Trajetória da Assistência Social sistematizada

17,768 views
17,698 views

Published on

Texto elaborado em agosto/2006, por Maria de Fátima Matos Cardoso e Cristhiene Montone Nunes Ramires, com a finalidade de resgatar momentos da trajetória do Serviço Social, visando destacar a Metodologia utilizada e possíveis estratégias de Intervenção Social.

0 Comments
22 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
17,768
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
523
Actions
Shares
0
Downloads
813
Comments
0
Likes
22
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Trajetória da Assistência Social sistematizada

  1. 1. REFLEXÕES SOBRE A TRAJETÓRIA DO SERVIÇO SOCIAL Texto elaborado em agosto/2006, por Maria de Fátima Matos Cardoso e Cristhiene Montone Nunes Ramires , com a finalidade de resgatar momentos da trajetória do Serviço Social, visando destacar a Metodologia utilizada e possíveis estratégias de Intervenção Social.
  2. 2. BIBLIOGRAFIAS ANDRAUS, ROSA CECÍLIA. Olhando para o Serviço Social numa perspectiva interdisciplinar. BAURU/S.PAULO, EDUSC, 1996. BACKX, SHEILA DE SOUZA. Serviço Social reexaminando sua história., Rio de Janeiro, ED.CJ, 1994. CADERNOS ABESS NO. 3. A metodologia no Serviço Social. S. Paulo, Cortez Editora, 1995 ___ NO. 4. Ensino em Serviço Social: Pluralismo e formação profissional. S. Paulo, Cortez Editora, 1991 ___ NO. 2. A metodologia no Serviço Social. S. Paulo, Cortez Editora, 1989.
  3. 3. CONTINUANDO... <ul><li>FALEIROS, VICENTE DE PAULA. Estratégias em Serviço Social. S. Paulo, Cortez Editora, </li></ul><ul><li>1997. </li></ul><ul><li>NETTO, JOSÉ PAULO. A formulação da perspectiva modernizadora: Araxá, Teresópolis, </li></ul><ul><li>Sumaré e Alto da Boa Vista. In: Ditadura e Serviço Social – Uma análise do Serviço Social </li></ul><ul><li>pós 64, 2ª edição, São Paulo, Cortez Editora, 1994. </li></ul><ul><li>RICHMOND, MARY ELLEN. Diagnóstico Social. Tradução: Dr. José Alberto de Faria. Lisboa, </li></ul><ul><li>Instituto Superior de Higiene Dr, Ricardo Jorge, 1950 </li></ul>
  4. 4. O SURGIMENTO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMATIZADA <ul><li>A partir da segunda metade do século XIX se inicia na Europa uma Assistência Social com um esboço de técnica e organização, mas ainda de forma caritativa e não profissional. </li></ul>
  5. 5. Em 1899, funda-se na Alemanha a 1 a . Escola de Serviço Social do mundo; inicia-se o processo de secularização da profissão, ou seja, para o Serviço Social as explicações religiosas do mundo são substituídas por explicações científicas.
  6. 6. As Damas de Caridade que auxiliavam os pobres acreditavam que a situação de pobreza era culpa do modo de viver e de ser de seus sujeitos e bastava uma simples ajuda inicial e alguns conselhos para que encontrassem os rumos dos benefícios do capitalismo.
  7. 7. Como o pobre “sempre tem muitos filhos”, era necessário também pensar na família, daí surge o trabalho com as famílias, com as crianças e adolescentes e na área de higiene.
  8. 9. No início do século XX, Mary Ellen Richmond, passa a estudar e investigar seriamente o meio social em que as pessoas vivem, através das Entrevistas, Conversas, Visitas Domiciliares, Observando, anotando e fazendo Relatórios para obter um Diagnóstico e descobrir as possibilidades da pessoa vir a desenvolver sua personalidade e como conseguir a ajuda do meio para isso.
  9. 10. OS MÉTODOS <ul><li>O SERVIÇO SOCIAL DE CASO INICIADO POR MARY ELLEN RICHMOND </li></ul><ul><li>O SERVIÇO SOCIAL DE GRUPO CRIADO NO PÓS GUERRA </li></ul><ul><li>O DESENVOLVIMENTO DE COMUNIDADE, CRIADO NA FASE DESENVOLVIMENTISTA DO NOSSO PAÍS </li></ul>
  10. 11. SURGIMENTO DA PROFISSÃO NO BRASIL <ul><li>A profissão de assistente social, remonta a década de 30, onde encontramos um momento de transição em nossa economia que, paulatinamente, está passando do modelo agro-exportador, com o café como principal produto, para o modelo industrial. </li></ul><ul><li>Nesse cenário, destaca-se a Igreja Católica que, preocupada com as questões sociais, já desencadeava ações de assistência social através dos movimentos dos leigos, passando a maior vigor ao seu trabalho organizativo , desencadeando processo de formação de pessoal especializado para desenvolver seu apostolado pessoal. É nesse contexto, inspirado pela AÇÃO Católica e Ação Social que surgem as primeiras escolas de Serviço social </li></ul>
  11. 12. E mais... As primeiras Escolas <ul><li>1936 – de São Paulo </li></ul><ul><li>1937 – do Rio de Janeiro </li></ul><ul><li>A formação dos primeiros profissionais se dá por influencia européia, através do modelo denominado franco-belga, que tomando por base o princípio tomista de “salvar o corpo e alma” , fundamenta-se num postulado de servir ao outro. </li></ul>
  12. 13. QUEM PRATICA ASSISTÊNCIA SOCIAL <ul><li>Estado e Igreja dividem então suas tarefas: o primeiro impõe a paz política (com toda violência necessária) e as Igrejas Católica e Protestante ficam com o aspecto social: trata-se de fazer caridade. </li></ul>
  13. 15. <ul><li>1945- O mundo passa a receber influencia do pensamento norte-americano,bem como o Serviço Social.Na formação profissional,têm grande importância os conteúdos das disciplinas de psicologia e sociologia , interpretando o desenvolvimento como resultado de capacidades individuais e culturais, e adotam o principio da neutralidade das ciências. </li></ul><ul><li>Com isso, a formação do assistente social brasileiro enfatiza a instrumentalização técnica,valorizando-se o método e abandonando os princípios do neotonismo para seguir os pressupostos funcionalistas da sociologia. Surge importado dos E.U.A os métodos de: </li></ul><ul><li>Serviço Social de Casos; </li></ul><ul><li>Serviço Social de Grupo; </li></ul><ul><li>Organização de Comunidade. </li></ul>
  14. 16. A prática do Assistente Social nessa fase desenvolvimentista toma uma forma técnica e fundamenta-se na busca da neutralidade, frieza e distanciamento dos problemas tratados e no aprimoramento dos métodos. PRESSUPOSTOS PROFISSIONAIS
  15. 17. <ul><li>Nas décadas de 50 e 60 a preocupação é formar assistentes sociais com bases científicas. </li></ul><ul><li>Inicia-se uma sistematização das atividades profissionais: plantão, triagem,acompanhamento, aconselhamentos e a chamada prática burocrática tão discutida até os dias atuais. </li></ul>
  16. 18. 1960 – Surge a primeira crise ideológica em algumas escolas de Serviço Social.O mundo passa por grandes modificações, principalmente na América Latina, a partir da Revolução Cubana, questionando as estruturas capitalistas, se mostra ao continente como possibilidade de desenvolvimento alternativo na transformação da sociedade, em substituição à desenvolvimentista adotada até então.
  17. 19. <ul><li>Essa convulsão política é acompanhada pelas ciências sociais, através da introdução do marxismo , começa a questionar a dependência externa, principalmente a norte-americana, através do enfoque dialético . </li></ul>Assim, o Serviço Social começa a perceber a dimensão política de sua prática, e o modelo até “então vigente, baseado numa visão funcionalista do indivíduo e com funções integradoras, deixa de satisfazer às exigências da realidade latino americana que passava por transformações sócios-políticas-econômicas.
  18. 20. MOVIMENTO DE RECONCEITUAÇÃO <ul><li>O modelo importado do Serviço Social tornou-se inoperante, e inicia-se um processo de ruptura teórico-metodológico,prático e ideológico,iniciando assim o chamado: </li></ul><ul><li>Movimento de Reconceituação reconhecido “como um salto qualitativo dado pelos profissionais , principalmente por assumirem uma posição político-ideológica, percebendo a dimensão política da prática profissional bem como a busca de uma compreensão global da realidade” </li></ul>
  19. 21. A partir de 1965, o Serviço Social com feições latino-americanas, começa a questionar a posição e a situação política. No Brasil com o arrocho salarial, a repressão e o AI5 , as coisas tomam rumos diferentes dos demais países Sul Americanos. Questiona-se, sobretudo a prática do Serviço Social cujo objetivo era o de reproduzir a ideologia burguesa, capitalista e exploradora.
  20. 22. O Serviço Social passou a chamar-se Trabalho Social e seu método de trabalho pautava-se a partir de então no materialismo dialético . Os atores com os quais tradicionalmente trabalhava o Serviço Social vão mudando de pobres, mulheres, doentes, idosos, crianças, adolescentes, para sujeitos políticos, cidadãos, participantes de pequenos e grandes movimentos, que se configuram como movimentos sociais.
  21. 23. Os movimentos sociais assumem dimensões impensadas no início do século e imprime ao cenário nacional um conjunto de forças políticas contestatórias que assume formas de: movimento de mulheres, negro, homossexuais, sem terra, organizações sindicais que vão se globalizando e saindo do âmbito bairrista para contextos nacionais e até internacionais. Veja-se: O Fórum Social Mundial.
  22. 24. Serviço Social: Práxis e Princípios <ul><li>“ O exercício do Serviço Social, só pode ser compreendido hoje, na perspectiva, da reinvenção do cotidiano, da iniciativa, fruto da crítica social e do dimensionamento das estratégias político-profissionais, em sintonia entre saber técnico e competência política ”. </li></ul>
  23. 25. PRINCÍPIOS “ESCOLHAS”... <ul><li>Reconhecimento da Liberdade (Autonomia, emancipação e plena expansão individual). </li></ul><ul><li>Defesa intransigente dos Direitos Humanos e recusa do autoritarismo e do arbítrio. </li></ul><ul><li>Consolidação da Cidadania , garantindo os direitos civis, políticos e sociais. </li></ul>
  24. 26. <ul><li>Defesa do aprofundamento da Democracia , enquanto socialização da participação política. </li></ul><ul><li>Eqüidade e Justiça Social , em prol da universalidade de acesso a bens e serviços. </li></ul><ul><li>Eliminação de todas as formas de preconceito, com respeito à diversidade e incentivo participação de grupos socialmente discriminados. </li></ul>
  25. 27. <ul><li>Pluralismo , quem vem a ser o respeito às correntes profissionais democráticas existentes e suas expressões teóricas, em busca do constante aprimoramento intelectual. </li></ul><ul><li>Projeto Profissional vinculado ao processo de construção de uma nova ordem societária, que combata a exploração de classe, etnia e gênero. </li></ul>
  26. 28. <ul><li>Articulação dos Movimento Sociais, de outras Categorias Profissionais , que partilhem os princípios mesmos do Código de Ética do Serviço Social. </li></ul><ul><li>Compromisso com a qualidade dos serviços prestados à população e com o aprimoramento intelectual na perspectiva da competência profissional. </li></ul>

×