Your SlideShare is downloading. ×
Agora visualize isto!
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Agora visualize isto!

290
views

Published on

Uma apresentação sobre como podemos melhorar nossa comunicação com gráficos fazendo pequenos ajustes.

Uma apresentação sobre como podemos melhorar nossa comunicação com gráficos fazendo pequenos ajustes.

Published in: Technology

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
290
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Este era um típico gráfico gerado por uma planilha eletrônica lá nos idos dos anos 80. Via de regra, eram monocromáticos e continham hachuras para diferenciar as séries de dados. O Passado.
  • 2. O Presente. Puxa!! Como melhoramos não? Cores, preenchimento em degradê, efeitos 3D, inúmeras customizações possíveis para deixar nossos gráficos mais bonitos. Mas espere!! Quem disse que um gráfico tem que ser bonitinho??? 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Receita x Despesa Receita Despesa
  • 3. Gráficos existem para comunicar números, mas fazemos isto eficientemente?
  • 4. Em 1983, o professor de estatística Edward Tufte, publicou o livro ao lado que ainda hoje é referência em infografia. No livro ele cunha o termo “chartjunk”, descrevendo tudo aquilo presente num gráfico somente para decorar e não para informar. Afirmou também, que a computação gráfica estava contribuindo para a proliferação dos “chartjunk”. Estava certo.
  • 5. Observe ao lado: a ideia inicial era um gráfico que mostrasse as 10 maiores empresas presentes num evento e em que posição estava a nossa empresa. A 1ª dificuldade é conseguir identificar a nossa empresa, que dirá, compará-la com as demais. Além disso, para o que desejamos (comparação), o gráfico de pizza nem é o indicado. O link abaixo sugere qual gráfico usar em determinada situação: Chart Suggestions Maiores Participantes EmpresaA EmpresaB EmpresaC EmpresaD EmpresaE EmpresaF EmpresaG EmpresaH EmpresaI Nossa Empresa
  • 6. 0 20 40 60 80 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Use cores com moderação e dê preferência para as cores frias. Se já informamos no rótulo do eixo Y, a que mês se refere cada barra, usar cores diferentes não acrescenta nada, apenas confunde. Cores ou tons diferentes devem ser usados para ressaltar a informação.
  • 7. Filial 1 Filial 2 Filial 3 0 20000 40000 60000 80000 100000 120000 140000 1o. Bim. 2o. Bim. 3o. Bim 4o. Bim. Vendas por bimestre Filial 1 Filial 2 Filial 3 Evite gráficos 3D. O efeito de perspectiva distorce a representação numérica e às vezes a esconde. Responda: sabe dizer qual foi a venda da filial 3 no 1° bimestre? Nem eu.
  • 8. Stephen Few é uma autoridade na comunicação de dados para negócios e um defensor de que o gráfico de pizza é um dos que menos comunica eficientemente. E prova. A “fatia” verde da pizza ao lado equivale a 25%. Quando rotacionamos o gráfico, já temos dificuldade em ter a mesma percepção destes 25%. Se for em 3D então... A razão? Nossa percepção visual não é boa em avaliar ângulos. Daí temos que colocar rótulos de dados e legenda para explicar cada fatia da pizza e chegamos a conclusão que uma simples tabela com os dados resolveria. Acredito que o gráfico de pizza pode ser usado, com poucas fatias e se não procuramos precisão.
  • 9. 3.000 3.500 4.000 4.500 5.000 5.500 6.000 6.500 7.000 1o. Bim. 2o. Bim. 3o. Bim 4o. Bim. Contas Gráficos de barras tem que necessariamente ter início no ponto zero do eixo. Caso contrário, estamos distorcendo os dados. Iniciando em zero, as barras do 2° ao 4° bimestre do gráfico ao lado ficariam bem maiores e expressariam a realidade.
  • 10. Nos últimos anos o termo Inteligência de Negócios (Business Intelligence / B.I.) foi largamente veiculado, por tratar-se de um instrumento de apoio às decisões e estratégias empresariais. Em linhas gerais, trata-se do uso de sistemas para extrair dados dos bancos de dados da empresa, analisá-los, formatá-los e mostrá-los numa interface mais amigável aos usuários. Os painéis de visualização (dashboards) são uma forma de apresentar estas informações, métricas e indicadores de performance (KPI), valendo-se do uso de gráficos e tabelas. Entretanto, nem sempre os fornecedores da solução aplicam as melhores práticas de visualização de dados nos dashboards, tal como no acima. Felizmente isto está mudando.
  • 11. A Microsoft tem investido para transformar o nosso amado/odiado Excel numa ferramenta de BI, para as pequenas empresas, através do advento dos minigráficos (sparklines), da segmentação de dados (slicers) e do PowerPivot, por exemplo, disponíveis a partir do Excel 2010. Ao lado, um dashboard no Excel muito bem elaborado visualmente. Falta apenas, ao meu ver, uma forma de publicar estas planilhas na web, sem perda de funcionalidade.
  • 12. Para comunicarmos melhor com gráficos: • selecione o gráfico correto; • classifique os dados antes de gerar o gráfico; • cuidado com as cores; • dê pouca ênfase aos “não dados” (eixos, linhas de grade, etc.); • simplifique (menos é mais) e • revise, revise e revise de novo. Lembra daquele gráfico de pizza onde procurávamos a posição da nossa empresa? Eis a versão 2.0, aplicando as dicas acima. Empresa A Empresa F Empresa B Empresa E Empresa I Empresa D Empresa H Empresa C Nossa Empresa Empresa G 0 2000 4000 6000 8000 10000 Maiores Participantes
  • 13. Dell - Worldwide internet usage IG - Quais os bairros mais caros e baratos de SP e RJ É compreensível. Então, procure reparar nos infográficos publicados em jornais, revistas e sites. Compare se eles se parecem com o gráfico padrão do Excel, ou se são aplicadas técnicas para facilitar a visualização e comunicação dos dados. Segue abaixo dois exemplos. Irá notar alguns pontos em comum com o que discorremos até agora.
  • 14. Fotos: 1 – Late afternoon on Burano Island - de O Palsson 4 – Colorful molecule... What´s your color - de Bernat Casero 3 – A Profusion of numbers - de Bridget Coila 2 – What???? – de Natalie Livingstone 5 – Rubik's Cube – de huangjiahui 7 – Amazing Graffiti by Banksy – de Michael Summers 8 – Capital – de c_ambler 6 – DeLorenzo’s Tomato Pies – de Nick Sherman 9 – To the End – de Kicki Holmén 10 – Mario, thinking ... – de Stefano Costanzo 11 – Too much credit – de Andres Rueda • Quer ver um dashboard na web em pleno funcionamento? Clique aqui. Perceba que ele não tem um bom padrão de comunicação visual. • Ficou curioso sobre o que era gráfico na capa do livro do Tufte? Aqui explica. • Faça um teste sobre os assuntos tratados na apresentação. Clique aqui. Obrigado! Venilto – Agosto de 2013