BrOffice - Apostila completa
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

BrOffice - Apostila completa

on

  • 29,203 views

Apostila sugerida como leitura no Curso TIC na Educação.

Apostila sugerida como leitura no Curso TIC na Educação.

Statistics

Views

Total Views
29,203
Views on SlideShare
28,985
Embed Views
218

Actions

Likes
3
Downloads
981
Comments
3

8 Embeds 218

http://emfernaodiaspaes.blogspot.com.br 163
https://www.xn--cursosonlinedaeducao-7yb1g.com.br 23
https://www.cursosonlinecursos.com.br 11
https://cesbonline.com.br 8
https://cursosrapidosonline.com.br 6
http://www.blogger.com 5
http://emfernaodiaspaes.blogspot.pt 1
http://emfernaodiaspaes.blogspot.com 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Muito obrigado está me ajudando muito.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • O conteúdo do site é muito bom!!!!!!!!!
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • 6-


    Venham conferir o AS NOVIDADES DO SERVIDOR de MU online JOGANDO.NET :

    >>PROMOÇÃO DE JDIAMONDS E JCASHS, que ganha cupom para concorrer aos prêmios....
    >> PROMOÇÃO GANHE IPAD (NOVO) 3 kits JD v2, 2.000.000 golds e + 1000 jcahs no sorteio do dia 31/10 OUTUBRO
    >>NOVOS KITS : DEVASTATOR , e o SUPREMO DIAMOND V2 ;
    >> MEGA MARATONA DE DIA DAS CRIANÇAS, em breve você irá conhecer os melhores eventos.
    >> Novos Rings e Pendat Mysthical os melhores do servidor ;
    >> Novas Asas e Shields JDiamonds;
    >> Novidades em todos os servidores atualizados p/ o Ep 3 Season 6
    >>>>>> CURTI ANIMES ? conheça o MAIS NOVO SITE Cloud : http://www.animescloud.com/ com mais de 20.000 videos online.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

BrOffice - Apostila completa BrOffice - Apostila completa Document Transcript

  • BRoffice5 de julho de 2007
  • SumárioI Sobre essa Apostila 6II Informações Básicas 8III Curso BRoffice 131 O que é o BrOffice 142 Plano de ensino 15 2.1 Objetivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 2.2 Público Alvo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 2.3 Pré-requisitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 2.4 Descrição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 2.5 Metodologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 2.6 Cronograma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 2.7 Programa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 2.8 Avaliação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 2.9 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173 Conceitos Iniciais 18 3.1 Um pouco sobre BrOffice . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 3.2 Por que usar o BrOffice ? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 3.3 Instalação de Plugins . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 3.4 Pré-requisitos para instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 3.5 Guia de instalação do BrOffice para Linux . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224 Writer (Texto) 24 4.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 4.1.1 Objetivo educacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 4.1.2 Habilidades e Competências a serem desenvolvidas . . . . . . . . . . . . . . 24 4.1.3 Conceitos a serem abordados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 4.1.4 Situação de contexto e problema proposto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 4.1.5 O que é um editor de texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 4.2 Ambiente e comandos básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 4.2.1 Acessando o Writer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 4.2.2 Familiarizando-se com o ambiente de trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 4.2.3 Zoom . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 1
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF 4.2.4 Edição de textos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 4.2.5 Apagar caracteres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 4.2.6 Edição de textos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 4.2.7 Seleção de textos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 4.2.8 Gravando e abrindo um texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 4.2.9 Gerando arquivos PDF . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 4.3 Formatando Textos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 4.3.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 4.3.2 Selecionando e formatando um texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 4.3.3 Alinhamento de parágrafo e tabulação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 4.3.4 Marcas e numeração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 4.3.5 Corretor Ortográfico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 4.4 Organização e padronização de textos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 4.4.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 4.4.2 Auto-texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 4.4.3 Visualização da página . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 4.4.4 Criação de cabeçalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 4.4.5 Criação de rodapé . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 4.4.6 Criando Nota de Rodapé . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 4.5 Tabelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 4.5.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 4.5.2 Inserindo Tabelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 4.5.3 Largura e altura das linhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 4.5.4 Inserir novas colunas e linhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 4.5.5 Manipulação de tabelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475 Calc (Planilha) 48 5.1 Introdução as planilhas eletrônicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 5.1.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 5.1.2 Fundamentos teóricos e conceituais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 5.1.3 O que é uma planilha eletrônica? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 5.1.4 Acessando o Calc . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 5.1.5 Tela Inicial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 5.1.6 Barras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 5.1.7 Menu Arquivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 5.1.8 Outros menus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 5.1.9 Endereço ou referência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 5.1.10 Guias ou abas das planilhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 5.1.11 Linha de Entrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 5.1.12 Aplicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 5.1.13 Recaptulação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 5.2 Trabalhando com Planilhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62 5.2.1 Selecionar e Dimensionar Células . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63 5.2.2 Formatação e Cores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64 5.2.3 Bordas e Junção de Células . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64 5.2.4 Formatação de Conteúdos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 5.2.5 Ordenação de Dados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66 5.2.6 Filtros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67 2
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF 5.2.7 Formatação Automática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68 5.2.8 Formatação Condicional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 5.2.9 Resolução de Problema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72 5.2.10 Aplicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 5.2.11 Recapitulação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 5.3 Fórmulas, funções e gráficos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74 5.3.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74 5.3.2 Conceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 5.3.3 Componentes de uma fórmula . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 5.3.4 Inserir Fórmulas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76 5.3.5 Exemplo do uso de fórmulas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 5.3.6 Inserir Função . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78 5.3.7 Inserir Gráficos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79 5.3.8 Aplicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 5.3.9 Recapitulação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 816 Impress (Apresentação) 82 6.1 Introdução a apresentação eletrônica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 6.1.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 6.1.2 O que é apresentação eletrônica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 6.1.3 Conceitos básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 6.1.4 Conhecendo a ferramenta de trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 6.1.5 Resolução de Problema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 6.1.6 Aplicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 6.1.7 Recapitulação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 6.2 Slide e Texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85 6.2.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85 6.2.2 Criando uma apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 6.2.3 Visualização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 6.2.4 Endereço ou referência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 6.2.5 Slide Mestre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 6.2.6 Aplicações e Recapitulação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 6.3 Imagens e Sons . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90 6.3.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90 6.3.2 Trabalhando com slides . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91 6.3.3 Inserindo campos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91 6.3.4 Inserindo imagens via arquivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92 6.3.5 Inserindo imagens via galeria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 6.3.6 Inserindo Sons . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 6.3.7 Aplicações e Recapitulação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 6.4 Inserção de Gráficos e Planilhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96 6.4.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96 6.4.2 Inserindo Planilhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 6.4.3 Gráficos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 6.4.4 Aplicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 6.5 Transição de Slides . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 6.5.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 6.5.2 Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 3
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF 6.5.3 Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104 6.5.4 Transição de objetos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 6.5.5 Aplicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 6.6 Exportação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 6.6.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 6.6.2 Exportação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108 6.6.3 Arquivo PDF . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 6.6.4 Arquivo HTML . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 6.6.5 Design HTML . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1137 Draw (Desenho) 116 7.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 7.1.1 Primeiros Passos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 7.1.2 Familiarização com a área de trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 7.1.3 Barras de Atalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117 7.2 Desenhando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122 7.2.1 Começando a Desenhar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122 7.2.2 Retângulos e Círculos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124 7.2.3 Editando Objetos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127 7.2.4 Selecionando Objetos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128 7.2.5 Movimentação de Objetos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131 7.2.6 Editando pontos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133 7.2.7 Curvas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136 7.3 Objetos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138 7.3.1 Atributos de Objetos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138 7.3.2 Barra de Objetos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143 7.3.3 Edição Manual de Posição e Tamanho de Objetos . . . . . . . . . . . . . . . 148 7.3.4 Estilos e Formatação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152 7.3.5 Transformações Especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156 7.3.6 Rotação de Objetos 3D . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159 7.3.7 Distorção e definições dinâmicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163 7.4 Desenhando as Várias Formas Básicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165 7.4.1 Desenhando Textos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165 7.4.2 Objetos 3D . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167 7.4.3 Agrupando e Combinando Objetos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172 7.4.4 Funções de Combinação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176 7.4.5 Alinhando e Organizando objetos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180 7.5 Ferramentas de auxílio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181 7.5.1 Zoom . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181 7.5.2 Manuseando Camadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183 7.5.3 Trabalhando com objetos 3D . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184 7.5.4 Efeitos 3D . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187 7.5.5 Geometria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1898 Base (Banco de Dados) 193 8.1 Noções de banco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193 8.1.1 O que é um Banco de Dados? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193 8.1.2 SGBDs . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193 4
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF 8.1.3 O que é o Base? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194 8.2 Tabelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194 8.2.1 Entendendo as tabelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194 8.2.2 Design da tabela . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195 8.2.3 O Modo Design . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196 8.2.4 As propriedades de um campo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197 8.2.5 Salvando uma tabela . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198 8.2.6 Relações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199 8.3 Consultas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201 8.3.1 Uso de Consultas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201 8.3.2 Assistente de Consultas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201 8.3.3 Assistente de Consultas - Seleção de campo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203 8.3.4 Assistente de Consultas - Ordem de classificação . . . . . . . . . . . . . . . 203 8.3.5 Assistente de Consultas - Condições de pesquisa . . . . . . . . . . . . . . . 203 8.3.6 Assistente de Consultas - Detalhe ou resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204 8.3.7 Assistente de Consultas - Agrupamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204 8.3.8 Assistente de Consultas - Condições de agrupamento . . . . . . . . . . . . . 205 8.3.9 Assistente de Consultas - Aliases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205 8.3.10 Assistente de Consultas - Visão geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205 8.3.11 Design de consulta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205 8.3.12 Definir consulta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206 5
  • Parte ISobre essa Apostila 6
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFConteúdo O conteúdo dessa apostila é fruto da compilação de diversos materiais livres publicados na in-ternet, disponíveis em diversos sites ou originalmente produzido no CDTC em http://www.cdtc.org.br. O formato original deste material bem como sua atualização está disponível dentro da licençaGNU Free Documentation License, cujo teor integral encontra-se aqui reproduzido na seção demesmo nome, tendo inclusive uma versão traduzida (não oficial). A revisão e alteração vem sendo realizada pelo CDTC (suporte@cdtc.org.br) desde outubrode 2006. Críticas e sugestões construtivas são bem-vindas a qualquer tempo.Autores A autoria deste é de responsabilidade de Tiago Luiz Batista Maciel (timaciel@cdtc.org.br) eFrederico Oliveira de Paula (fredaodepaula@cdtc.org.br) . O texto original faz parte do projeto Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento, quevem sendo realizado pelo ITI (Instituto Nacional de Tecnologia da Informação) em conjunto comoutros parceiros institucionais, atuando em conjunto com as universidades federais brasileirasque tem produzido e utilizado Software Livre, apoiando inclusive a comunidade Free Softwarejunto a outras entidades no país. Informações adicionais podem ser obtidas através do email ouvidoria@cdtc.org.br, ou dahome page da entidade, através da URL http://www.cdtc.org.br.Garantias O material contido nesta apostila é isento de garantias e o seu uso é de inteira responsabi-lidade do usuário/leitor. Os autores, bem como o ITI e seus parceiros, não se responsabilizamdireta ou indiretamente por qualquer prejuízo oriundo da utilização do material aqui contido.Licença Copyright ©2006, Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (cdtc@iti.gov.br) . Permission is granted to copy, distribute and/or modify this document under the terms of the GNU Free Documentation License, Version 1.1 or any later version published by the Free Software Foundation; with the Invariant Chapter being SOBRE ESSA APOS- TILA. A copy of the license is included in the section entitled GNU Free Documentation License. 7
  • Parte IIInformações Básicas 8
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFSobre o CDTC Objetivo Geral O Projeto CDTC visa a promoção e o desenvolvimento de ações que incentivem a dissemina-ção de soluções que utilizem padrões abertos e não proprietários de tecnologia, em proveito dodesenvolvimento social, cultural, político, tecnológico e econômico da sociedade brasileira. Objetivo Específico Auxiliar o Governo Federal na implantação do plano nacional de software não-proprietário ede código fonte aberto, identificando e mobilizando grupos de formadores de opinião dentre osservidores públicos e agentes políticos da União Federal, estimulando e incentivando o mercadonacional a adotar novos modelos de negócio da tecnologia da informação e de novos negóciosde comunicação com base em software não-proprietário e de código fonte aberto, oferecendotreinamento específico para técnicos, profissionais de suporte e funcionários públicos usuários,criando grupos de funcionários públicos que irão treinar outros funcionários públicos e atuar comoincentivadores e defensores de produtos de software não proprietários e código fonte aberto, ofe-recendo conteúdo técnico on-line para serviços de suporte, ferramentas para desenvolvimento deprodutos de software não proprietários e de seu código fonte livre, articulando redes de terceiros(dentro e fora do governo) fornecedoras de educação, pesquisa, desenvolvimento e teste de pro-dutos de software livre.Guia do aluno Neste guia, você terá reunidas uma série de informações importantes para que você comeceseu curso. São elas: • Licenças para cópia de material disponível • Os 10 mandamentos do aluno de Educação a Distância • Como participar dos foruns e da wikipédia • Primeiros passos É muito importante que você entre em contato com TODAS estas informações, seguindo oroteiro acima.Licença Copyright ©2006, Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (cdtc@iti.gov.br). 9
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF É dada permissão para copiar, distribuir e/ou modificar este documento sob os termos da Licença de Documentação Livre GNU, Versão 1.1 ou qualquer versão posterior públicada pela Free Software Foundation; com o Capitulo Invariante SOBRE ESSA APOSTILA. Uma cópia da licença está inclusa na seção entitulada "Licença de Docu- mentação Livre GNU".Os 10 mandamentos do aluno de educação online • 1. Acesso à Internet: ter endereço eletrônico, um provedor e um equipamento adequado é pré-requisito para a participação nos cursos a distância. • 2. Habilidade e disposição para operar programas: ter conhecimentos básicos de Informá- tica é necessário para poder executar as tarefas. • 3. Vontade para aprender colaborativamente: interagir, ser participativo no ensino a distân- cia conta muitos pontos, pois irá colaborar para o processo ensino-aprendizagem pessoal, dos colegas e dos professores. • 4. Comportamentos compatíveis com a etiqueta: mostrar-se interessado em conhecer seus colegas de turma respeitando-os e fazendo ser respeitado pelo mesmo. • 5. Organização pessoal: planejar e organizar tudo é fundamental para facilitar a sua revisão e a sua recuperação de materiais. • 6. Vontade para realizar as atividades no tempo correto: anotar todas as suas obrigações e realizá-las em tempo real. • 7. Curiosidade e abertura para inovações: aceitar novas idéias e inovar sempre. • 8. Flexibilidade e adaptação: requisitos necessário à mudança tecnológica, aprendizagens e descobertas. • 9. Objetividade em sua comunicação: comunicar-se de forma clara, breve e transparente é ponto - chave na comunicação pela Internet. • 10. Responsabilidade: ser responsável por seu próprio aprendizado. O ambiente virtual não controla a sua dedicação, mas reflete os resultados do seu esforço e da sua colaboração.Como participar dos fóruns e Wikipédia Você tem um problema e precisa de ajuda? Podemos te ajudar de 2 formas: A primeira é o uso dos fóruns de notícias e de dúvidas gerais que se distinguem pelo uso: . O fórum de notícias tem por objetivo disponibilizar um meio de acesso rápido a informaçõesque sejam pertinentes ao curso (avisos, notícias). As mensagens postadas nele são enviadas a 10
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFtodos participantes. Assim, se o monitor ou algum outro participante tiver uma informação queinteresse ao grupo, favor postá-la aqui.Porém, se o que você deseja é resolver alguma dúvida ou discutir algum tópico específico docurso. É recomendado que você faça uso do Forum de dúvidas gerais que lhe dá recursos maisefetivos para esta prática. . O fórum de dúvidas gerais tem por objetivo disponibilizar um meio fácil, rápido e interativopara solucionar suas dúvidas e trocar experiências. As mensagens postadas nele são enviadasa todos participantes do curso. Assim, fica muito mais fácil obter respostas, já que todos podemajudar.Se você receber uma mensagem com algum tópico que saiba responder, não se preocupe com aformalização ou a gramática. Responda! E não se esqueça de que antes de abrir um novo tópicoé recomendável ver se a sua pergunta já foi feita por outro participante. A segunda forma se dá pelas Wikis: . Uma wiki é uma página web que pode ser editada colaborativamente, ou seja, qualquer par-ticipante pode inserir, editar, apagar textos. As versões antigas vão sendo arquivadas e podemser recuperadas a qualquer momento que um dos participantes o desejar. Assim, ela oferece umótimo suporte a processos de aprendizagem colaborativa. A maior wiki na web é o site "Wikipé-dia", uma experiência grandiosa de construção de uma enciclopédia de forma colaborativa, porpessoas de todas as partes do mundo. Acesse-a em português pelos links: • Página principal da Wiki - http://pt.wikipedia.org/wiki/Agradecemos antecipadamente a sua colaboração com a aprendizagem do grupo!Primeiros Passos Para uma melhor aprendizagem é recomendável que você siga os seguintes passos: • Ler o Plano de Ensino e entender a que seu curso se dispõe a ensinar; • Ler a Ambientação do Moodle para aprender a navegar neste ambiente e se utilizar das ferramentas básicas do mesmo; • Entrar nas lições seguindo a seqüência descrita no Plano de Ensino; • Qualquer dúvida, reporte ao Fórum de Dúvidas Gerais.Perfil do Tutor Segue-se uma descrição do tutor ideal, baseada no feedback de alunos e de tutores. O tutor ideal é um modelo de excelência: é consistente, justo e profissional nos respectivosvalores e atitudes, incentiva mas é honesto, imparcial, amável, positivo, respeitador, aceita asidéias dos estudantes, é paciente, pessoal, tolerante, apreciativo, compreensivo e pronto a ajudar. 11
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFA classificação por um tutor desta natureza proporciona o melhor feedback possível, é crucial, e,para a maior parte dos alunos, constitui o ponto central do processo de aprendizagem.’ Este tutorou instrutor: • fornece explicações claras acerca do que ele espera, e do estilo de classificação que irá utilizar; • gosta que lhe façam perguntas adicionais; • identifica as nossas falhas, mas corrige-as amavelmente’, diz um estudante, ’e explica por- que motivo a classificação foi ou não foi atribuída’; • tece comentários completos e construtivos, mas de forma agradável (em contraste com um reparo de um estudante: ’os comentários deixam-nos com uma sensação de crítica, de ameaça e de nervossismo’) • dá uma ajuda complementar para encorajar um estudante em dificuldade; • esclarece pontos que não foram entendidos, ou corretamente aprendidos anteriormente; • ajuda o estudante a alcançar os seus objetivos; • é flexível quando necessário; • mostra um interesse genuíno em motivar os alunos (mesmo os principiantes e, por isso, talvez numa fase menos interessante para o tutor); • escreve todas as correções de forma legível e com um nível de pormenorização adequado; • acima de tudo, devolve os trabalhos rapidamente; 12
  • Parte IIICurso BRoffice 13
  • Capítulo 1O que é o BrOffice O BrOffice é um conjunto de softwares livres de automação de escritório com o objetivo de for-necer todas as funcionalidades de pacotes comerciais destinados para esse fim, sem a necessi-dade de aquisição de licenças de uso por ser de livre distribuição. Aqui serão abordados os aplica-tivos do projeto BrOffice.org. Para maiores informações consulte o site http://www.broffice.org.br/. 14
  • Capítulo 2Plano de ensino2.1 Objetivo Capacitar o usuário para o uso autônomo dos recursos do BrOffice , especialmente para aedição de textos, planilha eletrônica, apresentação, desenho e banco de dados.2.2 Público Alvo Usuários finais ou novatos que desejam migrar os seus sistemas proprietários para softwarelivre, em especial, a suite BrOffice .2.3 Pré-requisitos Os usuários deverão ser, necessariamente, funcionários públicos e ter conhecimentos básicospara operar um computador.2.4 Descrição O curso será realizado na modalidade Educação a Distância e utilizará a Plataforma Moodlecomo ferramenta de aprendizagem. O curso está dividido em módulos: Introdução, Writer (editorde texto), Calc (planilha eletrônica), Impress (apresentação), Draw (desenho), Base (banco dedados). Cada módulo é composto por um conjunto de atividades (lições, fóruns, glossários,questionários e outros) que deverão ser executadas de acordo com as instruções fornecidas.O material didático está disponível on-line de acordo com as datas pré-estabelecidas em cadamódulo. A versão adotada do BrOffice é a 2.0, caso possua outra versão instalada, podemocorrer poucas diferenças. 15
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF2.5 Metodologia O curso está dividido da seguinte maneira:2.6 Cronograma Como mostrado na tabela acima, a cada semana será disponibilizado um conjunto de módu-los. É recomendável que o participante siga as datas estabelecidas. As lições, disponíveis em cada módulo, contêm o conteúdo principal. Elas poderão ser aces-sadas quantas vezes forem necessárias, desde que esteja dentro da semana programada. Aofinal de uma lição, você receberá uma nota de acordo com o seu desempenho. Caso sua notaem determinada lição for menor do que 6.0, sugerimos que você faça novamente essa lição. Ao final do curso serão disponibilizadas as avaliações referentes aos módulos estudados an-teriormente. Somente as notas das avaliações serão consideradas para a nota final. Todos osmódulos ficarão visíveis para que possam ser consultados durante a avaliação final.2.7 Programa O curso oferecerá o seguinte conteúdo: • Editor de textos: apresentar conceitos sobre Writer, formatar documentos, operações em arquivos, configuração e estilização do texto, inserir e manipular tabelas e figuras. • Planilha eletrônica: apresentar conceitos sobre Calc, formatar planilhas, inserir e manipular dados, trabalhar com fórmulas e criar gráficos simples. • Apresentação: apresentar conceitos sobre Impress, formatar textos e objetos de desenho, usar figuras, manipular tabelas e gráficos, gerenciar slides e personalizar apresentações.2.8 Avaliação Toda a avaliaçõo será feita on-line. Aspectos a serem considerados na avaliação: • Iniciativa e autonomia no processo de aprendizagem e de produção de conhecimento; • Capacidade de pesquisa e abordagem criativa na solução dos problemas apresentados. Instrumentos de avaliação: • Participação ativa nas atividades programadas. 16
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF • Avaliação ao final do curso. • O participante fará várias avaliações referentes ao conteúdo do curso. Para a aprovação e obtenção do certificado o participante deverá obter nota final maior ou igual a 6.0 de acordo com a fórmula abaixo: • Nota Final = ((ML x 7) + (AF x 3)) / 10 = Média aritmética das lições • AF = Avaliações2.9 Bibliografia • BrOffice , SITE: http://www.broffice.org.br/ 17
  • Capítulo 3Conceitos Iniciais3.1 Um pouco sobre BrOffice Tabela de equivalência Produto Equivalência Descrição Writer MS Word Editor de Texto Calc MS Excel Planilha Eletrônica Impress MS Power Point Apresentação3.2 Por que usar o BrOffice ? Quais as vantagens técnicas da opção pelo BrOffice ? 1. Possibilidade de instalação e atualização em qualquer microcomputador sem custo (o BrOf- fice tem baixo custo, tanto de instalação, quanto de atualização. Quando uma versão nova é lançada, a atualização é simples, basta baixar o novo pacote, não é necessária uma nova compra, pesquisa de preços, etc); 2. Possibilidade de utilização de documentos produzidos pelas novas versões dos aplicativos de escritório da Microsoft (existe uma grande compatibilidade com o Office da Microsoft, você pode abrir os arquivos do Open Office no Microsoft Office, mas o contrário nem sempre é verdade); 3. Contar com grande número de usuários colaborativos em outras organizações no Brasil e no mundo (este é um dos pontos mais fortes. Com o BrOffice você tem maior facilidade para tirar suas dúvidas, através de diversos fóruns e listas de discussão, e pode até mesmo dar sugestões para futuras versões dos programas); 4. Similaridade com os aplicativos de escritório hoje utilizados para minimizar quedas de pro- dutividade momentâneas (ou seja, você não vai sentir tanta diferença ao migrar para o BrOffice . É mais fácil do que parece); 5. É livre! Você pode utilizar o código dele em seus programas. Você pode contribuir para o desenvolvimento - mesmo se não souber programar. Contribuições nas traduções, dicioná- rios ou cliparts são bem-vindas!! 18
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFOutros motivos • O BrOffice usa formato de arquivo padronizado e baseado em XML. É só dar um unzip num .SXW e ver que esse formato é basicamente um zip de arquivos XML e figuras do documento (em formatos padronizados). Ou seja, daqui a 10, 20 anos uma empresa/pessoa poderá ainda extrair as informações dos documentos sem perda de informação, o que não ocorre com as várias versões dos arquivos usados pelo MS Office. • É mais fácil manipular figuras no documento no BR Office de que em alguns softwares proprietários. Agora, você mesmo(a) descobrirá outras vantagens. Não esqueça de compartilhá-las com osoutros participantes por meio dos fóruns !!!3.3 Instalação de Plugins Os Plugins são programas que funcionam anexados a outros programas. Suas característicastornam possível visualizar vários tipos de arquivos (geralmente de multimídia como os formatosde vídeo: Avi, Mov, Mpeg, Flash, rm de som: mp3, midi, apresentações multimedia). São muito comuns aqueles que são anexados aos navegadores ( como Internet Explorer,Firefox, suíte Mozilla, Netscape, Opera etc ). Aliás, alguns Plugins já vêm incorporados como navegador. Assim, quando se acessa um endereço da Internet e não é possível visualizarou escutar alguns dos ítens ali expostos, certamente, está faltando instalar algum plugin paravisualizar corretamente o conteúdo da página. Eis alguns plugins muito conhecidos e sua função: Plugins Permite Adobe Acrobat Reader visualização de arquivos PDF (Portable Document Format). Macromedia Flash visualização de páginas feitas parcialmente ou inteiramente em Flash. QuickTime visualização de vídeos em formato Mov e outros. Real Player execução de sons e vídeos em tempo real Neste curso será necessário instalar somente os plugins para visualizar arquivos .swf e .rm.Portanto, basta instalar programas que suportam estes formatos, como por exemplo: Flash Playere Mplayer ou RealPlayer.Flash PlayerWindows 1. Baixe o arquivo de instalação: Macromedia Flash Player para Windows 2. Execute o arquivo, e siga as instruções exibidas pelo programa de instalação.LinuxUsando o Firefox Quando uma página usa animações em Flash, o Firefox pergunta se você deseja usar oassistente de instalação de plugins. O plugin será instalado e começará a funcionar assim que oassistente for concluído. 19
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Caso a instalação automática não funcione por algum motivo, baixe o plugin diretamente nosite da Macromedia. Então feche o Firefox e execute o arquivo recebido. Usando o Mozilla 1. Baixe o arquivo de instalação: Macromedia Flash Player para Linux 2. Clique no botão "Download Now". Aparecerá uma caixa de diálogo perguntando onde você quer salvar o programa de instalação. 3. Salve o programa de instalação em um diretório desejado e espere que o download do arquivo se complete. 4. Descompacte o arquivo usando, na linha de comando: tar -zxfv install_flash_player_7_linux.tar.gz . Será criado um diretório chamado install_flash_player_7_linux . 5. Entre no diretório criado ( cd install_flash_player_7_linux ) e digite: ./flashplayer-installer, para executar o instalador (Observação: isto apenas pode ser feito na linha de comando). 6. Aperte <enter> duas vezes. O instalador o instruirá a fechar o(s) navegador(es). Cli- que <enter> mais uma vez. Entre com o caminho do diretório do browser: (Exemplo: /usr/lib/mozilla). Entre com <y>, <enter>, e logo em seguida <n>, <enter>. 7. Quando a instalação estiver completa, o plugin estará instalado no navegador Mozilla. Para confirmar, inicie o Mozilla e selecione Help > About Plug-ins (Ajuda > Sobre os plugins), no menu do navegador.MplayerWindows Faça o download do arquivo de instalação: Mplayer para WindowsLinux Se você usa Debian, ou qualquer distribuições compatível com pacotes .deb, como o Knoppix,Xandros. Lycoris, Lindows e outros, você pode instalar o MPlayer através do comando apt-get. 1. Acesse este link e escolha o repositório de acordo com sua versão 2. Como exemplo, acrescente a linha: "deb ftp://ftp.nerim.net/debian-marillat/ sarge main"(sem aspas) no arquivo: /etc/apt/sources.list 20
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF 3. Em um terminal digite: apt-get update e depois apt-get install mplayer-686 (para os proces- sadores Pentium II, Pentium III, Celeron, Pentium 4, Athlon e Duron). 4. Junto com o Mplayer é recomendável instalar também o pacote w32codecs, que adiciona suporte a vídeos em diversos formatos (inclusive .rm). Digite: apt-get install w32codecs 5. Pronto, basta executar gmplayer (se estiver usando gnome) ou kmplayer (se estiver usando kde)RealPlayer®Windows 1. Baixe o arquivo de instalação: Para Windows 2. Execute o arquivo, e siga as instruções exibidas pelo programa de instalação.Linux 1. Baixe o arquivo de instalação: Para Linux 2. Clique no botão "Download RealPlayer". Aparecerá uma caixa de diálogo perguntando onde você quer salvar o programa de instalação. 3. Salve o programa de instalação em um diretório desejado e espere que o download do arquivo se complete. 4. Na linha de comando, faça login como super-usuário: $su root 5. Na linha de comando, acesse o diretório onde salvou o arquivo e digite: #chmod a+x RealPlayer10GOLD.bin 6. Ainda na linha de comando, execute o arquivo .bin: ./RealPlayer10GOLD.bin 7. Siga os próximos passos e quando pedir um caminho para instalar o RealPlayer escolha por exemplo: /usr/lib/RealPlayer10. 8. Após concluir a instalação, entre no diretorio de instalação (cd /usr/lib/RealPlayer10) e exe- cute o arquivo ./realplayer para terminar sua configuração. Nota: RealPlayer é uma marca comercial registrada da RealNetworks, Inc. Outros Plugins Para Firefox e Mozilla: Acesse o endereço https://pfs.mozilla /plugins/ 21
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF3.4 Pré-requisitos para instalação Linux • Processador compatível com Pentium ou superior • Recomendados 64-MBytes RAM • 250-Mbytes de espaço disponível em HD • Linux Kernel 2.2.13 ou superior • Servidor X com resolução de 800x600 ou superior, 256 cores ou tons de cinza • glibc2 versão 2.1.3 ou superior • Vídeo VGA ou superior, com suporte de 256 colors, 800 x 600 pixels Windows • Processador compatível com Pentium ou superior • Microsoft Windows 95, 98, NT, 2000 ou XP (2000, ME ou XP são requeridos para versões asiáticas.) • Mínimo de 64-Mbytes RAM • 250-Mbytes de espaço disponível em HD3.5 Guia de instalação do BrOffice para Linux Para começar a instalação do BrOffice em ambiente linux é necessário que você tenha umacópia do cd de instalação do BrOffice ou que você baixe o programa no sitehttp://www.openoffice.org.br/.Instalação MonousuáriaInstalando do CD em Sistemas UNIX 1. Faça o Log On com o seu usuário (direitos de administrador do sistema não são requeridos para a instalação monousuária). 2. Inicie a interface gráfica (X Window). 3. Vá até o diretório de instalação no CD. Em um CD de instalação multi-plataforma, os arqui- vos de instalação podem ser encontrados em: • Solaris/Sparc para Solaris™Operating Environment (plataforma SPARC®) - Solaris OE (SPARC); • Solaris/Intel para Solaris™Operating Environment (plataforma x86) - Solaris OE (x86); • Linux para Linux. 22
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF 4. Inicie o programa de instalação com o comando: ./setup Instalando a partir do Disco Rígido em Sistemas Unix 1. Faça o Log On com o seu usuário (direitos de administrador do sistema não são requeridos para a instalação monousuária). 2. Inicie a interface gráfica (X Window). 3. Vá até o diretório que contém o arquivo de instalação compactado. 4. Descompacte o arquivo de instalação compactado em um diretório temporário, através de uma ferramenta gráfica ou do terminal, com o comando: tar -xzf OOo_1.1.x_LinuxIntel_install.pt-br.tar.gz (Este comando criará um novo diretório nomeado OOo_1.1.x_LinuxIntel_install) 5. Abra uma janela de console em uma seção X. Nota: o programa de instalação deverá ser executado dentro de uma seção X. Ele não será executado através da linha de comando. 6. Execute os seguintes comandos: cd /<diretório_temporário>/OOo_1.1.x_LinuxIntel_install e depois: ./setup (substitua <diretório_temporário> pelo diretório onde você descompactou o arquivo. Se você não usou um diretório temporário, execute apenas cd /OOo_1.1.x_LinuxIntel_install) Com essas duas formas, você terá iniciado a instalação do BrOffice . Agora é só continuar oprocesso seguindo os passos que o próprio instalador do BrOffice oferece. Caso tenha dúvidas,acesse o guia de instalação ou coloque uma mensagem no Fórum de discussão sobre instalação.Dica para quem usa o sistema operacional linux Debian: Para instalar o BrOffice , você deve entrarem um terminal e digitar: Entre como usuário root:su -password: (digite o password de root)edite o arquivo /etc/apt/sources.listinclua a linha:deb http://ftp.unicamp.br/pub/openoffice sid main contrib => para SIDdeb http://ftp.unicamp.br/pub/openoffice stable main contrib => para STABLEencerre salvando o arquivo...dê os comandos...apt-get updateapt-get install openoffice -l10n-pt-br 23
  • Capítulo 4Writer (Texto)4.1 Introdução4.1.1 Objetivo educacional Ao final deste curso, o aluno será capaz de reconhecer as ferramentas do Writer, sabendomanipulá-las e podendo produzir todos os tipos de documentos no formato texto.4.1.2 Habilidades e Competências a serem desenvolvidas O aluno será capaz de: • Criar documentos • Reconhecer e utilizar o software e suas principais ferramentas4.1.3 Conceitos a serem abordados • Sobre o writer, abertura do writer • Zoom • Edição de Textos • Gravação e abertura de um documento4.1.4 Situação de contexto e problema proposto Informática na educação provavelmente é algo que você já ouviu falar. Afinal, onde, hoje emdia, não há um computador? Podemos vê-los nas escolas, nas lojas, nos bancos, no trabalho,em vários lugares. Não é à toa que, ao procurar uma escola para seu filho(a) você sempre vaiouvir falar em laboratório de informática, aulas de informática. Mas por quê? Tal como saberler e escrever, é fundamental incluir um conhecimento básico de informática às necessidades detodos. Como trabalhar, ir ao banco, se relacionar com pessoas distantes, enfim, como viver semusar um computador, um terminal, etc.?Já se fala muito em inclusão digital, já que é necessário e fundamental, esse conhecimento.A informática na educação pode ser utilizada de várias formas, o computador serve tanto para o 24
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFprofessor organizar suas aulas, materiais, notas, quanto ao aluno para a realização de trabalhos,organização de suas coisas, até para fazer seus horários, por exemplo. Também não podemosesquecer que o computador possui ferramentas multimídia como o som e o microfone, podendoauxiliar aulas de várias maneiras.Veremos aqui, com exemplos que envolvem o computador como meio ou fim, o quanto a in-formática nos ajuda. Com a ferramenta Writer do BrOffice de edição de textos, aprenderemos afazer várias tarefas que são requeriodas em nosso dia a dia.4.1.5 O que é um editor de texto O editor de texto, de um modo geral, é o programa que substitui a velha máquina de escre-ver, ou seja, o programa no qual digitamos os nossos documentos: cartas, currículos, ofícios,dentre outros. Mas sua utilidade vai muito além do digitar e apagar. Ele permite formatar o textoaplicando fontes (tipos de letras) e tamanhos diferentes, e inserindo gráficos, figuras, imagens,equações, entre outros objetos. Os editores de textos têm os seguintes recursos: • digitar, formatar, copiar, recortar e colar textos, configurar páginas; • inserir campos de data e hora, autor, local e nome do arquivo, número da página; • visualizar impressão; • inserir cabeçalho, rodapé, tabelas e marcadores; • aplicar bordas, molduras; • ilustrar com desenhos ou figuras, realizar correção ortográfica, entre outros.4.2 Ambiente e comandos básicos4.2.1 Acessando o Writer Antes de começar, devemos abrir editor de textos Writer. Para acessá-lo é bastante simples.-Para quem usa sistema operacional Linux:-Se você estiver usando o gerenciador de janelas gnome, basta, na área de trabalho, clicar em:Aplicações>Escritório>OpenOffice 2.0 Writer, como mostra a figura. 25
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF -Se você estiver usando o gerenciador de janelas KDE, basta, na ária de trabalho, clicar em:K>Office>OpenOffice 2.0 WriterHá também casos em que o BrOffice está situado em: K>Escritório e Utilitários>OpenOffice.org.br2.0>OpenOffice.org.br 2.0 Writer-Para quem usa sistema operacional Windows: Clique no menu iniciar>Todos os programas>OpenOffice >OpenOffice Writer 26
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Pronto, agora é só começar o trabalho!4.2.2 Familiarizando-se com o ambiente de trabalho A figura abaixo apresenta o ambiente de trabalho do Writer com alguns componentes indica-dos: 27
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Observe na ilustração acima que a tela principal do writer possui: a Barra de Menu (1) comos comandos Arquivo, Editar, Exibir, Inserir, Formatar, Ferramentas, Janela e Ajuda. Logo abaixotemos a Barra de Funções (2) (funções para a Internet, manipulação de arquivos e etc.) e abaixodesta a Barra de Objetos (3) (funções de formatação de fontes e parágrafos). As duas últimasformam a barra de ferramentas.Após as barras temos a régua e a área de edição onde estará o texto. A linha pontilhada de-marca a área editável e o tamanho do papel.Sobre a área de trabalho há uma barra flutuante denominada Estilos de Parágrafo (4). Estabarra pode ser movida para qualquer parte da tela ou mesmo ficar oculta. Para isso pressione<F11> e para voltar a vê-la pressione <F11> novamente.Na parte inferior do aplicativo existe a Barra de Status (5) com informações sobre o documentocomo o número de páginas, tipos de parágrafos, tamanho da área de trabalho, etc.4.2.3 Zoom Antes de iniciarmos o estudo e o uso do Writer é recomendável efetuarmos um ajuste no ta-manho da área visual do texto, ou ajustar a área de trabalho que nesse momento vemos que éde 100% na Barra de Status. Para isso, temos as seguintes formas de ajuste do zoom: • Pode-se clicar 2 vezes no 100% que acabamos de ver na Barra de Status; • Pode-se manter pressionada a tecla Ctrl e ajustar o zoom movendo o botão de rolagem do mouse (mouse scroll); • Pode-se clicar no Menu Exibir > Zoom. Para este último, na caixa de diálogo que aparece, você poderá alterar o zoom de acordocom o trabalho que esteja realizando e/ou de acordo com sua preferência. Observe que o valorescolhido será o apresentado na Barra de Status.4.2.4 Edição de textos A edição de textos no writer é idêntica a praticamente qualquer editor de textos. A seguirserão listadas opções úteis e possíveis no processo de edição de textos. 28
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF4.2.5 Apagar caracteres Toda remoção de caracteres será realizada a partir da posição do cursor no texto. Teclado Ação <BackSpace> Apaga o caracter à esquerda do cursor <Ctrl> + <BackSpace> Apaga a palavra à esquerda do cursor <Ctrl> + <Del> Apaga a palavra à direita do cursor <Del> Apaga o caracter à direita do cursor4.2.6 Edição de textos Os conjuntos de teclas seguintes permitem posicionar rapidamente o cursor em um determi-nado ponto do texto. Teclado Ação <Ctrl> + <End> Posiciona o cursor no final do texto <Ctrl> + <Home> Posiciona o cursor no início do texto <Ctrl> + <Seta para direita> Move o cursor uma palavra para frente <Ctrl> + <Seta para esquerda> Move o cursor uma palavra para trás <End> Posiciona o cursor no fim de uma linha <Home> Posiciona o cursor no início de uma linha <PgDn> Posiciona o cursor em uma página visível abaixo <PgUp> Posiciona o cursor em uma página visível acima <Seta p/ baixo> Posiciona o cursor uma linha para baixo <Seta p/ cima> Posiciona o cursor uma linha para cima <Seta p/ direita> Coloca o cursor uma posição para a direita <Seta p/ esquerda> Coloca o cursor uma posição para a esquerda4.2.7 Seleção de textos Estas ações são ideais para manipular blocos de texto. Teclado Ação <Ctrl> + <A> Seleciona todo o texto <Ctrl> + <Shift> + <End> Seleciona o texto abaixo a partir da posição do cursor <Ctrl> + <Shift> + <Home> Seleciona o texto acima a partir da posição do cursor <Ctrl> + <Shift> + <Seta para direita> Seleciona o texto uma palavra para a direita <Ctrl> + <Shift> + <Seta para esquerda> Seleciona o texto uma palavra para a esquerda <Shift> + <Seta para baixo> Seleciona o texto abaixo a partir da posição do cursor <Shift> + <Seta para cima> Seleciona o texto acima a partir da posição do cursor <Shift> + <Seta para esquerda> Seleciona o texto à esquerda a partir da posição do cursor <Shift> + <Seta para direita> Seleciona o texto à direita a partir da posição do cursor4.2.8 Gravando e abrindo um texto Gravando um texto 29
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Agora que já sabemos o básico de como escrever um texto no Writer, nos falta saber comogravamos este texto na memória do computador ou em um disquete. Para isso, clique no menuArquivo>Salvar ou clique no disquete desenhado na barra de ferramentas. Logo após, será apre-sentada a caixa de diálogo Salvar como, como é mostrado agora (esta caixa de diálogo pode serdiferente dependendo do sistema operacional usado). Nesse instante, escreva no campo Nome do Arquivo, o nome do arquivo a ser gravado. Casoqueira gravar o arquivo com senha, selecione a opção Salvar com senha. Agora é só clicar emsalvar. -Abrindo um texto Para abrir um texto salvo no seu computador basta clicar no menu Arquivo>Abrir ou clicar napasta amarela desenhada na barra de ferramentas. Selecione o texto salvo e clique no botãoAbrir da caixa de diálogo Abrir. Pronto, você visualizará o seu texto.4.2.9 Gerando arquivos PDF Um dos recursos mais interessantes do BrOffice é a possibilidade de exportar os arquivos noformato PDF (Portable Document Format). Este é um tipo de arquivo que, depois de criado, nãopode mais ser editado. Os arquivos neste formato podem ser abertos com o software gratuitoAcrobat Reader (disponível tanto para Windows quanto para Linux), facilitando assim a elabora-ção e distribuição de documentos.Podem ser exportados para PDF quaisquer documentos criados ou abertos pelo BrOffice , sejameles, textos, planilhas, apresentações, desenhos, imagens, etc.Para salvar um arquivo em PDF clique no botão 30
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF na barra de funções ou na barra de menu em Arquivo e depois em Exportar para PDF. Seráaberta esta tela (dependendo do sistema operacional utilizado, o layout desta tela poderá serdiferente): Nesta tela digite o nome do arquivo e indique a pasta onde ele será arquivado.Em seguida clique em Exportar. Lembre-se que será necessário algum programa que leia arqui-vos do tipo PDF para abrir o arquivo criado.4.3 Formatando Textos4.3.1 Introdução AAté agora, já aprendemos o básico de como operar o Writer. Vamos continuar o nossoaprendizado indo mais a fundo no estudo da formatação de textos. No decorrer das próximaslições, daremos continuidade ao estudo. Conceitos a serem abordados • Seleção e formatação de textos • Alinhamento de parágrafo e tabulação • Estabelecimento de marcas e numeração • Corretor Ortográfico 31
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF4.3.2 Selecionando e formatando um texto A formatação do texto consiste na seleção de um entre diversos tipos de fonte, tamanhos,efeitos e cores para o texto. Mas antes de alterarmos a formatação, devemos selecionar o textoem questão, pois precisamos dizer ao computador qual parte do texto queremos formatar. Pode-mos fazer isso clicando e segurando o botão esquerdo do mouse no início do texto e arrastando-oaté o final. Isso também funciona se começarmos pelo final e arrastarmos até o início.Outra forma de selecionar o texto é posicionar o cursor no início (ou final) da palavra, segurara tecla SHIFT e apertar as SETAS do teclado até chegar ao final (ou início) do texto. Com o textoselecionado faça:Menu Formatar>CaracterSerá aberta uma caixa de diálogo de formatação de fonte, onde é possível formatar os seguintesaspectos, por exemplo: Configurando as fontes: • Fontes e Tamanho - escolha em cada lista o tipo e tamanho de letra desejado para o trecho selecionado. • Estilo - para a Fonte e Tamanho escolhidos pode-se optar por tipos de letras: normal, ne- grito, itálico ou negrito e itálico simultâneos. • Sublinhado - Há as seguintes opções: nenhum, simples, somente palavras, duplo ou ponti- lhado. • Cor - escolha a cor do texto. Usado geralmente para impressoras coloridas ou para obter melhor efeito em tela. 32
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Efeitos da fonte: • tachado (exemplo) : usado em revisões. • sobrescrito ( m2 ) : reduz o tamanho da fonte original e eleva 3 pts a partir da linha base (imaginária logo abaixo da linha de texto). • subscrito ( H2O ): reduz o tamanho da fonte original e rebaixa 3 pts a partir da linha base.4.3.3 Alinhamento de parágrafo e tabulação O alinhamento de texto é uma ferramenta que não pode ser esquecida ao se produzir umtexto, pois o deixa mais elegante, mais fácil de ler e melhor posicionado com relação às margens.Posicione o cursor no parágrafo que deseja alinhar antes de fazê-lo. Através do Menu Forma-tar>Parágrafo , na aba alinhamento, você encontrará quatro formas de alinhamento de texto. O texto fica alinhado com as margens esquerda e direita do documento, para não haver di-ferença no tamanho das linhas.es de fazê-lo. Através do Menu Formatar>Parágrafo , na abaalinhamento, você encontrará quatro formas de alinhamento de texto: • À esquerda O texto fica alinhado com a margem esquerda do documento, mas não há preocupação com a parte da direita do texto, onde há a mudança de linha. • Centralizado O texto fica bem no centro do documento. Muito utilizado em títulos. • À direita O texto fica alinhado com a margem direita do documento, mas não há preocupação com a parte da esquerda do texto, que é o início das linhas. • Justificado O texto fica alinhado com as margens esquerda e direita do documento, para não haver diferença no tamanho das linhas. 33
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Na aba Recuos e Espaçamento você define o recuo, espaçamento do parágrafo e as entreli-nhas. É possível observar modificações no visualizador do lado esquerdo. • Recuo: Esta seção trabalha com avanço de parágrafo da esquerda e da direita e recuo específico para a primeira linha, inclusive com valores negativos. • Espaçamento: Utilize este comando para determinar o espaço antes e depois do parágrafo onde se encontra o cursor. • Espaçamento de linhas: Define o espaço entre cada linha do mesmo parágrafo. Existem várias opções disponíveis, algumas com valores que poderão ser definidos a seu critério. 34
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Você pode formatar listas de duas maneiras, com números (Listas Numeradas) ou com carac-teres especiais (Listas com Marcadores).4.3.4 Marcas e numeração Você pode formatar listas de duas maneiras, com números (Listas Numeradas) ou com carac-teres especiais (Listas com Marcadores). 1. Selecione o texto a ser transformado em lista; 2. Clique no botão Ativar/Desativar Numeração ou no botão Ativar/Desativar Marcadores; A sua lista será formatada com marcadores ou com números. Para alterar a formatação das listas (números ou marcas), proceda da seguinte maneira: 1. Clique no menu Formatar; 2. Escolha a opção Marcadores/Numerações 3. A seguinte tela será apresentada. Clique na aba desejada. 35
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Para alterar a numeração, clique na aba Tipo de Numeração. Para alterar as marcas, cliquena aba Figuras. Escolha uma das opções e clique no botão OK. A maneira mais simples de se criar uma lista com vários níveis é seguir os passos abaixo: Antes de digitar a lista, escolha: 1. Clique no menu Formatar; 2. Clique em Numeração/Marcadores; 3. Clique na Aba Estrutura de Tópicos; 4. Escolha a estrutura desejada; 5. Clique em OK. Irá aparecer no seu texto, a primeira marcação (ou numeração); 6. Digite o primeiro elemento da lista e pressione Enter; Na linha seguinte irá aparecer a próxima marcação. Se necessário subordinar o elemento(rebaixá-lo) pressione TAB ou clique no botão Aumentar Recuo localizado na Barra de Formata-ção de texto. Se necessário elevar um elemento (promovê-lo), pressione SHIFT+TAB ou clique no botãoReduzir recuo localizado na Barra de Formatação de texto.4.3.5 Corretor Ortográfico Textos formais como currículos, manuais técnicos e relatórios, ofícios, pautas etc, não devemapresentar erros de ortografia para, entre outros fatores, não perderem sua credibilidade. Parasolucionar o problema, o Writer incorporou uma série de ferramentas que possamos a analisar. • Verificar ortografia 36
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF – Original: A palavra em questão é mostrada exatamente como foi digitada no texto. Quando a palavra estiver incorreta, aparecerá um ícone com “X” vermelho. Digitando corretamente a palavra ou selecionando o campo de “Sugestões” , um ícone com “visto” verde surgirá informando que a palavra está correta. – Palavra: A palavra aparece escrita como no campo Original para que você possa ma- nualmente corrigi-la. – Sugestão: Aparecerá uma lista de possíveis sugestões para correção da palavra er- rada. – Idioma: Apresenta o idioma com o qual o Writer está trabalhando. – Dicionário: Neste campo você define qual dicionário irá acrescentar as palavras. – Auto Correção: Pressione este botão para acrescentar duas palavras (a incorreta e a correta) para a correção automática. – Dicionário de Sinônimos: Pressione este botão para abrir a Caixa de diálogo de Sinô- nimos. • Verificação Automática Para selecionar essa opção, basta clicar no ícone localizado na Barra de Funções. Feito isso, qualquer tipo de erro na palavra digitada será destacado com um sublinhado vermelho. Se você posicionar o cursor sobre a palavra su- blinhada e clicar com o botão direito, você obterá uma lista de sugestões para substituir a palavra em destaque. Se você cometer o mesmo erro novamente, enquanto digita o docu- mento, ocorrerá a correção automática.4.4 Organização e padronização de textos4.4.1 Introdução Ao final desta lição, você será capaz de produzir documentos utilizando recursos mais apri-morados de edição e formatação, como cabeçalhos e rodapés, e facilidades como o auto texto,compreendendo seu funcionamento e identificando suas principais características e funcionalida-des. Conceitos a serem abordados • Auto texto • Visualização de página • Cabeçalho • Rodapé • Notas de rodapé 37
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF4.4.2 Auto-texto O que é e para que serve o Auto Texto?É uma ferramenta que possibilita você inserir um texto específico em muitos documentos dife-rentes, não necessitando ser digitado a cada vez. Note-se que além de texto pode incluir figuras.Portanto, é muito útil para não ter que digitar novamente cabeçalhos, endereçamentos, finais decartas. O Writer permite que você utilize tal recurso.Criação de uma Entrada de Auto Texto 1. É uma ferramenta que possibilita você inserir um texto específico em muitos documentos diferentes, não necessitando ser digitado a cada vez. Note-se que além de texto pode incluir figuras. Portanto, é muito útil para não ter que digitar novamente cabeçalhos, endereçamen- tos, finais de cartas. O Writer permite que você utilize tal recurso. 2. Escolha Editar - AutoTexto. Ou pressione a combinação <Ctrl> + F3. 3. Selecione a categoria em que deseja armazenar o AutoTexto. 4. Digite um nome que contenha mais que quatro caracteres. Isso lhe permite usar a opção de AutoTexto: Exibir o restante do nome como sugestão durante a digitação. Se desejar, você pode modificar o atalho proposto. 5. Clique em AutoTexto e, em seguida, escolha Novo.Para inserir um AutoTexto, faça o seguinte: 1. Clique no documento em que deseja inserir uma entrada de AutoTexto. 2. Escolha Editar - AutoTexto. 3. Selecione o AutoTexto que você deseja inserir e, em seguida, clique em Inserir. Você também pode digitar o atalho para uma entrada de AutoTexto e, em seguida, pressionarF3. Outra alternativa seria dar um longo clique no ícone Editar AutoTexto na Barra de Ferramen-tas Principal e, em seguida, escolher uma entrada de AutoTexto.Observação: Para inserir rapidamente uma fórmula matemática, digite "FN"e, em seguida, pres-sione F3. Se você inserir mais de uma fórmula, elas serão numeradas seqüencialmente. Parainserir texto provisório, digite "TP"e pressione F3.4.4.3 Visualização da página Para trabalhar com cabeçalhos e rodapés necessitamos do recurso Visualizar Página, poisfacilita na observação de como ficará o documento. Assim, abra um documento qualquer (podeser seu currículo, por exemplo), em seguida duplique o texto de forma que se obtenham duas outrês páginas. Para tanto, selecione todo o texto em Editar – Selecionar Tudo, copie-o em Editar -Copiar e cole-o em Editar - Colar o n° de vezes que julgar necessário.Após executar a duplicaçãodas páginas, posicione o cursor em modo de edição na primeira linha do texto da primeira página.Para verificar o texto e observar como ele será impresso existem duas opções: 38
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF 1. execute a seguinte seqüência de comandos: Menu Arquivo>Visualizar Página; 2. clique no ícone mostrado abaixo: Após a execução do comando anterior, são apresentadas no vídeo as páginas atualmenteexistentes, como mostra a figura abaixo. Utilize os ícones de zoom na Barra de Objetos para reduzir ou ampliar a exibição da página. Utilize as teclas ou os ícones de seta na Barra de Objetos para percorrer o documento. Para retornar ao modo de edição, dê um clique sobre o botão Fechar Visualização da barrade objetos. Uma outra opção seria clicar no mesmo ícone usado para abrir essa janela. 39
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF4.4.4 Criação de cabeçalho O cabeçalho é o texto que aparecerá em todas as páginas a serem escritas. É uma ótimaopção para quem quer economizar tempo digitando o mesmo texto em todas as páginas. Parainserir cabeçalhos e necessário executar o comando:Menu Inserir>Cabeçalho>PadrãoNesse instante é aberta uma área sobre o texto (topo da área de edição), na qual deve serdatilografado o cabeçalho. Nesse caso, informe o texto a ser inserido, por exemplo:Universidade de Brasília - UNBDepartamento de Ciências da ComputaçãoObserve na ilustração a seguir a visualização das páginas com a inserção do cabeçalho.O texto do cabeçalho pode ser formatado normalmente como qualquer texto, bastando selecioná-lo. Pode-se formatar normalmente o cabeçalho assim como inserir figuras, auto texto e outrasinformações que você desejar. No caso o cabeçalho se torna uma área comum de edição detextos. Experimente!4.4.5 Criação de rodapé O rodapé é, como o cabeçalho, um texto que aparece visível em todas as páginas, mas no"pé"da folha. Pode ocorrer, por exemplo, de apresentar-se no rodapé a numeração das páginas.Para inserir rodapés, primeiramente feche o modo de visualização de páginas se estiver em uso.Em seguida execute o comando: 40
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFMenu Inserir>Rodapé>PadrãoSerá aberta sob o texto (parte inferior da área de edição) a área definida para o rodapé. Estapode ser formatada como você quiser. Em seguida, é necessário solicitar que seja distribuídoo número de páginas a essa área. É o que vamos fazer agora. Execute o comando: Menu In-serir>Campos>Número de paginas O número é posicionado diretamente no rodapé do texto,o qual também pode ser formatado. No caso, apenas centralizamos a numeração para facilitara visualização. Você pode observar também que nesta opção existem outras informações alémdo número de páginas, como data, hora, título, autor, etc. Todas têm utilidade e podem ser uti-lizadas quando você quiser ou achar necessário. A ilustração seguinte mostra a ocorrência queacabamos de executar.4.4.6 Criando Nota de Rodapé As notas de rodapé inserem mensagens explicativas na base do documento de texto. É ne-cessário posicionar o cursor num determinado ponto do texto, de preferência logo após a palavrapara a qual se deseja criar, e executar o comando necessário.Seguindo essa diretriz, posicione o cursor sobre a palavra desejada ou digite-a. Em seguidaexecute o comando:Menu Inserir>Nota de rodapéSerá apresentada a caixa de diálogo inserir nota de rodapé, a qual é possível determinar umanumeração automática (automático) ou algum caracter em específico (caracter). É possível de-terminar também se a nota de rodapé será apresentada ao final da página (nota de rodapé) ou 41
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFno final do documento (nota de fim). Mantenha nesse caso as seleções padrão e acione o botãoOK. A ilustração a seguir apresenta a referida caixa de diálogo. Em seguida, na base do documento será inserida uma linha horizontal e, abaixo desta, é in-serida a área que será utilizada para informar a nota explicativa. Para esse exemplo informe oseguinte texto:1.Autor do texto - "seu nome"Isso pode ser feito para várias notas de rodapé. Uma nova nota pode ser inserida antes deuma outra que tenha sido previamente informada. Nesse caso, a numeração será ajustada auto-maticamente, sendo válido também este conceito para remoção de notas de rodapé existentes.Veja na figura abaixo como ficou nosso texto: 42
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF4.5 Tabelas4.5.1 Introdução Ao final desta lição, o aluno será capaz de produzir documentos com tabelas informativas esaber manipulá-las corretamente. Conceitos a serem abordados • Tabelas – Alterar largura das colunas e altura das linhas – Selecionar colunas e linhas – Inserir novas colunas e linhas – Excluir colunas e linhas – Alterar a formatação das bordas da tabela – Mesclar e dividir células 43
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF4.5.2 Inserindo Tabelas Para inserir uma tabela existem várias maneiras.Você pode ir ao Menu Inserir>Tabelas ouMenu>Tabela>Inserir>Tabela. O mesmo aconteceria ao digitar <Ctrl+F12> ou simplesmente aoclicar no ícone localizado na Barra de Funções. Será aberta uma janela onde temos os comandos básicospara configuração da tabela, como "Nome". Na área "Tamanho"podemos definir a quantidadede colunas e linhas. Na área de "Opções"você especifica o comportamento da tabela que seráinserida. Algumas alterações estão disponíveis: • Cabeçalho : Marque esta opção para que a primeira linha da tabela tenha uma configuração diferente, ou seja, seja tida como o cabeçalho da tabela. • Repetir cabeçalho: Esta opção reproduz o cabeçalho em todas as páginas da tabela. • Não dividir tabela: Marque esta opção para garantir que sua tabela não seja dividida, mesmo estando no final da página. • Borda: Caso queira que sua tabela apresente bordas, marque esta opção. • AutoFormatação: Pressionando este botão, você encontrará vários layouts de tabelas pre- definidos. Escolha um deles e clique em OK para utilizar algum deles. Indo ao Menu>Exibir>Barra de Ferramentas>Tabela será exibida uma caixa com todas asferramentas necessárias para alterar a sua tabela.4.5.3 Largura e altura das linhas Alterar largura das colunas e altura das linhas Você pode alterar a largura de uma coluna posicionando o mouse sobre as linhas verticais databela e arrastando a linha para a esquerda ou para a direita. Para alterar a altura de uma linhaa diferença é que você posiciona o mouse sobre as linhas horizontais, arrastando para cima oupara baixo.Você pode também definir uma medida em centímetros para a coluna. Para fazer isso, faça oseguinte: 1. Dê um clique com o botão direito do mouse em qualquer região da tabela; 2. Selecione a opção Coluna>Largura; 3. Escolha a coluna que você deseja alterar e digite a nova medida para a largura; 4. Clique em OK. 44
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF O procedimento para alterar a altura da linha é bem parecido: 1. Dê um clique com o botão direito do mouse na linha que será alterada; 2. Selecione a opção Linha>Altura; 3. Digite a nova medida para a altura; 4. Clique em OK. Selecionar colunas e linhas É possível alterar a formatação do texto de uma coluna ou linha inteiras. Basta selecionar acoluna ou linha para fazê-lo.Para selecionar uma coluna: 1. Dê um clique com o botão direito do mouse em uma das células da coluna que deseja selecionar; 2. Selecione a opção Coluna>Selecionar;Para selecionar uma linha: 1. Dê um clique com o botão direito do mouse em uma das células da linha que deseja seleci- onar; 2. Selecione a opção Linha>Selecionar;4.5.4 Inserir novas colunas e linhas Para inserir novas colunas em uma tabela, siga os seguintes passos: 1. Dê um clique com o botão direito em uma das células da tabela; 45
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF 2. Escolha a opção Coluna>Inserir; 3. Selecione a quantidade de colunas a serem inseridas; 4. Escolha onde você deseja inserir as colunas, antes (esquerda) ou depois (direita) da célula onde está o cursor; 5. Clique em OK. Para inserir novas linhas em uma tabela, siga os seguintes passos: 1. Dê um clique com o botão direito em uma das células da tabela; 2. Escolha a opção Linha>Inserir; 3. Selecione a quantidade de linhas a serem inseridas; 4. Escolha onde você deseja inserir as linhas, antes (acima) ou depois (abaixo) da célula onde está o cursor; 5. Clique em OK. Excluir colunas e linhas Para excluir uma coluna: 1. Dê um clique com o botão direito em uma das células da coluna que deseja eliminar; 46
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF 2. Escolha a opção Coluna>Eliminar; Para excluir uma linha: 1. Dê um clique com o botão direito em uma das células da linha que deseja eliminar; 2. Escolha a opção Linha>Eliminar4.5.5 Manipulação de tabelas Alterar a formatação das bordas da tabelaPara alterar a formatação das bordas da tabela faça o seguinte: 1. Selecione a tabela; 2. Vá ao Menu Tabela>Propriedades da tabela; 3. Selecione a aba Bordas; 4. Selecione a borda desejada. Mesclar e dividir células Mesclar células significa juntar células, ou seja, tornar duas ou mais células selecionadas emuma só. Para mesclar células, faça: 1. Selecione as células a serem mescladas (duas ou mais); 2. Vá ao Menu Tabela>Mesclar células;Você também pode dividir uma célula em duas, fazendo o seguinte caminho: 1. Posicione o cursor na célula a ser dividida; 2. Vá ao Menu Tabela>Dividir Células; 3. Selecione a quantidade de partes que a célula será dividida; 4. Selecione a forma de divisão (horizontalmente ou verticalmente); 5. Clique OK. 47
  • Capítulo 5Calc (Planilha)5.1 Introdução as planilhas eletrônicas5.1.1 Introdução ObjetivoO objetivo desta lição é familiarizar o participante com o conceito de planilha eletrônica, assimcomo começar a direcionar seu pensamento para a utilização desta ferramenta na resolução deproblemas matemáticos, administrativos ou estatísticos encontrados no cotidiano.Habilidades e Competências a serem desenvolvidasHabilidades a serem desenvolvidas: • Como entender um problema; • O que é um problema estatístico; • Trabalhar com quantidade e qualidade; • Reter e memorizar informações;Competências a serem desenvolvidas: • Ser capaz de entender o que é uma planilha eletrônica e que tipo de problemas é possível se resolver com uma planilha eletrônica.Conceitos a serem abordados • Planilha eletrônica; • Por que utilizar uma planilha eletrônica; • Principais características de uma planilha eletrônica; • Introdução aos menus do Calc Situação de contexto e problema propostoPor se tratar de uma lição introdutória o desafio que propomos é familiarizar-se com o conceitode planilha eletrônica e tentar entender como seus recursos podem ser úteis na resolução deproblemas do cotidiano. 48
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF5.1.2 Fundamentos teóricos e conceituais O que é uma planilha eletrônica?Uma planilha eletrônica é um programa aplicativo capaz de manipular diversos tipos de dadosem formato de tabelas, efetuando operações matemáticas, estatísticas e financeiras, dentre ou-tras aplicações. Podemos usar uma planilha eletrônica tanto para controlar despesas quanto paracalcular custos industriais ou empresariais, ou até mesmo como ferramenta de auxilio em traba-lhos puramente administrativos, afinal, dados organizados em tabelas ou gráficos costumam sermais facilmente entendidos. Uma planilha eletrônica possui muito mais recursos do que uma simples calculadora, issopode ser observado levando-se em conta seus recursos de criação de gráficos e interação comoutros aplicativos no computador.Por que utilizar uma planilha eletrônica? Quais são suas aplicações na vida prática?De certa forma, utilizar uma planilha eletrônica é o mesmo que efetuar cálculos, anotando-osem uma folha de papel com uma caneta ou um lápis. A diferença está no fato de que os dadosdos cálculos e seus resultados ficam na tela do computador, sendo facilmente reaproveitados emcálculos posteriores e automaticamente corrigidos, em caso de qualquer alteração em sua basede cálculo. Por maior que possa ser a memória de sua calculadora, ela será infinitamente menorque a capacidade de armazenar dados, cálculos, fórmulas, operações e resultados de sua plani-lha. Um software de planilha eletrônica como o Calc possui inúmeras aplicações em nossa vidaprática, auxiliando desde o orçamento doméstico de nossa casa ao plano de orçamento anual ouplurianual de um país. Outros exemplos de aplicação de uma planilha eletrônica seriam a análisedas tendências do mercado acionista, o cálculo do lucro das vendas mensais de uma loja ou,ainda, a curva de notas para aprovação de candidatos em um vestibular.5.1.3 O que é uma planilha eletrônica? A planilha é o principal documento utilizado pelo Calc para armazenar e trabalhar com infor-mações. Uma planilha consiste de células que são organizadas em linhas e colunas. Tais linhase colunas são utilizadas para criação de tabelas com somas, totais e outros cálculos. Uma planilha é uma grade retangular com linhas e colunas. As colunas são identificadas porletras e as linhas por números. O retângulo no cruzamento (intersecção) de uma coluna com umalinha é chamado de célula. 49
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Cada planilha se compõe de colunas e linhas, cuja intersecção delimita as células:Colunas: Estão dispostas na posição vertical e são identificadas da esquerda para a direita, co-meçando com A até Z. Depois de Z, são utilizadas 2 letras: AA até AZ, que são seguidas por BAaté BZ, e assim por diante, até a última (IV), num total de 256 colunas.Linhas: Estão dispostas na posição horizontal e são numeradas de 1 até 32.000. Portanto, aintersecção entre linhas e colunas gera 8.192.000 células disponíveis.5.1.4 Acessando o Calc Antes de começar, devemos abrir editor de textos Calc que também é conhecido como Plani-lha. Daqui para frente, tanto Calc como Planilha (com P maiúsculo) estarão se referenciando omesmo software, ou seja, a planilha eltrônica. Para acessá-la é bastante simplesPara quem usa sistema operacional LinuxSe você estiver usando o gerenciador de janelas gnome, basta, na área de trabalho, seguir ospassos abaixo, como mostra figura a seguir: Aplicações > Escritório > OpenOffice 2.0 Calc 50
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Se você estiver usando o gerenciador de janelas KDE , basta, na área de trabalho, clique em:K > OpenOffice.org.br > OpenOffice.org.br CalcHá também casos em que o OpenOffice está situado em: K > Escritório e Utilitários > OpenOf-fice.org.br > OpenOffice.org.br CalcPara quem usa sistema operacional WindowsClique no menu iniciar > Todos os programas > OpenOffice > OpenOffice Calc 51
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF O Calc reconhece os formatos de arquivos de planilhas eletrônicas como Excel (.xls), doMicrosoft Office; StarCalc (.sdc), do StarOffice; Planilha do OpenOffice 1.0 (.swc) e seu novoformato (.ods) para a versão 2.0. Pronto, agora é só começar o trabalho!5.1.5 Tela Inicial A tela inicial do Calc é composta por vários elementos: 52
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Descrição dos principais elementos: Barra de Título Apresenta o o nome do arquivo e o nome do aplicativo e que está sendo usado no Barra de Menus Permite o acesso aos menus suspensos onde estão as listas de comandos e funç Barra de Funções Possibilita salvar arquivo, abrir arquivo, imprimir, copiar, recortar, colar e outros. Barra de Objetos Apresenta os ícones de formatação mais utilizados. Barra de Fórmulas Possui 2 campos, no primeiro está a identificação da célula ativa ou o intervalo de Área para uso Digitar os dados e fazer as operações desejadas aqui Barra de Status Apresenta o número de páginas / total de páginas, o valor percentual do Zoom e o Barra de Ferramentas Apresenta atalho para funções muito utilizadas como: verificar ortografia, localizar Alça de preenchimento Marca existente no canto inferior direito da célula que é usada para copiar e criar As opções de uso mais freqüente podem também ser encontradas em outras barras, queestão sob a Barra de Menu, sob a forma de ícones (os botões). Cada botão é um atalho quepermite executar uma tarefa de forma mais rápida, usando um número menor de cliques.5.1.6 Barras Barra de Menus 53
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Cada uma das opções de menu possui sub opções para tarefas específicas como: salvamentode arquivo, localização e substituição de informações na planilha, ajuste de zoom, formatação doscaracteres, verificação de ortografia, filtragem de dados, organização de janelas, entre outras. Al-gumas dessas opções podem ser encontradas nas barras de ferramentas que, como já sabemos,apresentam pequenos botões que usamos para realizar as tarefas mais comuns (ou mais repeti-tivas). Barras de Ferramentas As barras de ferramentas oferecem uma alternativa à utilização dos menus para execuçãodas funções mais empregadas, como abrir arquivo, salvar, imprimir, copiar e colar, formatar fon-tes, centralizar, etc. Essas barras podem ser exibidas ou ocultadas clicando em Exibir > Barra deferramentas e escolhendo a barra desejada. Segue abaixo um exemplo desta opção: 54
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Para saber a função de cada botão das barras de ferramentas, posicione o cursor do mousesobre o botão, aguarde um instante e, então, será exibida uma dica sobre a função do botão.São exemplos de barras de ferramentas: barra de funções, barra de objetos, barra de ferramen-tas principal, barra de hyperlinks, barra de fórmulas, entre outras. Veremos a seguir as principaisfunções de algumas destas barras. Barra de Funções Responsável pelas funções mais básicas na edição de uma planilha como: salvar arquivo,abrir arquivo, imprimir, etc. Barra de Objetos A barra de objetos serve para aplicarmos formatação aos objetos. Ela se adapta a cada objetocom o qual estamos trabalhando, ou seja, se trabalhamos com texto, ela se ajusta ao texto, setrabalhamos com uma imagem, ela se ajusta para que possamos determinar as características(formatações) da imagem e assim por diante. Barra de Ferramentas Principal Essa barra apresenta botões de atalho para funções muito utilizadas como: verificar ortografia,localizar, mostrar funções de desenho, entre outras.5.1.7 Menu Arquivo Criar nova planilha Para criar uma nova planilha clique em Arquivo > Novo > Planilha ou pressione e segure atecla Ctrl e aperte a tecla N. 55
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFAbrir planilha existente Para abrir uma planilha existente clique em Arquivo > Abrir ou pressione e segure a teclaCtrl e aperte a tecla O. Uma nova janela irá se abrir: Selecione o arquivo desejado e clique no botão AbrirSalvar planilha 1. Caso seja um arquivo novo ("sem nome") ou se desejar alterar o nome, a localização ou oformato do arquivo: - Clique no menu Arquivo > Salvar Como. Aparecerá uma janela "Salvar Como". 2. Se não desejar mudar o nome, a localização ou a extensão do arquivo: - Clique sobre o botão "Salvar" 56
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF na barra de funções ou no menu Arquivo > Salvar • Na parte superior, selecione o diretório onde se deseja salvar o arquivo. • No campo "Nome do arquivo"digitar o nome desejado para o arquivo. • No campo "Tipo do arquivo"selecionar o tipo do arquivo, ou seja, determinar qual programa o poderá ler. Se houver vários documentos abertos, para salvar todos deve-se clicar no menu Arquivo >Salvar Tudo.Fechar Planilha Clique em Arquivo > FecharSe a planilha não tiver sido salva, aparecerá uma janela com as seguintes opções: • Salvar: Salva o arquivo. • Cancelar: Cancela a operação de salvamento e volta à planilha em questão. • Descartar: Fecha o arquivo sem salvar, perdendo o conteúdo ou as últimas alterações feitas. Observação: sendo um arquivo novo, e ainda sem nome, ao tentar fechá-lo, a mensagemacima também será mostrada.5.1.8 Outros menus Menu editar Como em todo aplicativo do BrOffice , as opções do menu Editar realizam, dentre outras, asseguintes funções: • Recortar: recorta dados da planilha (uma vez colado em outro local da planilha, o recorte desaparece); • Copiar: copia dados da planilha (de uma célula para outra, de uma planilha para outra ou para outro aplicativo); • Colar: cola dados anteriormente copiados; • Selecionar tudo : seleciona tudo para o caso de se desejar copiar todo o conteúdo de uma planilha (para outra planilha ou para outro aplicativo); 57
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF • Localizar e substituir: localiza algum dado específico e substitui por outro.Menu Exibir Através do menu Exibir, pode-se alternar o modo de exibição (Normal, Layout, etc.), exibirou ocultar as barras de ferramentas e a régua, além de alternar entre exibição em tela cheia ounormal. Também permite alterar o zoom (ampliação) da planilha. As barras de ferramentas podem ser exibidas conforme o seu gosto durante o trabalho. Atra-vés do menu Exibir > Barras de Ferramentas podemos escolher a barra que desejamos exibir ouocultar. Seguem abaixo imagens dessas opções: Uma outra maneira de se fazer isso será visto mais adiante no tópico "Barra de ferramentas".Menu Inserir O principais itens do menu Inserir são: • células: permite a inclusão de uma nova célula no local indicado, empurrando as demais para a direita ou para baixo; • linhas: inclui uma nova linha no local indicado, empurrando as demais para baixo; • colunas: inclui uma nova coluna no local indicado, empurrando as demais para a direita; • planilha: cria uma nova planilha dentro do arquivo; 58
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF • função: inclui uma função na célula selecionada; • gráfico: cria um gráfico e o inclui na planilha; • figura: inclui uma imagem (de arquivo ou de biblioteca) na planilha.Menu Formatar Assim como no editor de texto, aqui poderemos formatar diversas características da planilha.As principais opções do menu Formatar são: • Células...: pode-se alterar características como fonte (tipo, tamanho, negrito, itálico e cor), alinhamento, bordas e formato (número, texto, data, etc.) das células selecionadas; • Linha: permite alterar a altura, ocultar ou exibir as linhas selecionadas; • Coluna: permite alterar a largura, ocultar ou exibir as colunas selecionadas; • Página: formata o tipo e as margens da página de impressão; • Intervalo de impressão: define qual área da planilha deverá ser impressa.5.1.9 Endereço ou referência Dá-se o nome Endereço ou Referência ao conjunto das coordenadas que uma célula ocupaem uma planilha. Por exemplo, a intersecção entre a coluna C e a linha 5 é exclusiva da célulaC5, portanto é a sua referência ou endereço. A célula ativa ou célula atual é a que está clicada, ou seja, é aquela na qual serão digitadasos dados nesse momento. Lembre-se: apenas uma célula fica ativa de cada vez e a seleção érepresentada pelas bordas da célula que ficam em negrito. Para mudar a posição da célula ativa utilizam-se as teclas de seta do teclado ou o mouse.5.1.10 Guias ou abas das planilhas Ao iniciar um novo documento você tem a sua disposição, automaticamente, três planilhas(Planilha1, Planilha2 e Planilha3) que são chamadas de guias ou abas. Este recurso permiteagrupar vários trabalhos relacionados em um único arquivo, evitando a necessidade de se abrirdiversos arquivos simultaneamente e simplificando a consolidação dos dados. Clicando sobre as guias pode-se passar de uma planilha para outra, dentro de um mesmoarquivo. A guia da planilha atual ficará destacada. 59
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Os nomes das planilhas aparecem na parte inferior da janela da planilha. Inicialmente estãonomeadas com os rótulos Planilha1, Planilha2 e Planilha3. Se você desejar poderá alterar onome de cada uma delas através dos seguintes passos: 1. Clicar com o botão direito do mouse sobre a guia; 2. No menu de contexto, selecionar a opção "Renomear Planilha"; 3. Na caixa de diálogo "Renomear Planilha", digite o novo nome e clique sobre o botão "OK". Se você desejar poderá inserir novas planilhas através dos seguintes passos: 1. Clicar com o botão direito do mouse sobre a guia; 2. No menu de contexto, selecionar a opção "Inserir Planilha"; Logo em seguida aparecerá a seguinte tela: 1. Posição: onde deve aparecer a nova planilha, antes ou após a planilha atual; 60
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF 2. Planilha: selecionando o campo "Nova Planilha"você poderá adicionar uma ou mais plani- lhas novas, o número de novas planilhas deve ser colocado no campo "Número de Planilha", caso seja apenas uma, esta poderá ter o nome colocado no campo "Nome"; selecionando o campo "Do Arquivo", você poderá adicionar planilhas de quaisquer outros arquivos5.1.11 Linha de Entrada A Linha de Entrada, presente na barra de fórmula, reflete o conteúdo da célula selecionadacom o cursor. Através da linha de entrada, pode-se alterar ou corrigir o conteúdo da célula, comopor exemplo, números ou fórmulas. Os principais tipos de conteúdo de uma célula são: numéricos (números, com ou sem casasdecimais); alfanuméricos (texto); data; e moeda (Rou). A modificação dos tipos de dados poderáser feita através do menu Formatar > Células...5.1.12 Aplicações As planilhas eletrônicas, como foi dito no início desta lição, podem ser utilizadas em inú-meras áreas. As vantagens que as mesmas proporcionam no que diz respeito à organização,manipulação e apresentação dos dados seriam dispensáveis se o software não dispusesse deum ambiente intuitivo. As características do software, a utilização das funções, a disposição domenu, etc.., em softwares que tenham por objeto a mesma aplicação, apresentam característi-cas semelhantes. Assim, tudo aquilo que aprendermos nesta lição, poderá ser usado quandoestivermos utilizando esta ou outra planilha eletrônica para realização de nossos trabalhos. Faremos a seguir uma breve recapitulação desta lição.5.1.13 Recaptulação As planilhas eletrônicas trabalham basicamente com os conteúdos inseridos nas células (cujaposição é a intersecção entre uma linha e uma coluna). Ao clicar em uma célula, a linha deentrada recebe o cursor, e nela será digitado o conteúdo, seja ele um simples número, umafórmula ou função. A célula que contiver uma fórmula ou função apresentará, na planilha (tela),o seu resultado. As fórmulas e as funções podem ter como parâmetro o endereço ou a posiçãode outra célula que contenha um valor ou resultado desejado no novo cálculo. Esses endereçosde outras células que serviram de parâmetro na nova fórmula ou função podem ser digitadosdiretamente na Linha de Entrada ou serem selecionados através do uso do mouse (selecionando-se o intervalo ou a célula na tela). Em uma planilha eletrônica, a tela do computador é dividida em linhas e colunas, formandoretângulos que compõem uma grade. Cada um desses retângulos é chamado de célula. As linhassão numeradas de forma seqüencial (1, 2, 3, 4, 5, 6,...) e às colunas são atribuídas letras (A, B,C, D, E,...). Cada célula pode conter valores numéricos, alfanuméricos (letras e/ou números),fórmulas ou funções. Todo software de planilha eletrônica possui outras ferramentas, como filtro,formatação de células e gráficos, contido em barras de ferramentas ou menus. Estas ferramentasserão estudadas nas lições seguintes. Fazendo referência aos aplicativos anteriores como o editores de texto e apresentação eletrô-nica, o menu de funções em todos eles, apresentam funções que se repetem. É muito importante 61
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFque ganhemos familiaridade com o ambiente que vamos trabalhar. No entanto, existem muitosrecursos que já conhecemos. Um típico exemplo é o menu arquivo. Neste menu as principais fun-ções são para abrir e salvar arquivos, configurar página e impressão e visualizar páginas. Comofoi dito, anteriormente, são semelhantes ao dos outros aplicativos. Então, ficará ao seu cargoinvestigar as opções de menu para conhecer suas funções principais.5.2 Trabalhando com Planilhas Objetivo AAo final desta lição o participante deverá identificar as funções relacionadas ao trabalho complanilhas eletrônicas, referentes à formatação de células e colunas, para tornar as planilhas orga-nizadas e visualmente atraentes.Habilidades e competências a serem desenvolvidas Habilidades a serem desenvolvidas: • De organizar • De aplicar qualidade • De abstrair • De identificar problemas • De reter e memorizar • De adaptar • De transformar • De buscar soluções • De pesquisar Competências a serem desenvolvidas: • Formatar e aplicar estilos em planilhas • De solucionar e inovar a apresentação • De organizar dados Conceitos a serem abordados • Design de planilha de dados • Otimização na organização 62
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF • Visualização otimizada Situação de contexto e problema proposto A evolução dos aplicativos chegou também as possibilidades de apresentação nas planilhaseletrônicas. A flexibilidade e a variedade de formas de configurar a apresentação de uma planilha são de-terminantes na diferenciação de um trabalho com aspecto agradável e profissional, e uma simplespágina de dados ordenados em linhas e colunas. Uma formatação adequada, e a organizaçãodos dados em grupos permitem que uma planilha tenha a informação mais facial de ser aces-sada e visualizada. Às vezes, caso a planilha seja muito grande, é necessário usar de recursosde filtragem e apresentação para viabilizar o uso. Perceber essas necessidades indicará que operações simples de formatação e aplicação defiltro podem ser importantes e até decisivas para um trabalhos com planilhas, além de permitirque o trabalho tenha a aparência caprichada e atraente.5.2.1 Selecionar e Dimensionar Células Selecionar Células Pode-se selecionar uma célula, utilizando: • O Mouse: para selecionar uma célula basta clicar com o botão esquerdo do mouse sobre ela. • O Teclado: para selecionar mais de um célula, basta manter pressionada a tecla Shift e apertar as setas para direita, esquerda, cima ou baixo do teclado. Com o teclado, podemos utilizar as teclas de atalho, como o próprio nome já diz, é um atalho, pode-se caminhar em fazer diferentes partes do texto.Verifique o que acontece ao utilizar algumas das teclas de atalho da tabela abaixo. Pressionar Será selecionado Seta para cima Uma célula para cima Seta para baixo ou Enter Uma célula para baixo Seta para direita ou Tab Uma célula para direita Seta para esquerda Uma célula para esquerda Enter Uma célula para baixo Home início da linha atual CTRL Home Célula A1 CTRL A Toda a planilha Page Down Uma tela para baixo Page Up Uma tela para cima CTRL Seta para direita Primeira coluna da linha atual CTRL Seta para cima Primeira linha da coluna atual Observação: o teclado poderá ser utilizado através das teclas de atalho. Aperte e segure atecla ALT e pressione uma letra sublinhada na barra de menu. Exemplo: ALT A para abrir o menuArquivo.Dimensionar Células 63
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Esta operação pode ser efetuada também através das teclas de atalho do teclado ou pelomouse através da barra de menus. Para isso, selecione as colunas ou linhas que deseja alterar, eescolha a opção do menu Formatar > Coluna > Largura ou Formatar > Linha > Altura, e informe ovalor na caixa de diálogo. Outra forma de dimensionar as células é apontar o ponteiro do mouseentre o título de duas colunas ou linhas, clicar e arrastar.5.2.2 Formatação e Cores Formatação Para mudar a aparência dos caracteres é necessário selecionar o texto e aplicar um ou maisatributos ou formatos de caracteres, que podem ser letras, números, símbolos, marcas de pontu-ação ou espaços.Primeiramente seleciona-se o que se deseja formatar e depois formata-se. Os formatos podemser aplicados por meio de diferentes maneiras: 1. Usar atalhos existentes na barra de ferramentas objetos Há botões para alterar estilo, tipo de fonte, tamanho da fonte, aplicar o formato negrito, aplicar o formato itálico, sublinhar simples, alinhar à esquerda, centralizar, alinhar à direita, justificar, aplicar marcardores (numerados ou não), colorir a fonte ou o parágrafo. 2. Selecionar a célula ou intervalo de células e clicar com o botão direito em Formatar células. 3. Selecionar a célula ou intervalo de células e clicar em Formatar > CélulasCor de Fundo Pode-se alterar a cor de fundo de qualquer parte da planinha. Este recurso pode ser utilizadopara salientar áreas importantes (totais, por exemplo) ou para aprimorar a aparência. Para alterara cor de fundo, deve-se selecionar a área desejada e escolher a opção de menu Formatar >Células. Será aberta uma janela na qual se deve selecionar a guia Plano Fundo e, então, a cordesejada para o fundo da planilha. Outra forma é, após a seleção, clicar no ícone Cor de fundoda barra de ferramentas e selecionar a cor. Para deixar sem cor de fundo, selecione a opção sempreenchimento na janela. É importante sempre observar o contraste entre a cor de fundo e a cor da fonte para mantera legibilidade do conteúdo das células.5.2.3 Bordas e Junção de Células Bordas de CélulasAs linhas de grade que separam as células normalmente não aparecem na impressão. Dessaforma, para imprimir uma planilha com bordas é necessário formatar as áreas desejadas. 64
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Para incluir bordas em uma área de planilha, deve-se selecionar essa área e, então, utilizar omenu Formatar > Células, clicando-se em seguida, na guia Bordas, e selecionando-se o tipo e adisposição das bordas na área selecionada. Também é possível alterar as bordas através da barra de ferramentas, por meio do botão Bor-das.Junção de CélulasEm alguns casos, pode-se necessitar unir duas ou mais células. Este procedimento recebe onome de "mesclar células". Para efetuar a fusão, selecione as células a serem unidas (pode ser em linhas, colunas ouambas) e, então, escolha a opção de menu Formatar > Mesclar Células . Para desfazer a união,selecione a área em questão e desmarque a opção de menu Formatar > Mesclar células .5.2.4 Formatação de Conteúdos Podemos, através do menu Formatar > Células, formatar diversos atributos das células sele-cionadas, além dos anteriormente citados: borda e cor de fundo. A figura abaixo apresenta asdiversas guias de janela de formatação de células. • Números: permite a seleção da categoria (número, moeda, data, hora e outros) e do formato do conteúdo das células. Para a categoria Número, por exemplo, pode-se selecionar cor de números negativos, separador de milhar e número de casas após a vírgula. • Fonte: permite a seleção do tipo de letra, estilo, tamanho e cor do conteúdo das células selecionadas. • Efeitos de fonte: apresenta mais algumas opções de formatação da fonte, como sublinhado e relevo. 65
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF • Alinhamento: pode-se modificar o alinhamento do conteúdo das células horizontalmente (esquerda, direita ou centralizado) e verticalmente (base, topo ou centro), a orientação do texto (colocar o texto em diagonal ou vertical dentro da célula) e a configuração de margens internas. • Proteção de célula: protege o conteúdo das células de modo a não permitir alteração. Pode ser com ou sem senha. A proteção de células terá efeito somente depois que a planilha atual estiver protegida. Para isto, selecione Ferramentas > Proteger Documento > Planilha. Mais tarde veremos como fazer a formatação de forma automática.5.2.5 Ordenação de Dados Suponha que você é o administrador de uma empresa e gostaria de classificar nos dadosda tabela abaixo, os gastos totais em ordem crescente e posteriormente o preço unitário dosmateriais em ordem crescente. Para fazê-lo, você deve classificar os dados da coluna de gastos totais em ordem crescente eposteriormente, caso haja gastos iguais, temos que ordenar a coluna de preço unitário em ordemcrescente. Vamos ao trabalho! Este é um caso típico em que muitas vezes, após a construção de uma planilha, necessitamosordenar os dados utilizando como chave uma ou mais colunas da planilha. O Calc oferece esserecurso através da opção de menu Dados > Classificar. Para executar a ordenação, é necessário selecionar toda a área da planilha que contenhadados, inclusive as linhas de título (se houver) e as colunas que não serão utilizadas para a or-denação. Se deixarmos somente a coluna Total fora da seleção, ao fazer a ordenação dos dadosteremos valores incorretos para a coluna Total, visto que estes são calculados automaticamente.Verifique! Selecione todos os dados da tabela (A1:D6) e escolha a opção de menu Dados > Classificare aparecerá a janela na qual se pode selecionar até três colunas para ordenação nos camposClassificar por e Em seguida por optando-se, para cada uma delas, por ordenação crescente oudecrescente. 66
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Nesses campos são apresentadas como opções os nomes das colunas (primeira linha seleci-onada) ou, na ausência de títulos nas colunas, ficarão como opções os itens Coluna 1, Coluna 2,etc. No exemplo, classificaremos a planilha pela coluna Total, e Em seguida, por: Preço Unitárioem oredem crescente.5.2.6 Filtros Utilizando o mesmo exemplo anterior, suponha agora que você gostaria de visualizar somenteos produtos que foram comprados mais de 5 unidades. O que você faria? Em alguns casos, principalmente quando estamos trabalhando com planilhas muito grandes,talvez seja necessário filtrar os dados, isto é, exibir somente as linhas de uma planilha que obe-deçam a uma ou mais condições. Para tanto, deve-se selecionar a área da planilha (A1:D6) e,então, a opção de menu Dados > Filtro. As opções mais comuns para filtragem são: 67
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF • Autofiltro: na primeira linha da área selecionada, aparecerão caixas de seleção, através das quais se podem aplicar o filtro. Selecionando-se uma quantidade na coluna Quantidade, 2 por exemplo, somente as linhas com aquela quantidade nessa coluna ficarão visíveis; • Filtro padrão: será aberta uma janela através da qual é possível configurar o filtro a ser aplicado na planilha. No nosso exemplo, será aplicado um filtro para que somente as linhas cuja coluna Quantidade seja maior que 5 sejam apresentadas. Para resolvermos nosso problemas deveremos escolher a opção Filtro padrão, e criar o filtroescolhendo as seguintes opções na caixa de diálogo que aparecerá: Quantidade, >, 5 e apertarem Ok. Sendo assim, teremos com resultado a visualização dos materiais: cartucho, mesa emonitor.5.2.7 Formatação Automática Suponha que você gostaria de deixar a planilha de cálculos com uma aparência melhor, semfazer a configuração específica de cada linha ou coluna. Para fazermos isto, iremos aplicar umaformatação automática. O recurso de formatação automática é muito útil, simples e rápido para aprimorar a apresenta-ção das planilhas feitas pelo Calc. Através dele, pode-se formatar cor de fundo, fontes e bordas,tudo ao mesmo tempo. Para tanto, selecione a área da planilha a ser formatada e clique no 68
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFmenu Formatar > AutoFormatar. Será apresentada uma janela com uma galeria de formatações,bastando selecionar e confirmar para aplicar sobre a planilha selecionada. Escolha uma opção pré-definida, neste caso Vermelho. Observe que a opção Formato donúmero foi desativa para que o tipo moeda (R$) não seja perdido. Outras opções podem serencontradas ao clicar no botão Mais como na figura acima.5.2.8 Formatação Condicional Suponha que você é o administrador de uma empresa e gostaria de destacar, em cores, osgastos mensais da sua empresa, com o resultado mostrado em azul se for menor do que R$3.000,00 e em vermelho se for maior ou igual a R$ 3.000,00. Para fazê-lo, você deve criar dois novos estilos, um para cada cor, e duas condições de forma-tação: uma para números menores do que 3000 e outra para números maiores ou iguais a 3000.Como criar um novo estilo • Clique no menu Formatar > Estilos e Formatação • Selecione o estilo "Padrão"clique com o botão direito do mouse e selecione "Novo". A janela de diálogo que aparece tem diversas guias como mostra a figura abaixo: 69
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF • na guia "Organizador", digite um nome para o seu estilo, nesse exemplo, ele será chamado de azul; • Depois, passe para a guia "Efeitos de Fonte". No campo "Cor da Fonte"encontre a cor azul. Por fim, clique em Ok. Em "Catálogo de estilos", seu novo estilo será mostrado com o nome azul. Repita os passosacima para criar o estilo vermelho.Nota 1: Você criou um estilo de plano de fundo, mas é claro que você poderá aplicar outrascaracterísticas a este estilo. Clicando nas outras guias você terá acesso a muitas outras funções,como aplicar um contorno, mudar o tipo de letra, alinhamento e outros.Nota 2: Os estilos criados são válidos apenas para o arquivo de trabalho que estiver em uso.Como aplicar a formatação condicionalVamos criar uma tabela informando os gastos referentes aos produtos adquiridos em um deter-minado mês. Depois, iremos adicionar algumas cores nos seus cálculos. O resultado encontradodeverá ser igual ao mostrado abaixo: 70
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Para chegarmos a este resultado deveremos seguir os seguintes passos: • Selecione as células D2 a D6; • Clique no menu Formatar > Formatação Condicional Na janela que aparecerá você inserirá a condição: • Em "Condição 1", clique no pequeno triângulo da primeira lista de menu e escolha "O valor da célula é" • Na segunda lista de menu, escolha "menor que" • Na próxima caixa à direita, insira o valor 3000. Você poderá, ainda, escolher o endereço de uma célula ao invés de um valor clicando no botão "Escolher" • Na lista de menu rotulada "Estilo da Célula", localize e selecione o estilo azul • Marque a opção "Condição 2", e repita os passos acima, mas use "maior ou igual a", o valor 3000 e o estilo vermelho. Clique em Ok. 71
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF5.2.9 Resolução de Problema Imagine a seguinte planilha com dados de uma pesquisa: Veja que a planilha está sem formatação. Utilize os os recursos de formatação apresentadospara melhorá-la. O primeiro passo será a mesclagem do título (colunas A1 a D1). Para isso, selecione ascolunas A1, B1, C1 e D1. Para selecioná-las, clique com o botão direito do mouse sobre a linha1 da coluna A, mantenha o botão pressionado, e arraste o ponteiro até a linha 1 da coluna D. Aseguir, escolha o menu Formatar e selecione a opção Mesclar Células . O segundo passo será de aplicar bordas às células. Para isso, selecione todas as células deA1 a D10 de maneira similar a quando escolhemos a célula para mesclagem. No menu Formatar, existe a opção "Células". Ao acessar essa opção, as configurações detipo, tamanho e cor de letra, cor de fundo, alinhamento do texto podem ser ajustadas. SSerá apresentada uma janela como a da figura abaixo. Para nosso exemplo, escolha aopção "Bordas", a 4ª opção de borda em "Disposição de linhas"e o estilo de linha que preferir nacaixa "Estilo". 72
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Existem outras opções que poderão ser testadas. Para isso selecione um grupo de células eclique em Formatar > Células. A janela que abrirá contém diversars opções. Explore-as.5.2.10 Aplicações A grande quantidade de dados que normalmente leva as pessoas a utilizarem planilhas ele-trônicas pede que esse volume de dados seja organizado. Assim, com o recurso da formatação,é possível dar a uma planilha uma noção de conjunto que facilita a leitura e o entendimento dafinalidade e das informações tabuladas. No entanto, até mesmo para volumes de dados pequenos, mantê-los separados e racional-mente organizados na apresentação é de grande utilidade e apreciação. Exemplos: • Em uma listagem de alunos de uma turma, o número de suas faltas pode ser destacado em negrito e com a cor vermelha, chamando a atenção para o fator crítico representado naquela coluna; nessa mesma tabela, é útil separar as informações do cabeçalho e os dados dos alunos por linhas. • Em uma tabela de ganhos e despesas, o valor das despesas pode ser salientado em ver- melho e o dos ganhos em verde, indicando atenção para aquelas informações. Faremos a seguir uma breve recapitulação desta lição.5.2.11 Recapitulação De acordo com o tamanho dos dados contidos numa coluna, podemos melhorar a apresen-tação ajustando o tamanho da coluna. A apresentação das células pode ser modificada pela 73
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFopção Formatar > Células, onde podem ser ajustados o tipo de letra, cor de fundo, e podem sercolocadas bordas em uma célula ou em um grupo que tenha sido previamente selecionado. Para selecionar as células, o cursor deve ser colocado sobre uma que seja a “do canto” de to-das as que se pretende selecionar, pressionar o botão esquerdo do mouse, mantê-lo pressionadoe arrastá-lo até a do “outro canto”, ou pressionar a tecla Shift, mantê-la pressionada e movimentaro cursor com as setas do teclado até a célula do outro canto. Agora que você já está apto a trabalhar com formatação de planilhas, iremos estudar fórmulase funções na lição seguinte.5.3 Fórmulas, funções e gráficos5.3.1 Introdução ObjetivoAo final desta lição o participante deverá mostrar entendimento das características, funciona-mento de fórmulas e funções dentro de uma planilha eletrônica, bem como identificar a relaçãoexistente entre os dados nos cálculos produzidos e a facilidade de manipulação de suas variáveise os efeitos de sua alteração.Habilidades e Competências a serem desenvolvidasHabilidades: • De criar fórmulas; • De estabelecer relações entre os dados; • De trabalhar linguagens (matemáticas, estatísticas e financeiras) para manipulação de da- dos; • De operar com lógica; • De trabalhar com quantidade e qualidade; • De identificar problemas.Competências: • Pesquisa em relação aos assuntos abordados na planilha; • Colaboração e mediação em grupo, no sentido de propor soluções aos problemas identifi- cados.Conceitos a serem abordados • Fórmulas; • Funções; • Tipos de referências; • Componentes de fórmulas; 74
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF • Extensão de fórmulas.Situação de contexto e problema proposto A pretensão de qualquer pessoa que lida com a administração de orçamento, seja ele domés-tico ou de uma instituição, é nunca fechar o mês com despesas maior que receitas. Uma formade atingir esta meta é ter o controle total do orçamento. Esse controle passa pela armazenagemde dados, realização de cálculos, operações e análise dos resultados. O problema proposto nesta lição é: “Você seria capaz de utilizar os recursos que você estáprestes a aprender para controlar seu orçamento?”5.3.2 Conceitos Fórmulas são uma combinação de valores e operadores, que, inserida em uma célula, apre-sentará o seu resultado. Nela poderá ter como referências dados de outras células da mesmaplanilha ou de outra planilha. Funções são fórmulas pré-definidas contidas em planilhas eletrônicas. Essas funções po-derão ser utilizadas através do recurso “Função Assistente”. Esse recurso auxilia o usuário nacriação das mesmas, bastando apenas escolher a categoria e inserir os parâmetros (“dados”).Toda fórmula é iniciada pelo símbolo "="e formada por valores e operadores No exemplo acima, =A2+B2, soma o conteúdo da célula A2 com o conteúdo da célula B2 earmazena o resultado em C2. Verifique o resultado acima.5.3.3 Componentes de uma fórmula Valores: Podem ser números, textos ou referências. Exemplos: • 1,2 - número; • =B2 - referência à célula B2; • "controle- texto. 75
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Operadores Aritméticos: executam operações matemáticas. Exemplos: • + - Adição; • - - Subtração; • / - Divisão; • * - Multiplicação; • % - Porcentagem; • ^- Potenciação. Operadores de Comparação: executam comparação entre dois valores. Exemplos: • = - Igual; • > - Maior; • < - Menor; • < > - Diferente < = - Menor ou igual a; • > = - Maior ou igual a. Operador de Texto: concatena dois valores de texto através do símbolo & . Exemplo: • Célula A1 contém o número 6, célula A2 contém o número 5. Se colocarmos na célula A3 o seguinte: =A1&A2 teremos o valor 65. Operador de Referência : combina duas ou mais referências. O símbolo ": "indica intervaloquando usado entre duas referências. Exemplo: • A3:A5 - indica o intervalo entre as células A3 e A5.5.3.4 Inserir Fórmulas Inserir FórmulasPrimeiro, selecione a célula em que se deseja inserir a fórmula. A seguir, insira o símbolo “=”usando o botão na barra de ferramentas (ao lado da linha de entrada) ou então o teclado.Após executar o passo anterior, outros dois botões: cancelar e aceitar, que ficam ao lado dalinha de entrada, serão habilitados. Agora é só digitar a fórmula desejada e teclar “Enter”.Estender FórmulasÀs vezes, precisamos repetir uma fórmula para toda uma linha ou coluna. A maneira mais fácilde executar esta tarefa sem precisar reescrever a fórmula ou ter que copiar e colar para as outrascélulas é clicar no canto da alça da célula que tem a fórmula (veja figura abaixo), segurar o botãodo mouse e arrastar até a célula ou coluna desejada. 76
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Faça este exemplo em uma planilha. Perceba que a fórmula é simples: multiplicação do valorunitário pelo número de itens desejados. Para calcular os resultados das células D3 e D4, basta clicar na alça de preenchimento earrastar o mouse até a célula D4. Na barra de fórmulas a equação correspondente as céluas D2, D3 e D4 serão informadas, ouseja: B3 * C3, B4 * C4 e B5 * C5 respectivamente.5.3.5 Exemplo do uso de fórmulas Vantagem em usar endereços nas fórmulasUma grande vantagem de utilizar endereços e não os valores numéricos em fórmulas é o fatode seu resultado ser recalculado automaticamente se algum valor pertencente à fórmula for alte-rado. Assim, pode-se criar cenários, ou seja, cria-se uma planilha e verifica-se os efeitos das alte-rações possíveis.A opção "Realce valor"É um comando da Planilha que facilita a visualização dos números. Como o nome diz, os va-lores númericos contidos na planilha são destacados: os números digitados ficam com cor azule os referentes às fórmulas aparecem em verde. Clique no menu Exibir > Realce de Valor ou emCTRL <F8>Note que o destaque só aparece na tela. Se for pedida a impressão da planilha os númerosaparecerão com a cor padrão da Planilha. Exercícios 77
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF 1. Digite a planilha da figura acima. Coloque as fórmulas corretamente e verifique os resulta- dos. 2. Agora, altere aos valores unitários, retirando R$ 1,00; R$ 5,00 e R$0,50 substituindo-os por 0,98; 5,25 e 0,75.5.3.6 Inserir Função Uma função contém uma fórmula que toma uma série de valores. Estes valores são usadospara executar uma operação e fornecer o resultado. Portanto, uma função é uma equação pré-definida. • Os valores com que uma função efetua operações são denominados argumentos; • Os valores retornados pelas funções são chamados de resultados. Os parênteses definem onde os argumentos começam e terminam. Note-se que os argumen-tos podem ser números, constantes, textos, valores lógicos ou outras fórmulas.Exemplos de funções No exemplo acima, a função é SOMA, o argumento é B2:B6 (lê-se de B2 até B6) e o resultado(a soma dos valores) é 140.Como digitar: 78
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF • Se as células são adjacentes. Exemplo: =SOMA (B2:B6). • Se as células não são adjacentes basta colocá-las separadas por ";". Exemplo: =SOMA(B2;B4;B6) Outras Funções Função Utilização Descrição Média =MÉDIA (arg1; arg2; ...) Retorna a média aritmética da lista de argumentos (até 30 argume Máximo =MÁXIMO (arg1;arg2; ...) Retorna o valor máximo da lista de argumentos (até 30 argumento Mínimo =MÍNlMO (arg1;arg2; ... ) Retorna o valor mínimo da lista de argumentos (até 30 argumentos Data/Hora =AGORA( ) Retorna data e hora de acordo com o relógio interno do computado5.3.7 Inserir Gráficos Iremos criar um gráfico simples, utilizando o recurso de formatação automática de gráficos.Primeiramente, selecione na planilha os dados a partir dos quais será gerado o gráfico. Dica:mantenha a tecla Ctrl pressionada e selecione as células conforme a figura abaixo: Escolha no menu Inserir > Gráfico e marque somente a segunda opção como na figuraacima. A primeira janela mostra a área da planilha onde estão os dados que serão utilizados parageração do gráfico. À esquerda, há duas opções: • Primeira linha como rótulo; • Primeira coluna como rótulo. Do lado direito, pode-se escolher em que planilha deverá ser inserido o gráfico. Depois defeitas as seleções, clique em Próximo. 79
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Logo em seguida temos que selecionar o tipo de gráfico. Escolha o tipo Colunas. O campo“Mostrar elementos do texto na visualização” mostra a maneira como o gráfico será exibido naplanilha. Depois temos que escolher a série de dados: • Linhas: se marcado, a legenda aparecerá ao lado do gráfico; • Colunas: se marcado, a legenda aparecerá abaixo de cada item. Escolha a opção Linhas e clique em Próximo duas vezes.Por último, definiremos a visualização: • Título do gráfico: dê um título para o gráfico; • Legenda: optar ou não por legenda; • Título dos eixos: coloque ou não título nos eixos. Clique em Criar, para concluir o processo (figura abaixo). 80
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Finalmente o gráfico foi gerado. Agora basta clicar com o botão direito do mouse em cima decada coluna do gráfico e escolher Propriedades do Objeto, ou dar uma clique duplo com o botãoesquerdo em coluna ou no centro da coluna para alterar as propriedades do gráfico.5.3.8 Aplicações A finalidade de se trabalhar com planilhas eletrônicas vem da necessidade de manipular gran-des quantidades de informações, de estabelecer relações entre essas informações e representarseus resultados de forma entendível e organizada. Diante de suas características, os conceitos relacionados nesta lição são a base para o en-tendimento de como executar cálculos. Vejamos algumas aplicações: • No orçamento doméstico: "Quanto gastei com alimentação neste mês?"; • No controle de notas de alunos pelos professores: "Qual a porcentagem de alunos com rendimento abaixo da média da turma"?; • No cálculo de vendas de uma loja: "Qual o lucro de vendas mensais?". Faremos a seguir uma breve recapitulação desta lição.5.3.9 Recapitulação Na seção anterior foram propostos alguns exercícios. Se você conseguiu resolvê-los, é porque desenvolveu as habilidades e competências propostas no ítem 2. Porém, se o resultado nãofoi satisfatório é por que você ainda não tem clareza de como relacionar dados em uma planilhae como inserir fórmulas e funções. Lembre-se de que para inserir fórmulas, em primeiro lugar, temos que colocar o símbolo igual“=” na célula onde se deseja mostrar o resultado. Depois, saber que operação e quais valores(parâmetros) iremos utilizar. Os parâmetros serão representados pelo endereço da posição dacélula na planilha. Para inserirmos funções os procedimentos não são muito diferentes. Porém, temos o auxíliodo “Função Assistente”, quando apertarmos o seu botão próximo a linha de entrada, ele guiaránossos passos e tornará mais fácil a execução da tarefa. 81
  • Capítulo 6Impress (Apresentação)6.1 Introdução a apresentação eletrônica6.1.1 Introdução ObjetivoAo final desta lição, o participante deverá ser capaz classificar e descrever as principais utilidadesde uma apresentação eletrônica e seus componentes além de avaliar os fatores que influenciama criação de uma apresentação.Habilidades e Competências a serem desenvolvidasHabilidades a serem desenvolvidas: • De estratégias e idéias; • De identificação de problemas; • De agir multidisciplinarmente; • De refletir sobre o acumulado.Competências a serem desenvolvidas: • Pesquisa, comunicação; • Analisar e solucionar problemas.Conceitos a serem abordados • Apresentação eletrônica; • SLIDES; • Provedor de serviços; • Organização de arquivos e diretórios. 82
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFSituação de contexto e problema propostoA informática é um aliada muito importante ao nosso cotidiano. Ela oferece meios que facili-tam trabalhos que seriam muitas vezes complexos ou que gastariam muito tempo para seremrealizados. Isso se torna mais claro ao observarmos, por exemplo, a construção de documentos.Como já sabemos em apenas alguns minutos conseguimos digitar e imprimir um texto ou cons-truir uma planilha e corrigi-los, se necessário, sem maiores dificuldades. Porém sempre existirãomomentos em que as ferramentas disponíveis não serão boas o suficiente para desenvolver astarefas desejadas. Imaginemos que alguém de uma empresa precisa gerar um relatório sobre os gastos de umdeterminado ano para ser apresentado em uma reunião. Qual seria a melhor maneira de seapresentar esse relatório? Outras situações: um trabalho de escola ou faculdade deve ser apre-sentado, como fazer? Um seminário precisa ser realizado, o que fazer? Para essas e muitasoutras situações foram criadas ferramentas específicas para nos auxiliar, são os softwares deconstrução de apresentação eletrônica. Nesta lição vamos descobrir o que é, como funciona e como fazer uma apresentação eletrô-nica.6.1.2 O que é apresentação eletrônica Nos módulos anteriores criamos arquivos de textos e planilhas, a construção de uma apre-sentação eletrônica é muito parecida. Para se criar um arquivo do tipo apresentação é necessárioutilizar SOFTWARES específicos para essa finalidade. Uma apresentação eletrônica é então umproduto todo trabalhado e modelado com o uso de um SOFTWARE. Como o próprio nome sugere, uma apresentação eletrônica tem como finalidade principalser publicada, e conseqüentemente mostrada em algum evento ou situações como as que vimosanteriormente. Por isso é muito comum a utilização de apresentações eletrônicas como auxiliaresou guias nesses momentos. Uma apresentação eletrônica pode ser exibida de diversas maneiras, desde em uma tela decomputador até em uma tela gigante projetada. Ela precisa de um ambiente propício pra quetodo o público possa visualizar o que está sendo apresentado.6.1.3 Conceitos básicos Existe um fluxo natural que as apresentações eletrônicas geralmente seguem. Tudo se ini-cia na sua criação e formatação, podemos chamar essa fase de desenvolvimento. Mais tarde,quando estiver tudo pronto, o que foi produzido é apresentado. Vamos chamar essa última fasede apresentação. Tanto a fase de desenvolvimento quanto a de apresentação requer a utilizaçãodo software de apresentação eletrônica. Temos que estar cientes de que nem sempre o ambientede desenvolvimento será o mesmo da apresentação, o software pode ser diferente ou pior ainda,nem existir em um deles. Para desenvolvermos uma apresentação eletrônica precisamos saber quais são seus compo-nentes. Para facilitar vamos tentar imaginar uma apresentação qualquer. Em algum lugar existeum apresentador que irá utilizar uma apresentação eletrônica para facilitar sua atividade. Durantetoda exposição esse apresentador fala sobre diversos assuntos. O que é mostrado na apresenta-ção eletrônica deve estar de acordo com o assunto atual do apresentador e já que o assunto nemsempre é o mesmo durante toda a apresentação, então podemos observar que o que é mostrado 83
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFna apresentação eletrônica também não será fixo todo o tempo, logo uma apresentação eletrô-nica deve se alterar sempre que necessário para acompanhar o assunto que está sendo tratadono momento. Para resolver esse problema os softwares possibilitam a criação de uma tela deapresentação para cada assunto. Dessa forma uma apresentação é substancialmente compostapor telas. Essas telas são chamadas também de SLIDES. Quando formos produzir uma apresentação eletrônica vamos criar diversos SLIDES para se-rem mostrados. Esses SLIDES não podem estar dispostos de qualquer maneira em seu docu-mento. Tecnicamente falando os softwares organizam os SLIDES em uma fila, onde cada um éapresentado após o outro do primeiro até o último. Os SLIDES então devem ficar ordenados deforma correta para que apresentação seja bem sucedida.6.1.4 Conhecendo a ferramenta de trabalho O software que utilizaremos para a manipulação de apresentação eletrônica é o Impress ouApresentação. Ele possui uma disposição semelhante às outras ferramentas de escritório. Exis-tem as barras de título, menus, além das diversas outras barras de ferramentas que disponibilizamatalhos para as ações que iremos executar. No Impress, ou em um programa similar, podemos utilizar figuras, gráficos, vídeos e outros.Tudo isso para que a apresentação se torne mais atraente para o público-alvo.6.1.5 Resolução de Problema Para construir uma apresentação eletrônica vamos perceber que há diversos recursos que nospossibilitam personalizar essa nossa apresentação. Vamos colocar nos SLIDES textos, imagens,sons, links e animações além de utilizar outras opções como transição de SLIDES, organogramase tabelas. A construção de uma apresentação eletrônica vai muito além de apenas criar e formatar SLI-DES. Ela abrange também os fatores de ambiente que influenciarão na apresentação. Para cri-armos uma apresentação eletrônica que atenda nossos objetivos é necessário sabermos comclareza qual o seu propósito, qual será o público-alvo, qual será o tempo disponível para a apre-sentação e conhecer bem o ambiente em que será realizada a apresentação. Tendo conhe-cimento desses fatores e utilizando bem o software. A chance que a apresentação seja bemsucedida será muito grande.6.1.6 Aplicações Uma apresentação eletrônica pode ser utilizada em diversos momentos, basta sermos cui-dadosos, pois ela não pode ser algo que atrapalhe nosso objetivo. É importante analisar bem oproblema para termos certeza de que a apresentação eletrônica será uma boa solução para aatividade em questão.6.1.7 Recapitulação A apresentação eletrônica pode nos auxiliar em diversas situações, porém é necessário co-nhecer bem o ambiente em que vamos desenvolver, onde será a apresentação e qual o assuntoque será abordado. 84
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Uma apresentação é composta por SLIDES, que por sua vez podem conter textos, imagens,sons e links. Para criar uma apresentação é necessário o uso de um SOFTWARE específico paraisso.Nos próximos tópicos vamos aprender a utilizar as ações que o Impress oferece para a criaçãode apresentações eletrônicas.6.2 Slide e Texto6.2.1 Introdução ObjetivoAo final desta lição, o participante deverá estar apto a criar e editar slides utilizando os recur-sos de formatação de texto e slide mestre.Habilidades e Competências a serem desenvolvidasHabilidades a serem desenvolvidas: • De compor; • De editar; • De analisar e sintetizar.Competências a serem desenvolvidas: • De analisar e apresentar dados e informação; • De editar dados e informações; • De analisar e apresentar dados e informações.Conceitos a serem abordados • Apresentação eletrônica; • Formatação de SLIDES; • Utilização básica de computadores; • Digitação.Situação de contexto e problema proposto Fulano é um experiente programador na área de design voltado à Internet, porém precisafazer uma apresentação do sistema que está desenvolvendo a um cliente muito importante. Paraisso, Fulano utilizará o Impress de forma simples e concisa mostrando ao cliente o cronogramade desenvolvimento de seu projeto. Iremos acompanhá-lo passo a passo e aprenderemos comele, como realizar uma apresentação de SLIDES. 85
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF6.2.2 Criando uma apresentação Abra o Impress e logo em seguida surgirá na tela o assistente do Impress, como na figuraabaixo. O Assistente possui três opções: • Apresentação vazia: abre um documento em branco para ser editado; • A partir do modelo: utiliza modelos definidos para criar uma apresentação; • Abrir uma apresentação existente: abre uma apresentação já salva anteriormente. Inicialmente iremos criar um documento em branco. Para isso, escolha a opção apresentaçãovazia. Ao escolher esse tipo, clique em Próximo». Logo após, você poderá escolher alguns itensde configuração, como: design de slide (se disponível algum) e tipo de mídia de apresentação.Esses tipos de mídia podem ser slides, tela (na tela do computador), transparência (para apre-sentações em retroprojetores) e papel (para impressão). Após configurar, clique em Próximo»para continuar. Ao prosseguir, virão as opções para escolher os efeitos de transição entre os slides, assimcomo a sua velocidade. Poderão ser escolhidos, também, os tipos de apresentação: padrão(passagem manual de slides) e automático. No tipo automático, o tempo pode ser definido deduas formas: • Duração da página: define o tempo de duração de cada slide da apresentação; • Duração da pausa: define o tempo de pausa entre uma apresentação completa e outra. Em seguida, clique em Criar. Depois, escolha o layout de slide na barra de tarefas ao ladodireito da tela como mostrado na figura abaixo: 86
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Nessa janela, são apresentados os modelo pré-definidos. Escolha algum e em seguida eleserá aplicado ao slide.6.2.3 Visualização Descrição da área de trabalhoA área de trabalho do OpenOffice Impress possui as seguintes barras de comando: 87
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF 1. Barra de títulos: apresenta o nome do aplicativo e os botões restaurar, maximizar e fechar; 2. Barra de menus: apresenta a lista de menus de comandos, formatação e configuração; 3. Barras de ferramentas: apresenta os botões para acessar os comandos básicos do Ope- nOffice: abrir, salvar, imprimir, formatação de texto etc; 4. Barras de rolagem: são usadas para mover e visualizar trechos da apresentação; 5. Barra de estado: mostra o número da página, zoom e tipo de texto; 6. Barra de controle de slides: possibilita o controle das páginas (próxima, anterior) da apre- sentação; 7. Botões de controle: Apresenta os botões de controle dos principais modos de exibição dos slides (tópicos, slide, apresentação).ZoomCom esse recurso, é possível modificar a escala de visualização da página, de acordo com asdiversas opções de zoom que são apresentadas. Para utilizar esse recurso, siga um dos passos: • Na barra de menu, clique em Exibir, opção Zoom; • Na barra de status, clique em Exibir -> Barra de Ferramentas -> Zoom. Essa pequena janela aparecerá: Você pode integrá-la à barra de status. Basta arrastá-la e colocar onde quiser.Barra de ferramentasEssa opção possibilita a configuração da área de trabalho, onde o usuário pode escolher asbarras de ferramentas que estarão visíveis e serão úteis para a construção de sua apresentação.Para isso, siga os seguintes passos: • Na barra de menu, clique em Exibir; • Posicione o cursor sobre o submenu barra de ferramentas. Aparecerão diversas opções de barras.Exibição de trabalhoEsse ítem permite a visualização da apresentação sob diversas formas. Esse recurso tambémestá disponível na barra de botões de controle. Para acessar o recurso, na barra de menu, cliqueem Exibir. Aparecerá as seguintes opções: • Normal: permite a visualização de uma lista de slides ao lado de cada slide; 88
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF • Estrutura de tópicos: permite a visualização de todos os títulos dos slides de sua apre- sentação, mostrando o conteúdo de cada título selecionado. No modo tópicos você pode reestruturar sua apresentação, alterando a ordem de exibição dos slides; • Classificador de slides: visualização que permite a exibição na área de trabalho de todos os slides em tamanho reduzido; • Exibição de notas: nesse modo, você pode incluir comentários sobre sua apresentação, que não serão mostrados quando esta for exibida; • Exibição de folhetos: permite a redução de vários slides de sua apresentação, organizando- os e imprimindo-os em uma única página.Cor/Escala de cinzaEsse item permite escolher a qualidade de exibição da apresentação (Cor, Tons de Cinza e Preto& Branco). Para acessar o recurso, na barra de menu, clique em Exibir, opção Cor/Escala decinza. Apresentação de slides6.2.4 Endereço ou referência Essa opção muda a visualização do modo tela Normal para Inteira, ocultando as barras detítulo, menu e ferramentas. Para acessar o recurso, na barra de menu, clique em Exibir, opçãoApresentação de slides. Para voltar ao modo de exibição normal, pressione <Esc>, ou clique nobotão que aparecerá no canto superior esquerdo da área de trabalho.6.2.5 Slide Mestre O Impress, assim como semelhantes programas no mercado, trabalha com um recurso cha-mado SLIDE Mestre (Exibição principal), que funciona como um padrão para todos os SLIDESda apresentação. Podemos acessá-lo através do menu Exibir > Principal > Slide Mestre. Quando alteramos oSLIDE Mestre, o Impress automaticamente assume o layout desejado para todos os SLIDES daapresentação. É como um modelo para o programa, que irá segui-lo em todos os SLIDES atéo final da apresentação. Se colocarmos, portanto, uma imagem como fundo de tela (veja noscapítulos adiante), todos os SLIDES da apresentação que o usuário definir como “em branco”,virão com aquela imagem como fundo, e assim também é com o tipo, tamanho e cor da fonte(veja mais adiante neste capítulo) e com outros recursos. Veja a animação: Trabalhando com Slide Mestre.6.2.6 Aplicações e Recapitulação AplicaçõesUma boa apresentação com a correta formatação de textos torna-se uma ferramenta poderosanas mãos de um competente profissional, fazendo-o diferenciado no mercado, cobiçado por em-presas, pelo poder de persuasão que apresenta. Além disso, pode-se usar apresentações parapromover trabalhos, pesquisas, fóruns, palestras e muitos outros eventos. 89
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Conforme aprendido, há muitas formas de se fazer a mesma coisa, seja através dos ícones deatalhos na barra de ferramentas, seja através dos comandos no menu principal. É importante quese faça mentalmente os SLIDES antes de fazê-los no programa, assim, com as idéias organizadasos SLIDES são mais objetivos e gasta-se menos tempo para confeccioná-los. O SLIDE Mestreé a base dos SLIDES da apresentação e junto com uma formatação de texto adequada, pode-se fazer uma boa sequência de SLIDES, conseguindo-se resultados profissionais com poucosrecursos.6.3 Imagens e Sons6.3.1 Introdução ObjetivoAo final desta lição, o participante deverá ser capaz de melhorar o visual dos SLIDES, tornando-os mais atraentes, ilustrados e mais fáceis de serem compreendidos, utilizando imagens e sons.Habilidades e Competências a serem desenvolvidasHabilidades a serem desenvolvidas: • De criar apresentações enriquecidas; • De melhorar visualmente apresentações; • De elaborar apresentações de qualidade; • De utilizar efetivamente o conteúdo aprendido; • De criatividade.Competências a serem desenvolvidas: • De melhorar a comunicação através de recursos visuais e sonoros; • De aumentar a assimilação de idéias para os ouvintes.Conceitos a serem abordados • Inserir e remover slides; • Imagens dentro de uma apresentação; • Sons dentro de uma apresentação; • Formatação de SLIDES; • Tipos de imagens: galeria, arquivos, da Internet. 90
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFSituação de contexto e problema propostoVamos imaginar que você é um dono de uma empresa que pretende vender um produto parauma grande empresa e será esse o negócio que poderá mudar totalmente o seu futuro e da suaempresa, se você fizer uma apresentação melhor do que a do concorrente. Você foi informado que os únicos recursos para apresentar o seu produto é um computadorequipado com projetor e o Impress instalado. Você deverá fazer uma ótima apresentação comimagens e sons para atrair a atenção do cliente para atingir o seu objetivo principal: vender o seuproduto. Nesse momento você lembra que já conhece o programa Impress e que falta conseguir utilizaras imagens e sons. Então é hora de iniciar o treinamento para fazer uma apresentação que ajudea vender o produto.6.3.2 Trabalhando com slides Inserindo slidesUtilizando essa opção, é possível inserir novos slides na apresentação. Para aplicar esse re-curso: • No menu Inserir, clique na opção Slide. Duplicando slides Essa ferramenta possibilita a duplicação do slide em uso, o que é muito útilquando se deseja utilizar vários slides com o mesmo formato. Para acessar esse recurso: • Selecione a página da apresentação que será duplicada; • No menu Inserir, selecione Duplicar slide. Removendo slidesPara eliminar um slide da sua apresentação, siga um dos seguintes passos: • Na barra de controle de slides, selecione o slide que deseja eliminar e clique em Editar, na barra de menu, e escolha a opção Excluir slide; • Clique com o botão direito do mouse (considerando que esteja configurado para destro) e escolha a opção Excluir slide; • No modo de exibição de slides, segure a tecla SHIFT e clique nos slides que deseja excluir. Aperte a tecla delete para apagar os slides selecionados.6.3.3 Inserindo campos SetaEsse recurso, primeiro ítem no menu do lado esquerdo, possibilita a seleção de um texto, umobjeto ou de uma determinada parte do slide. Para acessar esse recurso, na barra de ferramen-tas, clique no botão da seta e depois selecione a parte do slide que desejar.Inserindo textos em qualquer parte do slide 91
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFPara utilizar esse recurso clique no botão com o desenho de um T, na barra de ferramentas,e dê um clique simples no local em que se deseja inserir o texto. No local escolhido, apareceráuma caixa de texto para que possa ser digitado um texto qualquer.Inserindo camposEssa opção permite inserir campos do tipo: data, hora, numeração do slide, autor e nome doarquivo. Para acessar esse recurso: • Clique no menu Inserir, posicione o mouse no submenu Campos; • Escolha uma das opções de campo (data, hora, autor). A opção escolhida aparecerá automaticamente no slide. Para mudá-la de lugar, basta utilizara seta, clicar sobre o campo e arrastá-la para a posição que desejar.6.3.4 Inserindo imagens via arquivo As imagens podem ser inseridas diretamente de arquivos localizados em seu computador oupodem ser inseridas através da Galeria.Inserindo imagens via arquivoEsse recurso permite inserir uma imagem na apresentação. Para utilizar essa ferramenta: • Clique no menu Inserir e depois em Figura. Será aberto uma janela como a figura abaixo: Como mostrado na tela acima, marque a opção Visualizar. É aconselhável selecionar esta opção para vermos a imagem que estamos inserindo. 92
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF • Clique em uma imagem qualquer, e aperte em Abrir. Assim a figura aparecerá automatica- mente no slide. Note que é possível indicar o diretório onde se encontra a imagem e o tipo de figura que sedeseja inserir.6.3.5 Inserindo imagens via galeria GaleriaEm um programa de apresentação, podemos, muitas vezes, querer utilizar imagens para me-lhorar o layout. O Impress permite isso, através da opção Ferramentas > Galeria, conforme afigura abaixo: A opção Galeria oferece uma gama de imagens e sons pré-definidos, que são instaladosjuntos com o Impress. Essas imagens se dividem em categorias: • Efeitos 3D: várias imagens tridimensionais; • Limites: várias imagens de barras delimitadoras; • Planos de fundo: imagens planas, para serem utilizadas no fundo do slide; • Sons: vários sons que podem ser executados durante a apresentação de um slide; • Temas próprios: novas categorias que podem ser definidas pelo usuário, através do botão Novo tema.Adicionando uma imagem à apresentação Para adicionar uma imagem da galeria à sua apresentação, clique em alguma imagem dispo-nível com o botão direito do mouse. Escolha a opção inserir > copiar, no menu apresentado,para inserir a figura no slide atual.Inserindo novas imagens à galeria. 93
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF O Impress permite que sejam adicionadas novas imagens à galeria, se estas estiverem dis-poníveis em arquivo. Uma nova imagem pode ser adicionada tanto para temas existentes, quantopara novos temas criados pelo usuário. Para adicionar uma nova imagem, clique em algum temada lista e pressione o botão direito do mouse. Aparecerá um menu com as opções: Atualizar,Renomear e Propriedades. 1. Escolha a opção Propriedades, será aberta uma nova janela; 2. Clique na guia Arquivos, essa opção permite que sejam adicionadas novas imagens; 3. Para isso, você pode escolher o diretório onde se localizam as imagens, através do botão Localizar Arquivos. Ao escolher um diretório, todos os arquivos de imagens deste serão listados, ou somente aqueles que corresponderem ao tipo definido na caixa de seleção Tipo de arquivo; 4. Selecione uma ou mais imagens (manter a tecla Ctrl pressionada para múltipla seleção); 5. Clique em Adicionar e essas serão incluídas ao último tema selecionado, tornando-se dís- poniveis na galeria do Impress.Conta gotas Essa opção permite manipular as cores-fonte das imagens inseridas no slide. Com esserecurso é possível, por exemplo, trocar toda a cor verde de uma imagem por outra escolhida nalista Substituir por, assim como definir alguma cor da imagem para que fique transparente. Cliqueem Ferramentas > Conta gotas. 94
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF6.3.6 Inserindo Sons Os sons servem para animar a apresentação. Um fator que se deve prestar bastante atençãoé o tamanho do arquivo de som, já que se for adicionado um som que seja grande, maior seráo tamanho do seu arquivo de apresentação, o que poderá dificultar um pouco o transporte doarquivo para o local aonde iremos apresentá-lo. Prefira sons com pouca duração. Vimos anteriormente que a Galeria contém imagens e sons. Para adicionar sons podemossimplesmente clicar em Ferramentas > Galeria escolher o item sons no menu à esquerda e adici-onar um novo som (Clicar com o botão direito, Inserir > Link), assim como fizemos para adicionarimagens. Quando incluímos um som dessa forma ele funciona bem, mas o problema é que ele ficavisível no momento da apresentação, ou seja, quando chegar a hora de apresentar, aquele somestará ocupando espaço na tela como se fosse uma imagem preta. Uma solução para esseproblema é arrastar o som para o canto do SLIDE, fazendo com que ele fique fora da área devisualização. Os sons também podem ser incluídos na transição de SLIDES, mas como ele está mais paraum efeito de transição do que para inclusão de som, veremos esse tipo de inclusão somente naparte que estudaremos transição de SLIDES.6.3.7 Aplicações e Recapitulação Exercício de revisãoDesenvolva uma apresentação, baseada no problema apresentado nesta lição, para apresen-tar uma linha de produtos eletrônicos para um comerciante de uma grande loja e convencê-lo deque a sua linha de produtos é de boa qualidade e isso aumentaria consideravelmente as vendasda loja dele.AplicaçõesO conteúdo visto pode ser utilizado nas mais variadas situações possíveis e imagináveis.Umexercício interessante revisão, e bom para ajudar a explorar a criatividade e poder de criação, éfazer uma animação no Impress como se fosse um desenho animado, utilizando sons para oseventos e usando a criatividade para fazer um cenário, onde você desenhará os prédios, casas,carros e o que mais tiver em mente, tudo isso utilizando o Impress. Pode parecer uma tarefa 95
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFdifícil, mas dá para fazer uma seqüência de SLIDES que simulam o movimento de uma pessoaandando, por exemplo. Dica: Faça um desenho inicial e vá duplicando os SLIDES. Em cadaSLIDE duplicado você fará uma pequena modificação e utilizará sons para deixar seu desenhoanimado ainda mais real.RecapitulaçãoNesta lição, vimos como utilizar imagens e sons em apresentações, além de aprender a editar asimagens para não prejudicarem a qualidade dos SLIDES. Também vimos como utilizar sons emsuas apresentação. Com esses conceitos em mente, agora é possível trabalhar de forma melhore mais proveitosa em relação à capacidade que o programa Impress oferece.6.4 Inserção de Gráficos e Planilhas6.4.1 Introdução ObjetivoAo final da lição, o aluno deverá estar apto a utilizar as ferramentas do editor de apresenta-ção Impress, principalmente no que diz respeito a inserção de planilhas e gráficos em SLIDES,fazendo uso de conhecimentos pré-adquiridos sobre Calc, o editor de Planilhas eletrônicas. Estaabordagem complementa e enriquece as apresentações desenvolvidas no dia-a-dia, seja em umambiente escolar ou de trabalho. O aluno será capacitado a inserir uma planilha em uma apresentação de SLIDES, onde tam-bém deverá estar ciente da informação contida nos dados por ele inseridos. Também aplicará ateoria adquirida sobre Calc em uma apresentação de SLIDES do Impress, incluindo fórmulas /cálculos matemáticos e comparações booleanas entre as células, podendo também gerar proba-bilidades e estatísticas com os dados expostos.Habilidades e Competências a serem desenvolvidasHabilidades a serem desenvolvidas: • Analise e sintetize dados e informações.Competências a serem desenvolvidas: • Demonstração de dados dentro de uma apresentação SLIDES.Conceitos a serem abordados • Planilhas em um editor de apresentação; • Gráficos em um editor de apresentação. 96
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF6.4.2 Inserindo Planilhas Planilha eletrônica Pode-se inserir uma planilha de dados em uma apresentação de SLIDES de duas formas: • Via menu Inserir > Planilha Figura 1 - Via menu Inserir > Planilha Ao ser clicado no local correspondido, automaticamente aparecerá uma planilha editável onde pode-se transcrever os dados em cada célula e utilizar fórmulas, cálculos, estatísticas e comparações entre as mesmas, como se estivesse em um ambiente de edição de plani- lhas. Vale a pena ressaltar que a aplicação destes recursos matemáticos e lógicos estão sendo abordados nas lições de edição eletrônica do Calc. • Ou via painel Modificar Slide > Título, Planilha 97
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Figura 2 - Via painel Modificar Slide > Título, Planilha Utilizando o painel Modificar Slide, que é mostrado ao se iniciar o programa Impress, pode- se escolher com maior rapidez a formatação de um SLIDE. Dentre eles, há um em que utiliza-se um Título e uma Planilha em sua estrutura. Ao ser clicado, aparecerá o espaço para o preenchimento do título e um quadro representativo da planilha. Clicando duas vezes sobre este quadro, aparecerá a planilha editável, onde pode-se também transcrever os dados em cada célula e utilizar fórmulas, cálculos, estatísticas e comparações entre as mesmas, como se estivesse em um ambiente de edição de planilhas. Nas duas formas de inserir uma planilha em uma apresentação de SLIDES, aparecerá uma tela de edição da mesma. Vendo a figura 3, percebemos o surgimento da barra de funções lógicas e matemáticas semelhante a de um editor de planilhas, além da tabela de células totalmente editáveis. 98
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Figura 3 - Barra de Funções e a planilha editável Após preenchido todos os dados corretamente e efetuado suas funções e cálculos, clique fora da planilha para voltar ao modo de visualização geral da apresentação. Caso queira reeditá-la, dê novamente um duplo-clique sobre a planilha que aparecerá o ambiente de edição eletrônica.6.4.3 Gráficos A inserção de um gráfico em uma apresentação de SLIDES também é feita de duas formas: • Via menu Inserir > Gráfico 99
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Figura 4 - Via menu Inserir > Gráfico Ao ser clicado no local correspondido, automaticamente aparecerá um gráfico editável onde pode-se transcrever os dados que serão ilustrados pelo mesmo. Para isso, basta clicar com o botão direito sobre o gráfico que aparecerá sua tabela de dados, e selecionar Dados do Gráfico para poder editá-los (figura 6). Nota-se que as primeiras células de cada linha e coluna não são consideradas dados, mas sim, títulos nominativos (que denominam as coordenadas do gráfico). Para concluir a inserção dos dados no gráfico, deve-se apertar o botão Aplicar ao Gráfico, revelando em seguida o resultado final. • Ou via painel Modificar Slide > Título, Gráfico ou Título, Gráfico, Texto 100
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Figura 5 - Via painel Modificar Slide > Título, Gráfico ou Título, Gráfico, Texto Utiliza-se novamente o painel Modificar Slide do Impress para escolher mais rapidamente a formatação de um SLIDE com gráfico. Dentre eles, há um em que utiliza-se um Título e um Gráfico em sua estrutura e outros dois, que além destes itens, possuem um espaço para a escrita de um texto, variando a ordem como se apresenta o texto e o gráfico. Clicando com o botão direito do mouse sobre o gráfico, o espaço para o preenchimento dos dados aparecerá (figura 6). Para concluir a inserção dos dados no gráfico, deve-se apertar o botão Aplicar ao Gráfico, revelando em seguida o resultado final. 101
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Figura 66.4.4 Aplicações A aplicabilidade de gráficos estatísticos e planilhas de dados em SLIDES é um tanto abran-gente, pois pode incrementar, tanto uma apresentação de um trabalho escolar quanto uma de-monstração ou palestra de um funcionário de alguma empresa. Com certeza enriquece e or-ganiza o conteúdo de uma abordagem, além de melhorar visualizações através dos gráficos eautomatizar cálculos, fórmulas, estatísticas e comparações em uma planilha de dados.6.5 Transição de Slides6.5.1 Introdução Objetivo Ao final desta lição, aluno deverá ser capaz de inserir efeitos de transição entre SLIDES eefeitos visuais em partes do SLIDES. Esses efeitos poderão ser utilizados tanto em texto quantoem imagens.Habilidades e Competências a serem desenvolvidas Habilidades a serem desenvolvidas: • Criar apresentações enriquecidas; • Melhorar visualmente apresentações; • Elaborar apresentações de qualidade; • Estimular a criatividade.Competências a serem desenvolvidas: 102
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF • Melhorar a comunicação através de recursos visuais; • Controlar o momento de exibir cada informação com efeitos.Conceitos a serem abordados • Efeitos de transição de SLIDES; • Objetos numa apresentação; • Efeito para cada SLIDE separadamente; • Efeito em todos os SLIDES; • Efeitos relacionados a objetos; • Inserção de um efeito, ou série de efeitos mesclados para um determinado objeto ou grupo de objetos.Situação de contexto Em nosso dia-a-dia, nos encontramos em uma situação em que sempre devemos mostrar aalguma pessoa o nosso trabalho feito. Para isso, devemos fazer uso de uma ferramenta que dêuma boa impressão a quem assiste a apresentação. Sendo assim, vamos aprender como utilizaros conceitos de imagens aprendidos anteriormente, mesclados com efeitos de transição de obje-tos e SLIDES.Fundamentos teóricos e conceituais Problemas do tipo apresentado nessa lição são bastante comuns. Agora vamos "pôr a mão namassa"para efetivamente aprender sobre o funcionamento dessas transições e como fazer paramelhorar ainda mais a qualidade visual da apresentação. Sugerimos que, durante o capítulo,você esteja na frente de um computador para ver os detalhes e outras opções que não serãodescritas na lição. Recomendamos que faça as lições e atividades completamente.6.5.2 Apresentação Apresentação na telaEssa opção inicia a apresentação de slides. Para acionar essa opção clique em Apresenta-ção de Slides > Apresentação de Slides ou pressione a tecla F9. Essa opção também podeser acionada pelo botão Iniciar Apresentação de Slides, na barra de controle de apresentação. Para sair da apresentação pressione a tecla <ESC>.Apresentação cronogramadaEssa opção possibilita a inclusão de um relógio (Figura 1) com o tempo de apresentação paracada slide, que aparecerá no canto inferior esquerdo do slide. Para acionar essa opção, cliqueem Apresentação de Slides > Cronometrar. 103
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFFigura 1: Relógio.Configuração da apresentaçãoEssa opção possibilita configurar a apresentação. Para acioná-la, clique em Apresentação deSlides > Configurações da Apresentação de Slides. Aparecerá a seguinte janela:Figura 2Nessa opção, pode-se configurar como será a apresentação: página inicial, tipos de ponteiro domouse visíveis, visualização do navegador, etc.6.5.3 Apresentação Transição entre SLIDES Já é chegada a hora de fazer a transição tão esperada entre os SLIDES. Esses efeitos detransição podem ser incluídos facilmente utilizando o menu "Apresentação de Slides>Transiçãodo Slide". Os detalhes de como inserir, modificar e retirar efeitos de transição serão exibidos aseguir. Crie uma nova apresentação em branco.Inserindo transição entre SLIDES As transições podem ser inseridas facilmente, como dito anteriormente, pela barra de tarefas"Apresentação de Slides>Transição do Slide". Aparecerá uma telinha mostrando os tipos detransição que existem, basta selecionar uma delas e clicar em "atribuir". 104
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Fazendo isso, ao slide que está sendo configurado, será atribuído o efeito. Existem vários tipos de efeitos de transição e cada efeito possui configuração para aumentarou reduzir a velocidade. Os efeitos também podem ser configurados para serem ativados porclique no mouse ou teclado e também para mudarem automaticamente. O efeito de se mudar umSLIDE automaticamente é bastante utilizado para fazer animações e quando estamos fazendouma apresentação onde o tempo para cada SLIDE deve ser cronometrado de acordo com otempo que desejamos permanecer nele. O programa Impress, como já percebemos, oferece vários recursos para fazer apresentaçõesde qualidade profissional. O único recurso que ele ainda não oferece é o de baixar novos efeitospela internet.6.5.4 Transição de objetos Transição entre objetos Agora é a vez de conhecermos a maneira de fazer transição entre objetos. Os objetos re-feridos aqui são qualquer tipo de imagem (fotos, botões, desenhos, etc) e textos (títulos, itens,subitens, etc). A barra que controla os efeitos de transição entre objetos é a “Apresentação deSlides>Efeitos” . Também pode-se acessar os efeitos clicando com o botão direito do mouse noobjeto que deseja-se colocar o efeito.Inserindo transição entre objetos 105
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Os efeitos de transição são fáceis de serem utilizados. Anteriormente vimos a localização dabarra que utilizaremos para fazer esses efeitos. As transições entre objetos podem ser utilizadas em seqüência, de forma que podemos utilizarvários efeitos em um mesmo objeto e configurá-los para serem vistos um efeito após o outro ousimplesmente podemos juntar vários efeitos para acontecerem de uma vez. É mais comum o usode uma animação para cada objeto por vez, isso porque, além de ser menos trabalhoso, não poluivisualmente a apresentação. Da mesma forma como na transição de SLIDES, existem efeitos diversos e alguns possuemconfigurações específicas. Existem vários tipos de animação e cada uma possui configuração para aumentar ou reduzir avelocidade. Os efeitos também podem ser configurados para serem ativados por clique do mouseou teclado e também para mudarem automaticamente. Além disso, pede-se configurar a ordemda transição dos objetos. Agora, estudaremos como criar animações para seus objetos. Para acessar a parte de transição de objetos, como já foi dito, clique no menu Apresentaçãode Slides>Efeitos ou, com o botão direito do mouse, clique no objeto que deseja adicionar atransição e selecione efeitos. Como mostra a figura abaixo, nesta tela pode-se configurar o efeitode transição, a velocidade, a ordem e, no botão Extras, pode-se adicionar sons à transição. Além dessas opções, pode-se configurar como ocorrerão as interações com a apresentação.Basta clicar em Apresentação de Slides > Interação ou, com o botão direito do mouse, clique noobjeto que deseja adicionar a transição e selecione interação. Abaixo está a tela que aparecerá. 106
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF6.5.5 Aplicações Aplicações Vimos como fazer transições de SLIDES e objetos. Agora podemos aplicar nossos conheci-mentos em todas e quaisquer apresentações que precisarmos na vida escolar e profissional. Outra possibilidade é utilizar os efeitos para fazer desenhos e animações com os efeitos demovimentação existentes aqui. É possível até mesmo fazer uma demonstração de um pequenojogo de corrida de carros. Basta usar a criatividade!Recapitulação Neste capítulo, vimos como utilizar alguns dos efeitos de transição de SLIDES e objetos, mas,principalmente, aprendemos como utilizar esses efeitos, que é o fator mais importante. Qualefeito usaremos, depende do nosso objetivo. Aprendemos a utilizar seqüência de efeitos e transições de SLIDES e vimos como seria ocomportamento em determinadas situações.Leitura Complementar Não deixe dúvidas no ar. Qualquer problema ou dúvida que apareça, consulte a ajuda quevem no BrOffice Impress. Nada melhor do que uma ajuda dada pelas próprias pessoas quedesenvolveram o programa. Assim, você poderá assimilar melhor o conteúdo e ainda ter novasidéias para outras possibilidades de uso e opções que o Impress oferece.6.6 Exportação6.6.1 Introdução Introdução 107
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Ao final da lição, o participante identificará a importância de uma apresentação eletrônica servisualizada de diversas maneiras. Ele será capaz de exportar uma apresentação para os forma-tos HTML e PDF.Habilidades e Competências a serem desenvolvidas Habilidades a serem desenvolvidas: • De questionar; • De identificação de problemas; • De agir multidisciplinarmente; • De analisar e sintetizar. Competências a serem desenvolvidas: • Analisar e solucionar problemas Conceitos a serem abordados • Apresentação eletrônica; • Organização de arquivos e diretórios; • Formato de arquivos. Situação de contexto e problema proposto Aprendemos até aqui diversas coisas que nos ajudam a criar e desenvolver uma apresenta-ção eletrônica. Esses conhecimentos permitem enriquecer nossa apresentação com o uso deimagens, sons e até animações. Haverá momentos em que não será possível a visualização da nossa apresentação por faltade um SOFTWARE. Imagine que alguém que não possui o Impress no seu computador pessoalgostou de uma apresentação que fizemos e nos pediu a apresentação para visualizar em suacasa. Nesse caso podemos utilizar a técnica de exportação, que, resumidamente, é a transfor-mação da nossa apresentação em outro tipo de arquivo.6.6.2 Exportação Como já sabemos existem diversos tipos de arquivos. Cada tipo possui, ao final de seu nome,um indicador que é chamado de extensão. Arquivo do tipo hipertexto (o visualizador desse tipode arquivo são os navegadores) tem extensão html ou htm (exemplo: arquivo.htm), já um arquivotexto pode ter extensão doc, rtf, além de diversos outros. Há também um arquivo texto especialque recebe extensão pdf. Se prestarmos atenção na hora de salvar nossa apresentação eletrônica, vamos perceber quehá um outro campo abaixo da caixa que solicita o nome. Esse campo é onde definimos o tipodo arquivo (ou extensão). Os SOFTWARES possibilitam que salvemos os arquivos nos formatos 108
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFque ele conhece. No Impress, por exemplo, o tipo de arquivo é o odp (OPEN DOCUMENT PRE-SENTATION).Exportação Uma exportação nada mais é do que a transformação do nosso arquivo do tipo apresentaçãopara um outro que possa ser visualizado por outro SOFTWARE. Perceba que nossa apresenta-ção não será apagada, o SOFTWARE irá criar um novo arquivo a partir de uma apresentaçãojá existente. Durante o processo, a todo o momento o botão Cancelar estará disponível parainterromper a ação. 109
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Para acessarmos a opções de exportação vamos clicar na opção Exportar do menu Arquivono canto superior esquerdo. 110
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Depois de acessarmos a opção de exportação uma tela parecida com a de salvar um docu-mento será mostrada. Nela escolheremos o local onde será salvo o arquivo exportado, o nomedesse arquivo e o formato dele. Podemos perceber que há diversos tipos de arquivos que podemos criar. Vamos aprendera exportar para os tipos de arquivo mais comuns, o pdf e o html, que estão no topo da lista deopções de formato.6.6.3 Arquivo PDF Definição O significado da sigla PDF é PORTABLE DOCUMENT FILE, em nossa língua, Arquivo deDocumento Portátil. Esse é um tipo de arquivo que, depois de criado, não pode ser mais editado.Ele é muito usado na divulgação de textos pela Intarnet pelo fato de ser mais leve e seguro queoutros tipos de arquivos. Para ser visualizado, é necessário que se tenha instalado no compu-tador um software que o possa ler. Os mais usados são o AcrobatReader, o Xpdf(só em Linux),além de outros.Exportando para PDF Depois de acessada a opção de exportação, basta escolhermos além do local e o nome doarquivo o formato PDF na lista de opções de tipos de arquivo e, depois de conferir se os dadosestão todos corretos, clicar em Salvar. Na barra padrão existe um atalho para a exportação para PDF. Ele aciona a mesma tela que éaberta quando acessamos da maneira indicada anteriormente (5.1), a diferença é que o formatoPDF já vem selecionado. 111
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF6.6.4 Arquivo HTML Definição Os arquivos HTML (HYPERTEXT MARKUP LANGUAGE ou Linguagem de Marcação de Hi-perTexto) são os arquivos que são visualizados pelos navegadores ou browsers. As páginas quevisitamos quando acessamos a Internet são em sua maioria arquivos do tipo HTML. Para visu-alizarmos esse tipo de arquivo precisamos também de um SOFTWARE específico, no caso osnavegadores.Exportando para HTML CComo em qualquer tipo de exportação, precisamos escolher o local, nome e o formato doarquivo que será criado. O formato a ser escolhido é o HTML. Depois basta clicar em Salvar. Acriação de um HTML é mais do que a criação de um simples arquivo. O Impress irá construirum sítio da nossa apresentação. Esse sítio será composto por diversos arquivos que podembagunçar o diretório destino. Por isso é interessante criarmos um diretório só para conter aexportação. A criação de um arquivo HTML, diferentemente do PDF, é dividida em passos. Diversas telasserão mostradas e cada uma delas permite a configuração de algum atributo da exportação. Aqualquer momento, em qualquer um dos passos teremos a opção de concluir a configuraçãocom o botão Criar. Caso a configuração seja interrompida, valores padrões são atribuídos aosque seriam os próximos passos e os passos já configurados ficarão do jeito que configuramos.Depois de concluirmos a configuração do HTML poderemos salvá-la para que possamos utilizá-lanovamente quando precisarmos. Uma configuração salva é chamada de design. Na primeira tela vamos ter a opção de criar um design ou utilizar um já existente. Quando nãohá design disponível, a caixa de designs existentes fica vazia. 112
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Ao escolhermos um design já existente (design existente) teremos duas opções. A primeiraé apertar o botão Próximo e editar as opções a partir dele. A segunda é simplesmente clicar emCriar , nesse último caso a apresentação é gerada a partir da configuração padrão do software. Caso a opção escolhida seja Novo design, temos também duas opções. Na primeira, com obotão Próximo, vamos editar as opções a partir das configurações padrão. Já na segunda, como botão Criar vamos exportar para HTML utilizando as configurações padrões.6.6.5 Design HTML Configurando um DESIGN As seguintes telas de configurações, em ordem cronológica, serão mostradas tipo de publica-ção; qualidade de imagens e efeitos; dados da apresentação para aparecer no HMTL; botões denavegação do HMTL; cores. Cada uma delas permite personalizar nossa apresentação. A seguirtodas as telas e as opções existentes em cada uma das telas do Impress.Figura 1 - Tipo de publicação 113
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Figura 2 - Qualidade de imagens e efeitosFigura 3 - Dados da apresentação 114
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFFigura 4 - Botões de navegação do HTMLFigura 5 - Cores 115
  • Capítulo 7Draw (Desenho)7.1 Introdução7.1.1 Primeiros Passos Introdução Geral Draw é uma ferramenta para desenhar gráficos vetoriais. Ela oferece uma série de poderosasferramentas que permitem que você rapidamente crie todos os tipos de gráficos. Ela é perfeitamente integrada a suite OpenOffice , e isto torna a troca de gráficos entre osmódulos da suite muito fácil. Isto torna relativamente simples desenhar uma imagem e reutilizá-lano módulo Writer. Você também pode desenhar diretamente do Writer usando um subconjuntodas funções e ferramentas do módulo Draw. A funcionalidade do módulo Draw é bastante extensa e completa. Mesmo não tendo sidodesenvolvido para concorrer com aplicações gráficas de alta definição, ele ainda possui maisfunções que a maioria das ferramentas de desenho integradas a suites de escritório. Alguns exemplos para aguçar seu apetite: manuseio de camadas, sistema de posicionamento,mostrador de medidas e dimensões, conectores para fazer organogramas, funções 3D permitindoque pequenos desenhos tri-dimensionais sejam criados(com textura e efeitos de luz), estilo dodesenho e da página integrados, curvas de Bezier, etc, apenas para citar alguns. Este documento apenas descreverá as funções associadas com desenho. Algumas noçõescomo manuseio de arquivos ou como o ambiente OOo funciona serão apenas discutidos breve-mente.7.1.2 Familiarização com a área de trabalho Área de trabalho Quando você inicia o Draw, a área de trabalho tem esta aparência : 116
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF A área maior, localizada no centro da tela, é aquela na qual seus desenhos serão feitos. Elaé circundada por barras e área de informação, o número e a posição de cada um varia de acordocom a organização que cada um escolhe para sua área de trabalho. A figura acima ilustra umadas possibilidades.7.1.3 Barras de Atalho As barras As várias barras do Draw podem ser mostradas ou escondidas de acordo com sua necessi-dade. Para configurar qualquer barra do Draw, basta clicar no botão ao final delas de acordo coma figura abaixo: 117
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Este menu permite que você escolha os botões que deseja ver na barra correspondente. Tudoo que você precisa fazer é selecionar a opção Botões Visíveis. Ele permite também que vocêpersonalize sua barra e crie atalhos de teclado para cada botão, bastando selecionar a opçãoPersonalizar barras de ferramentas. As ferramentas disponíveis nas várias barras serão explicadas nos parágrafos seguintes.Barra de funções A barra de funções é assim: Ela é a mesma para todos os módulos da suite OpenOffice e não será sujeito de uma descri-ção detalhada.Barra de Objetos Esta barra dá a você uma prévia, e permite que você modifique as características principais,dos objetos desenhados com os quais você esteja lidando. Os ícones mostrados irão variar coma função do objeto selecionado. No exemplo acima, as funções disponíveis permitem que você altere a cor da linha do de-senho, a cor do preenchimento, entre outros, todos relacionados ao objeto que está atualmenteselecionado. Se o objeto selecionado for um texto, a barra que aparecerá terá as funções queaparecem na barra do editor de textos Writer.Barra de Ferramentas Esta barra é certamente a mais importante do módulo Draw. Ela contém todas as funçõesnecessárias que permitem o desenho de várias formas geométricas e formas livres e para suaorganização na página. 118
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF A barra é mostrada aqui horizontalmente, mas por padrão ela é disposta verticalmente nolado esquerdo da área de trabalho. Assim como outras barras do BrOffice , os ícones tem umapequena seta, que permitem o acesso as demais funcionalidades. Por exemplo, se você clicar noícone chamado curva , a seguinte janela aparecerá: Com isso é possível escolher o tipo de curva que você quer. E mais, se você escolher outraopção deste menu, esta opção será mostrada como padrão para as operações seguintes queusarem este botão.Barra de Cores Para mostrar esta barra, você precisa ir através do menu Exibir > Barras de Ferramentas eselecionar Barra de Cores. A barra então aparecerá na parte de baixo da área de trabalho : Esta barra permite que você rapidamente escolha a cor dos objetos no seu desenho. A pri-meira caixa do painel corresponde a transparência. A paleta de cores que é mostrada por padrãopode ser mudada através do menu Formatar / Área . Escolha a aba chamada Cores . 119
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Esta aba nos permite modificar cores a partir de valores numéricos, que você pode colocarnos campos fornecidos a direita da paleta de cores. Você também pode clicar em Editar e umacaixa de diálogo aparecerá tornando a escolha das cores mais fácil.A Barra de Opções Esta barra permite que você ative ou desative vários mecanismos que tornam mais fácil atarefa de desenhar. Ao contrário das outras barras, a barra de opções não é mostrada por pa-drão. Já explicamos anteriormente como tornar uma barra visível. Quando mostrada, ela podegeralmente ser encontrada na parte de baixo da tela, e ela é como a seguir: RéguaNo lado esquerdo e na parte de cima da área de trabalho, você pode ver as réguas. Estasindicam ao usuário, a qualquer momento, o tamanho dos objetos desenhados. O movimento domouse na área de trabalho aparece nas réguas para ajudar o usuário a posicionar os objetosprecisamente. 120
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF As margens da página da área de desenho também são representadas nas réguas. É possívelalterar as margens diretamente através das réguas arrastando-as com o mouse. Você também pode mudar diretamente as unidades de medida das réguas clicando em umadelas com o botão direito do mouse: É importante mencionar que as duas réguas podem estar unidades de medida diferentes.0 As réguas também podem ser usadas para manusear as alças e capturar linhas que tornamo posicionamento de objetos mais fácil. Este aspecto em particular será tratado mais adiante.Barra de status Esta barra está localizada na parte de baixo da tela. Devemos olhar mais de perto a partecentral desta barra, porque ela é particularmente relevante para o módulo Draw. As três áreasque são de interesse para nós são as seguintes: As dimensões são dadas na unidade de medida atuais(não confundir com as unidades demedida das réguas). Esta unidade pode ser definida através da caixa de diálogo, na seçãoDesenho/Geral , dentro do menu Ferramentas/opções . Esta caixa de diálogo também permiteque você troque a escala da página. Clicando no número mostrado na barra de status. 121
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF7.2 Desenhando7.2.1 Começando a Desenhar Desenhando formas básicas Este capítulo irá ensinar a você os métodos básicos para desenhar formas simples. Ao longodeste documento, nós usaremos o termo objeto para designar as várias formas desenhadas(sejam linhas simples, retângulos ou formas mais complexas). Esta é uma notação comum emsoftwares de desenho vetorial. Os três capítulos seguintes irão mostrar como desenhar três formas básicas: um segmentode reta, um retângulo e um círculo.Desenhando um Segmento de Reta Vamos começar desenhando a mais simples das formas, um segmento de reta. O primeiropasso consiste em clicar no botão Linhas e Setas da barra de ferramentas.Ilustração 15 - Desenhando um Segmento de Reta Para desenhar um segmento de reta, tudo o que você precisa fazer é posicionar o cursor domouse no ponto que você deseja começar a desenhar (mostrado no desenho acima por uma cruzpontilhada) e clicando com o botão esquerdo do mouse e arrastando-o enquanto mantém o botãopressionado. A linha irá ser desenhada com os atributos padrão (cor e estilo da linha) 122
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 16 - Segmento Selecionado Solte o botão do mouse quando você quiser parar de desenhar a linha. Duas alças azuisou verdes localizadas em cada ponta da linha irão aparecer, mostrando que este é o objetoatualmente selecionado. As cores das alças dependem do modo de seleção (serão verdes para seleção simples eazuis no modo editar pontos). Olhe a página... para mais informações.Ilustração 17 - Desenhando uma Linha Reta com a tecla Shift Enquanto desenha um segmento de reta, se você pressionar a tecla [Shift], você irá forçar alinha a ser desenhada num ângulo múltiplo de 45° em relação a horizontal. 123
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Na Ilustração a acima, as linhas pontilhadas mostram os ângulos que são permitidos parasegmentos de reta quando a tecla [Shift] é pressionada.Ilustração 19 - Desenhando uma Linha com a tecla [Alt] Enquanto você desenha, se você manter pressionada a tecla [Alt], a linha será desenhadasimetricamente com relação ao ponto inicial. Esta técnica permite que o usuário desenhe seg-mentos de reta iniciando pelo seu meio. Você pode adicionar os efeitos da tecla [Alt] aqueles das teclas [Shift] ou [Ctrl].7.2.2 Retângulos e Círculos Desenhando um Retângulo 124
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 20 - Desenhando um RetânguloDesenhar retângulos é semelhante a desenhar segmentos de reta, exceto porque você usa obotão Retângulo da barra de ferramentas. A linha desenhada com o mouse mostra a diagonal doretângulo.Ilustração 21 - Desenhando um Retângulo com a Tecla [Alt] Enquanto desenha um retângulo, se você manter pressionado a tecla [Shift], você terá umquadrado. Da mesma maneira, a tecla [Alt] permite que você desenhe um retângulo iniciandopelo ponto central, como mostrado na figura acima.Desenhando um Círculo 125
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 22 - Desenhando um Círculo Para desenhar um círculo, use o botão Elipse da barra de ferramentas. O círculo é definidopor um retângulo que está ligado a diagonal que é desenhada com o mouse. O diâmetro docírculo será correspondente ao maior lado do retângulo.Ilustração 23 - Desenhando um Círculo a Partir do Centro A outra maneira de desenhar um círculo consiste em usar a tecla[Alt]. Neste caso, o ponto deinício é o centro do círculo, como ilustrado na figura acima. 126
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF7.2.3 Editando Objetos Todas as funções modificadoras que veremos são aplicadas ao objeto ou grupo de objetosselecionados. O objeto selecionado diferencia-se dos outros através de pequenos quadradosou círculos coloridos ao redor do objeto (isto também é verdade quando diversos objetos sãoselecionados simultaneamente). No restante deste documento, nós chamaremos estes pontosde alças. A janela ao redor de um objeto corresponde ao menor retângulo em que o objeto pode estarcontido. Quando diversos objetos são selecionados, a janela ao redor deles corresponde ao me-nor retângulo que pode conter todos os objetos. Esta janela é geralmente chamada de retângulode seleção. Se a barra de opções é mostrada, é possível trocar o tamanho das alças usando dois botões:Alças Simples , que mostra as alças como quadrados planos, e Alças Grandes , que mostra asalças em tamanho maior. Você pode combinar os efeitos obtidos pressionando os dois botões.Você também pode ter alças grandes e um formato 3-D ou alças pequenas sem um formato 3-D.Modos de Seleção Existem três modos de seleção:Ilustração 24 - Seleção Simples Seleção usada para mover ou redimensionar objetos. É indicada por pequenos quadradosverdes. Esta é a seleção padrão quando o botão Editar pontos não está pressionado. 127
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 25 - Seleção para Rotação Seleção para rotação de objetos é indicada por pequenos círculos vermelhos é um símbolorepresentando o centro de rotação.Ilustração 26 - Seleção do modo Editar Pontos Seleção do modo pontos é indicada por pequenos quadrados azuis. Uma alça extra e grandetambém aparece na maioria dos desenhos. Quando o botão editar pontos é pressionado, este éo modo padrão.7.2.4 Selecionando Objetos Seleção Direta Para selecionar um objeto, a maneira mais simples é clicar diretamente sobre ele, e o modode seleção padrão irá aparecer.Seleção por janela 128
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 27 - Seleção Retangular Você pode selecionar diversos objetos desenhando um retângulo ao redor dos objetos quevocê quer selecionar: Para um objeto ser selecionado, ele precisa estar completamente dentro do retângulo.Selecionando Objetos Escondidos Quando objetos estão localizados atrás de outros, eles ainda podem ser selecionados. Vocêprecisa primeiro selecionar o objeto que estiver por cima da maneira usual, então clique no ob-jeto escondido (ou sobre sua localização se você não pode vê-lo) pressionando a tecla [Alt].Na ilustração abaixo, o quadrado sob o círculo foi selecionado desta maneira (o círculo foi feitotransparente para podermos ver o quadrado): 129
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 28 - Selecionando Objetos Selecionados Neste exemplo em particular, também seria possível clicar no canto superior esquerdo doquadrado.Seleção Circular Quando um objeto é selecionado, a tecla[TAB] permite que você alterne sucessivamente en-tre os objetos presentes na tela, na ordem em que foram criados. Este método adicional deseleção também pode ser utilizado para selecionar objetos escondidos. Pressionando as teclas[SHIFT]+[TAB] você consegue percorrer os objetos em ordem reversa.Selecionando Vários Objetos Para selecionar/descelecionar vários objetos um por um, tudo o que você precisa fazer é pres-sionar a tecla [Shift] e clicar em vários objetos para selecioná-los ou descelecioná-los.Movendo e Ajustando Dinamicamente o Tamanho de um Objeto Existem várias maneiras de mover e mudar o tamanho de um objeto. O método descrito aquiserá chamado de dinâmico já que ele é feito usando o mouse. Quando você modifica dinamicamente um objeto, lembre-se de checar a área a esquerda dabarra de status, que mostra informações detalhadas sobre a manipulação corrente. Por exemplo, 130
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFdurante o redimensionamento, você verá a seguinte informação mostrada:Ilustração 29 - Detalhes na Barra de Status A informação mostrada muda conforme o mouse se movimenta.7.2.5 Movimentação de Objetos Movimentação Dinâmica de Objetos Para mover um objeto, tudo o que você precisa fazer é selecioná-lo e então clicar dentro damoldura de seleção, segurando o botão do mouse enquanto movimenta o mouse. Para soltar oobjeto no seu novo lugar, apenas solte o botão do mouse. Durante a movimentação do objeto, oformato dele aparecerá em linhas pontilhadas: Ilustração 30 - Movendo um Objeto Redimensionamento Dinâmico de Objetos Para alterar o tamanho de um objeto (ou grupo de objetos selecionados) com o mouse, vocêprecisa mover uma das alças localizadas em volta da seleção. Como mostrado na ilustraçãoseguinte, as linhas externas do novo objeto resultante aparecem pontilhadas. 131
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 31 - Redimensionando um Objeto De acordo com as alças que você utilizar, os resultados serão diferentes. Se você utilizaras alças localizadas nos cantos do objeto, você irá redimensioná-lo em dois eixos simultanea-mente. Se, por outro lado, você utilizar as alças das bordas da caixa de seleção, os objetos serãoredimensionados em um único eixo. Se você pressionar a tecla [Shift] ao mesmo tempo em que faz um redimensionamento, eleserá feito simetricamente nos dois eixos, permitindo que você mantenha as proporções do objeto.Com a tecla [Alt] o objeto será redimensionado simetricamente a partir do centro.Inclinação Para inclinar ou angular um objeto, use as alças vermelhas localizadas em uma das bordasdo objeto selecionado. O eixo de inclinação aparece da alça mais próxima até a borda oposta: Ilustração 34 - Inclinando um Objeto 132
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Essa função funciona da mesma maneira que a rotação, no qual você pode fazer com que ainclinação ocorra em passos de 15°, basta apenas pressionar a tecla [Shift] durante a movimen-tação da alça.7.2.6 Editando pontos Editando Pontos de Objetos Draw oferece uma completa gama de ferramentas que permitem à você editar precisamenteos contornos de um objeto. Como veremos, as funções relacionadas a pontos de edição funci-onam substancialmente da mesma forma como funcionam com curvas. Para utilizar a maioriadestas ferramentas, você precisará converter seus objetos em curvas, como veremos mais tarde.Operação Direta Alguns objetos podem ser manipulados através do modo "editar pontos"sem ter que convertê-los em curvas. Quando fazemos isso, agimos diretamente nas propriedades do objeto. Os objetosenvolvidos são definidos pela presença de uma ou mais alças adicionais. Quando você manipulaesta alça (que geralmente é maior que as outras alças de seleção), você obterá vários efeitos. Ocursor do mouse ganha a forma de uma mão fechada quando passa por um desses pontos. Aquiestá uma lista completa dos objetos relacionados(desenho de arcos e segmentos de círculos se-rão vistos no capítulo 8):Retângulo ou Quadrado. Neste exemplo, você pode fazer os cantos mais ou menos arredondados.Ilustração 35 - Retângulo Simples 133
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 36 - Retângulo ArredondadoArcos ou Elipses. Neste exemplo, você pode modificar os ângulos associados. Arcos tem duas alças de controle.Ilustração 37 - Torta 134
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 38 - Movendo os pontos de controle na tortaSegmentos Circulares ou Elípticos. Neste exemplo, você pode mudar a posição das bordas do segmento.Ilustração 39 - Segmento Circular 135
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF7.2.7 Curvas Como as Curvas Funcionam A função de editar curvas funciona baseada no método chamado Curvas de Bezier. O estudocompleto destas curvas vai além deste trabalho em particular. Apesar de tudo devemos lembrá-los do básico deste poderoso método de contorno e edição de um objeto. Ilustração 41 - Definição de uma Tangente Editar um ponto em uma curva de Bezier utiliza vários mecanismos como os representadosno desenho a esquerda: O ponto principal é chamado de ponto de junção. Duas tangentesprojetadas deste ponto, permitem a manipulação da curva que passa pelo ponto de junção. Aidéia básica é que, em volta do ponto de junção, os dois lados da curva achatem mais ou menosjunto com a tangente dependendo do tamanho e posição da tangente. Escolhendo precisamente o tipo de tangente, e movendo-a com o ponto de junção e as duastangentes com o mouse (através das alças circulares localizadas no fim de cada uma), você podecriar todos os tipos de formas. Barra das Curvas de Bezier Quando você trabalha no modo "editar pontos", uma nova barra de ferramentas aparece. E émostrada como a seguir: 136
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 42 - Barra do Modo Editar Pontos Nesta barra de ferramentas, alguns botões podem ser pressionados ou não. Seus compor-tamentos são diferentes. As funções destes três botões permitem a você escolher o tipo detangente, que serão descritas no próximo capítulo. Eles são o sexto, sétimo e oitavo botões dabarra de ferramentas. As funcionalidades dos botões restantes serão descritas em relação aexemplos de trabalho. Os Três Tipos de Tangente Três botões nesta barra de ferramentas permitem que você selecione os tipos de tangente econverta de um tipo para outro. Apenas um desses botões pode ser pressionado por vez.Ilustração 43 - Definição Simétrica Um dos botões permite que você trabalhe com uma tangente simétrica. Qualquer movimentode uma das alças será feito simetricamente pelo outro.Ilustração 44 - Tangente Assimétrica Outro desses botões permite que você diferencie os comprimentos das duas partes da tan-gente. No desenho ao lado, você pode ver claramente que a curva é mais achatada no lado maiscomprido da tangente. Esse tipo de tangente é conhecido como junção suave. Este botão nãodeve ser confundido com o anterior, já que suas representações são bastante similares. 137
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 45 - Ponto de Inflexão Também é possível destacar completamente os dois lados da tangente. Neste caso, o pontocentral é conhecido como ponto de inflexão. Usando esta técnica, você pode desenhar pontase canais nos objetos. Use este último botão para criar um ponto de inflexão em volta do pontoselecionado.7.3 Objetos7.3.1 Atributos de Objetos Mudando Atributos de Objetos Cada objeto vem com uma gama de atributos associados que caracterizam sua aparência.Estes atributos, como cor, tipo de contorno, espessura da linha, etc.... podem ser modificadosquando você quiser.Uma barra de ferramentas e uma caixa de diálogo são dedicados à modifi-cação destes atributos. Os principais atributos podem ser modificados diretamente pela Barra deObjetos. Dependendo do objeto atualmente selecionado, o Barra de Objetos muda de aparência. Quando editamos textos, uma nova barra aparece:Ilustração 57 - Barra de Atributos de Texto 138
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFEm alguns casos, a barra de ferramentas se divide em duas partes. Para ir de uma para outra,use o botão que apresenta uma flecha azul apontando para a esquerda, localizado no lado direitoda Barra de Objetos. A segunda parte da barra de tarefas irá aparecer como descrita no iníciodeste capítulo.Modificando Atributos via Menu de ContextoIlustração 58 - Menu de Contexto de Objetos Quando um objeto é selecionado, um clique com o botão direito do mouse irá mostrar umMenu de Contexto como mostrado acima. Este menu é ainda outra maneira de ter acesso às funções que permitem que você altere osatributos dos objetos. As cinco primeiras opções irão mostrar várias caixas de diálogo que permitem que você altereo aspecto do objeto, e serão descritas nas páginas seguintes. 139
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFBarra de Objeto Os botões desta barra permitem que você modifique as seguintes propriedades: Tipo de Linha: Ao pressionar este botão aparecerá uma caixa de diálogo que permite quevocê escolha as propriedades da linha selecionada atualmente. Se você quiser modificar as pro-priedades de setas, estilo da linha, largura da linha ou cor, você pode diretamente usar as quatroáreas mostradas na Barra de Objetos. A caixa de diálogo é dividida em três abas. A primeira aba permite que você edite as propriedades mais comuns da linha. Você perceberáque transparência e estilos de setas só podem ser editados por esta caixa de diálogo. A caixa de seleção sincronizar finais permite que você force os finais da linha a serem iguais.Ilustração 59 - Editando Atributos de Linha 140
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF A segunda aba permite que você dê um ajuste fino no tipo de linha que você quer ter. Usando esta caixa de diálogo,você pode definir, a aparência: número, tamanho, largura eafastamento dos traços ou pontos que fazem parte da linha. Com o botão Adicionar ,você pode criar um novo tipo de linha e inserir na lista de estilos.Existem também dois botões para ajudá-lo a salvar um novo estilo ou ler do disquete(extensão.SOD).Ilustração 60 - Atributos De Estilo de Linha A terceira aba tem por objetivo permitir que você adicione novos estilos de setas. Como vocêpode ver, não existe maneira de você criar setas através de uma caixa de diálogo. O truque éusar a seleção corrente. 141
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 61 - Editando Atributos de Estilo de Setas 142
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF7.3.2 Barra de ObjetosO botão localizado à direita da caixa de diálogo Estilo de Linha permite que você escolha dire-tamente a seta em uma pequena janela. Você pode escolher cada uma independentemente daoutra. Se você precisa usar freqüentemente esta função, não se esqueça que você pode destacaresta janela, clicando nela com o botão do mouse e arrastando-a para um novo local. Destamaneira ela permanecerá visível na área de trabalho. Se você adicionar uma nova seta, ela aparecerá na lista. 143
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFO menu Estilo de Linha permite que você escolha diretamente o estilo de linha sem ter que abrira caixa de diálogo correspondente. Se você adicionar um novo estilo de linha, ele aparecerá neste menu.A próxima área permite a escolha da espessura da linha e é mostrada na unidade de medidacorrente. Você pode entrar com esse valor manualmente na respectiva área ou então usar assetas para incrementar ou decrementar o valor. A espessura de 0cm corresponde a uma linhabastante final 144
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFO próximo menu à direita permite que você escolha a cor da linha. As cores disponíveis na paletade cores são mostradas.Este botão e a caixa de diálogo permitem que você escolha o modo de preenchimento do objetoselecionado. A caixa de diálogo é dividida em várias abas, que serão descritas nas próximaspáginas. A primeira aba, Área permite que você faça uma rápida seleção do tipo de preenchimentoque você quer, enquanto as outras abas permitem que você altere, apague ou acrescente umpreenchimento já existente. Existem quatro possibilidades de tipos de preenchimento: • Cor; • Gradiente; • Hachurado; 145
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF • Bitmap.A segunda aba, Sombra , permite que você escolha se quer ou não aplicar sombra no seu objeto.É realmente muito simples criar uma sombra abaixo de objetos. As sombras permitem que vocêsimule a flutuação de um objeto sobre a área de desenho. A sombra irá adaptar-se ao contornodo objeto que foi selecionado. Esta aba também permite que você escolha a cor, distância comrelação ao objeto e transparência da sombra. A terceira aba, chamada Transparência , permite que você selecione a transparência do pre-enchimento do objeto selecionado. Por exemplo, você pode escolher que uma transparência sejagradiente. Em todo o caso, você pode aproveitar a área à direita para prever os resultados dasalterações no gradiente atual. A opção transparência permite a você definir uma transparênciauniforme por percentagem. 0% corresponde a opacidade total e 100% para total transparência.A opção Gradiente permite que você escolha os parâmetros de transparência. Primeiro, vocêdeve escolher o tipo de transparência que você quer: linear, axial, radial, elipsóide, quadrático ouquadrado. Os dois campos de entrada de dados chamados Centro X e Centro Y permitem quevocê escolha onde estará localizado o ponto central da transparência com respeito ao objeto (0%= esquerda ou topo, 100% = direita ou base). O ângulo permite que você altere a inclinação doefeito de transparência. No desenho a direita , o ângulo de transparência é 45°. No campo Borda , o valor indica a largura da borda do gradiente ao redor do objeto. Nailustração 70, a borda estava definida em 33%. A cor da borda é definida no campo Valor Final .Os dois campos Valor Inicial e Valor Final mostram o grau de transparência nos pontos inicias efinais do efeito de transparência. No exemplo dado acima, a transparência inicial foi colocada em0% (cor opaca perto da borda) e a transparência final em 100% (transparência total - no centrodo círculo). A quarta aba, chamada Cores , permite que você edite a paleta de cores disponível. Vocêpode escolher a cor de preenchimento de um objeto dando um duplo-clique em um dos quadradoscoloridos. A quinta aba, chamada Gradientes , permite que você defina ou escolha o tipo de gradiente.Você pode escolher o gradiente para aplicar a um objeto, selecionando-o na lista e clicando em 146
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFOk . Diversos gradientes estão pré-registrados. Os parâmetros usados para definir os gradientessão similares àqueles disponíveis para transparência.Você pode salvar gradientes que você cria ou carrega a partir de um disco (extensão .SOG).Arquivos de exemplo são fornecidos por padrão junto com o OpenOffice (moderne.sog and clas-sique.sog for example). A sexta aba, chamada Hachurado , permite que você defina o padrão de um hachurado. Tudoo que você tem que fazer é indicar o afastamento entre as linhas(na unidade corrente), ângulo dohachurado, tipo de linha, (única, cruzada, triplo) e cor. Assim como para outras abas, para aplicaro hachurado selecionado a um objeto, selecione um padrão na lista e clique em OK . Você podesalvar e ler hachurados de um arquivo em disco(extensão .SOH). A sétima e última aba, chamada Bitmaps , permite que você cubra os objetos selecionadoscom um motivo obtido de uma imagem bitmap. Qualquer formato de bitmap reconhecido peloOpenOffice pode ser usado. Para que a colocação de uma imagem sobre o objeto selecionadotenha qualidade suficiente, é necessário usar imagens bitmap que contenham padrões repetidos.O botão Importar permite que você crie um novo padrão a partir de um arquivo já existente. 147
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFO editor de padrões à esquerda permite que você desenhe um padrão simples de duas cores.Para desenhar este padrão, clique nos vários quadrados do editor, usando o botão direito domouse para escolher a cor de primeiro plano e o botão esquerdo para a cor de segundo plano.7.3.3 Edição Manual de Posição e Tamanho de Objetos As lições anteriores foram dedicados à modificação dinâmica dos atributos de um ou maisobjetos, com dinamicamente significando que todas as mudanças são realizadas com o mouse.Esta técnica tem a vantagem de que podemos ver continuamente as modificações feitas no objeto,mas tem a desvantagem de que não é muito precisa. Quando um objeto é selecionado, pressionando a tecla [F4] ( Posição e Tamanho ) ou usandoo menu que é acessado clicando no botão direito do mouse, na entrada Posição e Tamanho ,mostra uma caixa de diálogo com quatro abas, que permitem a você entrar com os valores preci-sos a respeito de tamanho e posição.Entrada de Dados de Posição 148
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 83 - Entrada de Dados de Posição A primeira parte da caixa de diálogo permite que você entre com os dados de posição doseixos X e Y na unidade de medida corrente. Você também pode indicar o ponto base para esteobjeto. Por padrão, o ponto base é localizado no topo à esquerda (veja a parte esquerda dailustração 84). Se você mover o ponto base para a base à esquerda, as mesmas coordenadas X,Y serão correspondentes à um objeto posicionado como indica o lado direito da ilustração 84.Ilustração 84 - Pontos de Base Se você selecionar a caixa Proteger/Posição , o objeto não poderá mais ser movido, a não serque você retire a seleção da caixa Proteger/Posição . 149
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFEntrada de Dados de TamanhoIlustração 85 - Entrada de Dados de Tamanho Esta aba é usada para especificar o tamanho dos objetos. Se a caixa ’Manter a Proporção ’está marcada, qualquer alteração que seja feita em uma das dimensões será automaticamenteaplicada a outra dimensão, o que permite manter a proporção altura/largura do objeto. Se o objetoé uma janela de texto, outras duas opções estarão disponíveis, que permitirão que você adapte alargura e a altura da janela de acordo com o texto. Assim como para a posição do objeto, você tem que indicar a respeito de qual ponto a mu-dança será feita. Por exemplo, se você clicar no ponto central, qualquer alteração na tamanhoserá feita simetricamente com relação ao centro do objeto..Entrada de Dados do Ângulo de Rotação 150
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 86 - Entrada de Dados Do Ângulo de Rotação Esta aba permite que você especifique a posição dos dois eixos e ângulo de rotação do ob-jeto. Você também tem que definir o ponto de base no qual o eixo de rotação é medido (verificarcapítulo anterior). A área marcada como ’Configurações Padrão’ permite que você escolha rapi-damente o ângulo de rotação em múltiplos de 45°.Entrada de Dados de InclinaçãoIlustração 87 - Entrada de Dados De Inclinação A última aba desta caixa de diálogo é usada para entrar com o ângulo de inclinação do objeto. 151
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF7.3.4 Estilos e Formatação A aplicação do mesmo padrão a diversos objetos diferentes pode rapidamente se tornar umaoperação difícil em ferramentas de desenho. Felizmente o OpenOffice veio para salvar com oEstilista. Esta janela, como no módulo Writer, permite que você defina estilos particulares eaplique-os em uma única operação a vários objetos simultaneamente. Algumas das funções doEstilos e Formatação que estão relacionadas ao módulo de apresentações Impress não serãodescritas aqui.Você pode habilitar ou desabilitar o Estilos e Formatação com o botão Estilos eFormatação na barra de Objetos.A janela do "Estilos e Formatação"aparece.Aplicando um Estilo Para aplicar um estilo já existente em um ou mais objetos, tudo o que você tem que fazer éselecioná-los e dar um duplo-clique no estilo escolhido. Você também pode usar o modo ’Pre-enchimento Completo’. Quando o botão está pressionado, o cursor do mouse muda para uma 152
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFlata de tinta, e então apenas selecione todos os objetos nos quais você quer aplicar o estiloselecionado. No exemplo seguinte, nós temos um estilo particular envolvendo uma sombra, uma borda azulgrossa, um padrão bitmap de tijolos para preenchimento.Se você pressionar primeiramente o botão com a lata de tinta, apenas clique no círculo para vertodos os atributos dos estilos adicionais aplicados imediatamente:Alterando um Estilo 153
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Todos os objetos memorizam o estilo aplicados neles. Se você modificar o estilo básico, todosos objetos que estão associados com esse estilo serão modificados também. Para a alteraçãode um estilo, existem vários métodos disponíveis: • Você pode alterar diretamente o estilo de um objeto aplicando as várias técnicas que foram descritas anteriormente neste documento. Tudo o que você tem que fazer é clicar no botão ’Atualizar Estilo’; • Você também pode mudar o estilo diretamente através do Estilista. Apenas clicando no estilo com o botão direito do mouse e escolher ’Alterar’. Os exemplos seguinte mostram a você como utilizar o primeiro método:Ilustração 91 - Alterando o Preenchimento Vamos pegar a situação mostrada na ilustração 90 onde o círculo já está selecionado.Nós vamos trocar o estilo de preenchimento do círculo através do menu localizado na barra deedição de objetos. 154
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 92 - Preenchimento Bitmap Modificado Você pode ver que este novo preenchimento é imediatamente aplicado ao círculo. O retângulonão foi alterado.Ilustração 93 - Atualizando Estilo Agora clique no botão Atualizar Estilo . 155
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 94 - Aplicação Automática de Estilo ao Retângulo Agora, você pode ver que o novo estilo foi aplicado ao retângulo também.Criando um Novo Estilo Existem dois meios para criar um novo estilo: • Clique com o botão direito do mouse no Estilista e escolha ’Novo’ no menu que é mostrado. Entre como todas as opções do estilo na caixa de diálogo, nomeie o estilo e clique em ’Ok’. O novo estilo aparecerá na lista; • Você também pode usar o método conhecido como ’Copiando por exemplo’, criando um novo estilo através das propriedades de um objeto. Escolha um objeto do qual você quer criar um estilo e então clique no botão Novo estilo a partir da seleção no Estilos e Formata- ção. Uma caixa de diálogo perguntará a você o nome do novo estilo, que então aparecerá na lista.7.3.5 Transformações Especiais Na barra de ferramentas, o botão de rotação dá acesso a um sub-menu de funções agrupadassob o título de ’Efeitos’. Cada botão está associado com uma gama de funções de transformaçãoespeciais. A janela do sub-menu é assim: 156
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFRotação Nós já falamos a respeito dessa função anteriormente.Reflexão Esta função permite que você reflita um objeto com relação a um determinado eixo que vocêpode definir precisamente. Aqui está um exemplo em 5 passos explicando como funciona estaferramenta:Ilustração 96 - Exemplo de Reflexão Aqui está o objeto que você quer modificar. 157
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 97 - Eixo de Simetria Uma vez que você tenha clicado no botão ’refletir’, um eixo vermelho de simetria com duasalças aparecerá no centro do objeto. A reflexão irá ocorrer com relação a este eixo. Ilustração 98 - Movendo o Eixo O eixo de simetria pode ser movido arrastando-o com o mouse. Você também pode mudar oângulo dele arrastando uma das alças. 158
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 99 - Operação de Reflexão Quando o eixo de simetria estiver onde você quiser, você poderá dar o próximo passo. Ape-nas clique em uma das alças do objeto, e mantendo o botão do mouse pressionado, arraste-oatravés do eixo vermelho. Uma imagem espelhada é projetada do outro lado do eixo como umcontorno pontilhado.Ilustração 100 - Resultado de Reflexão Agora, apenas solte o botão do mouse e a reflexão do objeto estará completa.7.3.6 Rotação de Objetos 3D Esta função nos permite entrar no mundo dos objetos tridimensionais, algumas coisas nósiremos ver com mais detalhes mais adiante. Com esta ferramenta você pode obter um objeto 3Datravés de um perfil que você tenha desenhado com relação a um eixo de rotação. Ela é bastanteútil para desenharmos objetos comuns da nossa vida diária, como por exemplo vasos, copos,garrafas. Aqui temos alguns exemplos de desenhos em 3D obtidos através de simples perfis: 159
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 101 - Exemplos de Rotação de Objetos 3D O perfil pode ser aberto ou fechado. A maneira como essa ferramenta funciona é similar amaneira como a reflexão funciona. Um eixo é posicionado onde a rotação ocorrerá. As ilustra-ções a seguir mostram como essa ferramenta funciona: Aqui está o perfil inicial. Ele foi feito com a ferramenta para desenhar polígonos. 160
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 102 - Desenho Inicial Para Criar um Objeto 3D Quando você clica no botão Em objeto de rotação 3D , um eixo vermelho com uma alça emcada ponta aparecerá em um dos limites do perfil. O perfil resultante é mostrado do outro lado do eixo para termos uma idéia do resultado. Ilustração 103 - Eixo Inicial de Rotação Para que o desenho resultante se pareça com uma taça, você precisa mover o eixo de rotaçãoarrastando-o para o outro lado do perfil. A forma resultante é desenhada ao redor do eixo desimetria. Você pode inclinar o eixo movendo uma das alças localizadas nas pontas. 161
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 104 - Movendo o Eixo de Simetria Para ver o resultado final, clique no objeto 2D que você criou.Ilustração 105 - Objeto 3D 162
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Para podermos ver o objeto melhor, uma transparência azul foi aplicada.Ilustração 106 - Aplicação de Transparência ao Objeto 3D7.3.7 Distorção e definições dinâmicas Distorcer Esta ferramenta permite que você distorça um objeto simplesmente movendo as alças locali-zadas nas extremidades da janela de seleção. Um retângulo, por exemplo, pode ser facilmentetransformado na forma a seguir:Ilustração 107 - Resultado de um Retângulo Distorcido 163
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF O princípio por trás da distorção é bastante simples: movendo as alças localizadas nos cantosdo retângulo, você pode esticar os objetos como quiser. Se você mover as alças localizadas nasextremidades centrais, poderá esticar ou inclinar o objeto. Quando você escolhe distorcer um objeto com esta função, o OpenOffice perguntará a vocêpara primeiramente transformar o objeto em uma curva(assim como para o modo ’Editar Pontos’).Esta transformação é irreversível.Definição de Transparência Dinamicamente Anteriormente nós vimos como o Draw tem uma gama de poderosas ferramentas para definira transparência de um objeto. A caixa de diálogo sobre transparência permite que você ajustetodos os parâmetros relacionados a isso, mas nem sempre é fácil ver o como as mudanças feitasficarão antes de você salvá-las. A função de definir transparência dinamicamente permite a você atenuar este pequeno incon-veniente. É muito fácil usá-la. Quando você clica no botão ’transparência’ na barra de ferramentas, uma seta aparecerá sobre o objeto selecionado.Ilustração 108 - Alterando Transparência Dinamicamente Movendo os quadrados presentes nas extremidades dela, você mudará dinamicamente atransparência do objeto. O quadrado preto permite que você escolha o lado opaco e o quadradobranco o lado transparente. Você pode clicar em uma das caixas da paleta de cores para trocara cor do objeto(e com isso a cor do lado opaco). Clique fora do objeto para que as mudançastenham efeito. As mudanças que você pode fazer através da seta dependerão do tipo de transparência quevocê escolher. Por exemplo, com a transparência axial, o quadrado localizado no centro do objetonão pode ser movido, e você só poderá fazer alterações com o outro quadrado. Em um quadradotransparente, a seta poderá ser movida como você quiser.Definição Dinâmica de Gradiente 164
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Esta ferramenta funciona exatamente como a ferramenta para ajustar transparência. Ela sóé ativada se o objeto estiver preenchido com um gradiente. Clicando no botão ’Gradiente’ ,aparecerá uma seta sobre o objeto selecionado, como a seguir:Ilustração 109 - Definindo Gradiente Dinamicamente As duas extremidades da seta correspondem as cores iniciais e finais do gradiente. Você podealterar as cores dos dois quadrados clicando num dos quadrados da paleta de cores e arrastá-lopara o quadrado que você quiser. Os quadrados e a seta podem ser movidos livremente. Osmovimentos dos quadrados mostram imediatamente o gradiente do objeto selecionado. Cliquefora do objeto para aplicar as mudanças no gradiente. As mudanças que poderão ser feitas através da seta dependerão do tipo de gradiente quevocê escolher. Por exemplo, para um gradiente linear, os quadrados inicial e final do gradienteestarão sempre alinhados com o ponto central do objeto.7.4 Desenhando as Várias Formas Básicas7.4.1 Desenhando Textos Desenhando as Várias Formas Básicas Esta seção lhe dará uma visão geral de vários objetos básicos que você pode desenhar como módulo Draw. Estes objetos podem ser editados, combinados, etc... para criar formas maiscomplexas. Nas páginas anteriores, nós vimos como usar algumas dessas formas básicas. 165
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Todos os sub-menus de ferramentas descritas aqui podem ser mostradas a partir da barra deferramentas.Texto Esta ferramenta permite que você escreva textos com a fonte, cor e tamanho padrão definidono modo texto da barra de objetos. Se você clicar em um espaço vazio na área de trabalho, o texto será escrito neste local. Sevocê clicar em um objeto, o texto será escrito no centro do objeto e permanecerá dentro do objeto,a borda deste se tornará a janela de texto. Quando você terminar de digitar seu texto, clique dentro da janela com o mouse. Se vocêquiser, poderá descer para a próxima linha pressionando a tecla [Enter]. Você irá notar que otexto pode ser editado quando você quiser, só tem que clicar sobre ele com o mouse. Quando você digitar seu texto, você perceberá que a régua superior inclui os atributos deparágrafo: afastamento, primeira linha, paradas de tabulação. Você pode, assim como no Writer, mudar o estilo de todos ou de partes dos caracteres quevocê adiciona. É interessante notar que o Estilista também funciona aqui, que permite que vocêcrie estilos que você pode usar novamente em outras janelas de texto exatamente como você fazcom o Writer. As janelas de texto também podem ser manipuladas assim como qualquer outro objeto. Vocêpode determinar cores, sombras, etc... e claro, você também pode rotacionar a janela de texto eescrever o texto em qualquer ângulo. Esta ferramenta também permite que você digite seu texto, mas você também pode mudar otamanho do texto através das alças de seleção de objeto. 166
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 111 - Exemplo de Textos Modificados No exemplo acima, o mesmo texto foi duplicado, mas o retângulo de seleção foi mudado. Paratornar o efeito claro, foram mostradas as bordas do retângulo. Aqui novamente, o texto pode sempre ser modificado. Combinando as funções disponíveis, você pode obter uma variedade de efeitos:Ilustração 112 - Exemplo de Distorção Todos os textos feitos com essas ferramentas são modificáveis com a ferramenta Fontwork,que é uma poderosa ferramenta para distorcer textos. Falaremos a respeito do Fontwork maisadiante. O último botão nesse sub-menu é usado para criar textos explicativos. Na verdade ela é umaferramenta que coloca uma janela ao redor do texto e fornece um conector(uma seta articulada).Esta ferramenta foi usada diversas vezes neste manual. Por exemplo, a descrição das paletasdas várias formas básicas foram feitas com textos explicativos.7.4.2 Objetos 3D Draw permite que você desenhe objetos tri-dimensionais. O sub-menu objetos 3D, que podeser selecionado no menu Exibir > Barra de ferramentas > Objetos 3D oferece ao usuário 8 formasbásicas que podem ser combinadas ou fundidas para criar outras formas mais complexas. 167
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 118 - Sub-Menu Objetos 3D A criação de um objeto 3D sempre funciona da mesma maneira: clique no botão associadoe então desenhe um retângulo na área de trabalho que corresponderá a área frontal do objeto aser desenhado. A silhueta de um cubo onde estará o objeto é mostrada.Ilustração 119 - Desenho de um Objeto 3DCubo Esta ferramenta cria um cubo. 168
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Ilustração 120 - CuboGeralmente, esta ferramenta é usada para criar paralelepípedos. Se você quiser desenhar umcubo, segure a tecla [Ctrl] pressionada enquanto desenha sua forma.Esfera Esta ferramenta permite que você crie uma esfera.Ilustração 121 - Esfera Na realidade, o objeto desenhado com esta ferramenta, por padrão, é um elipsóide. Paraobter uma esfera, apenas pressione a tecla [Ctrl] enquanto desenha. 169
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFCilindro Pressione este botão e o desenho será um cilindro.Ilustração 122 - CilindroCone Esta ferramenta permite que você desenhe um cone.Ilustração 123 - ConePirâmide Este, uma pirâmide. 170
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 124 - PirâmideToro Este permite que você desenhe um toro (um anel).Ilustração 125 - ToroCasca E este uma casca, que é um hemisfério oco. 171
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 126 - CascaHemisfério Este botão permite que você desenhe um hemisfério completo, preenchido.Ilustração 127 - Hemisfério7.4.3 Agrupando e Combinando Objetos Draw contém um número de mecanismos que lhe permite combinar diversos objetos e entãoestas mudanças podem ser estendidas para o grupo, ou para criar novos objetos. Agrupar permite que você combine objetos e conduza mudanças globais a eles. Um grupopode sempre ser desfeito e os objetos que compõe o grupo podem sempre ser manipuladosseparadamente. Uma combinação é uma fusão de objetos levando a um novo objeto. Os objetos iniciais nãoestarão mais disponíveis como entidades individuais e por essa razão a operação é irreversível(a não ser que você use a função Editar/Desfazer é claro). Qualquer coisa que você decida fazer, vários objetos precisam ser selecionados para estafunção funcionar. Apenas um rápido lembrete de como selecionar vários objetos: clique em cadaobjeto enquanto pressiona a tecla [Shift] ou desenhe um retângulo ao redor dos objetos que vocêquer incluir nesta seleção. Olhe as seções seguintes para mais informações.Funções de Agrupamento 172
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFAgrupando por Seleção Comum Quando vários objetos são selecionados, as várias operações efetuadas são aplicadas a to-dos os objetos. Por exemplo, você pode rotacionar um grupo de objetos na sua totalidade. Gruposobtidos através de seleção simples de diversos objetos são desfeitos assim que você clicar forado grupo. Entretanto, há também uma maneira de agrupar objetos e manter esses objetos agru-pados.Mantendo e Desfazendo Grupos Para agrupar objetos selecionados, você pode usar o menu de contexto dos objetos e escolhera opção ’Agrupar’:fig 146 - Menu de Contexto para Agrupar Objetos Você pode também usar o atalho do teclado [Control] + [Shift] + [G]. Também é possível fazeratravés do menu principal ’Modificar / Agrupar’. Assim que os objetos são agrupados, todas as operações de edição realizadas no grupo sãoaplicadas a todos os seus membros. Se você clicar sobre um dos membros do grupo, todo ogrupo será selecionado. Este método é mais seguro do que a seleção direta, que é melhor deixarpara desenhos simples. Como indicado no começo do capítulo, os objetos do grupo mantém sua individualidade e épossível desfazer um grupo via o menu de contexto (’Desagrupar’) ou usando o atalho do teclado[Alt] + [Control] + [Shift] + [G] ou através do menu principal ’Modificar / Desagrupar’.Editando objetos individualmente em um grupo 173
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Os objetos de um grupo mantém todas as suas propriedades, e é sempre possível editar cadaobjeto individualmente sem desfazer o grupo. Para fazer isso, você precisa usar a função ’Editargrupo’ que está disponível através do menu de contexto ou através da tecla [F3]. Você tambémpode editar um grupo dando um duplo clique sobre ele. Uma vez que você estiver nesse modo, você pode clicar sobre ele e editar cada objeto emseparado. Para sair deste modo, use a função ’Sair do Grupo’ ou através do atalho [Control] + [F3]. Vocêpode também, simplesmente clicar em qualquer ponto fora do grupo. Quando você trabalha dentro do grupo, os objetos que não estão dentro do grupo não podemser selecionados e aparecem sombreados. Aqui está um exemplo do uso desta função:fig 147 - Arranjo de Objetos para um Exemplo de Agrupamento As formas bi-dimensionais acima fazem parte de um grupo. A esfera em 3D não é parte destegrupo. Quando este grupo é selecionado (como acima) e você pressiona a tecla [F3], você terá oseguinte: 174
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFfig 148 - Selecionando o Grupo A esfera aparece fora de foco para indicar que ela não é parte do grupo e que você não podeselecioná-la. Neste modo, você pode selecionar qualquer um dos objetos no grupo e editá-losindividualmente:fig 149- Objeto do Grupo 175
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFfig 150 - Descelecionando o Grupo No exemplo dado, nós estamos rotacionando o retângulo de cantos retos. Quando você pres-siona [Control] + [F3], você deixará o grupo e a esfera estará disponível para seleção novamente. Você perceberá que pode fazer grupos de outros grupos. Neste caso, OpenOffice mantém ahierarquia inicial do grupo. Se você desagrupar um grupo composto por outros grupos, você terágrupos individuais que você poderá desagrupar mais tarde.7.4.4 Funções de Combinação Ao contrário da função de agrupamento, combinações criam um novo objeto. O princípio defuncionamento é o seguinte: escolha todos os objetos que você quer combinar. 176
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 151 - Objetos a combinar Então use a função Combinar do menu de contexto. O atalho é [Control] + [Shift] + [K].Ilustração 152 - Menu para combinar objetos O resultado final da combinação é mostrado na ilustração seguinte:Ilustração 153 - Resultado de uma Combinação Numa primeira olhada, isto pode parecer um pouco surpreendente. Felizmente, assim quevocê entender as regras que regem a combinação no OOo, as coisa se tornarão mais claras: 177
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF • Os atributos do objeto resultante serão os atributos do objeto que está mais ao fundo. No nosso exemplo, é o círculo. O desenho resultante tem a mesma cor, a mesma espessura de linha, etc... do círculo; • O resultado da combinação é uma Curva de Bezier; • Onde os objetos se sobrepõe, as zonas sobrepostas serão representadas como zonas pre- enchidas ou vazias, dependendo do número se sobreposições. Quando existe um número par de sobreposições, você tem um espaço vazio (representado por um buraco ) no dese- nho. Quando as sobreposições são em número ímpar, você tem uma área preenchida. No nosso exemplo, nós podemos contar o número de sobreposições.Ilustração 154 - Regras de Sobreposição Existem outras técnicas de combinações disponíveis que dão resultados diferentes. Elas se-rão descritas no capítulo seguinte.Funções de Mesclar Formas Todas essas funções podem ser acessadas através do menu de contexto de grupo, chamado’Formas’. Existem três possibilidades.Mesclar Ao aplicarmos esta função, o resultado é o seguinte: as partes sobrepostas dos objetos sefundem transformando-os em apenas um objeto(também conhecido como união). 178
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 155 - Mesclando FormasSubtrair A subtração irá retirar do objeto mais ao fundo a área correspondente, a área sobreposta doobjeto superior, e o objeto superior irá desaparecer.Ilustração 156 - Subtraindo FormasCruzar Ao cruzar dois objetos, o objeto resultante será apenas a área sobreposta dos objetos seleci-onados. 179
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 157 - Cruzando Formas7.4.5 Alinhando e Organizando objetos Alinhando Objetos O sub-menu de alinhamento tem seis botões como mostrado abaixo: Esta janela pode ser destacada da barra principal e permanecer visível na área de trabalho.Os botões se tornam ativos quando os objetos estão selecionados. O sub-menu permite quevocê alinhe qualquer objeto selecionado de uma certa maneira.Organizando Objetos Para acessar o menu para organizar objetos, basta clicar no botão organizar na barra deferramentas. 180
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF A barra organizar objetos é mostrada como a seguir: Esta barra de tarefas pode ser destacada. Ela permite que você organize a superposiçãorelativa dos objetos. Os exemplos dados abaixo devem ajudá-lo a entender como ela funciona.7.5 Ferramentas de auxílio7.5.1 Zoom Esta seção tem por objetivo mostrar-lhe as várias maneiras que o OOoDraw pode ajudá-lo acriar seus desenhos mais facilmente.Escolhendo Escala e Controlando Valores de Zoom Para trabalhar com maior precisão em certas áreas de seus desenhos, OOoDraw tem umavariedade de ferramentas que permite a você ajustar a ampliação do desenho.Zoom Através da Barra de StatusIlustração 176 - Mostrador de Zoom na Barra de Status O valor do zoom atual é mostrado na barra de status. Se você der um duplo-clique no valor do zoom, uma janela é mostrada e nela você poderámudar o valor percentual do zoom: 181
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Ilustração 177 - Definição de Zoom Você pode escolher um dos vários valores presentes, ’Otimizado’ que ajusta o zoom paramostrar os objetos do seu desenho com a máxima escala conveniente.A’Largura da Página’ éque ajusta os limites esquerdo e direito da página ao tamanho da área de trabalho, ’Página In-teira’ permite que você veja a página toda, ou você pode até mesmo entrar diretamente com ovalor do zoom no campo ’Variável’.Barra de Zoom Uma barra presente no BrOffice lida inteiramente com as funções de zoom. É uma janeladestacável que pode ser acessada através do menu Exibir > Barra de Ferramentas > Zoom . Ilustração 178 - Sub-Menu Zoom 182
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF7.5.2 Manuseando Camadas Camadas OO Draw tem uma área de trabalho que pode opcionalmente compreender uma série decamadas sobre as quais você pode desenhar as diferentes partes do seu desenho. A maior van-tagem de usar camadas vem do fato de que elas podem ser mostradas e escondidas à vontade.Esta técnica é bastante usada em arquitetura. A camada básica contém a planta básica do pré-dio. Então várias camadas são usadas para representar encanamentos, circuito elétrico, mobília,dimensões, etc... O manuseio de camadas é controlado por um modo particular disponível no Draw. Este modo,por padrão, já está ativado e é mostrado a seguir: Quando você troca para o modo de camadas, abas apresentando todas as camadas dispo-níveis são mostradas na parte de baixo da área de trabalho. Por padrão, as camadas seguintesestão sempre presentes: ’Layout’, ’Controles’, ’Linhas de Dimensionameto’. Você ativa uma camada clicando na sua aba. O comportamento padrão para as ferramentasde desenho é posicionar o desenho na camada selecionada atualmente. No exemplo acima, osdesenhos estão posicionados na camada chamada ’Linhas de Dimensionameto’. Se você clicar com o botão direito do mouse sobre uma camada, um menu aparecerá ele per-mite que você possa insir ou excluir uma camada, renomear uma camada existente ou modificá-la.No último evento, o seguinte caixa de diálogo será mostrada: 183
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Esta caixa de diálogo permite que você especifique se uma camada será visível ou não, seserá ou não impressa quando o desenho é impresso(que é bastante útil quando você quer fazeranotações no desenho mas não quer que apareçam na versão impressa, e se ela será protegida). Todos os desenhos de uma dada camada protegida estão protegidos contra mudanças(movimento,redimensionamento, etc...).7.5.3 Trabalhando com objetos 3D Mesmo que OpenOffice não tenha a pretensão de concorrer com pacotes de softwares degeração de imagens, ele possui diversas ferramentas que permitem que você crie alguns bonsdesenhos 3D . Nós vimos anteriormente desenhos 3D primitivos e também descrevemos a cria-ção de um objeto 3D usando um perfil de revolução. Este capítulo lhe mostrará outra maneira dedesenhar objetos 3D.Rotacionando objetos 3D A função de rotação também funciona com objetos 3D, mas de uma maneira diferente dosobjetos tradicionais. Rotação age numa zona tridimensional indicada na figura abaixo : Ilustração 192 - Rotação de um Objeto 3D Se você move as alças do objeto localizadas nos limites do retângulo de seleção, o objeto giranos eixos horizontal ou vertical. Se você move um dos cantos do retângulo de seleção, o objetogira em um eixo perpendicular ao plano da área de trabalho. Assim como para objetos 2D, os eixos de rotação são representados por um pequeno símboloque pode ser movido. 184
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFConfigurações 3D Objetos 3D têm seu próprio sub-menu. Este sub-menu é chamado ’Configurações 3D’. Elepode ser acessado da barra de ferramentas, clicando em: menu Exibir > Barra de Ferramentas >Configurações 3D. A janela que é mostrada (e pode ser destacada do resto da barra de ferramen-tas e permanecer disponível na área de trabalho) é composta por várias páginas que podem serselecionadas por uma série de botões presentes no topo. Este capítulo irá lidar com cada umadessas páginas.Botões Disponíveis em Todas as Páginas Todas as páginas tem os seguintes botões :Permite você converter um objeto 2D em um objeto 3D. Permite que você rotacione o objeto 3D selecionado em todas as direções. 185
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Este botão permite que você configure a direção da perspectiva do objeto selecionado. Este botão permite que você configure a profundidade do objeto selecionado. 186
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Este botão permite que você faça a configuração de direção da iluminação do objeto 3Dselecionado, clicando nas pequenas imagens de lâmpada em torno do cubo.7.5.4 Efeitos 3D Este menu permite que você aplique atributos 3D a qualquer objeto 3D. Para acessá-lo, bastaclicar com o botão direito no objeto 3D a ser modificado e selacionar Efeitos 3D. Ele é assim: 187
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 194 - Efeitos 3D - Favoritos Este menu nos permite ajustar itens como Geometria, Sombreamento, Iluminação, Texturas eMaterial. Para aplicar um atributo 3D a um objeto selecionado, apenas escolha um deles na área’Geometria’ e clique no botão Atribuir. Você notará que só os atributos são aplicados, nenhumobjeto é transformado (um círculo, por exemplo, não será transformado em uma esfera se vocêclicar na primeira imagem da página ’Geometria’ – mas receberá os atributos da esfera ,incluindoa cor). Se o objeto selecionado não é um objeto 3D, ele será automaticamente convertido em um.A operação que converte objetos 2D em objetos 3D é chamada extrusão. Você pode fazer isso,aplicando um dos atributos dos exemplos mostrados antes e depois clicando no botão corverterem 3D. Este mecanismo permite criar uma variedade de objetos : 188
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Ilustração 195 - Exemplos de Formas 3D AA segunda forma na primeira linha foi obtida por extrusão de uma combinação de três círcu-los (um círculo grande e dois menores, quando combinados, tornam-se buracos).7.5.5 Geometria Página Geometria Esta página permite que você defina as características geométricas que estão relacionadasaos objetos 3D, como mostrado abaixo: geometria O parâmetro ’Bordas Arredondadas’ permite que você defina, para uma forma 2D que é trans-formado em uma forma 3D, o grau de arredondamento das arestas. Abaixo estão dois exemplosque foram obtidos da transformação de um retângulo: 189
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 197 - 0% Bordas ArredondadasIlustração 198 - 25% Bordas Arredondadas Estes parâmetros são particularmente úteis para textos que foram transformados em formas3D. A profundidade escalonada definirá a proporção entre as faces anterior e posterior do objeto.Por padrão, a escala é definida em 100%, o que significa que ambas as faces terão a mesmadimensão. Se você definir a profundidade escalonada em 50%, por exemplo, com o cubo acima,nós temos o seguinte: 190
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 199 - Profundidade Escalonada de 50% Aqui você pode ver claramente que a face anterior é 50% menor do que a face posterior.Também é possível definir a profundidade escalonada em mais de 100% e neste caso ter umaface anterior maior do que a face posterior. O parâmetro ’Ângulo de Rotação’ é útil para algumas formas que são feitas rotacionando umperfil em torno de um eixo. Este parâmetro permite que você decida se a rotação será completa(360°)ou não. Aqui está o que você obtém com um hemisfério e um valor de 180°:Ilustração 200 - Ângulo de Rotação de 180° O parâmetro ’Profundidade’ permite que você defina a profundidade de um objeto 2D que serátransformado em um 3D. Este valor pode ser modificado a qualquer momento. Este parâmetronão se aplica a formas originalmente 3D. Os dois parâmetros seguintes (segmentos horizontal / vertical) permite a você definir o númerode segmentos de uma forma arredondada. Quanto maior o número, mais suave a superfície daforma parecerá, mas ficará também mais demorado para carregar. No exemplo abaixo, a esferada esquerda é formada por 10 segmentos verticais e horizontais, e a da direita é formada por 25segmentos: 191
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFIlustração 201 - Exemplo do Uso do Número de Segmentos Os cinco botões seguintes (chamados ’perpendiculares’) permitem que você modifique asnormais do seu objeto 3D. Uma normal é uma linha reta que é perpendicular a uma superfície deum objeto. Aqui estão algumas normais desenhadas em uma esfera de 10 segmentos :Ilustração 202 - Perpendiculares Normais permitem que você defina o aspecto exterior de um objeto e suas interações comtexturas e iluminação. Quando você troca o modo normal (também conhecido como modo deprojeção), você age na geometria de um objeto. 192
  • Capítulo 8Base (Banco de Dados)8.1 Noções de banco8.1.1 O que é um Banco de Dados? Imagine que você possui uma empresa, todos os dados dos seus clientes estão armazenadosem fichas, guardadas em fichários num enorme armário empoeirado. Sempre que você precisaconsultar o endereço, por exemplo, de um deles, você não acha a ficha ou não entende o queestá escrito. Essa situação pode ser evitada se cadastrar os seus clientes utilizando um programaespecífico que trabalhe com banco de dados. Um banco de dados é simplesmente um conjunto de informações, onde os dados são or-ganizados de forma lógica e estruturada. Por exemplo, um cadastro de estoque de filmes deuma locadora é um banco de dados. Nele podemos cadastrar um novo filme, alterar algum exis-tente ou excluir algum indesejado. Tempos atrás, quando a maioria das empresas ainda não erainformatizada, todas essas funções eram feitas manualmente.8.1.2 SGBDs Conceito 1: Computadores são particularmente adequados para o armazenamento e mani-pulação de dados e permitem classificar e recuperar com rapidez e eficiência grandes volumesde dados.Conceito 2: Bancos de dados, como vimos anteriormente, são depósitos de conjuntos de dadosrelacionados. Sendo assim, podemos dizer que os Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados (SGBDs)são as ferramentas usadas para o processamento e o armazenamento organizado de dados emcomputadores. O objetivo principal de um sistema de banco de dados é possibilitar um ambienteque seja adequado e eficiente para uso na recuperação e no armazenamento de informações. Há variados SGBDs para microcomputadores, como por exemplo, dBase IV e Paradox daBorland International; Access e FoxPro da Microsoft; Lotus Approach e FileMaker Pro da Claris;Base que é LIVRE. Hoje, graças aos microcomputadores, SGBDs são usados tanto por empresas, para registraros processos relativos a vendas, contabilidade geral, gerenciamento de funcionários, quanto emnível doméstico para gerenciar compras, contas, informações referentes a amigos. 193
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF8.1.3 O que é o Base? O Base é um poderoso sistema de gerenciamento de banco de dados para uso em escritóriosou residências.O que ele permite? Permite que se construa um banco de dados para uma grande gama de atividades de controlede dados. Podemos utilizá-lo para criar desde um simples cadastro de clientes a um complexocontrole de estoque, passando por aplicações de folha de pagamento, contas a pagar/receber,sistema de vendas, entre outros. Além disso, você pode acessar dados armazenados em diversos formatos de arquivos debanco de dados. O Base oferece suporte nativo a alguns formatos de bancos de dados de ar-quivos simples, tais como o formato dBase. Você também pode usar o Base para se conectar abancos de dados relacionais, tais como bancos de dados MySQL ou Oracle.O que ele utiliza? Utiliza tabelas para armazenar os dados dos usuários. O primeiro passo a ser tomado é acriação de tabelas em seu banco de dados. Em seguida criar relacionamentos entre as tabelase as planilhas de consultas de dados. Para interagir com o seu banco de dados utilizando umainterface gráfica mais aprimorada criamos os formulários. Para imprimir os dados do Banco dedados utilizamos os relatórios. Veremos no decorrer do curso como manipular esses recursos.8.2 Tabelas8.2.1 Entendendo as tabelas Uma tabela é um conjunto de dados sobre um tópico específico, como produtos ou fornece-dores. Utilizar uma tabela separada para cada tópico significa armazenar os dados somente umavez, o que torna o banco de dados mais eficiente e reduz os erros de entrada de dados. Todas as informações do banco de dados são armazenadas em tabelas. Porém, antes decriá-las, devemos analisar algumas coisas para que posteriormente evitemos problemas. Temosque ter em mente o que realmente precisa ser feito, o que gostaríamos de cadastrar e quala importância de se cadastrar (para não correr o risco de cadastrar dados desnecessários ourepetidos). 194
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Só após esquematizar tudo que será feito é que devemos partir para ferramenta que permitiráa criação das tabelas. Existem várias maneiras de se criar uma nova tabela: • Criar tabela no modo estrutura – utilizamos o modo estrutura para criar uma tabela definindo os nomes de cada campo, bem como suas propriedades. É o modo mais utilizado; • Criar tabela usando o assistente – o Base possui alguns modelos de estruturas de tabelas, o assistente nos auxilia a criá-las; • Criar tabela inserindo dados - criamos a tabela cadastrando os dados automaticamente.8.2.2 Design da tabela Desafio: Tente fazer criar uma tabela seguindo os passos abaixo. Na próxima págibna vocêterá mais detalhes e poderá verificar se acertou ou não. Essa seção contém informações sobre como criar uma nova tabela do banco de dados naexibição de design. Abra o arquivo do banco de dados no qual deseja inserir uma nova tabela. Clique no íconeTabelas. Para criar uma nova tabela, escolha Criar tabela no modo de design. Na exibição de design, agora você poderá criar os campos da tabela. • Insira novos campos em linhas de cima para baixo. Clique na célula Nome de Campo e insira um nome de campo para cada campo de dados. • Na próxima célula à direita, defina o Tipo de Campo. Ao clicar na célula, você poderá selecionar um tipo de campo na caixa de combinação. 195
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Cada campo poderá aceitar somente dados que correspondam ao tipo de campo especificado.Por exemplo, não é possível inserir texto em um campo de número. Campos de memória noformato dBase III são referências a arquivos de texto gerenciados internamente, os quais podemsuportar até 64KB de texto. Você poderá inserir uma Descrição opcional para cada campo. O texto da descrição apare-cerá como uma dica nos títulos da coluna na exibição de tabela.Propriedades do CampoInsira as propriedades para cada campo de dados selecionado. Dependendo do tipo do bancode dados, alguns recursos de entrada podem não estar disponíveis. Na caixa Valor padrão, insira o conteúdo padrão para cada novo registro. Esse conteúdopoderá ser editado mais tarde. Na caixa Entrada obrigatória, especifique se o campo poderá ou não permanecer vazio. Na caixa Comprimento, uma caixa de combinação poderá ser mostrada fornecendo as op-ções de escolha disponíveis.8.2.3 O Modo Design Este modo define o esqueleto da sua tabela, ou seja, define todos os tipos de informações queconterão a tabela. Esses “tipos de informações” são definidos como um campo. Por exemplo, seprecisamos cadastrar os endereços dos nossos clientes, criamos um campo com nome Endereço,veja abaixo: Nome do Campo: coluna que identifica o nome de cada campo. Tipo de Dados: existem vários tipos de informações, por exemplo, o campo endereço arma-zena letras e números, já o campo preço armazena valores, por isso cada campo precisa seridentificado por um tipo de dado. São eles: • Texto: armazena qualquer letra, símbolo, e número(desde que não seja para efetuar cálcu- los); • Memorando: muito parecido ao tipo texto com a diferença de poder armazenar muito mais informações(sua capacidade é maior), geralmente usamos este tipo para campos onde são inseridas observações ou descrições; • Número: armazena números que serão utilizados para cálculos, por exemplo, idade e quan- tidades; • Data/Hora: armazena valores que utilizam alguns dos formatos de data ou hora, por exem- plo 13-02-00 ou 29-out-00; 196
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF • Moeda: armazena valores monetários, exemplo: preço do produto; • Autonumeração: gera uma seqüência de números crescentes e que não se repetem, utili- zado geralmente quando se quer atribuir um código a algum produto ou cliente, por exemplo; • Sim/Não: armazena um valor verdadeiro ou falso, usamos com perguntas do tipo Fuma? ou Tem filhos? pois só podem haver duas respostas: Sim ou Não; • Objeto OLE: armazena dados de outros aplicativos como o Word, Excel, CorelDRAW!, etc., pode ser utilizado para guardar a foto de um funcionário, por exemplo; • Hyperlink: armazena um hyperlink, ou seja, um enderço de um arquivo ou de um site; • Assistente de Pesquisa: permite pesquisar os dados de um campo nos registros de outras tabelas. Esta propriedade éque permite personalizar a maneira como números, datas, horas e textossão exibidos e impressos. Veja um esquema que mostra as opções de formato de alguns tiposde dados: Descrição: é utilizada apenas para indicar qual é função do campo ou que tipo de informçõesdevem ser digitados no campo, por exemplo, se for um campo nome do cliente, podemos colocaruma descrição informando ao usuário o que ele deve digitar por extenso, sem abreviações.8.2.4 As propriedades de um campo Além de escolher o tipo de dado que deverá conter o campo, ainda podemos configurar mais.Cada tipo de campo que escolhemos permite diferentes configurações. Essas configurações sãoas propriedades do campo e aparecem na parte inferior da janela na guia geral. 197
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Abaixo descrevemos as propriedades mais utilizadas (lembrando que elas variam de acordocom o tipo de dado escolhido): Tamanho do campo: serve para controlar o número máximo de caracteres que podem serinseridos em um campo Texto (aceita até 255 caracteres) ou para controlar o intervalo e tipo devalores numéricos que podem ser inseridos em um campo Número. A tabela abaixo mostra ostamanhos aceitos pelo campo Número: Byte Armazena números de 0 a 255 (não fracionários). Decimal Armazena números de -10 ^38 -1 a 10 ^38 -1 (.adp) ou Armazena números de -10 ^28 -1 a 10^28 -1 (.mdb) Inteiro Armazena números de -32 768 a 32.767 (não-fracionários). Duplo Armazena números de -1,79769313486231E308 a -4,94065645841247E-324 para valores negativos e de 1,79769313486231E308 a 4,94065645841247E-324 para valores positivos. OOs cabeçalhos de linha (clique com o botão direito do mouse) contém os comandos de menude contexto a seguir: Recortar: Recorta a(s) linha(s) selecionada(s) para a área de transferência; Copiar: Copia a(s) linha(s) selecionada(s) para a área de transferência; Colar: Cola o conteúdo da área de transferência; Excluir: Exclui a(s) linha(s) selecionada(s); Inserir Linhas: Insere linhas na frente das células marcadas; Chave Primária: Se este comando apresentar uma marca de seleção, o campo de dadosnesta linha é uma chave primária. Clicando no comando, você ativa/desativa o status. O comandoficará visível somente se a fonte de dados oferecer suporte às chaves primárias. A seguir veremos as propriedades do campo que está selecionado no momento: Tamanho: Insira o tamanho do campo de dados; Casas Decimais: IInsira o número de casas decimais para um campo numérico ou um campodecimal; Valor Padrão: Especifica o valor que é o padrão em novos registros de dados; Exemplo de Formatação: Exibe o código de formatação que você pode selecionar com obotão ... ); Procurar ( ... ): Este botão abre a caixa de diálogo Formato de campo.8.2.5 Salvando uma tabela Após criar todos os campos, escolher os tipos de dados e alterar todas as propriedades ne-cessárias, feche a janela Tabela1. Aparecerá uma caixa de diálogo perguntando se deseja salvaras alterações. Clique em Sim e defina um nome para sua tabela. Logo após aparecerá outracaixa perguntando se deseja definir chave primária, clique em sim.Nota: Uma chave primária indica que o campo não poderá ser repetido em hipótese nenhuma,é utilizada muito para identificar um cliente, por exemplo através de um código. Além disso,uma tabela somente pode ter uma chave primária, seja ela simples ou composta. Em outraspalavras, não podemos definir dois ou mais campos de uma tabela para serem cada um, umachave primária separada. 198
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Não confundir com o caso de uma chave primária composta, onde a união de dois ou maiscampos é que forma a única chave primária da tabela. Ou seja, cada tabela pode ter uma únicachave primária. O campo definido como chave primária está representado por uma chavinha ao lado do campocódigo, na figura acima. Observação: cada tabela que criarmos e obviamente se for salva, será apresentada por umícone na janela das tabelas.8.2.6 Relações Relações Esse comando abrirá a janela Design de relação, que permite que você defina as relaçõesentre as várias tabelas de banco de dados. Aqui você pode vincular as tabelas do banco de dados atuais por meio de campos de dadoscomuns. Clique no ícone Nova relação para criar as relações ou simplesmente arraste e solteos campos com o mouse. Outra forma de acessar este recurso é clicar em Ferramentas >Relações. Essa função só estará disponível se você estiver trabalhando com um banco de dadosrelacional. Se você clicar no comando Design da Relação, no menu de contexto do recipiente da tabela,será aberta uma janela na qual são mostradas todas as relações existentes entre as tabelas dobanco de dados. Se não houver nenhuma relação definida ou se você quiser relacionar outrastabelas do banco de dados entre si, clique no ícone Adicionar Tabelas. Será exibida a caixa dediálogo Adicionar Tabelas, na qual você pode selecionar as tabelas que deseja.Inserir tabelas 199
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFSe a janela Design da Relação estiver aberta, as tabelas selecionadas não poderão ser mo-dificadas, mesmo que estejam no modo de design da tabela. Isso assegura que as tabelas nãoserão alteradas enquanto as relações estiverem sendo criadas. As tabelas selecionadas são mostradas na área superior da exibição de design. Você podefechar uma janela da tabela através do menu de contexto ou com a tecla Del (excluir).Mover tabela e modificar tamanho de tabela Você pode redimensionar e dispor as tabelas de acordo com as suas preferências. Para mo-ver as tabelas, arraste a borda superior até a posição desejada. Amplie ou reduza o tamanho noqual a tabela será exibida, posicionando o cursor do mouse sobre uma borda ou sobre um cantoe arrastando a tabela até o tamanho desejado.Chave primária e outra chave Para definir uma relação entre tabelas diferentes, insira uma que identifique claramente umcampo de dados da tabela existente. Você pode fazer referência à chave primária a partir deoutras tabelas para acessar os dados dessa tabela. Todos os campos de dados que se referema essa chave primária serão identificados como uma chave externa. Todos os campos de dados que se referirem à chave primária serão identificados na janela databela por um símbolo de chave pequena. Por exemplo, considere a tabela "Item", na qual cada registro individual pode ser definido porum número de item. O campo "Item-Number"(Número do Item) é a única chave nessa tabela e étratada como uma "chave primária". Há uma tabela adicional com o nome "Orders"(Pedidos) no banco de dados. O número do itempedido é atribuído para cada registro nessa tabela por meio de um campo "Item-Number"(Númerodo Item). Esse campo é também um campo-chave. Ele contém uma chave utilizada para acessaros registros de outra tabela, nesse caso, a tabela "Item". Por esse motivo, ele é chamado "chaveexterna". A relação é utilizada para relacionar a chave primária da planilha "Article"(Artigo) à outra chaveda planilha "Orders"(Pedidos). 200
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFDefinir relações Todas as relações existentes são mostradas nas janelas de relações por uma linha que co-necta os campos primários e outros campos-chave. Você pode adicionar uma relação utilizandoo método de arrastar e soltar, para soltar o campo de uma tabela sobre o campo da outra tabela.A relação é removida novamente quando se seleciona e pressiona a tecla Delete. Outra alternativa seria clicar no ícone Nova relação na área superior do campo de relação edefinir a relação entre as duas tabelas na caixa de diálogo Relações.Nova relação Se você utilizar o como o front-end de um banco de dados relacional, a criação e exclusãode relações não serão posicionadas em uma memória intermediária, mas sim encaminhadasdiretamente para o banco de dados externo. Clicando duas vezes em uma linha de conexão, pode-se atribuir certas propriedades à relação.A caixa de diálogo Relações é aberta.8.3 Consultas8.3.1 Uso de Consultas Se, com freqüência, você deseja acessar apenas um subconjunto de seus dados que podeser definido corretamente por meio de uma condição de filtro, é possível definir uma consulta, quenada mais é que um nome para a nova exibição nos dados filtrados. Você pode abrir a consultae ver os dados atuais no layout de tabela que definiu.Criação de uma consulta com o Assistente de Consultas Você pode usar o Assistente de Consultas para criar uma consulta: 1. Abra o arquivo de banco de dados em que você deseja criar a nova consulta. 2. No painel do lado esquerdo da janela do banco de dados, clique no ícone Consultas. 3. Clique em Usar Assistente para criar consulta.Criação de uma consulta com a exibição de design 1. Abra o arquivo de banco de dados em que você deseja criar a nova consulta. 2. No painel do lado esquerdo da janela do banco de dados, clique no ícone Consultas. 3. Clique em Criar consulta na exibição de design.8.3.2 Assistente de Consultas O Assistente de Consultas ajuda você a criar uma consulta ao banco de dados. A consultasalva poderá ser acessada posteriormente, seja por meio da interface gráfica do usuário ou deum comando SQL criado automaticamente. 201
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFAssistente de Consultas - Seleção de campo Especifica a tabela na qual será criada a consulta, bem como os campos a serem incluídosnela.Assistente de Consultas - Ordem de classificação Especifica a ordem de classificação dos registros de dados em sua consulta.Assistente de Consultas - Condições de pesquisa Especifica as condições de pesquisa para filtrar a consulta.Assistente de Consultas - Detalhe ou resumo Especifica se é necessário exibir todos os registros da consulta ou apenas os resultados dasfunções agregadas. Essa página só será exibida quando houver campos numéricos na consulta que permitam ouso de funções agregadas.Assistente de Consultas - Agrupamento Especifica se é necessário agrupar a consulta. A fonte de dados deve oferecer suporte àinstrução SQL "Order by clauses"(Ordenar por cláusulas) para ativar essa página do Assistente.Assistente de Consultas - Condições de agrupamento Especifica as condições para agrupar a consulta. A fonte de dados deve oferecer suporte àinstrução SQL "Order by clauses"(Ordenar por cláusulas) para ativar essa página do Assistente.Assistente de Consultas - Aliases Atribui aliases aos nomes de campo. Os aliases são opcionais e permitem o uso de nomesmais amigáveis ao usuário, os quais são exibidos no lugar dos nomes de campos. Por exemplo,é possível usar um alias quando os campos de diferentes tabelas tiverem o mesmo nome.Assistente de Consultas - Visão geral Digite o nome da consulta e especifique se deseja exibir ou modificar a consulta após a finali-zação do Assistente. Na parte inferior podemos encontrar os seguintes botões: • Cancelar: Clicar em Cancelar fecha a caixa de diálogo sem salvar as alterações; • Voltar: Observe as seleções na caixa de diálogo da etapa anterior. As configurações atuais permanecem alteradas. Esse botão só poderá ser ativado a partir da página dois; • Avançar: Clique no botão Avançar; o Assistente usará as configurações da caixa de diálogo atual e passará à próxima etapa. Na última etapa, esse botão se transforma no botão Criar. 202
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF8.3.3 Assistente de Consultas - Seleção de campo Especifica a tabela na qual será criada a consulta, bem como os campos a serem incluídosnela.Tabelas Especifica a tabela para a qual a consulta será criada.Campos existentes Lista os nomes dos campos do banco de dados na consulta ou tabela selecionada. Cliquepara selecionar um campo ou, para selecionar vários campos, pressione a tecla Shift ou Ctrlenquanto clica. > Clique para transferir os campos selecionados para a caixa à direita. < Clique para remover o campo selecionado da caixa à direita. Os campos serão exibidos novamente na caixa à esquerda. ^ Clique para mover para cima uma entrada selecionada na lista. v Clique para mover uma entrada para baixo o campo selecionado na lista. Campos na consulta Exibe todos os campos que serão incluídos na nova consulta.8.3.4 Assistente de Consultas - Ordem de classificação Especifica a ordem de classificação dos registros de dados em sua consulta.Classificar por Especifica o campo pelo qual a consulta criada será classificada. Crescente Clique para classificar em ordem alfabética ou numérica crescente. Decrescente Clique para classificar em ordem alfabética ou numérica decrescente. E, em seguida, por Especifica campos adicionais pelos quais a consulta criada deverá ser classificada, se oscampos de classificação anteriores forem iguais.8.3.5 Assistente de Consultas - Condições de pesquisa Especifica as condições de pesquisa para filtrar a consulta.Coincidir com todos os seguintes Selecione para filtrar a consulta por todas as condições usando um operador lógico E (AND).Coincidir com qualquer dos seguintes 203
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Selecione para filtrar a consulta por uma das condições usando um operador lógico OU (OR). Campo Selecione o nome de campo para a condição do filtro. Condição Selecione a condição para o filtro. Valor Digite o valor para a condição do filtro.8.3.6 Assistente de Consultas - Detalhe ou resumo Especifica se é necessário exibir todos os registros da consulta ou apenas os resultados dasfunções agregadas. Essa página só será exibida quando houver campos numéricos na consulta que permitam ouso de funções agregadas.Consulta detalhada Selecione para mostrar todos os registros da consulta.Consulta resumida Selecione para mostrar apenas os resultados das funções agregadas. Selecione para agregar uma função e o nome de campo do campo numérico na caixa delistagem. Você pode inserir quantas funções agregadas desejar, uma em cada linha de controles. Função agregada Selecione a função agregada. Campos Selecione o número de campos. + Acrescenta uma nova linha de controles. - Remove a última linha de controles.8.3.7 Assistente de Consultas - Agrupamento Especifica se é necessário agrupar a consulta. A fonte de dados deve oferecer suporte àinstrução SQL "Order by clauses"(Ordenar por cláusulas) para ativar essa página do Assistente.Campos existentes Lista os nomes dos campos do banco de dados na consulta ou tabela selecionada. Cliquepara selecionar um campo ou, para selecionar vários campos, pressione a tecla Shift ou Ctrlenquanto clica. > Clique para transferir os campos selecionados para a caixa à direita. < Clique para remover o campo selecionado da caixa à direita. Os campos serão exibidos novamente na caixa à esquerda. ^ Clique para mover para cima uma entrada selecionada na lista. v Clique para mover uma entrada para baixo o campo selecionado na lista. Agrupar por Exibe todos os campos que serão usados para agrupar a consulta. 204
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF8.3.8 Assistente de Consultas - Condições de agrupamento Especifica as condições para agrupar a consulta. A fonte de dados deve oferecer suporte àinstrução SQL "Order by clauses"(Ordenar por cláusulas) para ativar essa página do Assistente.Coincidir com todos os seguintes Selecione para agrupar a consulta por todas as condições usando um operador lógico E(AND).Coincidir com qualquer dos seguintes Selecione para agrupar a consulta por qualquer das condições usando um operador lógicoOU (OR). Nome do campo Selecione o nome de campo para a condição do agrupamento. Condição Selecione a condição para o agrupamento. Valor Digite o valor para a condição do agrupamento.8.3.9 Assistente de Consultas - Aliases Atribui aliases aos nomes de campo. Os aliases são opcionais e permitem o uso de nomesmais amigáveis ao usuário, os quais são exibidos no lugar dos nomes de campos. Por exemplo,é possível usar um alias quando os campos de diferentes tabelas tiverem o mesmo nome.Alias Digite o alias para o nome de campo.8.3.10 Assistente de Consultas - Visão geral Digite o nome da consulta e especifique se deseja exibir ou modificar a consulta após a finali-zação do Assistente. Nome da consulta: Digite o nome da consulta.Exibir consulta: Selecione para salvar e exibir a consulta.Modificar consulta: Selecione para salvar a consulta e abri-la para edição.Visão geral: Exibe um resumo da consulta.8.3.11 Design de consulta A opção Exibição de design de consulta permite que você crie e edite uma consulta debanco de dados.A exibição de design Para criar uma consulta, clique no ícone Consultas em um documento de banco de dados e,em seguida, clique em Criar consulta na exibição de design O painel inferior da exibição de design é onde você define a consulta. Para definir uma con-sulta, especifique os nomes de campos do banco de dados a serem incluídos e os critérios para 205
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFexibição dos campos. Para reorganizar as colunas no painel inferior da Exibição de design, ar-raste o cabeçalho da coluna para um novo local ou selecione a coluna e pressione Ctrl+Tecla deseta. Na parte superior da janela Exibição de design, são exibidos os ícones da barra Design deconsulta e da barra Design. Caso deseje testar uma consulta, clique duas vezes no nome da consulta no documento debanco de dados. O resultado da consulta será exibido em uma tabela semelhante à da Exibiçãode fonte de dados. Nota: a tabela exibida é apenas temporária.Procurar Quando você abrir o design de consulta pela primeira vez para criar uma nova consulta, cliqueem Adicionar tabelas. Você verá então uma caixa de diálogo, na qual deverá selecionar a tabelaa ser usada como base para a consulta. Clique duas vezes nos campos para adicioná-los à consulta. Arraste e solte para definir asrelações. Remover tabelas Para remover a tabela da exibição de design, clique na borda superior da janela da tabela eexiba o menu de contexto. Use o comando Excluir para remover a tabela da exibição de design.Outra opção é pressionar a tecla Delete.Mover tabela e modificar tamanho de tabela Você pode redimensionar e dispor as tabelas de acordo com as suas preferências. Para moveras tabelas, arraste a borda superior até a posição desejada. Amplie ou reduza o tamanho no quala tabela será exibida, posicionando o cursor do mouse sobre uma borda ou sobre um canto earrastando a tabela até o tamanho desejado.8.3.12 Definir consulta Selecione condições para definir a consulta. Cada coluna da tabela de design aceita umcampo de dados para a consulta. As condições em uma linha são vinculadas com um E boole-ano. Especificar nome de campo Primeiro, selecione todos os nomes de campo a partir das tabelas que deseja adicionar àconsulta. É possível fazer isso com o recurso de arrastar e soltar ou por meio de um clique duploem um nome do campo na janela da tabela. Com o método de arrastar e soltar, use o mousepara arrastar um nome do campo da janela da tabela até a área inferior da exibição de designda consulta. À medida que fizer isso, você pode decidir a qual coluna deseja adicionar o campo.Para selecionar um nome de campo, clique duas vezes sobre o nome. Em seguida, ele seráadicionado à próxima coluna livre. Exclusão de nomes de campos Para remover um nome de campo da consulta, clique no cabeçalho da coluna do campo eescolha o comando Excluir no menu de contexto da coluna. 206
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DFSalvar consulta Use o ícone Salvar na barra Padrão para salvar a consulta. Você verá uma caixa de diálogoque solicita um nome para a consulta. Se o banco de dados suportar esquemas, você tambémpoderá incluir um esquema. Esquema Insira o nome do esquema que é atribuído à consulta ou à exibição de tabelas.Nome da consulta ou nome de exibição da tabela Insira o nome da consulta ou da exibição de tabelas.Filtragem de dados Para filtrar dados da consulta, defina as preferências desejadas na área inferior da Exibiçãode design. As seguintes linhas encontram-se disponíveis:Campo Digite o nome do campo de dados ao qual se referiu na consulta. Todas as configuraçõesfeitas nas linhas inferiores referem-se a este campo. Se você ativar uma célula com um cliquedo mouse, verá um botão de seta, o que permitirá a seleção de um campo. A opção "Nome databela"seleciona todos os campos de dados, e o critério é válido para todos os campos da tabela.Alias Especifica um alias. Esse alias será listado em uma consulta, no lugar do nome de campo.Isso possibilita o uso de rótulos de coluna definidos pelo usuário. Por exemplo, se o nome docampo de dados for PtNo e, em vez desse nome, você quiser que apareça PartNum na consulta,insira PartNum como o alias. Em uma instrução SQL, os aliases são definidos da seguinte maneira: SELECT column AS alias FROM table. Por exemplo: SELECT "PtNo"AS "PartNum"FROM "Parts"Tabela A tabela de banco de dados correspondente do campo de dados selecionado está listadaaqui. Se você ativar a célula com um clique do mouse, aparecerá uma seta que permitirá a sele-ção de outra tabela da consulta atual.Classificar Se clicar na célula, você poderá selecionar uma das opções de classificação: crescente, de-crescente e sem classificação. Os campos de texto serão classificados alfabeticamente (de A aZ) e os campos numéricos, em ordem numérica (de 0 a 9).Visível 207
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasil/DF Se você marcar a propriedade Visible para um campo de dados, o campo se tornará visívelna consulta. Se você usar um campo de dados para formular uma condição, não será necessáriomostrá-la.Critérios Especifica os critérios de filtragem a serem usados para o conteúdo do campo de dados. 208