Universidade do Estado do Rio de Janeiro - SR1 - CAIAC - Proiniciar

Dezembro de 2013 - Ano I ♦ nº 11

Parabéns FEBF - 25 ...
Programa Rompendo Barreiras: 25 anos
O atual Programa Rompendo Barreiras: Luta pela Buscamos, ainda, mecanismos, atividade...
Nossos Alunos Contam Sua História
Fazendo História
Sou Charles de Souza, tenho 36 anos, formado
em Direito. Membro da Comi...
Sugestões de
entretenimento:

O MAR, Museu de Arte do Rio, localizado na Praça
Mauá, 5 é uma construção que, literalmente,...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Programa Rompendo Barreira: 25 anos, IN Jornal proiniciarcomunica 11

943 views
817 views

Published on

Nas páginas 2 e 3 do Jornal PROINICIARCOMUNICA/UERJ, número 11 de dezembro de 2013, encontramos o histórico das atividades desenvolvidas pelo Programa Rompendo Barreiras: Luta pela Inclusão nos últimos 25 anos e o depoimento emocionante do Dr. Charles de Souza, pessoa com deficiência, graduado em direito pela UERJ.

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
943
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
472
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Programa Rompendo Barreira: 25 anos, IN Jornal proiniciarcomunica 11

  1. 1. Universidade do Estado do Rio de Janeiro - SR1 - CAIAC - Proiniciar Dezembro de 2013 - Ano I ♦ nº 11 Parabéns FEBF - 25 anos! Neste número do PROINICIARCOMUNICA celebramos os 25 anos de existência da FEBF/UERJ (Faculdade de Educação da Baixada Fluminense). Nosso informativo prestigiou a comemoração dos 25 anos da FEBF/UERJ. O evento teve como protocolo a descontração, alegria e congraçamento, uma vez que lá estavam alunos, ex-alunos, funcionários, exfuncionários, professores, ex-professores, da unidade e do campus Maracanã. Música clássica ao piano e poesia, ambos executados por alunos, MPB tocada e cantada por um simpático grupo de professores, contando, ainda, com a participação de funcionários e de todos que lá estavam, propiciaram leveza e singeleza à ocasião. A diretora em exercício, Professora Marize Peixoto da Silva Figueiredo conduziu a cerimônia, prestando homenagem àqueles que ajudaram a transformar a FEBF no que ela é hoje e, também, aos que tornaram possível a realização a festa; ela leu mensagem do Diretor, Professor Jorge Máximo de Souza, afastado por motivo de tratamento de saúde. Houve a fala do Diretor do Centro de Educação e Humanidades, Professor Glauber Almeida de Lemos e dos representantes dos CAS de Pedagogia, Geografia e Matemática. Reiteramos os parabéns à FEBF pelos 25 anos de existência, por tudo que conquistou e conquistará. FEBF 25 anos | Maria Fátima de Mattos Árvore de Natal idealizada por José Mário Bastos Lamedo, que trabalha na manutenção da UERJ
  2. 2. Programa Rompendo Barreiras: 25 anos O atual Programa Rompendo Barreiras: Luta pela Buscamos, ainda, mecanismos, atividades, conteúdos Inclusão foi criado em 05 de abril de 1988, passou de acadêmicos, práticas e instrumentos acessíveis grupo de trabalho, a movimento, a projeto de extensão que propiciem inclusão acadêmica a usuários com e deste para Programa. Em abril completou 25 anos deficiência. Atualmente temos dez projetos ativos; de práticas acadêmicas inclusivas. Fruto da idealização dentre eles destacamos: Audioteca, que é reformulado da saudosa professora da Faculdade de Educação, anualmente, e que funciona há 24 anos fornecendo Maria da Glória Schaper dos Santos, Glorinha, que conteúdos acadêmicos gravados em áudio, digitalizados desde a década de 80 iniciou significativas lutas pelo ou transcritos a partir de arquivos de áudio, quando acesso e permanência de pessoas com deficiência na o usuário tem limitações motoras para escrever ou é Universidade. A principal característica do Programa surdo; manutenção de um blog e de outras redes na é a participação ativa das pessoas com deficiências internet; Inclusão digital para pessoas com deficiência, em muitas das decisões do Programa uma vez que uso de Braille e outros Recursos Pedagógicos voltado se entende que as atividades tendem ao sucesso se, a professores do ensino básico e aos estudantes da antes, as pessoas interessadas e beneficiadas forem UERJ dos cursos de Licenciaturas e Pedagogia, tanto consultadas. na modalidade presencial quanto na de EAD; Curso Em 2004 decidiu-se oferecer Braille como curso de de Espanhol para pessoas com deficiências visuais e extensão em nível de atualização com 60 horas. No surdas e, recentemente, com a chegada da Professora mesmo ano houve o afastamento da Coordenadora de LIBRAS, Mariana Gonçalves que se tornou membro Glorinha, por motivo de doença. O convite à da equipe depois de nove anos como voluntária do Coordenação foi aceito pela Professora Aída Regina Programa, iniciou-se o curso de Português para Monteiro de Assunção estudantes surdos como que, imediatamente, Língua Instrumental – L2. convidou a Pedagoga O Rompendo Barreiras Valeria de Oliveira a atrai estagiários de todas as assumir a Coordenação Unidades da UERJ, pois os Pedagógica do Programa. materiais acadêmicos a serem Também assumiu a adequados às necessidades Coordenação Geral do Educacionais Especiais Programa a Professora dos usuários do Programa Eneida Simões da Fonseca. abrangem diferentes áreas Graças ao empenho do conhecimento. Família Rompendo Barreiras | Maria Fátima de Mattos das pesquisadoras em Com relação aos usuários, temáticas inclusivas, Professora Drª Cátia Walter e disponibiliza-se atendimento, sem discriminação, Pedagoga Mestre Valeria de Oliveira e da atual Diretora para pessoas que enfrentem alguma limitação físicoda Faculdade de Educação, Professora Drª Rosana Glat motora, sensorial (cegueira, surdez, baixa visão, (também pesquisadora na área de Educação Especial), surdocegueira) ou intelectual, e que necessitem de vem ocorrendo a mobilização para que as atividades do acesso a tecnologias assistivas. São eles: graduandos Programa Rompendo Barreiras ganhem visibilidade na e pós-graduandos da UERJ; ex-usuários do Programa; Universidade. usuários externos da Educação Básica à Pós-graduação, A SR1 lançou, este ano, o Programa UERJ Acessível desde que tenham, no mínimo, 14 anos de idade. do qual o Rompendo Barreiras é o carro chefe http:// Sendo assim, as atividades realizadas no Programa uerjrompendobarreiras.blogspot.com.br/2013/10/ Rompendo Barreiras extrapolou os seus limites e programa-uerj-acessivel-quer.html. Em 2014 teremos foi além dos muros da UERJ. Após uma avaliação o V Encontro do Rompendo Barreiras cujo tema será humanizadora das reais necessidades do usuário, esse “Acessibilidade, Inclusão, Permanência e Formação de passa a contar com o apoio necessário para obter êxito Pessoas com Deficiência no Ensino Superior”. dentro e fora do espaço acadêmico. Com suas ações, o No Programa oferecemos apoio acadêmico a Programa não só contribui para a formação acadêmica estudantes com deficiência da UERJ (da graduação de quem tem uma deficiência, mas também prepara ao pós-doutorado) e de outras instituições de ensino profissionais capazes de promover diversas atividades superior. Estão contemplados com nossas ações, inclusivas. Valeria de Oliveira discentes dos cursos presenciais e a distância. Pedagoga do Rompendo Barreiras 2
  3. 3. Nossos Alunos Contam Sua História Fazendo História Sou Charles de Souza, tenho 36 anos, formado em Direito. Membro da Comissão da Pessoa com Deficiência da ALERJ e primeiro secretário da mesa diretora do Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência do Município de Duque de Caxias. Sou uma pessoa com deficiência visual desde os meus 20 anos, quando perdi a visão em decorrência da atrofia bilateral do nervo ótico. Em fevereiro de 2005, através de um amigo, conheci o Programa Rompendo Barreiras: Luta pela Inclusão, da Faculdade de Educação. Estava à procura de um curso de Braille para pessoas que ficaram cegas adultas. Ao entrar pelo portão principal da UERJ, senti que algo diferente iria acontecer na minha vida e aconteceu. Pois bem, consegui o que buscava; hoje eu sei ler e escrever em Braille, mas conquistei muitas outras coisas. No Rompendo Barreiras conheci outros cegos, entre eles alguns que estavam cursando Direito e outros que se preparavam para concursos, vestibulares e para ingressar em programas de pós-graduação. Ao perceber isso também quis buscar esses objetivos. Com isso, investi nos estudos para o vestibular com o apoio das bolsistas do Rompendo Barreiras, estudantes fundamentais para o bom funcionamento do nosso Rompendo Barreiras. Para minha felicidade, da minha família e de todas as pessoas do Programa, consegui passar para o Curso de Direito da UFRJ e da UERJ; sem qualquer dúvida me matriculei na UERJ, pois o vínculo de amor já estava criado entre nós, tanto que sempre serei um componente do Programa Rompendo Barreiras: Luta pela Inclusão. Iniciei como aluno na Faculdade de Direito da UERJ através do sistema de cotas, em março de 2006 e, até o término do meu curso tive o apoio do Programa, para leitura de provas, gravação de materiais, transcrição de aulas, leitura presencial, entre outras ajudas que tive. Ressalto que até hoje, quando necessário, conto com o apoio das tecnologias assistivas oferecidas pelo Programa. Também utilizei os computadores com softwares leitores de telas para realizar minhas leituras diárias, realizar pesquisas online e acompanhar processos judiciais. Acrescento que fui bolsista do Rompendo, onde iniciei minha prática jurídica e de atuação na área de Políticas Públicas. Uma das minhas atribuições era acompanhar as Assembleias Ordinárias do Conselho de Direitos da Pessoa com Deficiência do Estado do Rio de Janeiro (CEPDE-RJ), onde a Professora Valeria de Oliveira é conselheira titular representante da UERJ. Devido às participações no CEPDE-RJ, acabei me desligando do Rompendo Barreiras como bolsista para assumir um estágio na Comissão das Pessoas com Deficiência da ALERJ, onde estou até a presente data, sendo que agora não mais como estagiário, uma vez que sou membro do Departamento Jurídico da Comissão. No Rompendo Barreiras aprendi a lutar pelos meus direitos, pois comecei a participar das lutas das nossas causas, principalmente no CEPDE-RJ, com a Conselheira Valeria de Oliveira, Coordenadora Pedagógica do Rompendo Barreiras, pessoa de suma importância na minha vida. Agradeço à UERJ por manter esse Programa que nos ajuda tanto, pois foi um divisor de águas na minha história de vida. Agradeço a todos os bolsistas que passaram até hoje pelo Rompendo Barreiras; não vou citar nomes para não ser injusto. Agradeço, ainda, às Coordenadoras Gerais, Professoras: Aída Regina Monteiro de Assunção, que estava no Rompendo Barreiras na época em que entrei pela primeira vez, Eneida Simões da Fonseca, que permaneceu por um tempo no Rompendo Barreiras e a atual, Cátia Walter. Mas, destaco um agradecimento especial à Coordenadora Pedagógica, Professora Valeria de Oliveira, pois através do seu trabalho, dedicação e amor às pessoas com deficiência, cada dia mais o Rompendo Barreiras: Luta pela Inclusão torna-se referência na inclusão educacional, acadêmica e social dessas pessoas, assim como na garantia de direitos, os quais são para Todos. Fica aqui um abraço do sempre usuário, voluntário, colaborador, membro efetivo e amigo do Programa Rompendo Barreiras: Luta pela Inclusão. Charles de Souza | Maria Fátima de Mattos 3
  4. 4. Sugestões de entretenimento: O MAR, Museu de Arte do Rio, localizado na Praça Mauá, 5 é uma construção que, literalmente, une o novo ao antigo através de uma onda suspensa num local em metamorfose. Toda transformação requer uma dose de desarrumação e, no caso, grande desarranjo e incômodo tem vivenciado quem por lá “caminha”. Mas tudo vale a pena quando o resultado é a revitalização de espaço há tanto tempo esquecido. O MAR é um museu diferente pela diversidade de obras e objetos que exibe de forma despojada e, até, despretensiosa. Lá podemos ver peças oriundas das escavações feitas naquela área do Porto, que nos remetem a épocas passadas; é possível observar pinturas que retratam locais que Museu de Arte do Rio | Maria Fátima de Mattos nossos avós comentavam de um Rio de Janeiro mais singelo, como a Igreja de Santa Luzia praticamente banhada pelo mar, o belíssimo Palácio Monroe de 1904, que deu lugar a uma praça com estacionamento subterrâneo; há curiosidades como uma maquete muito bela do Theatro Municipal, vários reclames (anúncios) antigos de companhias aéreas. Há muito mais que se ver e conhecer. O espaço oferece exposições, seminários, cursos. Um café aconchegante no térreo, ao lado de uma loja de lembranças contemplam o local com certo charme. No mirante, restaurante, com vista para a Baía de Guanabara, Ponte Rio Niterói, Perimetral (ainda presente) e, do outro lado, casario preservado pelo Patrimônio Histórico. Enfim, é um ambiente em que a história do Rio de Janeiro convive com o antigo e o moderno. Museu de Arte do Rio | Maria Fátima de Mattos Visitando a página do MAR www. museudeartedorio.org.br ou encaminhando mensagem para o endereço info@ museudeartedorio.org.br você terá acesso à programação do museu e se informará, ainda, sobre preço de ingresso e gratuidades oferecidas, sendo que às terças-feiras o MAR é gratuito para todos. Reitor: Ricardo Vieiralves Vice-reitor: Paulo Roberto Volpato SR1: Lená Medeiros de Menezes CAIAC/PROINICIAR: Maricelia Bispo Edição de texto: Maria Fátima de Mattos Reportagem: Maria Fátima de Mattos Projeto Gráfico e Editoração: Rodrigo Nascimento Fotografia: Maria Fátima de Mattos Tiragem: 600 exemplares Impressão: Gráfica Uerj Contato: (21)2334-0970 e proiniciarcomunica@gmail.com Página da CAIAC: www.caiac.uerj.br PROINICIARcomunica é uma produção da Coordenadoria de Articulação e Iniciação Acadêmicas - CAIAC 4

×