Your SlideShare is downloading. ×

AS RAZÕES DE ANTÓNIO CAPUCHO

131

Published on

Published in: News & Politics
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
131
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. António d’Orey Capucho DECLARAÇÃO ELEIÇÕES PARA O PARLAMENTO EUROPEU: EU VOTO PS! Como é público, há cerca de dois anos suspendi a militância e afastei-me do Partido em cuja fundação e implantação estive envolvido, por discordar da deriva ideológica que o afastou da matriz social-democrata e da estratégia governativa que assumiu nos últimos anos. Sou um cidadão partidariamente independente. Nas próximas eleições para o Parlamento Europeu considero ser essencial a participação de todos, pelo que cumprirei o meu dever cívico de votar na lista que entendo melhor defender os interesses do nosso País e acredite numa Europa solidária, coesa, politicamente robustecida e que privilegie o crescimento económico e o emprego. Continuo europeísta, apesar de todas as vicissitudes e erros de percurso da construção europeia. Ora, a coligação PSD/CDS que nos governa afasta-se profundamente, na política interna e na estratégia europeia, do caminho que defendo para que o País possa ultrapassar a crise em que está mergulhado. De facto, o Governo persiste na austeridade excessiva que leva ao definhar da economia, ao agravamento de desemprego e ao empobrecimento dos portugueses, sem resolver os principais problemas estruturais do País, como decorre designadamente da incapacidade de formular uma estratégia consequente de reformas e de inverter o crescimento da dívida. Consequentemente, considero mesmo que a política governativa deve merecer nas urnas um claro voto de protesto por parte dos cidadãos eleitores. Entretanto, a candidatura do PSD/CDS ao Parlamento Europeu não só assume uma posição inteiramente seguidista e laudatória das políticas governativas que considero perversas, como o cabeça de lista se permite insultar o conjunto plural de cidadãos, entre os quais me encontro, que assinaram e submeteram a debate público o documento “Preparar a reestruturação da dívida para crescer sustentadamente”. Ao contrário, ocorre que me identifico no essencial com o Manifesto Eleitoral do PS. Acresce que a candidatura socialista é encabeçada por Francisco de Assis, que tive o gosto de conhecer mais de perto quando liderávamos os respectivos grupos parlamentares na Assembleia da República, pessoa que é merecedora da minha confiança e admiração pelas qualidades pessoais e políticas que lhe reconhecemos. O mesmo apreço tenho pela generalidade dos demais candidatos socialistas que integram uma lista corajosamente paritária e em que me permito distinguir Maria João Rodrigues, que ocupa o segundo lugar, com cuja visão prospectiva sobre a União Europeia, que nos dá a conhecer na obra escrita e em intervenções públicas, me identifico no essencial. Por tudo o que antecede, em consciência e em coerência, obviamente votarei PS! António d’Orey Capucho S. João do Estoril, 12 de Maio de 2014

×