Dificuldades de aprendizagem 2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
2,132
On Slideshare
2,132
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
124
Comments
0
Likes
2

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. DIFICULDADES e TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM Professora Ms. Márcia Maria Heinen Oliveira
  • 2. Origem dos estudos das dificuldades de aprendizagem • Explicação articulada na confluência de duas vertentes: a das ciências biológicas e da medicina e da psicologia e da pedagogia. • Ainda hoje, verifica-se uma certa ambigüidade imposta por esta dupla origem, nos discursos sobre problemas de aprendizagem.
  • 3. O que é dificuldade de aprendizagem? • “a dificuldade de aprendizagem é uma situação momentânea na vida do aluno, que não consegue caminhar em seus processos escolares, dentro do currículo esperado pela escola, acarretando comprometimento em termos de aproveitamento e/ou avaliação”(Hashimoto, 1977,105)
  • 4. Qual a área que mais estuda as dificuldades de aprendizagem? • PsicoPedagogia • SCOZ(1992,p.2) define a psicopedagogia: “como a área que estuda e lida com o processo e suas dificuldades e que, numa ação profissional deve englobar vários campos do conhecimento, integrando-os e sintetizando-os”. • Constitui-se, portanto, num campo conceitual interdisciplinar, pois utiliza-se de vários campos como a psicologia, a pedagogia, a neurologia, a lingüística, entre outros. Essa construção interdisciplinar busca as interrelações entre os campos do conhecimento como forma de entender e intervir nos processos de aprendizagem dos sujeitos.
  • 5. Ainda a psicopedagogia... • BOSSA (1994,p.8): • “a psicopedagogia vem construindo seu campo teórico na articulação da psicanálise e psicologia genética. Articulação que fica evidente quando se trata de observar os problemas de aprendizagem, pilar da teoria psicopedagogica. Assim como Freud parte da patologia, o estudo da histeria, e constrói a teoria psicanalítica, os psicopeagogos tem construído sua teoria a partir do estudo dos problemas da aprendizagem. E a clínica tem se constituído em eficiente laboratório da teoria.”
  • 6. DEFINIÇÃO – DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM – SEGUNDO NJCLD (National Joint Committe on Learning Disabilities – 1988) EUA (oito organizações que discutem nos EUA ) • GARCIA (1995) in FICHTNER (1997, p.356): “Dificuldades de aprendizagem é um termo geral que se refere a um grupo heterogêneo de transtornos que se manifestam por dificuldades significativas na aquisição e uso da audição, fala, leitura, escrita, raciocínio ou habilidades matemáticas. Tais transtornos são íntrinsecos ao indivíduo, supondo-se devido à disfunção do sistema nervoso central e podem ocorrer ao longo do ciclo vital (...)”
  • 7. Para entender o processo de aprender a psicopedagia investiga: • O sujeito incluído num contexto biopsicossocial; • Então desta forma: a dificuldade de aprendizagem não está necessariamente no sujeito, mas no sujeito, mas na dinâmica das relações entre esse, que dispõe de “corpo, organismo, inteligência e desejo”(Fernandez, 1991,p.47) e o meio em que está inserido (família, escola e/ou contexto social”.
  • 8. Sujeito aprendente
  • 9. Aprendente Ensinante • A aprendizagem ocorre na interação entre o aprendente e o ensinante e estes influenciados pelo contexto social.
  • 10. limites corpo orgãnico pedagógico Dificuldades de aprendizagem emocional s Cognitivo
  • 11. TRÊS FORMAS NA MANIFESTAÇÃO INDIVIDUAL DO PROBLEMA DE APRENDIZAGEM: • sintoma: expressa a dificuldade do aprender através dos desejos inconscientes.É um sinal com significação simbólica. Tem haver com o deslocamento, transformação, condensação. • inibição cognitiva: tem haver com o evitar o pensamento. É mais difícil de abordar do que o sintoma. Também associado a aspectos inconscientes. Aparecem em menor escala nas crianças. • formação reativa: problemas causados pela instituição sócioeducativa.
  • 12. • Problemas de formação reativa; questões ligadas à metodologia do ensino, à avaliação, à dosagem de informações, à estruturação de turmas, à organização geral, etc. que interferem no processo ensino-aprendizagem. Ficam dimuinidas as condições externas de acesso do aluno ao conhecimento via escola.
  • 13. QUADRO COMPARATIVO:dificuldade escolar, problema e distúrbio Profissional Competência Atuação Medidas Médico Distúrbio/transtorno/ deficiência (doença) Consultório Exames Clínicos Medicação Especialista (fonoaudiólogo, psicólogo ou psicopedagogo) Problema/transtorno /deficiência (diagnóstico específico) Consultório Terapias específicas Professor e orientador educacional Dificuldade de aprendizagem Escola Metodologias, estratégicas, recuperação do aluno SIR – Salas de integração e recursos Apoio ao aluno e escola na parte pedagógica da aprendizagem Professor capacitado Deficiência – perfil de pedagogo com educação especial
  • 14. Transtornos • Os transtornos da aprendizagem compreendem uma inabilidade específica, como da leitura, escrita ou matemática, em indivíduos que apresentam resultados significativamente abaixo do esperado para o seu nível de desenvolvimento, escolaridade e capacidade intelectual.
  • 15. Três tipos de transtornos conforme CID10 e DSM-IV • Transtorno da leitura: é caracterizado por uma dificuldade específica em compreender palavras escritas. • Transtorno da matemática: dificuldade da criança associar as habilidades matemáticas básicas com o mundo que a cerca. • Transtorno da expressão escrita: refere-se à ortografia ou caligrafia bem como outras atividades relacionadas a escrita.-
  • 16. OUTROS TRANSTORNOS • • • • • Dislalia ( dificuldades de fala) Disgrafia (dificuldade na escrita) Dislexia (dificuldades na leitura) Discalculia (dificuldades na matemática) Atenção e/ou hiperatividade (TDAH)
  • 17. Papel do orientador/supervisor/coordenador pedagógico • Orientadores e supervisores, com a autoridade que sua competência técnica lhes deve outorgar, terão função básica, mobilizar os professores para a reflexão coletiva sobre grandes questões da educação e para as específicas da escola, de sua prática pedagógica. É da reflexão coletiva sobre a prática pedagógica que surgirão alternativas de solução para os problemas da escola. É da discussão política da prática pedagógica que se definirão as metodologias mais adequadas, as técnicas mais pertinentes, os materiais mais significativos, os conteúdos indispensáveis.”(GARCIA, 1984, p.55)
  • 18. Estratégias de Ação • Pesquisar as dificuldades de aprendizagens dos alunos, com o próprio aluno, professores e pais; • Traçar planos de intervenção com o aluno, pais e professores atuando como mediador; • Orientar e assessorar o professor e pais na intervenção pedagógica deste aluno; • Proporcionar projetos aos alunos valorizando seus potenciais; • Respeitar o ritmo e as potencialidades dos alunos;
  • 19. Estratégias de Ação • Proporcionar projetos educativos de apoio para as crianças com problemas de aprendizagem; • Organizar espaços de formação continuada para os professores discutirem e estudarem sobre a construção do conhecimento e problemas de aprendizagem; • Encaminhar alunos para especialistas quando escola não tiver mais respaldo para lidar com problemas como: fala, audição,visuais, emocionais, neurológicos, psiquiátricos etc.