerca de cinqüenta elementos diferentes; Para cadaelemento conhecido foi criada uma representação gráfica abreviada, denominada símbolo.Modernamente, cada símbolo é formado por letras retiradas do nome do elemento. A primeiraletra é maiúscula e a segunda, quando houver, é sempre minúscula. Ambas tem que ser em letrade fôrma. Por exemplo: Elemento Símbolo Sódio Na Chumbo Pb Carbono C Lítio Li
  11. 11. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaTEORIA ATÔMICA DE DALTONHá símbolos que derivam do nome do elemento. Exemplo: Elemento Nome Símbolo Sódio Natrium Na Chumbo Plumbum Pb Obs: Cada atmosfera de um determinado elemento consiste de uma reunião de átomosiguais. O símbolo de um elemento pode também representar um átomo do elemento quando éconveniente.
  12. 12. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaTEORIA ATÔMICA DE DALTON Para poder explicar em nível microscópico que os elementos não podem serdecompostos produzindo novas espécies de matéria, basta imaginar que cada amostra de umdado elemento é constituída de unidades idênticas que se repetem em toda a sua extensão.Tais unidades, segundo a teoria de Dalton, São os átomos. Sendo a unidade de um elemento o átomo e, segundo Dalton, indivisível, é impossível apartir de um elemento obter uma nova espécie de matéria por decomposição. Segundo a teoriade Dalton, o átomo é indivisível.
  13. 13. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaTEORIA ATÔMICA DE DALTONREPRESENTANDO OS COMPOSTOS Em nível microscópico, segundo Dalton, a identidade química em cada porção docomposto é preservada pela repetição de unidades idênticas. Já que o fato de um composto ser constituído por mais de um elemento sugereque em cada unidade deva existir mais de um tipo de átomo. Representando o composto água. Átomos de hidrogênio e oxigênio combinam-seentre si, na proporção de um átomo de oxigênio para cada dois átomos de hidrogênio.Cada unidade que representa o composto água é composto de dois átomos dehidrogênio e um átomo de oxigênio e damos o nome a ela de molécula.
  14. 14. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaTEORIA ATÔMICA DE DALTONREPRESENTANDO OS COMPOSTOSAs unidades (moléculas) se repetem, assim a identidade química é mantida em cadaatmosfera retirada. Agora é possível explicar por que um composto se decompõe em seus elementosconstituintes. Em nível microscópico, as unidades moleculares iniciais são quebradas,formando os elementos, com um novo arranjo dos átomos.
  15. 15. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaTEORIA ATÔMICA DE DALTON Representando o composto de sulfeto de ferro. Experimentalmente se observa que eleé formado pela união dos elementos ferro e enxofre, na proporção de 1:1. Assim, é possívelusar os símbolos dos elementos ferro (Fe) e enxofre (S) na proporção de 1:1 pararepresentar o composto sulfeto de ferro, ou seja, FeS. Tal representação é denominadafórmula de um composto. Para o composto água, podemos representá-la usando a fórmula H2O. No caso daágua, como o de muitas outras substâncias, a fórmula pode representar uma molécula dareferida substância.
  16. 16. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE THOMSON Em 1903, o cientista inglês Joseph J. Thomson, baseado em experiências realizadascom gases e que mostraram que a matéria era formada por cargas elétricas positivas enegativas, modificou o modelo atômico de Dalton. Thonson, elaborando melhor as experiênciasfeitas com o tubo de raios catódicos, foi capaz de concluir, em 1887, que os raios catódicos são,na verdade, constituídos pelo fluxo de partículas menores que o átomo e dotadas de cargaelétrica negativa. Estava descoberta a partícula que chamamos de elétron. Segundo Thomson,o átomo seria uma esfera maciça e positiva com as cargas negativas distribuídas, ao acaso, naesfera. A quantidade de cargas positivas e negativas seriam iguais e dessa forma o átomo seriaeletricamente neutro.
  17. 17. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE THOMSON Thomson ficou conhecido como "pudim com passas". Nesta teoria sobre a estrutura atômica proposta por Joseph JohnThomson, descobridor do elétron e da relaçāo entre a carga e a massa do elétron,antes do descobrimento do próton ou do neutron. Neste modelo, o átomo é compostode elétrons embebidos numa sopa de carga positiva, Acreditava-se que os elétronsdistribuiam-se uniformemente no átomo. Em outras oportunidades, postulava-se queno lugar de uma sopa de carga positiva seria uma nuvem de carga positiva.
  18. 18. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE THOMSON Após essa descoberta, estava provado que um átomo não é indivisível comoimaginavam os filósofos gregos ou como queria o modelo de Dalton. Havia a necessidade de um novo modelo, e foi Thonson quem o propôs. O átomo,segundo ele, deveria ser formado por uma esfera de carga elétrica positiva, possuindo, em suasuperfície, elétrons incrustados. Assim, a carga elétrica total de um átomo seria nula, pois acarga negativa dos elétrons compensaria a carga positiva da esfera que os contém.
  19. 19. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaDESCOBERTA DO PRÓTON Outras modificações no tubo de raios catódicos, feitas pelo cientista alemão EugeneGoldstein, conduziram à descoberta de outra partícula subatômica, 1836 vezes mais pesadoque o elétron e dotada de carga elétrica igual à dele, só que com sinal positivo. Para essanova partícula, foi proposto o nome próton. Assim, ao final do século XIX, com a descoberta do próton e do elétron, já estavacomprovado que o átomo não era indivisível e que mesmo o modelo de Thomson eraincompleto, uma vez conta que não levava em a existência dos prótons. Um novo modelo sefazia necessário.
  20. 20. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE RUTHERFORD Em 1911, o cientista Ernest Rutherford, utilizando os fenômenos radiativos noestudo da estrutura atômica, descobriu que o átomo não seria uma esfera maciça, mas simformada por uma região central, chamada núcleo atômico, e uma região externa ao núcleo,chamada eletrosfera. No núcleo atômico estariam as partículas positivas, os prótons, e naeletrosfera as partículas negativas, os elétrons.
  21. 21. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE RUTHERFORD Para chegar a essas conclusões Rutherford e seus colaboradores bombardearamlâminas de ouro com partículas a (2 prótons e 2 nêutrons) utilizando a aparelhagemesquematizada . Rutherford observou que a grande maioria das partículas atravessavanormalmente a lâmina de ouro. Outras partículas sofriam pequenos desvios e outras, emnúmero muito pequeno, batiam na lâmina e voltavam. As cintilações que elas provo cavam noanteparo de sulfeto de zinco.
  22. 22. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE RUTHERFORD Comparando o número de partículas a lançadas com o número de partículas aque sofriam desvios, Rutherford calculou que o raio do átomo deveria ser 10.000 a 100.000vezes maior do que o raio do núcleo, ou seja, o átomo seria formado por espaços vazios.Esses espaços vazios a grande maioria das partículas a atravessava alâmina de ouro. Os desvios sofridos pelas partículas a eram devidos às repulsões elétricas entre onúcleo (positivo) e as partículas a, também positivas, que a ele se dirigiam. O modelo deRutherford (figura ao lado) ficou conhecido como "modelo planetário".
  23. 23. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE RUTHERFORDFatos A maioria dos raios passam direto pelas placas de metal;Algumas partículas sofrem desvio em uma das placas de ouro;Pouquíssimas partículas são rebatidas.
  24. 24. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE RUTHERFORDConclusão1º postulado: Os elétrons descrevem órbitas circulares estacionárias ao redor do núcleo, sememitirem nem absorverem energia;2º postulado: Fornecendo energia (elétrica, térmica, ....) a um átomo, um ou mais elétrons aabsorvem e saltam para níveis mais afastados do núcleo. Ao voltarem as suas órbitasoriginais, devolvem a energia recebida em forma de luz (fenômeno observado, tomando comoexemplo, uma barra de ferro aquecida ao rubro);O núcleo é positivamente carregado; A região vazia em torno do núcleo é denominadaeletrosfera que seria onde os elétrons estão localizados
  25. 25. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE RUTHERFORD Observando as cintilações na tela de ZnS, Rutherford verificou que muitaspartículas "alfa" atravessavam a lâmina de ouro, sem sofrerem desvio, e poucas partículas"alfa" sofriam desvio. Como as partículas "alfa" têm carga elétrica positiva, o desvio seriaprovocado por um choque com outra carga positiva, isto é, com o núcleo do átomo,constituído por prótons.
  26. 26. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE RUTHERFORD O átomo seria assim , um imenso vazio, no qual o núcleo ocuparia uma pequenaparte, enquanto que os elétrons o circundariam numa região negativa chamada de eletrosfera,modificando assim, o modelo atômico proposto por Thomson.
  27. 27. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE RUTHERFORD A experiência de Rutherford mostrou que no núcleo atômico além dopróton deveria existir uma outra partícula. Esta foi descoberta em 1932 pelo cientistainglês James Chadwick e recebeu o nome de nêutron. Prótons, elétrons e nêutrons são as principais partículas presentes numátomo. Elas são chamadas partículas elementares ou subatômicas e suas principaiscaracterísticas são: Partícula Massa (grama) Massa relativa Carga relativa + -24 Próton (p ) 1,7.10 1 +1 0 -24 Nêutron(n ) 1,7.10 1 0 - -28 Elétron (e ) 9,1.10 1/1840 -1
  28. 28. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE RUTHERFORD A massa de um átomo está praticamente concentrada numa regiãoextremamente pequena do átomo: o núcleo atômico. A quantidade atômica deprótons e elétrons presentes num átomo é a mesma, o que faz com que ele sejaeletricamente neutro.
  29. 29. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE BOHR Em 1913, o físico dinamarquês Niels Bohr, ao estudar emissão de certas substâncias, modificou o modelo de Rutherford. No inicio do século XX era fato conhecido que a luz branca (luz solar,) podia ser decomposta em diversas cores. Isso éconseguido fazendo com que a luz passe por um prisma. No caso da decomposição daluz solar obtém-se um espectro chamado espectro continuo. Este é formado por ondaseletromagnéticas visíveis e invisíveis (radiação ultravioleta e infravermelho).
  30. 30. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE BOHR Na parte visível desse espectro não ocorre distinção entre as diferentes cores, masuma gradual passagem de uma para outra. O arco-íris é um exemplo de espectro contínuo onde aluz solar é decomposta pelas gotas de água presentes na atmosfera. Como a cada onda eletromagnética está associada certa quantidade de energia, adecomposição da luz branca produz ondas eletromagnéticas com toda e qualquer quantidade deenergia.
  31. 31. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE BOHR Espectro contínuo possui energias distribuídas continuamente em umacerta faixa de valores, em oposição ao espectro discreto ou de riscas, que contémapenas energias de certos valores bem definidos. Ocorre, por exemplo, na emissão daradiação beta , nos raios-X de aparelhos médicos[ . Um metal aquecido, por exemplo,emite um espectro contínuo. O espectro contínuo vísivel possui todas as cores que o serhumano consegue ver.
  32. 32. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE BOHR Baseando-se nos estudos feitos em relação ao espectro do átomo dehidrogênio e na teoria proposta em 1900 por Planck (Teoria Quântica), segundo a qual aenergia não é emitida em forma contínua, mas em ”blocos”, denominados quanta deenergia. De acordo com Planck, quando uma partícula passa de uma situação de maiorpara outra de menor energia ou vice-versa, a energia é perdida ou recebida em"pacotes" que recebe o nome de quanta (quantum é o singular de quanta).
  33. 33. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE BOHR O quantum é o pacote fundamental de energia e é indivisível. Cada tipo deenergia tem o seu quantum. A Teoria Quântica permitiu a identificação dos elétrons deum determinado átomo, surgindo assim os "números quânticos". E=hff = freqüência da ondah = constante de Planck.E = enegia perdida ou recebidaHoje o "quanta" que antes foi tido como um pacote, é a partícula mediadora de forçachamada Fóton.
  34. 34. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE BOHR Bohr elaborou um novo modelo atômico cujos postulados são: na eletrosfera os elétrons não se encontram em qualquer posição. Eles giram aoredor do núcleo em órbitas fixas e com energia definida. As órbitas são chamadascamadas eletrônicas, representadas pelas letras K, L, M, N, O, P e Q a partir do núcleo,ou níveis de energia representados pelos números 1, 2, 3, 4...;
  35. 35. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE BOHR os elétrons ao se movimentarem numa camada eletrônica não absorvem nem emitemenergia;os elétrons de um átomo tendem a ocupar as camadas eletrônicas mais próximas donúcleo, isto é, as que apresentam menor quantidade de energia;um átomo está no estado fundamental quando seus elétrons ocupam as camadasmenos energéticas;
  36. 36. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE BOHRquando um átomo recebe energia (térmica ou elétrica), o elétron pode saltar para umacamada mais externa (mais energética). Nessas condições o átomo se torna instável.Dizemos que o átomo se encontra num estado excitado;
  37. 37. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE BOHR os elétrons de um átomo excitado tendem a voltar para as camadas de origem.Quando isso ocorre, ele devolve, sob a forma de onda eletromagnética, a energia que foirecebida na forma de calor ou eletricidade.
  38. 38. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO DE BOHR Esses postulados permitem explicar a existência dos espectros de emissãodescontínuos: como o elétron só pode ocupar determinadas órbitas, as transiçõeseletrônicas (ida e volta do elétron) ocorrem em número restrito, o que produz somentealguns tipos de radiação eletromagnética e não todas como no espectro contínuo. Modelo atômico de Bohr foi elaborado para o átomo de hidrogênio, mas aplica-se com boa aproximação a todos os outros átomos.
  39. 39. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO Ao pesquisar o átomo, Sommerfeld concluiu que os elétrons de um mesmonível, ocupam órbitas de trajetórias diferentes (circulares e elípticas) a que denominoude subníveis, que podem ser de quatro tipos: s , p , d , f .
  40. 40. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO Cada camada da eletrosfera é dividida em subníveis. Os subníveis sãodesignados por letras minúsculas: s (sharp = nítido), p (principal), d (diffuse = difuso), f(fundamental), g, h e i, sendo esses 3 últimos ausentes no diagrama convencional, poisapesar de existirem na teoria, não há átomo que possua tantos elétrons e que sejanecessário utilizar esses subníveis.
  41. 41. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaMODELO ATÔMICO O diagrama de Linus Pauling é um diagrama elaborado pelo químico, paraauxiliar na distribuição dos elétrons pelos subníveis da eletrosfera. A eletrosfera é aregião externa do átomo onde se localizam os elétrons. A eletrosfera é dividida em sete camadas que recebem letras do alfabeto (K, L,M, N, O, P e Q) de acordo com a distância que há entre ela e o núcleo. São escritas emletras maiúsculas.
  42. 42. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaContribuição de Broglie Em 1923, Louis Broglie mostrou, através de uma equação matemática, que"qualquer corpo em movimento estaria associado a um fenômeno ondulatório". Destamaneira o elétron apresenta a natureza de uma partícula-onda, obedecendo assim, àsleis dos fenômenos ondulatórios, como acontece com a luz e o som.
  43. 43. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaContribuição de Broglie- Teoria da Mecânica OndulatóriaEm 1926, Erwin Shröringer formulou uma teoria chamada de "Teoria da MecânicaOndulatória" que determinou o conceito de "orbital" .1927 - SchrödingerEquação de função de onda para o elétron. O modelo matemático probabilístico introduzos números quânticos para localização do elétron na eletrosfera, bem como sua energia.
  44. 44. Química Geral Curso de Graduação em Biomedicina Orbital é a região do espaço ao redor do núcleo onde existe a máximaprobabilidade de se encontrar o elétron.O orbital s possui forma esférica ................... os orbitais p possuem forma de halteres. ............
  45. 45. Química Geral Curso de Graduação em Biomedicina1932 - Chadwick - Descoberta do nêutron A principal contribuição de James Chadwick para o desenvolvimento da física ocorreu em 1932,data em que descobriu a partícula do núcleo atómico, que passou a ser conhecida por nêutron devido ao facto de não ter carga elétrica. Pela sua descoberta, divulgada à comunidade científica na obra "Possible Existence of Neutron", obteve em 1935 o Nobel de Física.
  46. 46. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaCONCEITOS- O que é um átomo ?O átomo é a menor parte da matéria. O átomo é constituído por duas partes, o núcleo e aeletrosfera. No núcleo encontramos:- Prótons: tem carga positiva- Nêutrons: Não tem carga, sua carga é neutra.- Elétrons: Elétrons tem carga negativa. Eles se encontram na eletrosfera. A eletrosfera pode serconstituída por 1 (um) ou 7 (sete) camadas de elétrons, cada camada recebe um nome ecomporta um número Maximo de elétrons. - K=2; L=8; M=18; N=32; O=32; P=18; Q=2
  47. 47. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaRepresentação de um átomo.- Número atômico: É a identidade do átomo. Ele corresponde ao número de prótons de umátomo (Z). Em um átomo livre o número de prótons corresponde ao número de elétrons. (P=É)- Massa: A massa de um átomo corresponde a soma do número de prótons com o número denêutrons. (A=P+N)- Representação: A= Número de massaZ= Número de atômicoP= Número de prótonsN= Número de nêutronsE= Número de elétrons
  48. 48. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaRepresentação de um átomo.Número atômico (Z)O número atômico é (Z) o número que indica a quantidade de prótons de cada elemento químico.Exemplo:Cálcio (Ca) → Z = 20 → (então) 20p e 20eCloro (Cf) → Z = 17 → (então) 17p e 17e Número de prótons = Z Número atômico = ZExemplo: Sódio = NaEm (Na) Z = 11, logo o número atômico é onze, ou seja, existem onze prótons no núcleo dapartícula de sódio. Prótons (Z) + Neutrons (N) = Massa (A)Na (Z = 11) Z = 11 A = 23 n = 12Em um átomo neutro o número de prótons é igual ao número de elétronsNa (Z = 11) p = 11 e = 11
  49. 49. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaRELAÇÕES ATÔMICASIsoátonos.São átomos que possuem o mesmo número de Prótons, Nêutrons, Elétrons e Massa, eles sãomais conhecidos como:- Isótopos: Possuem o mesmo número de prótons, ou seja, possuem o mesmo número atômico(Z) e pertencem ao mesmo elemento químico- Isótonos: Possuem o mesmo número de nêutrons e podem ser elementos químicos diferentes.- Isóbaros: Possuem o mesmo número de massa e podem ser elementos químicos diferentes.- Isóeletronico: Possuem o mesmo número de elétrons.
  50. 50. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaISÓTOPOSÁtomos com o mesmo número atômico (Z)Exemplos:Isótopos do elemento oxigênio: 8O16 8O 17 8O 18Isótopos do elemento potássio: 19K39 19K 40 19K 41Os nomes dos isótopos de um elemento são os nomes dos próprios elementos,seguidos do seu número de massa:Isótopo do Cloro com A = → Cloro -35
  51. 51. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaISÓBAROSÁtomos com o mesmo número de massa (A) .São átomos de diferentes elementos(de números atômicos diferentes), mas que apresentam o mesmo número de massa.Exemplos:Argônio (Ar): 18Ar40 A = 40 Z = 18 n = 22Cálcio (C): 20Ca40 A = 40 Z = 20 n = 20Ambos com mesmo nº de massa (p+n)
  52. 52. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaISÓTOPOS DO HIDROGÊNIO:O único elemento químico cujos isótopos apresentam nome próprio é o Hidrogênio que éconstituído de 3 isótopos:H1 - Hidrogênio comum Hidrogênio Leve ou Prótio1 H2 Deutério (D)1 H3 Trítio (T)
  53. 53. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaISÓTONOSÁtomos com o mesmo número de nêutrons (N), mas diferente nº de prótons e,portanto, nº de massa. Ex:Exemplos:Boro: 5B11 A = 11 p = 5 n = 6Carbono: 6C12 A = 12 p = 6 n = 6Ambos com mesmo nº de nêutrons.
  54. 54. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaResumindo: O mesmo nº de O mesmo nº O mesmo nº Z de A de n ISÓTOPOS = ≠ ≠ ISÓBAROS ≠ = ≠ ISÓTONOS ≠ ≠ =
  55. 55. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaISOELETRÔNICOSNúmero de elétrons iguais (S)Elementos químicos diferentes que possuem a mesma quantidade deelétrons12Mg = 10 elétrons (MG = Magnésio) 2+9F = 10 elétrons (F = Flúor) 1-1N = 10 elétrons (N = Nitrogênio) 3-
  56. 56. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaDETERMINAÇÃO DAS MASSAS ATÔMICAS A massa atômica de um elemento é calculada pela médiaponderada das massas dos seus isótopos.Exemplo:A massa atômica do cobre, que ocorre naturalmente como uma mistura dedois isótopos:69,09% de 63Cu (62,93 u por átomo) e30,91% de 65Cu (64,95 u por átomo).Geralmente se calcula essa média em cada 100 átomos: Cu (69,09 x62,93) + (30,91 x 64,93) = 63,55 u 100
  57. 57. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaDETERMINAÇÃO DAS MASSAS ATÔMICASDevemos ter cuidado para não confundir número de massa com massa atômica. Número de massa é sempre um número inteiro por representar o número de partículas no núcleo. A massa atômica é a massa média das massas de todos os seus isótopos de ocorrência natural. As massas atômicas não são números inteiros.
  58. 58. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaALOTROPIA: É quando um mesmo elemento químico de formar duas ou maissubstâncias simples diferentes. Exemplos: a) 02 (gás oxigênio) e 03(ozônio). O gás oxigênio e ozônio diferem um do outro na atomicidade, istoé, no número de átomos que forma a molécula. Dizemos que o gásoxigênio e o ozônio são as FORMAS ALOTRÓPICAS do elemento químicooxigênio. O oxigênio existe no ar atmosférico, sendo um gás indispensável ànossa respiração. O ozônio é um gás que envolve a atmosfera terrestre,protegendo-nos dos raios ultravioleta do sol. Devido às suas propriedadesgermicidas, o ozônio é utilizado como purificador da água potável.
  59. 59. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaCONCEITOSPróton: partícula nuclear com carga positiva igual, em grandeza, à do elétron. Junto com onêutron, está presente em todos os núcleos atômicos (exceto o do hidrogênio, que não temnêutron). A massa de um próton é de 1,6726 x 10-27 kg, ou seja, 1.836 vezes a do elétron. Onúmero atômico de um elemento indica o número de prótons em seu núcleo e determina deque elemento se trata.O antipróton é sua antipartícula. É estável no vácuo e não se desintegraespontaneamente.
  60. 60. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaCONCEITOSNêutron: uma das partículas fundamentais que compõem a matéria. Sua massa é de 1,675 x 10-27 kg, aproximadamente 0,125% maior que a do próton. Não tem carga elétrica. É uma partículaconstituinte de todos os núcleos, exceto o do hidrogênio comum. Os nêutrons livres, que formamparte de um núcleo, são produzidos em reações nucleares. Quando é expulso do núcleo, onêutron é instável, e se desintegra para dar lugar a um próton, um elétron e um neutrino. O uso defeixes de nêutrons é uma ferramenta importante em campos tão diversos quando a paleontologia,a arqueologia e a história da arte.
  61. 61. Química Geral Curso de Graduação em BiomedicinaCONCEITOSElétron: tipo de partícula elementar que, junto com os prótons e os nêutrons, forma os átomos eas moléculas. Intervém em uma grande variedade de fenômenos. Os elétrons têm uma massa emrepouso de 9,109 x 10-31 kg e uma carga elétrica negativa de 1,602 x 10-19 coulombs. Suapartícula de antimatéria correspondente é o pósitron

×