Pesquisa cientifica e educacional
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Pesquisa cientifica e educacional

on

  • 1,012 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,012
Views on SlideShare
1,012
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
18
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Pesquisa cientifica e educacional Presentation Transcript

  • 1. CURSISTA: VILMA ANTONIA DE PAIVA TURMA –A MATUTINO
  • 2. Pesquisa: princípio científico e educativo Livro de Pedro Demo
  • 3. Pesquisar — O que e? 1. Desmitificando o conceito #O processo de pesquisa está quase sempre cercado de ritos especiais, cujo acesso é reservado a poucos iluminados. #Por fim, isso permite associar-se a pequeno grupo acima da média, que, além de perfazer a nata acadêmica, também tende a exclusivizar acesso a recursos. #É preciso reconhecer que a formação sofisticada do Pesquisador não é mal em si. #Em meio ás ciências sociais muito teorizantes, fazem bem exigências específicas de tratamento empírico da realidade, tomando-se como aceitável aquilo que tem comprovação factual. #Facilmente acontece que investimentos em pesquisa desse teor não conseguem ir além de acumular alguns perfis estatísticos, irrelevantes no contexto histórico, o que tem contribuído para dissociar sempre mais o processo de saber do processo de mudar. #A desmitifícação mais fundamental, porém, está na crítica à separação artificial entre ensino e pesquisa. #Tomada como marca definitiva da nossa realidade educativa e científica,
  • 4. • #Todavia, libertar a pesquisa do exclusivismo sofisticado não pode levá-la ao exclusivismo oposto da banalização cotidiana mágica. • A desmitifícação mais fundamental, porém, está na crítica à separação artificial entre ensino e pesquisa. • a grande maioria dos professores só ensina, seja porque não domina sofisticações técnicas da pesquisa, mas sobretudo porque admite a cisão como algo dado. #Fez “opção” pelo ensino, e passa a vida contando aos alunos o que aprendeu de outrem, imitando e reproduzindo subsidiariamente. • De si, as ciências sociais tratam da práxis histórica, do seu presente, passado e futuro. • Como ator social, o pesquisador é fenômeno político, que, na pesquisa, o traduz sobretudo pelos interesses que mobilizam os confrontos e pelos interesses aos quais serve. • Assim, desmitificar a pesquisa há de significar também o reconhecimento da sua imisção natural na prática, para além de todas as possíveis virtudes teóricas, em particular da sua conexão necessária com a socialização do conhecimento. • Professor é quem, tendo conquistado espaço acadêmico próprio através da produção, tem condições e bagagem para transmitir via ensino. • Quando a prática se reduz a “estágio”, extensão é necessária. Se, porém, prática fosse curricular, já é extensão. • Dito isso, cabe explicitar que o nosso posicionamento compreende a pesquisa não só como busca de conhecimento, mas igualmente como atitude política, sem reducionismo e embaralhamento, num todo só dialético. # Pesquisa é processo que deve aparecer em todo trajeto educativo, como princípio educativo que é, na base de qualquer proposta emancipatória.
  • 5. 2. Horizontes múltiplos da pesquisa # A acumulação da pesquisa também passa quase exclusivamente pela montagem de conhecimento empírico validado. *O primeiro reconhecimento é que não se pode fazer levantamento empírico sem o concurso dos outros horizontes, aqui subsumidos em teoria, método e prática. *Mesmo quando colocamos o desafio correto de que a pesquisa é descoberta da realidade, trata-se de um conceito estreito de realidade, se a restringirmos à sua manifestação empírica. E tanto mais tratável cientificamente, aquilo que é mensurável, experimentável, observável. *Neste sentido, ciência vive do desafio imorredouro de descobrir realidade que, sempre de novo, ao mesmo tempo se descobre e se esconde. *Se isto for correto, a pesquisa coloca outro desafio: desfazer a aparência visível, observável, para surpreender a realidade por trás disso. *E fundamental que a ciência os capte, principalmente é essencial que não reduza a realidade ao tamanho do que consegue captar. *De partida, é mister ressaltar que ao lado da preocupação empírica deve haver preocupação teórica. *Se numa teoria nunca está inclusa a realidade toda, mas tão-somente a maneira de a conceber, muito menos seria pensável encerrar em manifestações empíricas.
  • 6. Domínio teórico significa a construção, via pesquisa, da capacidade de relacionar alternativas explicativas, de conhecer seus vazios e virtudes, sua história, sua consistência, sua potencialidade, de cultivar a polêmica dialogai construtiva, de especular chances possíveis de caminhos outros ainda não devassados. A importância da hermenêutica está precisamente no reconhecimento de que a interpretação é inevitável. A hermenêutica é a arte de descobrir a entrelinha para além das linhas, o contexto para além do texto, a significação para além da palavra. # O bom teórico é sobretudo aquele que sabe bem perguntar, colocando a teoria no devido lugar: instrumentação criativa diante de realidade sempre furtiva. “é importante ressaltar a preocupação metodológica.“Pesquisa metodológica” pode parecer algo ainda mais estranho, porque predomina a expectativa de que método se aprende, não se cria. Sobretudo em estatística, a atitude típica é a de estar diante de “pacote” que temos de engolir.” # É preciso lembrar que a distinção entre ciência e outros saberes está no método, sobretudo. Por fim, outro horizonte da pesquisa é a prática, por mais que as ciências sociais, contraditoriamente, possam estranhar tal postura. Teoria e prática detêm a mesma relevância científica e constituem no fundo um todo só. Uma não substitui a outra e cada qual tem sua lógica própria.
  • 7. 3. A pesquisa como descoberta e criação Em metodologia científica, descobrir e criar não são a mesma coisa. #Na descoberta criou-se conhecimento novo, não realidade nova, embora a partir daí se possa inventar usos novos do conhecimento. #A revolução do modo de produção se dá objetiva e necessariamente, como resultado inexorável do desenvolvimento das forças produtivas. # Nunca se cria do nada, porque a história tem sempre antecedentes e conseqüentes, mas na fase nova pode predominar o novo, ao que se dá o nome de revolução. A história vem concebida como, de um lado, condicionada por estruturas dadas, naturais e sociais, que jamais podem ser ignoradas, e, de outro lado, condicionada pela possível intervenção humana, que não precisa submeter-se passivamente às circunstâncias dadas ou encontradas.
  • 8. 4. A pesquisa como diálogo Ao mesmo tempo, questionar inclui comunicar criticamente o próprio ponto de vista e receber criticamente o ponto de vista do outro. #Como diálogo, é necessária comunicação e a socialização do saber faz parte integrante da sua produção, sem falar na ligação estrutural e histórica entre teoria e prática. # Pesquisar, assim, é sempre também dialogar, no sentido específico de produzir conhecimento do outro para si, e de si para o outro, dentro de contexto comunicativo nunca de todo devassável e que sempre pode ir a pique. #No fundo, pesquisa passa a ser a maneira primeira de o ator político se colocar, se lançar, seja no tatear cuidadoso em ambiente desconhecido ou hostil, seja no medir as próprias forças diante de forças contrárias, seja na instrumentação estratégica da ocupação de espaço. •Quem sabe dialogar com a realidade de modo crítico e criativo faz da pesquisa condição de vida, progresso e cidadania. *Educação criativa começa na e vive da pesquisa, desde o primeiro dia de vida da criança. De certa maneira, pesquisa se confunde com a filosofia, em seu sentido original: apreço pela sabedoria, tanto em sua modéstia que sabe antes de mais nada que pouco sabe, como em sua exuberância que a tudo questiona, inclusive a si mesma (Abbagnano, 1989).
  • 9. A pesquisa como principio cientifico *Não se trata de imitar padrões externos de universidade, mas é possível deles aprender, desde que não se faça cópia subalterna. *Cremos que visão alternativa de pesquisa seria fermento apto a recolocar a universidade no caminho das esperanças sociais nela depositadas, o que exige criatividade, intenso diálogo com a realidade, disciplina e compromisso histórico produtivo. 1. A questão curricular Tomemos aqui, de partida, currículo na noção corrente de proposta de ensino/aprendizagem, na qual se define, grosso modo, o que e como estudar. Sem ressaltar no momento o lado da pesquisa como princípio educativo, bastaria trazer à cena a pesquisa como princípio científico, para demarcar o absurdo que é o mero ensinar e o mero aprender. A noção de professor precisa ser totalmente revista, sem recair em preciosismos importados de fora.
  • 10. a) em primeiro lugar, é pesquisador, nos sentidos relevados: capacidade de diálogo com a realidade, orientado a descobrir e a criar, elaborador da ciência, firme em teoria, método, empiria e prática; b) é, a seguir, socializador de conhecimentos, desde que tenha bagagem própria, despertando no aluno a mesma noção de pesquisa; c) é, por fim, quem, a partir de proposta de emancipação que concebe e realiza em si mesmo, torna-se capaz de motivar o novo pesquisador no aluno, evitando de todos os modos reduzi-lo a discípulo subalterno.
  • 11. Por exemplo, quem dá aula de introdução à educação faz isso porque é capaz de escrever — pelo menos de reescrever à sua maneira — o que seria introdução à educação. #Esta postura permite afirmar que somente tem algo a ensinar quem pesquisa. Em termos muito simplificados, pode-se dizer que, no plano da teoria, é mister exigir capacidade própria de elaboração, e, no plano da prática, capacidade de recriar teoria e de unir saber & mudar. -Ainda é importante repisar a necessidade de atualização constante, que faz parte da pesquisa como questionamento cotidiano, com vistas a evitar o instrutor que passa uma vida toda dizendo sempre a mesma coisa, à revelia do progresso científico, o que significa precariedade dupla: apenas copiar, e surrar a cópia.
  • 12. 2. A questão da teoria & pratica Nem a teoria é maior, nem a prática. -é comum que um educador versado em teoria crítica da educação construa questionamentos brilhantes da prática educativa na escola. Prática, como teoria, perfaz um todo, e como tal está na teoria, antes e depois. Sobretudo, prática não aparece apenas como demonstração técnica do domínio conceituai, mas como modo de vida em sociedade a partir do cientista. * Na formação de educador, caberia, de partida, colocar que, em seu currículo, deve aparecer tempo inicial de preparação propedêutica, de carga mais teórica, digamos, forte dose de estudo da metodologia científica e da teoria referencial, como fundamentos da formação geral todo educador e como ferramenta para elaboração Própria. A seguir aparece o sentido da especialização, com dose crescente de prática. No final das contas, esse planejador educacional não se restringe a discussões, mas constrói seus próprios métodos de avaliar.
  • 13. 3. “Dar conta de um tema” O trabalho pessoal de pesquisa encontra expressão própria no desafio de assumir um tema para elaborar e defender, ainda que possa restringir-se à produção teórica. Mas a organização curricular aponta para outra direção. O primeiro passo é aprender a aprender, que significa não imitar, copiar, reproduzir. A verdadeira aprendizagem é aquela construída com esforço próprio através de elaboração pessoal. O professor tem seu lugar, como pesquisador e orientador, para motivar no aluno o surgimento do novo mestre. Faz parte do conceito de criatividade, “saber se virar”, inventar saídas, sobretudo “aprender a aprender”, e isto é profundamente pesquisa.
  • 14. 4. A questão da avaliação A avaliação pode não respeitar o ritmo de cada um em seu desenvolvimento intelectual e social, partindo para comparações externas e de cima para baixo. Todavia, como não adianta mascarar a desigualdade social, a avaliação acaba tornando-se inevitável e tem o seu protótipo mais duro na “mercadoria”, que tem custo. Exemplo disso é a comparação forçada de identidades culturais, que não são superiores ou inferiores, a não ser que as sujeitemos a parâmetros externos prévios de comparação. Avaliar é pesquisar, se bem compreendido. Fugir em princípio da avaliação já é compadrio com a mediocridade e a esperteza, que passam a substituir competência acadêmica.
  • 15. A pesquisa como principio educativo 1. Educação, pesquisa e emancipação Emancipação é o processo histórico de conquista e exercício da qualidade de ator consciente e produtivo. Conceber e executar projeto emancipatório supõe de modo geral dois suportes mais visíveis, que são a busca de auto-sustentação e de autogestão, algo econômico e político. 2. Limitacoes do apenas ensinar No “ensinar” cabe menos o desafio da emancipação com base em pesquisa do que a imposição domesticadora que leva a reproduzir discípulos. A sala de aulas, lugar em si privilegiado para processos emancipatórios através da formação educativa, toma-se prisão da criatividade.
  • 16. 3. Limitações do apenas aprender A escola continua curral formal, onde o gado é tratado. Aluno, como discípulo, é gado. Numa analogia forte, é como penico, que tudo aceita sem reclamar, e acha que não passa disso. o único recurso é colar. Não se sabe deduzir, induzir, inferir, estabelecer relações, reconstruir contextos. Resta copiar. Tal condição reduz o aluno ao “mero aprender”, obstruindo passos da criatividade própria. A própria proposta informativa deve estar voltada para a formação, não apenas sob o ângulo da aplicabilidade concreta do saber, mas igualmente da instrumentação científica da cidadania.
  • 17. 4. Vazios da escola formal A influência da escola sobre a criança é cada vez mais “formal” e, neste sentido, vazia, pela artificialidade da sua organização distanciada da sociedade diária ou pela concorrência avassaladora com os meios de comunicação. A miséria da escola é o retrato da miséria da cidadania. É essencial que, mesmo sendo espaço formal, assuma posição mais visível e decisiva na sociedade, na linha do conceito de pesquisa aqui veiculado.
  • 18. Espera-se um “profissional recriado”, muito diferente dos vigentes, capaz de construir um projeto próprio educativo e assistencial, ao mesmo tempo competente cientificamente e participativo politicamente.