Your SlideShare is downloading. ×
Medula e Nervos Espinhais
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Medula e Nervos Espinhais

101,318
views

Published on

Trabalho de Neuroanatomia sobre a Medula Espinhal e Nervos Espinhais com correlações clínicas

Trabalho de Neuroanatomia sobre a Medula Espinhal e Nervos Espinhais com correlações clínicas

Published in: Health & Medicine

5 Comments
23 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
101,318
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
1,775
Comments
5
Likes
23
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. MEDULA E NERVOS ESPINHAIS
    • Faculdade de Medicina de Lisboa
    • Neuroanatomia –
    • 2.º ano de Medicina
    • 2007/08
    Apresentação realizada por: Fernando Azevedo Francisco Santos Vânia Caldeira
  • 2. MEDULA E NERVOS ESPINHAIS
    • Estrutura Macroscópica e Generalidades da Medula
    • Estrutura Interna da Medula:
      • Substância Cinzenta
      • Substância Branca
      • Vias da Medula
    • Lesões da Medula
    • Nervos Espinhais e Dermátomos
  • 3. ESTRUTURA DA MEDULA
  • 4. ESTRUTURA MACROSCÓPICA E GENERALIDADES
    • Forma e Estrutura Geral da Medula
      • Localiza-se no Canal Vertebral
      • Mede aproximadamente 45cm
      • Limites:
        • Superior: Bulbo
        • Inferior: L2
      • 2 Espessamentos:
        • Espessamento Cervical
        • Espessamento Lombar
  • 5.
      • Apresenta as mesmas curvaturas que a Coluna Vertebral
      • Apresenta 6 sulcos longitudinais:
        • Sulco Mediano Anterior
        • Sulco Mediano Posterior
        • Sulcos Laterais Anteriores (raízes ventrais dos Nervos Espinhais)
        • Sulcos Laterais Posteriores
        • (raízes dorsais dos Nervos
        • Espinhais)
        • Sulcos Intermédios
        • Posteriores (Medula Cervical)
    ESTRUTURA MACROSCÓPICA E GENERALIDADES
  • 6. SUBSTÂNCIA CINZENTA - GENERALIDADES
    • A substância cinzenta localiza-se por dentro da substância branca.
    • Comissura cinzenta
    • Apresenta:
      • 2 Cornos Anteriores
      • 2 Cornos Posteriores
      • 2 Cornos Laterais
      • (Medula Torácica e parte da Lombar)
    • Canal Ependimário
  • 7. SUBSTÂNCIA BRANCA - GENERALIDADES
    • Formada por fibras (maioritariamente mielínicas), que se organizam em:
      • 2 Cordões Anteriores
      • 2 Cordões Laterais
      • 2 Cordões Posteriores
      • Na Medula Cervical
      • – Cordão Posterior:
        • Feixe Grácil (Goll)
        • Feixe Cuneiforme
        • (Burdach)
  • 8. IMPORTÂNCIA RELATIVA DA SUBSTÂNCIA BRANCA E CINZENTA Segmentos Cervicais Segmentos Torácicos Segmentos Lombares Segmento Sagrados
  • 9. RELAÇÕES COM OS NERVOS ESPINHAIS
    • Sulcos Laterais da Medula
    • Filamentos radiculares 
    • Raízes  Nervos
    • 31 pares de N. Espinhais:
      • 8 Cervicais
      • 12 Torácicos ou Dorsais
      • 5 Lombares
      • 5 Sagrados
      • 1 Coccígeo
  • 10. TOPOGRAFIA VÉRTEBRO-MEDULAR
    • Terminação da Medula – L2
    • Cauda Equina
    • Ritmos de crescimento diferentes
    • Regra prática de correspondência vértebro-medular:
      • Apófises Espinhosas (C2-T10):
        • NºApófise + 2 = nºsegmento medular subjacente
      • Apófises Espinhosas (T11-T12):
        • 5 Segmentos Lombares
      • Apófise Espinhosa L1:
        • 5 Segmentos Sagrados
  • 11. MENINGES E ESPAÇOS MENÍNGEOS DA MEDULA
      • Espaço Epidural
    • Duramáter
      • Espaço Subdural
    • Aracnóide
      • Espaço Subaracnoideu*
    • Piamáter
  • 12. *Exploração do Espaço Subaracnoideu
    • Entre L2 e S2
    • Punção Lombar para:
      • Retirar LCR:
        • Fins de diagnóstico
        • (amostra de LCR)
        • Fins terapêuticos
      • Medir a pressão do LCR
      • Introduzir:
        • Meios de contraste (ar, hélio, sais de iodo)
        • Anestésicos (anestesias raquidianas)
  • 13. Anestesias
    • Anestesias Raquidianas
      • Espaço Subaracnoideu
      • L3-L4 ou L4-L5
    • Anestesias Epidurais
      • Espaço Epidural
      • Menos inconvenientes do que as Raquidianas
      • Exigem maior habilidade técnica
  • 14. Vascularização da Medula Espinhal
    • Artérias da Medula:
      • Artéria Espinhal Anterior
      • Artérias Espinhais Posteriores
  • 15. Vascularização da Medula Espinhal
      • Artérias Espinhais Segmentares
        • Artérias Radiculares
      • Artérias Nutritivas (variáveis):
        • Grande Artéria Espinhal Anterior de Adamkiewicz – responsável pela irrigação dos 2/3 inferiores da Medula
  • 16. Vascularização da Medula Espinhal
    • Veias da Medula Espinhal:
      • Drenam para 6 canais longitudinais que se comunicam com as Veias do Cérebro e Seios Venosos
      • Plexo Venoso
      • Vertebral Interno
  • 17. ESTRUTURA INTERNA DA MEDULA – - Substância Cinzenta
    • Divisão:
      • Cornos Anteriores
      • Substância Cinzenta Intermédia
      • Cornos Laterais
      • Cornos Posteriores
  • 18. NEURÓNIOS MEDULARES
            • Viscerais
          • Radiculares
    • Neurónios Somáticos
    • Axónio Longo de projecção
    • (tipo I de Golgi) Cordonais
    • de associação
    • Neurónios
    • Axónio Curto
    • (tipo II de Golgi)
  • 19. NÚCLEOS DA SUBSTÂNCIA CINZENTA
    • Grupos ou Colunas do Corno Anterior (Zona Somato-Motora):
      • Grupo Interno/Medial
      • Grupo Externo/Lateral
      • Grupo Central:
        • Núcleo Frénico (nervos C3, C4 e C5)
        • Núcleo Acessório (nervos C1-C6)
        • Núcleo Lombo-Sagrado (nervos L2-S1)
  • 20. NÚCLEOS DA SUBSTÂNCIA CINZENTA
    • Grupos ou Colunas do Corno Posterior (Zona Somato-Sensível):
      • Substância Gelatinosa de Rolando
      • Núcleo Propius
      • Núcleo Dorsal (Coluna de Clark)
      • Núcleo Aferente Visceral (Coluna de Betcherew)
    • Lâminas de Rexed (I-X)
  • 21. SUBSTÂNCIA BRANCA
    • 1 - Coluna Branca Anterior 2 - Coluna Branca Lateral 3 - Coluna Branca Posterior
    • Axónios, dendrites, neuroglia e vasos
    1 3 2
  • 22. VIAS ASCENDENTES OU SENSITIVAS
    • Postero lateral
    • Espinocerebeloso anterior e posterior
    Informação proprioceptiva e de recptores
    • Espinotalâmico anterior
    Tacto protopático
    • Feixes grácil e cuneiforme
    Sensibil. proprioceptiva e vibratória; tacto epicritico
    • Espinotalâmico lateral
    Temperatura e dor
    • Espino-tectal
    Reflexos espinovisuais
    • Espino-olivar
    Órgãos cutâneos e proprioceptivos
    • Espino-reticular
    Pele, músculos e articulações
  • 23. VIAS DESCENDENTES OU MOTORAS Piramidais Extra Piramidais
    • Reticulo-espinhal
    Movimentos voluntários e actividade reflexa
    • Rubro-espinhal
    Motilidade e facilita flexores
    • Olivo-espinhal
    Actividade muscular
    • Vegetativos descendentes
    Funções viscerais
    • Tecto-espinhal
    Reflexos relacionados com visão
    • Vestibulo-espinhal
    Equilibrio e facilitia extensores
    • Feixes cortico-espinhais
    Movimentos voluntários (distais)
  • 24. VIAS INTERSEGMENTARES
    • Ligação entre neurónios de diferentes níveis
    • Descendentes e ascendentes
    • Curtas e Longas
  • 25. LESÕES DA MEDULA ESPINHAL
    • Lesões compressivas
    • Síndrome do choque espinhal
    • Síndromes destrutivas da medula espinhal
  • 26.
    • Causas extradurais
    • Causas intradurais
        • Extramedulares
        • Intramedulares
  • 27.
    • Segue-se a lesões agudas graves da medula espinhal
    • Redução das funções medulares abaixo da zona afectada e do SNA
    • Duração: < 24h - 4 semanas
  • 28.
    • Síndrome do seccionamento transversal completo da medula espinhal
    • Síndrome anterior da medula espinhal
    • Síndrome central da medula espinhal
    • Síndrome de Brown-Séquard ou hemissecção da medula espinhal
    • Siringomielia
    • Poliomielite
    • Esclerose múltipla
    • Esclerose lateral amiotrófica (ELA) ou síndrome de Lou Gehrig
  • 29.
    • Perda de toda a sensibilidade e motricidade voluntária abaixo do nível da lesão.
    • Causas: deslocação de fracturas, ferida de arma
    • branca ou de fogo, tumor em expansão.
    • Paralesia do neurónio motor inferior e atrofio muscular
    • Paralesia espástica bilateral
    • Perda bilateral de sensibilidade
  • 30.
      • Causas: contusão da medula por fractura ou deslocamento vertebral, lesão da artéria espinhal anterior, hérnia discal
      • Paralesia bilateral do neurónio motor inferior
      • Paralesia espástica bilateral
      • Perda bilateral de sensibilidade
  • 31.
    • Causas: normalmente por hiperextensão da coluna cervical -> compressão da medula entre os corpos vertebrais e ligamentos amarelos
    • Paralesia bilateral do neurónio motor inferior
    • Paralesia espástica bilateral
    • Perda bilateral de sensibilidade
  • 32.
      • Causas: deslocamento de fracturas da coluna vertebral, ferida de arma branca ou de fogo ou tumor em expansão
      • Hemissecção completa (rara) ou incompleta
      • Paralesia unilateral do neurónio motor inferior
      • Paralesia espástica unilateral
      • Anestesia cutânea unilateral
      • Perda unilateral de sensibilidade
      • Perda contralateral da sensibilidade
      • táctil, dolorosa e térmica
  • 33.
    • Causas: anomalia do desenvolvimento do canal central da medula, afectando normalmente a região cervical da medula e tronco cerebral.
    lesão da via espino-talâmica lateral
  • 34.
      • Infecção viral aguda dos neurónios da coluna cinzenta anterior da medula espinhal e núcleos motores dos pares cranianos.
      • Atrofia muscular
      • Problemas respiratórios
  • 35.
    • SNC - desmielinização das vias ascendentes e descendentes
    • Causa desconhecida
    • Possivelmente, mutações nos genes que codificam as proteínas das bainhas de mielina ou por reacções auto-imunes contra essas proteínas.
    • Sintomas: fraqueza dos membros, ataxia, espasticidade e paralisia.
  • 36.
      • Exclusiva das vias córtico-espinhal e neurónios motores das colunas cinzentas anteriores
      • Causa desconhecida
      • Progressiva atrofia muscular, paresias, fasciculação, espasticidade. Pode afectar pares cranianos.
  • 37.
    • Fazem a conexão com a medula espinhal
    • Responsáveis pela enervação do tronco, membros e parte da cabeça
    • 31-33 pares
  • 38.  
  • 39. CLASSIFICAÇÃO DAS FIBRAS DOS NERVOS ESPINHAIS
  • 40. TRAJECTO DOS NERVOS ESPINHAIS
  • 41.
    • Nervos unissegmentares
    • (intercostais)
    • Nervos plurissegmentares
    • (plexos)
    TRAJECTO DOS NERVOS ESPINHAIS - RAMOS VENTRAIS -
  • 42. DERMÁTOMOS
    • Território cutâneo enervado por fibras de uma única raiz dorsal
  • 43. DERMÁTOMOS
  • 44. Bibliografia
    • Machado, Ângelo; Neuroanatomia Funcional ; Editora Atheneu; 2ª edição; 2004
    • Snell, Richard; Neuroanatomia Clínica para Estudantes de Medicina ; Editora Guanabara Koogan; 5ª edição; 2001
    • Rouvière, Henri; Anatomía Humana ; Editora Masson; 11ª edição; 2005
    • Netter, Frank; Atlas of Human Anatomy ; Elsevier; 4ª edição; 2006
    • Rohen; Color Atlas of Anatomy ; Lippincott Williams & Wilkins; 6ª edição; 2006
    • Bourret, Paul; Louis, René; Anatomie du Système Nerveux Central ; Expansion Scientifique Française; 6ª edição; 1986