Ser professor na educação infantil

22,578 views
22,049 views

Published on

Published in: Education, Technology
1 Comment
5 Likes
Statistics
Notes
  • Apresentação trabalhada no Curso de Formação de Professores da Educação Infantil de Taquara, RS, Brasil - Ano de 2011
    FRASES E TÓPICOS: Prof.(a) Silvana Krupp
    SELEÇÃO DE IMAGENS E EDIÇÃO DE SLIDES: Prof. Airton
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
22,578
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
35
Actions
Shares
0
Downloads
281
Comments
1
Likes
5
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ser professor na educação infantil

  1. 1. SER SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL
  2. 2. SER EXISTÊNCIA MEIO CONVIVÊNCIA IDENTIDADE MATRIZ FAMILIAR
  3. 3. EU MATRIZ FAMILIAR PAI AVÓS IRMÃOS PATERNOS MÃE TIOS IRMÃOS MATERNOS E PATERNOS PADRINHOS IRMÃOS MATERNOS AMIGOS PRIMOS MÃE QUE CRIA O FILHO PAI QUE CRIA O FILHO UNIVERSO DA ADOÇÃO
  4. 4. EU MATRIZ ESCOLAR PAI DIRETORA PROFESSORES MÃE SUPERVISORES FUNCIONÁRIOS UNIVERSO AMIGOS TIOS AVÓS TODOS OS IRMÃOS DA ADOÇÃO
  5. 5. CONHECIMENTO ESCOLHA FORMAÇÃO FORMAÇÃO DIFERENTES PENSADORES DIFERENTES ÉPOCAS DIFERENTES CONCEITOS MATRIZ DO CONTINUADA
  6. 6. <ul><li>Através do conhecimento, passo a ter maior estrutura e segurança no meu saber; </li></ul><ul><li>Mas o que fazer com ele? </li></ul><ul><li>Tenho agora condições de formar meus próprios conceitos; </li></ul>PARA REFLETIR
  7. 7. <ul><li>Que conceito tenho de mim mesmo? </li></ul><ul><li>Que conceito tenho de mim como profissional? </li></ul><ul><li>A minha imagem como “SER” e “SER PROFISSIONAL”, que conceito a sociedade tem sobre ela? </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Como medir o nível da maturidade? </li></ul><ul><li>Dar importância ao período de adaptação: escola, aluno... Família; </li></ul><ul><li>Perceber minhas próprias ações e reações do dia a dia na convivência com as pessoas; </li></ul>MATRIZ DA MATURIDADE PROFISSIONAL
  9. 9. <ul><li>Construir a maturidade profissional é administrar várias situações com competência sem deixar fragilizar o próprio “EU”; </li></ul><ul><li>Não confundir maturidade com domínio de conhecimento... Poder; </li></ul>
  10. 10. <ul><li>É fundamental conhecer-se a si próprio e aprender a perceber onde existe maior necessidade de flexibilidade e postura, mediante o que acredito e quero conquistar. </li></ul><ul><li>Em que fase será que estou? </li></ul>
  11. 11. <ul><li>O prazer e a dor de ser adulto se inscrevem na releitura de sua historicidade e na importância de passar a ser um novo historiador, é rever toda a série de identificações com as imagens parentais, é construir uma identidade, é poder separar-se dos pais e da família de origem sem que isso signifique um rompimento relativo, é discriminar a intimidade, é rever limites, é ver os pais com suas falhas, desejos, expectativas, qualidades, defeitos, e mesmo assim, apreciá-los, é poder lidar com a diferença e com a possibilidade de ser diferente, é deixar de ser cuidado para ser cuidador, é estreitar laços afetivos e ao mesmo tempo ampliar a capacidade de estar só. </li></ul>O PROFISSIONAL – JOVEM ADULTO
  12. 12. <ul><li>Adultecer é poder brincar, isto é, experimentar de forma lúdica, com as escolhas, com as renúncias e com as novas e futuras aquisições. É poder pedir colo na hora em que a dor e o sofrimento tornam-se insuportáveis, sem que isso represente um retorno às origens, mas sim um alimento para seguir em frente, com confiança e maior certeza. É poder ficar distante, mas suficientemente tranqüilo, confortado pela lembrança da infância, do cheiro e do sabor do colo da mãe e das conversas e dos braços do pai. Principalmente, é de poder trilhar o caminho sozinho, mas muito bem acompanhado internamente. </li></ul>José Olteiral
  13. 13. SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL
  14. 14. É compreender que fiz uma escolha e estou aqui; É entender que quero trabalhar com a educação; É estabelecer relações com a criança, família, professores e toda a comunidade escolar; É compreender a complexidade dos diferentes contextos e produzir conhecimento pedagógico;
  15. 15. É perceber a necessidade de atenção da criança; É realizar a leitura da criança nas suas atitudes... Comportamentos... Emoções e reações; Conhecer e construir caminhos conforme as fases do desenvolvimento da criança;
  16. 16. É conhecer a criança quanto as suas diferentes Comunicações: Choro Medos OBJETOS: <ul><li>Chupetas; </li></ul><ul><li>Mamadeiras; </li></ul>
  17. 17. É apontar, conduzir caminhos e permitir que a criança acredite nas suas primeiras marcas dos seus próprios pés... É levar o conhecimento e não ter medo de arriscar-se... é enfrentar o diferente... É dividir, ainda o que não se sabe...
  18. 18. É principalmente aprender como fazer tudo isso.
  19. 19. <ul><li>A escola oferece condições de educação diferentes das existentes na família. A criança passa a pertencer a uma coletividade, que é a sua turma, sua classe, sua escola. É um crescimento em relação ao EU de casa, pois ali ela praticamente é o centro. </li></ul><ul><li>A escola sozinha não é responsável pela formação da personalidade, mas tem papel complementar ao da família. Por mais que a escola infantil propicie um clima familiar a criança, ainda assim é apenas uma escola. </li></ul>A ESCOLA NA EDUCAÇÃO INFANTIL
  20. 20. <ul><li>A escola também oferece condições específicas conforme a idade das crianças, o que não acontece em casa, onde se vive conforme cada um pode e consegue dentro do que se chama vida familiar. </li></ul><ul><li>A escola percebe na criança facilidades, dificuldades e outras facetas que em casa não eram observadas, muito menos avaliadas. </li></ul>
  21. 21. <ul><li>A escola na sua voz da experiência e conhecimento, quando bem ouvida, pode ser muito útil num momento em que a família está totalmente perdida sobre a maneira como deve proceder seu filho. Orientado a superarem dificuldades domésticas antes que se transformem em problemas maiores, se os pais soubessem dessa possibilidade de ajuda e tivessem a sabedoria de procurar a escola, muitos conflitos, desajustes relacionais, dificuldades escolares, sem dúvida seriam resolvidos a tempo. </li></ul>
  22. 22. <ul><li>Quando a escola, o pai e a mãe falam a mesma língua, a criança aprende sem grandes sofrimentos e não quer jogar a escola contra os pais e vice versa. </li></ul><ul><li>Nos conflitos, as crianças tendem a tirar vantagens pessoais e acompanhar quem mais lhe agrada. Assim, quando os pais não concordam com a escola, é com ela que devem resolver as discordâncias. </li></ul><ul><li>Quando o filho se queixa de algum professor ou de alguma injustiça praticada pela escola, antes de acreditar piamente no que ele diz é melhor que os pais tomem conhecimento de outras informações sobre o mesmo fato. </li></ul>
  23. 23. Içami Tiba <ul><li>Existem casos que os pais vão a escola reclamar dos maus tratos que o filho estaria recebendo, baseados sempre na frase MEU FILHO NÃO MENTE, mas ficam perplexos, perdidos e sem graça ao descobrir que haviam sido manipulados. O querido filhinho havia mentido sim, e muito. </li></ul><ul><li>Mas sabemos que tem casos onde a criança pode estar certa e a escola, errada, mas não admite o erro, então é hora de repensar a essa escola ou o professor dessa escola... Os pais também precisam ficar atentos. </li></ul>
  24. 24. <ul><li>Mediador é aquele que não se prende ao nível de maturação manifestado pela criança, antecipa-se ao desenvolvimento, isto é, o bom ensino é aquele que está direcionado as funções que ainda estão por se completar. </li></ul><ul><li>O que torna alguém mediador é sua capacidade pra conduzir estrategicamente o processo de aprendizagem mediada, sua capacidade de interrogar o mediado, de modo a impulsionar conflitos cognitivos e mobilizar suas funções, viabilizando, assim, uma intervenção transformadora que garanta o aumento do nível de modificabilidade e flexibilidade mental do indivíduo envolvido no processo e aprender a pensar. </li></ul>O PROFESSOR SENDO MEDIADOR NO DESENVOLVIMENTO DO... SER CRIANÇA...
  25. 25. <ul><li>A mediação se torna possível ao se acreditar na criança. Essa CRENÇA é um fator energético que impulsiona a realização dos trabalhos, que resultará numa maior eficácia no processamento de informação quando a criança for exposta a novos desafios, salienta que o fator energético exige mudança de atitude e não apenas exibição de competências. </li></ul>
  26. 26. Marcos Meier e Sandra Garcia <ul><li>O mediador precisa ter o único objetivo de ensinar, por meio de suas ações, posicionar-se de forma consciente e responsável ao acreditar na sua prática. </li></ul><ul><li>O mediador precisa ser conhecedor... Primeiro de si mesmo. </li></ul>
  27. 27. É Ser Professor Na Educação Infantil OBRIGADA!

×